Ser humano e sociedade

3.691 visualizações

Publicada em

1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.691
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
31
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ser humano e sociedade

  1. 1. O SER HUMANO E SOCIEDADEDr. João Carlos Gomes
  2. 2. AAA SOCIOLOGIA E PSICOLOGIAO fenômeno psíquico écompreensível exclusivamente pormeio de fatores sociais e sugere quea psicologia deve apoiar-se naciência das ideologias.
  3. 3. ICIÊNCIAS IDEOLOGICASDefiniçãoIdeologia é um conjunto de ideias ou pensamentosde uma pessoa ou de um grupo de indivíduos. Aideologia pode estar ligada a ações políticas,econômicas e sociais.O termo ideologia foi usado de forma marcantepelo filósofo Antoine Destutt de Tracy.O conceito de ideologia foi muito trabalhado pelofilósofo alemão Karl Marx, que ligava a ideologiaaos sistemas teóricos (políticos, morais e sociais)criados pela classe social dominante. De acordocom Marx, a ideologia da classe dominante tinhacomo objetivo manter os mais ricos no controle dasociedade.
  4. 4. No século XX, varias ideologias se destacaram:- Ideologia fascista: implantada na Itália e Alemanha, principalmente, nas décadasde 1930 e 1940. Possuía um caráter autoritário, expansionista e militarista.- Ideologia comunista: implantada na Rússia e outros países (principalmente doleste europeu), após a Revolução Russa (1917). Visava a implantação de umsistema de igualdade social.- Ideologia democrática: surgiu em Atenas, na Grécia Antiga, e possui como ideal aparticipação dos cidadãos na vida política.- Ideologia capitalista: surgiu na Europa durante o Renascimento Comercial eUrbano (século XV). Ligada ao desenvolvimento da burguesia, visa o lucro e oacumulo de riquezas.- Ideologia conservadora: ideias ligadas à manutenção dos valores morais e sociaisda sociedade.- Ideologia anarquista: defende a liberdade e a eliminação do estado e das formasde controle de poder.
  5. 5. FUNDAMENTOS DA PSICOLOGIAO fundamento s da psicologia deve ser sociológicos, porque o centroorganizador e formador da atividade mental não está no interior do sujeito,mas fora dele, na própria interação verbal.
  6. 6. O ser humano é um ser socialIsolado o ser humano é incapaz: Assim como a ausênciade cultura, a ausência da sociedade também transforma o homem em umanimal.
  7. 7. A sociedade é um sistema
  8. 8. O Sistema Social
  9. 9. O ser humano é um ser socialIsolado o homem é incapaz: Assim como a ausência decultura, a ausência da sociedade também transforma o homem em umanimal.
  10. 10. A sociedade é um sistemaÉ constituída por algumas esferas, ligadasprincipalmente ao que tange o campo cultural
  11. 11. Esferas Sociais
  12. 12. • Segundo alguns filósofos (Hobbes, Rousseau) oshomens abandonaram a liberdade para viver emsociedade – Teorias do Contrato Social.• O homem é um ser que vive em sociedade e sofrediversas influências do meio.• Segundo Émile Durkheim o homem não existe forada sociedade, pois é essencialmente um ser social,tanto que para ele a sociedade é anterior aoindivíduo.
  13. 13. Segundo Durkheim asociedade é externaao indivíduo –Realidade exterior.A sociedade segundo Émile Durkheim
  14. 14. Segundo Durkheim asociedade é externaao indivíduo –Realidade exterior.Língua CostumesReligião (em algumas sociedades)A sociedade segundo Émile Durkheim
  15. 15. Língua CostumesReligião (em algumas sociedades)ELEMENTOS COERCITIVOSA sociedade segundo Émile Durkheim
  16. 16. ELEMENTOS COERCITIVOS• São exteriores;• Nem sempre são percebidos pelo indivíduo;• Variam de cultura para cultura;• Moldam o indivíduo impondo condutas,existindo neste canso algumas sanções – Legais:Castigos para os que infringem a lei ou Espontâneas: risos,isolamento, etc.
