O PONTIFICADO DE SÃO PEDRO
Existia, entre os antigos gauleses,o raro costume de celebrar o solstício de verão, encerrando ...
mesmo apóstolo S.Pedro chama a Jesus Cristo; “a pedra principal da esquina,eleita e preciosa, ... a pedra que
os edificado...
que Ele vai adiante de vós para a Galiléia.” (S.Marcos 16:7) E quando os viu na Galiléia, Jesus mesmo quis
reabilitar o ap...
assegurara vitória e exaltação de todo crente que, como os apóstolo,depositarnEle a fé, servindo-O com
amor.
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O pontificado de são pedro

187 visualizações

Publicada em

pontificado são pedro, espiritismo, espírito, alma, vida eterna, Jesus, tribunal divino, juízo, adventista,justiça, 2º vinda de Cristo, profecias, restauração, fé, Deus, Jesus, nações, Nova Ordem Mundial. domingo, sábado, dom de profecia,imortalidade, vida eterna, papa

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
187
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O pontificado de são pedro

  1. 1. O PONTIFICADO DE SÃO PEDRO Existia, entre os antigos gauleses,o raro costume de celebrar o solstício de verão, encerrando nas vésperas,a um homem, dentro de grande cêsto de vime a que ateavamfogo, e queimavam assim o infeliz. Esta prática pagã continuou entre os povos cristãos,nas fogueiras com que festejam as vésperas de S.João e S.Pedro: “Vemos, desta maneira, que um costume da tradição foi introduzido nas cristandade,se bem que seja uma prática inofensiva, quem negará sua falta de apoio bíblico, também se tenham insinuado no mundo cristão outras práticas de influência bem diferente? Há, com efeito, outro ensino igualmente arraigado no cristianismo, de natureza exclusivamente tradicional, mas de grande importância, porque se prende ao fundamento da igreja verdadeira. Referimo-nos ao pontificado de S. Pedro, exercido, segundo a tradição, em Roma, durante os últimos 25 anos de sua vida. Uma Passagem Bíblica de Exegese Errônea Pretende-se defender o pontificado do apóstolo S.Pedro citando uma passagembíblica que, como todo inciso bíblico que por si só não é concludente,para ser compreendida é necessário o estudo do contexto e de outras passagens relacionadas como tema. Para o cristão, a base de sua doutrina e crença religiosa é a Escritura Sagrada que, mediante a evidência de sua inspiração divina, põe termo a tôda discussão doutrinária. Alguém dirá que as Escrituras exigem, como guia espiritual, a interpretação correta de quem esteja autorizado a fazê-lo. A melhor resposta a esta objeção é a que foi dada por um dos padres da igreja, Sto. Irineu, que ensinava: “O sentido das Escrituras é facilmente compreensível a todo espírito reto e humilde. Se existem passagens obscuras,estas se explicam pelas que são mais claras, de tal sorte que a Escritura se explica pela própria Escritura, e não há necessidade para sua interpretação, de qualquer auxílio estranho.” E acrescenta: “Acerca das grandes questões da fé e da salvação, não é possívelhaverqualquer incerteza: a Bíblia é clara.” Com este critério em vista, explicando as Escrituras pelas mesmas Escrituras, procederemos a um breve estudo do assunto emaprêço. O principal texto sôbre que pretende apoiar-se o pontificado de S;Pedro e seu direito a ele conferido por Jesus Cristo mesmo, encontra-se no capítulo 16 do Evangelho de S.Mateus.Esta passagemé inspirada e tem um significado que nos cumpre conhecer. Mas também são inspiradas as demais passagens do Nôvo Testamento, as quais nos indicam a posição de São Pedro entre os outros discípulos. Certa ocasião, Jesus fêz anos discípulos a pergunta seguinte: “ Quem dizem os homens ser o Filho do homem?” Eles responderam: “ Uns João Batista, outros Elias, e outros Jeremias ou um dos profetas.” Jesus ausculta,então, o sentimento dos discípulos,fazendo-lhes a