Dicionário analógico francisco ferreira azevedo

2.013 visualizações

Publicada em

Dicionário Analógico completo Francisco Ferreira Azevedo
palavras relacionadas por analogia
sinônimos e antônimos
estudos de vocabulário
Dicionário Analógico completo Francisco Ferreira Azevedo
palavras relacionadas por analogia
sinônimos e antônimos
estudos de vocabulário


Título *

Seu arquivo foi carregado com sucesso! Veja-o aqui.



Pontuação da viralidade

Adicionar mais informações (descrição, tags, categoria) torna mais fácil para os outros encontrar seu conteúdo. A pontuação aumenta conforme você adiciona cada item.



Dicionário Analógico completo Francisco Ferreira Azevedo
palavras relacionadas por analogia
sinônimos e antônimos
estudos de vocabulário
Dicionário Analógico completo Francisco Ferreira Azevedo
palavras relacionadas por analogia
sinônimos e antônimos
estudos de vocabulário


Título *

Seu arquivo foi carregado com sucesso! Veja-o aqui.



Pontuação da viralidade

Adicionar mais informações (descrição, tags, categoria) torna mais fácil para os outros encontrar seu conteúdo. A pontuação aumenta conforme você adiciona cada item.

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.013
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
16
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
126
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dicionário analógico francisco ferreira azevedo

  1. 1. • • !, FRANCISCO FERREIRA DOS SANTOS AZEVEDO Lexikon obras de referênciaLexikon dicionário analógico da língua portuguesa ideias afins / thesaurus 2a edição atualizada e revista
  2. 2. lexikon obras de referência FRANCISCO FERREIRA DOS SANTOS AZEVEDO dicionário analógico da língua portuguesa ideias afins / thesaurus 2' edição atualizada e revista I 2' impressão
  3. 3. os dicionários de meu pai Pouco antes de morrer, meu pai me chamou ao escritório e me entregou um livro de capa preta que eu nunca havia visto. Era o dicionário analógico de Francisco Fer- reira dos Santos Azevedo. Ficava quase escondido, perto dos cinco grandes volumes do dicionário Caldas Aulete, entre outros livros de consulta que papai mantinha ao alcance da mão numa estante giratória. Isso pode te servir, foi mais ou menos o que ele então me disse, no seu falar meio grunhido. Era como se ele, cansado, me passas- se um bastão que de alguma forma eu deveria levar adiante. E por um bom tempo aquele livro me ajudou no acabamento de romances e letras de canções, sem falar das horas em que eu o folheava à toa; o amor aos dicionários, para o sérvio Milorad Pavic, autor de romances-enciclopédias, é um traço infantil no caráter de um ho- mem adulto. Palavra puxa palavra, e escarafunchar o dicionário analógico foi viran- do para mim um passatempo (desenfado, espairecimento, entretém, solaz, recreio, filistria). O resultado é que o livro, herdado já em estado precário, começou a se es· farelar nos meus dedos. Encostei-o na estante das relíquias ao descobrir, num sebo atrás da Sala Cecília Meireles, o mesmo dicionário em encadernação de percalina. Por dentro estava em boas condições, apesar de algumas manchas amareladas, e de trazer na folha de rosto a palavra anauê, escrita à caneta·tinteiro. Com esse livro escrevi novas canções e romances, decifrei enigmas. fechei muitas palavras cruzadas. E ao vê-lo dar sinais de fadiga, saí de sebo em sebo pelo Rio de Janeiro para me garantir um dicionário analógico de reserva. Encontrei dois, mas não me dei por satisfeito, fiquei viciado no negócio. Dei de vasculhar livrarias país afora, só em São Paulo adquiri meia dúzia de exemplares, e ainda arrematei o últi- mo à venda na Amazon.com antes que algum aventureiro o fizesse. Eu já imaginava deter o monopólio (açambarcamento, exclusividade, hegemonia, senhorio, império) de dicionários analógicos da língua portuguesa, não fosse pelo senhor João Ubal· do Ribeiro, que ao que me consta também tem um, quiçá carcomido pelas traças (brocas, carunchos, gusanos, cupins, térmitas, cáries, lagartas-rosadas, gafanhotos, bichos·carpinteiros). A horas mortas, eu corrta os olhos pela minha prateleira reple- ta de livros gêmeos, escolhia um a esmo e o abria a bel-prazer. Então anotava num moleskine as palavras mais preciosas, a fim de esmerar o vocabulário com que eu embasbacaria as moças e esmagaria meus rivais. Hoje sou surpreendido pelo anúncio desta nova edição do dicionário analógico de Francisco Ferreira dos Santos Azevedo. Sinto como se invadissem minha propriedade, revirassem meus baús, espalhassem aos ventos meu tesouro. Trata-se para mim de uma terrível (funesta, nefasta, macabra, airoz, abominável, dilacerante, miseranda) notícia. Francisco Buarque de Hollanda v
  4. 4. prólogo Sem sombra de qualquer dúvida, a reedição, em boa hora, do amplo Dicionário Ano- lógico da Língua Portuguesa, elaborado pela competência de Francisco Ferreira dos Santos Azevedo, vem enriquecer a ampla bibliografia especializada no assunto. Como se sabe, a nossa língua portugUesa tein sido contemplada, tanto em Portu- gal cOmo no Brasil, com excelentes dicionários, a exemplo dos que vamos mencio- nar, e que foram elaborados por eminentes filólogos brasileiros e portugueses, tomo Caldas Aulete, Antenor Nascentes, Laudelino Freire, Cândído Figueiredo, Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, Antônio Geraldo da Cunha, Antonio Houaiss e Eva- nildo Bechara. Obras aqui citadas apenas a título de exêinplificação, entre muitas outras existentes, também de boa qualidade Nos domínios filológicos da leXicografia brasileira, ressurge agOra este monu· mental Dicionário anológico da língua portuguesa, seguido de um' bnportante