José Lucas de Barros                                             O meu destino de amor                                    ...
Participa em “O TROVADOR”, Órgão Oficial da Academia de Trovas do Rio Grande do Norte, coma coluna: “Questões Simples de L...
14 – Peleja em Martelo Agalopada (com Prof. Garcia)Os diálogos poéticos foram feitos todos pela Internet. Há mais quatro e...
A ciência, sem suspeita,        A liberdade é um tesouro será no mundo aplaudida          da mais alta qualidade... se a c...
A mulher, rasgando os passos,    A preguiça dos ponteiros  caminha alegre, vai cedo...     de meu velho carrilhãoQuem leva...
Com devotamento ao lar,       De alguém que há pouco passou,  onde o amor finca raízes,      deixando a porta entreaberta,...
Em minha infancia inocente,         Esta fé que nos norteia  teu afeto, mãe querida,          para a "terra prometida",  d...
Felicidade é o lugar         Mesmo enfermo, João Maria,     indicado pelo amor...         cumprindo a santa missão,  Lá, q...
Minha mulher reza tanto             Na paz da boa atitude   aos pés de Nosso Senhor,           não há passada perdida, que...
No trabalho, meus irmãos       O beijo, em qualquer instante,não buscam prêmio nem glória,       estimula o amor e a vida,...
Olhando o primor da teia,         O trabalho é luta santa eu fico aos céus inquirindo:     que não vislumbra medalha,como ...
Potengi, corrente amiga       Quando eu vejo a morte acesa que alimenta o manguezal,       na fúria de uma queimada,  arté...
Se a lua beija as areias          Sem ter o clone a beleza   destas praias de Poti,       do amor que embala os casais,  c...
Tomara que os trovadores            Zarpei ao romper do dia,    batam do verso a poeira,           no meu barco, a velejar...
Naquele doce arrebol,                        Quase fiquei de alma nua,  quase fiquei de alma nua,                       e,...
em vez das fantasias da cidade,         Sou fraco, mas, o peso do meu lenho, me entreguei à aventura dos caminhos.        ...
Como ficou longe a infância!                                     Botando os pontos nos is,    Amigos da mocidade,         ...
Cavaleiro de tanta valentia,                        O TEMPO  Esquecido por esses pés de serra,   Nosso herói nordestino me...
cai no rio e se anima o pescador,        com sextilhas, martelos e mourões   na esperança de um peixe lutador             ...
comandando uma roca de madeira;                         Virgulino Ferreira, o Lampião,       punha os pés pequeninos numa ...
3 - PARA SÓCIOS EFETIVOS                                Responsável:                                                      ...
XXIII Concurso Nacional e Internacional de Trovas de Pindamonhangaba      serão julgadas por trovadores residentes em outr...
1.1. Nacional/Internacional (língua portuguesa):                        OBS:“DEUS” (Líricas/Filosóficas) e                ...
XI JOGOS FLORAIS DE AVIS/PORTUGAL                             (Dinis Subtil-Aldeia Velha-Avis)Prazo Máximo: 5 de abril de ...
pseudónimo diferente. Serão desclassificados os trabalhos que não          12 - Ao Júri cabe a resolução de qualquer ocorr...
Tema Municipal                                                                               Liricas/Filosóficas: Direito ...
(em homenagem aos 15 anos do Teatro Trianon)   "VINHO" (humorísticas)Uma trova por autor.                           TEMAS ...
1.º CONCURSO DE QUADRAS POPULARES DORemeter para                                         CLUBE DA SIMPATIA/2013Djalma Mota...
Esta modalidade pode ser um pouco mais difícil, masOs trabalhos, onde constará o nome do autor, e-mail e          deixa ao...
Participe com suas trovas                                                      Trovas Legendas de Eliana Jimenez (Santa Ca...
Trova brasil numero 8 março 2013 zé lucas
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trova brasil numero 8 março 2013 zé lucas

654 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
654
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trova brasil numero 8 março 2013 zé lucas

  1. 1. José Lucas de Barros O meu destino de amor me pôs no rol dos felizes: fez-me nascer trovador no mais belo dos países. José Lucas de Barros nasceu no município de Condado, na Paraíba, em 12 de março de 1939,mas registrou-se civilmente em Serra Negra-RN, terra de seus pais. Trabalhou no campo, no comércio, no Banco do Brasil e, finalmente, exerce a advocacia, tematividades literárias, sociais e religiosas. É advogado, poeta, trovador e pesquisador de literatura popular. José Lucas escreveu seus primeiros versos na adolescência e é, hoje, nome conhecido eadmirado no mundo trovista. Escreve poesia em suas variadas modalidades, destacando-se em trovase cordel. Suas criações primam pela inspiração e criatividade. Publicou em 1973, um livro de trovas, intitulado ”Cantigas do meu Destino”. Em 1985, o livro “Caminhada” com lindos conjuntos de trovas, sonetos, glosas e poemas deforma livre. Foi professor de Português e Literatura por dez anos. 2
