Estrutura das dem contabeis aula 1

15.204 visualizações

Publicada em

AULA 1

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.204
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
241
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Estrutura das dem contabeis aula 1

  1. 1. Estrutura das Demonstrações Contábeis Aula 1 – Dia 02/03/2011 Professor: Msc. Jôni Franck N. Costa [email_address]
  2. 2. Apresentação Individual
  3. 3. <ul><li>Contrato Inicial – </li></ul><ul><li>- Horário. Chamada. (75% presença) </li></ul><ul><li>Celular. (desligado ou silencioso) </li></ul><ul><li>Minha Dedicação.(aluno) </li></ul><ul><li>Nível de exigência (aluno x professor). </li></ul><ul><li>Provas. 1ª. -20/04/2011 E 2ª. 29/06/2011 (PREVISÃO). </li></ul><ul><li>Exame Final. 06/07/2011. (PREVISÃO) </li></ul>
  4. 4. ver ouvir ouvir debater agir ver ver ouvir ouvir ver debater Métodos Passivos Métodos Ativos Gráfico de pesquisas da OIT Resultados médios de retenção da aprendizagem
  5. 5. &quot;O que eu ouço, esqueço. O que eu vejo, lembro. O que eu faço, aprendo.&quot;           Confúcio
  6. 6. <ul><li>Assuntos de Hoje: </li></ul><ul><li>- Apresentação da Ementa e Formato das Aulas. </li></ul><ul><li>Pequena Revisão de Conteúdos. </li></ul>Objetivos desta Disciplina: Conhecer e saber Estruturar as demonstrações contábeis, Notas Explicativas e suas informações.
  7. 7. <ul><li>  </li></ul><ul><li>EMENTA </li></ul><ul><li>Ajustes para elaboração de demonstrações contábeis. </li></ul><ul><li>Balanço patrimonial, Demonstração do Resultado do Exercício; Demonstração dos Lucros e Prejuízos Acumulados, Demonstração das Mudanças do Patrimônio Líquido; Demonstração de Fluxo de Caixa (substitui o DOAR); Demonstração de Valor Adicionado, Notas Explicativas. </li></ul><ul><li>60 HORAS AULA – 4 CRÉDITOS – 20 aulas – (2 Provas, 1 Exame). </li></ul>
  8. 8.   Estrutura e Análise de Balanços, ASAF NETO, Análise de Balanços Estrutura, Análise de Balanços SANTOS, CLÊONIMO Mudanças Contábeis na Lei Societária Lei das S/As Comentários à Lei 10303/01 Manual das S/As. Contabilidade Geral Fácil. . Bibliografia Básica   Bibliografia Complementar  
  9. 9. Fórmula da Contabilidade: ATIVO – PASSIVO = PATRIMÔNIO LÍQUIDO (BENS + DIREITOS) – OBRIGAÇÕES = SITUAÇÃO LÍQUIDA PL ATIVO PASSIVO
  10. 10. Comentários (Revisando as Alterações) Demonstrações Contábeis – Lei 6404/76. Mudanças da Lei 11.638/07. Lei Complementar 449/08. Transformada em lei 11941/09 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Lei 11638/07 Altera e revoga dispositivos da Lei . 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e da Lei 6.385 , de 7 de dezembro de 1976, e estende às sociedades de grande porte disposições relativas à elaboração e divulgação de demonstrações financeiras.
