Trova brasil 14 A. A. de Assis PR

407 visualizações

Publicada em

Trovas do Magnifico Trovador Antonio Augusto de Assis, nascido em Sao Fidelis/RJ, radicado em Maringa/PR.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
407
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trova brasil 14 A. A. de Assis PR

  1. 1. SUMÁRIO Trovas ................................................................................................................................................................................ .4 Antonio Augusto de Assis (A. A. de Assis) por ele mesmo ..................................................................... 69 Afinal porque A. A. de Assis e não Antonio Augusto de Assis? .......................................................... 79 JB Xavier (A. A. de Assis, Um Amigo Para Todas as Horas) .................................................................. 81 Fontes ............................................................................................................................................................................... 84
  2. 2. 4 A bênção, Joaquim José, sonha o teu sonho de novo... Acende outra vez a fé no coração do teu povo! A bênção, queridos pais, que às vezes sois mães também. Em nome de Deus cuidais dos filhos que d’Ele vêm! Acaso fizeste a Lua? Acaso fizeste a rosa? Então que ciência é a tua, tão solene e presunçosa?… – Aceitas dar-me os deleites da próxima contradança?... – Aceito, desde que aceites não me apertar contra a pança! A ciência hoje é um colosso, com tudo fora de centro: faz laranja sem caroço, gravidez sem filho dentro... A família é um grande bem, e Deus valoriza-a tanto, que Ele próprio a dele tem: Pai, Filho e Espírito Santo.
  3. 3. 5 Afinal, que te aproveita o labor que te consome, se não doas, da colheita, uma parte a quem tem fome?… A história, através dos anos, ensina a grande lição: – o destino dos tiranos será sempre a solidão! Ah, belos tempos dourados, que os sonhos não trazem mais... Bailavam, corpos colados, olho no olho, os casais! Ah, como é útil a avó, com seus cuidados e afetos! Já o avô, serve tão-só pra ensinar besteira aos netos... Ah, meu rio, de repente, o que foi feito de nós? Ficou tão longe a nascente... vemos tão próxima a foz! Ah, poeta, como é lindo teu trabalho, e quão fecundo... – Noite e dia produzindo sonhos novos para o mundo!
  4. 4. 6 Ah, quantos lindos castelos põe a vida em nossa mão, lembrando os sonhos mais belos que temos no coração! Ah, que profunda saudade invade uma Academia a cada vez que um confrade deixa a cadeira vazia! A idade é, por excelência, a grande mestra do amor. – É no outono da existência que a paixão tem mais calor! A laranja era tão doce, que o limão ficou com medo: – por inveja, ou lá o que fosse, acabou ficando azedo... Alarme no galinheiro. - Será que há gambá na granja?... - Bem mais grave: é o cozinheiro que avisa: “Hoje vai ter canja!”... A mais bonita homenagem, concede-a Deus, qual troféu, a quem completa a viagem, sem mancha, do berço ao céu!
  5. 5. 7 Amai-vos, e as derradeiras muralhas hão de cair. – Havendo amor, as barreiras não têm razão de existir! “Amor não enche barriga”, porém surpresas virão: - Fez “amor” a rapariga... e olha só que barrigão! A mulher, que é toda encanto, lembra a abelha, meiga e boa: dá mel gostoso; no entanto, se for preciso, ferroa! Andorinha sobe e desce, sobe e desce, pousa e come... Sobe, sobe, faz um “s”, desce, come, sobe e some... Anoitece. Bela e nua, começa a rosa a orvalhar-se... – Um raiozinho de lua virá com ela deitar-se.
  6. 6. 8 Antiguidade, doutor, é coisa muito engraçada: algo que cresce em valor quando não vale mais nada... Ao cérebro, o coração manda amorosa mensagem: – Somente unidos, irmão, seremos de Deus a imagem! Ao fim de qualquer mandato, somando-se o dito e feito, no saldo exibe o relato muito mais dito que feito... Ao mesmo tempo em que é doce, ah como é triste a saudade... – Ela é assim como se fosse uma ex-felicidade! Ao notar a Lua cheia, surpreso o Sol resmungou: – Se um mês atrás eras meia, quem foi que te engravidou?...
  7. 7. 9 Aos bons sonhos agradeço, mas às insônias também... – Ah, quantos versos eu teço enquanto o sono não vem! A palavra acalma e instiga; a palavra adoça e inflama. – Com ela é que a gente briga; com ela é que a gente ama! A prata, em nosso cabelo, faz ninho se a idade vem... Que pena ela não fazê-lo em nossos bolsos também! A regra é tirar vantagem, porém prefiro a exceção: – quero a inocente coragem dos puros de coração! A renúncia corresponde, muita vez, a muito amar; como quando o Sol se esconde para que brilhe o luar!
  8. 8. 10 As almas, se generosas, percorrem árduos caminhos... Só no céu elas e as rosas ficam livres dos espinhos! A saudade é a companhia mais doce que Deus nos deu. Sem ela, o que restaria aos velhinhos como eu?... A saudade sintetiza sonhos, glórias, sentimentos, como um filme que eterniza nossos melhores momentos. Assim que me aposentei, ao meu relógio dei fim... Sem ele eu me sinto um rei, dono do tempo e de mim! Astronauta, não destrua meu direito de sonhar... Deite e role sobre a Lua, porém me deixe o luar!
  9. 9. 11 Até como terapia, crer em Deus faz muito bem: – banha a gente na alegria que da eterna luz provém! Atrás das outras não perca o seu juízo... cuidado! Boi que muito pula cerca volta um dia desfalcado... A velhice se avizinha, porém não me assusta não. – Eu sei que no fim da linha Deus me espera na estação!
  10. 10. 12 Ave-Maria, uma prece tão gostosa de rezar, que às vezes mais me parece cantiguinha de ninar! A vida é uma corda bamba, na qual a esperança eu ponho. Basta um errinho e descamba abismo abaixo o meu sonho... A vida jamais se encerra... e é bom sermos imortais. – Amar você só na Terra seria pouco demais! A vida nem sempre é encanto; para alguns é injusta e inglória... – Quanta gente corre tanto, porém perde o trem da história! A vida no mundo é um treino, a etapa em que o Treinador nos prepara para o reino definitivo do amor!
  11. 11. 13 Aviva-lhe o orvalho o viço, e a rosa acorda se abrindo... Aberta, põe-se a serviço de um mundo amoroso e lindo! Avó é a mãe que imagina que a sua parte já fez... mas, quando a missão termina, começa tudo outra vez! Baita arruaça, bravatas, um tremendo sururu... Frangas, marrecas e patas brigando por um peru! Belo sonho o que aproxima estrelas e pirilampos... – Elas são eles lá em cima; eles são elas nos campos! Bem cedinho o galo canta, molhado ainda de orvalho. A roça, ouvindo-o, levanta, e um hino entoa ao trabalho! “Bem-vinda à vida, criança!”, diz o parteiro sorrindo. E a frase é um hino à esperança, no seu momento mais lindo!
  12. 12. 14 Bem-te-vi que bem me vês, bem-visto sejas também, hoje e sempre e toda vez que bem me vires... Amém! Benditas sejam as vidas que, alegres, serenas, santas, vivem a vida envolvidas em levar vida a outras tantas! Brilha sempre em nossa vida alguma luz: a do sol ou no mínimo a emitida por um mínimo farol. Brincam na praça os pequenos: castelos, canções, corrida... São seus primeiros acenos aos grandes sonhos da vida! Brincante como um garoto, planas no espaço sem fim... – Só o poeta, irmão piloto, consegue voar assim!
  13. 13. 15 Canarinho, quando canta, que será que o faz cantar? – Sei lá... mas a mim me espanta que ele cante sem cobrar... Canoando mar afora, a esperança me conduz. Já vejo lá adiante a aurora trazendo uma nova luz. Caridade, um gesto nobre que faz os próprios ateus sentirem que "dar ao pobre é como emprestar a Deus". Casamento é uma loucura para o marido hoje em dia: ela impõe a ditadura e ele nem pia nem chia... Certeza só têm os rios sobre aonde vão chegar... Por mais que sofram desvios, seu destino é sempre o mar!
  14. 14. 16 Certos tipos importantes parecem Marte – um deserto: vistos de longe, brilhantes; cascalho apenas, de perto!... Cidadania é civismo, sobretudo é comunhão; é ajuda mútua, é altruísmo, partilha justa do pão. Coceirinha furibunda, coça embaixo, coça em cima... Quando coça na cacunda, sinto cócegas... na rima! Coitado... tão pobrezinho, que até para dar risada tem que pedir ao vizinho a dentadura emprestada!... Como é bom saber que o filho vida afora alegre vai, dando forma, força e brilho aos sonhos do velho pai!