  2. 2. Participa em “O TROVADOR”, Órgão Oficial da Academia de Trovas do Rio Grande do Norte, coma coluna: “Questões Simples de Linguagem”. Entidades a que pertence: Academia de Trovas do Rio Grande do Norte Associação Estadual de Poetas Populares – RN Academia Curraisnovence de Letras União Brasileira de Trovadores, seção de Natal/RN, Instituto Cultural do Oeste Potiguar, Membro da Academia Parnaminense de Letras. Obras Publicadas: 1 – Cantigas do meu Destino (Trovas), 2 – Repentes e Desafios (Pesquisa de Literatura Popular), . 3 – Caminhada (Poesias), 4 – Diálogo em Trovas I (parceria com Delcy Canalles). 5 – Diálogo em Trovas II (idem), 6 – iálogo em Trovas III (Idem). 7 – Quando Dois Rios se Encontram (Diálogo em sextilhas c/Delcy Canalles), 8 – Do Potengi ao Guaíba (Diálogo em Setilhas c/Delcy Canalles). 9 – Dois Poetas em Setilhas (Diálogo em Setilhas c/Ademar Macedo),10 – Um Rojão em Sextilha Agalopada (com Ademar Macedo e Francisco Garcia de Araújo),11 – Distâncias Que Se Aproximam (sextilhas e trovas em parceria com Delcy Canalles,12 – Sexteto em Sextilhas (com A.A. de Assis, Ademar Macedo, Delcy Canalles, Francisco Garcia deAraújo e Gislaine Canales),13 – No Balanço da Canoa (Trovas e Sonetilhos). 3
  3. 3. 14 – Peleja em Martelo Agalopada (com Prof. Garcia)Os diálogos poéticos foram feitos todos pela Internet. Há mais quatro em andamento e outrosplanejados.15 – Resumo Biográfico do Mons. Lucas Batista (Cordel). Além de outros trabalhos inéditos. É também letrista em cerca de 20 músicas, com vários parceiros. Zé Lucas,como é conhecido, em seu livro Repentes e Desafios conta que o falecido Belarmino deFrança foi contratado para uma cantoria no município de Pombal (Triângulo), com a garantia dotransporte de volta. Na hora da viagem o dono de casa ofereceu-lhe a garupa de um jumento. Dianteda situação desanimadora, alguém gritou: "Jumento não tem garupa". Belarmino, instigado pelospresentes, improvisou: Segundo o que está escrito, Jumento por garantia, Levou Jesus e Maria De Belém para o Egito; Não é um animal bonito, Mas, no trabalho, se ocupa; Se ele der uma upa, Bota o sujeito no chão... E eu não sei por qual razão Jumento não tem garupa.Fontes:http://www.avspe.eti.br/biografia2010/JoseLucasDeBarros.htmhttp://uniaocultural.blogspot.com/2011/01/no-universo-da-trova-delcy-canalles.html 4
  4. 4. A ciência, sem suspeita, A liberdade é um tesouro será no mundo aplaudida da mais alta qualidade... se a clonagem só for feita Nem por gaiola de ouro em benefício da vida. há quem troque a liberdade!A esmola às vezes se "enfeita" A menina seminua, com tinturas de vaidade, presa, disse ao detetive: mas a caridade é feita – eu não me queixo da rua, de amor e fraternidade. mas do lar que nunca tive! 5
  5. 5. A mulher, rasgando os passos, A preguiça dos ponteiros caminha alegre, vai cedo... de meu velho carrilhãoQuem leva um filho nos braços mostra os minutos ronceiros enfrenta o mundo sem medo. das noites de solidão! A multidão me põe louco Aquele singelo enredo entre empurrões e zoada... de amor, ensaiado a sós, Sozinho, sou muito pouco; foi o mais belo segredo na multidão, não sou nada! que a vida pôs entre nós! Antes de sair de cena, Auta pôs, com mãos de fada,peço tempo aos céus risonhos, em versos de encanto e dor, pois acho a vida pequena toda a pureza filtrada para a vida de meus sonhos. na luz eterna do amor. Ao voltar, com muito amor, Carcará desce do pico, ao campo que já foi meu, pega a vítima e condena, bebi no cálix da flor pois, sendo de pena e bico,o mel que a abelha esqueceu. bica e mata sem ter pena. A poesia se ilumina Chove no Sertão, e o rioe em trono de amor repousa, desce da serra distante; pela pureza divina devolve a vida ao baixiodos versos de Auta de Souza. e o sorriso ao retirante! 6
  6. 6. Com devotamento ao lar, De alguém que há pouco passou, onde o amor finca raízes, deixando a porta entreaberta, a noite é para sonhar alguma coisa ficou: e os dias são mais felizes. talvez a lembrança incerta! Como é belo ver a planta Deus, que viagem florida,que abre flores nos caminhos, em campos tão sedutores!nas horas em que Deus canta Como é bom trilhar, na vida, pela voz dos passarinhos! pelo caminho das flores!Como os demais trovadores, Duas taças num banquinho, tenho ilusões,toda hora... sem ninguém, têm a igualdade São lindas, parecem flores, do cheiro do mesmo vinho,mas, num sopro, vão embora! da dor da mesma saudade! Corre o viver tão bonito, Em louco e brutal delírio nesta paz de vento brando, pra devastar o que resta, que eu vejo e não acredito a motosserra é um martírioque a velhice está chegando! no calvário da floresta! Crianças em doce anelo, Em manhã chuvosa, a vida fitando, além, o horizonte, canta no seio da matasonham que um dia mais belo e há notas de água caídavai nascer por trás do monte! no piano da cascata. 7
