Agustina

1.805 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.805
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
603
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Agustina

  1. 1. FOTOGRAFIA DE LUÍSA FERREIRA De toda sua vida, qual é o instante, o fragmento, o pontinho de luz que mais vezes lhe ocorre para dizer que viver vale a pena? Ter a capacidade de amar alguém ou algo na vida. Ser capaz de pôr nisso todas as forças, toda a capacidade que, no fim de contas é a capacidade para viver. [LER, Outono 2003] Agustina Bessa-Luís no jardim da sua casa, no Porto, em 2003, onde ainda hoje passa os dias a cuidar das flores
  2. 2. A indomávelPOR EDUARDO LOURENÇO LISBOA, 29 DE NOVEMBRO DE 2008 m 1953, uma autora já conhecida de leitores aten- ideóloga mas um exemplo da sua ficção povoada de personagensE tos, publica um livro que inaugura uma data na fic- ção portuguesa contemporânea. O título famoso, como sabemos, é A Sibila, título profético no qual Agustina Bessa-Luís profetiza o seu próprio desti-no e a sua vocação de vidente e visionária. Esse título represen-tou na época, para quem estava atento, o fim de uma hegemoniaque, desde há 15 anos dominava, com razões para isso, o panora- femininas entre as quais a do seu primeiro livro, Mundo Fechado, que impôs um mundo da mulher até então subalternizado com uma evidência que as suas sucessoras receberam já como uma he- rança natural. Até porque Agustina tinha demasiado humor para ser feminista – sobre as outras mulheres. E, por incrível que possa parecer e muitas vezes não é entendida, sobre ela própria. Pouco a pouco, Agustina impôs-se como uma paisagem lite-ma da ficção portuguesa, aquilo a que se chamou neo-realismo. rária sem igual na nossa literatura com livros como A Muralha,A Sibila não é um romance que se coloque em qualquer oposi- Os Incuráveis, O Manto, e mais tarde outros que adquiriram umação, ou ideário, à prática ficcional desse neo-realismo. segunda vida através do cinema de Manoel de Oliveira como É um livro que começa num outro lugar. O lugar que não exis- Fanny Owen ou Vale Abraão impuseram-se e entraram não sótia antes dele, pela originalidade da história, pela temporalidade no imaginário nacional mas universal.ficcional que é a da memória, ela própria tão inventada como Infelizmente, a escrita constantemente paradoxal e surpreen-realisticamente evocada, em suma, um tipo de ficção que noutras dente de Agustina ainda não encontrou, pela sua dificuldade,paragens já tinha obras em que Agustina se podia inspirar, mas o eco que merece. Mas pode esperar. Num livro que particular-que ela renovou e preencheu de um tipo de vivências não só da mente me deslumbrou – Um Cão Que Sonha – Agustina revisita asua memória subjectiva como do inconsciente duma cultura sua juventude e dá-nos um pouco a misteriosa e insólita perspec-do Portugal mais arcaico, ou melhor, do imemorial. tiva da sua ficção, como destinada a ser devorada por um outro Essa obra foi seguida de uma produção torrencial sem prece- que será o autor da sua obra em vez dela. Como se ela, que, comodentes na nossa literatura mesmo se nela integramos Camilo – um é sabido, tão pouco aprecia Fernando Pessoa, inventasse umdos referentes da cultura desse imemorial que ela levará até à sua mito da sua criação proliferante para se converter numa ficçãoincandescência. sem autor. E isto pode ser uma fábula que resume o que trouxe Mais tarde, a cultura portuguesa aperceber-se-á que além da ori- realmente de novo Agustina para a ficção da sua época. Menosginalidade literária de A Sibila enquanto ficção e escrita, uma escri- uma voz que narcisicamente inventa um mundo para se afirmarta por vezes aleatória e fantasmagórica, essa obra instaurava sem através dele do que para ser, por assim dizer, a voz anónima dasque ainda se soubesse muito bem uma espécie de longo reinado múltiplas memórias do seu universo povoado de figuras cadada literatura feminina em Portugal. No caso dela, mais feminina do uma resumindo a extravagância da vida como se fossem seresque feminista – que Agustina não é nem nessa perspectiva uma da natureza indomáveis e imortais. Como ela.Infelizmente, a escritaconstantemente paradoxale surpreendente de Agustinaainda não encontrou,pela sua dificuldade, o ecoque merece. Mas pode esperar. Agustina num hotel e (Setembro de 2000)
  3. 3. 1 Quando em 2006 veio a lume A Ronda da Noite, não era a primeira vez que Agustina Bessa-Luís se tinha enreda- do, para construir os seus romances, com os claros-escuros da pintura, as- sim como da fotografia – Azul (Não- -Lugares), ál- bum com um texto curto de Agustina e fotos de Luísa Ferreira (Am- bar, 2002). São instantâ- neos duma viagem a Rodes, Gré- cia, em 2008, aquando do primeiro Fórum Internacional para a Paz das Mulheres Criadoras do Mediterrâneo. Há o óbvio: o cruzamento entre a literatura e a fotografia, a pintura, a arquitectura, o design, a dança, ou o conjunto das artes performativas são «escritas» que se revêem, entrelaçam ou contradizem, criando entre eles vasos comunicantes e objectos em que ler/ver implica sempre uma cumplicidade. É assim com o cinema que, na obra e vida da escritora, teve decisiva im- portância, desde os filmes que viu deli- ciada, em jovem e adolescente, até ao «feliz casamento» quando se encon- trou com a cinematografia de Manoel de Oliveira, em 1981, com Francisca, a partir do romance Fanny Owen. 2 A primeira abordagem no território da pintura jorra no livro Longos Dias Têm Cem Anos. Presença de Vieira da Silva (Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1982). Agustina justificou a sua aventura ro- manesca como «uma admoes- tação e uma ironia para o preguiçoso in- veterado que num século acha tempo adequado para os seus projectos e a combinação laboriosa que os acabe». A romancista não é dessa cepa. Maria Helena, perante a iluminação da escritora, respondeu-otel em Rodes revista LER ( setembro 2008 ) 00 00)
  4. 4. A romancistaque sonhou a sua obra TEXTO DE CARLOS CÂMARA LEMEAgustina Bessa-Luís continua, como sempre, a passear e a cuidar das flores do jardimde sua casa, no Porto, com o Douro ao fundo – uma casa, disse um dia, «com fantasmas reais», traduzidos em «ruídos,presenças, sinais». A Amarantina pode não voltar a escrever, mas o seu universo ficcional é um território em aberto. vida prega-nos várias partidas. Às ve- que a descrevam mesmo que as procuremos nas Julho de 2006, quando se declarou uma febre per-A zes basta só uma para torná-la num tormento – numa boa parte em casos de amor – e a maioria das vezes émuito injusta. A que sofreu Agustina Bessa-Luís,um acidente vascular cerebral, não tem palavras mais de 60 obras e milhares de páginas com que iluminou a existência dos seus leitores e, como to- dos os grandes criadores, do mundo. Aconteceu há cerca de dois anos, termina- do A Ronda da Noite, o seu último livro, em 19 de sistente, obrigando-a a abrandar todo o trabalho. A Amarantina – era assim que gostava que a tratassem – encerrou, para sempre, a sua acti- vidade literária: deixou de escrever, de ler, como se uma ficção sua se atravessasse no caminho42 ( janeiro 2009 ) revista LER