  15. 15. 17 Como é triste o desencanto daquele que a duro custo desbafa e diz em pranto: – Eu me cansei de ser justo! Como foi, como não foi, conte dois que eu conto um... Num belo inglês, diz o boi, olhando a Lua: moon... moooon... Como se diz lá na roça, o amor é um bichim-de-pé: quanto mais a gente coça, mais boa a coceira é... Com que suave ternura tece a canária o seu ninho! – Mãe é assim, dengosa e pura... a nossa e a do passarinho. Com que ternura e altivez luta a mãe pobre e sem brilho para ao fim de cada mês pagar os sonhos do filho! Contador e cantador, num só tempo eu conto e canto: conto as rendas do labor; de outras “rendas” canto o encanto.
  16. 16. 18 Convido-os a partilhar uma gostosa jantinha: massa com frutos do mar, ou seja, pão com sardinha... Corações apaixonados não aceitam repressão. Explodem, se condenados a engaiolar a emoção! Coragem de gente grande é aquela em que se distingue alguém assim como Gandhi, São Francisco, Luther King! Corre a bola, deita e rola, salta de pé para pé... Quica, requica, rebola, no grito do povo: – olééé! Creio na força do amor, creio na força do exemplo. Um credo com tal teor nem necessita de templo. Criado por Deus, o rio nasce limpo e, como nós, traz consigo o desafio de limpo chegar à foz.
  17. 17. 19 Criança que muito apronta exige rigor dos pais: – Água mole não dá conta, se a pedra é dura demais! Cuidado, amigo, atenção... não beba o primeiro trago. – Quando se escuta o trovão, o raio já fez o estrago! Cuidemos, irmãos, da imagem; sem exagero, contudo. – Muito mais do que a embalagem, o que conta é o conteúdo. Cumprem a Lua e as estrelas o ofício de serem belas... E, entretanto, para vê-las, só o poeta abre as janelas! Cuide bem do seu bebê; forme-o forte, sábio e puro. Ele é a porção de você que vai viver no futuro!
  18. 18. 20 Da mãe à filha querida: – Obrigada, meu bebê... Fui eu quem lhe dei a vida, mas minha vida é você! Das provas feitas na escola, uma vale nota cem: – é a de quem, fugindo à “cola”, mostra a ética que tem. De barro se faz o homem, e de luz principalmente. O barro, os anos consomem; a luz eterniza a gente! De biquíni ou minissaia, a verdade se revela... – Não há mentira na praia: feia é feia, bela é bela! Debulhando, debulhando, se enchia o pilão de milho... Depois, coisando, coisando, se enchia a casa de filho!
  19. 19. 21 Decerto, como um deserto criado pela ambição, deserto é também, decerto, hoje o humano coração. De dia caleja a palma o irmão que cultiva o chão. De noite alivia a alma nas cordas de um violão! Deixando a infinita altura e as honras da eternidade, fez-se o Criador criatura, por amor à humanidade. “Deixe-o que faça e aconteça”, diz a vovó com carinho... E eis que de ponta-cabeça vira-lhe a casa o netinho!... Dentre os bens que o filho espera receber por transmissão, tesouro nenhum supera o exemplo que os pais lhe dão. Depois de tomar uns treco para aquecer a moringa, o trovador de boteco soluceia... e a rima pinga!
  20. 20. 22 Depois de um café quentinho e de uns pãezinhos de queijo, melhor que tudo é o carinho com que me serves um beijo! De longe se escuta o eco da turma de cara cheia, no alvoroço do boteco pondo em dia a vida alheia... Densas nuvens ameaçam o futuro da criança. Mais que as da chuva, que passam, as nuvens da insegurança. De repente, de olho aberto, vem para a rua a nação. - É o povo que, redesperto, quer mostrar quem é o patrão! Dê-se ao jovem liberdade para sem medo ele ousar. – É no ardor da mocidade que o sonho aprende a voar!
  21. 21. 23 Destino, fado ou o que for... isso tudo é só brinquedo. – Na história real do amor, cria o amor seu próprio enredo. De tal modo a rosa é amada, que o cravo mói-se de ciúme... – É o que dá ter namorada que esbanja encanto e perfume! De todos ela atraía mil sorrisos, mas... que dó: casada, sofre hoje em dia os maus humores de um só... De um caboclo perspicaz ensinando a geografia: – O çul fica sempre atrás... com cedia ou sem cedia... Deus fez a Terra... e, ao fazê-la, deu-lhe o toque comovente: fez o céu para envolvê-la num pacote de presente! Deus me deu livre vontade; porém, por sorte, incompleta: – não me deu a liberdade de deixar de ser poeta! Deus não põe ponto final na biografia da gente. – Quer nossa alma, imortal, junto à d’Ele eternamente! Deus não vem na grande nave; Deus não vem no furacão. Deus vem qual brisa suave, e entra em nosso coração!
  22. 22. 24 Deve o mundo ao gênio humano obras de extremo valor. O drama é ver, ano a ano, minguar o espaço da flor... Dia e noite o filho fora: trabalho, estudo, paquera... Sofre a mãe se ele demora. Morre um pouco a cada espera! Digo e louvo toda vez que olho as aguinhas da serra: – Graças a Deus e a vocês, há vida ainda na Terra! Dirá Deus: “Faça-se a paz, e todos deem-se as mãos!” E então, meu filho, verás que lindo é um mundo de irmãos! Disseste, criança ainda: "Sou tua... sempre serei!" - Foi a mentira mais linda que em minha vida escutei!...
  23. 23. 25 Diz o sábio, e quase chora, por modéstia ou caçoada: – Sou doutor honoris fora; quer dizer: doutor em nada! Doce, amigo e generoso, quis Deus se configurar no abraço do pai saudoso no filho que torna ao lar. Do céu nos alerta o Pai, vendo a Terra ressequida: – Salvai as águas, salvai, se quereis salvar a vida! Do Natal ao Ano Novo a folga é pouca... O ideal é deixar de folga o povo do Ano Novo até o Natal... Dói muito ver um canário cantando humilhado e triste em troca do vil salário de um punhadinho de alpiste! Dois caminhos há na vida, o do egoísmo e o da cruz: - um leva à eterna descida; o outro leva à eterna luz!
  24. 24. 26 Douta é a ciência; no entanto, por mais nobre ou presunçosa, curva-se, humilde, ante o encanto de uma pétala de rosa! Ele, ela, o avião, a bruma, mil sonhos sob os chapéus... Fantasias, uma a uma, vão subindo para os céus. É mais que um beijo, é uma prece, aquele beijo miudinho com que a mãe afaga e aquece os seus filhotes no ninho! Embora o mundo não cesse de fazer guerra e terror, na família ainda se tece a grande história do amor! Em cada gota extraída do seu sangue, o doador empresta vida a outra vida, numa transfusão de amor Em que aperto o bom velhinho, de assanhado, se enfiou: chamou pra cama o brotinho e ela,, malvada, aceitou!...
  25. 25. 27 Em resposta à ofensa e à intriga, ensina o amor: “Faça o bem!” – O amor é sábio: não briga, perdoa cem vezes cem! É natural que aconteça, ao cometa e a certa gente, por ter pequena a cabeça, mostrar a cauda somente... Enche a cara de cachaça, toma um baita dum pifão... Faz no bar uma arruaça, um fiasco no colchão!… Entre a inocência e a esperteza, é da inocência o troféu. O esperto ganha a riqueza, o inocente ganha o céu. Entre o passado e o futuro, mudou o amor um bocado: – o que o vovô fez no escuro, faz o neto escancarado! Entre o pássaro e o poeta há perfeita identidade: seu canto só se completa se há completa liberdade.
  26. 26. 28 Era um guri tão terror, que a escola inteira o temia. Cresceu... virou professor... paga com juro hoje em dia! Esta é uma antiga lorota, que jamais se esclareceu: – Se Judas nem tinha bota, como foi que ele a perdeu?... Esta é uma lei que não muda, portanto preste atenção: – O Pai jamais nega ajuda àquele que ajuda o irmão! Eu não tenho uma floresta, mas tenho em casa um jardim. O verde mantenho em festa, na parte que cabe a mim! Eu sei por que o passarinho canta gostoso e se inflama: – é que ele tem no seu ninho uma família que o ama! Eu sei que será difícil, mas a fé me diz: – Verás transformar-se cada míssil num mensageiro da paz! Eu tenho fé nas pessoas, em todas, sem exceção, que todas elas são boas, quando lhes damos a mão! Ex-velhos é o que eles são, essa gente antiga e linda. – Aos setenta/oitenta estão cheios de sonhos ainda!
