Revista Fé Mística

1.825 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.825
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.378
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revista Fé Mística

  1. 1. Fé Mística Revista OS TEMPLÁRIOSe quem eram esses temidos misteriosos cavaleiros? ORAÇÃO descubra quais são os graus e obstáculos que um momento de prece pode ter JESUS CRISTO uma outra história para o homem que mudou o mundo MESSIANISMO por qual motivo milhares de pessoas acreditam na chegada de um salvador?
  2. 2. EDITORIAL Primeira Ediçao da Revista Fé Mística Por João Ricardo, editor-chefe É com grande entusiasmo e satisfação que escrevo esse primeiro Editorial da Revista Fé Mística, um sonho que, enfim, se tornou realidade. É certo que ainda trata-se de uma revista eletrônica, de suporte ao trabalho realizado no Blog Fé Mística. Mas, ainda assim, é uma grande conquista. Porém, é como dizem, “um passo de cada vez”. Primeiro o blog. Agora a revista eletrônica. Quem sabe em um futuro próximo podemos produzir um impresso ou um trabalho audiovisual. Mas sejamos realistas. A ideia inicial era de oferecer aos leitores do Blog um material inédito e exclusivo. Essa proposta, no entanto, tornou-se inviável. Com isso, adaptei alguns textos, já postados, para o formato de revista. Portanto, o material presente nessa revista não é inédito, porém, está reorganizado para facilitar e otimizar a leitura dos textos do Blog. O melhor exemplo disso é a reunião em um só espaço, contínuo, dos posts com o tema de Templários. As informações sobre o começo, meio e fim da Ordem, assim como outros detalhes, estão no mesmo espaço. Eu desejo uma boa leitura e peço que entrem em contato comigo, para dúvidas, queixas ou sugestões, pelo blog. Um grande abraço
  3. 3. ORAÇÃO
  4. 4. A oração é essencial a todos que cuidam da espiritualidade. Muitas pessoas, no entanto, possuem dificuldade em saber como orar. É verdade que não existe uma técnica única, pois cada um reza da maneira que mais lhe apraz. Mas, segundo alguns místicos, entre eles Santa Teresa de Ávila, é possível classificar a Oração em níveis, que podem variar de pessoa pra pessoa. O primeiro grau O primeiro grau é aquele em que a pessoa ainda não possui a concentração necessária para entrar em Oração. Isso acontece devido à falta de costume e, por consequência, da distração. Os sentimentos ainda estão muito voltados para o que é externo. Não é fácil entrar em contato consigo mesmo e com aquilo que é mais íntimo em si. Mas é preciso persistir. Nenhum esforço será em vão. Aos poucos, começa-se a conversar com Deus sem uma oração formal. Apenas seguindo aquilo que o coração diz. Iniciando-se com reflexões e culminando com o amor ao divino. O segundo grau O segundo grau pode ser chamado de oração de quietude. Nesse estágio, há uma grande tranquilidade para a mente. Paz, satisfação e felicidade são sentidas por aqueles que oram. A alma fica cheia de Deus. Contém plenitude, graça; é bom e agradável ao mesmo tempo. É uma sensação que não pode ser descrita, apenas aproveitada. É um estágio que pode ir e voltar algumas vezes durante a prática da oração. Para alcançá-lo basta abandonar as preocupações com as coisas do mundo, permanecer quieto, sem buscar palavras para agradecer ou demonstrar arrependimentos. Não faça nada, apenas sinta. Essa é a condição para que se possa adentrar no segundo grau de oração. O terceiro grau No terceiro grau, a mente, o pensam ento, a memória e a imaginação ficam muito mais sossegadas. Totalmente entregues à oração. As sensações de felicidade, paz e contentamento são maiores do que no segundo grau. Atinge-se um sentimento de devoção e lágrimas de satisfação podem jorrar no rosto. O quarto grau Nesse grau, há uma união mais estável, intensa e profunda do que a anterior. É como um estado de um imenso êxtase. A mente já não se atrapalha com as coisas mundanas e esse estágio não vai e volta como nos anteriores, a mente fica totalmente entregue à oração. OBSTÁCULOS PARA A ORAÇÃO É muito comum ouvir que a oração é uma forma de se aproximar de Deus. E, de fato, essa frase é correta. Quando se ora, independente da religião, os pensamentos estão voltados à divindade. E, para Deus, são feitas súplicas, agradecimentos, votos, promessas e o quanto mais for necessário para obter satisfação. Acredita-se no divino e se encontra o conforto necessário para uma vida de fé e devoção.
