Relação Entre VO2 máximo & Desempenho em TEM

1.479 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.479
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
36
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relação Entre VO2 máximo & Desempenho em TEM

  1. 1. Anais 26ª JAI Início Trabalhos Relação Entre VO2 máximo & Desempenho em TEM 1 JORGE LUIZ DOS SANTOS DE SOUZA 2 LUIZ OSORIO CRUZ PORTELA 3 ELIANE FERREIRA UMPIERREResumoIntrodução: O consumo máximo de oxigênio é referido por alguns autores como o melhor índice de aptidãoaeróbia e sua validade como indicador de performance é comprovada por diferentes estudos que demonstram aexistência de uma forte relação entre o VO2máx, o tempo e a distância de corrida, pesquisas e artigos de revistascientíficas nacionais e internacionais utilizam-se desta variável com a finalidade de compor grupos similares, comopor exemplo, na demonstração da igualdade de desempenho entre grupo de controle e experimental, todaviaatualmente surgem na literatura algumas pesquisas que demonstram o contrário e outras ainda vão além, poisbuscam uma diferente variável fisiológica de explique melhor por que dentro de uma mesma faixa de classificaçãode VO2máx ocorrem diferenças em relação ao tempo e distância de corrida . Objetivo: O objetivo deste estudo foidemonstrar a relação entre VO2máx e distância percorrida no teste de esteira em um grupo de homens emulheres com idade entre 40 a 55 anos, participantes de programa de atividades físicas. Metodologia: Foramincluídos nas análises 52 sujeitos com média de idade 47,43±5,78 anos (46,93±5,36 para mulheres, n=30 e47,06±4,71 nos homens, n=22) VO2 máx 35,04±7,49 ml.kg/min-1 (30,39±4,90 ml.kg/min-1 no grupo feminino e40,60±7,13 ml.kg/min-1 nos homens). O teste ergoespirométrico até a exaustão (TEM) foi realizado no analisadorde gases VMax 229 da Sensormedics com o auxílio de uma esteira rolante marca Imbramed 1020. O protocoloutilizado para coleta de dados foi o protocolo de Mader onde há um aumento da velocidade de esteira de 1,8 km/ha cada estágio de 5 minutos com inclinação constante de 1 grau na esteira. Todos avaliados começaram navelocidade de 5,4 km/hr sendo os batimentos cardíacos monitorados minuto a minuto com auxilio do
  2. 2. freqüêncímetro Polar juntamente com avaliação da sensação subjetiva de esforço no fim de cada estágio até aexaustão máxima voluntária e após recuperação caminhada a 5 km/h por 3 minutos e mais 2 minutos em repouso.Para explicar a relação entre o VO2máx e a distância percorrida foi feito uma equação de regressão afim deencontrar o coeficiente de determinação que a explique. Após os testes os sujeitos foram separados em 6 gruposconforme sua faixa de VO2máx segundo a AHA (20,1 a 25, 25,1 a 30, 30,1 a 35, 35,1 a 40, 40,1 a 45 e 45,1 a 50ml.kg/min-1 ) para fins de análises. Análise Estatística: foram realizadas estatística descritiva e equações deregressão para verificar o índice de determinação entre o VO2máx e a distância para cada indivíduo e com amédia a cada faixa de VO2máx, foi verificada a correlação entre as variáveis. Resultados: Os valores aquiapresentados referem-se as médias. No grupo masculino encontramos: 1º) VO2máx 27,5 ml.kg/min-1 ; distância1070,5 metros, n= 3. 2º) VO2máx 37,5 ml.kg/min-1 ; distância 2364,81m , n= 7. 3º) VO2máx 42,5 ml.kg/min-1 ;distância 3118,81m, n= 8. 4º) VO2máx 47,5 ml.kg/min-1 ; distância 3805,50 m, n= 5. 5º) VO2máx 52,5 ml.kg/min-1; distância: 5524,25 m. O resultado da regressão y= 0,00 51x+25,812 entre o VO2máx e distância mostra um altocoeficiente de determinação R2 = 0,809 indicando que em apenas 19 % dos casos a variação da distânciapercorrida não pode ser explicada pelo VO2máx. No grupo feminino encontramos: 1º) VO2máx 22,5 ml.kg/min-1 ;distância 1374,30m, n= 5. 2º) VO2máx 27,5 ml.kg/min-1 ; distância 1413,64 m, n= 8. 3º) VO2máx 32,5 ml.kg/min-1; distância 1950,72, n= 11. 