  5. 5. e encontrasse, de novo, o Mundo Fechado, título cendente de uma família rural de Entre-Douro-e- -lhe: «A Agustina com os restosda primeira novela vinda a lume em 1948. -Minho, pelo lado paterno, e de uma família es- de aquela que eu não sou, ainda De então para cá, Agustina ocupa os seus dias panhola de Zamora, pelo lado materno, guardou posso criar a irmã que não tive.»passeando pelo jardim, onde cuida, como sempre como herança genética a região de Amarante: Segue-se-lhe Apocalipse de Albrechtfez, das flores da casa da Rua do Gólgota, no nº 100, «Sou um produto da região, como o vinho verde, Dürer (Guimarães Editores, 1986), emnas traseiras da Faculdade de Letras do Porto, ten- que não embriaga mas alegra» (O Livro de Agusti- que se detémdo como pano de fundo o Douro a que dedicou al- na Bessa-Luís, Três Sinais Editores, 2002). Banha- numa dasgumas das suas melhores páginas, como no mag- da pelo rio Tâmega e com a mítica Igreja de S. Gon- três grandesnífico Vale Abraão (1991). Descansa, está tranquila, çalo coabitando com a ponte, Amarante é uma séries devê filmes, de preferência ingleses, policiais ou cidade onde, pelo menos uma vez por ano, o santo gravurasde enredo romanesco, ela que têm, desde muito protector é abraçado pelos seus habitantes. xilográficas,nova, um imenso fascínio pelo cinema. Pela objec- Após o casamento, em 1917, os pais de Agustina, O Apocalipse.tiva de Manoel de Oliveira, seu grande amigo de Artur Teixeira Bessa (1882-1964) e Laura Jurado Passa porlonga data, muitas das suas obras foram passadas Ferreira (1897-1994), andaram entre seca e meca Martha Tel-para o ecrã, chegando mesmo aos grandes festi- (Vila Nova de Gaia, Santas, Póvoa de Varzim e Por- les: o Castelovais de cinema – Veneza, Cannes ou Berlim. to), passando alguns períodos no Douro, na casa da onde Irás «A verdade é que recuperou muitíssimo e tem família materna em Godim – num percurso em tu- e Não Voltarás (IN-CM, 1986), e, emuma excelente qualidade de vida», garante a filha do idêntico ao que conhecerá a própria Agustina. 2001, confronta-se (ou encontra-se?)Mónica Baldaque. Anda pela casa e recebe as Além desse caleidoscópio de andanças há também com As Meninas (ilustrações e quadrospessoas de quem gosta, mas por pouco tempo, por- as férias passadas na casa do Paço, das tias pater- de Paula Rego, Três Sinais Editores),que a cansa manter uma longa conversa. Acom- nas, no lugar do Barral (Travanca, Amarante), e nu- cuja segunda edição acaba de serpanha os acontecimentos da família, sempre com ma casa em Cavaleiros, perto de Vila do Conde. lançada pela Guerra e Paz.o comentário lúcido, certo, que não deixa dúvidas Mas é do confronto entre o mar – «Tive a sorte Não é um combate qualquer. De talnem ilusões. Passeia em dias bonitos até à beira- de viver todo o período da razão até à adolescên- modo que, a propósito dos desenhos-mar e na margem ribeirinha de Vila Nova de Gaia. cia numa vila marítima [Póvoa de Varzim], onde grotescos da artista plástica, AgustinaAprecia, com gosto e com desgosto, as mudanças tudo era familiar, quase austero, mas pleno de li- não se amedronta: «O desenho de na cidade. «Fisicamente está bem, agora o res- berdade» – e o Douro que a escritora constrói par- Paula é uma escrita.» Um encontro to…», desabafa, conformado, o marido te substancial da sua obra. «[O Douro é a] provín- entre dois universos perversos? Estão Alberto Luís. cia mais capaz de paixões governadas que há em bem uma para a outra… Last but not Portugal. É duro de se viver», escreve num texto the least, o fortíssimo encontro com gustina Bessa-Luís nasceu, em inédito, agora dado à estampa – entre muitos outros Graça Morais, no álbum As Metamor- A 1922, a 15 de Outubro, um domin- inéditos – em O Chapéu das Fitas a Voar (2008), foses (Dom Quixote, 2007) em que go, pelas seis horas da tarde, em Vila livro que pode ser uma porta aberta para melhor Agustina, num registo evocativo, Meã, no concelho de Amarante. Des- se compreender a vida e a obra de Agustina. desvenda, à luz dos trabalhos de Graça Morais, muitos segre- dos das suas Sinto-me muito insegura com efabulações. Duas leituras o brilho da luz na água do mar. a não perder. Não gosto de insegurança. A Ronda da Noite não é, Não gosto do efémero… portanto, ter- reno virgem. [LER, Outono 1990] A Amarantina defronta-se com o cele- bérrimo e enigmático quadro de Rem- brandt terminado em 1642, da Os maiores escritores colecção do Rijkmuseum, de Amester- dão, que tem sido objecto de várias e da actualidade são desconhecidos, diferentes congeminações. Agustina está a par delas. Logo na pág. 81, os que têm o seu tempo, a sua traça a plano geral: «Se repararmos, A Ronda da Noite ou A Companhia solidão, os seus instantes de glória do Capitão Cocq, está disposta, senão pessoal e íntima. São aqueles que amontoada em cima dumas escadas; e, nesse aspecto, o problema da vivem melhor o que escrevem. atribuição de valores fica resolvido. Cada um ascende até onde lhe é possível, quer seja por mérito próprio [LER, Inverno 1988] 00
  6. 6. A escritora teve um irmão, três anos mais velho,que morreu no início da década de 70. A julgar pe-las suas palavras em O Livro de Agustina Bessa--Luís, a mãe tinha uma queda especial pelo irmão(«com uma expectativa que as mães têm ainda ho-je pelos filhos varões»), enquanto ela era prote-gida por Lourença, ama da primeira filha da suaavó Agustina, que a defendia das palmadas damãe, «que começava a achar-me desnaturada, fria,ingrata e coisas assim». Terá ficado essa cicatrizem Agustina – que lerá Freud de fio a pavio comoum romance e comentará que «depois disto nadafica intacto» – como uma forma subliminar de am-bivalência entre a raiva e a reparação tão manifes-ta nas mulheres dos seus romances? Quer da infância quer da adolescência não guar-da memórias infelizes – ou, se as teve, libertou-sedelas através dos romances, sem nunca, porém,guardar rancor às suas personagens. Por maisperversas que sejam (como em O Comum dosMortais, 1998, quando retrata as duas mais si-nistras figuras do Estado Novo (a dupla umbilicalformada por António de Oliveira Salazar e pelocardeal-patriarca Manuel Gonçalves Cerejeira),Agustina ama as personagens que cria. É umaespécie de concerto da felicidade entre o reale a ficção. Aos quatro anos já tem uma relação estreitacom as letras. As primeiras leituras marcantes– bem patentes em muitos dos seus romances –são o Antigo