ín· dice de referência em que vão figurar todos os tetnlos integrantes do Dicionário. A Lexikon Editora digital, sob o comando de Carlos Augusto Lacerda'e a segura orien- tação editorial de Panlo Geiger, já publicou iinportantíssiinos títulos de interesse linguístico-filoI6gico, a exemplo da 5" edição da Nova gramática do português con- temporáneo, de acordo com a nova ortografia, de antoria de Celso Cunha e Lindley Cintra, obra escrita não só para o Brasil, mas também para todo o mundo lusôfono. A mesma editora pnblicou ainda o excelente Dicionário etimológico da língua por· tuguesa, de autoria do competente filólogo'Àntônio Geraltlo da Cunha. Do mesmo autor, o Vocabulário ortográfico da língua portuguesa, Já em segunda edição revista e ampliada. E isso entre outras edições de fundamental ínteresse filológico-linguísti· co, tais como: Caldas Aulete - Minidicionário contemporâneo da língua portuguesa; o grande dicionário Caldas Aulete em versão para computador, grátis na internet; o Dicionário de dificuldades da língua portuguesa, de Domingos Paschoal Cegaila; Parafalar eescrever melhor oportuguês, de Adriano da Gama Kury; A nova ortogra- fia sem mistêrio, de Paulo Geiger e Renata de Cássia Menezes; Dúvidas em português nunca mais, um guia prático e direto para a solução de questões linguísticas, de au- toria de Cilene Cunha Pereira, Edila Vianna da Silva e Regina Célia Cabral Angelín, entre outras obras de interesse para os estudos universitários voltados para a língua portnguesa. O Dicionário Analógico da Língua Portuguesa, como todo dicionário analógico, tem função inversa à de um dicionário comum, o qual, a partir de uma palavra co- nhecida informa seus significados. Neste, busca-se uma palavra, entre muitas aná- logas, em uma área de significadOS conhecida e classificada numa frondosa árvore de classificações. Num grosso volume de 800 páginas, o livro prestará, seguramente, extraordinário serviço ao estudo e conhecimento, em extensão e profundidade, de todo o léxico da língua portuguesa, em termos relacionais. Trata-se de uma obra de fôlego, não existíndo, que nos conste, na ampla bibliogra- fia sobre o assunto, nada semelhante. Dai a sua originalidade. na construção de um livro de consulta que será extremamente útil a todos que falam e escrevem a língua vii
  5. 5. prólogo em que Camões cantou - como dizia o poeta Olavo Bilac - "o gênio sem ventura e o amor sem brilho." Como é de conhecimento geral, a lexicologia, voltada para o estudo do conjunto das palavras de uma língua, palavras gramaticais e vocábulos metalinguísticos, tem por objetivo reunir e descrever o funcionamento do vocabulário de uma língua. No caso em questão, vai-se, além disso, analisando-se o relacionamento de um conjun- to de palavras semanticamente agrupadas, levando-se em conta todas as categorias gramaticais do idioma. E isso atesta a sua originalidade, louvando-se o extraordiná- rio esforço de pesquisa e de penetração lexical de uma língua como a nossa, que é falada por cerca de 250 milbões de pessoas, sendo que, mais ou menos, 190 milbões se encontram no Brasil. Está de parabéns, por tudo isso, a editora que aceitou o encaro go e a responsabilidade de atualizar e republicar este monumental estudo de lexico· logia comparativa, obra destinada a prestar relevantes serviços a todos que estudam e amam a língua portuguesa, hoje falada e escrita em Portugal, no Brasil, em cínco nações africanas e, por fim, em Timor Leste. Uma língua que produziu rica litera- tura aqui e além-mar, por isso mesmo sendo considerada uma das grandes línguas de cultura do mundo. Justifica·se, assim, o grosso volume agora publicado, pois um dicionário moderno e origínal, voltado para uma grande língua de civilização escri· ta, necessariamente, terla de apresentar uma feição enciclopédica, como no caso em questáo. Por tudo isso, homenageamos a memórla do autor e congratulamo-nos com o editor desta obra, verdadeiramente única em nossa bibliografia especializada. viii Leodegário A. de Azevedo FiJJw Professor Emérito da UERJ, Titular da UFRJ Presidente de Honra da Academla Brasileira de Filologia e Acadêmico Correspondente da Academla das Ciências de Lisboa
  6. 6. apresentação Sessenta anos depois de sua primeira publicação, a Lexikon Editora Digital lança estaedição- pela primeira vez atualizada e ampliada- doDicionário analógico da língua portuguesa - Thesaurus, do professor Francisco Ferreira dos Santos Azevedo. Sua publicação é mais um passo da editora em sua autoatribuída missão de prover todos os usuãrios da língua portuguesa - como instrumento de comunicação, for- mação e registro de ideias e conhecimento - de todas as ferramentas necessárias para seu bom uso, seja na abrangênçia seja na qualidade de suas possibilidades e seus recursos. Um dicionário analógico, ou de ideias afins, ou thesalf,rus, como concebido por Peter Mark Roget, parte de um pressuposto simétrico àquele que rege a função de um dicionãrio de língua, como o conhecemos. Este é uma ferramenta de busca de significados e informações de uso para palavras que conbecemos; ou seja, partimos de uma palavra conhecida para buscar-lhe as acepções e usos possíveis. O dicioná- rio analógico, ou Thesaurus, na concepção de Roget, pressupóe que, ao contrãrio, te- mos noção de um significado, temos uma intenção de uso, mas não nos ocorre uma palavra satisfatória. O thesaurus, a partir de um contexto de possíveis significados, oferece uma nuvem de palavras em torno desse significado, ou seja, palavras aná- logas num maior ou menor grau de proximidade e exatidão, para que nessa nuvem possamos achar a palavra ~ ou expressão ~ que melhor nos