Elaboração

229 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
229
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • ----- Meeting Notes (21/01/14 22:07) -----
  • Elaboração

    1. 1. COMO ELABORAR UMA QUESTÃO Prof. Dr João Alberto da Silva joao.alberto@pesquisador.cnpq.br
    2. 2. O que uma questão avalia? • Toda questão deve avaliar uma competência (capacidade de agir com eficiência). • O item deve possuir uma operação cognitiva, um objeto de conhecimento (conteúdo) e um contexto. • Contextos devem ser significativos e não apenas servirem de ilustração da situação.
    3. 3. Operações cognitivas • Identificar: que corresponde a ação cognitiva de perceber por exemplo, uma figura e nomeá-la em função de suas propriedades, qual a operação aritmética que resolve um cálculo ou localizar um dado em uma tabela. • Calcular: Realizar um procedimento aritmético ou algébrico • Reconhecer: Reconhecer elementos de um item dentre outros. Compreender o que é o numerador da fração, qual é a resposta do problema em uma cálculo. • Interpretar: Em função do contexto, compreender a situação envolvida a fim de mobilizar recursos dos conteúdos para resolvê-la.
    4. 4. Primeira Habilidade da Matemática • Compreender conceitos: identificar, reconhecer e associar conceitos e es ticas em es diversas. • Exemplo: 5º ano do EF: • D1 – Identificar a o/ o de objeto em mapas, croquis e outras es ficas.
    5. 5. Segunda Habilidade da Matemática • Realizar procedimentos: fazer lculos, estimativas, o de algoritmos e es bricas. • Exemplos: 5o ano do EF: D17 – Calcular o resultado de uma o ou o de meros naturais.
    6. 6. Terceira habilidade da Matemática • Resolver problemas: o e uso de gias e procedimentos ticos adequados para resolver es-problema. • Exemplo: • D19 –Resolver problema com meros naturais, envolvendo diferentes significados da o ou o: juntar, o de um estado inicial (positiva ou negativa), o e mais de uma o (positiva ou negativa).
    7. 7. O que tem cada item? Item deve despertar a curiosidade do aluno: busca da o sticas: • Atrativo • Criativo • Representar a realidade e o cotidiano dos alunos; • Adequado ao momento da o; • Respeitar a norma o da ngua portuguesa.
    8. 8. Caraterísticas de uma questão • Um item deve referir-se a apenas uma nica habilidade • Os itens devem ser independentes entre si • Dificuldade: definida pelo desempenho dos alunos (ex- post) • Complexidade: definida pelos processos mentais mobilizados, por tese, para a o do problema proposto • Para uma mesma habilidade, pode-se construir diferentes itens para abordar as diferentes formas de avaliar a habilidade.
    9. 9. QUESTÕES ABERTAS
    10. 10. Dificuldades usuais •Interpretar o enunciado •Identificar os numerais •Reconhecer a operação
    11. 11. Elementos de uma questão 1. Enunciado que apresenta o contexto Grau de dificuldade é afetado pelo contexto, pois quanto mais significativo ele se torna, mais facilita as operações cognitivas 2. Demanda do problema O modo como se estrutura a pergunta final orienta o grau de complexidade.
    12. 12. Exemplos • As palavras “mais” e “falta” faz com que os sujeitos pensem, automaticamente, em operações de adição e subtração, respectivamente. • Todavia, em problemas do tipo: “João tem 10 maçãs e Maria 15. Quantas maças a mais Maria tem do que João?”, exige-se um grau de interpretação maior.
    13. 13. Elementos para variar a dificuldade • Números Quando são baixos, eles facilitam a contagem. A proximidade dos algarismos envolvidos (como 130, 131 e 132) também favorece a resolução, assim como o uso dos números "redondos" (caso de 10, 100, 250). • Tipos de magnitude Magnitudes podem ser discretas ou contínuas. As primeiras são aquelas em que é possível contar (figurinhas, animais etc.), o que favorece a representação gráfica. As magnitudes contínuas, por sua vez, exigem que sejam medidas (tempo, capacidade, peso e outros). 
 • Ordem da apresentação das informações Os dados de um problema podem ser apresentados de "forma ordenada de acordo com o desenvolvimento temporal, na ordem inversa em que os fatos aconteceram, ou desordenados”. Mesmo que os problemas possam ser respondidos de um mesmo jeito e envolvam as mesmas magnitudes, apresentam dificuldades diferentes conforme a maneira pela qual são organizados. • Formas de representação Existem muitas maneiras de mostrar os dados e essa diversidade tem que ser apresentada e discutida para que os alunos aprendam a lidar com ela: tabelas, desenhos e gráficos são algumas possíveis.
    14. 14. Exemplos 
Felipe disputou de bolinha de gude duas partidas com seus amigos. Na primeira, ganhou quatro e perdeu duas. Na segunda ganhou seis e perdeu cinco. No fim do dia, Felipe tinha perdido ou ganhado bolinhas? 

