Aula praticas integrativas

464 visualizações

Publicada em

promoção da saúde

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
464
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula praticas integrativas

  1. 1. PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES NO SUS
  2. 2. Perfil de mortalidade, 1930-2000- Brasil Mortalidade D. Infecciosas e Parasitárias: 46% em 1930, 5% em 2001 D. cardiovasculares: 12% em 1930, 31% em 2001 Neoplasias: 4% em 1930 12,5% em 2001 Causas Externas: 4% em 1930 12% em 2001 Evolução da mortalidade proporcional por grupos de causas. Brasil*, 1930-2000 50 45 40 35 30 25 20 15 10 5 0 1930 1940 1950 1960 1970 1980 1985 1990 1995 2000 DCV DIP NEO CE % * Até 1970, os dados referem-se apenas às capitais Fonte Barbosa da Silva e cols. In: Rouquairol & Almeida Filho: Epidemiologia & Saúde, 2003 pp. 293.
  3. 3. Prevalência de Fatores de Risco-DCD IInnaattiivviiddaaddee ffííssiiccaa 4477,,44%% EExxcceessssoo ddee ppeessoo 4400,,88%% CCoonnssuummoo ddee FF//LL//VV << 55xx//sseemmaannaa 3355,,00%% EExxppoossiiççããoo aammbbiieennttaall aaoo ttaabbaaccoo 2233,,00%% HHiippeerrtteennssããoo aauuttoo--rreeffeerriiddaa 2211,,99%% CCoonnssuummoo ddee ttaabbaaccoo 2200,,88%% OObbeessiiddaaddee 1100,,00%% DDiiaabbeetteess aauuttoo--rreeffeerriiddaa 55,,44%%
  4. 4. Ao sedentarismo se atribui: • 52% da hipertensão arterial; • 48% das doenças cardiovasculares; • 14% do diabetes; • 16% do câncer de colon e 10% do câncer de mama.
  5. 5. Atividade Física Geralmente é definida como “qualquer movimento associado à contração muscular que faz aumentar o dispêndio de energia acima dos níveis de repouso”, segundo as orientações da união européia para a atividade física
  6. 6. PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA Junho de 2003 – Constituição de Grupo de Trabalho no Ministério da Saúde com o objetivo de elaborar a Política Nacional de Medicina Natural e Práticas Complementares – PMNPC ou apenas MNPC – no SUS (atual PNPIC); Subgrupos – Medicina Tradicional Chinesa/acupuntura Homeopatia Fitoterapia Medicina Antroposófica
  7. 7. PNPIC - OBJETIVOS  Incorporar e implementar a PNPIC no SUS, na perspectiva da prevenção de agravos e da promoção e recuperação da saúde, com ênfase na atenção básica, voltada para o cuidado continuado, humanizado e integral em saúde. Contribuir para o aumento da resolubilidade do Sistema e para a ampliação do acesso às PIC, garantindo qualidade, eficácia, eficiência e segurança no uso.
  8. 8. PNPIC - OBJETIVOS  Promover a racionalização das ações de saúde, estimulando alternativas inovadoras e socialmente contributivas para o desenvolvimento sustentável de comunidades.  Estimular as ações referentes ao controle/participação social, promovendo o envolvimento responsável e continuado dos usuários, gestores e trabalhadores, nas diferentes instâncias de efetivação das políticas de saúde.
  9. 9. Práticas Integrativas e Complementares no SUS DIRETRIZES
  10. 10. DIRETRIZES GERAIS 1. Estruturação e Fortalecimento da Atenção em Práticas Integrativas e Complementares no SUS 2. Desenvolvimento de estratégias de qualificação em Práticas Integrativas e Complementares para profissionais no SUS em concordância com os princípios da Política Nacional de Educação Permanente. 3. Fortalecimento da participação social;
  11. 11. DIRETRIZES GERAIS - PIC 4. Divulgação e informação dos conhecimentos básicos das PIC para profissionais de saúde, gestores e usuários do SUS, considerando as metodologias participativas e o saber popular e tradicional. 5. Estímulo às ações intersetoriais, buscando parcerias que propiciem o desenvolvimento integral das ações. 6. Garantia de acesso a medicamentos homeopáticos e fitoterápicos na perspectiva da ampliação da produção pública, assegurando as especificidades da assistência farmacêutica nestes âmbitos na regulamentação sanitária.