  27. 27. 29 Facilmente me dominas, bastando apenas piscar... – É o feitiço das meninas que brincam no teu olhar! Fé é uma forma de ver, via amor, o além-da-vista; é a graça de perceber como é bom que Deus exista. Feliz aquele que trilha a trilha que ao sol conduz e com sorrisos partilha a graça de ver a luz. Feliz o idoso que, esperto, se ampara nesta verdade: quanto mais velho, mais perto das bênçãos da eternidade! Feliz o povo que pensa e que se expressa à vontade. – Onde amordaçam a imprensa morre à míngua a liberdade.
  28. 28. 30 Fez-se o casório... no entanto, o noivo não tinha o dom... Por vingança, a noiva, em pranto, foi reclamar no Procon! Fim do filme... Na saída, pergunta à pulga o pulgão: – Voltamos a pé, querida, ou vamos tomar um cão? Finalmente um cão bilíngue, que, além do nativo au-au, se expressa e até se distingue fluentemente em miau... Foi noite de lua cheia, e que saudade deixou... - Em dois corações, na areia, sinais do que ali rolou! Foi-se embora o nosso irmão, nosso querido Ademar. Hoje é em nosso coração que ele tem seu novo lar. Galo de sorte suplanta os outros todos na rinha... No entanto, enquanto ele canta, a mulher dele... galinha!
  29. 29. 31 Gari, que há luas e luas varres a pública via... hás de achar limpas as ruas que ao céu vão levar-te um dia! Gente com medo de gente na selva dita cidade. – Preciso mudar, urgente, para a selva de verdade... Gondoleiro, meu amigo, por favor, vai devagar... Com minha amada comigo, quero perder-me em teu mar! Grande mesmo é quem descobre que ser grande é ser alguém que abre espaço para o pobre tornar-se grande também. Há celulares à farta, iphone, computador... Mas nada se iguala à carta para os recados de amor! Há de, enfim, vir o momento da correção dos papéis: mais valor terá o talento que os diplomas e os anéis! Há de vir um tempo novo, no qual, meu bom Deus, verás unido afinal teu povo no grande abraço da paz! Hoje ainda a humanidade vive o impasse decisivo: – Parte atrás da liberdade ou se apega ao paraíso?...
  30. 30. 32 Hoje os rios se parecem com certos tipos sabujos: quanto mais descem, mais crescem; quanto mais crescem, mais sujos. Honestos há sem ser bons e há bons que honestos não são. – É a soma de ambos os dons que faz o bom cidadão. Imagino, sem malícia, que aperto é ter um bebê... Se na entrada é uma delícia, pra sair... dói como o quê! Irmanemos nossas vidas em comunhão generosa, tal como vivem unidas as pétalas de uma rosa! Importa pouco a mobília, importa pouco a fachada... O amor que envolve a família é só o que importa, e mais nada!
  31. 31. 33 Ismo, ismo, ismo, ismo... e o medo está sempre em alta... – Experimentem lirismo, que talvez seja o que falta! Já estou no fim da subida... muito obrigado, Senhor. - Foi lindo fazer da vida um longo verso de amor! Jogado no mundo, ao léu, rezava o orfãozinho assim: – Cuida bem, Papai do Céu, dos que não cuidam de mim! Lei antibeijo é, no fundo, uma forma de terror: ajuda a matar, no mundo, o que ainda resta de amor. Livres e leves, no parque, brincam de paz as crianças... Deixam que a vida as encharque de alegria e de esperanças.
  32. 32. 34 Louvada seja a harmonia que eterniza em nosso lar o “sim” que nós dois um dia compartilhamos no altar! Lua cheia chega e assume pose plena de rainha: cega a estrela e o vagalume e acende a noite sozinha! Madrugada... canta o galo... cruzam-se o ócio e o labor: volta a moçada do embalo; pega a enxada o lavrador! Mais que os lucros do trabalho, mais que as honras e os troféus, o amor é o único atalho que de fato leva aos céus. - Mamãe, que quadro tão triste aquele homem na Cruz. - Aquele Homem, meu filho, morreu por nós: é Jesus.
  33. 33. 35 Mantenha a esperança alerta, por mais que lhe pese a cruz. – Há sempre uma porta aberta para quem procura a luz. Mas ora-ora, dirás, é fácil ouvir estrelas... – Quem leva um chute por trás, além de as ouvir... vai vê-las! Matam crianças na rua, hoje ainda, que que é isto? – É que Herodes continua caçando o Menino-Cristo! Me desculpe se isto aflige-a, mas o progresso endoidou: mais premia a calipígia do que a moça que estudou!... Mesmo o maior dos gigantes não tem poder permanente: – Pode a Lua, por instantes, cobrir o Sol totalmente!
  34. 34. 36 Mesmo soltas e espalhadas, as pétalas são formosas; porém somente abraçadas é que elas se tornam rosas! Meu destino eu mesmo traço, conforme a escolha da via: pela do mal , o fracasso; pela do bem, a alegria. Milhões e milhões de estrelas... Que utilidade terão? – Só sei, meu irmão, que ao vê-las sinto Deus no coração! Minha amada, com bom jeito, mesmo ausente me domina... Deixa a saudade em meu peito como rainha interina! Minha amada é meiga e doce, dela emana a luz do bem. Ela é assim como se fosse minha estrela de Belém!
  35. 35. 37 Moderna e esperta, a formiga à cigarra se juntou: – uma canta, enquanto a amiga monta o circo e vende o show... Moderno, poupa viagem o novo pombo correio: - Hoje ele manda a mensagem numa boa, por e-mail… Morre o peixe quando aboca seu jantar com muito anseio... Sobretudo se a minhoca traz anzol como recheio! Morre o sábio... enorme bem perde o mundo em tal momento. Seu patrimônio, herda alguém; não no entanto o seu talento! Mosquito para a mosquita, nadando na sopa quente: – Eta piscina bonita... a pena é que engorda a gente!
  36. 36. 38 Movido a sonho, eu poeta, porque amo a estrada, não canso. – Mais importante que a meta é cada passo que avanço. Muito cara que se julga ladino, culto, elegante, no fim não passa de pulga com mania de elefante! Muito gatão faz barulho, no entanto não é de nada... O pombo vai só no arrulho, mas veja que filhotada! Muito sepulcro caiado, que bota pose de puro, no claro é distinto e honrado... mas como apronta no escuro! Muito teimosa, a franguinha com um ganso se casou. Ao ter um ovo, tadinha... de cesárea precisou! Na biblioteca há mil sábios a nosso inteiro dispor. – Sem sequer abrir os lábios, cada livro é um professor! – Na briga lobo-cordeiro, qual deles terá razão? – Depende, meu companheiro, de qual dos dois é o patrão... Nada na vida é mais triste nem dói mais que a solidão: – sentir que em redor existe um mundo... e ouvir dele não!
  37. 37. 39 Na era do “ponto.com”, voa o sonho mais ligeiro: – um clique... e, qual vento bom, chega a trova ao mundo inteiro! Na neblina da memória, vão diluindo-se os fatos. – O melhor de nossa história ficou nos porta-retratos... Não chamem de mundo-cão o feio mundo do mal. No cão pulsa um coração melhor que o nosso, em geral. Não corre o risco de morte o caçador valentão... Por mais que cace, por sorte, jamais encontra o leão! Não há diferença alguma se a festa é pobre ou de gala. – Tanto noutra quanto numa, quem bebe demais se rala!
  38. 38. 40 Não presta a pena que importe num mal que o mal não redime. Toda sentença de morte é um crime pior que o crime. Não quero ser uma ilha, distante da realidade... -Quem se isola não partilha a história da humanidade. Não te cases por dinheiro... sai dessa... tô te falando... Afinal, qualquer banqueiro empresta a juro mais brando! Na porta da eternidade, documento não tem vez. – O cartão de identidade é o bem que em vida se fez! Nas asas da bicicleta, em branca e curtinha saia, voeja a moça poeta no contravento da praia... Nas costas, leva a criança seus livros numa sacola; nos olhos, leva a esperança como colega de escola! Nesta Terra outrora linda, que aos pouquinhos se desfaz, o lar é a ilha onde ainda, às vezes, se encontra a paz. Neste planeta avarento, onde o “ter” é o ditador, que triste é ver o cimento roubar o espaço da flor!
  39. 39. 41 No carrão recém-comprado da motorista barbeira: “Atenção, muito cuidado... amaciando carteira!” No instante em que é concebida, entra na história a criança. Negar-lhe o direito à vida é um crime contra a esperança! No meio da multidão, pode ocorrer-lhe o imprevisto: alguém, que lhe estenda a mão, ser de novo Jesus Cristo. No pico da quarta idade, o quadro se faz assim: ou se crê na eternidade, ou se põe na tela: “Fim”… No reino dos passarinhos, joão-de-barro é o burguesão: – de todos os seus vizinhos, só ele mora em mansão...