Comentário Nesse caso, o problema exige operação, mas a resposta não é numérica. Não basta resolver contas: é preciso examinar os números encontrados e ficar atento quanto à situação descrita. Entre os procedimentos possíveis, a criança pode ter somado os valores ganhos e depois somado as perdas e subtraído um valor de outro, ou ter calculado cada partida individualmente para encontrar a resposta. 

a) Comprei 6 cadernos por 5 reais cada um e paguei no caixa de número 4. Quanto gastei? 

b) Um sítio cria 22 cavalos e 42 vacas. Quantos sacos de ração o sitiante precisa comprar para alimentar esses animais? 

Comentário Quando há mais ou menos informações que o necessário, o aluno tem tarefas extras. No primeiro problema, que tem dados a mais, o aluno deve eleger quais são importantes e ignorar os demais. Já quando as informações fornecidas são insuficientes (como no segundo exemplo), a criança aceita a ideia de que nem sempre é necessário encontrar uma resposta. 

O padeiro preparar precisa 360 pães. Se 245 já estão prontos, faltam assar quantos? Escolham os cálculos que sirvam para resolver esse problema: 
a) 360 + 245 
b) 360 - 245 
c) 245 + 100 + 15 

Comentário Numa questão como essa, o aluno identifica quais estratégias são adequadas. O enunciado indica diversos cálculos para resolver o problema, boa chance para o professor discutir procedimentos - nesse caso, tanto a segunda quanto a última alternativa estão corretas.
    15. 15. QUESTÕES OBJETIVAS
    16. 16. Questão de alternativas • Texto base: apresenta os dados e es que caracterizam uma o problema que devera ser resolvida. • Enunciado: constitui-se de uma pergunta ou uma frase incompleta, que indica ao aluno qual problema deve ser resolvido, tomando por base o texto base. • Alternativas: – gabarito a resposta correta – distratores o respostas incorretas, mas veis, apontando uma vel o mental feita pelo aluno que o desenvolveu totalmente a habilidade testada, mas que tem o com ela.
    17. 17. Distratores • o as alternativas incorretas • Os distratores devem ser: - Devem ser veis para a habilidade testada e o ano escolar avaliado ( o algo absurdo, vel!) - Devem indicar veis e reais caminhos que o aluno perseguiria na sua busca pela resposta correta  Os distratores o devem ser: – atrativos – excludentes
    18. 18. Nota da prova ou nota da questão? o centrada na prova: • o no mero de es por prova • Resultado da o: mero de itens certos • Dá espaço para o chute o centrada no item: • O que importa o a quantidade de itens que os alunos acertam, mas sim quais itens os alunos acertam • Os instrumentos podem mudar o conteúdo ao longo do tempo, mas não os itens • Uso de lise sticas
    19. 19. Avaliação centrada na prova Aluno Questão 1 Questão 2 Questão 3 Questão 4 Total João 1 1 0 0 5,0 Maria 0 0 1 1 5,0 Pedro 1 1 0 0 5,0 Rafael 1 0 1 0 5,0 Carla 1 0 0 1 5,0
    20. 20. Avaliação centrada no item Aluno Questão 1 Questão 2 Questão 3 Questão 4 Total João 1 1 1 0 6,0 Maria 0 0 1 1 7,0 Pedro 1 1 0 0 3,0 Rafael 1 0 1 0 4,0 Carla 1 0 0 1 5,0

    ×