pergunta: “E vós,quem dizeis que Eu sou? E Simão Pedro, respondendo,disse:Tu é o Cristo, o Filho do Deus vivo.” “E Jesus,respondendo, disse-lhe: Bem aventurado és tu, Simão Barjonas, porque to não revelou a carne e o sangue, mas Meu Pai, que está nos Céus. Pois também Eu de digo que tu és Pedro, e sôbre esta pedra edificarei a Minha Igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela; e Eu te darei as chaves do reino dos Céus; e tudo o que ligares na Terra será ligado nos Céus; e tudo o que desligares na Terra será desligado nos Céus.” Devem ser consideradas várias importantes declarações nas palavras que Jesus disse a S.Pedro. Primeira: “Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a Minha Igreja.” Para a compreensão de uma passagem,o idioma original deve ser de importância capital, e precisa ser consultado quando o assunto é pouco claro ou debatido. O evangelho de S.Mateus foi escrito originalmente em aramaico, mas chegou até nós em grego, e é desta língua que nos iremos valer. Neste caso,duas palavras têm sentido especial: “Tu és Pedro (em grego Petros), e sobre esta pedra (em grego petra) edificarei a Minha Igreja.” De fato “petros” é um seixo, um pedaço de pedra, e “petra”, uma rocha. Então S.Pedro, “petros.” não era o fundamente, mas sim Cristo, que é a “Rocha.” Dissemos que a Bíblia se explica a si mesma, e este ponto desejamos demonstrar. S.Paulo, falando sobre o fundamente dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina; ao qual todo o edifício, bem ajustado,cresce para templo santo do Senhor.” (Efésios 2:20 e 2l) Foram os apóstolos,todos de igual maneira, os primeiros que concorreram para a edificação da Igreja Cristã, mas firmados na “pedra angular,” Jesus,o Filho de Deus. Outras passagens confirmam a interpretação: “Jesus Cristo... é a pedra que foi rejeitada por vós, os edificadores, a qual foi posta porcabeça de esquina.E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do Céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos sersalvos.” (Atos 4;10-12) O
  2. 2. mesmo apóstolo S.Pedro chama a Jesus Cristo; “a pedra principal da esquina,eleita e preciosa, ... a pedra que os edificadores reprovaram,” que “foi a principal da esquina: e uma pedra de tropeço e rocha de escândalo.” “E quem nela crer não será confundido.” (I S.Pedro 2:4-80) E o apóstolo S.Paulo, por sua vez, também disse: “Porque ninguém pode pôr outro fundamento, além do que já está posto,o qual é Jesus Cristo.” (I Coríntios 3:11) Esta interpretação, correta e positiva exposta com clareza pelas Escrituras, é a mesma que foi dada pelos cristãos dos primeiros séculos,o que é outra prova que se apresenta em seu favor. A opinião de Pais da Igreja Possivelmente o mais acatado dentre os padres da Igreja Católica é Santo Agostinho,e é ele quem diz, comentando a passagemque estamos estudando:“Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a Minha Igreja, deve entender-se:sobre Aquêle a quem Pedro confessara,dizendo: Tu és Cristo, o Filho do Deus vivo. E que Pedro, apelidado de pedra, representava a pessoa da Igreja, que está edificada sôbre a rocha e recebeu as chaves do reino dos Céus. Pois não diz: Tu és a rocha (petra), mas : Tu és Pedro (petros).” - Retractaciones, 1:21. O próprio Santo Agostinho declara: “Sobre esta rocha que tu confessaste,edificarei a Minha Igreja; Cristo mesmo era a rocha.” – Opúsculo 124, sôbre S. João. Outros padres também não entenderamque S. Pedro houvesse recebido supremacia, pois dizem “Mas Eu também te digo, que tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei Minha Igreja, isto é, sobre a fé da confissão” – São João Crisóstomo, patriarca de Constantinopla no Século IV. Homília 54. “Sobre esta rocha da confissão está edificada a Igreja. A fé é o fundamento da Igreja. Mediante esta fé as portas do inferno