  5. 5. No entanto, assim como se pode rezar de muitas maneiras, também existem muitos obstáculos para a Oração. Para ultrapassá-los é preciso conhecê-los. Os mais comuns e fáceis de serem superados são a preguiça, um local inadequado ou a falta de uma posição confortável. Obstáculos também comuns, porém mais fortes, são a falta de costume, falta de vontade, falta de interesse, falta de satisfação e falta de contentamento. Superá-los vai depender dos reais objetivos que se quer ao orar. Se a busca for errônea ou fantasiosa logo haverá desistência. Entretanto, se houver disciplina e um início gradativo na prática da Oração, logo o costume tornarse-á um importante aliado para superar os obstáculos. Um dia de trabalho cansativo e estressante, como muitos tem por aí, é um obstáculo natural para a Oração. Pois, quando chega em casa, o trabalhador ao invés de orar prefere dormir. Nesse caso, uma boa solução é acordar mais cedo e realizar a Oração pela manhã. Manter-se preparado durante o dia também é muito importante. É preciso aprender a relaxar e ter concentração. Sem ela não pode haver Oração. É necessário, também, ter o controle sobre as emoções, imagens e imaginação. Enfim, é possível perceber que os obstáculos que atrapalham a Oração são os mesmos que atrapalham nossa vida mental. Por isso, a importância da Oração como alimento espiritual na vida das pessoas. Pois orar é se libertar dos próprios defeitos.
  6. 6. DIA MUNDIAL DA RELIGIÃO N o mês de janeiro, mais precisamente no dia 21, comemora-se o dia mundial da religião. Essa é uma data de reflexão sobre a grandiosidade e importância das religiões para a população mundial. A religião está presente na vida do homem desde a pré historia. E, ainda hoje, em pleno século 21, continua viva e atuante em muitos países. Nem mesmo os avanços da ciência e tecnologia foram capazes de enfraquecer as crenças e dogmas que a permeiam. Para muitos, ela é uma ferramenta para entender o mundo. Outros já a veem como uma possibilidade de dominação. Esses, na verdade, estão interessados em usar a fé e boa vontade dos homens para realizar os atos mais espúrios e imorais, como a intolerância e o terrorismo, por exemplo. Mas, ainda assim, a religião é muito importante na vida do ser humano, pois ajuda a formar os valores éticos e morais que permitem uma boa convivência em sociedade. E, por ela, encontram-se respostas para os fenômenos da natureza que agem, direta ou indiretamente, sobre a vida do homem e do planeta. Quanto mais essas respostas se aproximam das crenças de um indivíduo, maior é sua fé, esse grande motor que move as religiões. Realmente é impressionante o que o ser humano é capaz de fazer quando tomado pela fé. Muitas vezes produz aquilo que os católicos chamam de milagres e que cada crença denomina e explica à sua maneira. E é por não cessarem os milagres – a maioria deles inexplicáveis pela ciência – que as crenças religiosas conquistam mais fiéis a cada dia que passa. Hoje, pode-se contar milhares de religiões ao redor do mundo. Mas algumas predominam e influenciam o destino da humanidade. É o caso do Cristianismo, Islamismo, Budismo e Hinduísmo, que juntos somam mais de 4,65 bilhões de fieis. Um número que só tende a aumentar, tamanha a força que essas quatro gigantes religiões possuem no mundo atual. A busca de novos fieis tem sido um dos grandes objetivos mundanos das religiões. Mas não é o único. A migração de uma fé para outra é um dos obstáculos mais atormentadores dos grandes cultos. Sendo assim, manter os fieis tornou-se uma meta muito importante na agenda das principais religiões existentes no mundo. O contrário também é verdadeiro. Para o homem comum, muito mais importante do que ter uma fé é manter-se fiel a ela. Portanto, nesse mês de janeiro cabe a cada representante de sua religião e, também, a cada pessoa que tem ou procura sua fé refletir e ponderar sobre qual o seu papel na construção e edificação da fé, particular ou coletiva.