4º) VO2máx 37,5 ml.kg/min-1 ; distância 2146,42 m, n= 6. O coeficiente dedeterminação foi baixo, R2 = 0,35 para a regressão y= 0,00 51x+21,48. Isso significa que em 65% dos casos adistância percorrida não pode ser explicada através do VO2máx. Conclusões: Sob o ponto de vista da capacidadede corrida, muitos fatores interagem e fazem com que a performance se diferencie, a eficiência de corrida já vemrecebendo destaque a muitos anos como variável interveniente. As diferenças de eficiência de movimentos podemviabilizar a corrida em menor percentual do VO2máx e a economia decorrente do gasto energético possibilita oaumento do tempo de atividade, da mesma forma a massa corporal. A variável e a metodologia de mediçãopossibilitam diferenciação da capacidade de desempenho de corrida dos homens por meio do VO2máx. Já nogrupo feminino, este resultado demonstra que outros fatores influenciam e interferem na relação, como exemploas relacionadas ao nível de treinamento, idade e massa corporal. Fatores relativos a metodologia de medição, tipode protocolo utilizado, podem ser os responsáveis pelo coeficiente encontrado. No grupo das mulheres o VO2máxnão permite diferenciar adequadamente, não é um bom indicador do desempenho de corrida. A maior parte daspessoas deste estudo não era treinada e possuíam diferentes níveis psicológicos de resistência ao desconforto decorrida. Esse é mais um dos fatores que interferem e que não podem não se manifestar através do VO2máx.Conforme conteúdo dos livros de fisiologia do exercício, a divisão do consumo de oxigênio pela massa corporalseria suficiente para possibilitar a comparação entre diferentes indivíduos e sexos. Todos os aspectos discutidosreforçam o fato de que se deve usar a performance de corrida em termos de distância, tempo, velocidade, pois asmesmas permitem uma melhor diferenciação que o VO2máx para este fim. Há a necessidade de revisar osprocedimentos para as testagens dos grupos femininos. Não se pode esperar que a medida de consumo máximode oxigênio isoladamente seja suficiente para fornecer uma boa percepção da capacidade de desempenho emendurance. Se for importante a diferenciação desta capacidade por finalidade investigativa ou prática, sugere-se
  3. 3. também o uso da distância ou tempo de corrida. Referências Bibliográficas Lehance, C. ? Bury, T. Testing Aerobic Power. Revue Medicale de Liege. 63 (7-8). 500-3. Jul-Aug. 2008. Burnkley, M. ? Jones, A.M. Oxygen uptake kinetics as a determinant of sports performance. European Journal of Sport Science, V: 7, N° 2, P: 63 – 79, 2007. Mac Ardle, W. D.; Katch, F.I. ? Katch, V.L. Fisiologia do Exercício: energia, nutrição e desempenho humano. Editora Guanabara Koogan, 4° edição, Rio de Janeiro – RJ 1998. Fox, E.L.; Bowers, R.W. ? Foss, M.L. Bases fisiológicas da educação física e dos desportos. Editora Guanabara Koogan, 4° edição, Rio de Janeiro – RJ 1991. Weineck, J. Treinamento Ideal. Editora Manole, 9° edição, São paulo, SP; 1999. Weineck, J. Biologia do Esporte. Editora Manole, São Paulo, SP; 1991. Powers, S.K. ? Howley, E.T. Fisiologia do Exercício: Teoria e Aplicação ao Condicionamento e ao Desempenho. Editora Manole, 3° Edição; Barueri, SP; 2000. Withers, R., Gore, C., Gass, G. ? Hahn, A. Determination of maximal oxygen consumption (VO2 max) or maximal aerobic power. In: C. J. Gore. Physiological tests for elite athletes. Human Kinetics, Sidney. 2000. American College of Sports Medicine, Diretrizes do ACSM para os testes de esforco e sua prescrição, Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 2003. Sargent, C. et al. Maximal oxygen Uptake and metabolism are normal in chronic fatigue syndrome. Medicine Science Sports ? Exercise. N° 34, V: 1, p: 51-56, 2002. Midgley, A.W.; McNaughton, L.R. ? Jones, A. M. Training to enhance the physiological determinants of long-distance running performance: can valid recommendations be given to runners and coaches based on current scientific knowledge? Journal Of Sports Medicine.; V: 37 (11):1000, 2007. Ingjer, F. Maximl oxygen uptake as a predictor of performance ability in women and men elite cross-coutry skiers. Scandinavian Journal of Medicine ? Science in Sports. N°: 1, V: 1, P: 25-30, 2007. Wiswell, R.A. et al. Maximal aerobic power, lactate threshold, and running performance in master athletes. Medicine ? Science in Sports ? Exercise. N°: 6, V: 32, P.: 1165-1170, 2000. Hagberg, J.M. ? Coyle, E.F. Physiological determinants of endurance performance as studied in competitive racewalkers. Journal of Medicine Science and Sports. N°: 15, V: 4, p.: 287-289, 1983. 1 apresentador, 2 orientador, 3 co-autorhttp://portal.ufsm.br/jai/anais/trabalhos/trabalho_1001252474.htm

×