  40. 40. 42 Nós dois num banquinho tosco, num sítio sereno e lindo... O amor se envolveu conosco, e o sonho se fez infindo! Nos passos do bailarino, na garganta do cantor, em cada tango argentino geme uma história de amor. Nossa vida é um filme assim: um roteiro abrasador... Tem beijos do início ao fim, cada qual com mais calor! Nove meses... que demora!... Entretanto, o prêmio é lindo: - a cena em que o bebê chora, no instante em que o parto é findo! Numa harmonia perfeita, completam-se o fruto e a flor: ele alimenta, ela enfeita; ele dá força, ela o amor!
  41. 41. 43 Num momento de euforia, cedemos-lhe uma costela. Fomos cedendo... e hoje em dia quem manda no mundo é ela! O amor é forte, ele aguenta; se é verdadeiro, ele é infindo: chega aos oitenta, aos noventa... quanto mais velho, mais lindo! O bem-querer une a gente mais que a consanguinidade. – De que vale ser parente, sem os elos da amizade? O bom discurso amoroso dispensa texto comprido. Basta um “te gosto” gostoso, murmurado ao pé do ouvido… O bom cabrito não berra; gato sabido não mia... Menos sofre e menos erra quem menos fala hoje em dia.
  42. 42. 44 O céu deve estar cheinho de madrinhas, mães e avós... – Têm lá, em dobro, o carinho com que cuidaram de nós! Ó Deus, que nos deste a flor, e as crianças e as estrelas, dá-nos agora, Senhor, a graça de merecê-las! O fruto é um santo produto do mais generoso amor. Por isso é que antes de fruto quis Deus que ele fosse flor. O agricultor que semeia o arroz, o milho, o feijão trabalha com Deus à meia na Obra da Criação. O grande tenor se cala ante o pássaro silvestre. – É o discípulo de gala querendo escutar o mestre! Olhem a rosa os que ainda costumam dizer-se ateus. – Ela é a resposta mais linda quanto à existência de Deus!
  43. 43. 45 Olhe os poetas e as aves... Veja que, embora não plantem, Deus lhes retira os entraves e apenas pede-lhes: – Cantem! O lírio, a lira, o lirismo; o amor, a festa, a canção... Que pena que o consumismo transforma tudo em cifrão! O livro mudou o enredo da história da humanidade: – Antes dele, a treva e o medo; depois dele a liberdade. O lobo e o cordeiro, airosos, vão comer juntos... Depois, os homens, bem mais gulosos, vão comer juntos os dois!... O mundo esqueceu que existe o ponto de exclamação... De tão seco, amargo e triste, perdeu de vez a emoção!
  44. 44. 46 O nobre faz e acontece, porém me responda, ó meu: se o trabalho é que enobrece, como é que ele enobreceu?... O povo sempre descobre metaforinhas incríveis: couve-flor: repolho nobre; as hortas: jardins comíveis… O que faz a casa bela, mais que tudo, somos nós, se unidos vivemos nela -filhos, netos, pais, avós. O que faz a boca torta é o cachimbo – assim se diz. Quem bate a cara na porta entorta a boca e o nariz! O que ocorre às águas claras, na alma pura se repete: dá-se às vezes, e não raras, que um sujinho as compromete.
  45. 45. 47 O rio, língua da serra, se alonga abrindo uma trilha; e afaga a face da terra, qual fêmea lambendo a filha! O sapo coaracoacoacha ante a sapa, a sua estrela. – Ela é um poema, ele acha, e estufa-se todo ao vê-la! Os gaúchos, mui serenos, dizem rindo: – “Calma, irmão... Se o mundo tá mais ou menos, então tá louco de bão!” O talento, em nossos dias, é o que engrandece um país. – Mais que a força dos Golias vale o gênio dos Davis! O teatro imita a vida, mas também corrige o mundo. Em cada cena exibida, passa um recado fecundo!
  46. 46. 48 Ouço ainda, ao longe, o canto de um velho carro de boi... – Lembrança de um tempo e tanto, que há tanto tempo se foi! Ou o amor enfim nos faz desarmar o coração, ou do cachimbo da paz nem as cinzas sobrarão! Para espalhar, num momento, uma notícia qualquer, não há melhor instrumento que o rádio, a imprensa e a mulher... Parece um quadro de artista: café, café, mais café... – O verde a perder de vista, a vista a se encher de fé! Palavras produzem fartas e tão belas construções: com elas fez Paulo as Cartas, fez os seus versos Camões! Parece que estou sonhando com a paz que o céu retrata, ao ver araras em bando pintando de azul a mata!… Pediste, na vez passada, que eu melhorasse a comida... Pois hoje está caprichada: vou servir vespa cozida! Passa em voo um passarinho, outros tantos passarão... Que os proteja São Chiquinho contra nós e o gavião!
  47. 47. 49 – Passei o dia a serviço de um pobre encontrado ao léu... – Pois é, disse o Pai, com isso ganhaste, meu filho, o céu! Pastel, pudim, rabanada, e o mais que te apetecer... Nada disso engorda nada: basta apenas não comer! Pensei que ser grande fosse razão de alegria... Errado: o rio, pequeno, é doce; o mar, imenso, é salgado. Pergunto: – Serás a lenda que eu vi no mar e na areia? Se rindo, linda, ela emenda: – Não sou ainda... sereia! Pernilongo em meu ouvido faz zunzum... zunzum... zunzum... Julga-se, ao certo, o exibido chofer de fórmula um...
  48. 48. 50 Pica-pau, sossega o taco... faz uma pausa, ó carinha! Teu toque-toque enche o saco da passarada inteirinha... Poeta, à porta do Pai, entra fácil, certamente. Se São Pedro se distrai, São Francisco empurra a gente! Poeta nenhum se priva de certos dengos vitais: – Sem pão talvez sobreviva, mas sem ternura... jamais! Por mais singela, a pessoa terá sempre algo a doar. – A Lua é uma rocha à-toa; nos dá, no entanto, o luar! Pouco a pouco, passo a passo, vamos nós, de déu em déu... Já conquistamos o espaço; só falta ganhar o céu!
  49. 49. 51 Pra casar moça bonita, carece exibi-la não... Que nem lá no Sul se dita: “Bom vinho escusa pregão!” Proclama o glutão roliço, vendo à mesa a feijoada: – Vamos botar tudo isso em pratos limpos, moçada! Prometi-lhe, amada minha, mil estrelas, as mais belas. Bobagem... você sozinha brilha mais que todas elas! Qual o vento, quando muda, leva a nuvem que o céu cobre, muita vez pequena ajuda muda o destino de um pobre. Quando, à noite, o Sol se deita, a Lua, em grande escarcéu, chama a poetada e aproveita: faz uma farra no céu!
  50. 50. 52 Quando o fruto está maduro, dá o que deu no paraíso: basta um apalpo no escuro, e o casal perde o juízo... Quando se casa a enteada, mais a madrasta se ouriça: Além de mãe emprestada, agora é sogra postiça... Quanta lição aprendida, quanta dor, quanta saudade, na viagem de uma vida desde o berço à eternidade! Quantas bênçãos traz a chuva quando rega a plantação: benze o trigo, benze a uva, benze a vida em cada grão! Quantas trovas no caderno do colégio eu rabisquei... – Registros do amor eterno que a tantas musas jurei! Quanta vez, meu companheiro, para não passar por bobo, precisa o ingênuo cordeiro usar disfarce de lobo... Quanto mais rápido passa o tempo a mim concedido, mais grato eu sou pela graça de cada instante vivido! Que alegre alívio provoca, na alma e no coração, o abraço que a gente troca numa troca de perdão!
  51. 51. 53 Que baita susto o sujeito levou quando ao céu chegava... - Na porta, crachá no peito, a sogra dele o esperava! Que bela ficas, mocinha, se pões, por esmero e gosto, ideias na cabecinha, mais que pinturas no rosto! Que belo é poder amar em doce e alegre aconchego: – o mar, a brisa, o luar... e a rede para o chamego! Que bom que ninguém mais usa consagrar heróis de guerra... – Hoje herói é quem recusa macular com sangue a Terra! “Que delícia isso no espeto!”, grita faminto o glutão, quando ao pódio, no coreto, sobe o touro campeão...
  52. 52. 54 Que dó, meu doce Arquiteto, que tamanha insensatez... Tão lindo era o teu projeto, mas veja o que o homem fez! Quem com vida dá banquete, mas não convida o povão, finda a vida, um alfinete pode furar-lhe o balão! Quem dera algum dia eu possa trocar meu despertador por um relógio da roça: o velho galo cantor! Quem dera, ó Deus, eu pudesse viver num lugar assim: - Amparo é a poesia em prece, num permanente jardim! Quem dera, um dia, as fronteiras fossem elos nos unindo, e houvesse, em vez de barreiras, somente a placa: – Bem-vindo!