convém, em qualquer de suas mais prováveis funções gramaticais. Não é dificil concluir daí que um dicionãrio analógico completa, com um dicioná- rio de língua, o ferramental necessário a quem busque a compreensão e o domínio de todas as potencialidades do código linguístico, seja no entendimento de signifi- cados e usos de palavras e expressões, seja na capacidade de encontrar as palavras e expressões que melhor traduzam o que se quer exprimir. Não foi por acaso, como nos conta Chico Buarque em seu comentário a esta edição, que foi com um par des- ses dicionãrios - um Caldas Aulete e a primeira edição desta obra - que seu pai, o renomado sociólogo Sérgio Buarque de Holanda, pretendeu o estar muníndo dos instrumentos de que necessitava, dizendo-lhe "Isso pode te servir"~ O adniirável trabalho do professor Ferreira, como gostava de ser chamado, calca- do no método origínal de Roget, foi aplicá-lo à língua portuguesa, identificando mais de mil contextos conceituais da existência real- concreta e abstrata, física e espi- ritual, objetiva e subjetiva - para que a partir deles, em sub-ramificações que faci- litam sua localização, possam ser encontrados os termos que melhor os expressem. Tomando essa base, fruto de mais de uma década de pesquisa e registro, que veio à luz em 1950, a Lexikon preservou em quase sua totalidade os critérios do autor, e acrescentou termos e expressões que vieram enriquecer a língua a partir de então, muitos deles referentes a coisas e conceitos que sequer existiam naquele tempo, e excluindo somente os fortemente datados, seja por sua estrutura estillstica seja por serem reflexo de uma influênciafrancesa que caiu em desuso. ALexikon espera que estanova edição doDicionário ana/ógicosejaapenasaprimeira de muitas futuras edições renovadas e ampliadas, acompanhando o dinamismo e o cres- cimento da língua portuguesa, a partir de - e visando a - seu uso ê seus usuãrios. ix
  7. 7. como usar este dicionário Este Dicionário analógico da língua portuguesa (ou de ideias afins, ou Thesaurus), como se descreve na apresentação da editora, visa a encontrar uma sugestão de pala- vra ou expressão numa nuvem de palavras ou expressões análogas, quando o consu- lente tem noção do que quer expressar, e busca essa sugestão de como fazê·lo. Sua primeira e única edição até agora fora pesquisada e preparada sessenta anos antes desta segunda edição, e contém termos, formas de falar, empréstimos, expres- sões que, hoje menos usadas do que então, continuam a constituir riquíssimo ma- terial, de grande expressividade, merecedor de ser revivido como opção de uso no português contemporâneo. A maior parte desse material foi mantida, e a ele foi acrescentado um acervo de termos e expressões mais recentes, o que continuará a ser feito nas próximas edições, mantendo o dicionário sempre atualizado e sincrôni- co com a evolução e crescimento da língua. O acesso às sugestões apresentadas pode ser feito por dois caminhos de busca. Um, no modelo do Thesaurus de Roget, identificando a área conceitual na qual se encaixa a palavra ou expressão que se quer encontrar, e buscando nessa área o gru- po analógico mais próximo daquele que provavelmente conteria o termo procura- do, como se verá abaixo. Outro, a partir de um termo ou expressão que se conhece, para buscar no(s) grupo(s) aualógico(s) onde ele se encontra outras alternativas de expressão. No primeiro caso, a busca se faz pela árvore classificatória dos grupos analógicos. No segundo, pelo índice geral que relaciona cada um dos quase 100 mil termos e expressões do dicionário ao(s) grupo(s) em que se encontra. GRUPOS ANALÓGICOS Os quase 100 mil termos e expressões diferentes (que resultam em cerca de 160 mil referências) que constituem as sugestões de uso oferecidas pelo dicionário estão dis- tribuídos em mais de mil grupos, cada um deles referente a uma certa ãrea de ana· logias, ou seja, um limite conceitual que define aproximadamente qual o âmbito da busca do consulente. Esses mais de mil grupos estão organizados numa 'árvore' em três níveis de ramificação, e são apresentados em dois quadros (p. xiii). O primeiro, mais geral. 'Classificação das palavras' apresenta seis grandes áreas de uso (classes) ramificadas em 24 subáreas (divisões). Cada divisão indica ao lado o intervalo dos grupos (terceiro nível de ramificação) que pertencem a essa subãrea. Os grupos estão numerados de 1a 1.000, mas há alguns grupos intermediários (p.ex.: 465a). O segundo, 'Quadro sinóptico de categorias' é uma relação detalhada de todos os grupos, por área de conceito. Ele apresenta, hierarquicamente, as classes, dentro de cada classe suas divisões, em cada divisão algumas subdivisões, e para cada subdivi- são os grupos numerados que a integram. Cada uma dessas classes, dessas divisões e subdivisões e desses grupos têm seu ãmbito definido por uma palavra·chave. Por exemplo, na classe Relações abstratas, a divisão I está definida como Existência, x
