A INFLUÊNCIA DE GIL VICENTE NO TEATRO DE
JOÃO CABRAL DE MELO NETO
Universidade Paulista – UNIP Campus: Vergueiro
Carolina ...
2. Gil Vicente
A biografia de Gil Vicente é incerta. Informações como sua data de nascimento
e morte, cidade natal e profi...
destacando sua originalidade. Em suas obras, Gil Vicente mostrou bem o perfil da
sociedade portuguesa do início do século ...
3. João Cabral de Melo Neto
Nascido em 1920 em Recife, Pernambuco, João Cabral de Melo Neto é
considerado um dos maiores p...
Morte e Vida Severina
Escrito em 1955, foi um pedido de Maria Clara Machado para seu teatro. Tem
como subtítulo “Auto de N...
4. Análise Comparativa
Analisando as duas obras, a primeira e mais notável característica em comum
que encontramos é o fat...
Assim como Gil Vicente usa seus personagens para simbolizar instituições,
profissões e seus vícios, na obra de João Cabral...
6. Referências Bibliográficas
ACHCAR, Francisco. ANDRADE, Fernando Teixeira de. Os livros da FUVEST – I. São
Paulo: Editor...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aps

586 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
586
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
161
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aps

  1. 1. A INFLUÊNCIA DE GIL VICENTE NO TEATRO DE JOÃO CABRAL DE MELO NETO Universidade Paulista – UNIP Campus: Vergueiro Carolina Maria Iria de Almeida Moreira R.A.: B96iJD-0 Joselane de Sousa Leão R.A.: B96875-3 Tatiana Gomes Fuza R.A.: B920GE-6 Graduação Letras (Licenciatura Português / Inglês) Turma: LL2A02 Disciplina: Literatura Portuguesa – Poesia Blog: http://amantesdeletras.blogspot.com.br/ Resumo O presente trabalho tem como objetivo realizar uma análise comparativa entre as poesias dramáticas de Gil Vicente e João Cabral de Melo Neto, buscando similaridades e entendendo a evolução do teatro até os dias atuais. Através de conteúdos teóricos estudados nas disciplinas Teoria Literária e Literatura Portuguesa – Poesia, serão analisadas as características formais e estéticas das obras dos autores, além do conteúdo tratado por eles em suas peças. Palavras-chave: Teatro; Gil Vicente; João Cabral de Melo Neto; Morte e Vida Severina; O Auto da Barca do Inferno; Poesia Dramática. 1. Introdução O tema deste trabalho foi determinado a partir de proposta da disciplina Literatura Portuguesa – Poesia, onde tivemos o conhecimento sobre a introdução do teatro em Portugal. A partir de conteúdo abordado nessa disciplina, bem como na disciplina de Teoria Literária, será feita uma análise dos aspectos da poesia dramática de Gil Vicente, com destaque para sua obra O Auto da Barca do Inferno. Buscaremos fazer uma comparação entre as características do teatro vicentino com a poesia dramática de João Cabral de Melo Neto, mais especificamente a obra Morte e Vida Severina. A influência do autor português no teatro atual é inegável e mesmo se tratando de obras de muitos séculos atrás, é possível encontrarmos aspectos contemporâneos. Entender a evolução dessa arte e as mudanças enfrentadas no decorrer do tempo é a proposta desse trabalho.