  53. 53. 55 Quem preza a vida divide-a, como o cedro acolhedor que adota por filha a orquídea, e dá-lhe suporte e amor! Quem rabo alheio tesoura, cuidar do próprio convém... – Tanto varreu a vassoura, que virou lixo também! Quem tem amigos leais tem muito o que agradecer: bons amigos valem mais que o mais que se possa ter. Que pena que a vida passa sem que a gente, na corrida, desfrute, com tempo, a graça do tempo melhor da vida! Quer sonhar?... Faça turismo no coração de um poeta. É o refúgio onde o lirismo seus enredos arquiteta!
  54. 54. 56 – Que sentença a mãe de Judas, se o julgasse, lhe daria?... – Em sendo mãe, não te iludas: mil vezes o perdoaria! Que será que esse recado na garrafa traz, e a quem? – Vem de alguém que, apaixonado, tem saudade do seu bem!... Que susto levou a minhoca, quando o minhoco, afobado, no lusco-lusco da toca, beijou-a no extremo errado!... Que testemunho mais lindo esse que o papa nos traz, com seu sorriso servindo à grande causa da paz! Que vida pesada e amarga tem sido a tua, ó formiga... Suportas, no entanto, a carga, sem nunca fugir da briga! Que vida pobre a do rico... Noite e dia, o ano inteiro, mirando o ilusório pico de um sonhozinho – o dinheiro... Rato-rato, rói o rato um roto resto de pão... Rente, rouco, rosna um gato, come o rato e rouba pão! Rodo, rodo, rodo, rodo, devagar a divagar... divagando sobre o modo menos vago de vagar...
  55. 55. 57 São de cristal ou de barro nossas vaidades... tão só. Um baque, um tombo, um esbarro, e tudo reduz-se a pó! Se a justiça, um dia, enfim, a todos der vez e voz, Deus dirá que agora, sim, mora no meio de nós!
  56. 56. 58 Se alguém se torna importante, por certo alguém o ajudou. Mesmo o Amazonas, gigante, de afluentes precisou! Se aos heróis e aos grandes sábios devemos tão bela herança, muito mais a quem nos lábios traz o canto da esperança! Se as mentes elas lavassem, e não os corpos somente, quem sabe as águas voltassem às graças de antigamente!... Se as moquecas saem boas, vão para o “chef” os louvores. – Nunca ouvi cantarem loas ao labor dos pescadores... Seca e enchente são recados aos povos de toda a Terra: – alerta contra os pecados do fogo e da motosserra! Se de Deus vem a mensagem, não carece tradutor. Em geral vem na linguagem de uma estrela ou de uma flor! Se de jeca lhe dão nome, ele responde: – “Tá bão... Mas, se ocê não passa fome, é graças ao meu feijão!...” Se ela insiste, por pirraça, em fazer “greve”, olhe o enrosco: dá-lhe ele um basta... e ameaça: - Mamãe vem morar conosco!...
  57. 57. 59 Segura, peão, segura, que a vida é um grande rodeio... – É luta bela, mas dura, com muitos trancos no meio! Se lhe derem mais apoio; se ele vir que o bem faz bem, tenha certeza: há de o joio tornar-se trigo também! Sempre que ensaia um passeio, assim se apresta o janota: reparte o cabelo ao meio, bota a calça, calça a bota. Se poder o avô tivesse, o neto não cresceria. Crescendo, desaparece, e leva junto a alegria... Se tens filho, escuta aqui, que um lembrete eu vou deixar-te: – Guri que já faz guri, se fica solto, faz arte!…
  58. 58. 60 Soa o alarme no avião... faz-se um enorme escarcéu... Diz o piloto: - Atenção... a próxima escala é o céu! Solitário coração abandonado num canto... Ninguém com um lenço à mão para lhe enxugar o pranto! Sonhador desde criança, não sonho entretanto em vão. No sonho eu nutro a esperança, que nutre o meu coração! Sonho um mundo redimido, que, movido a coração, lance flechas de Cupido, não petardos de canhão! Sorria, amigo, sorria! Pois, neste tempo de tédio, qualquer sinal de alegria é sempre um santo remédio!
  59. 59. 61 Sorriso não paga imposto; esbanja, portanto, o teu. Sorrindo com graça e gosto, acendes também o meu! Tais encantos tem a vida, tais e tantas graças tem, que me dói pensar na ida para o céu antes dos cem!... Tal qual dois rios se abraçam, formando um só rio após, dois “eus” pelo amor se enlaçam, passando a chamar-se “nós”! Tal qual o povo, pisada por tantos, a todo instante, a alegria da calçada é o tropicão do passante!... Também na fauna a justiça é às vezes discricionária: dá mole ao bicho-preguiça, explora a abelha operária...
  60. 60. 62 Tantas e tantas estrelas, e a lua ao meio, a luar... Criou-as Deus para vê-las fazer a gente sonhar! Tão bela, tão generosa, símbolo eterno da paz, pede desculpas a rosa pelos espinhos que traz! Tão boa é aquela senhora, tão generosa e tão pura, que nem passando a ter nora perdeu jamais a ternura... Tem muito mais graça a vida quando a gente tem com quem repartir bem repartida a graça que a vida tem. “Tem o amor certas razões que nem a razão conhece.” – Por exemplo: as emoções que um gordo cheque oferece... Tem que aos simples se igualar quem deseja ao céu se erguer: – O rio só se faz mar depois de muito descer!
  61. 61. 63 Tenho a alma sempre em festa, e é fácil saber por quê: – minha vida é uma seresta, na qual a lua é você! Ter mil bens sem ser do bem, que triste prazer produz... – É ter tudo, sem, porém ter nada que leve à luz. Terno, amigo e generoso, quis Deus se configurar no abraço do pai saudoso no filho que volta ao lar! Tipo da coisa marota, ambígua e um tanto arriscada: perguntar a uma garota se ela quer jogar pelada... "Tirei dez em português", diz-me o neto, erguendo os pés. "Na verdade, sete e três, mas, vô... sete e três são dez!" Todo idoso é um professor; curvo-me e beijo-lhe a mão. No mínimo, ensina amor, hoje máxima lição! Todos nós temos um pouco ou de troiano ou de grego; por isso este mundo louco jamais há de ter sossego... Trabalhas tanto, formiga, enquanto, ó cigarra, cantas. No entanto, basta de intriga: – são duas tarefas santas!
  62. 62. 64 Trata o vovô com respeito, ou logo o castigo vem: – dele herdarás só o direito de ficar velho também... Trate o velho com respeito; dê-lhe o amor que possa dar. Mas não lhe roube o direito de a si mesmo governar! Tremor no hotel... toda gente salta da cama assustada. Falso alarme: era somente efeito da feijoada… Tristeza alguma dói tanto quanto a tristeza dos sós... – Ninguém lhes escuta o pranto, ninguém lhes dirige a voz!... Trova é bom para a saúde, faz amigos, dá prazer. Talvez até nos ajude a esquecer de envelhecer...
  63. 63. 65 Tudo depende, de fato, do que de “sorte” se chama... Por exemplo, para o gato, é achar um rato na cama! Uma boca em cada ponta de um fio de macarrão... Ao fim, o encontro que conta: boca na boca... e um beijão. Um dia, filho, verás, e eu também, se vivo for, o mundo inteirinho em paz, na grande festa do amor! Um vaga-lume, isolado, é só uma pobre luzinha; no entanto, aos outros somado, clareia a roça inteirinha! Vaidade, doença triste que nos condena a estar sós... Não nos deixa ver que existe ninguém mais além de nós.
  64. 64. 66 Vai, riozinho, sem pressa... lembra ao mar, sem raiva ou mágoa, que ele é grande, mas começa num modesto olhinho d’água! Vamos que vamos, poeta, sem medo da liberdade... Sigamos seguindo a seta que leva à felicidade! Vão de segunda os viajeiros mais humildes – os coitados. Serão no entanto os primeiros entre os bem-aventurados! Veja a mata: é lindo o verde; veja o céu: o azul é belo. Por que é que então eu vou ter de manter o humor amarelo?... Vem vindo um tempo sem bombas, sem tanques e sem canhões. Falcões darão vez às pombas, e os fuzis aos violões!