  7. 7. OS TEMPLÁRIOS
  8. 8. G uerreiros medievais, altamente treinados, que lutavam em prol de um bem maior. Essa pode ser uma definição sobre quem eram os templários. Mas não é a única. A Ordem do Templo, ao longo de quase duzentos anos de história, colecionou lendas e movimentou o imaginário popular medieval. Fato que não é de se admirar, tamanho poder que a Ordem conquistou. Mas para compreender melhor a trajetória desses cavaleiros é necessário entender o que foi a primeira Cruzada. Como o próprio nome diz, as Cruzadas foram guerras em que cristãos lutaram pela sua fé contra o inimigo infiel. Assim, em 1095, atendendo a um apelo do Imperador Aleixo I Comneno, líder do Império Bizantino, o Papa Urbano II convocou a cristandade para libertar Jerusalém do poder islâmico. A partir daí iniciou-se uma série de batalhas que resultaram na conquista da Cidade Santa em 1099. Jerusalém finalmente retornava ao poder dos cristãos. Os conquistadores, porém, em sua maior parte, decidiram voltar para suas residências na Europa. O governante do reino de Jerusalém, Godofredo de Boullion – que faleceu no ano de 1100 – e seu sucessor Balduíno de Boulogne ficaram com poucos homens para manter o reino em segurança, sendo que a maioria desse exército era alocado para proteger a cidade. Com isso, os peregrinos que viajavam da Europa para Terra Santa ficaram desprotegidos. A peregrinação, que aumentara desde a vitória dos cristãos contra os muçulmanos, ainda era perigosa. Muitos viajantes eram assaltados, estuprados ou mortos quando visitavam os lugares sagrados do cristianismo. Nesse contexto surge um nobre chamado Hugo de Payens (a grafia desse nome e do sobrenome pode sofrer variações), ele e mais oito cavaleiros decidiram, em 1118, não apenas defender os peregrinos, como também, seguir uma vida monástica. Foi então que fizeram votos de obediência, pobreza e castidade perante o patriarca da Igreja do Santo Sepulcro, da qual também adotaram a Regra. O rei de Jerusalém, Balduíno II, cedeu um espaço da Mesquita de AlAqsa, local onde era o antigo Templo de Salomão, para os nove cavaleiros, que nesse primeiro momento viviam exclusivamente do que conseguiam arrecadar com doações da nobreza cristã. Quase dez anos depois, em 1127, o Grãomestre Hugo de Payens foi à Europa solicitar que a Ordem fosse reconhecida e oficializada pela Igreja Católica. Para que isso acontecesse foi organizado o Concílio de Troyes. Nele, acalorados debates foram travados entre os diferentes pontos de vistas dos clérigos presentes. Vale ser destacado o papel de São Bernardo de Claraval a favor da oficialização da Ordem. Ele foi um grande defensor dos cavaleiros e do uso da força, caso fosse utilizada em defesa da fé cristã, em uma guerra santa. Nessa ocasião, também, foi redigida a Regra própria da Ordem do Templo, por São Bernardo. Ao longo dos anos, os cavaleiros templários adquiriram força, poder e prestígio. Passaram a prestar contas diretamente ao Papa, ou seja, bispos, abades, cardeais, reis e imperadores não podiam interferir na Ordem. Tinham permissão para arrecadar e usar em proveito próprio o dízimo. Mas não eram obrigados a pagar impostos à Igreja. Ganharam fama em toda Europa e, com isso, recebiam inúmeras doações de terras e tesouros da nobreza cristã. O PODER FINANCEIRO DO TEMPLO
  9. 9. Os primeiros cavaleiros templários sobreviviam das doações realizadas pelos nobres cristãos. Com a fama, inúmeros senhores feudais, de toda Europa, passaram a entregar generosos donativos para a Ordem. Muitos lotes de terrenos foram transferidos para o poder dos templários. Logo, isso os transformou em grandes proprietários de terras, que as gerenciavam com muita sabedoria e perspicácia, visando sempre a geração de recursos para financiar suas tropas no Oriente. Essas doações, no entanto, eram dispersas. Para resolver esse problema, os templários compravam ou permutavam as terras que lhes seriam necessárias. Muitas das terras eram arrendadas ou locadas aos camponeses menos afortunados. Em locais pouco povoados, como na Península Ibérica, eram oferecidas condições especiais para aqueles que trabalhassem em suas terras. Nessa localidade, onde foi feita a reconquista cristã, os Templários chegaram, inclusive, a chamar os mouros para trabalhar em suas propriedades. Em troca era oferecida liberdade de culto aos muçulmanos, mas, também, era exigido que jurassem fidelidade à Ordem do