  2. 2. 2. Gil Vicente A biografia de Gil Vicente é incerta. Informações como sua data de nascimento e morte, cidade natal e profissão divergem entre os estudiosos. Acredita-se que tenha nascido entre 1465 e 1470 e morrido entre 1536 e 1540. Apesar de ser um poeta do Renascimento, Gil Vicente ainda conservava muito do pensamento medieval, marcando a transição entre os dois períodos. Seu primeiro trabalho a ser conhecido foi o Auto da Visitação, encenado em 1502 nos aposentos da rainha D. Maria em celebração ao nascimento de seu filho e inspirado na história do nascimento de Cristo. Além de escrever a peça, Gil Vicente também atuou. Passou então a ser protegido por Dona Leonor, viúva de D. João II, e ficou responsável pela organização de eventos no palácio. É considerado o introdutor do teatro em Portugal, com grande influência do espanhol Juan del Encina. Além da composição de autos, Gil Vicente também escreveu farsas, mistérios, comédias e tragicomédias, por vezes sendo possível encontrar mais de um estilo na mesma peça. O teatro vicentino é considerado realista, já que mostra situações com pessoas comuns, social, por ser acessível a todos os públicos, e de ideias, por não se tratar apenas de entretenimento, mas passar um conteúdo social e moral à plateia. Também é poético, por ser escrito em versos. Seus personagens costumam representar os vícios e virtudes da sociedade, de uma classe específica, raramente assumem aspecto individual, como aconteceu com a romântica e sonhadora Inês Pereira, personagem mais moderna de Gil Vicente. Segundo Rosenfeld (1965, pg.47) “muitas de suas peças são moralidades em que, por exemplo, o mundo é apresentado como uma grande feira, cujas mercadorias são as virtudes e os vícios que se vendem a bom dinheiro. Ou então o mundo vira floresta em que os personagens se caçam mutuamente. Seus autos, contudo, não têm a rigidez das moralidades da época; as alegorias transformam-se em vida, em personagens saborosos”. Através de sua visão crítica da sociedade, expondo, satirizando e criticando os vícios da sociedade, mas poupando suas instituições, o autor aborda temas que ainda hoje continuam atuais. Muito religioso, Gil Vicente opunha-se a certas práticas de clérigos, mas nunca à própria Igreja Católica, e expressa bem em suas peças seu pensamento de exaltação das virtudes e oposição aos vícios. O humor, seja no caráter dos personagens, na linguagem da peça ou mesmo na situação abordada, é uma das características mais importantes em seus trabalhos,
  3. 3. destacando sua originalidade. Em suas obras, Gil Vicente mostrou bem o perfil da sociedade portuguesa do início do século XVI e continua a influenciar o teatro contemporâneo, como afirma Rosenfeld (1965, pg.48), “essa maneira paradoxal de julgar cria certo efeito de distanciamento, do qual, ao que tudo indica, Gil Vicente é um predecessor remoto e eficaz. Na linha da obra vicentina encontra-se uma peça moderna como o Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna, que nela uniu à temática universal o elemento regional, oriundo de fontes folclóricas nordestinas”. O Auto da Barca do Inferno Esta peça de Gil Vicente foi representada pela primeira vez em 1917 e é a primeira de sua Trilogia das Barcas, seguida de O Auto da Barca do Purgatório e O Auto da Barca da Glória. Apesar da proximidade com o gênero farsa, essa obra é classificada como auto de moralidade. O enredo consiste basicamente no julgamento das almas, a exposição de seus pecados e a condenação da maior parte delas ao Inferno. Por se tratar de um auto (composição teatral de apenas um ato), a peça é dividida em cenas conforme o aparecimento dos personagens. O movimento comum a quase todos é o de falar ao Diabo, tentar convencer o Anjo a irem para o Céu e depois, aceitando sua condenação, retornar à barca do Inferno. Em O Auto da Barca do Inferno, Gil Vicente critica os costumes dos indivíduos com o intuito de “educar” ou “moralizar” a sociedade. Os personagens nos são apresentados e através de cenas cômicas têm de aceitar seu destino junto ao Diabo na barca que tem como destino o Inferno. Cada personagem representa uma classe na sociedade ou uma profissão e seus pecados são revelados para justificar sua condenação, fazendo um paralelo com alguns pecados capitais. Cada um aparece em cena trazendo algo que simbolize seus pecados e tentam persuadir o Diabo para não embarcarem para o Inferno, mas sim para o Céu. Com exceção do Parvo e dos Cavaleiros, todos os demais personagens têm o mesmo destino: o Inferno. O Parvo é o elemento cômico da peça, comentando e satirizando o Diabo, usando uma linguagem simples e por vezes obscena, mas sua inocência e ingenuidade lhe garante um lugar na barca da Glória. Os Quatro Cavaleiros representam na peça aqueles que morreram nas Cruzadas, a religiosidade.