  8. 8. como usar este dicionário por sua vez dividida em quatro subdivisões - Abstrata, Concreta, Formal, e Mo- dal. Cada uma destas pode ter dois grupos antagônicos. Por exemplo, o conceito da subdivisão 1(existência abstrata) tem dois grupos antagônicos, o 1 Existência (abs· trata), e o 2 Inexistência (abstrata). E assim por diante. O quadro, em sua estrutura, define essa árvore dos conceitos: os antagônicos estão, lado a lado, nas colunas das extremidades, os 'neutros', na coluna central. Exemplo de uso: Digamos que se procura um adjetivo que expresse algo que é feio to por livre vontade, com premeditação. Isso cabe na classe V. Vontade individual, e na divisão Vontade em geral, subdivisão Atos de vontade, grupo 600, Vontade. Nesse grupo, nos adjetivos, pode-se escolher entre voluntário, volitivo, livre, opcional, in- tencional, tencionado, entre outros termos análogos mas fora dessa intenção, como discricionário, propenso, perseverante etc. Nota: no texto, os grupos antagônicos são marcados: um com uma seta para cima, e o antagônico deste com uma seta para baixo. Os grupos 'neutros' não são marcados. íNDICE GERAL A outra forma de busca tem como ponto de partida um termo ou expressão conheci· dos, quando se quer usar outro termo ou expressão como alternativa. O índice é oro denado alfabeticamente pelo termo ou expressão que origina a busca, e apresenta os números de todos os grupos em que o termo ou a expressão se encontra; num desses grupos o consulente obterá uma alternativa de uso. Os termos que intitulam grupos (e respectivos números) estão em negrito. Exemplo de uso: Numa busca similar á acima apresentada, caso o consulente queira uma alternativa para o termo 'intencional', ele busca este termo no índice, e vai aos grupos 600 e 620 indicados junto a este termo no índice, onde encontrará, por exemplo, no grupo 600 (adjetivos) voluntãrio, volitivo, opcional, tencionado. No gru· po 620 (adjetivos), proposital, predeterminado, em vista, destinado a etc. O índice geral permite que se forme uma intricada rede de analogias, pois num grupo de analogias, cada termo (via índice) pode levar a,outros grupos, e assim por diante. TEXTO DOS GRUPOS Os grupos não têm uma estrutura lógica, embora as palavras estejam, geralmente, agrupadas por proximidade semântica. A única estrutura é a de classes gramaticais (para facilitar a busca de um substantivo, de um verbo, de um adjetivo, de um advér- bio, de uma frase feita, de uma interjeição etc.). Quando um termo é seguido de um número, significa que se está sugerindo que se busquem mais analogias no grupo que corresponde âquele número. Às vezes há indicações de contextos de uso (termos depreciativos, desusados, bra· sileirismos etc.). Nota: Muitas vezes o mesmo termo ou expressão aparece mais de uma vez no mesmo grupo. Isso acontece quando estão em classes gramaticais diferentes, ou na proximidade de outros termos formando grupos de significado ou contexto ligeira- mente diferentes. xi
  9. 9. abreviaturas ant. antigo loc. elip. locução elíptica adj. adjetivo lus. lusitanismo adv. advérbio m. masculino afric. africanismo mit. mitologia asiát. asiático neol. neologia bras. brasileirismo p. ext. por extensão bud. budismo p. op. a por oposição a burl. burlesco p. uso pouco usado dep/depr. depreciativo pejo pejorativo desuso desusado pl. plural esp. espanhol pleb. plebeísmo euf. eufemismo poét. poético f. feminino pop. popular fam. familiar Porto Portugal figo figurado port. portugués gal. galiCismo pron. pronome gír. gíria proVo provérbio hist. ant. história antiga quím. química inf./infant. infantil reg. regionalismo int. intransitivo ret. retórico interj. interjeição sm. substantivo masculino iron./irôn. irônico subst. substantivo jaco jocoso tb. também juro jurídico teol. teologia lat. latim/latino v. verbo lit. literatura vet. veterinária loc. locução vulgo vulgar xii
  10. 10. classificação das palavras Classes Divisões Números I. Existência 1-8 lI. Relação 9-24 III. Quantidade 25-57 IV. Ordem &8-83 I.RELAçOESABSTRATAs V. Número 84 -105 VI. Tempo 106 -139 VII. Mudança 140 -152 VIII. Causa 153-179 I. Em Geral 180 -191 lI. Dimensões 192 - 239 11. ESPAÇO IH. Forma 240-263 IV. Movimento 284 -315 I. Em geral 316 -320 IlI. MAT~RlA 11. Inorgânica 321- 356a lII. Orgânica 357-449 I. Formação das Ideias 450 - 515 Iv. ENTENDIMENTO lI. Comunicação das Ideias 516 - 599 I. Individual 800 -736 V. VONTADE lI. Com referência à Sociedade 737 - 819 I. Em Geral 820 - 826 11. Pessoais 827 -887 VI. AFEIÇOES IH. Simpáticas 888 - 921 IV. Morais 922 - 975 V. Religiosas 976 -1000 xiii
  11. 11. quadro sinóptico de categorias Classe I. RELAÇÕES ABSTRATAS Divisão I. EXISTENCIA I") Abstrata 1. Existência 2. Inexistência 28 ) Concreta 3. Substancialidade 4. Insubstancialidade 3") Formal 5. Intrinsecabilidade 6. Extrinsecabilidade Absoluta Relativa 4") Modal 7. Estado 8. Circunstância Divisão 11. RELAÇAo 9. Relação 10. Não relação 11. Consanguinidade I") Absoluta 12. Correlação 13. Identidade 14. Contraste 15. Diferença 28 ) Continua 16. Uniformidade 16a. Diversidade 17. Semelhança 18. Dessemelhança 38 ) Parcial 19. Imitação 20. Originalidade 20a. Variedade 21. Cópia 22. Protótipo 4") Relação geral 23. Acordo 24. Desacordo Divisão III. QUANTIDADE Absoluta Relativa I") Simples 25. Quantidade 26. Grau 27.lgoaldade 28. Desigoaldade 29. Média 30. Compensação por comparação 28 ) Comparativa 31. Grandeza 32. Pouquidão Por comparação com um objeto semelhante 33. Superioridade 34. Inferioridade Variação de quantidade 35. Aumento 36. Diminuição xiv
  12. 12. quadro sinóptico de categorias 37. Adição 38. Subtração 39. Adjunto 40. Resto 41. Mistura 42. Singeleza 3°) Subordinada 43. Junção 44. Disjunção 45. Vínculo 46. Coesão 47. Incoesão 48. Combinação 49. Decomposição 50. Todo 51. Parte 52. Completamento 53. Deficiência 4°) Concreta 54. Composição 55. Omissão 56. Componente 57. Alheamento Divisão IV. ORDEM 58. Ordem 59. Desordem 1°) Geral 60. Arranjo 61. Desarranjo 62. Precedência 63. Sequência 64. Precursor 65. Sucessor 66. Começo 67. Fim 2°) Consecutiva 68. Meio 69. Continuidade 70. Descontinuidade 71. Termo 72. Reunião 73. Dispersão 3°) Coletiva 74. Foco 75. Classe 76. Inclusão 77. Exclusão 4°) Distributiva 78. Generalidade 79. Especialidade 80. Regularidade 81. Multiformidade 5°) Categórica 82. Conformidade 83. Desconformidade Divisão V. NÚMERO 84. Número 1°) Abstrato 85. Numeração 86. Lista 87. Isolamento 88. Acompanhamento xv