Templo. Cada unidade dos templários era chamada de Comenda. Geralmente essas comendas eram vistas com bons olhos pela população local, já que onde havia uma delas dificilmente haveria falta de alimentos. Mas o importante é que onde havia territórios ou propriedades templárias praticamente não houve fome, desemprego ou insegurança. Na região de Provence, na França, os Templários tinham uma propriedade grandiosa. Lá, muitos camponeses foram contratados para desmatar o solo e trabalhar as zonas pantanosas. Lá, a criação de cavalos e carneiros era imensa. A lã dos carneiros era utilizada para confecção de roupas que depois eram exportadas. A pele era usada na fabricação de sacos, proteção e arreios. Já a carne era salgada e levada à Terra Santa. A Ordem do Templo era proprietária de muitos moinhos e fornos, que locavam a preço muito mais barato do que o de outros senhores. Fora isso, os Templários ainda recebiam impostos, sobre o valor de venda, de praticamente tudo que era produzido e comercializado. Para proteger e incentivar o comércio, os Templários construíram e protegeram diversas estradas e rotas. Dessa forma as mercadorias podiam circular mais rapidamente e sem riscos. Com o comércio evoluindo, foi-se necessário achar um meio de lidar com as finanças. A Ordem mantinha em cada província sua, um irmão tesoureiro para cuidar do dinheiro. A prática de empréstimos em troca de bens depositados na Ordem tornou-se rotineira. Na verdade eram feitos empréstimos por penhora ou por hipotecas. Trabalhavam, também, como banqueiros. Eram criadas contas correntes e todo mês podia-se realizar depósitos nessas contas, ordenar pagamentos e diversos outros serviços bancários. Em troca eram cobradas taxas sobre as transações. Algo semelhante ao que os bancos fazem hoje. A PRISÃO DE JACQUES DE MOLAY Escrever sobre o fim da Ordem do Templo não é uma tarefa fácil. Houve muitos interesses envolvidos e analisar cada um deles seria uma verdadeira dissertação de mestrado. Por isso, nesse espaço será abordado apenas o contexto da prisão de Jacques De Molay – grãomestre da Ordem – o que já é complexo, mas, por outro lado, muito interessante. Para melhor explicar essa prisão é
  10. 10. preciso compreender alguns personagens e cenários da história. O primeiro deles era a situação cristã na Terra Santa. Desde a queda de Acre, último território cristão na região, em 1291, as Ordens militares ficaram desprestigiadas no ocidente. Surgiram correntes de pensamento que pregavam a união da Ordem do Templo com a Ordem do Hospital, para assim surgir uma nova Ordem, maior e mais poderosa. A posição, tanto de uma, quanto de outra, era de serem contrárias a essa fusão. Outros dois personagens relacionados à prisão de De Molay foram: o papa Clemente V e o rei da França, Filipe IV, também chamado de O Belo. Clemente V alcançara seu posto com o apoio de Filipe. O papa tinha um objetivo muito claro em seu pontificado: realizar uma cruzada. Para isso, precisava do apoio dos reis cristãos, principalmente de Filipe IV. Já o rei da França, envolvido em batalhas em seu reino, possuía muitas dívidas e uma economia arrasada pelas guerras. Ele, em atitudes desesperadas, já havia confiscado dinheiro e posses dos judeus e dos lombardos, além de expulsálos de seu reino. Até com a Igreja ele tivera problemas financeiros. Isso resultou em sua excomunhão pelo então papa Bonifácio VIII. Com a ascensão de Clemente V ao papado, Filipe IV passou a cobiçar os bens e propriedades da Ordem do Templo. Mas falaremos disso mais adiante, por enquanto, vamos nos ater aos interesses do papa. A ideia de uma nova cruzada já estava em estágio avançado na Europa. Os principais conselheiros de guerra sugeriram uma investida com tropas menores e mais profissionais. Para isso, contavam com as Ordens do Templo e do Hospital. Mas a preferência era para uma fusão dessas Ordens, pois assim, a ofensiva contra o inimigo seria mais eficiente. No entanto, essas ideias não eram unânimes. Jacques De Molay tinha uma posição contrária a elas. Ele, além de ser contra a fusão das Ordens, defendia uma cruzada com um exército maior, em grande escala, não contando apenas com a capacidade das Ordens militares. Como De Molay era analfabeto, uma conversa direta com o papa seria a melhor maneira de expressar suas estratégias. Clemente V decidiu realizar uma conferência com ele e com o grãomestre da Ordem do Hospital em fins do ano 