Eixo3 juliano moraes_resumo

163 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
163
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Eixo3 juliano moraes_resumo

  1. 1. HISTÓRIA DE DOIS AUTORES Juliano Mattos de Moraes - PET/Educação cristunesp@uol.com.br Resumo: O presente trabalho é, na verdade, a apresentação dos resultados de uma leitura. Não trata-se de uma leitura qualquer, mas da leitura de uma obra de Drummond ilustrada pela sutileza contundente do traço de Ziraldo, ambas interagindo e buscando encontrar significados para algo tão grande quanto a verdadeira amizade. O objetivo desta análise é encontrar os elementos literários que viabilizaram a precisa junção da poesia contida em História de dois Amores, de Carlos Drummond de Andrade (2013) e as ilustrações de Ziraldo. A metodologia utilizada foi, a partir de sucessivas e atentas leituras, proceder uma investigação e um levantamento dos recursos utilizados pelos escritores supracitados para procurar saber o que efetivamente aproxima o leitor do texto. Os resultados foram expressivos, pois mostraram que a poesia não é uma arte autossuficiente e ensimesmada, ela pode vir acompanhada de elefantes multicoloridos e de pulgas representadas apenas por pontilhados que indicam as suas trajetórias, desde que o objetivo seja otimizar a significação do texto poético. Escrever não é somente utilizar-se da racionalidade, da frieza do verbo, da genialidade do cérebro humano. Escrever é promover encontros. Quem escreve utiliza as palavras para compartilhar suas múltiplas visões de mundo com quem lê. História de dois Amores é um livro poético, patético, fraternal, inspirador, como só uma verdadeira amizade sabe ser. Neste livro, Ziraldo e Drummond reuniram muito mais do que seus talentos artísticos, fizeram uma confraternização linguística mediada pelo talento de ambos. Linguagens verbais, pictóricas, onomatopeias, todos estes ingredientes conspiraram para que este livro acontecesse. Ao falar de amor, Carlos utilizou-se de sutis referências à “grande literatura”, como no trocadilho que faz com o verso de Y-Juca Pirama, de Gonçalves Dias, onde parafraseia o verso: "sou bravo, sou forte, sou filho do norte". Além disto, o clima do livro todo é grandioso e os sentimentos aludidos são comuns a todas as pessoas. A amizade, pretexto do texto, nada mais é do que a constatação de que as diferenças são instrumentos selecionados pela natureza para garantir-nos a sobrevivência. Osborn, o desleixado rei dos elefantes, encontra casualmente a pulga Pul
  2. 2. em sua viagem de retorno à África, após suas férias na capital carioca, ele estava preocupado com os rumores separatistas em sua manada e encontrou na pequena pulga uma aliada poderosa. Entre um estratagema e outro, Pul e Osbó, mais do que de guerra, falavam de amor, faziam planos e preparavam um roteiro para as mais belas histórias de amor que haveria no reino animal. Penso ser esta a intenção de Drummond e Ziraldo, mostrar às crianças e adultos que as diferenças nada mais são que matizes de um quadro cubista: somos a mesma coisa detrás daquela imperfeição, temos interesses e sentimentos muito parecidos e que, em função disso, no caso de haver diferenças, elas deverão ser superadas no mais sincero e afetivo espírito de cooperação. Como exemplo, pode-se mencionar a chegada dos dois viajantes ao país dos elefantes, quando a Pul pica os insurretos, provocando neles um inchaço de orelha que os tira de combate. A solidariedade de Pul é um bom mote para se entender a moral da história: “a união faz a força”. Mesmo que o nosso aliado não seja tão forte, alguma habilidade ele há de ter, pois a natureza é sábia e dota-nos com capacidades tão específicas que, num contexto mais largo, nos tornamos imprescindíveis na harmonização das coisas. Quando olhamos o outro com compaixão e interesse desinteressado, nos tornamos capazes de colocar suas prioridades à frente das nossas, sem a banal e carnal sensação de que estamos sendo prejudicados. Ao transportarmos esta história exemplar para o contexto escolar, promovemos junto às crianças uma noção de interação muito mais refinada, diferente daquelas que as mesmas estão acostumadas e/ou submetidas? Possivelmente. Pensando nisso, torna-se ainda mais compreensiva a proposta de união feita por Drummond e Ziraldo, ambos, gigantescamente talentosos. Os dois artistas uniram-se e também uniram a palavra à ilustração. Desta forma, construíram um livro lotado de representações da realidade disfarçadas em forma de fábula. O livro evidencia a importância pedagógica da leitura para as crianças. Além disto, todos os que leem são levados a uma gostosa reflexão acerca de vivências e dificuldades que todos temos, indicando que seriam mais facilmente superadas com leveza e um pouco mais de preparo. Palavras-chave: simplicida; poesia; simplicidade.
  3. 3. REFERÊNCIAS: ANDRADE, Carlos Drummond de. História de dois Amores, Companhia das Letrinhas, São Paulo-SP, 2013.

×