  11. 11. Demonstração do Fluxo de Caixa Buscando ênfase na maximização da apresentação e divulgação da geração de caixa conceitual, há a substituição da Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (DOAR) pela Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) (artigo 176, IV). No primeiro exercício social, a DFC pode ser divulgada sem indicação dos valores referentes ao ano anterior, liberalidade que a CVM entende não deva ser adotada pelas companhias que já vem divulgando a DFC normalmente. Embora, existam diferenças de evidenciação entre os métodos de apresentação da DFC, método direto e método indireto, não há qualquer recomendação de ordem normativa que exija a adoção de um em detrimento do outro. Para as companhias fechadas, cujo patrimônio líquido na data do balanço seja inferior a R$ 2.000.000,00, a Lei faculta a sua elaboração (artigo 176, § 6º). Demonstrações Financeiras (principais Mudanças)
  12. 12. Demonstração do Valor Adicionado As companhias abertas terão que incluir a Demonstração do Valor Adicionado (DVA) no conjunto das demonstrações financeiras elaboradas, divulgadas e que devem ser aprovadas pela Assembléia Geral Ordinária (AGO) (artigo 176, V). Também neste caso a lei permite que, no primeiro exercício social, a DVA seja divulgada sem indicação dos valores referentes ao ano anterior, procedimento que a CVM desaprova para as companhias que vem divulgando voluntariamente. Por se tratar de demonstração pouco conhecida e não requerida nos modelos internacionais, apresento abaixo o modelo sugerido pela FIPECAFI e que está sendo adotado por boa parte das companhias que voluntariamente estão divulgando, integralmente ou parcialmente . Demonstrações Financeiras (principais Mudanças)
  13. 13. Demonstrações Financeiras (principais Mudanças) No Balanço Patrimonial ATIVO Passivo CIRCULANTE NÃO CIRCULANTE Ativo Realizável a Longo Prazo Ativo Permanente dividido em: – Investimentos – Imobilizado – Intangível – Diferido   CIRCULANTE NÃO CIRCULANTE Passivo Exigível a Longo Prazo Resultado de Exercícios Futuros Participação Minoritária Patrimônio Líquido Capital Social Reservas de Capital Ajustes de Avaliação Patrimonial Reserva de Incentivos Fiscais Reservas de Lucro Prejuízos Acumulados (-) Ações em Tesouraria Total do Ativo Total do Passivo
  14. 14. Demonstrações Financeiras (principais Mudanças) Já a MP 449/08 Diz respeito as Mudanças de Adequação para as Questões Tributárias (Lei 11941/09).   Estar atento para a Resolução Emitida recentemente pelo CFC. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.152/09 Aprova a NBC T 19.18 – Adoção Inicial da Lei nº. 11.638/07 e da Medida Provisória nº. 449/08. (Lei 11.491/09) Link Resolução 1152.doc  
  15. 15. Oficina Contabilidade para IMFs O PADRÃO INTERNACIONAL As Normas Internacionais de Contabilidade (International Accounting Standard - IAS em inglês), atualmente conhecidas como normas IFRS(International Financial Reporting Standard) são um conjunto de pronunciamentos de contabilidade internacionais publicados e revisados pelo IASB (International Accounting Standards Board). As normas IFRS foram adotadas pelos países da União Européia a partir de 31 de dezembro de 2005 com o objetivo de harmonizar as demonstrações financeiras consolidadas publicadas pelas empresas abertas européias. A iniciativa foi internacionalmente acolhida pela comunidade financeira. Atualmente numerosos países tem projetos oficiais de convergência das normas contábeis locais para as normas IFRS
  16. 16. Oficina Contabilidade para IMFso Objetivo das demonstrações financeiras em IFRS O principal objetivo das demonstrações financeiras em IFRS é dar informações sobre a posição financeira , os resultados e as mudanças na posição financeira de uma entidade, que sejam úteis a um grande número de usuários (investidores, empregados, fornecedores, clientes, instituições financeiras ou governamentais, agencias de notação e público) em suas tomadas de decisão.