1306. Porém o papa teve problemas de saúde que o impediram de conferenciar com eles nesse ano, ficando a reunião para o final de 1307. Enquanto isso, o grão-mestre dos Templários suscitou algumas acusações que foram feitas contra a Ordem do Templo e pediu uma investigação ao papa. As acusações foram feitas por cavaleiros expulsos da Ordem, como: Esquin de Floyran, prior de Montfaucon; Bernardo Pelet, prior de Mas-d´Agenais; e Gerard de Byzol, cavaleiro de Gizors. Os Templários foram acusados de homossexualismo, ofensas a Cristo e adoração a um demônio chamado Baphomet, que podia ter a forma de um gato, um crânio, ou uma cabeça com três rostos; entre outras. Para o rei da França essas acusações foram suficientes para ordenar secretamente – nem mesmo o papa havia sido consultado – a prisão de Jacques De Molay e de cerca de 15 mil membros da Ordem em todo reino da França. O papa se sentira extremamente ofendido pela ação unilateral de Filipe IV, porque, além de realizar a prisão de membros de uma Ordem sob autoridade papal, ele ainda utilizara outra instituição eclesiástica, a Inquisição. Na França, ela era usada como um instrumento de coerção pelo Estado, já que o inquisidormor era o confessor do rei Filipe. Com isso, as torturas e as péssimas condições
  11. 11. das prisões foram suficientes para que muitos templários confessassem o que os inquisidores queriam. Ainda mais porque muitos dos presos não eram guerreiros, mas cumpriam outras funções dentro da Ordem, como lavradores, pastores, ferreiros, carpinteiros e mordomos. Logo, Jacques De Molay confessou que negara Jesus Cristo e escarrara em sua imagem. Menos de 1 mês depois da confissão de De Molay, o papa enviou uma carta a todos os reis e príncipes da cristandade pedindo que prendessem todos os templários e mantivessem suas propriedades sob custódia da Igreja. Clemente V enviara a Paris três cardeais para que ouvissem o grão-mestre templário. Ele, no entanto, revogou sua confissão e mostrou as marcas das torturas em seu corpo. Os cardeais perceberam que os templários eram inocentes e que as acusações feitas contra eles não correspondiam à realidade. O processo contra os templários foi suspenso em 1308. Contudo, Jacques De Molay continuava nas mãos do rei. Sua situação – e de alguns outros cavaleiros – era muito complicada, pois segundo as leis da Inquisição, hereges reincidentes deveriam ser queimados na fogueira e esse foi seu destino. Em 1314 ele foi morto em Paris. EM PORTUGAL... Em Portugal, o rei criou uma nova Ordem e transferiu todos os bens dos templários para ela. Surgiu, assim, a Ordem de Cristo. Essa Ordem conservou toda sabedoria marítima dos cavaleiros do Templo e eles investiram muito do seu dinheiro para as navegações. Com isso, foi criada a Escola de Sagres e Portugal tornou-se a maior potência marítima da época. É possível ver a cruz da Ordem de Cristo nas ilustrações das caravelas portuguesas. Cruz essa, por sinal, muito semelhante à cruz dos templários. E um outro dado pode ser somado a todas essas informações: Pedro Álvares Cabral era ele próprio um cavaleiro da Ordem de Cristo. SÃO BERNARDO DE CLARAVAL São Bernardo de Claraval foi um dos grandes homens do catolicismo. Considerado um Doutor da Igreja, participou ativamente de momentos importantes para a sociedade da época. Foi ele quem, no Concílio de Troyes, defendeu a oficialização da Ordem do Templo e escreveu a Regra que os Templários deveriam seguir. Pouco tempo depois, Bernardo redigiu, atendendo a um pedido de Hugo de Payens, Grão-mestre da Ordem, o Elogio à Nova Milícia. Nesse documento o Abade de Claraval contrapõe a cavalaria secular com a nova cavalaria, templária, que é elogiada devido o seu caráter essencialmente cristão e despojado do materialismo mundano. O santo foi um defensor do estilo austero e antimaterialista. Condenou, veementemente, o luxo do qual gozavam alguns monges e bispos. Para ele a vida simples e modesta estaria mais de acordo com o sacerdócio na Igreja. Em uma época que havia dúvidas se cabia ou não aos cristãos derramarem sangue em nome da religião, Bernardo foi um grande defensor da guerra santa. Para ele os cristãos que morriam defendendo sua fé tinham seus pecados perdoados. Com esse argumento ele foi um dos maiores pregadores da segunda cruzada. O santo tinha muita influência dentro da Igreja, pois na Abadia de Claraval haviam passado um papa e diversos bispos e cardeais.
