Psicanálise <ul><li>Sigmund Freud   1856-1939 </li></ul>
Pulsões Equilíbrio interno Necessidade/desejo tensão objeto Aumentar o prazer Satisfação Evitar o desprazer
Sexualidade <ul><li>Freud considerava que todo o comportamento humano é impulsionado por uma atividade orgânica, estimulad...
Sexualidade <ul><li>A energia sexual apresenta as seguintes características: </li></ul><ul><ul><li>Existe desde o nascimen...
Sexualidade <ul><ul><li>Comparando-se às demais necessidades, tolera o adiamento ou substituição da forma de obter gratifi...
Mecanismos de defesa <ul><li>A teoria psicanalítica freudiana assinala a existência de um conflito constante entre o id e ...
Mecanismos de defesa <ul><li>As situações que podem causar ansiedade são: </li></ul><ul><ul><li>Perda de um objeto desejad...
Mecanismos de defesa <ul><ul><li>Perda de identidade. </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Ex.:perda de prestígio, de ser ridicu...
Mecanismos de defesa <ul><li>Para minimizar esses efeitos, o ego dispõe de mecanismos de defesa, que são recursos que visa...
Mecanismos de defesa <ul><ul><li>Distorcem ou negam a realidade. </li></ul></ul><ul><ul><li>Agem inconscientemente e, </li...
Mecanismos de defesa <ul><ul><li>Recalque : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>É a exclusão da consciência dos impulsos “perig...
Mecanismos de defesa <ul><ul><li>Projeção :  </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>O ato de atribuir a uma outra pessoa, animal o...
Mecanismos de defesa <ul><ul><li>Racionalização : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>É o processo de achar motivos lógicos e r...
Mecanismos de defesa <ul><ul><li>  Regressão :  </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>É a retomada de uma etapa anterior de desen...
Mecanismos de defesa <ul><ul><li>Conversão : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>É a liberação de um instinto reprimido, atravé...
Mecanismos de defesa <ul><ul><li>  </li></ul></ul><ul><ul><li>Formação reativa :  </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>É a repre...
Mecanismos de defesa <ul><ul><li>  Sublimação :  </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>É a modificação de um impulso primitivo in...
Etapas da evolução psicossexual <ul><li>Desenvolvimento da sexualidade se dá partir do nascimento, sendo possível descrevê...
Fase oral <ul><li>Há um estado de indiferenciação eu-mundo. </li></ul><ul><li>Tudo que a criança conhece, procura levar à ...
Fase anal <ul><li>Etapa de importante desenvolvimento neuromuscular.  </li></ul><ul><li>A criança torna-se capaz de contro...
Fase fálica <ul><li>Nessa idade o adulto procura incentivar a criança a cuidar da própria higiene. </li></ul><ul><li>Estim...
Período de latência <ul><li>Período de aquisição de habilidades intelectuais (etapa da educação escolar básica).  </li></u...
Fase genital <ul><li>O desenvolvimento físico da puberdade contribui para o investimento da libido no relacionamento eróti...
Complexo de Édipo <ul><li>A tragédia de Édipo ilustra a impossibilidade do homem lutar contra o destino. </li></ul><ul><li...
Complexo de Édipo <ul><li>O que Édipo na lenda não podia saber representa, na realidade psicológica, o que é recalcado no ...
Complexo de Édipo <ul><li>A criança deseja expulsar o pai, mas este desejo entra em contradição com o sentimento de amor q...
Complexo de Édipo <ul><li>O complexo de Édipo e o temor à castração originam o estado fálico. Esta fase é interrompida no ...
Mito de Édipo <ul><li>Édipo, cujo nome significa &quot;o de pés inchados&quot;, era filho dos reis de Tebas, Laio e Jocast...
Mito de Édipo <ul><li>Laio, horrorizado, ordenou que o filho fosse abandonado no bosque, com os tornozelos amarrados por u...
Mito de Édipo <ul><li>Já adolescente Édipo ouviu também a profecia do oráculo e, acreditando-se filho de Políbio, fugiu de...
<ul><li>Ao chegar a Tebas, Édipo encontrou a cidade desolada. Uma esfinge às portas da cidade propunha aos homens um enigm...
Mito de Édipo <ul><li>Édipo decifrou ao enigma e casou-se com sua mãe, consumando a profecia. Desse matrimônio nasceram qu...
Mito de Édipo <ul><li>Enigma:  </li></ul><ul><ul><li>Qual o animal que anda com quatro patas de manhã, com duas ao meio di...
Mito de Édipo <ul><li>Passado o tempo, uma peste assolou Tebas e o oráculo afirmou que só vingando-se a morte de Laio a pe...