Testamento, numa edição ilustradapor Gustave Doré (1832-1883), uma colecção declássicos e uma enciclopédia ilustrada trazidospelo pai do Brasil, para onde partira aos 12 anos,em 1894, e criara riqueza, vindo mais tarde agerir o Casino da Póvoa de Varzim. Entusiasma-se também pelos folhetins de SemFamília publicados no Jornal de Notícias e pelashistórias tenebrosas do escritor francês Paul Fé-val (1817-1887), deleitando-se com Os Mistérios deLondres, de 1844. Pelos seus olhos, sonhos e ima-ginações já tinham passado as aventuras de TexasJack e do seu Jumper mas, também, os enredosvisionários de Júlio Verne (1828-1905) que pro-longou com o mesmo género de histórias um tudo--nada pícaras de Emilio Salgari (1862-1911). Nos primeiros estudos saiu-lhe a sorte grandecom a professora D. Inês. Pintava-se e «usavasaias curtas com um desembaraço notável» (O Li- As pessoas é que são o materialvro de Agustina Bessa-Luís). Os livros e as ses-sões de cinema, garante, acabaram por fazer de- da minha escrita. Se eu nãola uma romancista. Perspicaz e provocadora,relata essa iniciação na mesma obra: «Tudo o que tivesse papel e tinta para escrever,eu podia desfrutar do tempo infantil me parecia acho que não sentia tanta faltavulgar e estranhamente impróprio para mim. Euamava a vida dos adultos, os seus perigos, misté- deles como se não tivesse pessoasrios, paixões e desgraças. O erotismo da infelici-dade depressa o entendi como se fosse a vocação com quem falar e a quem observar.das Pessoas.» [LER, Outono 2003]44
  7. 7. Agustina estará de novo na Póvoa de Varzim, no Pode ter-lhe parecido pacata, arrastada, sem ou condição social. Há os que nãoColégio das Doroteias, entre os seis e os 13 anos. imaginação, mas é na cidade banhada pelo rio podem ultrapassar o seu grau deDepois vai para um outro colégio e, mais tarde, re- Mondego que escreve Mundo Fechado. O livro foi obscuridade; ou os que aspiramcebe aulas de Latim e Francês, no Douro. Não há dactilografado por iniciativa do pai, corria o ano a valorizar-se mediante uma filiaçãopassagem por qualquer outra instituição escolar. de 1948, chegando às montras e aos escaparates de partido; ou ainda os que ostentam Regressada ao Porto, descobre a literatura ame- das livrarias em 1950, na colecção «Mensagem», uma insígnia castrense, o casco,ricana, ela que para o fim da sua carreira literária dirigida por José Vitorino de Pina Martins. o fuzil, o bastão e a faixa. O rumo nãoteria uma obstinação em perceber o que subjaz ao A escritora não perde tempo: envia exemplares estava ainda definido, muito menosmundo dos vivos através da leitura e interpreta- a Aquilino Ribeiro, Ferreira de Castro, Miguel Tor- o percurso. Mas arvoram todos jáções várias de O Coração das Trevas, de Joseph ga e Teixeira de Pascoaes. O fundador da revista os títulos e as missões, ensaiandoConrad (1857-1924). A Águia felicita-a com o maior entusiasmo numa as posições e posando para a História Aos 15 anos, nas terras duras do Douro, escreve carta datada de 2 de Janeiro de 1950: «Minha mui- que possivel-um primeiro romance, intitulado Ídolo de Barro, to ilustre camarada! Peço-lhe [perdão] de joelhos, mente ficariaa que se seguirá um outro, Água da Contradição. de não ter agradecido já a gentilíssima oferta do muda a seuPor iniciativa do pai ambos serão dactilografados Mundo Fechado. […] Trata-se duma escritora de respeito.»– no entanto, à semelhança de outros originais raça, dotada de excepcionais qualidades visioná- E já quasedesses primeiro tempos de escrita, mantêm-se até rias e do instinto do real.» a terminarhoje inéditos. As suas leituras continuam a ganhar outros o seu último Conclui Os Super-Homens para a Portugália voos com Madame Bovary, de Gustave Flaubert sopro lite-mas toma a decisão de retirar o livro do mercado (1821-1880), e criará até uma personagem com o rário, abso-com a justificação de – segundo refere em O Livro epíteto de a Bovarinha, interpretada por Leonor lutamentede Agustina Bessa-Luís – ser «meio falhado por ter Silveira, no filme Vale Abraão. genial, notamais pretensões do que razões». Com 19 anos, na pág. 330: «Todos os detalhes estãoregressa à Invicta. Confessa que «trazia uma in- seu ano de glória é 1953, quando concorre ali, a posição, a riqueza, o lado vulgarformação intelectual bastante bizarra». Lê as obras O com A Sibila ao prémio da editora fundada e sensual; tudo isso é o impessoaldo dramaturgo Eugène Labiche (1815-1888) para em 1899 por Delfim de Guimarães. Leitora dos es- do homem, e seria um erro conhecê-lonão esquecer a língua francesa e O Elogio da Lou- critores russos, em particular de Dostoievski, es- através dessas diferenças. […] A leicura, de Erasmo (1469-1936), para não perder o conde-se por detrás do pseudónimo de Stravogui- não as obriga, não as oprime: são pes-contacto com o latim. ne. Em O Chapéu das Fitas a Voar, confessa: «Não soas felizes, indivíduos presentes no É nessa época, que, ironicamente, pensa pela pri- tenho entre os escritores russos gente que não universal que é o comum das vidas.»meira vez no casamento. Por que razão? «Porque a convidasse para minha casa, para ouvir e contarsolteiria me distraía de maiores realidades» (O Li- histórias, para confiar sentimentos que se balan- 3vro de Agustina Bessa-Luís). Se assim o pensou me- çam no coração, com um ligeiro gemido de portas À semelhança de uma boa parte doslhor o fez. Pôs um anúncio num jornal para conhe- e soalhos como violões de cordas secas e rete- romances de Agustina, tudo começacer alguém que tivesse determinadas qualidades. sadas em excesso.» Vista e aclamada pela crítica no Porto, na Invicta rica, nas famíliasAcertou logo à primeira e começou a namorar com literária como um símbolo de representação do abastadas, burguesas, pela suculentaAlberto Luís. feminino e do seu poder ancestral nas letras por- alma dos ricos – que podem, ou até Depois de uma troca de cartas, encontram-se tuguesas de então (ler texto de Eduardo Louren- devem, viver momentos de penúriapessoalmente no Porto – e casam a 25 de Julho de ço), tudo ou quase tudo já se escreveu sobre esse para, mais1945. Há fotografias em que Alberto Luís acom- genial livro da romancista. tarde, sepanha Agustina com os olhos postos no chão: ela Laura Bulger, quando a apresentou na homena- ergueremvisivelmente bem-disposta, ele sorrindo com algu- gem que a Porto 2001 organizou – «Vozes e Olhares de novoma timidez. Vivem em Coimbra e no Porto, depois no Feminino», iniciativa coordenada por Isabel Pi- e ressus-em Esposende durante cinco anos – onde ela es- res de Lima –, resumiu em poucas palavras a gran- citarem.creve muito, passando a ser conhecida por «eremi- deza de A Sibila: «Quem diria que a história da tia Normal-ta de Esposende». Mais tarde, regressa de novo ao Amélia, como refere a