  12. 12. TEMPLÁRIOS NO MUNDO CONTEMPORÂNEO Hoje, há muitas organizações que se dizem herdeiras da antiga Ordem do Templo. A maioria são Ordens que não têm relação alguma com os templários medievais. Mas praticam um novo templarismo adaptando os ideais e códigos das Ordens de Cavalaria para o mundo contemporâneo. Assim, os novos cavaleiros são incentivados a proteger o meio ambiente e os mais fracos; a ter uma vida regrada, sem muitos vícios; ser cristão; ser voluntário; e se oferecer para ajudar a quem precisa, independente de sua raça, credo, idade ou posição política. No entanto, há uma organização que possui uma carta de transmissão de poder. Essa carta se origina com o Grãomestre Jacques De Molay transferindo o comando da Ordem a um cavaleiro chamado L’Armenius. A partir daí, a carta relata a sucessão de poder até o ano de 1705 quando Phillipe, duque de Orleans se torna líder da Ordem. Os templários finalmente ressurgem sob o nome de Ordo Supremus Militaris Templi Hierosolymitani, algo como Ordem Soberana e Militar do Templo de Jerusalém, sendo que no Brasil a entidade que a representa é a TempleBrasil – Associação de Estudos e Formação Templária.
  13. 13. UMA OUTRA HISTÓRIA PARA JESUS
  14. 14. A história de Cristo é bem conhecida pela maioria da população. Jesus foi filho de Maria, a virgem, teve como pai o carpinteiro José, nasceu em Belém e foi morar no Egito, ainda criança, para fugir do rei Herodes. O tempo passou e ele começou a realizar milagres e pregar a palavra de Deus. Juntou ao seu redor 12 apóstolos e muitos seguidores. Sua morte, assim como a ressurreição três dias depois, ocorreu quando ele tinha 33 anos de idade. Esse é um resumo da história mais conhecida do Messias. Mas existem outros relatos sobre sua vida. Eles estão descritos nos evangelhos apócrifos – um conjunto de manuscritos que datam dos primeiros séculos da Era Cristã e dão diferentes versões sobre o que ocorreu com Cristo. Uma dessas versões é um possível relacionamento entre Jesus e Maria Madalena. Pelos evangelhos canônicos – Mateus, Marcos, Lucas e João – já é possível perceber alguma intimidade entre os dois. Afinal, foi Maria Madalena quem secou os pés de Jesus com seus cabelos e, também, a primeira pessoa a vê-lo após a ressurreição. Os essênios, os zelotes e o Santo Graal Mas, antes de continuar, para uma melhor compreensão sobre a vida de Jesus, é preciso descrever um pouco sobre as seitas e grupos presentes na Palestina no período que compreende os primeiros séculos antes e depois de Cristo. Os grupos dos Saduceus e Fariseus são os mais conhecidos, pois foram amplamente abordados na Bíblia. Sendo que os Saduceus formavam a elite judaica e eram próximos do poder romano. E os Fariseus eram considerados como rabinos, seguiam a lei de Moisés, mas receberam duras críticas de Jesus. Outros dois grupos judaicos também eram