  7. 7. Em minha infancia inocente, Esta fé que nos norteia teu afeto, mãe querida, para a "terra prometida", desenhou-me fielmente mesmo sendo um grão de areia, o lado belo da vida! faz o alicerce da vida!Em momentos mais risonhos, Estas cenas nos comovem, sei que já fiz trova linda, como, na rua, alguém disse:mas a trova dos meus sonhos - Juntas, a energia jovem não pude fazer ainda! e a lentidão da velhice! Em muitas ocasiões, Eu sou mais poeta quando, só somos bons elementos no jogo de altas marés, porque certas intenções fico na praia esperandonão passam de pensamentos. que as ondas lavem meus pés.Enquanto a emoção se alteia Existem palavras mudas sobre as dunas, a rolar, que têm o peso da cruz, a vida brinca na areia e foi sem falar que Judas, ouvindo a canção do mar. num beijo, entregou Jesus.Entre o cãozinho e a criança Feitas de sonhos e flores, há tão lindo entendimento, as nossas trovas são ninhos,que na estrada da esperança onde os vates trovadoreshá, para os dois, um assento! trinam como passarinhos. 8
  8. 8. Felicidade é o lugar Mesmo enfermo, João Maria, indicado pelo amor... cumprindo a santa missão, Lá, quem consegue chegar a própria dor esquecia é, por certo, um sonhador! pra sanar a dor do irmão! Há tempo sem teus afagos, Mesmo que eu mude de estilo, deixa-me lavar as dores não mudarei, nem de leve, nos dois pequeninos lagos uma vírgula daquilo de teus olhos sedutores! que a mão do destino escreve.João Maria, em nenhum canto Mesmo que eu renove as trilhas, deixava um mendigo ao léu... desviando a caminhada, Na terra já era um santo; não escapo às armadilhas foi ser mais santo no céu. que o destino põe na estrada João Maria morreu quando Meu querido Rio Grande, fazia um trabalho lindo. na beleza de teus vales, Sua alma subiu cantando; desfeito em trovas se expande Deus o recebeu sorrindo! o amor do “Trio Canalles”. Mais vale da vida o espelho Meu rancho, no campo em flor,que muitos sermões no templo... longe de intriga e maldade, Em vez de nos dar conselho, era o meu ninho de amor, seu padre, nos dê o exemplo! hoje é o ninho da saudade! 9
  9. 9. Minha mulher reza tanto Na paz da boa atitude aos pés de Nosso Senhor, não há passada perdida, que eu vou precisar ser santo e a moeda da virtude pra merecer seu amor. paga o pedágio da vida. Musas divinas!... Ao vê-las, Na paz de um lago deserto, no sonho que me seduz, longe da luz da cidade, subo ao ninho das estrelas, foi quando estive mais perto seguindo os rastros da luz! da luz da felicidade Não há coisa mais bonita No doce embalo da rede, neste mundo de pecado, um sono bom me enfeitiça do que a fé que ressuscita e o relógio de parede um sonho já sepultado! me acompanha na preguiça. Não me fizeste justiça No instante em que o sol se enfada, ao negar-me o teu carinho, de tanto aquecer a Terra, e hoje a saudade aterrissa, deita a cabeça douradacomo sombra, em meu caminho! no travesseiro da serra... Não temo a longevidade No meu rancho, pobre teto, por esta simples razão: o chão era a cama e a mesa, a flor da felicidade mas fui tão rico de afeto, brota em qualquer estação. que nem falava em pobreza. 10
  10. 10. No trabalho, meus irmãos O beijo, em qualquer instante,não buscam prêmio nem glória, estimula o amor e a vida, e os calos de suas mãos e, sendo um beijo dançante, enobrecem nossa História. faz tudo além da medida. Numa devoção de monge, O cego, com dedos certos, o Potengi, sem parar, tange a sanfona dorida, traz água doce de longe e eu, com dois olhos abertos, e entrega de graça ao mar. erro nas teclas da vida. Numa fonte de águas claras, O céu azul de meus sonhosOnde as musas cantam hinos, e as flores da mocidade Bebo as imagens mais raras lembram-me dias risonhos De meus versos peregrinos. na aquarela da saudade! O alpinismo é dura prova O destino abre-me os braços que não ficou para mim, mas tem seu lado mesquinho: mas, no alpinismo da trova, guia-me todos os passos escalo alturas sem fim. mas não me ensina o caminho. O amor e o sonho, querida, – Oh! Que demora sem fimsão graças que Deus nos deu... para tua decisão! Quem não ama não tem vida, Chegou tão tarde o teu sim, quem não sonha já morreu. que já parecia um não! 11