autora, se iria transformar mente,Porto, onde passaria a residir na Rua do Gólgota. nessa obra-prima da nossa Literatura que é A Sibi- habitam Ainda hoje, para a escritora, é do domínio do la, obra inovadora não só pela temática, pela lingua- casasmistério quem decifrou a sua letra leve e inclina- gem ou pelas estratégias narrativas utilizadas grandes,da. Posteriormente, será o marido que, amorosa e como também pelo tratamento dado à personagem têm propriedades e casas espalhadasdedicadamente, lhe lê os manuscritos e os dactilo- central Quina, evocada pela memória de Germa.» pelos subúrbios da cidade ou nografa. Dia após dia, ano após ano, todos os mundos Além do Prémio Delfim Guimarães, ganha, em Douro. Como os Nabascos, a famíliainimagináveis que se vão impondo na ficção de 1954, o Prémio Eça de Queirós instituído pelo Se- que está no centro do romance,Agustina passam, numa relação de cumplicidade, cretariado Nacional de Informação. Na Guimarães «que tinham a veia especulativa,pelo dedos de Alberto Luís. Costuma dizer-se que vai encontrar como companheiros de escrita figu- e o primeiro olhar era avaliador»por detrás de um grande homem está sempre ras como Ferreira de Castro, Joaquim Paço d’Ar- (pág. 232).uma grande mulher; aqui a máxima deve ler-se ao cos e Vitorino Nemésio (no romance) ou Sophia, Perguntar-se-á? Qual é o núcleocontrário: por detrás desta grande mulher esteve David Mourão-Ferreira, Herberto Helder e José central do seu último romance? Assempre um grande homem. Carlos Ary dos Santos (na poesia). «vivências interpessoais», marcadasrevista LER ( janeiro 2009 ) 45
  8. 8. Dedica A Sibila a Maria Leonor da Cunha Leão ciação Portuguesa de Escritores: com Os Meninos tária com uma manta no colo. Parava para ume será o filho da homenageada, Francisco da de Ouro (1983) e com Jóia de Família (2001). breve lanche – «que era quando nós», recorda aCunha Leão, o editor da obra seguinte, Os Incurá- Nas declarações que faz é contida. «Sinto sem- sua filha Mónica, «podíamos falar com ela» – e re-veis (1956). A relação estabelecida entre os dois, diz pre alegria...» ou «Estou muito honrada...» e fica-se começava até à hora do jantar, por volta das oitoo ex-proprietário da Guimarães Editores, «era ami- por aqui. O mesmo acontece quando a crítica da noite.gável mas não íntima, mantendo uma certa ética entra em delírio com este ou aquele livro e suspei- No final, os seus romances incluem a data dena sua relação com o editor». Agustina entrega as ta-se mesmo que, sem a desprezar, não lhe atribui conclusão e por vezes o local onde foram escritos,provas (só revia duas) sempre a tempo e horas. muita importância. Em contrapartida, é muito sen- mas não há uma especial ligação da autora com«Escrevia de rajada e não havia inconstância de sível ao que lhe dizem os seus companheiros de esses lugares: Agustina chega ao ponto de revelar,estilo», sustenta Francisco da Cunha Leão. escrita e, ainda mais, o que o seus leitores parti- como no recente Dicionário Imperfeito (organi- Desde esse ano, a explosão literária de Agustina lham com ela – passando, horas a fio, a tagalerar zado por Manuel Vieira da Cruz e Luís Abel Fer-– do romance às biografias passando pelo teatro, nas feiras do livro ou em encontros a propósito de reira), que até gostaria de escrever num quartocrónicas, memórias, textos ensaísticos, obras tudo e de nada. O que não é pouco, se a comparar- de hotel… Certo, certo, é que os grande períodosinfanto-juvenis e alguns dos argumentos que fez mos com outros romancistas que se alcandoram de criação literária, se assim podemos dizer, sãopara Manoel de Oliveira filmar a partir das suas nas suas torres de marfim. os balizados entre Esposende e o Porto, na Ruanovelas e/ou romances – não tem equivalente Como explicar essa explosão? Primeiro porque do Gólgota.na literatura portuguesa da segunda metade do tratava por «tu» o que fazia – com paixão, arre- A partir dos finais dos anos 50 começa a viajar,século XX. batamento, reflexão e muita investigação. Por há- altura em que Alberto Luís comprou um Volks- Prémios e distinções sucedem-se, sendo de bito ou por disciplina, levantava-se muito cedo. wagen. Além da viagem a Itália (com passagemrealçar o Prémio Camões que recebeu em 2004, Tratava das plantas no jardim e descia o olhar por Espanha e França) pormenorizadamente des-aos 81 anos. Conquistou também, por duas vezes, sobre o Douro. Escrevia até à hora do almoço e, crita no belíssimo, mas muitas vezes esquecido,o Grande Prémio de Romance e Novela da Asso- a seguir à refeição, voltava de novo para a secre- Embaixada a Calígula (1961), as outras viagens46 ( janeiro 2009 ) revista LER
  9. 9. sobretudo por Martinho Nabasco, que vive até ao fim dos seus dias obcecado Uma vida humana é sempre com A Ronda da Noite? A sua mulher Judite? Ou a sua avó Maria Rosa? demasiado frágil e curta para Agustina entre- cruza bissec- fazer uma obra. O sofrimento trizes em todas é que traz toda essa força as direcções para simulta- da vida, um desdobramento neamente des- lindar os mis- da nossa duração. É o que faz térios da tela e, simultanea- falta a muitos autores novos. mente, «pin- ta/escreve» – a claro e a escuro, com [LER, Inverno 1988] todos os seus cambiantes – a ronda dos seus personagens e do modo como se encaixam, ou não, nas rea- lidades político-sociais que a Revo- lução dos Cravos – um outromais referidas por Agustina são as que fez ao estava recenseada. Já em regime democrático, quadro... – trouxe para a sociedade.Brasil (1989), de que ficaram registos em Bre- Francisco Sá Carneiro foi o «menino dos seus Emoldurados pela esfera de uma efa-viário do Brasil, editado pela ASA (e integrado no olhos». Nas eleições presidenciais de 1976, quando bulação trágico-cómica, misturandociclo «Os Portugueses ao Encontro da sua His- o PREC ainda ameaça incendiar o País, apoiou Ra- uma carga de nostalgia – «noutrostória», iniciativa do Centro Nacional de Cultura). malho Eanes. Nas eleições mais empolgantes des- tempos isto já não se passava assim» –,Depois de uma passagem pela Grécia com Sophia, de o 25 de Abril, em 1986, disputadas entre Mário critica sem apelo nem agravo o queem 1961, volta a uma das raízes da cultura euro- Soares e Diogo Freitas do Amaral, é mandatária na- a sociedade globalizada nos trouxe.peia, Rodes, acompanhada pelo fotógrafa Luísa cional do segundo. Na primeira candidatura pre- Um exemplo apenas: «A democracia,Ferreira, dando origem ao álbum Azul, Azul (Não- sidencial de Jorge Sampaio, em 1996, integrou a que na mocidade lhe parecia fácil-Lugares), Ambar, 2002. comissão de honra do candidato socialista. Dirige, e soalheira, acabava por despertar É visionária e acutilante nas análises que faz: entre 1986 e 1987, o diário O Primeiro de Janeiro e é nele [Martinho] irritabilidade