  17. 17. Oficina Contabilidade para IMFso Os pressupostos básicos da contabilidade internacional Os pressupostos básicos da contabilidade internacional estão detalhados no &quot;framework&quot; (estrutura conceitual). Regime de competência e regime de caixa Continuidade As características qualitativas das demonstrações financeiras em IFRS Clareza Relevância Confiabilidade Comparabilidade Equilíbrio entre custo e beneficio na preparação das demonstrações financeiras
  18. 18. Oficina Contabilidade para IMFso <ul><li>Os elementos das demonstrações financeiras </li></ul><ul><ul><ul><li>O balanço patrimonial </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>A demonstração de resultado </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>A demonstração de fluxo de caixa </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Informações por segmento de negocio </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>As notas e as divulgações </li></ul></ul></ul><ul><li>Os princípios de avaliação dos elementos das demonstrações financeiras em IFRS </li></ul><ul><ul><ul><ul><li>Valor justo </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Custo histórico </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Custo amortizado </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Valor realizável </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Valor presente </li></ul></ul></ul></ul>
  19. 19. Oficina Contabilidade para IMFs <ul><li>USUÁRIO – Da Informação Contábil entre eles: </li></ul><ul><li>Sócios. </li></ul><ul><li>Acionistas. </li></ul><ul><li>Proprietários. </li></ul><ul><li>Administradores. </li></ul><ul><li>Diretores. </li></ul><ul><li>Bancos. </li></ul><ul><li>Governo. </li></ul><ul><li>Fornecedores. </li></ul><ul><li>Empregados. </li></ul><ul><li>Bolsa de Valores, Investidores. </li></ul><ul><li>- Financiadores em geral. </li></ul>
  20. 20. Oficina Contabilidade para IMFs TIPOS DE USUÁRIO DA INFORMAÇÃO CONTÁBIL (Stakeholders do processo) USUÁRIO META QUE DESEJARIA TIPO DE INFORMAÇÃO IMPORTANTE Acionista minoritário fluxo regular de dividendos Acionista majoritário ou com grande participação fluxo de dividendos valor de mercado da ação, lucro por Ação. Acionista preferencial fluxo de dividendos mínimos ou fixos. Emprestadores em geral (Bancos, Financeiras, agências de Fomento)E fornecedores. geração de fluxos de caixa futuros suficientes para receber de volta o principal mais o juro, com segurança. Fornecedores crédito atual e futuro. Entidades Governamentais valor adicionado, produtividade, lucro tributável Empregados em geral, como assalariados fluxo de caixa futuro capaz de assegurar bons aumentos ou manutenção de salários, com segurança; liquidez Média e alta administração retorno sobre o ativo, retorno sobre o patrimônio líquido; situação de liquidez e endividamento confortáveis. Instituições Nacionais e Internacionais de Apoio, Fomento Continuidade, Sustentabilidade e atendimento aos objetivos finalísticos.
  21. 21. Oficina Contabilidade para IMFs Dois assuntos para a dois voluntários ( máximo 5 min.) Para a Aula Seguinte: 1- Fazer o seu melhor. 2 - Apresentar de forma sintética e analítica (exemplificando). 3 – Utilizar ferramentas e espaços disponíveis. 4 – Ser criativo, elucidativo e claro. Assuntos da Semana Vítimas da Semana
  22. 22. Oficina Contabilidade para IMFs O Contador