  11. 11. Olhando o primor da teia, O trabalho é luta santa eu fico aos céus inquirindo: que não vislumbra medalha,como é que a aranha, tão feia, e um país só se levanta traça um desenho tão lindo! pelas mãos de quem trabalha. Olho o céu de eterno azul, O trabalho me norteia e como fico feliz, e dele eu não me despeço, vendo o Cruzeiro do Sul, pois quero meu grão de areia emblema de meu país! a construção do progresso. O perdão é que é o sinal Para abraçar-te, menina, de perfeita lucidez... meu anseio é tão profundo, Quem se vinga faz o mal que a distância de uma esquina do jeito que alguém lhe fez. parece uma volta ao mundo. O Potengi deita a luz Pobre casal foi multado no seu leito sedutor sem defesa, na avenida, e, ao tê-la formosa e nua, por beijo estacionadomergulha em sonhos de amor. numa faixa proibida! Os anos trazem cansaços; Por mais que a vida me açoite nossa vida é sempre assim, com refinada ironia,e a saudade segue os passos depois da prece da noite, da velhice, até o fim! esqueço as mágoas do dia! 12
  12. 12. Potengi, corrente amiga Quando eu vejo a morte acesa que alimenta o manguezal, na fúria de uma queimada, artéria grossa que irriga sinto a dor da natureza, o coração de Natal. impunemente afrontada! Qual a fonte de energia Quando o tempo se levanta Da luz de tantas estrelas? no sertão, e a seca vem, Se não for Deus, quem teria não morre somente a planta, Um facho para acendê-las? morre a esperança também! Quando a jangada flutua Quanta labuta perdida sobre as águas, ao luar, para a clonagem de gente, é uma lágrima da lua quando o amor que traz a vida nos olhos verdes do mar. jorra de infinda vertente! Quando a Lua se retrata Queimada!... A terra ferida com seu encanto invulgar, clama por um povo forte traça um caminho de prata que faça brotar a vida sobre a esmeralda do mar. onde o fogo impôs a morte!Quando estou em meu terraço, Quem fere, seja onde for, olhando os astros risonhos, uma simples borboleta, a Lua atravessa o espaço, mata um sonho multicor puxando o carro dos sonhos! que sobrevoa o planeta! 13
  13. 13. Se a lua beija as areias Sem ter o clone a beleza destas praias de Poti, do amor que embala os casais, cantam todas as sereias torce as leis da natureza das noites do Potengi. e engendra seres sem pais! Se aos pintores falta tinta Sem ter da mulher o afeto, que eternize a juventude, não tenho felicidade. feliz quem, na vida, pinta Homem nenhum é completo um retrato da virtude! quando lhe falta a metade. Sei que deste mundo lindo Senti o ardor da poesia vou sair, só não sei quando, nos meus primeiros amores, mas quero morrer dormindo quando a vida pareciapara entrar no céu sonhando. uma cascata de flores! Se já não restam viventes Sinal da antiga aliança sobre a terra calcinada, de Deus com a humanidade, plantemos novas sementes o arco-íris nos traz bonança na cicatriz da queimada! de paz e felicidade. Se meu Potengi não fosse Toda a natureza é um plano perene, iria esgotar de vida farta e beleza, de despejar água doce mas o lucro desumano no fundo amargo do mar. põe no bolso a natureza! 14
  14. 14. Tomara que os trovadores Zarpei ao romper do dia, batam do verso a poeira, no meu barco, a velejar,e a trova, assim como as flores, para “pescar” a poesia enfeite as bancas da feira. que a Lua escondeu no mar. Tua voz, terna e macia, PANTUM DA ECLOSÃO DO AMOR sob o calor dos lençóis, tinha a doce melodia Trova-tema: de um canto de rouxinóis. Eu vi o amor eclodindo Viram cinza os verdes braços na mensagem de um chamado: de árvores tão bem formadas o mar, despido, sorrindo... e a terra morre aos pedaços O Sol se pondo, apressado. por onde vão as queimadas! (Mara Melinni) Volta aos sonhos de criança, Na mensagem de um chamado, em teu recanto singelo, vinha um toque de magia:mas nutre a flor da esperança o Sol se pondo, apressado,que torna o mundo mais belo! visto que a noite caía. Vou brincar com pirilampos Vinha um toque de magia e beijar as flores nuas naquele doce arrebol,pra ver se encontro nos campos visto que a noite caía, a paz que fugiu das ruas! logo após o adeus do Sol. 15
  15. 15. Naquele doce arrebol, Quase fiquei de alma nua, quase fiquei de alma nua, e, num êxtase tão lindo, logo após o adeus do Sol, ao primeiro olhar da Lua, ao primeiro olhar da Lua. eu vi o amor eclodindo. OUTROS VERSOS MEL NA POESIA A VIAGEM No trabalho das colmeias -Neste mundo, ninguém tem a medidame inspiro em meu dia-a-dia, Do caminho do berço para a morte, eu e a abelha laboramos E eu, que tinha de achar algum transporte, numa intensa parceria: Vindo ao mundo, peguei o trem da vida; ela tira o mel das flores Anotei o momento da partidae eu ponho em minha poesia. E enfrentei a jornada com coragem; Deus me deu o bilhete da passagem AS GARÇAS E mandou-me seguir estrada afora. Inda estou caminhando até agora,Voam longe as garças brancas Mas não sei o tamanho da viagem. formando bonito véu, como um lençol de morim MEU JEITO DE OLHAR A VIDA que o vento sacode ao léu... Será que a paz criou asas Sou menino do campo, sem vaidade; e está voando no céu? vivi longe das sedas e dos linhos; 16