importantes na época, eles são os essênios e os zelotes. A seita dos essênios foi uma das mais misteriosas. Apesar de não constarem na Bíblia, eles eram numerosos na época em que Jesus esteve vivo. Sua história inicia-se entre os anos 152 e 143 antes de Cristo. Eles viviam em comunidades no deserto entre o Egito e a Palestina. Trajavam roupas brancas, banhavam-se nos rios antes das refeições, que eram consideradas sagradas e, por isso, se davam quase como um ritual. Eram conhecidos, também, por dominarem as técnicas de cura, sendo ótimos médicos – a própria palavra “essênios” significa terapeutas. Acredita-se que João Batista assim como o seu ritual de batismo nas águas do rio Jordão eram essênios. Supõe-se que o próprio Jesus participava dessa seita e era considerado um de seus mestres, daí uma explicação para os diversos milagres que teria realizado curando a população. Pois bem, outro grupo que merece ser abordado era o dos zelotes, composto por judeus contrários à dominação romana na Palestina. Essa seita foi responsável por incitar a população contra Roma na Revolta Judaica, ocorrida no ano 66 depois de Cristo. Mas, ainda enquanto Jesus estava vivo, o descontentamento contra o Império Romano era perceptível e a capacidade dele – do Messias – de comover as massas era bem evidente. Conforme o tempo passava mais gente o seguia e a chance de uma revolta já naquela época era grande. As autoridades, entretanto, foram mais rápidas e contaram com o pacifismo de Jesus para prendê-lo e crucificá-lo. O responsável pela prisão de Cristo foi Judas Iscariotes. Pelo cristianismo católico e suas diversas ramificações Judas é visto como traidor. Mas há uma versão sobre a vida de Jesus que afirma que esse apóstolo era o que melhor
  15. 15. compreendia seus ensinamentos e que foi o próprio Cristo quem pediu para que Judas o denuncia-se. Pois era necessário seguir as escrituras e Jesus confiou a ele, seu fiel discípulo, essa missão. Pela história da Igreja, após a crucificação, Jesus foi retirado da cruz, envolto em um pano branco de linho e deixado em uma gruta onde teria ficado por três dias. Mas essa versão se difere da prática comumente adotada para os crucificados pelo Império Romano. O condenado ficava na cruz até apodrecer. O que leva a crer que, ou Roma ajudou a realizar o que estava dito nas escrituras, ou houvesse algum plano elaborado para que deixassem tirá-lo da cruz – mas isso é muito difícil de afirmar 2 mil anos depois. Porém, fica a dúvida. Após a ressurreição, Maria Madalena que mantinha um relacionamento com Jesus foi levada, grávida, por José de Arimateia ao Egito e, de lá, para o sul da França. Nessa região nasceu a criança que tinha a linhagem sagrada de Cristo. Surge aí o que seria o Santo Graal ou Sangraal ou, sendo mais preciso, Sangue Real. O sangue de Jesus Cristo. Mas isso, já é outra história.
