Entrevista Clínica

479 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
479
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Entrevista Clínica

  1. 1. Psicologia & Educação O ponto de vista da epistemologia genética Práticas de Entrevista Clínica João Alberto da Silva joaosilva@furg.br
  2. 2. Contexto de elaboração: • Anos 20 - Métodos dominantes no estudo da psicologia infantil: - observação mais ou menos sistemática, - provas padronizadas para diagnóstico.
  3. 3. • A partir do trabalho de Piaget: - projeto de estudo dos problemas epistemológicos (ao longo da história das ciências ou no indivíduo examinando a gênese de algumas noções), - familiarização com o trabalho clínico e de diagnóstico com Bleuler, em Zurique, - Paris (1919): trabalho com Simon na padronização dos testes de raciocínio de Burt,
  4. 4. - colocação de novos problemas: - por que os sujeitos tinham tantas dificuldades para resolver alguns problemas, - por que os erros cometidos eram tão sistemáticos. - estudo das causas que estavam por trás das respostas erradas e na relação que tinham com a forma de pensamento, - questionamento das crianças sobre as justificativas que elas mesmas ofereciam de suas respostas.
  5. 5. Etapas do Método Clínico • 1920 – 1930: Elaboração do método: pesquisas sobre a representação do mundo na criança. • 1930 – 1940: Observação crítica: estudo das origens da inteligência. • 1940 – 1955: Método clínico e formalização: estudo das operações mentais concretas e formais. • 1955 em diante: Desenvolvimentos recentes.
  6. 6. Primeiros esboços • - Resultados dos estudos sobre as perguntas do teste de Burt: 1921: identifica que as crianças têm problemas para entender a noção de parte, 1922: estudos sobre a multiplicação lógica e as origens do pensamento formal. Identifica que as crianças têm dificuldade para raciocinar sobre a forma de enunciados.
  7. 7. • 1923: Primeiro livro – A linguagem e o pensamento na criança - observações das produções verbais espontâneas das crianças. • 1924: Segundo livro – O juízo e o raciocínio na criança - relações lógicas através da linguagem, - aparecem mescladas provas mais ou menos padronizadas e observações ao lado de conversas abertas com as crianças sobre alguns problemas.
  8. 8. Constituição do Método • 1926a – A representação do mundo na criança - estudo das características gerais que se atribuem à realidade física e mental nas representações do mundo que as crianças estabelecem, - compara o método que propõe com a observação e os testes e em seguida descreve os tipos de respostas das crianças.
  9. 9. • 1927 – A causalidade física na criança - trata da explicação de fenômenos físicos concretos, - cria situações concretas que o sujeito deve explicar.
  10. 10. • 1932 – O juízo moral na criança - estudo das idéias morais da criança, sua noção das normas e sua compreensão de justiça, - recorre ao estudo das regras que as crianças utilizam em seus jogos para evidenciar a concepção que elas têm das normas, - apóia-se na ação do sujeito.
  11. 11. Método não-verbal • Estudo das origens da inteligência antes do aparecimento da linguagem. 1936 – O nascimento da inteligência na criança 1937 – A construção do real na criança 1945 – A formação do símbolo na criança - Em vez de questionar o sujeito por meio da linguagem limita-se a pô-lo em situações que possam revelar sua forma de pensamento
  12. 12. Manipulação e formalização - recorre à lógica formal para a formalização dos estudos, - descoberta das estruturas lógicas subjacentes ao pensamento do sujeito: grupos, agrupamentos, redes, - realização de experiências sobre materiais familiares para a criança, - cria-se uma situação a partir do material que é oferecido ao sujeito para ver como ele explica o que está ocorrendo diante dele, - utiliza a linguagem, mas apoiando-se na atividade que o sujeito realiza.
  13. 13. Desenvolvimentos posteriores - aparecimento de novos problemas, - uso mais intenso de dados estatísticos, - Inhelder e colaboradores: método de exploração crítica, - constância do método: as diferenças dependem mais do tipo de problema que da estratégia de pesquisa utilizada.
  14. 14. Caracterização do Método Clínico • É um procedimento para investigar como as crianças pensam, percebem, agem e sentem, que procura descobrir o que não é evidente no que os sujeitos fazem ou dizem, o que está por trás da aparência de sua conduta, seja em ações ou palavras (Delval, 2002, p. 67).
  15. 15. - o que o diferencia de outros métodos é a intervenção sistemática do experimentador diante da atuação do sujeito e como resposta às suas ações ou explicações, - o experimentador procura analisar o que está acontecendo e esclarecer seu significado, - o experimentador deve se perguntar a cada momento qual é o significado da conduta do sujeito e a relação com suas capacidades mentais,
  16. 16. - a intervenção deve ser flexível e sensível ao que o sujeito está fazendo, - a intervenção sistemática do experimentador ocorre como reação às ações ou respostas do sujeito e sempre é guiada pela tentativa de descobrir o significado de suas ações ou explicações.
  17. 17. Pressupostos - os sujeitos têm uma estrutura de pensamento coerente, constroem representações da realidade à sua volta e revelam isso ao longo da entrevista ou de suas ações, - o interesse está menos voltado ao sujeito individual do que às características gerais da forma de explicar ou de resolver um problema, - o sujeito tem uma concepção do mundo, geralmente implícita, da qual ele próprio não tem consciência, mas é dela que se vale para dar sua explicação,
  18. 18. - experimentador deve buscar esclarecer qual é o sentido dos termos utilizados pela criança dentro da estrutura mental deste sujeito (criança), - é preciso que o experimentador vá formulando hipóteses acerca da explicação dada pelo sujeito, de suas razões e de seu sentido, e modificando-as ao mesmo tempo, - o experimentador deve modificar suas perguntas ou a situação experimental em função da conduta ou das respostas do sujeito.
  19. 19. Tipos de resposta • Crenças desencadeadas • Fabulação • Não-importismo • Resposta pouco frequentes
  20. 20. Algumas provas piagetianas: • Conservações: - Conservação do sólido Modificações em massa de modelar - Conservação do líquido Transvazamento de líquidos em copos com formatos diferentes - Conservação numérica Correspondência termo a termo de fichas com cores diferentes.
  21. 21. • Quantificação da inclusão: Com fichas de cores diferentes, explorar a relação “todos” e “alguns”.
  22. 22. Prática do Método Clínico 1- A criança se defronta com um problema 2- O experimentador solicita que a criança justifique sua resposta ou sua ação 3- O experimentador coloca outras questões em função das respostas da criança 4- Pode-se fazer contra-sugestões “..., mas uma outra criança me disse que...” 5 – Usa-se colocações de “eco”. 6- O experimentador não é juiz. Não existe resposta boa - Não há padrão exato de conduta - O Estudo Piloto tende a melhorar muito a aplicação da prova

×