  16. 16. em vez das fantasias da cidade, Sou fraco, mas, o peso do meu lenho, me entreguei à aventura dos caminhos. carrego sem negar meu endereço. Fui ao céu, imitando os passarinhos... Quero só navegar no mar da vida Nas asas do meu sonho, a imensidade sem me tornar um navegante louco ficou pequena, e na canção dos ninhos pra deixar minha vela preferida embalei toda a minha mocidade. abandonada na ilusão do cais.Minha alma se elevou no azul dos montes, Sabe Deus que mereço muito pouco, onde volto a beber, nas mesmas fontes, mas é tão bom que até me dá demais! a água doce da infância cristalina. “AS ESTRELAS SÃO NÍTIDOS FARÓIS” Deus não me nega paz nem agasalho: se nos bosques da noite me atrapalho, As estrelas são nítidos faróis logo mais vem a aurora e me ilumina! quando o céu anoitece mais bonito; para nós, os poetas sonhadores, HUMILDE NAVEGANTE a beleza da Lua é quase um mito na distância da cósmica jornada Meu amigo, não peça o que não tenho em que a voz de um trovão é quase nadanem me dê o que eu sei que não mereço; e o silêncio de Deus corta o infinito. Não precisa ampliar o meu desenho, basta que não me vire pelo avesso! MENINICENão é para ser grande que me empenho, Cada dia, mais distância, mas para ser tratado com apreço. cada instante, mais saudade... 17
  17. 17. Como ficou longe a infância! Botando os pontos nos is, Amigos da mocidade, fui moleque bom de estrada, agora não mais os vejo fui menino, fui feliz! em nossa velha cidade! Assim, digo a minha fada: Meu coração sertanejo pode manter meu destino! bate ao compasso do sino Não precisa mudar nada. das festas do lugarejo. Basta, na vida futura,Se eu fosse outra vez menino, que não me falte a ternura mesmo assim pouco faria de um coração de menino! pra reverter o destino. VAQUEIRO Pra meus pais, mais alegria pediria, com certeza, Há registros em prosa e poesia, a Deus e à Virgem Maria, Aqui pelo Nordeste brasileiro, Mas ninguém descreveu, como devia, e um grande alívio à pobreza A grandeza da saga do vaqueiro.que os perseguiu duramente.Quanto a mim, não é surpresa Quando um touro se torna barbatão, Escondido na mata de espinheiro, afirmar, de boa mente, Não há nada que o enfrente no sertão, que quase tive o que quis, A não ser a coragem do vaqueiro. no meio de minha gente. 18
  18. 18. Cavaleiro de tanta valentia, O TEMPO Esquecido por esses pés de serra, Nosso herói nordestino merecia Quando menino, eu queria Uma estátua de bronze em sua terra! Ser homem com rapidez, Depois, contabilizando O DIA DAS MULHERES Tudo que o tempo me fez, Hoje morro de vontadeHoje cumpro o mais justo dos misteres, De ser menino outra vez. Como poeta e amigo da beleza: Dou parabéns a todas as mulheres, EXCERTOS DA PELEJA EM MARTELO Vendo nelas, do amor, a realeza! AGALOPADA um diálogo entre Zé Lucas e Prof. Garcia Às rainhas do lar e deste mundo, Que, sem elas, pra nada serviria, Pra o poeta encontrar a poesia,Eu desejo, com o apreço mais profundo, basta o canto febril de um rouxinol, Um reinado de paz e de alegria! ou os raios de ouro do arrebol, registrando o nascer de um novo dia; Que haja flores na rota da existência um olhar nas belezas que Deus criaDe toda mãe, que é nosso amor primeiro, também deixa um poeta motivado; E nunca mais a mão da violência uma grata lembrança do passadoBaixe sobre a mulher, no mundo inteiro! tanto acorda a saudade como inspira; mais o som peregrino de uma lira, e está pronto o martelo agalopado! (…) No remanso tranquilo da gamboa, 19
  19. 19. cai no rio e se anima o pescador, com sextilhas, martelos e mourões na esperança de um peixe lutador recheados de nítida magia; que, na linha do anzol, puxe a canoa; era um mundo encantado de poesia remo solto, segura-se na proa, que abracei desde minha tenra idade, porque sabe os segredos de seu rio tradição nordestina de verdade e não foge jamais ao desafio, que não pode morrer nem fraquejarvisto que água no chão é mão na luva... porque é muito querida e popular, Essas cenas ocorrem quando a chuva mas mudou-se do campo pra cidade! cai na terra do sol e espanta o estio. (…) (…) Quem trabalha precisa de repouso Vi a cana espremida na moenda, pra suprir os efeitos do cansaço, vi os bois sonolentos na almanjarra, pois o esforço medido a cada passona qual já trabalhavam quando a barra nunca pode tornar-se tão penoso; da manhã lourejava na fazenda; nosso tempo é tesouro precioso,e o engenho, que há muito virou lenda, como o próprio bom senso nos revela... tinha cheiro de mel e rapadura, Desperdício das horas, sem cautela,mas o tempo mudou... Já não se apura leva a perdas e danos sem medida uma simples batida, ou alfenim. e ao desgaste das dádivas da vida, No sertão, isso tudo levou fim, desta vida que é curta, mas é bela. mas a dor da saudade ninguém cura! (…) (…) No sertão, uma linda fiandeira Não me esqueço do som da cantoria foi Maria Isabel, minha vovó, nos alpendres de antigos casarões, que viveu no calor do Seridó 20
