Consumo responsável

433 visualizações

Publicada em

O consumo responsável consiste na escolha de bens, que durante a sua produção, distribuição e venda tiveram cuidados sociais e ambientais especiais para com as presentes e futuras gerações: todos os processos não envolveram a exploração de seres humanos, trabalho infantil, sofrimento animal, esgotamento dos recursos e não provocaram danos ambientais. Não colocaram o lucro à frente das pessoas e do ambiente. Também implica que o consumidor siga a política dos 3R+1 – Reduzir o consumo; Reutilizar bens ainda funcionais, reparados ou disponibilizados para troca ou aquisição de baixo custo; Reciclar tudo o que é possível e adquirir de preferência produtos que incorporem elementos reciclados. Por fim, Repensar a aquisição de
determinado bem, refletindo sobre a sua real necessidade.

Publicada em: Meio ambiente
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
433
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
14
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Consumo responsável

  1. 1. 74 O Instalador Set'15 www.oinstalador.com Opinião AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS Consumo Responsável Mais de três quartos das florestas do mundo foram devastadas para alimentar o nosso consumismo, e ainda assim não há um fim. Vamos para a guerra para assegurarmos reservas de petróleo e outros recursos naturais, de forma a podermos continuar a consumir. E agora apenas desejamos encontrar uma tecnologia miraculosa qualquer que permita contornar as consequências do nosso consumismo. Mas o consumismo livre de consequências é uma ideia que não existe. Satish Kumar Texto_Jorge Moreira [Ambientalista] Fotos_Ana Clara Mercado de Olhão
  2. 2. O Instalador Set'15 www.oinstalador.com 75 Opinião AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS garantir esses bens e serviços, apareceram empresas produtoras e distribuidoras que, na sua maioria, têm como principal objeti- vo, não a satisfação das necessidades dos clientes, mas aproveitarem esse ensejo para obterem o lucro próprio que advém do ser- viço prestado. Supostamente, quanto mais produzirem ou venderem, mais lucram. Mas o lucro também poderá resultar de ou- tros fatores: vender mais caro quando não existe concorrência ou introduzir técnicas que aumentam a produtividade e diminuem as perdas. Entre as últimas, encontram-se por exemplo a utilização de agentes tóxicos e a substituição da mão de obra, com consequências socioambientais graves. Quando uma produtora de cereais utiliza sistemas de monocultura de organismos geneticamente modificados, com a utiliza- ção de fertilizantes e pesticidas químicos e substitui os colaboradores qualificados por mão de obra barata ou mecanizada, o objetivo da empresa é o lucro a todo o cus- to, independentemente da saúde pública, dos danos ambientais ou dos problemas sociais derivados do desemprego ou do emprego precário. Os problemas provoca- dos podem ser mais graves do que apa- rentam se forem analisados numa escala temporal alargada. Carcinomas e doenças genéticas que aparecem em indivíduos ou em famílias mais tarde e sem causa aparente podem ter sido provocados pelo consumo de OGM ou pelo contato com os agrotóxicos. Quando uma empresa deste calibre tem leis do Estado que permitem estas técnicas abusivas, poderá pensar-se que a classe política que legisla é ignorante ou está comprometida com a empresa em questão. Paralelamente, muitas empresas similares vendem os seus produtos como o pináculo da perfeição, recorrendo à pu- blicidade, comprometendo investigadores ou adquirindo meios de informação. As massas são inundadas com imagens-força sobre a suposta felicidade obtida através da aquisição de determinados produtos, que ajudam a engordar os cofres das em- presas e dos seus donos. O cúmulo que existe hoje é a situação invertida: políticas que dão mais importância às empresas e ao lucro, em nome de uma economia irreal, do que às necessidades das pessoas ou do Planeta. Na segunda edição do CIDADEMAIS, um evento