de castacomo esquecer O Mosteiro, um dos mais agudos e nomeada directora do Teatro Nacional D. Maria II que julgavainteligentes retratos de Portugal em que D. Sebas- pelo então secretário de Estado da Cultura, Pedro não existir.tião vai ganhando os contornos de uma mulher? Santana Lopes, funções que exerce de 1990 a 1993. Usava jeansOu a mais que lúcida crítica que faz ao cavaquis- Sectores ligados ao teatro, mas não só, vêem-na com jaque-mo em Os Meninos de Ouro (1983)? Ou, ainda, mais como uma «comissária política». A actriz Eu- tão comessa obra incomparável A Quinta Essência (1999), nice Muñoz, que não teve com a autora de As Fúrias botões me-verdadeiro tratado sobre os mistérios insondá- – obra que viria a subir à cena no Teatro Nacional – tálicos por-veis do sexo? nem a menor nem a maior intimidade, é perem- que isto o ptória: «Não concordo com essa visão porque não situava na nde situar Agustina? Próxima das temáticas me parece que haja razões para dizer isso. [Quem o ambigui-O de Camilo Castelo Branco na construção das diz] tem uma opinião bastante desonesta.» E, como dade ma-personagens, não muito afastada da descrição de seria de esperar, não só apoiou e esteve ao lado de jestática,paisagens de Eça de Queirós, pós-moderna avant Aníbal Cavaco Silva nas últimas eleições presiden- necessário num tempo de ambigui-la lettre na desconstrução das realidades de onde ciais como fez parte da sua comissão de honra. dades. Maria Rosa achava-o ridículoparte para construir os seus livros, aparentemen- Que dizer mais? «Agustina é, depois de Fernan- mas, se o ridículo mata, mata muitote provinciana mas abrindo caminhos para perce- do Pessoa, o segundo milagre do século XX portu- lentamente» (pág. 233).ber a universalidade dos homens, única num esti- guês e será reconhecida quando, com a distância,lo espirituoso, sarcástico, perverso, aforístico em se puder medir toda a sua estatura, como a con- 4muitos casos, marcado, sobretudo, pela alegria de tribuição mais original da prosa portuguesa para O triângulo Martinho/Judite/Mariacomunicar. Ela não escreve para ser aclamada a literatura mundial, ao lado do brasileiro Guima- Rosa está marcado pela volúpia,mas para ser lida pelos seus leitores ou... detrac- rães Rosa.» Palavras de António José Saraiva, em as relações entre o sexo, o erotismotores, que só se convencem da sua genialidade Iniciação à Literatura Portuguesa (Gradiva, 1994). e o amor, na relação/diferençaquando ao acaso lêem um livro seu. E tem toda a razão. homens/mulheres, temas sobre os A sua obra é atravessada igualmente pelo Poder quais Agustina escreve como ninguémque a fascina, mais para compreender a sua essên- Só foi possível escrever este texto graças à cola- (a este título só A Quinta Essência,cia do que para exercê-lo. Nas eleições de 1969, boração de Manuel Vieira da Cruz, Luís Abel de 1999, consegue superar A RondaMarcelo Caetano convidou-a para as listas da Ferreira, Mónica Baldaque, Francisco da Cunha da Noite). Neste, como noutrosAcção Nacional Popular. Agustina aceita mas não Leão e Alberto Luís. T romances, é sob o signo da femini-revista LER ( janeiro 2009 ) 47
  10. 10. A primeira páginado manuscrito de A Sibila48 ( janeiro 2009 ) revista LER
  11. 11. lidade que Agustina compõe o quadro.Uma Opera Omnia O capítulo VI, «O Torreão Vermelho», é a chave para compreendermos Rosanão é uma edição crítica – que já na adolescência, sob os ca- lores do Verão «não trazia calcinhas e o vento da tardeCom a publicação de Dicionário Imperfeito que ração entre os vários documentos é determinante lhe beijava aso actual proprietário da Guimarães Editores, para que o leitor faça o seu juízo de valor sobre o partes íntimas»Paulo Teixeira Pinto, classificou, consciente ou «produto» que lhe é dado a ler. 5. Mais: em textos (pág. 125) – e oinconscientemente – inclino-me para a segunda pequenos – como acontece com os aforismos seu neto Martinho,hipótese –, como tratando-se de uma edição crí- de Dicionário Imperfeito – são precisas anotações interrogando-setica, estava a vender gato por lebre. que possam esclarecer não só o aforismo mas a Rosa Maria Quer o Dicionário Imperfeito, que levantou uma sua data de enquadramento e não aleatoriamente. ao longo do livroonda de indignação junto dos académicos que lidam Estas regras, de quem trabalha na filologia, não se ele é ou nãode perto com a obra da autora de A Corte do Norte podem ser vistas como umas piquinhices dos aca- um mutante. Um bissexual?(o filme homónimo de João Botelho tem estreia démicos e que só a eles dizem respeito. Quem de- Maria Rosa desafia-o e pergunta-lhemarcada para os inícios de Fevereiro), quer o mais fenda uma tese desse calibre não sabe o que está se ela é cruel. Mas não desarma.recente inédito O Chapéu das Fitas a Voar, a «Opera a dizer: a obra em causa fica mais valorizada e, «Acontece com as mulheres o queOmnia» tem que ser aplaudida pois vai trazer a lu- uma vez fixada, pode dar-se início às edições ditas acontece com o dinheiro […].» Marti-me alguns dos seus livros completamente esgota- «populares» (como acontece com a Edição Crítica nho contrapõe: «E as mulheres cabemdos (como o belíssimo Embaixada a Calígula). Mas, das Obras Completas de Eça de Queirós, coorde- aí?» «Não», responde Maria Rosade todo em todo, não se trata de uma edição crítica, nada por Carlos Reis, que, primeiro, sai na Im- e acrescenta: «Mas entram em qual-apesar do incansável trabalho de Manuel Vieira da prensa Nacional-Casa da Moeda e, depois, sem quer discurso. A inflação é isso.»Cruz (MVC) e de Luís Abel Ferreira (LAF), com a o aparato crítico-genético, vem a lume na Edito- Dá-lhe um conselho: «Dorme com«ajuda fundamental de Alberto Luís», marido da rial Presença. Investigadores, editores, leitores ela [Judite], que sempre ajuda.»autora, em erguer a Obra Completa de Agustina. e autores só têm a ganhar. A seguir, vem a estocada fatal: «Isto Para se falar de uma edição crítica há alguns Quer isto dizer que a publicação de O Chapéu de se julgar que as mulheres de camapressupostos que tem que ser tidos em linha de das Fitas a Voar não tem importância para ilumi- têm um es-conta. 1. Quando existem várias versões do mesmo nar aspectos menos conhecidos e autobiográficos tilo própriotexto, é preciso compará-las para determinar qual para conhecer de perto o seu percurso literário? de provocardelas o autor pretendeu escrever. 2. Depois, quan- Nada disso. Antes pelo contrário. com roupasdo as versões do texto são manuscritas existe o Por um lado, confirma-se que a tia Amélia está íntimas, épressuposto de que a mais recente corresponde à na origem da protagonista do romance A Sibila, um engano.última intenção manifestada pelo autor e, nessa e na nota final esclarecedora «Sobre a Origem dos Com roupasmedida, ser publicada. 