  23. 23. Oficina Contabilidade para IMFs Novas oportunidades estão surgindo para o Bacharel em Ciências Contábeis, seja ele Contador, Gerente Contábil, o Auditor, Controller ou outra especialidade ligada a área contábil, ou ainda pessoas que querem seguir esta nova carreira. Em épocas de mudanças na legislação e adequação a contabilidade aos modelos internacionais profissão contábil será cada vez mais valorizada. Uma pesquisa feita pela empresa de RH Manpower, sobre escassez de talentos, feita em janeiro de 2008, em 32 países e com 43 mil empregadores, sobre a escassez de talentos, os Contadores figuram na lista das dez profissões mais requisitadas em 17 países. BR-Segundo uma importante revista eletrônica da área Contábil deste mês, o contador é a 3º profissional mais procurado no mercado, atrás tão somente do Engenheiro e do Administrador. PERSPECTIVAS DO PROFISSIONAL CONTÁBIL (artigo)
  24. 24. A empresa em relação ao investidor (demonstrações) Uma empresa tem seus sócios fundadores e também pode possuir seu sócios INVESTIDORES (normalmente S/As Capital aberto ou Fechado). <ul><li>Cesto. </li></ul><ul><li>Portfólio. </li></ul><ul><li>Participações. </li></ul>
  25. 25. Demonstrações Contábeis <ul><li>As Demonstrações Contábeis são apresentadas da seguinte forma. </li></ul><ul><li>Relatório da Adm (Diretoria, Presidência). </li></ul><ul><li>BP- Balanço Patrimonial – </li></ul><ul><li>DRE – Demonstrativo do Resultado do Exercícios. </li></ul><ul><li>DLPA – Demonstrativo dos Lucros e Prejuízos Acumulados. </li></ul><ul><li>DMPL – Demonstração das Mutações do Patrimônio Liquido (Social)(Opcional). </li></ul><ul><li>DFC – Demonstração do Fluxo de Caixa – </li></ul><ul><li>DEMONSTRATIVO DE VALOR ADICIONADO </li></ul><ul><li>Notas Explicativas das Demonstrações Contábeis </li></ul><ul><li>Parecer dos Auditores Independentes. </li></ul>
  26. 26. Demonstrações Contábeis <ul><li>DRE – Demonstração do Resultado do Exercício </li></ul>Doações e Contrib. Dirigidas à fundações, previdência, coop de empreg. Participações = Empregados e Administradores. (quando descrito). Lucro depois do Imposto de Renda ( - ) Doações e Contribuições ( - ) Participações ( = ) Lucro Líquido
  27. 27. Demonstrações Contábeis <ul><li>DRE – Lucro Por Ação = Nos fornece a informação de quanto cada ação está remunerando o capital investido (dividendos). Exemplo: </li></ul><ul><li>Hipótese -- Lucro Líquido do Exercício R$ 85.345 </li></ul><ul><li>Capital Social com R$ 8.000 ações Lucro Líquido por ação R$ 10,66 </li></ul><ul><li>No caso do acionista ter adquirido as ações por : </li></ul><ul><li>8.000 ações a R$ 80,00 reais cada R$ 640.000 </li></ul><ul><li>Aumentou o seu Capital investido em mais 13,25 % através dos dividendos </li></ul><ul><li>Pois as suas ações agora valem R$ 90,66. </li></ul><ul><li>Seu Capital investido passa a ser de R$ 725.345= no caso do acionista não retirar os dividendos ele pode aumentar o seu capital (decisão de Assembléia de Sócios). </li></ul>
  28. 28. Demonstrações Contábeis <ul><li>DLPA – Demonstração dos Lucros e Prejuízos Acumulados - Estrutura Resumida (Defict ou Superavit) </li></ul>DLPA R$ Lucro(prejuízos) Acumulados de Exerc. anteriores + Lucro(prejuízo) do Exercício = Lucro Disponível ( - ) Reservas (caso de tratar de SA_) ( - ) Dividendos ( =) Lucros/Prejuízos Acumulados (Reinvest. No PL)
  29. 29. Demonstrações Contábeis <ul><li>DMPL – Demonstração das Mutações do PL </li></ul>Capital Social Reserva Capital L & P Acumulados Total    Saldo do Exercício Anterior 31-12-2004 100,000 300 60,000 160.300 Lucro do Exercício 31-12-2005 50.000 50.000 Constituição de Reserva Legal 5.500 (5.500) 000 Aumento do Capital Social 30.000 (30,000) 000   Saldo no Final do Exercício 31-12-2005 130.000 5,800 74.500 210.300
  30. 30. Contabilidade Aplicada na prática Situação A - ATIVO CIRCULANTE CIRCULANTE REALIZÁVEL L. PRAZO PASSIVO PERMANENTE PATRIMÖNIO L EXIGÍVEL L PRAZO FORMULA = ATIVO – PASSIVO = PL
  31. 31. CIRCULANTE CIRCULANTE REALIZÁVEL L. PRAZO PERMANENTE PATRIMÖNIO LIQUIDO EXIGÍVEL L PRAZO Contabilidade Aplicada na Prática Situação B - FORMULA = ATIVO – PASSIVO = PL ATIVO PASSIVO
  32. 32. CIRCULANTE CIRCULANTE REALIZÁVEL L. PRAZO PERMANENTE PATRIMÖNIO L EXIGÍVEL L PRAZO Contabilidade Aplicada na Prática Situação C - FORMULA = ATIVO – PASSIVO = PL ATIVO PASSIVO