Mito de Édipo <ul><li>A rainha matou-se e Édipo vazou os próprios olhos e abandonou Tebas, deixando seu cunhado Creonte co...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Psicanalise Desenvolvimento Psicosexual

15.673 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia
2 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.673
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
785
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
621
Comentários
2
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Psicanalise Desenvolvimento Psicosexual

  1. 1. Psicanálise <ul><li>Sigmund Freud 1856-1939 </li></ul>
  2. 2. Pulsões Equilíbrio interno Necessidade/desejo tensão objeto Aumentar o prazer Satisfação Evitar o desprazer
  3. 3. Sexualidade <ul><li>Freud considerava que todo o comportamento humano é impulsionado por uma atividade orgânica, estimulada por uma energia específica. </li></ul><ul><li>A sobrevivência do indivíduo requer a satisfação constante de necessidades básicas </li></ul><ul><ul><li>(ex: fome, sede, sono, necessidades de eliminação), que podem ser toleradas até certo ponto e requerem um comportamento pré-determinado para aliviar o desconforto. </li></ul></ul>
  4. 4. Sexualidade <ul><li>A energia sexual apresenta as seguintes características: </li></ul><ul><ul><li>Existe desde o nascimento e possibilita a obtenção de prazer em todas as atividades humanas. </li></ul></ul><ul><ul><li>Não se limita a área genital e não visa apenas a reprodução da espécie. </li></ul></ul>
  5. 5. Sexualidade <ul><ul><li>Comparando-se às demais necessidades, tolera o adiamento ou substituição da forma de obter gratificação desse impulso. </li></ul></ul><ul><ul><li>Possui uma energia específica - a libido - que energiza diferentes partes do corpo (ou atividades psíquicas) ao longo de todo o desenvolvimento do indivíduo. </li></ul></ul>
  6. 6. Mecanismos de defesa <ul><li>A teoria psicanalítica freudiana assinala a existência de um conflito constante entre o id e o superego, mediado pelo ego. Esse conflito promove um estado de ansiedade que, dependendo da sua intensidade, poderá comprometer o equilíbrio emocional do indivíduo, com maior ou menor gravidade. </li></ul>
  7. 7. Mecanismos de defesa <ul><li>As situações que podem causar ansiedade são: </li></ul><ul><ul><li>Perda de um objeto desejado. </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Ex.:uma criança privada de um dos pais, de um amigo íntimo ou de um animal de estimação. </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Perda de amor. </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Ex.:A rejeição ou a desaprovação de alguém que lhe é importante. </li></ul></ul></ul>
  8. 8. Mecanismos de defesa <ul><ul><li>Perda de identidade. </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Ex.:perda de prestígio, de ser ridicularizado em público. </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Perda de auto-estima. </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Ex.: a desaprovação do Superego por atos ou traições que resultam em culpa ou ódio em relação a si mesmo. </li></ul></ul></ul>
  9. 9. Mecanismos de defesa <ul><li>Para minimizar esses efeitos, o ego dispõe de mecanismos de defesa, que são recursos que visam diminuir os efeitos da ansiedade. </li></ul><ul><li>Esses mecanismos apresentam algumas peculiaridades: </li></ul>
  10. 10. Mecanismos de defesa <ul><ul><li>Distorcem ou negam a realidade. </li></ul></ul><ul><ul><li>Agem inconscientemente e, </li></ul></ul><ul><ul><li>Quando ineficazes, podem produzir sintomas físicos ou agravar o sofrimento psicológico do indivíduo. </li></ul></ul><ul><li>Existem inúmeros mecanismos de defesa que podem ser melhor identificados a partir da observação do comportamento. São eles: </li></ul>
  11. 11. Mecanismos de defesa <ul><ul><li>Recalque : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>É a exclusão da consciência dos impulsos “perigosos” e das suas representações. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>ela atua automaticamente, sempre que a pessoa se vê diante da situação concreta ou imagina-se nessa situação. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Quando a repressão é exacerbada, acaba favorecendo o surgimento da neurose; a energia despendida pelo ego para reprimir os instintos inaceitáveis, priva o indivíduo da força necessária para desenvolver sua criatividade, capacidade intelectual, etc </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Ex: a amnésia após um acidente </li></ul></ul></ul></ul>