3. A forma de obter o resul- Textos», MVC e LAF dão uma tábua precisa dos íntimas nãotado é muito variável mas o importante é que a úl- documentos que recolheram, fixaram e editaram. se provocatima vontade do autor tem que ser respeitada mes- Por outro lado, porque – embora a protagonista se nada, elasmo que, literária e esteticamente, uma anterior chame Lourença – a essência de O Chapéu das Fi- são o con-versão seja «melhor» do que a última. 4. A compa- tas a Voar é de uma «autobiografia “quase” leve- trário da mente ficcionada», confirmando alguns dos traços excitação. O cancã sim, era excitante; da vida da escritora e da sua escrita. Entre muitos libertava o cheiro a sexo com aqueles exemplos, quando ia ao cinema convivia com as folhos e saias agitadas no ar» estrelas de Hollyood; regala-se com a lotaria de ter (pág. 203). Até porque «os grandes vivido entre «o período da razão até à adoles- amores são como as grandes dores, cência» na Póvoa de Varzim com o seu casino que silenciosos. Só que trazem a virtude lhe desperta tanta curiosidade e, sem panos quen- de em nada serem calculados, nem tes, afirma: «Escrever romances é uma maneira sequer pressentidos». Porquê? Porque sedentária de multiplicar a nossa história.» «decorrem com sintomas que mais Está tudo em O Chapéu das Fitas a Voar? Com- parecem de doença extraordinária, se pleta-se com O Livro de Agustina Bessa-Luís? Sim não é que o amor não é uma doença e não. Porque o melhor de Agustina e a sua auto- das células que se renovam. E aqueles biografia estão nos livros que escreveu. T Carlos que não amam contam mais células Câmara Leme mortas do que as outras pessoas, os amantes que amam» (pág. 200). Perfeito milagre da escrita, A Ronda da Noite foi abençoado por Deus e odiado pelo Diabo. Como Agustina, decerto aprecia. Carlos Câmara Lemerevista LER ( janeiro 2009 ) 49
  12. 12. Geniale vulcânicaMANOEL DE OLIVEIRA*O nosso encontro deu-se quando ela tinha acaba- o espírito de qualquer das obras que saíram dado de escrever Os Incuráveis. Nessa altura, o pin- caneta de Agustina e que levei para o ecrã. Maistor Carlos Carneiro apresentou-me a Agustina e do que todos os filmes que fiz com ela, do que gos-ao Novais Teixeira, jornalista português do jornal to mais é mesmo dela. De todos os livros o maisbrasileiro Folha de S. Paulo. Ela morava, por essa forte é Os Incuráveis. Mas a Agustina não é ne-altura, na Rua da Boavista. Contei-lhe que gostava nhum dos seus livros mas o conjunto de todade fazer um filme da minha autoria, A Caça. Ela a sua obra. Ela completa-se. É genial e vulcânica.achou interessante não obstante não estarmos in-teiramente de acordo sobre a forma como o filme *Cineasta.terminava. Depois ela ofereceu-me A Sibila, que eu já tinhalido, depois de ter acabado de ler Os Incuráveis.E, de novo, estivemos em desacordo. Eu, impru-dentemente, disse-lhe que gostava antes que meoferecesse Os Incuráveis de que eu gostava mais.Imprudentemente porquê? Porque quando alguémnos oferece algo não temos senão que aceitar. Em 1979, enviou-me o romance histórico FannyOwen. Quando o li era, afinal, uma história que euconhecia já muito bem, por se tratar de coisas liga-das à família da minha mulher, ocorridas na Casada Capela, em Baião – que, por essa altura, perten-cia ao seu irmão Abel Brandão Carvalhais por he-rança. E onde existiam as cartas de Fanny Owen,porque o apaixonado dela, José Augusto, era oriun-do da Casa da Capela. Entretanto, ainda em 1979-1980, estava eu jápreparado para filmar, com toda a equipa, O Pretoe o Negro, história com base no que eu tinha con-tado ao autor Vicente Sanches e que ele cruel-mente aumentou. Apenas faltava o acordo com oVicente Sanches, com quem eu já tinha filmadoO Passado e o Presente. Agustina escreveu-me adizer que não fizesse tal coisa. O crítico literárioJoão Gaspar Simões escreveu um artigo em queia, também, ao encontro da opinião que Agustiname tinha manifestado. Acontece que se tentou che-gar a um acordo entre mim e o produtor com o Vi-cente Sanches, mas que não produziu qualquerefeito. Como conhecia bem a história de FannyOwen propus ao produtor Paulo Branco que fizes-se o contrato com a Agustina em que eu prometiaque, em menos de um mês, teria a planificaçãopara realizar Francisca. Se ela não gostar deste ou daquele filme meu– com base em livros dela – isso não me incomo-da nada desde que eu goste daquilo que fiz. O queme poderá verdadeiramente doer é eu não gos-tar daquilo que faço. Julgo, porém, que nunca traí50 ( janeiro 2009 ) revista LER
  13. 13. Um espíritomuito independenteDIOGO FREITAS DO AMARAL*Não me recordo da data ou do ano em que conheci Como é que se processou o convite que lhe fiz -direita têm para apresentar: Mário Soares eAgustina Bessa-Luís. Mas sei que foi num almoço, para ser a minha mandatária? Em primeiro lugar, Freitas do Amaral. Com qualquer deles, Portu-no Porto, em casa de amigos comuns. Contudo, am- direi que no grupo informal com quem preparei a gal ficará bem servido. Mas eu vou apoiá-lo a si.bos nos conhecíamos bem – ela, através da minha minha candidatura [presidencial], antes de ela ser Agradeci, é claro, muito sensibilizado.actuação política, desde 1974; e eu (claro) através anunciada (26 de Abril de 1985), foram pondera- Agustina Bessa-Luís foi sempre, e é, uma pes-da leitura deliciada de alguns dos seus excelentes dos três nomes para «Mandatário Nacional» – um soa muito independente. Pensa pela sua cabeça.livros, de que recordo em especial A Sibila, Fanny general, um professor universitário e um escritor E possui uma imaginação, uma criatividade e umOwen e a biografia do marquês de Pombal – Sebas- ou um artista plástico. Por unanimidade, o grupo poder inventivo que lhe permitem situar-se na fic-tião José. aconselhou-me o nome de Agustina, que eu de ção ou na biografia sem precisar de fazer política. imediato aprovei com grande esperança. Em se- Não o fez antes do 25 de Abril, nem depois. Decer- gundo lugar, eu não queria colocar uma pessoa tão to teve e tem as suas ideias políticas. Mas os seus prestigiada e respeitada perante um convite meu livros não são políticos: são obras literárias, re- que a apanhasse de surpresa: não seria correcto tratos humanos, reflexões filosóficas, mas não da minha parte. Lembrei-me então de, para uma invadem o domínio próprio da política. Quando sondagem prévia, recorrer ao meu bom amigo entrou numa campanha política, fê-lo como ci- Alberto Baldaque, genro dela. dadã. Assim, creio que lhe foi fácil discursar em A resposta veio em 24 horas e era positiva. Com- inúmeros comícios da minha campanha. E que binou-se, então, um encontro entre nós em casa belos discursos fez! dela. Foi às cinco da tarde e ela serviu-me, com Se a política nunca contaminou a sua literatura, toda a amabilidade