  33. 33. ANÁLISE DAS SITUAÇÕES SIT. C ---  100 - 120 = -20 Passivo a Descoberto SIT. B ---  100 - 60 = 40 SIT. A ---  100 - 20 = 80 FORMULA = ATIVO – PASSIVO = PL
  34. 34. Estruturar as Demonstrações de Forma Adequada Permite A Análise das demonstrações Contábeis de forma correta . <ul><li>As Demonstrações podem ser analisadas de muitas formas, entre elas . </li></ul><ul><li>- Análise Vertical e Horizontal. </li></ul><ul><li>Analises de indicadores de balanço e de resultados, considerando alguns itens tais como; </li></ul><ul><li>Estrutura de Capital/ Endividamento/Rentabilidade, Liquidez Corrente e Seca, etc. </li></ul><ul><li>Indicadores - São sinalizadores da empresa analisada, o normalmente utilizados por Administradores, Controllers, Bancos, Instituições de Fomento, Governo, Investidores., Administradores </li></ul>
  35. 35. Oficina Contabilidade para IMFs Exercícios: Estrutura das Demonstrações (objetivo: saber identificar claramente as contas e grupos de contas do BP) .( adaptado - Livro exerc. Matarazzo Análise Dem Financeiras.) Conta Valor Conta Valor Capital 704.400 Empréstimos a pagar 198.300 Imobilizado 249.600 Ações da Cia CAU- 219.600 Vendas 2.025.000 Reservas 36.900 Estoque Mercadorias 156.900 Saldo Final de Prejuízos Acumulados 153.600 Fornecedores 219.600 Lucro Líquido Exercício 93.600 Compras 1.269.540 Dividendos a Pagar 51.900 PCLD ou PDD 10.200 Duplic. a Receber 373.500 Caixa e Bancos 309.000 Deprec. Acumulada 67.200 Contas a pagar 71.100 Reserva Legal 39.600 Provisão para IR 63.000
  36. 36. Pede-se 1 – Qual o Custo da Mercadoria Vendida sabendo-se que o Estoque Inicial é de R$ 130.200. R: 2 – Qual o Capital de Giro Próprio no Final do Ano: R: 3 – Qual o Patrimônio Líquido em 31/12: R: 4 – Sabendo já o CMV, o Resultado do Exercício, e mais a Prov. Do IR, infira qual o valor das despesas do Exercício, considerando que não existiam Deduções sobre Vendas (impostos).R: 5 – Qual o índice de Liquidez Corrente desta Empresa em 31/12: R:
  37. 37. Oficina Contabilidade para IMFs Exercícios: Estrutura das Demonstrações (objetivo: saber identificar claramente as contas e grupos de contas).( Livro exerc. Matarazzo Análise Dem Financeiras adaptado). Ativo R$ Passivo R$ Circulante 829.200 Circulante 603.900 Caixa e Bancos 309.000 Fornecedores 219.600 Contas a Pagar 71.100 Duplic. A receber 373.500 Financ. a Pagar 198.300 Estoques. 156.900 Dividendos a Pagar 51.900 ( - ) PCLD (10.200) Provisão IR 63.000 Não Circulante Não Circulante Imobilizado 182.400 Patrimônio Líquido 627.300 Prédios e Terrenos 249.600 Capital Social 704.400 Veículos Reservas 36.900 Deprec. Acumulada (67.200) Reserva Legal 39.600 Investimentos 219.600 Prejuízos Acumulados (153.600) Diferido Gastos Abertura Gastos MKT ( - ) Amortiz. Acumul. TOTAL ATIVO 1.231.200 TOTAL PASSIVO 1.231.200
  38. 38. Utilizando a Contabilidade na Prática Balanço Patrimonial DRE Prazo Médio de Recebimento = Clientes : Vendas :360 = 29 dias Prazo Médio de Pagamentos = Fornecedores : CMV : 360 = 34 dias Dias de Estoques = 70 dias LC = AC/PC = 1,35 Retorno sobre PL = LL/PL = 15,04% LL/Receita = 4,9% Ativo R$ Mil Passivo R$ Mil Circulante 2.623.180 Circulante 1.994.166 Clientes 617.408 Fornecedores 494.643 Outros 994.091 Outros 1.499.523 Estoque 1.011.691 ARLP 610.699 PELP 2.357.353 Permanente 3.583.734 Patrimônio Líquido 2.466.094 TOTAL 6.817.613 TOTAL 6.817.613 Receita Bruta 7.627.606 CMV (5.160.351) Despesas Operac 2.087.322 Lucro Líquido 379.933
  39. 39. http://br.youtube.com/watch?v=9UhM6q52vkA Para insight da Turma, assim como todas as profissões o Contador tem que estar atento aos seus comportamentos. Tem que estar motivado em seu trabalho . (mini palestra GODRI - Motivação – O Gato e o Cachorro). 5 minutos finais.

×