  17. 17. A teoria de Durkheim dizia que o individuo está preso a sociedade Émile Durkheimtrabalhou em cima do “fato social”que seria qualquer coisa que exercesse essainfluencia que acaba formando o individuo. tudo o que pensamos, toda nossaconcepção era fruto do que a sociedade nos passou através do fatos sociais. ofato social usa de duas forças básicas para impor sobre o individuo suas ideias.uma delas é a força de coerção; que através de elementos coercitivos como porexemplo as regras morais, culturais, definem os padrões de comportamento daspessoas. Que não são leis, mas você acaba adotando essas regras a um costume,a um padrão cultural ou a uma questão religiosa.
  18. 18. A segunda forma de coerção que vem dasociedade para o individuo são as regrasjurídicas ou seja as regras institucionais (asleis). Leis essas que foram ditas por umestado, que foram impostas por um governo ecaso o individuo quebre essas regras existeuma punição prevista nas mesma. lembrandoque toda regra constituída ou regra legal,partiu de uma regra moral.
  19. 19. Durkheime também analisou e comparou asociedade moderna com a primitiva para sabercomo funciona a solidariedade. E o mesmodefiniu que solidariedade seria o elo de ligaçãoentre os indivíduos na sociedade. ela estabeleceas relações de convivência entre os indivíduosde forma direta ou indireta. Ele dividiu asolidariedade em mecânica que fazia parte dasociedade primitiva e a orgânica faz parte dasociedade moderna (capitalista).
  20. 20. • Durkheim contrariou alguns outrosespecialistas ao afirmar que o suicídio tem umcaráter social, cultural. Pois ele diz que o meioonde a individuo vive vai contribuir e muitopara despertar o desejo de que o mesmosente em viver ou morrer.
  21. 21. • Segundo alguns filósofos (Hobbes, Rousseau) os homensabandonaram a liberdade para viver em sociedade – Teorias doContrato Social.• O homem é um ser que vive em sociedade e sofre diversasinfluências do meio.• Segundo Émile Durkheim o homem não existe fora da sociedade,pois é essencialmente um ser social, tanto que para ele a sociedadeé anterior ao indivíduo.• O indivíduo então é, geralmente, MOLDADO pela “sociedade” emque nasce - O grupo (e a consciência do grupo) exerce pressão(coerção) sobre o indivíduo.• O indivíduo não sofre as ações sozinho e sim grande parte dasociedade sofre.
  22. 22. Língua CostumesReligião em algumas sociedadesELEMENTOS COERCITIVOSExterioridadeGeneralidade
  23. 23. Língua CostumesReligião em algumas sociedadesELEMENTOS COERCITIVOSExterioridadeGeneralidade• É uma realidade pré-existente;• Independente;• Exterior;• Coercitivo;• São “coisas”.• Exemplos: Uma guerra, uma festa.
  24. 24. Normal PatológicoAquele que vai sempreexistir (normal): Aborto,Crime, Festas, Namoros.Aquele que choca:Invadir uma escola ematar crianças.A questão da normalidade ou daA questão da normalidade ou dapatologia varia conforme o contexto!patologia varia conforme o contexto!
  25. 25. O caso das meninas lobo• Em 1920 foram descoberta na Índia duasmeninas que viviam na mata.• Kamala e Amala estavam vivendo no meio deuma família de lobos. Se moviam rapidamenteandando de quatro.• Não falavam e seus rostos não mostravamexpressões.• Comiam apenas carne crua, estranhavam oshumanos
  26. 26. O caso das meninas lobo• Amala, que era mais nova morreu apenas umano após ter sido encontrada. Kamalasobreviveu por mais nove.• Ao longo dos nove anos Kamala aprendeuandar sobre as duas pernas, mudou um poucoseus hábitos alimentares, aprendeu por voltade cinquenta palavras.• Porém os que a viam não a consideravamhumana.
  27. 27. O caso das meninas lobo• "Será preciso admitir que os homens não sãohomens fora do ambiente social, visto que aquiloque consideramos ser próprio deles, como o riso ouo sorriso, jamais ilumina o rosto das criançasisoladas“ – Lucien Malson• Conclusão: sem o denso tecido de interações sociaisdo qual participa toda criança, simplesmente nãohá humanidade.
  28. 28. No CinemaRudyard Kiplingescreveu o "Livro dasSelvas", que conta ahistória do menino loboMogli. Kipling nasceuem Bombaim, Índia,onde o caso de meninoslobos eram abundantes.Depois os estúdiosDisney fizeram a versãoanimada do livro.Mogli – O Menino Lobo (1967)
  29. 29. Ninguém ignora tudo.Ninguém sabe tudo. Todosnós sabemos alguma coisa.Todos nós ignoramosalguma coisa. Por issoaprendemos sempre.

×