e gentileza, um chá com scones, a arte de pensar e de escrever esteve sempre nos à moda inglesa. Expliquei-lhe a razão de ser e os seus discursos políticos. Eram substancialmen- objectivos da minha candidatura, bem como as li- te ricos e formalmente perfeitos. A multidão es- nhas gerais do que seria o meu discurso eleitoral. cutava-a em silêncio atento e enleado. E, no final, Ela concordou, aceitando ser a minha «Manda- aplaudiam-na mais do que aos políticos que me tária Nacional». E disse mais ou menos o seguinte: apoiavam. – Olhe, Professor. Não sei se vai ganhar ou Porquê? Talvez porque a arte é pura e a política não. Ninguém sabe. Mas vou trabalhar para impura. isso. Estas eleições são muito importantes para a consolidação de um regime democrático civil. *Fundador do CDS, candidado à Presidência da Re- E o povo português tem muita sorte: a disputa pública nas eleições de 1985, presidente da Mesa da vai realizar-se entre os dois melhores candida- Assembleia Geral da Nações Unidas (1995) e ex-mi- tos que, neste momento, a esquerda e o centro- nistro dos Negócios Estrangeiros do actual Governo. Se a política nunca contaminou a sua literatura, a arte de pensar e escrever esteve sempre nos seus discursos políticos, ricos e perfeitos. A multidão escutava-a em silêncio atento e enleado.revista LER ( janeiro 2009 )
  14. 14. O melhor escritorportuguês vivoPAULO TEIXEIRA PINTO*Quando me perguntam o que para mim significa, exemplo de fidelidade editorial que muito honraenquanto responsável máximo da Guimarães a Guimarães Editores.Editores, ter no catálogo da editora a romancista Além de querer repor a sua Obra Completa àAgustina Bessa-Luís, não posso deixar de sentir disposição dos leitores, contamos dar a conhecerum enorme orgulho por ter o meu nome associa- internacionalmente a romancista, dramaturgado ao seu percurso literário: desde o seu primei- e ensaísta, particularmente no mundo anglo-sa-ro romance, Mundo Fechado, até ao seu último li- xónico onde ela, como muitos outros escritoresvro, A Ronda da Noite. Por muitas razões, a maior portugueses, não tem um único livro traduzido.das quais é considerá-la o melhor escritor portu- E, nesse sentido, é subavaliada.guês vivo. Como admirador e responsável editorial da sua Com Agustina tem esta casa tido uma longa re- obra é nosso propósito fazer uma grande divulga-lação editorial, estabelecida em 1954, data em que ção internacional de Agustina Bessa-Luís.ganhou o Prémio Delfim Guimarães. Orgulho-me,também, por ser uma autora com um invulgar *Presidente da Guimarães Editores.52
  15. 15. Mistérios da genialidadePEDRO SANTANA LOPES*Agustina Bessa-Luís tem o dom de pertencer a homem do protocolo se podia ligar o ar-condicio- ginal do seu pensamento. Nada escreve sem sen-cada lugar e a cada tempo. Fá-lo com inteligência, nado. Quando o diplomata lhe disse que o aparelho tido. Em nada se poupa ou desinveste.humor e liberdade de espírito com expressão numa não funcionava, Agustina logo respondeu: «Deve ser Em Janeiro de 2004, fez a apresentação do meuestética sibilina, irrepetível. É no desconcerto das a única coisa que não é condicionada na China.» livro Causas de Cultura (Bertrand), no Grémio Lite-ideias feitas que Agustina constrói o seu universo, Nessa altura, tinha convidado Agustina Bessa- rário. Presentes, naquele mês, governantes, juízes,que nos é tão próximo, como surpreendente. -Luís para dirigir o Teatro Nacional D. Maria II. Sen- intelectuais, desconhecidos – o poder no mundo Agustina representa um misto da aristocracia dodoPorto,gostavamuitíssimodeLisboaelávinha, português. Agustinacortouadireito:«Pensoqueume burguesia do Norte português. É de aqui que se as- todas as semanas, de comboio, com um entusiasmo país não pode ser gerido como uma casa de família.sume como uma cidadã do Mundo, pós-moderna, contido, quase trocista. Fizémos o «sacrilégio» de Demasiada prudência tem riscos de transformarcapaz de identificar as nossas idiossincrasias, peca- pôr no palco do Teatro Nacional o musical Passa por tudo em costume. Ora viver não pode ser um cos-dilhos e grandezas muitas vezes desaproveitadas. Mim no Rossio, de La Féria, com enchentes diárias, tume, governar também não o é. Ousar, perderFala sobre a autocontemplação dos Portugueses durante meses. Geria as pessoas e as coisas com sa- e ganhar, recomeçar e sobretudo conhecer o ili-com uma lucidez mordaz. A troco de uma bana- bedoria. Era desassombrada, desconcertante para mitado que nos chama e os meios que nos põemlidade, surge com um comentário profundo, cheio alguns, mas nem por isso provocava conflitos. obstáculos são a marca do homem do poder.»de humor e oportunidade. Desde essa altura, mantivemos um contacto Lembro-me de um dia, na China, ao entrar num regular, por vezes escrito. É, para mim, um privi- *Ex-primeiro-ministro. Candidato do PSD à Câmaracarro para visitar o exército de soldados de terra- légio ter algumas das suas cartas, verdadeiras peças Municipal de Lisboa. Enquanto secretário de Estadocota em Xian, capital de Xanxi, debaixo de um calor literárias que gosto de revisitar. Agustina sabe ser da Cultura nomeou Agustina para directora do Tea-húmido insuportável, Agustina ter perguntado ao amiga, estar presente e deixa sempre a marca ori- tro Nacional Nacional D. Maria II (1990-1993).A perspectiva da magaLÍDIA JORGE*Para Agustina Bessa-Luís, o contraditório é o chão em geral, é o estereótipo feminino, fundamen- nas um permanente exercício de translação. Poisdo pensamento. Quem não entender essa sua raiz tado num contraditório ainda mais radical. lá onde Agustina parece estar, não está. Apenas aliprofunda terá dificuldade em compreender a obra À primeira vista, Agustina sempre escreveu se encontra a sublevar os espíritos, essa acçãoque produziu, o vínculo que estabelece com o para além do ressentimento, já que parece ter superior que atribui à escrita e à conversação,mundo, com os livros, e até mesmo o tipo de rela- impregnado as figuras de mulher daquele carác- e para a qual sempre está necessitando de novosção que mantém com os colegas de quem é con- ter a que comummente se chama de viril, e eu cha- espaços para mudar de mira. Qualquer dialogantetemporânea. maria apenas de vencedoras no plano da repre- desprevenido, diante de Agustina, pode sentir-se A obra aí está para o ilustrar. Ler Agustina é sentação, por compensação da perda no plano do de facto mais conforme com aquilo que a moder-mergulhar num mundo de virtuosismo entre pen- real. A frase de Nietzsche que ela tão subtilmente nidade espera de cada um de nós. Mas a autora desamento e ficção, destrinça entre instinto e alma, manobrou em Um Cão Que Sonha – «Se fores ver Os Incuráveis é sempre moderna porque se colocadiscurso cujos contornos podem assentar no his- a mulher leva o