  12. 12. Mecanismos de defesa <ul><ul><li>Projeção : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>O ato de atribuir a uma outra pessoa, animal ou objeto as qualidades, sentimentos ou intenções que se originam em si próprio. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>É um mecanismo de defesa através do qual os aspectos da personalidade de um indivíduo são deslocados de dentro deste para o meio externo. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>A ameaça é tratada como se fosse uma força externa. A pessoa pode, então, lidar com sentimentos reais, mas sem admitir ou estar consciente do fato de que a idéia ou comportamento temido é dela mesma. </li></ul></ul></ul>
  13. 13. Mecanismos de defesa <ul><ul><li>Racionalização : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>É o processo de achar motivos lógicos e racionais aceitáveis para pensamentos e ações inaceitáveis. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Processo através do qual uma pessoa apresenta uma explicação que é logicamente consistente ou eticamente aceitável para uma atitude, ação, idéia ou sentimento que causa angústia. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Ex: quando uma pessoa muito ciumenta “justifica” a necessidade de “fiscalizar” constantemente a pessoa amada, como “cuidado” e não desconfiança. </li></ul></ul></ul></ul>
  14. 14. Mecanismos de defesa <ul><ul><li>  Regressão : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>É a retomada de uma etapa anterior de desenvolvimento; ocorre em situações de rompimento de uma relação afetiva importante ou diante de uma nova etapa de vida. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Ex: Comportamento de “birra” em ambiente profissional. </li></ul></ul></ul></ul>
  15. 15. Mecanismos de defesa <ul><ul><li>Conversão : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>É a liberação de um instinto reprimido, através da enervação do sistema nervoso muscular voluntário e sensorial. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Ex: perder a visão depois de um choque emocional. </li></ul></ul></ul></ul>
  16. 16. Mecanismos de defesa <ul><ul><li>  </li></ul></ul><ul><ul><li>Formação reativa : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>É a repressão de um instinto “perigoso” e a manifestação do comportamento oposto. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Esse mecanismo substitui comportamentos e sentimentos que são diametralmente opostos ao desejo real. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Trata-se de uma inversão clara e, em geral, inconsciente do verdadeiro desejo. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Exemplo: adotar um comportamento de total passividade, para tentar conter a expressão da agressividade. </li></ul></ul></ul></ul>
  17. 17. Mecanismos de defesa <ul><ul><li>  Sublimação : </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>É a modificação de um impulso primitivo inaceitável ao ego, que é modificado para se tornar socialmente aceito. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Ex: praticar um esporte depois de um dia estafante de trabalho e extravasar a agressividade reprimida, gritando durante o jogo. </li></ul></ul></ul></ul>
  18. 18. Etapas da evolução psicossexual <ul><li>Desenvolvimento da sexualidade se dá partir do nascimento, sendo possível descrevê-lo em fases ou estágios, consecutivos e interdependentes: </li></ul><ul><li>Fases oral, anal, fálica, (latência), genital </li></ul>
  19. 19. Fase oral <ul><li>Há um estado de indiferenciação eu-mundo. </li></ul><ul><li>Tudo que a criança conhece, procura levar à boca. </li></ul><ul><li>A amamentação constitui-se num elemento de suma importância nessa fase, pois, além do alívio da sensação física da fome, tranqüiliza e oferece segurança para o bebê. </li></ul>
  20. 20. Fase anal <ul><li>Etapa de importante desenvolvimento neuromuscular. </li></ul><ul><li>A criança torna-se capaz de controlar a eliminação e retenção das fezes e urina. </li></ul><ul><li>É uma fase em que a criança imita tudo que o adulto faz (palavras, gestos, etc.). </li></ul>
  21. 21. Fase fálica <ul><li>Nessa idade o adulto procura incentivar a criança a cuidar da própria higiene. </li></ul><ul><li>Estimula-se dessa forma, o reconhecimento das diferenças anatômicas entre os sexos. Além disso, a criança torna-se curiosa a respeito do nascimento dos bebês e sobre as características do relacionamento afetivo entre os adultos. </li></ul><ul><li>Período do Complexo de Édipo, importante para a identificação sexual do indivíduo. </li></ul>