  13. 13. quadro sinóptico de categorias 89. Dualidade 90. Duplicação 91. Bisseção 92. Trialidade 2() Determinado 93. Triplicação 94.Trisseção 95. Quaternidade 96. Quadruplicação 97. Quadriseção 98. Numerais 99. Numerais cardinais ordinais 100. Pluralidade 100a. Singularidade 101. Zero 3")Indeterminado 102. Multidão 103. Pouquidade 104. Repetição 105. Infinidade Divisão VI. TEMPO 106. Tempo 107. Nunca 108. Período 109. Curso 1°) Absoluto 110. Diuturnidade 111. Transitoriedade 112. Eternidade 113. Instantaneidade 114. Cronometria 115. Anacronismo 2°) Relativo 116. Prioridade 117. Posterioridade 118. Tempo presente 119.Tempo diferente L A sucessão 120. Sincronismo 121. Futuro 122. Passado 123. Novidade 124. Velharia 125. Manhã 126. Tarde II. A um período 127. Infância 128. Velhice determinado 129. Infante 130. Ancião 131. Adolescência IH. A um efeito ou 132. Presteza 133. Demora propósito 134. Oportunidade 135. Inoportunidade 30) Periódico 136. Frequência 137. Infrequência 138. Periodicidade 139. Irregularidade xvi
  14. 14. quadro sinóptico de categorias Divisão VII. MUDANÇA 140. Mudança 141. Permanência 142. Cessação 143. Continuação l°) Simples 144. Conversão 145. Reversão 146. Revolução 147. Substituição 148. Troca 149. Mutabilidade 150. Estabilidade 2°) Composta Presente Futuro 151. Eventualidade . 152. Destino Divisão VIII. CAUSA Antecedente constante Consequente constante 1°) Constância 153. Causa 154. Efeito de efeito 155. Atribuição 156. Acaso 157. Poder 158. Impotência 2<) Relação entre Graus de potênciacausa e efeito 159. Força 160. Fraqueza 161. Produção 162. Destruição 163. Reprodução 164. Produtor 165. Destruidor 3°) Poder em 166. Ascendência 167. Posteridade ação 168. Produtividade 169. Improdutividade 170. Agência 171. Energia 172. Inércia 173. Violência 174. Moderação 175. Influência 175a. lnocuidade 4°) Poder 176. Tendência indireto 177. Risco 5°) Combinação 178. Concorrência 179. Resistência de causas CLASSE 11. ESPAÇO Divisão I. ESPAÇO EM GERAL 180. Espaço 180a. Inextensão 1°) Considerado 181. Região abstratamente 182. Lugar xvii
  15. 15. quadro sinóptico de categorias 2°) Relativo 183. Situação 184. Localização 185. Deslocação 186. Presença 187. Ausência 3°) Existência no 188. Habitante 189. Morada espaço 190. Conteúdo 191. Receptãculo Divisão 11. DIMENSOES 192. Tamanho 193. Pequenez l°) Em geral 194. Dilatação 195. Contração 196. Distância 197. Proximidade 198. Intervalo 199. Contignidade 200. Comprimento 201. Encurtamento 202. Largnra 203. Estreiteza 204. Camada 205. Filamento 206. Altura 207. Baixeza 208. Profundidade 209. Vau 2°) Lineal 210. Cume 211. Base 212. Verticalidade 213. Horizontalidade 214. Pendura 215. Suporte 216. Paralelismo 217. Obliquidade 218. Inversão 219. Cruzamento 3°) Central 220. Exterioridade 221. Interioridade 222. Centralidade 223. Cobertura 224. Forro 225. Indumentária 226. Despimento I. Em geral 227. Circunjacência 228. Interjacência 229. Circunscrição 230. Contorno 231. Borda 232. Cerca 233. Limite xviii
  16. 16. quadro sinóptico de categorias 234. Frente 235. Retaguarda 11. Em especial 236. Lateralidade 237. Contraposição 238. Destra 239. Sinistra Divisão III. FORMA 240. Forma 241. Amorfia I") Em geral 242. Simetria 243. Assimetria 244. AnguIaridade 2") Especial 245. Curvatura 246. Direitura 247. Circunferência 248. Sinuosidade 249. Esfericidade 250. Convexidade 251. Planeza 252. Concavidade 253. Agudeza 254. Embotamento 255. Lisura 256. Aspereza 3") Superficial 257. Encaixe 258. Dobra 259. Sulco 260. Abertura 261. Fechamento 262. Perfurador 263. Tapador Divisão IV MOVIMENTO 264. Movimento 265. Imobilidade 266. Locomoção 267. Navegação lO) Em geral 268. Viajante 269. Equipagem 270. Transferência 271. Carregador 272. Veículo 273. Nave 2°) Graus de 274. Velocidade 275. Vagareza movimento 3°) Movimento e 276. Impulso 277. Recuo força xix
  17. 17. quadro sinóptico de categorias 278. Direção 279. Desvio 280. Precessão 281. Sucessão 282. Progressão 283. Regressão 284. Propulsão 285. Tração 286. Aproximação 287. Retirada 288. Atração 289. Repulsão 290. Convergência 291. Divergência 292. Chegada 293. Partida 294. Ingressão 295. Egressão 296. Recepção 297. Expulsão 4°) Movimento e 298. Comida 229. Excreçãodireção 300. Inserção 301. Extração 302. Passagem 303. Transcursão 304. Falta 305. Subida 306. Descida 307. Elevação 308. Depressão 309. Salto 310. Mergulho 311. Circuição 312. Rotação 313. Evolução 314. Oscilação 315. Agitação CLASSE III. MATÉRIA Divisão I. MATÉRIA EM GERAL 316. Matéria 317. Imaterialidade 318. Universo 319. Gravidade 320. Leveza Divisão 11. MATÉRIA INORGÂNICA 321. Densidade 322. Ralidade 323. Rigidez 324. Flexibilidade 325. Elasticidade 326. Falta de elasticidade 1°) Sólidos 327. Tenacidade 328. Fragilidade 329. Textura 330. Pulverização 331. Atrito 332. LUbrificação xx
  18. 18. quadro sinóptico de categorias 2°) Fluidos 333. Fluidez 334. Gás I. Em geral 335. Liquefação 336. Vaporização 337. Água 338. Ar 339. Umidade 340. Secura n. Específico 341. Oceano 342. Terra 343. Golfo 344. Planície 345. Pântano 346. Ilha 347. Corrente lll. Em 348. Rio 349. Vento movimento 350. Conduto 351. Canal 352. Meio líquido 353. Bolha 3°) Fluidos 354. Pasta 355. Untuosidade imperfeitos 356.61eo 356a. Resina Divisào lll. MATÉRIA ORGÁNICA 1°) Vitalidade 357. Organização 358. Não organização 359. Vida 360. Morte I. Em geral 361. Homicídio 362. Cadáver 363. Enterro 364. Animalidade 365. Vegetabilidade 366. Animal 367. Vegetal 368. Zoologia 369. Botânica 370. Domesticação 371. Agricultura n. Especial 372. Humanidade 373. Macho 374. Fêmea 374a. Hermafrodismo 2°) Sensação 375. Sensibilidade 376. Insensibilidade I. Em geral 377. Fruição 378. Dor 11. Especial xxi
