Bebé ano zero, Marie-Claude Monchaux,
Ed. Paulistas, 1977.
O meu nome é Mariazinha,
sou uma menina de dois anos.
Esta é a minha mãezinha.
O papá é muito forte.
Antes que eu
nascesse, na
minha família só
havia meninos:
O António…
O José…
E muitos primos:
tantos, que não posso
apresentá-los a todos.
Numa palavra:
quando cheguei, tornei-me a rainha da
casa.
Por ocasião do meu segundo aninho,
a minha tia Rosa desenhou um livro:
é a história do meu nascimento.
Mas vede bem todas
...
Eles quiseram ter
um bebé.
Era uma vez um rapaz e
uma rapariga. Eles
amavam-se. Decidiram
viver juntos e casaram.
Eram o p...
Um dia a mamã ficou a saber
que eu estava no seu ventre,
bem escondidinha. Estávamos
nos fins do Inverno.
São necessárias três estações para que um bebé
nasça. Eles esperavam-me para o Outono. “Ainda falta
tanto tempo”! Dizia a ...
Crescia…
Crescia…
Crescia…
E neste tempo eu
estava lá dentro,
pequenina, assim:
Nos últimos dias de
Fevereiro eu era mais
pequena que uma
ervilha.
No início da
Primavera eu
era ainda tão
pequenina!
Tão pequenina
que poderiam
vestir-me com as
cinco pétalas de
um narciso.
Quando começou
o Verão,
eu era
deste
tamanho:
Nos finais de Julho as
rosas ainda estavam
em flor. Mas eu não
sabia ainda o que era
uma rosa.
Quando chegou o
Outono,
a natureza ia começar a
dormir: eu, porém, ia
conhecer a luz do
mundo!
“Desenhe-me como eu era dentro
da mamã”, pedi eu.
“Tu eras assim”.
“E como faz o bebé para sair?”
“Por entre as pernas da ...
“Vai ser um menino…”
Sonhava a mamã.
“Um menino como este?”
“Ou uma menina
loirinha,
Loirinha como uma sereia?”
Dizia o papá.
E quando eu nasci…
Não era
exactamente
como eles
sonhavam!
Mas eles acharam-me mil vezes mais
bonita.
Não se cansavam de olhar para mim.
A mamã e eu ficámos alguns
dias na maternidade.
Depois, voltámos
para casa, com o
papá.
A mamã alimentava-me com o seu leite.
Todas as mamãs, quando nasce um bebé,
têm le...
“Todas as crianças do mundo nascem assim?”
-Sim, todas!
As que têm
a pele branca e os cabelos loiros.
As que vivem nuazinhas,
em regiões desconhecidas,
Todas!
As que as mamãs trazem
às costas:
criancinhas de pele escura…
… criancinhas de pele amarela.
As criancinhas que brincam ao
sol, quando aqui é noite e tu
estás a dormir.
Os meninos e as meninas de outrora…
o papá;
a mamã;
o avô;
a avó
e eu
também!
E TODOS os adultos,
quando eram pequenos:
E vós também!
Sim, também vós, que estais a
olhar para estes desenhos.
Vós também nascestes assim!
Acabei
de
vos
contar
a
história
da
Mariazinha.
Adeus!
Bebé ano zero
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Bebé ano zero

459 visualizações

Publicada em

Educação Sexual

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
459
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Bebé ano zero

  1. 1. Bebé ano zero, Marie-Claude Monchaux, Ed. Paulistas, 1977.
  2. 2. O meu nome é Mariazinha, sou uma menina de dois anos.
  3. 3. Esta é a minha mãezinha.
  4. 4. O papá é muito forte.
  5. 5. Antes que eu nascesse, na minha família só havia meninos: O António…
  6. 6. O José…
  7. 7. E muitos primos: tantos, que não posso apresentá-los a todos. Numa palavra: quando cheguei, tornei-me a rainha da casa.
  8. 8. Por ocasião do meu segundo aninho, a minha tia Rosa desenhou um livro: é a história do meu nascimento. Mas vede bem todas as páginas: é também a vossa história.
  9. 9. Eles quiseram ter um bebé. Era uma vez um rapaz e uma rapariga. Eles amavam-se. Decidiram viver juntos e casaram. Eram o papá e a mamã. Era uma vez um rapaz e uma rapariga. Eles amavam-se. Decidiram viver juntos, e então casaram. Eram o papá e a mamã.
  10. 10. Um dia a mamã ficou a saber que eu estava no seu ventre, bem escondidinha. Estávamos nos fins do Inverno.
  11. 11. São necessárias três estações para que um bebé nasça. Eles esperavam-me para o Outono. “Ainda falta tanto tempo”! Dizia a mamã. Entretanto, Lentamente, O seu ventre crescia…
  12. 12. Crescia…
  13. 13. Crescia…
  14. 14. Crescia…
  15. 15. E neste tempo eu estava lá dentro, pequenina, assim: Nos últimos dias de Fevereiro eu era mais pequena que uma ervilha.
  16. 16. No início da Primavera eu era ainda tão pequenina! Tão pequenina que poderiam vestir-me com as cinco pétalas de um narciso.
  17. 17. Quando começou o Verão, eu era deste tamanho:
  18. 18. Nos finais de Julho as rosas ainda estavam em flor. Mas eu não sabia ainda o que era uma rosa.
  19. 19. Quando chegou o Outono, a natureza ia começar a dormir: eu, porém, ia conhecer a luz do mundo!
  20. 20. “Desenhe-me como eu era dentro da mamã”, pedi eu. “Tu eras assim”. “E como faz o bebé para sair?” “Por entre as pernas da mamã, por uma pequena abertura que há em todas as meninas, mas não nos meninos”.
  21. 21. “Vai ser um menino…” Sonhava a mamã. “Um menino como este?”
  22. 22. “Ou uma menina loirinha, Loirinha como uma sereia?” Dizia o papá.
  23. 23. E quando eu nasci… Não era exactamente como eles sonhavam!
  24. 24. Mas eles acharam-me mil vezes mais bonita. Não se cansavam de olhar para mim.
  25. 25. A mamã e eu ficámos alguns dias na maternidade.
  26. 26. Depois, voltámos para casa, com o papá. A mamã alimentava-me com o seu leite. Todas as mamãs, quando nasce um bebé, têm leite para ele.
  27. 27. “Todas as crianças do mundo nascem assim?” -Sim, todas! As que têm a pele branca e os cabelos loiros.
  28. 28. As que vivem nuazinhas, em regiões desconhecidas,
  29. 29. Todas! As que as mamãs trazem às costas: criancinhas de pele escura…
  30. 30. … criancinhas de pele amarela.
  31. 31. As criancinhas que brincam ao sol, quando aqui é noite e tu estás a dormir.
  32. 32. Os meninos e as meninas de outrora…
  33. 33. o papá; a mamã; o avô; a avó e eu também! E TODOS os adultos, quando eram pequenos:
  34. 34. E vós também! Sim, também vós, que estais a olhar para estes desenhos. Vós também nascestes assim!
  35. 35. Acabei de vos contar a história da Mariazinha. Adeus!

×