  12. 12. DIRETRIZES GERAIS - PIC 7. Garantia do acesso aos demais insumos estratégicos com qualidade e segurança das ações; 8. Incentivo a pesquisa em Práticas Integrativas e Complementares com vistas ao aprimoramento da Atenção a Saúde, avaliando eficiência, eficácia e efetividade dos cuidados prestados; 9. Desenvolvimento de ações de acompanhamento e avaliação das Práticas Integrativas e Complementares, para instrumentalização de processos de gestão; 10. Promoção de Cooperação Nacional e Internacional com o objetivo de intercâmbio de experiências nos campos da Atenção, Educação Permanente e Pesquisa.
  13. 13. DIRETRIZES ESPECÍFICAS
  14. 14. MTC/ACUPUNTURA Premissa: desenvolvimento da Medicina Tradicional Chinesa-acupuntura em caráter multiprofissional, para as categorias profissionais presentes no SUS, e em consonância com o nível de atenção. 1. Estruturação e fortalecimento da atenção em MTC-acupuntura no SUS, com incentivo à inserção da MTC-acupuntura em todos os níveis do sistema com ênfase na atenção básica. Para toda inserção de profissionais que exerçam a acupuntura no SUS será necessário o título de especialista”. 2. Desenvolvimento de estratégias de qualificação em MTC/acupuntura para profissionais no SUS, consoante à Política Nacional de Educação Permanente 3. Divulgação e informação dos conhecimentos básicos da MTC/acupuntura para usuários, profissionais de saúde e gestores do SUS.
  15. 15. MTC/ACUPUNTURA 4. Garantia do acesso aos insumos estratégicos para MTC/Acupuntura na perspectiva da garantia da qualidade e segurança das ações. 5. Desenvolvimento de ações de acompanhamento e avaliação para MTC/acupuntura. 6. Integração das ações da MTC/acupuntura com políticas de saúde afins 7. Incentivo à pesquisa com vistas a subsidiar a MTC/acupuntura no SUS como nicho estratégico da política de pesquisa no Sistema. 8. Garantia de financiamento para as ações da MTC/acupuntura.
  16. 16. HOMEOPATIA Premissa: desenvolvimento da Homeopatia em caráter multiprofissional, para as categorias profissionais presentes no SUS, e em consonância com o nível de atenção. 1. Incorporação da homeopatia nos diferentes níveis de complexidade do Sistema, com ênfase na atenção básica, por meio de ações de prevenção de doenças e de promoção e recuperação da saúde. 2. Garantia de financiamento capaz de assegurar o desenvolvimento do conjunto de atividades essenciais à boa prática em homeopatia, considerando as suas peculiaridades técnicas. 3. Garantia do acesso ao usuário do SUS do medicamento homeopático prescrito na perspectiva da ampliação da produção pública.
  17. 17. HOMEOPATIA 4. Apoio a projetos de formação e educação permanente, promovendo a qualidade técnica dos profissionais e consoante com os princípios da Política Nacional de Educação Permanente. 5. Acompanhamento e avaliação da inserção e implementação da atenção homeopática no SUS. 6. Socializar informações sobre a homeopatia e as características da sua prática, adequando-as aos diversos grupos populacionais 7. Apoiar o desenvolvimento de estudos e pesquisas que avaliem a qualidade e aprimorem a atenção homeopática no SUS.
  18. 18. FITOTERAPIA 1. Estabelecimento de política de financiamento para o desenvolvimento de ações voltadas à implantação das plantas medicinais e da fitoterapia no SUS. 2. Incentivo à pesquisa e desenvolvimento de plantas medicinais e fitoterápicos, priorizando a biodiversidade do país. 3. Promoção do uso racional de plantas medicinais e dos fitoterápicos no SUS. 4. Elaboração da Relação Nacional de Plantas Medicinais e da Relação Nacional de Fitoterápicos .
  19. 19. FITOTERAPIA 5. Garantia do acesso a plantas medicinais e fitoterápicos aos usuários do SUS. 6. Formação e educação permanente dos profissionais de saúde em plantas medicinais e fitoterapia. 7. Acompanhamento e avaliação da inserção e implementação das plantas medicinais e fitoterapia no SUS. 8. Fortalecimento e ampliação da participação popular e do controle social
  20. 20. TERMALISMO SOICIAL Incentivo à criação de Observatórios de Saúde onde atualmente são desenvolvidas experiências em Termalismo Social, no âmbito do SUS
  21. 21. MEDICINA ANTROPOSÓFICA Incentivo à criação de Observatórios de Saúde onde atualmente são desenvolvidas experiências em Medicina Antroposófica, no âmbito do SUS Portaria 1600