  19. 19. quadro sinóptico de categorias 379. Tato la) Tato 380. Comichão 381. Impalpabilidade 382. Calor 383. Frio 3U3a. Frescura 384. Aquecimento 385. Resfriamento 2a) Calor 386.Fornalha 387. Refrigerador 388. Combustível 389. Termômetro 390. Gosto 391. Insipidez 392. Picante 3') Gosto 393. Tempero 394. Sabor 395. Amargura 396. Doçura 397. Azedume 398. Odor 399. Anosmia 4') Odor 400. Fragrância 401. Fedor a. Som em geral 402. Som 403. Silêncio 402a. Som de coisas 404. Barulho 405. Sussurro b. Sons especiais 406. Estalo 407. Prolação 408. Ressonância 408a. Não ressonância 409. Sibilação 5') Som 410. Estridor 411. Grito 412. Vozes de animais c. Sons musicais 413. Melodia 414. Dissonância 415. Música 416. Músico 417. Instrumentos musicais d. Percepção do som 418. Audição 419. Surdez xxii
  20. 20. quadro sinóptico de categorias a. Luz em geral 420. Luz 421. Obscuridade 420a. Abertura para passagem da luz 422. Meia-luz 423. Corpos 424. Sombra luminosos 425. Transparência 426. Opacidade 427. Semitransparência b. Luz especial 428. Cor 429. Acromatismo 430. Brancura 431. Pretidào 432. Pardo 433. Castanho 434. Vermelhidão 435. Verde 436. Amarelo 437. Roxo 438. Azul 439. Alaranjado 440. Variegação 6') Luz 440a. Cores e sinais de cavalos 440b. Cores e sinais de bois 440c. Cores e sinais de diversos animais 440d. Sinais caracteristicos do homem 440e. Partes do corpo humano c. Percepção da luz 441. Visão 442. Cegueira 443. Visão imperfeita 444. Espectador 445. Instrumentos de óptica 446. Visibilidade 447. Invisibilidade 448. Aparecimento 449. Desaparecimento xxiii
  21. 21. quadro sinóptico de categorias CLASSE IV. ENTENDIMENTO Divisão I. FORMAÇAo DAS !DElAS 1°) Operações 450. Intelecto intelectuais em 451. Pensamento 452. Incompreensão geral 453. Ideia 454. Tópico 455. Curiosidade 456. Incuriosidade 457. Atenção 458. Desatenção 459. Cuidado 460. Negligência 2°) Condições e 461. Investigação 462. Resposta operações 463. Experiência 464. Comparação 465. Discriminação 465a. Indiscriminação 466. Medida 467. Evidência 468. Réplica 469. Atenuação 3°) Materiais de Graus de evidência raciocínio 470. Possibilidade 471. ImpOSSibilidade 472. Probabilidade 473. Improbabilidade 474. Certeza 475. Incerteza 476. Raciocínio 477. Irracionalidade 4°) Raciocínio 478. Demonstração 479. Refutação 480. Julgarnento 481. Obliquidade de julgamento 480a. Descoberta 482. Exageração 483. Depreciação 484. Crença 485. Descrença 486. Credulidade 487. Incredulidade 488. Assentimento 489. Dissentimento 5°) Resultado do 490. Conhecimento 491. Ignorância raciocínio 492. Douto 493. Ignorante 494. Exatidão 495. Erro 496. Mãxima 497. Absurdo Faculdades 498. Inteligência 499. Imbecilidade 500. Sábio 501. Tolo 502. Sanidade 503. Loucura 504. Louco xxiv
  22. 22. quadro sinóptico de categorias 6°) Extensão do pensamento I. Passado 505. Memória 506. Esquecimento 507. Expectativa 508. Surpresa 509. Ceticismo 510. Previdência 11. Futuro 511. Predição 512. Agouro 513. Oráculo 7°) Pensamento 514. Suposição criador 515. Imagiuação Divisáo 11. COMUNICAÇÃO DAS !DElAS 516. Significação 517. Sem significação 518. Inteligibilidade 519. Ininteligibilidade I") Natureza 520. Equívoco das ideia. comunicadas 521. Metáfora 522. Interpretação 523. Interpretação errônea 524. Intérprete 525. Manifestação 526. Latência 527. Informação 528. Desinformação 529. Exposição 530. Esconderijo 531. Publicidade 532. Notícta 533. Segredo 534. Mensageiro 535. Afirmação 536. Negação 2") Maneiras de 537. Ensino comunicação 538. Estudo 539. Desensino 540. Mestre 541. Disclpulo 542. Escola 543. Veracidade 544. Falsidade 545. Fraude 546. Mentira 547. Ingênuo 548. Enganador 549. Exagero xxv
  23. 23. quadro sinóptico de categorias 3°) Meios 550. Indicação 551. Registro 552. Supressão 553. Registrador I. Meios naturais 554. Representação 555. Arremedo 556. Pintura 557. Escultura 558. Gravura 559. Artista 11. Meios convencionais 560. Linguagem 561. Letra 562. Sílaba 563. Neologismo 564. Nomenclatura 565. Apelido 566. Frase 567. Gramática 568. Solecismo a. Linguagem em 569. Estilo geral Qualidades do estilo 570. Clareza 571. Imprecisão 572. Concisão 573. Prolixidade 574. Vigor de 575. Frouxidãoexpressão 576. Sobriedade 577. Floreio 578. Elegância 579. Deselegância 580. Voz 581. Monia 582. Discurso 583. Gagueira b. Linguagem 584. Loquacidade 585. Taciturnidade falada 587. Reação ao 586. Alocução discurso 588. Palestra 589. Monólogo 590. Escrita 591. Impressão 592. 593. Livro Correspondência c. Linguagem 594. Descrição escrita 595. Dissertação 596. Compêndio 597. Poesia 598. Prosa 599. Drama xxvi
  24. 24. quadro sinóptico de categorias CLASSE V. VONTADE INDIVIDUAL Divisão I. VONTADE INDIVIDUAL 1°) Vontade em geral 600. Vontade 601. Compulsoriedade 602. Boa vontade 603. Má vontade 604. Resolução 605. Irresolução 604a.Persever.ança 606. Obstinação 607. Tergiversação I. Atos de vontade 608. capricho 609. Escolba 609a. Abstenção 610. Rejeição 611. 612. ímpeto Predeterminação 613. Hábito 614. Descostume 615a. Ausência de 615. Motivo motivo 11. causas 616. Dissuasão 617. Alegação III. Objetos 618. Bem 619. Mal 2°) Vontade em projeto 620. Intenção 621. Casualidade 622. Perseguição 623. Transigência 624. Desamparo 625. Trabalho I. Conceito 626. Plano 627. Passadouro 628. Meação 629. Circuito 630. Necessidade xxvii