são impotentes contra ela. Esta fé tem a posse das chaves do reino dos Céus.” – De Sto Hilário, bispo de Poitiers, do século IV, Sôbre a Trindade. As chaves do Reino dos Céus Vejamos nos Evangelhos as palavras: “E Eu te darei as chaves do reino dos Céus.” (S.Mateus, 16;19) Se lermos também as palavras de S. Mateus,cap 23, v.13, e de S. Lucas, cap.11, v.52, dirigidas pelo Senhor Jesus aos escribas e fariseus, dos quais se diz que tinham a “chave da ciência, e fechavam aos homens “o reino dos Céus, “ torna-se evidente que as chaves em aprêço são as Escrituras Sagradas, cuja obediência nos prepara para a salvação.Tanto a porta, pois, como as chaves,são alegóricas, como também alegòricamente entendemos o dito do Senhor: “Eu sou a porta; se alguém entrar por Mim, salvar-se-á.’ (S.João 10:90 E acrescentamos agora a mensagem de Jesus a Sua igreja, na qual Ele Se denomina a Si mesmo o “santo,o que é verdadeiro, o que tem a chave de Davi, o que abre, e ninguém fecha; e fecha, e ninguém abre.” (Apocalípse 3;70) A Igreja tem Autoridade O Senhor disse mais: “E tudo o que ligares na Terra será ligado no Céu, e tudo o que desligares na Terra será desligado nos Céus.” Esta não é uma prerrogativa de S.Pedro somente, pois logo Jesus,falando ao grupo dos discípulos,pluralizou a expressão, dizendo: “Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na Terra será ligado no Céu, e tudo o que desligardes na Terra será desligado no Céu.’ (S.Mateus 18:18) A Igreja, pela autoridade das Escrituras e sob a direção do Espírito Santo, tem o direito de disciplinar os membros e unificar as doutrinas, não requerendo, para isso, um chefe como árbitro, nem como mandatário. Apascenta Minhas Ovelhas O pontificado também quer basear-se , quanto à supremacia de S. Pedro, nas palavras que Jesus lhe dirigiu junto ao mar de Tiberíades, depois da ressurreição. Havendo-lhe perguntado três vezes: Amas-me?” disse uma vez: “Apascenta os Meus cordeiros.” E duas vêzes Jesus ainda lhe falou: “Apascenta as Minhas ovelhas.” (S.João 21:15-17) O apóstolo havia triste e vergonhosamente negado a seu Senhor, depois de Lhe haver assegurado sua lealdade a todo custo.Mas o carinhoso e benévolo olhar do Salvador lhe inspirou sincera contrição, induzindo-o a chamar a Deus até triunfar sôbre si mesmo. Pedro se convertera, mas se sentia indigno de ser apóstolo de Cristo. Por isso o anjo mencionou especialmente o nome dele, ao enviar a mensagem, depois da ressurreição de Cristo: “Mas ide, dizei a Seus discípulos,e a Pedro,
  3. 3. que Ele vai adiante de vós para a Galiléia.” (S.Marcos 16:7) E quando os viu na Galiléia, Jesus mesmo quis reabilitar o apóstolo diante de seus companheiros, e lhe dirigiu a palavras de modo positivo, mostrando-lhe que a condição para o apostolado é o amor e não o impulso ou a arrogante profissão de lealdade. Falou a ele, porquanto era ele o que mais necessitava e porque , graças a sua genuína e recente conversão,estava em condição de desempenhar uma importante função entre os irmão, tanto naqueles dias como nos anos subsequentes. É evidente a importância da missão do apóstolo S.Pedro entre os gentios.Teve entre os judeus a mesma responsabilidade que S.Paulo teve entre os gentios.E, fora deste,é ele, com S.João, o apóstolo de maior influência. Mas nenhuma palavra de Cristo, especialmente dirigida a ele, por quaisquerrazões pessoais,se aplicaria mais tarde a qualquer bispo ou série de bispos.Assim não entenderam os padres da Igreja. Não Existem Provas Ulteriores da Supremacia do Apóstolo S.Pedro Esclarecidas as passagens comque se pretende manter a idéia da supremacia de S. Pedro, e não havendo nenhuma razão que justifique a crença de haver sido ele nomeado papa, sigamos agora a vida do apóstolo desde as palavras do Senhor, anteriormente comentadas. Pouco depois da suposta