  20. 20. comandando uma roca de madeira; Virgulino Ferreira, o Lampião, punha os pés pequeninos numa esteira assombrou todo o povo do sertão fabricada com arte e paciência; com seu rifle temível e certeiro; sempre estava na pobre residência tinha fama de bravo bandoleiro, dando a bênção a adultos e guris... pois, de fato, era intrépido e valente, Viveu quase cem anos, tão feliz, açoitava e matava cruelmente, com o novelo dos fios da existência! mas entrou pelo cano em Mossoró: correu tanto, que as pernas davam nó; (…) mesmo assim, é um herói pra muita gente! No Nordeste, o mais duro cangaceiro, Concursos de TrovasXXXIII CONCURSO DA ACADEMIA DE TROVAS Natal/RNDO RIO GRANDE DO NORTE – ATRN – 2013. CEP 59014-602.Prazo para recebimento das trovas: até 30/6/2013; 2 - ÂMBITO ESTADUALTROVAS LÍRICAS E FILOSÓFICAS: Tema: RASTRO.1 - ÂMBITO NACIONAL Coordenador:Tema: AREIA. Thalma Tavares Rua México, nº 584 - Jdm. das AméricasCoordenador: São Simão/SP CEP: 14200-000José Lucas de BarrosTravessa Alda Ramalho Pereira, 1010, Tirol 21
  21. 21. 3 - PARA SÓCIOS EFETIVOS Responsável: ACADEMIA DE TROVAS DO RIO GRANDE DO NORTE-Tema: MÃO. ATRN.Coordenadora:Eliana Ruiz JimenezRua 2950 n. 671 – Centro CONCURSO DE TROVAS DE PINDAMONHANGABABalneário Camboriú – SCCEP: 88330-348 Prazo: 30 de abril de 2013 REGULAMENTO4 - PARA SÓCIOS CORRESPONDENTES – 1 – Dos trabalhosTema: BÊNÇÃO. 1.1 As trovas devem ser inéditas, de autoria do remetente e, cada umaCoordenador: delas deve ser datilografada/digitada na face externa de um envelopeHélio Pedro Souza branco, que deve ser remetido fechado. Dentro de cada envelope,Rua Cel. Luciano Saldanha, 1.740, Capim Macio colocar um papel com a identificação: nome completo, endereçoNatal/RN completo e assinatura.CEP 59078-390 1.2 Os envelopes com as trovas devem ser colocados em outro maior,OUTROS INFORMES: para a remessa e, este não pode ter a identificação externa do remetente.As trovas devem ser endereçadas aos respectivos 1.3 Máximo de 3 trovas (líricas/filosóficas) por concorrente,coordenadores (sistema de envelopes, colocando-se, em datilografando/digitando acima da trova, o tema a que concorre.lugar do remetente, o nome de ADEMAR MACEDO); 1.4 Serão consideradas as trovas recebidas até 30 de abril de 2013.Quantidade de trovas por tema: no máximo 2 (duas); 1.5 As trovas devem ser remetidas para:Festa de premiação: 3 e 4 de outubro de 2013. 22
  22. 22. XXIII Concurso Nacional e Internacional de Trovas de Pindamonhangaba serão julgadas por trovadores residentes em outras regiões e EstadosBiblioteca Pública Municipal “Ver. Rômulo Campos D’Arace” (São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, etc), e as trovas com o temaLadeira Barão de Pindamonhangaba, s/n – Bosque da Princesa FRASE serão julgadas por trovadores residentes em outras regiões queCEP: 12401-320 – Pindamonhangaba não as mencionadas.1.6 Temas: 4 – A Comissão Organizadora 1.6.1 Nível Regional:para trovadores domiciliados na cidade de Pindamonhangaba, demais 4.1 A Comissão Organizadora resolverá os casos e suas decisões serãocidades do Vale do Paraíba, Litoral Norte e Região Serrana definitivas e irrecorríveis.(Mantiqueira, no Estado de São Paulo)– RETICÊNCIA 4.2 As trovas remetidas em desacordo com qualquer item, serão eliminadas automaticamente do concurso.1.6.2 Nível Nacional/Internacional:para os trovadores domiciliados nas demais cidades do Brasil e Exterior 4.3 A simples remessa das trovas significa total conhecimento e– FRASE completa aceitação deste Regulamento. 1.6.3 XIX Juventrova (para estudantes) MAIS INFORMAÇÕES:– CELULAR Telefones: (12) 3643-2399 (Biblioteca) ou (12) 3642-3724 (José Valdez)2 – Da Premiação Dia: 06 de Julho de 2013. Horário: 20 horas Local: a ser confirmadoPrêmios: Serão concedidos para cada um dos TEMAS – Troféus eDiplomas para os cincos primeiros colocados, cinco Menções IX CONCURSO DE TROVAS DA UBT MARANGUAPEHonrosas e cinco Menções Especiais. , Prazo Máximo: Até 15 de abril de 2013.3 – Da Comissão Julgadora 1) ÂMBITO/MODALIDADE e TEMAS:A Comissão Julgadora será formada por trovadores de reconhecidomérito, ficando estabelecido que as trovas com o tema RETICÊNCIA O tema deve constar na trova 23