  4. 4. 3. João Cabral de Melo Neto Nascido em 1920 em Recife, Pernambuco, João Cabral de Melo Neto é considerado um dos maiores poetas brasileiros. Seu primeiro livro, Pedra do sono, foi lançado em 1942 em edição particular. Em 1945 ingressou no Itamaraty, onde exerceu a carreira diplomática em vários países, até se aposentar em 1990. Em 1956 é lançado Duas águas, contendo todos os seus livros lançados até então e os inéditos Morte e vida severina, Paisagens com figuras e Uma faca só lâmina. Morte e vida severina é encenada em 1966, com música de Chico Buarque, no teatro da Universidade Católica de São Paulo (Tuca), sendo posteriormente apresentada em outras cidades do país e em Portugal e França. Em 1968, com a morte de Assis Chateaubriand, é eleito para ocupar a cadeira de número 37 na Academia Brasileira de Letras. Também fez parte da Academia Pernambucana de Letras e ao longo de sua carreira recebeu vários prêmios importantes, dentre eles o Prêmio Camões, em 1990, considerado um dos mais importantes da literatura em língua portuguesa. Faleceu em 9 de Outubro de 1999, no Rio de Janeiro, aos 79 anos. Com uma sintaxe única, João Cabral obriga o leitor a despertar e usar sua inteligência e razão. Em seus versos, é predominantemente utilizada a primeira pessoa do singular, narrando experiências e sentimentos. Também podemos encontrar a fusão entre sujeito e objeto, unidos em um só. O uso de formas interrogativas de linguagem também é uma forte característica do autor. A poesia cabralina utiliza uma linguagem simples e despretensiosa, apesar de por vezes utilizar uma sintaxe complexa, e busca poesia nas coisas simples do dia a dia. Apesar de ter pertencido à Geração 45, João Cabral seguiu uma linha diferente dos demais poetas da época, negando o confessionalismo, o transcendentalismo e o subjetivismo enfático, assumindo um estilo particular e único na poesia nacional. O realismo social se inicia em sua carreira com a trilogia O cão sem plumas, O rio e Morte e vida severina, com a presença da imagem da viagem simbolizando uma peregrinação. Essa identificação poética de João Cabral com a paisagem do sertão nordestino e com o retirante estabelece em sua obra uma visão mais humana e pessoal.
  5. 5. Morte e Vida Severina Escrito em 1955, foi um pedido de Maria Clara Machado para seu teatro. Tem como subtítulo “Auto de Natal Pernambucano” e já nasceu como poema dramático, com inspiração dos autos de Natal de tradição pastoril, com a predominância de versos em redondilha maior, que permite uma fácil assimilação, presentes tanto na tradição medieval quanto na cultura popular nordestina. O enredo consiste na história de um migrante nordestino em sua jornada rumo ao litoral, em busca de melhores condições de vida. Passando por várias paisagens, onde são introduzidos muitos personagens, o poema narra o percurso de Severino, seu sofrimento, suas desilusões. Além da conversa direta com o leitor, o diálogo entre personagens dão vida à obra. A presença constante no poema é do Rio Capibaribe, que serve como guia de Severino ao seu destino. A obra pode ser dividida em duas partes, a primeira anterior à chegada ao Recife, o caminho percorrido pelo personagem, a fuga da morte. A segunda é em sua chegada ao seu destino, o encontro com a vida. O título da obra mostra um significado social. A ordem invertida de “vida e morte” é uma referência ao sofrimento de um povo, em uma vida onde a morte possui presença constante. A palavra severina, aqui, é utilizada como adjetivo. Essa adjetivação de substantivos é comum nas obras de João Cabral e, nesse caso, podemos pensar que o protagonista, Severino, representa na verdade toda uma classe, a de retirantes nordestinos em busca de uma vida melhor. Severino insiste no caráter comum de seu nome, passando de substantivo próprio à comum. Encenado pela primeira vez em 1966 no Teatro da Universidade Católica de São Paulo, ganhou destaque internacional ao ser encenado em Portugal e França. Essa receptividade, tanto ao poema quanto ao espetáculo, difundiu e popularizou o nome de João Cabral de Melo Neto no mundo todo. É interessante perceber a contemporaneidade da obra, já que o assunto abordado em seus versos continua sendo comum em parte de nosso país. Uma realidade triste e dura que inspirou esse maravilhoso poeta, além de muitos outros grandes nomes de nossa literatura.