  25. 25. quadro sinóptico de categorias a. Utilidade presente 631. Instrumentalidade 632. Meios 633. Instrumento 634. Sucedâneo 635. Material 636. Depósito 637. Provisão 638. ESbanjamento 639. Suficiência 640. Redundância 641. Insuficiência b. Graus de utilidade 642. Importância 643. Insignificância 644. Utilidade 645. Inutilidade 646. Conveniência 647. Inconveniência 11. Relação com 648. Bondade 649. Ruindade o fim 650. Perfeição 651. Imperfeição 652. Limpeza 653. Sujidade 654. Saúde 655. Doença 656. Salubridade 657. Insalubridade 658. Melhoramento 659. Pioramento 660. Restauração 661. Recaída 662. Remédio 663. Veneno c. Utilidatk contingente 664. Segurança 665. Perigo 666. Retügio 667. Recife 668. Advertência 669. Alarma 670. Preservação 671. Escapatória 672. Desembaraçamento 673. Preparação 674. Despreparo 675. Ensaio IH. Precursores de 676. um ato Empreendimento 677. Uso 678. Desuso 679. Mau uso xxviii
  26. 26. quadro sinóptico de categorias 3°) Ação 680. Ação 681. Inação 682. Atividade 683. Inatividade 684. Pressa 665. Ócio I. Simples 686. Esforço 687. Repouso 688. Fadiga 689. Revigoramento 6!W.Agente 691. Oficina 692. Conduta 692a. Artes 693. Gestão 694. Diretor 695. Conselho (recomendação) 11. Complexa 696. Conselho (corpo consultivo) ., 697. Preceito 698. Habilidade 699. Inabilidade 700. Proficiente 701. Improficiente 702. Astúcia 703. Candura 4°) AuBtagondsEmO 704. Dificuldade , 705. Facilidade 706. Estorvo 707. Auxilio 708. Oposição , 709. Cooperação I. Condicionai 710. Oponente 711. Auxiliar 712. Partido 713. DiScórdia 714. Concórdia 715. Desafto 716. Ataque 717. Defesa 718. Retaliação 719. Renitência 720. Contenda 721. Paz 722. Guerra 723. Pacificação 11. Ativo 724. Mediação 725. Submissão 726. Combatente 727. Potencial de guerra 728. Arena xxix
  27. 27. quadro sinóptico de categorias 729. Acabamento 730. Não acabamento 731. Sucesso 732. Insucesso 5°) Resultados 733. Troféu da ação 734. Prosperidade 735. Adversidade 736. Mediocridade Divisão 11. VONTADE COM REFERf:NCIA À SOCIEDADE 737. Autoridade 738. Anarquia 739. Tirania 740. Tolerância 741. Comando 742. Desobediência 743. Obediência 744. Obrigatoriedade 745. Amo 746. Servo 747. Insígnia 1°) Geral 748. Liberdade 749. Sljjeição 750. Libertação 751. Restrição 752. Prisão 753. Carcereiro 754. Preso 755. Comissão 756. Revogação 757. Resignação 758. Consignatário 759. Deputado 760. Permissão 761. Proibição 762. Consentimento 2°) Especial 763. Oferta 764. Recusa 765. Pedido 766. Deprecação 767. Peticionário 768. Promessa 769. Contrato 770. Condições 3°) Condicional 771. Fiança 772. Observância 773. Inobservância 774. Compromisso xxx
  28. 28. quadro sinóptico de categorias 4°) Relações referentes à posse 775. Aquisição 776. Perda 777. Posse 777a. I. Propriedade em Desproviljlento geral 778. Participação 779. Possuidor 780. Propriedade 781. Retenção 782. Abandono 783. Transmissão . 784. Doação . 785. Recebimento 786. Partilha . 11. Transferência 187. Empréstimo 788. Empenhamento de propriedade 789. Apropriação 790. Restituição 791. Furto 792. Ladrão 793. Presa 794. Permuta 795. Compra V96.Venda Ill. Troca de 797. Mercador propriedade 798. Mercadoria 799. Mercado 800. Dinheiro 801. Tesoureiro 802. Tesouraria 803. Riqueza 804 Pobreza 805. Crédito 806. Divida 807. Pagamento 808. Insolvência IV. Relações ,809. Despesa S10. Receita·monetárias 811. Contabilidade 8.12. Preço 813. Desconto 814. Carestia ...815. Barateza 816. Liberalidade. 817. Econolllia 818. Prodigalidade 819. Sovinaria xxxi
  29. 29. quadro sinóptico de categorias CLASSE VI. AFEIÇÕES Divisão I. AFEIÇAO EM GERAL 820. Qualidades 821. Sentimento 822. Interesse 823. Desinteresse 824. Excitação 825. Excitabilidade 826. Inexcitabilidade Divisão 11. AFEIÇÕES PESSOAIS 827. Prazer 828. Sofrimento 829. Deleite 830. Dolorimento 831. Contentamento 832. Descontentamento 833. Saudade 1°) Passivas 834. Alívio 835. Agravação 836. Alegria 837. Tristeza 838. Regozijo 839. Lamentação 840. Divertimento 841. Enfado 842. Espírito 843. Chateza 844. Humorista 845. Beleza 846. Fealdade 847. Ornamento 848. Mancha 849. Simplicidade 850. Bom gosto 851. Moda 852. Mau gosto 2°) Particulares 853. RidicuIaria 854. Janota 855. Afetação 856. Ridicularização 857. Anedota 858. Esperança 859. Desesperança 860. Medo 861. Coragem 862. Covardia 3°) Em projeto 863. Temeridade 864. Cautela 865. Desejo 866. Indiferença 867. Aversão 868. Exigência 869. Saciedade 4°) Em 870. Admiração 871. Expectação contemplação 872. Prodígio xxxii
  30. 30. quadro sinóptico de categorias 873. Fama 874. Infamação 875. Nobreza 876. Título 877. Plebeísmo 878. Orgulbo 879. Humildade 880. Vaidade 5°) Extrínsecas 881. Modéstia 882. Ostentação 883. Celebração 884. Jactância 885. Insolência 886. Servilismo 887. Fanfarrão Divisão III. AFEIÇÕES SIMPÁTICAS 888. Amizade 889. Inimizade 890. Amigo 891. Inimigo 892. Sociabilidade 893. Reclusão 894. Cortesia 895. Descortesia 896. Congratulação 897. Amor 898. Ódio 899. Favorito I") Sociais 900. Ressentimento 901. Irascibilidade 901a. Hipocondria 902. Carícias 903. Casamento 904. Celibato 905. Divórcio 906. Benevolência 907. Malevolência 908. Maldição 2") Altruístas 909. Ameaça 910. Filantropia 911. Misantropia 912. Benfeitor 913. Malfeitor 914. Clemência 914a. Inclemência 3°) Especiais 915. Condolência xxxiii
  31. 31. quadro sinóptico de categorias 916. Gratidão 917. Ingratidão 4") Retrospectivas 918. Perdão 919. Vingança 920. Ciúme 921. Inveja - - - IDivisão IV. AFEIÇÕES MORAIS 922. Justiça 923. Injustiça 924. Direito 925. Impropriedade 1") Obrigações 926. Dever 927. Transgressão 927a. Isenção 928. Respeito 929. Desrespeito 930. Desprezo 931. Aprovação 932. Reprovação 2°) Sentimentos 933. Lisonja 934. Difamação 935. Adulador 936. Difamador 937. Justificação 938. Acusação 939. Probidade 940. Desonestidade 941. Velhaco 942. Altruísmo 943. Egoísmo 944. Virtude 945. Desvirtude 3°) Condições 946. Inocência 947. Culpa 948. Homem bom 949. Homem ruim 950. Penitência 951. Impenitência ._- 952. Expiação 953. Temperança 954. Intemperança 954a. Sensualista 4°) Prática 955. Ascetismo 957. Jejum 957. Gula 958. Abstemia 959. Embriaguez 960. Pureza 961. Impureza 962. Libertino xxxiv
