Desmistificando
o
desenvolvimento
de jogos no Brasil
Martin Fabichak Glauber Kotaki Thiago “Artemis”
VOCÊ JÁ
FEZ UM
JOGO?
Objetivo
OS MITOS
Trabalhar com jogos =
Trabalhar jogando
Trabalhar com jogos =
Trabalhar onde eu quero
Vou fazer jogos para
console
Não preciso trabalhar
durante a faculdade
Vou ficar rico fazendo
jogo
Quero ser roteirista de
jogos
Game Designer só tem
as idéias
Só o Game Designer tem
as idéias
Construindo um jogo a partir
do roteiro
Estou no Brasil, vou fazer
um jogo sobre Brasil
Quero ser artista
conceitual
Artista só precisa deixar
as coisas mais bonitas
Eu sei programar
Preciso aprender
OpenGL e DirectX
Vou pensando em como
fazer na hora
O Game Designer é quem
controla o projeto
Mas por que trabalhar
com isso, afinal?
www.doublejump.com.br
@doublejumpers
glauber@doublejump.com.br - @unseven
martin@doublejump.com.br - @mfabichak
artemis@do...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Desmistificando o desenvolvimento de jogos no Brasil

1.745 visualizações

Publicada em

Palestra da Semana de Tecnologia de Jogos Digitais da PUC-SP.
Dia: 25/10/2010, segunda feira.
Tema: Desmistificando o desenvolvimento de jogos no Brasil.
Palestrantes: Glauber Kotaki, Martin Fabichak e Thiago Larenas Faria / Kidguru Studios

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.745
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
26
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • MARTIN
    O trabalho com jogos é como qualquer outro trabalho
    Existe sim uma necessidade de referências, mas normalmente são usadas fora do expediente
    Vai da regra da empresa. Tem empresa em que se joga sim. Mas isso não é a realidade
  • ARTEMIS
    Ir para fora do país ou trabalhar em empresas grandes dependem de formação prévia e experiência
    Lá fora tem muito mais cursos de games e com muito mais capacidade do que aqui
    No Japão fala-se japonês (casos recorrentes)
  • MARTIN
    No Brasil, poucas empresas desenvolvem para consoles e são apenas os portáteis ou Wii
    Trabalhar com consoles depende da aprovação das distribuidoras (Sony, Nintendo, Microsoft)
    Sua empresa precisa se licenciar e para isso precisa ter feito outros jogos
  • ARTEMIS
    A única forma de trabalhar com jogo é fazendo jogo
    Jogos indies são uma ótima saída
    Seu primeiro jogo nunca vai ficar bom
  • ARTEMIS
    O mercado do Brasil paga mal funcionários de jogo
    Lá fora a realidade é outra
    Programador>Produtor>Game Designer>Artista
  • GLAUBER
    Essa profissão não existe no mercado brasileiro
    Você precisa se especializar em algo e mostrar interesse nessa área
    Lá fora roteirista é freelancer
  • ARTEMIS
    Game Designer resolve os problemas do projeto
    Game designer é responsável pela documentação do jogo
  • MARTIN
    Qualquer pessoa pode ter idéias, o desafio é desenvolvê-las
    Propor melhorias e soluções pode vir de qualquer um
    Necessário muita referência
  • GLAUBER
    É possível, mas é a forma mais difícil
    Palestra do eduardo spohr (começar um livro pelo esqueleto e não escrever direto)
  • GLAUBER
    Os temas brasileiros não são conhecidos lá fora
    Jogo para vender no Brasil = FAIL (pirataria)
  • ARTEMIS
    Não existe no Brasil
    O artista precisa ser completo, entender de todas as áreas
    Um artista conceitual precisa entender de jogo para poder propor soluções na arte
  • GLAUBER
    Artista é responsável por propor soluções artísticas para problemas, principalmente com performance
    O artista precisa conhecer todos os requisitos do desenvolvimento e adaptar sua arte ao necessário
    Trabalhar com ego
  • MARTIN
    Linguagem e ferramenta
    Anos de estudo para ser um bom programador
    Não reinvente a roda
  • MARTIN
    Programacao de base
    Utilidade desse tipo de programacao no Brasil
    Uso de engine na industria
  • ARTEMIS
    Jogos precisam de uma metodologia de produção
    Scrum / Waterfall
    Não adianta começar se não terminar (passar por todas as fases do processo)
  • MARTIN
    Equipe que dita a velocidade que será feito – Normalmente o gargalo é a programação
    Gerente de projeto é responsável por manter a equipe dentro do plano
    Nunca é possível prever tudo
  • Desmistificando o desenvolvimento de jogos no Brasil

    1. 1. Desmistificando o desenvolvimento de jogos no Brasil
    2. 2. Martin Fabichak Glauber Kotaki Thiago “Artemis”
    3. 3. VOCÊ JÁ FEZ UM JOGO?
    4. 4. Objetivo
    5. 5. OS MITOS
    6. 6. Trabalhar com jogos = Trabalhar jogando
    7. 7. Trabalhar com jogos = Trabalhar onde eu quero
    8. 8. Vou fazer jogos para console
    9. 9. Não preciso trabalhar durante a faculdade
    10. 10. Vou ficar rico fazendo jogo
    11. 11. Quero ser roteirista de jogos
    12. 12. Game Designer só tem as idéias
    13. 13. Só o Game Designer tem as idéias
    14. 14. Construindo um jogo a partir do roteiro
    15. 15. Estou no Brasil, vou fazer um jogo sobre Brasil
    16. 16. Quero ser artista conceitual
    17. 17. Artista só precisa deixar as coisas mais bonitas
    18. 18. Eu sei programar
    19. 19. Preciso aprender OpenGL e DirectX
    20. 20. Vou pensando em como fazer na hora
    21. 21. O Game Designer é quem controla o projeto
    22. 22. Mas por que trabalhar com isso, afinal?
    23. 23. www.doublejump.com.br @doublejumpers glauber@doublejump.com.br - @unseven martin@doublejump.com.br - @mfabichak artemis@doublejump.com.br - @thilafa

    ×