investidura de S. Pedro, Jesus teve que repreendê-lo severamente: “Para trás de Mim, Satanás,que Me serves de escândalo,” disse-lhe o Senhor. (S.Mateus 16:23) O grande apóstolo havia servido de instrumento do tentador.Precisava corrigir seu caráter e submeter-se à direção divina. Só assim poderia chegar a ser o convincente pregador que contribuiria para a conversão de milhares de pessoas. Quando os discípulos perguntarama Jesus: “Quem é o maior no reino dos Céus?” (S Mateus 18:1), o Senhor não Se aproveitou da ocasião para estabelecer a superioridade de S.Pedro, mas antes disse que deviam ser todos como meninos humildes, sem pretensão a títulos de grandeza. “Então Jesus,chamando-os para junto de Si, disse: Bem sabeis que pelos príncipes dos gentios são êstes dominados, e que os grandes exercem autoridade sôbre êles. Não será assim entre vós.” (S.Mateus 20:25 e 26) Entre os discípulos não haveria grandes nem potentados. O grande encargo de Jesus a Seus discípulos,antes da ascensão,foi: “Portanto ide, ensinai tôdas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo; ensinando-as a guardar tôdas as coisas que Eu vos tenho mandado: e eis que Eu estou convosco todos os dias,até a consumação dos séculos.” (S.Mateus 28:19 e 20) O encargo é uniforme: o poder dado é o mesmo para todos,e com todos estaria Ele, de igual maneira, para dirigi-los, e não por intermédio de um chefe visível. No livro de Atos,em que se relata a atuação dos apóstolos na igreja organizada, é onde se devia manifestar, necessariamente, a exaltada posição de S Pedro como papa, se tal fôsse sua autoridade. Nesse livro, porém, só se observa o fato de sera hierarquia igual, a mesma entre os apóstolos.Já no primeiro capítulo se vê que não é S.Pedro quem nomeia o que devia tomar o lugar vago com a morte do traidor Judas,mas a Igreja, a coletividade dos fiéis. Outra passagemconcludente no livro de Atos reza assim: “os apóstolos,pois,que estavamem Jerusalem, ouvindo que Samaria recebera a Palavra de Deus, enviaram para lá Pedro e João.” (Atos 8:14) - Não foi S.Pedro que, como Papa (como muitos supõem) que mandou alguém para lá por estarele revestido de autoridade especial, pelo contrário, ele é que foi mandado. Não comentaremos o concílio realizado em Jerusaleém, no ano 48 ªD., em que os apóstolos e outros crentes se reuniram, sem que S.Pedro tivesse preeminência entre êles. Do relato se depreende que era, de preferência, S.Tiago quem presidia e orientava o dito concílio. Nas epístolas de S.Paulo notamos que o apóstolo aos gentios ignorava, por completo, a autoridade pontifícia de S.Pedro. Disse ele aos corintios: “Visto que em nada fui inferior aos mais excelentes apóstolos; ainda que nada sou.” (II Coríntios 12:11) O apóstolo que escreveu estas palavras era a mais alta expressão do genuíno cristianismo, e nunca se haveria igualado a S.Pedro, houvesse este sido exaltado por Jesus Cristo ao pôsto que agora se lhe atribui. Ainda encontramos o seguinte: “E conhecendo Tiago, Cefas (Pedro) e João, que eram con siderados como as colunas,a graça que se me havia dado,deram-nos as destras,em comunhão comigo e com Barnabé...” (Gálatas 2:9) Esta expressão denota igualdade entre os apóstolos.O relato se torna grave no versículo onze: “E, chegando Pedro a Antioquia, se lhe resisti na cara, porque era repreensível.” S .Pedro não era uma rocha inabalável, estava sujeito a errar. Nunca foi papa, mas foi um homem de Deus, usado pelo Espírito Santo no sentido de consolidar a igreja primitiva. Cristo é o fundamento e a cabeça da Igreja. Sua firmeza e direção, mediante Seu único e legítimo representante,o Espírito Santo, garantem a vitória de Seu povo contra as potestades das trevas,e podem
  4. 4. assegurara vitória e exaltação de todo crente que, como os apóstolo,depositarnEle a fé, servindo-O com amor.

×