dedicado às questões ambientais realizado em julho último no Porto, teve como tema central o consumo respon- sável. Numa sociedade marcada pelo consumismo e pelas consequências socioambientais inerentes, o tema esco- lhido pela organização não podia ser mais pertinente. O CIDADEMAIS debate-se pelo desenvolvimento sustentável, com especial atenção à realidade citadina, onde o pro- blema é potenciado, promovendo a ado- ção de comportamentos e atitudes mais responsáveis, envolvendo a cooperação entre cidadãos, empresas e instituições, integrando ideias, propostas alternativas e projetos concretos que rumem à transição necessária. O consumo consiste na aquisição de bens ou serviços que satisfaçam determinadas necessidades ou desejos especiais. Para O consumismo surgiu como o graal da economia vigente. Mas o consumo não é consumismo nem o lucro deve ser o objetivo principal das empresas. Também não precisamos de cair no extremo de adquirir só o indiscutivelmente necessário para suster uma vida ou que as empresas não precisam de obterem lucro. Existe um caminho do meio. O lucro q.b. pode ser im- portante para melhorar alguns aspetos da empresa, como a ecoeficiência, melhores condições para os seus colaboradores e comunidades locais e as pessoas também necessitam de cultura, de se divertirem, de viajarem, de viverem uma vida plena.Tudo isto é possível através de uma conduta socioambiental mais responsável. Como clientes, basta fazermos escolhas cons- cientes, eticamente coerentes e sustentá- veis, ou seja, consumir responsavelmente. O que é o consumo responsável? O consumo responsável consiste na esco- lha de bens, que durante a sua produção, distribuição e venda tiveram cuidados sociais e ambientais especiais para com as presentes e futuras gerações: todos os processos não envolveram a exploração de seres humanos, trabalho infantil, sofrimento animal, esgotamento dos recursos e não provocaram danos ambientais. Não colo- caram o lucro à frente das pessoas e do ambiente. Também implica que o consu- midor siga a política dos 3R+1 – Reduzir o consumo; Reutilizar bens ainda funcionais, reparados ou disponibilizados para troca ou aquisição de baixo custo; Reciclar tudo o que é possível e adquirir de preferência produtos que incorporem elementos reci- clados. Por fim, Repensar a aquisição de determinado bem, refletindo sobre a sua real necessidade. Como devemos proceder? Vários movimentos têm surgido como uma contracorrente hegemónica que abraçam o consumo responsável. Movimentos de transição, decrescimento, simple living, slow living, permacultura, vegetarianos,
  3. 3. 76 O Instalador Set'15 www.oinstalador.com Opinião AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS escolhas por produtos locais e da época, facilmente disponíveis em mercados tradi- cionais - não estamos só a ajudar a eco- nomia local, muitas vezes de subsistência, como a contribuir para minorar os impactes ambientais provenientes do transporte, conservação e armazenamento necessário de bens transacionados à escala global. De preferência, optarmos sempre que possível por produtos de origem biológica e de comércio justo. Teremos mais garantias da qualidade do bem, dos cuidados sociais e ambientais tidos em conta durante a sua produção e da justeza do preço. Da mesma forma, bens que incluem o eco- design serviços certificados com chancelas ambientais ou procedentes de economias solidárias, responsáveis e verde devem ser sempre preferidas no ato da aquisição. Se tivermos um pequeno espaço ao ar livre, mesmo sendo um jardim, podemos plantar árvores de fruto e adaptar parte do espaço à plantação hortícola. São imensos os testemunhos positivos de pessoas que produzem parte dos alimentos que con- somem, ora como terapia contra o stress, ora por saberem a qualidade e o cuidado despendido daquilo que comem. Simulta- neamente, deixam de comprar os produtos que produzem. Quem não tem espaço pode optar pelas hortas comunitárias, tão em moda, ou aproveitar janelas e varandas para plantaram em vasos ervas