  65. 65. 67 Venha, amor, vamos dançar em meio à chuva, ao relento... Sem medo, vamos deixar que às nuvens nos leve o vento! Vênus, Marte, o Sol e a Lua talvez sejam mais vizinhos que os que compõem na rua a multidão dos sozinhos. Verde, amarelo, vermelho... bi-bi... fon-fon... ron-ron-ron... Mulher, sem pressa, ao espelho, na esquina ajeita o batom... Vestem-se as águas de prata, saltam no espaço vazio. Findo o show da catarata, sereno refaz-se o rio... Vinde, amigos, vinde e vede o quanto pode o perdão: – derruba qualquer parede que nos separe do irmão!
  66. 66. 68 Vingança é coisa de gente tresloucada ou matusquela... – A lei do dente por dente faz tempo ficou banguela! Virão tempos diferentes em nossa história, e os vereis: haverá mais Tiradentes do que Silvérios dos Reis! Vi um menino uma vez mandar aos pais um recado: – Sou o amor que uniu vocês e se fez carne. Obrigado!
  67. 67. 69 Antonio Augusto de Assis (A. A. de Assis) por ele mesmo Nasci nas montanhas da Bela Joana, em São Fidélis, estado do Rio de Janeiro, no dia 7 de abril de 1933. Filho de Pedro Gomes de Assis e Maria Ângela Guimarães de Assis. Meu pai era muito amigo de um primo
  68. 68. 70 dele, seu companheiro de infância, Dom Antonio Augusto de Assis, que foi bispo de Pouso Alegre-MG e depois arcebispo de Jaboticabal-SP. Dom Assis estivera poucos dias antes em São Fidélis em visita aos parentes, e dele fui feito xará como homenagem ao primo ilustre. Fui manchete na história da família porque nasci temporão, décimo quarto de uma fieira de 15 irmãos. Dez anos antes de mim nascera o Gomes, por todo esse tempo havido, tido e paparicado como caçula. Aí, de repente, Seu Pedro e Dona Angelita se distraíram e me puseram no mundo. Mas não fui o último. A raspa do tacho viria quatro anos depois, o Paulo. Casado com Lucilla Maria Simas de Assis. Morei algum tempo em Campos dos Goytacazes, Nova Friburgo, Bauru, e moro há muito tempo em Maringá. Trabalhei inicialmente no comércio, depois por muitos anos em jornais e revistas e por outro tanto em escolas. Aposentei-me em 1997 como professor do Departamento de Letras da Universidade Estadual de Maringá. Hoje brinco de poeta, ao lado dos meus irmãos e irmãs da Academia de Letras de Maringá e da União Brasileira de Trovadores. Completei o primário no Grupo Escolar Barão de Macaúbas, fiz o ginásio no Colégio Fidelense e em seguida fui morar na casa de minha irmã Zizinha, em Campos dos Goytacazes, a fim de fazer o científico no Liceu de Humanidades. Mas parei na metade do curso e voltei para São Fidélis, ali iniciando a vida profissional como auxiliar de escritório na Algodoeira.
  69. 69. 71 Só iria retomar os estudos quando já estava residindo no Paraná: completei o segundo grau e em seguida fiz Letras na FAFI, posteriormente incorporada à UEM – Universidade Estadual de Maringá. Desde menino fui sensível à arte literária. No ginásio, ficava encantado com as aulas do professor Expedito, que ensinava quatro línguas: português, latim, francês e inglês. Em casa, ouvia com silenciosa atenção e curiosidade as conversas do meu irmão Gomes com alguns amigos dele gostantes de literatura, especialmente o professor Kleber Borges (Bibingo). Mas a vocação parece que já veio na alma, herança do avô materno, José Garibaldi, maestro de banda e ledor de Camões, e principalmente de minha mãe, Dona Angelita, poeta de nascença, que tinha sempre à cabeceira algum romance ou livro de poesia e que foi a primeira incentivadora dos versinhos que eu começava a rabiscar. Aprendi também muito cedo a gostar de jornais e revistas. Meu pai era leitor assíduo do Diário Carioca e do Correio da Manhã. Meu irmão Gomes, além de ter uma boa biblioteca, assinava as revistas Seleções, Careta e O Cruzeiro. Nossas irmãs compravam sempre a Vida Doméstica. Eu pegava carona em todo esse material de leitura e a cada dia ia sentindo bater mais forte a paixão pelas letras. A poucos metros de nossa casa havia uma gráfica onde se imprimia O Fidelense (“um hebdomadário independente a serviço da coletividade”). O impressor era o Fidélis Subieta. Um dia criei coragem, escrevi um artigo e entreguei ao Subieta, dizendo: “Peça ao Doutor Jacy que dê uma olhada e veja se dá para publicar”.
  70. 70. 72 Eu tinha 16 anos de idade. Não falei a mais ninguém sobre o tal escrito. No domingo seguinte, fui logo cedinho comprar o jornal... Tremi nas pernas: lá estava, ainda com aquele delicioso cheirinho de tinta, o texto que inaugurava minha vida de jornalista. Estranhei, porém, um detalhe: em vez de Antonio Augusto de Assis, como assinei no original, o nome que saiu embaixo do título foi A. A. de Assis. Na segunda-feira perguntei ao Subieta o que acontecera. Fácil de entender: naquela época as gráficas trabalhavam com tipos móveis. Cada fonte de tipos ficava numa caixa e o tipógrafo ia catando letra por letra para compor a matéria. E havia o costume de escrever os nomes dos autores de artigos utilizando os tipos chamados “itálicos”, aqueles inclinadinhos. Deu-se, todavia, que a caixa de itálicos estava desfalcada, faltando a letra “t”, daí a impossibilidade de escrever tanto Antonio quanto Augusto. E foi assim que, por conta e arte desse genial tipógrafo, virei A. A. de Assis. Animado pela publicação do artigo, procurei pessoalmente o Doutor Jacy, que generosamente me aceitou como colaborador permanente d’O Fidelense. Fiquei todo prosa, claro. Mas surgiu um problema. Como em São Fidélis todos me conheciam pelo apelido de Gutinho, os leitores começaram a indagar quem era aquele tal de A. A. de Assis. Assim que descobriram, começou a fofoca. Duvidavam que eu, tão menino ainda, pudesse escrever aquelas coisas. Havia quem dissesse que o verdadeiro autor era outro Augusto Assis, meu primo monsenhor Augusto José de Assis Maia, pároco local. Fiquei fulo da vida com aquilo. Para não deixar dúvida, publiquei no domingo seguinte um artigo falando de carnaval, rebolado
  71. 71. 73 etc., e com um vocabulário bem apimentado, coisa que ninguém jamais iria atribuir a um padre. Deu certo: acabou a fofoca. Em abril de 1953, completei 20 anos. Dois meses depois, em junho, recebi a notícia de que me esperava um emprego na concessionária bauruense da General Motors. Arrumei a mala, e... pé na estrada. Não era, porém, exatamente aquilo que eu sonhava. Um ano e meio depois ele (Luiz, meu irmão) me surpreendeu com uma proposta: “Você gostaria de ir para Maringá?”. De bate-pronto respondi que sim, embora sem saber sequer de que Maringá ele estava falando. A que eu conhecia era a do Joubert de Carvalho, a canção. “É uma cidade novinha, no Paraná, com muito futuro”, explicou o mano. O transporte da maioria era a bicicleta, a lambreta, ou a circular do Polônio, que de vez em sempre atolava na Avenida Brasil, obrigando os passageiros a descer para empurrar. Os mais abonados rodavam de jipe ou perua. Eu tinha uma monareta. A diversão durante a semana era ver algum filme no Cine Maringá ou no Cine Horizonte. No sábado um baile no Aero Clube ou no Grêmio dos Comerciários. No domingo matinê dançante e em seguida a primeira sessão do cinema, terminando com a saideira no Bar Colúmbia. Se chovia, a moçada ia para o baile com os sapatos nas mãos, calçando lá dentro após o lava-pés no banheiro do clube. Fiz-me associado do Aero Clube e do Grêmio dos Comerciários, onde todo mundo virava logo íntimo de todo mundo.