  22. 22. Prática Corporal e Meditativa Com origem nas culturas tradicionais, pressupõe a integralidade de corpo, mente, espírito e meio.
  23. 23. Prática Corporal e Meditativa na Medicina Tradicional Chinesa: QiGong Qi Gong estático Práticas meditativas Qi Gong dinâmico Práticas corporais
  24. 24. Meditação • A meditação é descrita tradicionalmente como uma experiência vivencial, que não pode ser resumida em um conceito.
  25. 25. Meditação O melhor exercício para a mente é a concentração. E a melhor forma, descoberta pelo homem, de exercitar a concentração é meditação. A meditação é diretamente conectada com a mente.
  26. 26. Meditação A meditação torna possível entendermos o que está acontecendo: Abre campo para o conhecimento dos nossos processos psíquicos; Perceber os condicionamentos e preconceitos; Realizar escolhas com sabedoria;
  27. 27. Meditação Perceber tipos ou níveis de consciência, que ao emergirem, atormentam a mente e o indivíduo; Perceber tipos e níveis de consciência que levam à tranquilidade e à paz; Possibilita executar as atividades da vida com mais presença e qualidade.
  28. 28. Práticas Corporais Se refere à utilização do corpo através de movimentos e posturas adequados, associados com respiração e intenção mental, para se atingir os objetivos desejados.
  29. 29. Prática Corporal (e Meditativa) Na sua execução três ajustes, que devem estar integrados, são fundamentais: •Físico ou Forma; •Mental ou Intenção; •Respiração.
  30. 30. Prática corporal e meditativa FÍSICO (FORMA) Deitado Sentado Em pé
  31. 31. Deitado
  32. 32. Sentado
  33. 33. Em pé - Postura Inicial
  34. 34. Em pé - Passos/movimentos
  35. 35. FORMA Pernas – Cabeça – Coluna – Peito – Ombros – Mãos – Pescoço - Língua - Olhos
  36. 36. Respiração A respiração deve ser suave e ao mesmo tempo profunda e prolongada e coordenada com os movimentos, ajustando-se ao ritmo.
  37. 37. Respiração Principal: Respiração abdominal, com descida do diafragma (como do bêbe)
  38. 38. Intenção mental (Yi Nian) É a “condução do poder de nossa mente em uma direção determinada”.
  39. 39. Prática corporal (Dinâmico) • Guarda grande identidade com a meditação. São complementares. • Apresentam alto índice de adesão dos participantes • Favorece a socialização • Abre campo para adoção de outros hábitos saudáveis
  40. 40. Grupos de Práticas Corporais e Meditativas das Medicinas Tradicionais, segundo as modalidades, nas Unidades de Saúde - SMS- 2010 224 102 102 24 53 25 46 20 14 18
  41. 41. FINANCIAMENTO DA PNPIC ÞFinanciamento para o desenvolvimento de estratégias de qualificação em Práticas Integrativas e Complementares Þ Financiamento para divulgação e informação dos conhecimentos básicos das Práticas Integrativas e Complementares para profissionais de saúde, gestores e usuários do SUS, considerando as metodologias participativas e o saber popular e tradicional. Þ Estruturação física dos serviços relacionados a Práticas Integrativas e Complementares Ministério da Saúde dispõe anualmente de financiamento por meio de convênios a partir de projetos apresentados ao Fundo Nacional de Saúde, cabendo também aos estados e municípios o co-financiamento
  42. 42. FINANCIAMENTO DA PNPIC ÞInserção na tabela SIA/SUS dos códigos de procedimentos complementares à consulta médica em Acupuntura - Sessão de Acupuntura com Inserção de Agulhas - Sessão de Acupuntura - Outros procedimentos (aplicação de ventosas; eletroestimulação; aplicação de laser de baixa potência em acupuntura) Þ Criação dos Códigos de Práticas Corporais em MTC-ACP
  43. 43. FINANCIAMENTO DA PNPIC Þ Criação de incentivo à implantação e melhoria das farmácias públicas de manipulação de medicamentos homeopáticos e/ou fitoterápicos segundo critérios estabelecidos Þ Financiamento para o desenvolvimento de ações voltadas à implantação das plantas medicinais e da fitoterapia no SUS em parceria com outros setores Þ Estímulo à produção de medicamentos fitoterápicos e matrizes de medicamentos homeopáticos pelos laboratórios oficiais.

×