  16. 16. MESSIANISMO N os séculos próximos ao nascimento de Jesus – tanto anteriores quanto posteriores – o messianismo judaico esteve em plena efervescência. A história constata que alguns homens naquela época se diziam o Messias judaico. De fato, o movimento messiânico tinha na região do oriente médio um campo fértil para se solidificar. Doenças, pobreza, martírios, submissão ao Império Romano e muitos outros fatores podem explicar esse fenômeno religioso. Mas, existe uma explicação comum a todos. É a fé. A crença de um povo sofrido que acredita, fielmente, na existência de um salvador e de que esse está no mundo para libertar e salvar seus seguidores. Os judeus acreditavam que um líder, descendente do rei Davi, chegaria e os guiaria ante a imponência do Império Romano, que os governava na época. Alguns homens eram tidos como profetas, como João Batista, outros se auto denominaram Messias, mas, apenas um, Jesus, conseguiu um discipulado capaz de ultrapassar as fronteiras físicas e espirituais dos judeus. Porém, nem todos creram nele e as ideias messiânicas continuaram a vigorar nesses dois mil anos depois de Cristo. Um exemplo claro é a crença dos portugueses na volta de Dom Sebastião. O rei foi morto na batalha de Alcácer-Quibir, em 1578. A partir dessa data Portugal passa a ser governado pela Coroa espanhola. Muitos portugueses, no entanto, acreditavam (e alguns ainda hoje acreditam) que o rei Dom Sebastião retornaria e faria de Portugal uma grande nação. Como era perceptível, Dom Sebastião não voltou, entretanto, as lendas e mitos sobre ele ultrapassaram o oceano e vieram para o Brasil. No século XIX os progressos da Revolução Industrial chegaram ao nosso país, principalmente no sudeste e nas regiões litorâneas. Já o sertão não recebeu esses avanços. A vida de um sertanejo era muito difícil. Sol forte, temperaturas elevadas, pobreza, fome, seca, doenças, enfim, uma situação desoladora. Mistura-se a tudo isso uma fé inabalável. Estava pronto o cenário para surgir mais um Messias ou profeta. A população miserável do nordeste passou a seguir Antônio Conselheiro considerando-o um homem santo, que realizava milagres e fazia benfeitorias. O resultado não podia ser pior: a Guerra de Canudos. Milhares de brasileiros, em sua grande maioria discípulos miseráveis de Conselheiro, foram mortos e dizimados. Uma verdadeira tragédia, com ares de Antiguidade em pleno século XIX. Mas o messianismo não cessou e novos casos foram relatados no mundo afora. Exemplos aos montes podem ser citados, como o caso de Jim Jones e seus seguidores na seita Templo dos Povos. Eles realizaram, entre si, o maior suicídio coletivo da história, com mais de 900 mortos. Com certeza, muitos outros casos de messianismo surgiram no mundo. Mas, em todos eles é preciso uma análise cuidadosa sobre quem é, de fato, o líder, suas faculdades mentais e suas opiniões sobre a atualidade.
  17. 17. Os Essênios Afinal quem eram eles? U ma seita coberta de mistérios, esses eram os essênios. Eles também são conhecidos por suas práticas medicinais e pelo despojamento material. Suas moradias eram cavernas nas colinas de Qumram, mas também podiam ser encontrados em comunidades nos desertos por toda Palestina. Eles surgiram na época do sumo sacerdote hasmoneu, Jónatas, por volta dos anos 152 a 143 a.C. e foram eliminados na revolta judaica no ano 68 d.C.. Os essênios primavam pelo desenvolvimento espiritual. Por isso, quem entrava na seita tinha que reverter os seus bens em favor da comunidade, vestir-se com as mesmas roupas até que ficassem totalmente inutilizadas e alimentar-se apenas com o necessário para a vida no deserto. Todos vestiam trajes brancos iguais e eram proibidos de vender ou comprar qualquer produto, senão trocar entre eles mesmos. Os prazeres mundanos eram tidos como vícios; o controle das paixões e emoções como virtudes. A entrada de um novo membro na comunidade era feita através de vários estágios iniciáticos. Isso ocorria ao longo de três anos, até que ficasse provado que o neófito era digno de pertencer à seita. Após admitidos, os novos membros entravam numa rígida hierarquia que devia respeito aos mais velhos ou com graus superiores. Porém, esse fato não era um impedimento para demonstrações de humildade e ajuda ao próximo. Pois, para exercitarem suas virtudes e pureza, eles prestavam ajuda aos mais necessitados. Mas um dos maiores mistérios que pairam sobre os essênios é a relação deles com João Batista e Jesus Cristo. Sabe-se, hoje, que rituais cristãos como o batismo e a simbólica repartição do pão na hora da ceia já eram realizados pelos essênios. O banho nas águas dos rios era uma prática comum a eles, principalmente antes das refeições. O que se sabe é que tanto Jesus quanto João Batista foram contemporâneos deles. E muitas passagens bíblicas relatam Jesus praticando a cura na população, uma atividade comum à seita. Os essênios foram dizimados na Revolta dos Judeus contra Roma. Mas, muitas de suas crenças e práticas foram preservadas e passadas, através da tradição, às primeiras comunidades cristãs e aos gnósticos. Assim, muitos de seus ensinamentos ficaram preservados nas escolas de mistérios, chegando até os dias atuais.

×