  32. 32. quadro sinóptico de categorias 963. Legalidade 964. Ilegalidade 965. Jurisdição 966. Tribunal 967. Juiz 5°) Instituições 968. Advogado 969. Demanda 970. Absolvição 971. Condenação 972. Punição 973. Recompensa 974. Penalidade 975. Azorrague Divisão V. AFEIÇOES RELIGIOSAS 976. Divindade 1°) Seres 977. Santo 978. Demônio sobreAhumanos 979. Entidades 980. Entidades e regiões divinas demoníacas 981. Céu 982. InIerno 983. Teologia 2°) Doutrinas 983a. Ortodoxia 984. Heterodoxia 985. Revelação 986. Pseudorrevelação 987. Piedade 988. Impiedade 3°) Sentimentos 988a. Carola 989. Irreligião 990. Culto 991. Idolatria 4") Atos 992. Bruxaria 993. Encantamento 994. Feiticeiro 995. Cargos da Igreja 996. Clerezia 997. Secular 5°) Instituições 998. Rito 999. Batina 1000. Templo xxxv
  33. 33. primeira parte CLASSE I. PALAVRAS QUE EXPRESSAM RELAÇÕES ABSTRATAS Divisão I. EXISTÊNCIA 1°) Ser - abstrato 6 1. Existência, existibilidade, tudo que vibra e palpita, realeza, realidade, positivi- dade, atualidade, subsistência, presença; ente, ser, f""ma, silhueta, pegadas, vulto; permanência, estabilidade, conservação das coisas; vida, vivência; objetividade; palpabi- lidade, fato, fato consumado; realidade gélida/pura/palpávellfria/indis- cutível; exatidão 494; concretização, mate- rialização, corporificação; concrescibilida· de, materialidade; presença 186; coexistência 120; (ciência da existência): ontologia. V. Existir, ser, haver, subsistir, ,estar, per- manecer, viver 359; conservar sua força ou ação, continuar a ser, ficar em pé, perdurar, fazer-se sentir, prevalecer, persistir, de- senvolver-se, crescer; medrar, pulular, flo- rescer, reinar, imperar, dominar, aparecer 446; começar 66; respirar, palpitar, vibrar, ter vida, ocorrer 151; vegetar, produzir 161; vigorar, viger, viçar, estar de pé, estar em vigor; sorrir, alvejar, negrejar, correr, so- prar, erguer-se; contemplar-se, admirar-se, encontrar-se, notar-se, ver-se, ostentar-se em. Ad). existente & lT.; vivente, existencial, vi- tal, real, positivo, efetivo, absoluto, verda- deiro, prevalente, substancial, substantivo, exato 494; cuja existência não se contesta, concrescível, inextinto, ativo, em erupção, em movimento, vivo 359; corrente, inexaus- to, imperecível, palpável, material, inideal, infantasiado, concreto 316; deexistência con- creta, impotencial. Adv. realmente & adj.; de fato, efetivamen- te, concretamente, na realidade, sob o sol, subsole, sub-Jove, subdivo, dejac/o, ipsojac- to; em carne e osso, em voga. FRASES: Reclama seu direito a um lugar ao sol. Corresponde à existência concreta. É portador de existência fisica. l 2. Inexistência, não existência, negação da existência, falta de existência, ausência 187; falta, finitude, morte, desconhecimen- to, nulidade, vacuidade, niUldade, insuh- sistência, nada, coisa nula, irrealidade, tabula rasa, lacuna, falha, omissão, espaço em branco, vácuo, carência; aniquilamento, desaparecimento, extinção, sumiço, destrui- ção 162. ilusão, fantasia, fantasmagoria, produto da imaginação, ficção, fábula, mito, pilhéria, farsa, burla, mentira 546; arremedo, simu- lacro, figura de retórica, rótulo falsificado, fantastiquice, problema, niilismo. V. inexistir, não (existir & V. 1); estar no rol das coisas inexistentes, brilhar pela ausên- cia, ainda estar por vir ao mundo, ser nulo e vazio, ser fruto da imaginação, desertar, não se conhecer, perecer, extinguir-se, aca- bar-se, findar, desaparecer, sumir, evaporar- -se, dissolver-se, diluir-se, morrer 360; tornar inexistente & adj.; aniquilar, exina- nir, anular, nulificar, ab-rogar, extinguir, suprimir, cancelar (destruir) 162; fantasma- gorizar. Adj. inexistente, irreal, insubstancial, ima- terial, negativo, nenhum, nulo, omisso,
  34. 34. 3. Substancialidade 15. Intrinsecabilidade aniquilado, exinanido, extinto, exausto, esgo- tado, diluta, perdido, extraviado, desconhe- cido, morto 360; incriado, ingerado, inato, inascível, que não teve nascença, que Deus ainda não criou, potencial, virtual, abstra- to; fabuloso, mitológico, imaginário, [antas- mal, fantasmagórico, fantasmático, fictício, umbrático, umbrátil, alegórico, fantasioso, fantástico; vão, inventado, incogitado e in- cogitável, qUimérico 516; subjetivo, hipoté- tico, supositivo, atribuído falsamente a, su- posto, pseudo, falso, fingido, de existência impossível 471; sem fundamento, infunda- do, in nubibus. Adv. negativamente & adj. FRASE: Nunca se viu consentida no mundo sua existência. 2°) Ser - concreto /', 3. Substancialidade, materialidade, concretude, ser, ente, personalidade, pes- soa, coisa, objeto, artigo, massa, sangue, alguma coisa, um quê, algo, existência, al- guém, individualidade, entidade, ,criatura, ser criado, corpo, forma, substância = su- posto, carne e osso, matéria 316; essência, célula-mãe, quinta-essência, substratum. osso, organismo, hipóstase, consubstan- ciação, corporlficação, corporeidade, cor- poralidade; substancializacão, substancia- lisIDo; (totalidade da existência): mundo, universo, galáxia, planeta 319, cosmo. V. substancializar, converter em substância, considerar como substância, hipostasiar, supositar, corporificar, corporizar, corpora- lizar, substantificar, consubstantificar, con- substanciar; materializar-se. encarnar, humanar-se, tomar carne hu- mana. Adj. substantivo, substanci