  22. 22. Período de latência <ul><li>Período de aquisição de habilidades intelectuais (etapa da educação escolar básica). </li></ul><ul><li>Desenvolve-se a noção de pudor e há um aparente desinteresse por temas da sexualidade. </li></ul><ul><li>O relacionamento professor - aluno reveste-se de importância fundamental, uma vez que o aluno tende a direcionar a ele a carga afetiva anteriormente destinada aos pais. </li></ul>
  23. 23. Fase genital <ul><li>O desenvolvimento físico da puberdade contribui para o investimento da libido no relacionamento erótico. </li></ul><ul><li>O pré-adolescente tende a se espelhar em ídolos e apegar-se mais aos amigos do que a família. </li></ul><ul><li>Espera-se que a pessoa seja capaz de superar o narcisismo das etapas anteriores e estabeleça vínculos afetivos baseados no companheirismo e respeito humano. </li></ul>
  24. 24. Complexo de Édipo <ul><li>A tragédia de Édipo ilustra a impossibilidade do homem lutar contra o destino. </li></ul><ul><li>Freud, renovou o interesse pelo tema ao designar como &quot;complexo de Édipo&quot; uma fase crucial do processo de desenvolvimento normal da criança: a representação do desejo sexual inconsciente e universal de cada filho pela mãe e da conseqüente rivalidade em relação ao pai. </li></ul>
  25. 25. Complexo de Édipo <ul><li>O que Édipo na lenda não podia saber representa, na realidade psicológica, o que é recalcado no inconsciente. </li></ul><ul><li>No final do desenvolvimento da sexualidade infantil (fase fálica) o desejo do menino em relação à mãe esbarra com a proibição que lhe advém do pai e com reais ou supostas ameaças de castração. </li></ul>
  26. 26. Complexo de Édipo <ul><li>A criança deseja expulsar o pai, mas este desejo entra em contradição com o sentimento de amor que sente por ele, acrescentado a dependência da sua proteção e com o referencial que a criança tem para a sua virilidade futura. </li></ul><ul><li>Este conflito gera o seu desejo sexual em relação à mãe, e substitui-o por uma ternura. </li></ul>
  27. 27. Complexo de Édipo <ul><li>O complexo de Édipo e o temor à castração originam o estado fálico. Esta fase é interrompida no período de latência, durante o qual as pulsões sexuais parecem “adormecidas”. </li></ul><ul><li>Da ambivalência entre amor e ódio/rivalidade pelo pai resulta um comportamento ambivalente que pode, por vezes, ficar em suspenso durante toda a Vida. </li></ul>
  28. 28. Mito de Édipo <ul><li>Édipo, cujo nome significa &quot;o de pés inchados&quot;, era filho dos reis de Tebas, Laio e Jocasta. </li></ul><ul><li>O oráculo do deus Apolo em Delfos profetizou que, quando chegasse à idade adulta, ele mataria o pai e se casaria com a mãe. </li></ul>
  29. 29. Mito de Édipo <ul><li>Laio, horrorizado, ordenou que o filho fosse abandonado no bosque, com os tornozelos amarrados por uma corda. </li></ul><ul><li>Um pastor encontrou a criança ainda com vida e levou-a a Corinto, onde foi adotada pelo rei Políbio. </li></ul>
  30. 30. Mito de Édipo <ul><li>Já adolescente Édipo ouviu também a profecia do oráculo e, acreditando-se filho de Políbio, fugiu de Corinto para escapar ao destino. </li></ul><ul><li>No caminho, encontrou um ancião acompanhado de vários servos. Desentendeu-se com o viajante e matou-o, sem saber que era seu verdadeiro pai, Laio. </li></ul>
  31. 31. <ul><li>Ao chegar a Tebas, Édipo encontrou a cidade desolada. Uma esfinge às portas da cidade propunha aos homens um enigma e devorava os que não conseguiam decifrá-lo. </li></ul><ul><li>A rainha viúva, Jocasta, prometera casar-se com quem libertasse a cidade desse monstro. </li></ul>Mito de Édipo
  32. 32. Mito de Édipo <ul><li>Édipo decifrou ao enigma e casou-se com sua mãe, consumando a profecia. Desse matrimônio nasceram quatro filhos: Etéocles, Polinice, Antígona e Ismene. </li></ul>
  33. 33. Mito de Édipo <ul><li>Enigma: </li></ul><ul><ul><li>Qual o animal que anda com quatro patas de manhã, com duas ao meio dia e com três ao anoitecer?. </li></ul></ul><ul><ul><li>Resposta: &quot;O homem, que caminha com as mãos e os pés no chão quando criança, mantém-se de pé sobre as duas pernas na idade adulta e precisa apoiar-se numa bengala quando envelhece&quot;. </li></ul></ul>
  34. 34. Mito de Édipo <ul><li>Passado o tempo, uma peste assolou Tebas e o oráculo afirmou que só vingando-se a morte de Laio a peste cessaria. </li></ul><ul><li>As investigações que se seguiram e as revelações do adivinho Tirésias demonstraram a Édipo e Jocasta a tragédia de que eram protagonistas. </li></ul>
  35. 35. Mito de Édipo <ul><li>A rainha matou-se e Édipo vazou os próprios olhos e abandonou Tebas, deixando seu cunhado Creonte como regente. </li></ul><ul><li>Acolhido em Colona, perto de Atenas, graças à hospitalidade do rei Teseu, Édipo morreu misteriosamente num bosque sagrado e converteu-se em herói protetor da Ática. </li></ul>

×