  72. 72. 74 Um dia, cerca de três meses após minha chegada à cidade, peguei a monareta e fui conhecer a redação do semanário A Hora. Apresentei-me, disse que gostava de escrever e perguntei se ele aceitaria colaboração. “Aceito sim, disse ele, e se quiser comece agora”. Tomei um susto, claro. Chico explicou que precisava fechar a edição, mas faltava o editorial. O redator-chefe adoecera e ele estava ali sem saber o que fazer. Indaguei qual seria o assunto. “É contra o prefeito”, acrescentou, dando as razões da briga. O prefeito era o Villanova, a quem eu só conhecia de nome. Mas tudo bem: sentei-me diante da velha máquina datilográfica e em poucos instantes o artigo estava pronto. Ele leu, arregalou os olhos, chamou o tipógrafo: “Rapidinho, cara, componha este texto e ponha para rodar”. Só depois dessa agitada cena o Chico me convidou para tomar um cafezinho e iniciou o interrogatório: quem era eu, de onde vinha, se queria emprego no jornal e coisa e tal. Respondi que desejava apenas publicar uma crônica semanal, sem remuneração. Aceita a oferta, assim se fez, porém em pouco tempo eu estava escrevendo quase que o jornal inteiro. O problema foi o remorso que bateu quando vi de perto pela primeira vez o prefeito Villanova e com ele bati um rápido papo. O homem era uma simpatia, um herói lidando com os desafios de uma prefeitura sem dinheiro e com mil coisas a serem feitas a curtíssimo prazo. Nunca mais falei mal dele... Minha atividade principal continuava sendo a lojinha de autopeças, porém nas horas vagas, principalmente à noite, fui me envolvendo cada vez mais na imprensa. Continuei n’A Hora enquanto
  73. 73. 75 durou; depois, por algum tempo, escrevi para o O Jornal de Maringá. Mas peguei mesmo, para valer, quando Manoel Tavares lançou A Tribuna de Maringá. Nas primeiras edições o redator principal era o Ary de Lima, que, entretanto, muito ocupado com os seus compromissos de professor, não pôde continuar. Por insistência do bravo Tavares, aceitei a chefia de redação e iniciamos um trabalho jornalístico que marcou época. Ao mesmo tempo em que atuava n’A Tribuna, assumi com Aristeu Brandespim o desafio de produzir a primeira revista da cidade, Maringá Ilustrada, cuja edição inaugural chegou às bancas em agosto de 1957. Na primeira edição os redatores éramos Ary de Lima e eu. A partir da segunda, que trouxe na capa a maquete da nova Catedral em desenho de Edgar Osterroht, fiquei como redator-chefe. Mas Brandespim era um homem arrojado e achou que o nome Maringá Ilustrada restringia o âmbito da publicação. Mudou então para NP – Norte do Paraná em Revista, e no ano seguinte outra vez mudou, passando ao nome definitivo: NP – Novo Paraná, com o projeto de circular em todo o estado. Como eu escrevia a maioria dos textos, usava, tanto na NP quanto n’A Tribuna, diversos pseudônimos: João Guido, César Augusto, Robson, Tabaréu, Bitão e outros. No início de 1965, Ademar Schiavone assumiu a gerência da Rádio Cultura e me convidou para trabalhar com ele. Alguns meses depois, Joaquim Dutra, um dos diretores da Rádio, arrendou as máquinas da Folha do Norte do Paraná e fui para lá com ele, como diretor de redação.
  74. 74. 76 Ao deixar a Folha, continuei por mais algum tempo no jornalismo, escrevendo crônicas (algumas com o pseudônimo “João Guido”) para O Diário e Jornal do Povo e para as revistas Aqui, Pois É e Tradição. Todavia, já me preparando para mudar de profissão. Fiz Letras porque ainda não havia em Maringá o curso de Jornalismo. Terminando a graduação, e querendo também ser um semeador das letras, comecei a dar aulas no ensino médio, embora ainda pelejando em jornais e revistas. Em 1976, fui trabalhar no Colégio Santa Cruz, uma experiência muito marcante em minha vida (até hoje me emociono ao reencontrar os ex-alunos). No final de 1979 fui para a UEM, primeiro como assessor de imprensa do reitor Neumar Adélio Godoy, em seguida como professor, após fazer concurso para o Departamento de Letras. Passei então a dar aulas de língua portuguesa, mas, ao mesmo tempo, ainda por alguns anos, prestando serviço à administração da Universidade, na assessoria do reitor Paulo Roberto Pereira de Souza. Terminada a gestão de Paulo Roberto, assumi em tempo integral as atividades de ensino no Departamento de Letras. Em 1997, aposentei. No início ainda senti alguma falta da lufa-lufa. Logo, porém, me acostumei a não precisar mais do relógio, e achei ótimo, principalmente porque pude enfim dispor de tempo para dar asas soltas ao poeta que desde menino habitou em mim.
  75. 75. 77 Em 1998, Lucilla também aposentou-se, e desde então passamos a dizer que moramos em “Caboringá”... Como uma de nossas filhas, Maria Ângela, reside em Maringá e a outra, Maria Paula, em Balneário Camboriú, vivemos, Lucilla e eu, pralá-pracá. O gosto pela poesia, como foi dito, manifestou-se em mim desde muito cedo. Comecei, porém, a publicar os primeiros versos já em Maringá, n’A Tribuna. Ledor de Bandeira, Drummond, Quintana, Mário de Andrade, Cecília e de outros mestres do modernismo, tinha preferência pelo verso livre. Em 1959 selecionei um punhado de poemas e fiz um livro chamado Robson. Por que esse título? Por nada. Apenas porque Robson era o pseudônimo que eu geralmente usava para assinar meus poemas nos jornais. O livro, com generoso prefácio de Luís Carlos Borba e capa de Edgar Osterroht, vale pelo menos pelo seu significado histórico: foi o primeiro impresso em Maringá. O papel foi presente da revista NP e a impressão foi feita de graça na gráfica d’A Tribuna, com tiragem de 500 exemplares, todos eles oferecidos a parentes e amigos. Foi minha “inauguração oficial” como poeta. Em 1960, em Nova Friburgo-RJ, conheci pessoalmente o trovador Luiz Otávio. Ele ali estava, em companhia do poeta J. G. de Araújo Jorge, cuidando dos preparativos dos I Jogos Florais de Nova Friburgo, belíssima festa que marcou o início de um animado movimento literário que nos anos seguintes espalharia a “febre” do trovismo Brasil afora, com repercussão imediata em Portugal.
  76. 76. 78 Luiz Otávio, a quem fui apresentado pelo também trovador Delmar Barrão, “intimou-me” a aderir àquele movimento. Expliquei que minha iniciação tinha sido noutro gênero, tentei tirar o corpo fora, porém a argumentação foi irresistível. “Você pode escrever o tipo de poesia que bem entender, disse ele, mas, se quiser ficar conhecido em todo o Brasil, comece a fazer trovas”. Essa conversa ocorreu faz meio século. Comecei. Nunca mais parei. Não fiquei “conhecido em todo o Brasil”, no entanto posso dizer que em todo o Brasil tenho conhecidos, gente muito boa, amigos que, de tão queridos, chamo de irmãos e irmãs. A primeira vez em que ganhei um primeiro lugar em âmbito nacional foi nos I Jogos Florais de Corumbá-MS, em 1968, com a trova: “Num tempo em que tanta guerra / enche o mundo de terror, / benditos os que, na Terra, / semeiam versos de amor!”. De 1977 a 1997, exatos 20 anos, não participei desses torneios. Foi, para mim, um período de atividade profissional muito intensa, faltando tempo e cabeça fresca para brincar de poeta. Quem me reintroduziu no trovismo foi um amigo muito querido, o saudoso poeta Newton Meyer, de Pouso Alegre- MG. Num domingo de 1997, ele conversou comigo pelo telefone durante quase uma hora, e acabou reavivando aquela chama que andava apagada. Foi muito bom, porque eu estava recém-aposentado e precisava mesmo de algo desse gênero para manter ativa a mente. Voltei a participar dos concursos e dos
  77. 77. 79 encontros de trovadores, e isso até me ajuda a esquecer de que, com o rolar dos anos, a gente vai envelhecendo. (excerto da vida de Assis obtido em seu livro Vida, Verso e Prosa) Afinal porque A. A. de Assis e não Antonio Augusto de Assis? A. A. de Assis nos dá esta explicação em seu livro Vida, Verso e Prosa, lançado pela EDUEM. Aproveito o espaço para recomendar o livro: cronicas, trovas, triversos, poesias, contos, documento histórico, enfim, um livro para todos os gostos, escrito por um dos maiores escritores vivos de nossa literatura. Vamos então à explicação: A poucos metros de nossa casa havia uma gráfica onde se imprimia O Fidelense ("um hebdomadário independente a serviço da coletividade"). O jornal pertencia ao deputado Gouveia de Abreu (Doutor Dó), mas quem o dirigia era o Doutor Jacy Seicas. O impressor era o Fidélis Subieta. Um dia criei coragem, escrevi um artigo e entreguei ao Subieta, dizendo: "Peça ao Doutor Jacy que dê uma olhada e veja se dá para publicar". Eu tinha 16 anos de idade. Não falei a mais ninguém sobre bo tal escrito. No domingo seguinte, fui logo cedinho comprar o jornal... Tremi nas pernas: lá estava, ainda com aquele delicioso cheirinho de tinta, o texto
  78. 78. 80 que inaugurava minha vida de jornalista. Estranhei, porém, um pequeno detalhe: em vez de Antonio Augusto de Assis, como assinei no original, o nome que saiu embaixo do título foi A. A. de Assis. Na segunda-feira perguntei ao Subieta o que acontecera. Fácil de entender: naquela época as gráficas trabalhavam com tipos móveis. Cada fonte de tipos ficava numa caixa e o tipógrafo ia catando letra por letra para compor a matéria. E havia o costume de escrever os nomes dos autores de artigos utilizando os tipos chamados "itálicos", aqueles inclinadinhos. Deu-se, todavia, que a caixa de itálicos estava desfalcada, faltando a letra "t", daí a impossibilidade de escrever tanto Antonio quanto Augusto. E foi assim que, por conta e arte desse genial tipógrafo, virei A. A. de Assis. Animado pela publicação do artigo, procurei pessoalmente o Doutor Jacy, que generosamente me aceitou como coloaborador permanente d'O Fidelense. Fiquei todo prosa, claro. Mas surgiu um problema. Como em São Fidélis todos me conheciam pelo apelido de Gutinho, os leitores começaram a indagar quem era aquele tal A. A. de Assis. Assim que descobriram, começou a fofoca. Duvidavam que eu, tão menino ainda, pudesse escrever aquelas coisas. Havia quem dissesse que o verdadeiro autor era outro Augusto Assis, meu primo monsenhor Augusto José de Assis Maia, pároco local. Fiquei fulo da vida com aquilo. Para não deixar dúvida, publiquei no domingo seguinte um artigo falando de carnaval, rebolado, etc., e com um vocabulário bem apimentado, coisa que ninguém jamais iria atribuir a um padre. Deu certo: acabou a fofoca.
