Numeros Nicolinos

285 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
285
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Numeros Nicolinos

  1. 1. NICOLINAS
  2. 2. Os Números da Festa Os Números da Festa
  3. 3. Novos velhos estudantes vimaranenses depois do encontro de saudade com velhos companheiros e gastronomicamente satisfeitos com uma soberba Ceia Nicolina, sobem ao Cano para ir buscar o maior mastro - o Pinheiro Magno - da região. PINHEIRO
  4. 4. Numa das praças maiores da cidade - o Campo da Feira – é levantado e anuncia as Festas da Academia, da Juventude de Guimarães.
  5. 5. As posses remontam ao Convento das Clarissas. Lá aconteciam festas onde participava toda a classe fidalga do burgo e onde apareciam doces confeccionados pelas próprias freiras. POSSES
  6. 6. As posses são herdadas do dízimo da freguesia de Urgeses a que as casas senhoriais da região também aderiram. Os estudantes vão, a cada casa ou estabelecimento combinado, buscar ou aguardar a Posse quase sempre bem gritada, mas dádiva generosa para a ceia daquela noite
  7. 7. MAGUSTO Hábito herdado dos festejos a S. Martinho - 11 de Novembro - e que acompanham desde tempos imemoriais a Festa de S. Nicolau. Os moços de uma comunidade iam pedindo "pau“, recolhiam madeira e castanhas pelas casas e pelas confrarias e no Rossio da freguesia - a praça maior - faziam fogueira e assavam castanhas: o magusto convidando todo o povo da freguesia.
  8. 8. ROUBALHEIRA Remonta a uma série de dimensões Sanjoaneiras do mundo rural e que como tantos outros foi caindo em desuso. O seu objectivo era fazer desaparecer objectos mais como partida ou brincadeira do que intenção. Claro que a comunidade procurava ter algumas precauções mas os vasos eram sempre a grande e principal vitima desta brincadeira
  9. 9. PREGÃO Nasce o Pregão à boa maneira das academias francesas ou do simples decreto real que era anunciado e que pelos Bandos Escolares eram apresentados e declamados, acompanhados de cavalgadas e mascaradas que incomodavam o poder instituído, para gáudio da populaça, provocando truculências e desafios às autoridades.
  10. 10. Bando Escolástico ou Pregão, tal qual se fazia no séc. XVIII, com o pregão real. Os estudantes em grande grupo e com toques de caixa repicada e bombo ritmado, agreste e barulheira própria, apresentando-se à cidade apregoando as suas reivindicações, criticas e desejáveis aspirações para futuro.
  11. 11. MAÇÃZINHAS São a alma essencial das Nicolinas numa relação natural da descoberta do homem e da mulher. Cumpre-se aqui o ciclo natural do acasalamento no solstício de Inverno. O jovem oferece na ponta da lança a maçã - símbolo do pecado original - à menina da janela que a rejeita ou lhe oferece em troca a prenda.
  12. 12. A lança está engalanada de fitas coloridas oferecidas pelas outras meninas das suas relações. A grande fita do laço, mais larga que ata as restantes, é oferecida pela mãe ou pela namorada comprometida. A razão do compromisso entre o masculino e o feminino que neste acto público se exprime está ligado à relação social e de maternidade .
  13. 13. É o centro das Nicolinas e realiza-se sempre na tarde do dia 6 de Dezembro, com um cortejo de apresentação dos jovens mascarados e travestidos, que percorre as ruas da cidade e antecede o erguer das lanças com a maçã na ponta à procura da "prenda" especial daquela menina ou dama por quem o jovem arde de paixão, no coração do centro histórico : a Praça de Santiago e o Largo da Oliveira.
  14. 14. Maçãzinhas 1927
  15. 15. As danças começaram por ser apresentadas em cena pública no Rossio do Toural; na Praceta do Convento das Claristas ou nos Pátios e casas Senhoriais. A exploração de Comédias e Danças pelos escholásticos e sua organização possibilitaram a construção da Capela de S. Nicolau anexa à Colegiada e hoje novamente restaurada DANÇAS
  16. 16. Novenas de Azurei ou de Azurem, foram implantadas enquanto hábito cultural no séc. XVIII pela obrigação de realizar missas cantadas todos os anos, a 7 e 8 de Dezembro NOVENAS
  17. 17. Em tempos mais recentes as Novenas e Matinas eram repetidas dia a dia até ao fim da festa e mantendo o seu imaginário temporal, tinham um percurso feito pelos jovens em direcção à cidade, trazendo com eles tudo o que fosse de comer que entregavam à senhora Aninhas ou na Casa dos Pobres.
  18. 18. BAILE DA SAUDADE Uma noite onde com rigor e protocolo se realiza uma ceia e um baile de reencontro de amigos e de companheiros de outros tempos onde pontificam as recordações dos amores e paixões que se entregam com saudade e como herança às gerações mais novas A música de outros tempos, de todos os tempos, paira no ar à mistura com as conversas discretas, as gargalhadas brejeiras e os sorrisos de saudade.
  19. 19. MOINAS Eram oferecidas pelas vendas ou pelas casas de Velhos Nicolinos aos jovens tocadores de caixas e bombos Figos de ceira; Maçãs; Broa; Nozes; Castanhas; Bacalhau demolhado com cebola; Cebola com sal e tremoços e sempre a Malga de tinto a acompanhar. Em algumas casas mais abundantes era acrescentada a Bola de Carne
  20. 20. Festividades Religiosas Desde 1691 que a “Irmandade de São Nicolau”, de que são irmãos todos os nicolinos e vimaranenses em geral, tem tido um papel fundamental na manutenção do culto ao Padroeiro dos Estudantes.
  21. 21. Actualmente celebra-se missa em honra de S. Nicolau, na Igreja da Oliveira, no domingo mais próximo do dia 6 de Dezembro, seguida de procissão para a capela do Santo. Tem a participação dos irmãos, estudantes novos e velhos e os populares em geral. A eucaristia e a procissão são acompanhadas pelo toque das novenas.

×