  23. 23. 1.1. Nacional/Internacional (língua portuguesa): OBS:“DEUS” (Líricas/Filosóficas) e a) Os trovadores de outros Estados/países poderão enviar trovas de“SAMBA” (humor) âmbitos estadual e municipal, como participação Especial [não serão concedidos diploma de participação especial];[uma trova por tema] b) Os trovadores do Estado do Ceará não residentes em Maranguape1.2. Estadual: ou não pertencentes a UBT-MARANGUAPE poderão enviar trovas de“VERSO” (Líricas/Filosóficas) e âmbito municipal como participação especial;“MÃO” (humor) c) Os trovadores do Estado do Ceará poderão enviar trovas de âmbito[duas trovas por tema] nacional/internacional como participação especial.1.3. Municipal: d) Aberto – destinado a todos os trovadores [âmbitos “ALIANÇA” (Líricas/Filosóficas) e nacional/internacional, estadual e municipal]. Serão feitas duas“BAIÃO” (humor) premiações na modalidade aberto: 1ª). Para trovadores de âmbito Nacional/internacional;[duas trovas para cada tema] 2ª) Exclusiva p/trovadores do Estado do Ceará, inclusive de1.4. ABERTO (a todos os trovadores – Nacional/internacional, estadual Maranguape.e municipal): e) É necessário constar o tema na trova. Indicar o tema antes deDestinado a homenagear a profissão de Professor: escrever a trova.“PROFESSOR (A, AS, ES)” (Líricas/Filosóficas) e “Estudante (S)” (Líricas/Filosóficas) ENDEREÇO PARA REMESSA DAS TROVAS:[uma trova de cada tema]. i) Por e-mail para o endereço eletrônico: ubt.mpe@gmail.com, indicando o nome do autor, e-mail, endereço completo, município e1.5. Internacional em língua hispânica: CEP. “Dios” (Lírica/Filosófica).[duas trovas por concorrente] 24
  24. 24. XI JOGOS FLORAIS DE AVIS/PORTUGAL (Dinis Subtil-Aldeia Velha-Avis)Prazo Máximo: 5 de abril de 2013 Nota: não descurando outras formas de glosar o mote, daremos especial atenção ao tratamento em décimas.REGULAMENTO C - POESIA LIVRE1 - Os XI Jogos Florais de Avis são uma iniciativa da AMIGOS DOCONCELHO DE AVIZ - ASSOCIAÇÃO CULTURAL, a que Subordinada ao tema: "SER POETA"podem concorrer todos os cidadãos abrangidos pelo que se dispõe nopresente regulamento. PROSA2 - Só são admitidos a concurso trabalhos inéditos, redigidos em CONTO subordinado ao tema: "POETAS"Português e nas seguintes modalidades: (Máximo de 3 páginas, escritas em tamanho 12, a espaço e meio dePOESIA entrelinhamento).A - QUADRA POPULAR 3 - De cada trabalho serão enviados três exemplares, datilografados (à máquina ou em computador) em papel formato A4, de um só lado comTema: "SER POETA" caracteres de tamanho 12, sendo que apenas no conto o espaço entre linhas deverá ser de espaço e meio. Os trabalhos não poderão serEm redondilha maior, de rima ABAB, uma quadra em cada folha. adornados com moldura ou qualquer outro adorno.B - POESIA OBRIGADA A MOTE 4 - Todos os trabalhos deverão trazer na primeira página a modalidade a que concorrem, terão que ser subscritos por um pseudónimo,Mote devendo os respectivos autores, enviar anexo a cada trabalho, um envelope fechado com o pseudónimo datilografado no rosto, e dentro,Poeta, não sei o que é o nome, morada e número de telefone do Autor.Mas tem olhos de criança:A palavra é sua fé, 5 - Cada concorrente poderá apresentar dois trabalhos por modalidade,Dá aos homens esperança com excepção da QUADRA onde poderão ser apresentados três trabalhos a concurso, pelo que cada um será subscrito com 25
  25. 25. pseudónimo diferente. Serão desclassificados os trabalhos que não 12 - Ao Júri cabe a resolução de qualquer ocorrência que não sejasejam inéditos, isto é, que já tenham sido apresentados noutros abrangida pelo presente regulamento.concursos. Nota: regulamento aprovado em reunião de Direcção da ACA-AC em6 - O prazo de remessa dos originais (data de carimbo dos correios) 20 de Dezembro de 2012.termina em: 05 de ABRIL de 2013 Com o apoio de:e deverão ser enviados, para: Câmara Municipal de AvisXI Jogos Florais de AVIS Junta de Freguesia de AvisAmigos do Concelho de Aviz - Associação CulturalPraça Serpa Pinto, Nº117480 - 122 AVIS7 - O não cumprimento do estipulado no presente regulamento, anula a VIII JOGOS FLORAIS DE CANTAGALOapreciação dos trabalhos pelo júri, de cujas decisões não cabe recurso. Prazo Máximo: 1º de maio de 20138 - As classificações serão tornadas públicas em 2 de Maio de 2013,sendo os concorrentes avisados por escrito. Temas (valendo palavras cognatas): Estadual (somente Estado do Rio de Janeiro)9 - Haverá três prémios por modalidade, bem como as menções Perdãohonrosas que o júri entender por bem conceder. Poderá, no entanto,deliberar a não atribuição de qualquer prémio, numa ou mais Nacional (para os demais Estados)modalidades, se considerar que a qualidade dos trabalhos apresentados OFENSAnão é consentânea com a projecção que se pretende para esta iniciativa. Máximo: duas trovas Líricas ou Filosóficas10 - A entrega de prémios aos galardoados terá lugar no dia 18 de Maiode 2013, em Avis, no Auditório Municipal Ary dos Santos, a partir das Sistema de Envelopes14H30. Enviar para11 - Estes Jogos Florais ficam interditos aos elementos do Júri e demais Rua Dr Nagib Jorge Farah, 204pessoas envolvidas na organização dos mesmos. Cantagalo/RJ - CEP 28.500-000 26