  79. 79. 81 JB Xavier (A. A. de Assis, Um Amigo Para Todas as Horas) Algumas pessoas vivem do estardalhaço e com ele buscam sua auto-afirmação; outras, alimentam-se do silêncio e dele se originam suas forças. É o caso de A. A. de Assis. Assis pertence à classe de pessoas especiais, em cuja proximidade todos desejam estar, porque emana dele tal mansuetude, que o universo se apazigua ao seu redor. De Antonio Augusto de Assis vem a placidez do recolhimento e a contemplação parece orientar seus gestos e palavras, mesmo em seus momentos de maior descontração. Como diz Olga Agulhon, no livro ‘Vida, Verso e prosa’ de autoria do homenageado: ‘‘Conviver com A. A. de Assis é verdadeiramente uma bênção. Ele vive plenamente e emana dele tantas boas energias que todos ao seu redor também se transformam e querem com ele aprender.’’ Viver plenamente: talvez esteja aí o segredo dos sábios. Sapiência não é acúmulo de conhecimentos, embora a atenção à experiência costume levar a ela, tampouco é a presunção do saber, porque esta afasta a humildade, que é o primeiro requisito do sábio. Paradoxalmente, sapiência é a consciência do não saber, é a compreensão vívida das próprias limitações. Neste sentido A. A. de Assis é sábio, porque nunca o vi alardear saber. Pelo contrário, sempre que o encontrei nas muitas festas da UBT nas quais tive o prazer de sua companhia, sempre o vi observando, mais que falando, e isto, se não é a sapiência, é, pelo menos, uma das veredas do caminho que leva a ela. Em outro
  80. 80. 82 trecho, Agulhon diz: ‘’O homem poeta - de alma ou expressão - não é como um homem qualquer, que se deixa levar pela correria quase automática que o cotidiano teima em nos impor. Ao contrário, é aquele que tem sensibilidade de enxergar a beleza, o sentido, a estesia de cada fragmento de vida existente nas entrelinhas e nos segundos que passam’’. E eu completaria: Eis porque A. A. de Assis é um diamante entre esmeraldas, um hino entre o ruído, um oásis na desolação. Ele não rege sua passagem por este mundo através apenas do dizer e do pensar, mas também do fazer, e acima de tudo, do sentir. Seu espírito inquiridor está sempre arguindo a vida que o cerca, em busca de novas descobertas para exprimir a beleza. A convivência com A. A. de Assis convida ao pensar. Muitas vezes, nas rodas de amigos, o vi sorrir complacente, certamente diante de algum arroubo de sabedoria de algum interlocutor, tentando impressionar com seus conhecimentos. Nessas ocasiões fiquei a observá-lo com redobrada atenção, ao ver um poeta que já venceu todos os concursos possíveis na UBT, que já conquistou todos os títulos disponíveis, sorrindo complacentemente ao exibido. Entretanto, apesar de todas as suas conquistas, não se percebe certezas em A. A. de Assis. E de que outra forma poder-se-ia reconhecer um sábio, senão pela dúvida? Não existe sabedoria na certeza. Pelo contrário! A sabedoria que flui da certeza frequentemente é estúpida; a ignorância que flui da dúvida frequentemente é sábia.
  81. 81. 83 A palavra que me ocorre ao conviver com A. A. de Assis é ‘Plenitude’! A pobreza de espírito se mantém distante dele, porque esse sentido de plenitude que o acompanha fá-lo transbordar do cadinho fervente de seu universo criativo particular e escorrer como lava fervilhante de vida pelas encostas crestadas de um mundo cinza, colorindo-o com seus versos, instalando vida através da poesia, espalhando esperança através da sua fé. A. A. de Assis pertence à classe daqueles que tratam bem o seu hoje, e ao fazê-lo, constroem um ontem que deixa saudades e um amanhã gentilmente esperançoso. Ainda Aguilhon: ‘’A. A. de Assis olha e enxerga, repara e escuta, sente e recolhe, para depois transformar tudo em poesia.’’ A. A. de Assis - um homem que, com mansuetude e suavidade, nos lembra que há momentos em que apenas nós próprios podemos ser nossos confessores, e que os princípios impostos por nós sobre nós mesmos, assim como sua transgressão, não precisam ser explicados a mais ninguém, além de nossa própria consciência.
  82. 82. 84 Fontes Em virtude de terem sido obtidos em dezenas de links, apenas serão citadas as páginas principais do site: - Eliana Ruiz Jimenez = http://poesiasemtrovas.blogspot.com.br - José Ouverney = http://www.falandodetrova.com.br - A. A. de Assis = http://aadeassis.blogspot.com.br - UBT/SP = http://www.recantodasletras.com.br/homenagens/3254658 - ASSIS, A. A. de. Vida, verso e prosa. Maringá/PR: EDUEM, 2010 - Trovas em Imagens e Capa: imagens obtidas na internet, formatadas por José Feldman
  83. 83. 85 JOSÉ FELDMAN Academia de Letras do Brasil / Paraná Cadeira n.1 – Patrono: Paulo Leminski Presidente Estadual do Paraná Vice-Presidente do Conselho de Ética Academia de Letras de Teófilo Otoni Membro correspondente União Brasileira dos Trovadores/PR Delegado Municipal de Ubiratã Sociedade Mundial de Poetas Unión Hispanomundial de Escritores (UHE) Ordem Nacional dos Escritores (ONE) Casa do Poeta de São Paulo “Lampião de Gaz” Associação dos Literatos de Ubiratã (ALIUBI) Editor de e-livretos: Coleção Memória Viva: Trovas dos Estados Coleção Memória Viva: Tributos Almanaque Paraná de Trovas Trova Brasil Santuário de Trovas Paraná Poético Almanaque O Voo da Gralha Azul Boletim Literário Singrando Horizontes
  84. 84. 86 Um espaço da Trova Brasileira Criação, seleção e arte final: José Feldman Contatos: pavilhaoliterario@gmail.com Site: http://singrandohorizontes.blogspot.com.br HTTP://vendavaldasletras.wordpress.com Endereço para correspondência: Rua Vereador Arlindo Planas, 901 casa A – Zona 6 Cep. 87080-330 – Maringá/PR Fones: (44) 9981 6985 – TIM (44) 3259-8484 Participe com suas trovas Trovas Legendas de Eliana Jimenez http://poesiaemtrovas.blogspot.com.br Blog do Prof. Pedro Melo Todos os dias, um novo trovador e uma nova trova http://blogdopedromello.blogspot.com.br Blog da UBT-Curitiba, notícias, trovas, eventos. http://ubt-curitiba.blogspot.com Blog Simultaneidades, da Andréa Motta http://simultaneidades.blogspot.com.br Site do Mário Zamataro (Curitiba) http://www.umavirgula.com.br Blog do A. A. de Assis (Maringá) http://aadeassis.blogspot.com A montagem da capa foi realizada com a imagem do mapa do Brasil retirada da internet, a qual não consta a autoria. Se souber de quem é, informe-me, para que sejam dados os devidos créditos. Esta publicação não pode ser comercializada em hipótese alguma.

×