Aula sobre sociologia clássica

128 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
128
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula sobre sociologia clássica

  1. 1. Aula sobre sociologia clássica (escrever o tema no quadro e um pequeno sumário da aula) Bom dia, Na aula anterior da disciplina falamos sobre o contexto de surgimento da sociologia, em que damos destaque para o período do Renascimento, das ideias que foram sendo desenvolvidas no período do Iluminismo, o contexto das Revoluções Industrial e Francesa. Vocês podem entregar o texto que vocês construíram discutindo o que os homens do iluminismo esperavam da ciência e o que cada um de vocês espera da ciência atualmente. Eu vou redistribuir esses textos posteriormente entre vocês para que cada um possa ler e complementar o texto escrito pelo colega. Teremos um tempo na próxima aula para discutir essa questão. Hoje vamos iniciar a discussão dos autores clássicos da sociologia, os que primeiro se dedicaram a desenvolver esta disciplina e buscaremos identificar quais as questões que eles se colocavam a partir da sociedade em que viveram. O positivismo foi a primeira forma de pensamento social. Seu primeiro e principal pensador foi Augusto Comte (1798-1857). As ciências sociais derivam das ciências físicas. Comte deu inicialmente o nome de “física social” às suas análises da sociedade, antes de criar o termo sociologia, pois era baseada no método de investigação das ciências da natureza. Procurava identificar na vida social as mesmas relações e princípio com os quais os cientistas explicavam a vida natural. Da mesma forma que a descoberta de leis do mundo natural nos permitem controlar e predizer acontecimentos ao nosso redor, desvendar as leis que governam a sociedade humana poderia nos ajudar a modelar nosso destino e a melhorar o bem estar da humanidade. A sociologia deveria aplicar os mesmos métodos científicos e rigorosos ao estudo da sociedade que a física ou a química usam no estudo do mundo físico. A própria sociedade foi concebida como um organismo constituído de partes integradas e coesas que funcionavam harmonicamente, segundo um modelo físico ou mecânico. “Ordem e progresso” - princípios Comtianos que estão contidos na bandeira nacional brasileira. A sociedade está sempre contida em determinada ordem. A ordem traria o progresso.
  2. 2. Para Comte haveriam três estágios de esforços da humanidade para entender o mundo: teológico (guiado por ideias religiosas e pela crença de que a sociedade era uma expressão da vontade de Deus) , metafísico (se torna proeminente na Renascença, em que a sociedade começa a ser vista em termos naturais e não sobrenaturais) e positivo (em que passa-se a usar técnicas científicas para entender o mundo social). Assim, Comte considerava a sociologia como a última ciência a se desenvolver. Comte propôs a criação de uma “religião da humanidade” que abandonaria a fé e o dogma em favor de um fundamento científico. A sociologia estaria no centro dessa nova religião. Para ele os problemas sociais deveriam ser resolvidos pela produção de um consenso moral que ajudaria a regular, ou a manter unida a sociedade. A teoria de Comte pressupõe três grandes temas: 1) A sociedade industrial da Europa se tornará a sociedade de todos os homens. A organização científica do trabalho é mais eficaz do que todas as outras organizações; 2) Universalidade do pensamento científico europeu – a ciência positiva 3) O sistema político democrático Tinha, portanto, uma concepção evolucionista da humanidade. Emile Durkheim (1858-1917) - Acreditava que a vida social deveria ser estudada com a mesma objetividade que os cientistas estudam o mundo natural. Seu princípio de sociologia era: estude os fatos sociais como coisas. Os fatos sociais – são aspectos da vida social que modelam nossas ações enquanto indivíduos. São meios de agir, pensar ou sentir que são externos aos indivíduos e tem sua realidade fora das vidas e das percepções das pessoas individuais. Eles exercem um poder coercitivo sobre os indivíduos. As pessoas com frequencia simplesmente seguem padrões que são gerais à sua sociedade. Os fatos sociais podem forçar a ação humana numa diversidade de maneiras indo da punição absoluta (no caso de crimes), a rejeição social (no caso de comportamento inaceitável) e a incompreensão (no caso do uso inadequado da língua). A sociedade é um organismo exterior e superior aos indivíduos, constituindo um conjunto de normas, leis, regras que irão determinar a maneira de ser e de agir dos indivíduos, bem
  3. 3. como a formação das instituições sociais. A consciência coletiva é a forma moral vigente na sociedade que determina a maneira de pensar, ser e agir dos indivíduos. A questão que Durkheim se colocava é o que segura a sociedade unida? Como pode uma coleção de indivíduos constituir uma sociedade? Para ele era a solidariedade social e moral. Ele contrastou dois tipos de solidariedade: solidariedade mecânica – que predominava nas sociedades tradicionais, com baixa divisão de trabalho. Eles estão ligados pela experiência comum e crenças compartilhadas. E a solidariedade orgânica – que caracterizam as sociedades urbanas e industriais, que levaram a uma divisão crescente do trabalho, a divisão de tarefas e a crescente diferenciação social. Essas sociedades são mantidas unidas pela interdependência econômica das pessoas e pelo reconhecimento da importância da contribuição dos outros. Para Durkheim o único grupo que pode favorecer a integração dos indivíduos na coletividade é a profissão- a corporação (organizações profissionais reunindo empregadores e empregados). Durkheim via os problemas sociais da sociedade moderna como anomia. Um dos estudos mais famosos de Durkheim foi a análise do suicídio (um fenômeno patológico que ameaça as sociedades modernas). Para ele os fatores sociais exercem uma influência fundamental no comportamento suicida. Ele identificou três tipos principais de suicídio: Suicídio Egoísta – são marcados pela baixa integração do indivíduo na sociedade e ocorrem quando um indivíduo está isolado ou quando seus laços com um grupo são enfraquecidos ou rompidos. Suicídio anômico – atinge os indivíduos devido as condições de vida na sociedade moderna. Ccausado pela falta de regulação social. Quando a pessoa perde a dimensão normativa devido a rápida mudança ou instabilidade da sociedade. Suicídio altruísta – ocorre quando um indivíduo está integrado demais, os laços sociais são muito fortes e valoriza a sociedade mais do que ele mesmo.

×