  6. 6. 4. Análise Comparativa Analisando as duas obras, a primeira e mais notável característica em comum que encontramos é o fato de serem escritas em versos. A poesia dramática existe desde a Antiguidade Clássica, apesar de hoje em dia ser menos comum. Segundo Moisés (2012, p.657) “o sincretismo do diálogo dramático ainda derrama luz sobre uma característica fundamental do texto teatral: o de suas relações com a poesia. Em primeiro lugar, esse aspecto do diálogo se amolda perfeitamente à essência da poesia, marcada pelo máximo de concentração verbal e de efeito semântico: o mínimo de palavras e o máximo de sentido, decorrente da utilização regular da metáfora”. Sobre Morte e vida severina, podemos atentar ao subtítulo, “Auto de Natal Pernambucano”. O termo “auto” liga a obra ao teatro da Idade Média, principalmente Ibérico, de Gil Vicente. Há também uma mistura de elementos contemporâneos e medievais. A linguagem utilizada em ambas as obras também possui traços de semelhança. Na peça de Gil Vicente, a posição social dos personagens fica evidente através dos diálogos, alguns deles próximos à língua falada, em tom coloquial, outros mais rebuscados, representando a condição social mais elevada do personagem. Da mesma forma, no poema de João Cabral é utilizada uma linguagem simples que evidencia a situação social vivida pelos personagens. Assim como o teatro de Gil Vicente é popular, acessível a todos, podemos dizer o mesmo com relação à Morte e vida severina. Seu conteúdo é de fácil assimilação e nos identificamos com a história. Em Morte e vida severina, a maior parte do poema é narrada pelo protagonista, em forma de diálogo com outros personagens ou mesmo com o leitor. Já Gil Vicente escreve em terceira pessoa, com a predominância dos diálogos entre personagens. Os versos na obra de João Cabral são estruturados em redondilhas maiores, comuns na Literatura de Cordel. Em O Auto da Barca do Inferno, apesar de não possuir estrutura definida, a predominância também é da redondilha maior. Outra semelhança clara entre as duas obras está em seu conteúdo social. O retrato do sofrimento e da busca por melhores condições de vida dos retirantes nordestinos é o tema tratado por João Cabral, problema comum até os dias de hoje. Em O Auto da Barca do Inferno, dado como sátira social, é clara a intenção do autor em expor os grandes vícios humanos. Isso é feito através dos personagens, almas que se apresentam em busca de transporte para seus respectivos destinos.
  7. 7. Assim como Gil Vicente usa seus personagens para simbolizar instituições, profissões e seus vícios, na obra de João Cabral o personagem principal, Severino, também é usado para simbolizar toda a classe dos retirantes e as dificuldades que encontram. Nas duas obras as personagens são pessoas comuns. É interessante notar a mudança de paisagens que ocorre em Morte e vida severina, acompanhada da mudança pessoal do próprio Severino ao percorrer o Sertão, o Agreste, a Zona da Mata até chegar ao litoral de Recife. Na obra de Gil Vicente, não há alterações de cenário, apenas o desfile dos personagens. Como podemos notar, é clara a influência de Gil Vicente no trabalho de João Cabral de Melo Neto, mesmo separados por mais de quatro séculos, uma herança rica e que encanta e engrandece a literatura e dramaturgia nacional. 5. Conclusão Através desse trabalho, pudemos reconhecer toda a importância de Gil Vicente para a dramaturgia até os dias de hoje. Suas obras influenciaram grandes autores e mesmo tanto tempo após sua criação, continuam atuais. Apesar de, a princípio, não apresentarem semelhanças além de o fato de serem classificadas como autos e escritas em versos, pudemos reconhecer muitas características comuns às duas obras. A riqueza na retratação do aspecto social é o que as torna mais atraentes na atualidade. Assim como a peça de Gil Vicente, Morte e vida severina também é uma obra que continua atual e que ainda encanta a todos. As duas peças ainda são encenadas e apreciadas, pois o tempo só as torna mais significativas e valorizadas. Apesar de não ser mais comum a criação de peças teatrais escritas em versos, a encenação de clássicos como esses mantém viva na cultura mundial a essência da origem do teatro. Nomes como Gil Vicente, João Cabral de Melo Neto, William Shakespeare, Almeida Garrett, entre outros, ajudam a manter a tradição teatral e levam grandes públicos a conhecerem suas obras não só por meio de encenações modernas, mas também registros escritos de sua arte. A história humana é contada através da arte, e valorizar e preservar suas origens nos ajuda a entender nosso passado e nos inspira a construir nossa própria identidade artística, representando nosso presente.
  8. 8. 6. Referências Bibliográficas ACHCAR, Francisco. ANDRADE, Fernando Teixeira de. Os livros da FUVEST – I. São Paulo: Editora Sol, 1999. D’ONOFRIO, Salvatore. Teoria do texto 2 – teoria da lírica e do drama. São Paulo: Ática, 2005. MOISÉS, Massaud. A análise literária. São Paulo: Cultrix, 2007. _____. A criação literária: poesia e prosa. São Paulo: Cultrix, 2012. NETO, João Cabral de Melo. Morte e Vida Severina e outros poemas. Rio de Janeiro: Objetiva, 2007. ROSENFELD, Anatol. O teatro épico. São Paulo: São Paulo Editora, 1965. VICENTE, Gil. Auto da barca do inferno, Farsa de Inês Pereira, Auto da Índia. São Paulo: Ática, 2011. Sites Consultados (26.05.2014) http://pt.slideshare.net/antonius3/auto-da-barca-do-inferno-analise-total-da-ob http://poesiaeescrita.blogspot.com.br/2013/05/analise-morte-e-vida-severina-de-joao.html http://www.passeiweb.com/estudos/livros/auto_da_barca_do_inferno

×