  26. 26. Tema Municipal Liricas/Filosóficas: Direito Humorísticas: Torto JOGOS FLORAIS DA ACADEMIA DE LETRAS E Tema Nacional ARTES DE CAMBUCI/RJ Liricas/Filosóficas: Muralha Humorísticas: CercaPrazo Máximo: 31 de maio de 2013 Tema EstudantilTema Livre Liricas/Filosóficas: Fada Humorísticas: BruxaApenas uma trova (lírica, filosófica, humorística, etc. À livre escolha Remessa:Sistema de Envelopes Sistema envelopes brancos (8/11) em ARIALEnviar para: União Brasileira de Trovadores Caixa Postal 448Almir Pinto de Azevedo CEP: 14001-970Praça da Bandeira,79 - Centro Ribeirão Preto-SP-Brasil.CEP 28.430-000Cambuci/RJ III CONCURSO DE TROVAS DE CAMPOS DOS GOYTACAZES JOGOS FLORAIS DE RIBEIRÃO PRETO – 2013 Prazo: até 21 de março de 2013. PRAZO: até 30.05.2013. Resultado: final de abril. Tema: TRIANON (Lírica/Filosófica) 27
  27. 27. (em homenagem aos 15 anos do Teatro Trianon) "VINHO" (humorísticas)Uma trova por autor. TEMAS PARA AUTORES DO RIO GRANDE DO SUL:Remeter para: "FONTE" (lírico/filosóficas)Neiva Fernandes "SEDE" (humorísticas)Rua Eloi Ornelas 25 -Bairro Caju PARA AUTORES DE LÍNGUA HISPANICA: JUVENTUDCampos – RJ (L/F)CEP: 28051-205 enviar para zetejohnson@hotmail.comXXI JOGOS FLORAIS DE PORTO ALEGRE/RS Máximo de 03 trovas por autor, em cada tema.Prazo máximo: "Sistema de envelopes", exceto Língua Hispânica30.06.13Enviar para:Rua Grão Pará, 212CEP 90850-170 XII CONCURSO DE TROVAS DOPorto Alegre – RS, CTS/UBT/CAICÓcom exceção da hispanica. PRAZO: até 30.06.2013.TEMAS PARA AUTORES BRASILEIROS E PORTUGUESES(exceção ao RS): Tema para autores brasileiros e de outros países de língua portuguesa:"ÁGUA" (lírico/filosóficas) "FUGA" (Lírica/Filosófica) 28
  28. 28. 1.º CONCURSO DE QUADRAS POPULARES DORemeter para CLUBE DA SIMPATIA/2013Djalma MotaRua José Eustáquioo, 1330-Bairro Paraíba Neste ano de 2013, o Concurso será um pouco diferente,Caico-RN não haverá um tema específico, mas sim uma palavraCEP: 59300-000 escrita, com uma letra do abecedário, que vamos indicar para cada um. Fugimos assim à monotonia das mesmasTema para autores do RN: palavras sempre repetidas em todas as quadras dos"RESPOSTA" concorrentes. REGULAMENTORemeter paraWellington Freitas Ao concurso podem concorrer com quadras inéditas eRua Renato Dantas, 33-Bairro Acampamento obrigatoriamente escritas em língua portuguesa, todos osCaicó-RN cidadãos, maiores de 16 anos, sócios ou não do Clube daCEP: 59300-000 Simpatia e que respeitem o “caráter” proposto.Tema para autores de língua hispânica: O concurso será quadrimestral e só serão válidas as"VENTANA" quadras enviadas pela Internet.enviar para Será enviada só (1) uma quadra para cada concurso agislainecanales@gmail.com e qual terá de ser em redondilha maior, (sete sílabas) de rima ABAB (lírica ou filosófica).ColibriRosebelle@aol.com. Haverá 5 vencedores aos quais serão enviados, através daUma trova por autor em todos os temas. Internet, os respectivos diplomas que levam a quadra inscrita.Sistema de envelopes, exceto para língua hispânica Haverá ainda 10 menções honrosas cujos poetas irão receber também os respectivos diplomas. 29
  29. 29. Esta modalidade pode ser um pouco mais difícil, masOs trabalhos, onde constará o nome do autor, e-mail e deixa ao poeta mais liberdade de expressão.morada, serão enviados, para: O prazo para o envio das quadras termina no último diaclubedasimpatia-algarve@sapo.pt de Março.Para este primeiro concurso de 2013 é válida a letra - ( V ) Os resultados serão publicados no último dia de Abril no– Blogue do Clube da Simpatia:Exemplo: Virtude, Vaidosa, Ver, Vós, etc. etc. http://clubedasimpatia.blogspot.comPode ser substantivo, ou adjetivo, ou ter qualquer outra Os vencedores serão avisados por e-mail.forma gramatical, no entanto, não pode haver, na quadra,a repetição da palavra escolhida, nem mais nenhuma O próximo tema será anunciado em Maio.começada por V. 30
  30. 30. Participe com suas trovas Trovas Legendas de Eliana Jimenez (Santa Catarina) http://poesiaemtrovas.blogspot.com.br Blog do Prof. Pedro Melo (São Paulo) Um espaço da Trova Brasileira Todos os dias, um novo trovador e uma nova trova http://blogdopedromello.blogspot.com.br Criação, seleção e arte final: José Feldman Blog da UBT-Curitiba, notícias, trovas, eventos. Contatos: pavilhaoliterario@gmail.com http://ubt-curitiba.blogspot.com Site: http://singrandohorizontes.blogspot.com.br Blog Simultaneidades, da Andréa Motta(Curitiba) http://simultaneidades.blogspot.com.br Endereço para correspondência:Rua Vereador Arlindo Planas, 901 casa A – Zona 6 Blog do A. A. de Assis (Maringá) Cep. 87080-330 – Maringá/PR http://aadeassis.blogspot.comA montagem da capa foi realizada com a imagem do mapa do Brasil retirada da internet, a qual não consta a autoria. Se souberde quem é, informe-me, para que sejam dados os devidos créditos.Esta publicação não pode ser comercializada em hipótese alguma, sem autorização dos autores. 31

×