A Sociedade no Século XIX

90.661 visualizações

Publicada em

3 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
90.661
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
179
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
824
Comentários
3
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Sociedade no Século XIX

  1. 1. A sociedade no século XIX<br />Carlota Carlos, 8ºC (Maio’ 2010)<br />
  2. 2. As alterações na sociedade<br />A revolução liberal de 1820 e a politica de desenvolvimento, iniciada pelos governos liberais, levou a uma nova organização social.<br /><ul><li>A nobreza e o clero perderam muitas das suas regalias, apesar de continuarem a possuir muitas terras.
  3. 3. A burguesia transformou-se no grupo social mais importante na sociedade portuguesa do século XIX. Aumentou a sua riqueza, com o comércio, a indústria e a actividade bancária.
  4. 4. O povo passou a ter perante a lei, os mesmo direitos e deveres que os outros grupos sociais.</li></li></ul><li>O século da burguesia<br /> O século XIX foi o século de ouro da burguesia. Era o grupo social mais importante da cidade. Os burgueses destacavam-se pela sua riqueza e pelos cargos e profissões que desempenhavam: industriais, banqueiros, comerciantes, militares, membros do Governo, professores, médicos, advogados e funcionários públicos. A alguns burgueses mais ricos, o rei concedeu-lhes títulos de nobreza: títulos de visconde, conde, barão. <br /> Com o tempo, os burgueses desinteressavam-se pelos títulos e procuravam mostrar que as pessoas valiam pelo seu trabalho, inteligência e sucesso profissional e não por aquilo que herdavam. A alta burguesia habitava ricas e luxuosas moradias, rodeadas de jardins, situadas muitas vezes nos arredores da cidade. A classe média, grupo de burgueses menos endinheirados, habitava nos novos bairros em confortáveis andares.<br />
  5. 5. A alimentação<br />A alimentação da burguesia e da nobreza era abundante e variada. Qualquer família burguesa ou aristocrata fazia quatro refeições por dia – o pequeno almoço, o almoço, o lanche e o jantar. Apreciavam muito os pratos de carne e os doces – compotas, pudins, bolachas. Nas pastelarias e cafés, eram os maiores consumidores de chá, café, refrescos e gelados.<br />
  6. 6. O vestuário<br />O vestuário da alta burguesia e da nobreza era idêntico. Damas e Cavalheiros vestiam-se segundo a moda francesa e os grandes armazéns de Lisboa e do Porto encomendavam de Paris as suas colecções. Assim faziam os “Armazéns do Chiado”, o “Grandela” ou a “Casa Africana”<br />
  7. 7. As senhoras…<br />usavam vestidos compridos até aos pés. As mangas eram tufadas e, nos vestidos de baile, os decotes eram grandes. Na cabeça, o chapéu era indispensável, mas, em dia de festa, podia ser substituído por flores e rendas. Tinham um cuidado especial com os penteados, o pó-de-arroz e os perfumes.<br />
  8. 8. Os homens As crianças<br /> Usavam calças e sobrecasaca ou paletó. Não dispensavam o colete e, ao pescoço, lenço ou gravata. Preocupavam-se com o bigode encerado, as patilhas, o alfinete de gravada e a bengala.<br /> Meninos ou meninas vestiam de igual até aos 6 anos. Depois dessa idade o seu vestuário era igual ao dos adultos.<br />
  9. 9. Momentos de lazer<br />Nos momentos de lazer, tanto os burgueses como os nobres tinham divertimentos próprios. Eram os principais frequentadores dos jardins – o Passeio Público, em Lisboa, ou o jardim de S. Lázaro no Porto , do teatro, da ópera, os jogos de salão, dos bailes, dos clubes e dos cafés. <br /> Os teatros D. Maria II e S. Carlos, em Lisboa, e o S. João, no Porto, eram os teatros mais luxuosos da época. Entre os cafés ficaram célebres o Guichar e o Águia d’Ouro, no Porto, e o Marrare e o Nicola, em Lisboa. <br /> No verão, as famílias burguesas faziam piqueniques, davam passeios de bicicleta e “iam a banhos” ou às termas.<br />
  10. 10. Teatro D. Maria II<br />Teatro S. Carlos <br />Ida à praia <br />Café Nicola<br />
  11. 11. O passeio Público<br />O passeio público era, na época, um parque ajardinado delimitado por um gradeamento. Funcionava como um lugar de encontro das pessoas da cidade. Aí se juntavam aos domingos e nos dias de semana, ao fim da tarde, para ouvir música tocada nos coretos ou, simplesmente, para passear e conversar.<br />
  12. 12. FIM!<br />Bibliografia: <br />Manual de História, Históriae Geografia de Portugal.<br />Trabalho realizado por:<br />Carlota Carlos, 8ºC (Maio’ 2010)<br />

×