aromáti- cas, alfaces, tomateiros, etc., até onde a imaginação, a arte e a natureza permitam. O que devemos sempre evitar? Os problemas ambientais, como a emissão maciça de poluentes e gases com efeito de estufa, bem como a destruição da natureza silvestre, têm origem no fornecimento dos bens e serviços que sustêm a sociedade contemporânea. Como a sociedade somos nós, há um caminho esperançoso capaz de mudar este panorama doentio. Podemos ecosóficos e alguns espiritualistas, optam por uma vida mais simples, livre do consu- mismo e desprendida do culto da posse. Uma vida redirecionada para o ser, para os valores, para o respeito e o cuidado por todos os seres, para a vivência de experiências mais reais, no contato com os outros e a natureza, para a partilha de saberes, bens e serviços, para a comu- nhão com os elementos da Vida. Muitas ecocomunidades vivem esse espírito e são laboratórios na arte de viver. Independentemente da importância dos movimentos existentes para a sustentabi- lidade, muitos deles exigem uma mudança tão radical nas nossas vidas, que torna impossível conciliá-la com determinados compromissos familiares. Todavia, cada um de nós pode realizar compras de forma mais consciente. Ficar alerta perante as promoções que as grandes superfícies ofe- recem e não cair na armadilha de comprar produtos que têm pouca ou nenhuma utili- dade para nós. Devemos orientar as nossas
  4. 4. O Instalador Set'15 www.oinstalador.com 77 Opinião AMBIENTE E ENERGIAS RENOVÁVEIS sociedade. Os resultados mais visíveis são o esgotamento dos recursos naturais e a dissolução do mundo natural. Mas não é só a natureza que sofre as inferências de uma economia sem ética. A destruição dos sonhos das pessoas de poderem viver uma vida mais livre para passarem a reféns de um sistema que engorda gestores egocentrados, não é só desumana, como é eticamente reprovável. Quase ninguém consegue fugir ao sistema. Não há espaço para os livres-viver ou para a natureza selvagem. As poucas reservas naturais que ainda subsistem são azo de ganância por parte das grandes corporações, que olham para elas exclusivamente de forma utilitária, como redutos ainda a serem domados. O panorama agrava-se diariamente com a perpetuação das políticas neoliberais e educativas vigentes, o controlo dos media e o aumento da população mundial. Um cidadão consciente e sensível é aquele que consegue contrariar esta tendência de mercantilizar tudo. Que não olha para as outras entidades humanas e naturais como máquinas de lucro, mas com cuidado, res- peito e valor intrínseco. Que tem a norteá-lo princípios éticos fundamentais que se tra- duzem em escolhas responsáveis no seu dia-a-dia. Sejamos esse cidadão e possa- mos ainda diminuir a tralha que nos rodeia e absorve parte da nossa vida e economia, optando por uma vida mais simples e autêntica. Abrandar o nosso ritmo de vida, para sentir o momento na sua plenitude, o raio de sol que beija a nossa face, o aroma embelezado que se solta da flor, o bailado sonoro do canto dos pássaros. Será um pouco difícil, senão impossível usufruir destes momentos num shopping ou com uma mente absorta de objetos desejados. Sejamos a mudança. Paz a todos os seres. evitar ou diminuir o consumo de produtos que contribuem amplamente para as alterações climáticas, e.g., agropecuários, processados, de origem longínqua ou relacionados com os combustíveis fósseis. Também é possível acautelar a origem de bens e serviços que pretendemos adquirir, rejeitando aqueles que se encontram rela- cionados com o esgotamento dos stocks, a diminuição da biodiversidade, a extinção de espécies, a introdução de exóticas ou que contenham OGM e químicos nocivos. Por último, devemos boicotar qualquer atividade ligada à exploração humana e animal, à insegurança alimentar e que não respeite os direitos dos consumidores. A velha ideia de uma economia de cres- cimento infinito num planeta de recursos finitos, fornecida por uma academia alienada da realidade e alimentada por uma classe política predatória, continua a perpetuar na Foto_Arquivo

×