Três Gerações com a Poesia

2.924 visualizações

Publicada em

Poema apresentado no Festival de Poesia do Colégio Marista de Varginha em 24 de outubro de 2009.

Publicada em: Diversão e humor, Educação
2 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.924
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
312
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
2
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Três Gerações com a Poesia

  1. 1. <ul><li>Três Gerações com a poesia </li></ul>
  2. 2. <ul><li>O menino que fui </li></ul><ul><li>Está aqui hoje, presente </li></ul><ul><li>Porque hoje é dia de não faltar </li></ul><ul><li>É dia de o vovô descer das mangueiras </li></ul><ul><li>Com mãos e boca amarelas </li></ul><ul><li>Correr com pés sujos de terra </li></ul>
  3. 3. <ul><li>E assoviar mais fino </li></ul><ul><li>que passarinho. </li></ul><ul><li>É dia de se lembrar que </li></ul><ul><li>há dois Meninos que </li></ul><ul><li>seguem adiante </li></ul><ul><li>Com os poemas que plantei </li></ul>
  4. 4. <ul><li>O menino que criei </li></ul><ul><li>Já deu luz a outro menino </li></ul><ul><li>Que hoje é maior que nós dois </li></ul><ul><li>E radiante segue a trilha da poesia </li></ul><ul><li>(Semente que um dia plantei) </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Nossos poemas crescem </li></ul><ul><li>das dúvidas </li></ul><ul><li>Das questões e </li></ul><ul><li>angústias de todo ser </li></ul><ul><li>Passam pelas mentes </li></ul><ul><li>e saem em revoada </li></ul><ul><li>Buscando sentido </li></ul><ul><li>no amanhecer </li></ul>
  6. 6. <ul><li>São pássaros ou leões? </li></ul><ul><li>Questões, desejos e turbilhões </li></ul><ul><li>Que em cem mil cores tornam-se palavras </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Por alguns anos </li></ul><ul><li>Poucos anos eternos </li></ul><ul><li>Foi com o timbre dele que dormi </li></ul><ul><li>Alguns anos apenas </li></ul><ul><li>Onde o medo não morava </li></ul><ul><li>O bicho-papão não assombrava </li></ul><ul><li>E o silêncio se definia </li></ul><ul><li>Em suave travesseiro de plumas </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Aprendi o pai nosso inteirinho </li></ul><ul><li>E quando repito </li></ul><ul><li>É como se paz houvesse nesse ninho </li></ul><ul><li>Que mais agita que redemoinho </li></ul><ul><li>Que mais se mexe que peixe fisgado </li></ul><ul><li>Que mais dizer de pai tão amado? </li></ul>
  9. 9. É com a voz grossa dele que ainda Me engano um menino brincando E de repente acordo ouvindo O embalo pro meu sono
  10. 10. <ul><li>Já não estou sozinho </li></ul><ul><li>Nem lembro que um dia estive </li></ul><ul><li>Hoje conto no cair das sombras </li></ul><ul><li>Aventuras de Narizinho </li></ul><ul><li>E outras histórias fantásticas </li></ul><ul><li>Para quem preenche com brilho mágico </li></ul><ul><li>Os espaços do dia e da noite </li></ul>
  11. 11. É esse o ofício que aprendi tão firme É esse o lema de nosso pequeno time Não tem onze, são oito a menos que o futebol Fazendo gols de poesia enquanto houver nascer do sol.
  12. 12. A cabeça é nascente de idéias Sabemos em pescaria e arapucas Prender em armadilhas a poesia Que se libera nas páginas malucas
  13. 13. Outras ficam livres, à brisa Aos anjos e Deus Que são nossos melhores leitores
  14. 14. Eu só quero soltar pipas com o vento E pronto Nada de definições Sorrir até o fim do dia E ponto Pra mim, poema sem rima é bola vazia Não tem umazinha nessa poesia?
  15. 15. <ul><li>Esconde-Esconde, vou arriscar: </li></ul><ul><li>Sobre tudo posso desenhar? </li></ul><ul><li>Brinco de play e vou te pegar: </li></ul><ul><li>Porque a estrela cadente vai acabar? </li></ul><ul><li>Aviãozinho de papel até cansar: </li></ul><ul><li>Até onde posso voar? </li></ul>
  16. 16. Dia do aniversário e das crianças Afinal, quantos dias até lá? E o natal... que demora... vou chorar!
  17. 17. <ul><li>Correr com braços abertos de alegria </li></ul><ul><li>É minha forma de ir ligeiro </li></ul><ul><li>Só o meu dileto travesseiro </li></ul><ul><li>Sabe com que brinquedos vou sonhar </li></ul>
  18. 18. Ser poeta é de família? Presente que nasce cedinho? É batida do coração? Hoje esse dom é um brinde Um sorriso completo Um gesto bonito Que dedico a este teatro repleto.
  19. 19. Agradecimento à família MARISTA pela oportunidade... . Johnny Guimarães . Geraldo Guimarães . João Rafael de F. Guimarães

×