chicote» – sob os seus dedos, fora da dualidade presente/passado e, bem vistastórico ou no jornalístico, mas o nuclear sempre se muda de mão, e o cabo desse instrumento confun- as coisas, fora da dualidade homem/mulher. Agus-constrói rente ao humano individual, no que ele de-se com a caneta que empunha, para com ela tina vê-se a si mesma numa perspectiva de futuro,tem de insondável e nele se constitui como fonte vergastar a fragilidade do homem. Mas não é fácil e escreve e fala na perspectiva da maga.de surpresa. A surpresa que Agustina faz falar em Agustina encontrar algum campo de leitura O molde que encontrou para esse salto fora doatravés da análise da ambivalência humana, onde linear, directa, e muito menos pacífica. tempo e do género, nos livros, foi a sentença e ase jogam as oposições que formam o universo da Para os espíritos mais convencionais, Agustina epígrafe. Na discussão, foi a exploração do adver-interioridade. O mesmo é dizer que imaginar a promove surpresas espantosas, colocando-se no so, isto é, da contradição revestida do irónico, e atéliteratura do século XX sem a obra de Agustina, lugar de onde a mulher vergasta a mulher, depre- do irónico prazenteiro. Porque Agustina, como seseria amputá-la da sua fatia mais densamente ciando-a. Pois não é raro Agustina falar da mulher lhe reconhece, sabe rir do mundo como ninguém.dramática. como um ser sem causa, um ser desemprega- Como poucos, ri de todos, e entre todos – ao con- Mas se se quiser entrar no domínio da escrita do de ambição, uma alma vaga, deambulando ao trário do processo usado por muitos – ela mesma,produzida por mulheres – particularidade que sabor do acaso e do apelo, uma criança grande lá não está.continua a fazer sentido – nela se encontra uma acomodada a um eterno segundo lugar.espécie de sublevação em relação àquilo que, Surpresa? Contradição? De modo algum – ape- *Escritora.revista LER ( janeiro 2009 ) 53
  16. 16. À maneirade prelúdioLAURA FERNANDA BULGER*Curiosamente, não foi o primeiro, mas o segundo na, onde se narram os caminhos tortuosos da du- Parafraseando a própria Agustina, ao comentarvolume de Os Incuráveis que me deu a conhecer a plicidade, do incesto e de um crime não resolvido, as representações pictóricas de Paula Rego, as mu-escrita de Agustina, antes mesmo de ler A Sibila, praticado, supostamente, por uma mulher. O des- lheres construídas pela escritora «talvez fossemdescoberta tardia, mas que foi, como se costuma tino da protagonista poderá ficar suspenso do lu- outras» sem esse universo nortenho subjacente,dizer, um daqueles encontros fatais que aconte- gar sagrado descrito no prólogo, como a «menina consciente ou inconscientemente, à sua ficção. Talcem na vida. de nome Alfreda» que, no sítio do Anjo, anseia por como acontece com Paula Rego, ficamos sem saber O que logo me impressionou em Os Irmãos foi conhecer a Virgem, sendo A Alma dos Ricos a re- como a criadora de A Sibila as representaria «a par-a exuberância da voz narradora, no primeiro presentação do seu percurso obsessivo, que só ter- tir de Elsinor», o reino da adúltera, da prostitutaparágrafo da sequência a Os Retratos. Lembrava- mina com a morte da heroína delirante. Em Fanny e da louca, na visão de um Príncipe melancólico,-me a euforia de Mrs. Dalloway, naquela dia quen- Owen, o cenário de um Douro infernal serve de atormentado pelo desejo de vingança. Mesmo de-te de Junho, antes de sair de casa para comprar flo- prelúdio ao drama de Fanny, vítima do ciúme pois de percorrer a longa galeria de protagonistasres – What a lark! What a plunge! –, como se a entre dois homens romanticamente apaixonados. agustinianas, não ousaríamos imaginá-las, até por-manhã radiosa também fosse para ela um recome- À maneira de prelúdio, em Vale Abraão fala-se que Agustina é sempre surpreendente.çar, «mergulhando», a seguir, nas recordações de da margem esquerda do Douro, ensombrada poruma infância já distante, o que sucede com fre- uma maldição bíblica que deixa antever a trajec- *Professora da Universidade de Trás-os-Montes equência nos romances de Agustina, para quem o tória da heroína, Ema, condenada a uma vida in- Alto Douro e autora de, entre outros livros, A Sibi-passado também é motor de toda uma orquestra- satisfeita, na tacanhez do seu meio provinciano. la» – Uma Superação Inconclusa (Guimarães Edi-ção novelística. A morte por afogamento nas águas lamacentas do tores, 1990) e O Ângulo Crítico do Entendimento Para além da «febril coragem de aventura», con- rio será o fim desta Bovarinha-Ofeliana, moldada do Mundo. Estudos em torno da Ficção de Agus-dição essencial da criação artística, em Os Irmãos pela paisagem duriense. tina (Edições Colibri, 2007).confirma-se uma estética determinada em explo-rar os recantos mais obscuros da vivência huma-na, fazendo das experiências e dos «sonhos já vivi-dos» objecto de contínua auto-reflexão. «Tudoserve para recomeçar», sejam os arroubos espi-rituais de uma protagonista aspirante a um mun-do outro que não o seu, sejam os instantes em quese ocupa das tarefas mais insignificantes do seuquotidiano doméstico. Assim é, por exemplo, o constante recomeçarda heroína arquetípica, Quina, na evocação con-templativa de Germa, enquanto se baloiça naque-la «sala, de tecto baixo, onde pairava um cheiro depragana e de maçã». As primeiras páginas dos ro-mances de Agustina são geralmente tão empol-gantes que, seduzidos pela grandiosa overture ver-bal, vamo-nos envolvendo, em addagio ou presto,na intriga ou teia de intrigas forjadas por uma me-mória imprevisível e imparável. Em As Pessoas Felizes começa-se por recordarum belo dia de Verão, o que não significa que a nar-rativa que se lhe segue – uma das muitas em quea sociedade portuense é o referencial identificá-vel – se desenrole pacífica e linearmente ou queNel, a personagem central, encontre alguma vez afelicidade que procura. Um curto preâmbulo sobrea infalibilidade do poder diabólico é premonitóriode uma história sórdida, o caso de Eugénia e Silvi-54 ( janeiro 2009 ) revista LER
  17. 17. A incompletudeda escrita circularÁLVARO MANUEL MACHADO*A célebre frase de Fernando Pessoa «Eu não evo- tição, portanto, desde o primeiro romance. O que que tem evidentes semelhanças com o Hans Cas-luo, viajo» (carta a Adolfo Casais Monteiro, 1935) nos leva a pensar que para Agustina a obra de arte torp de A Montanha Mágica, de Thomas Mann:poderia ser aplicada, em termos gerais, ao pro- é um «mundo fechado». Digamos até, um absoluto. «A impressão de que tudo era igual para sicesso criativo de Agustina Bessa-Luís. De facto, Todavia, um absoluto feito de fragmentos, no mes- e seguia igual, de que entre a noite e o dia, parana autora de O Mosteiro parece não haver aquilo mo sentido em que o foi para Proust o À procura si, não houvera sombra nem trégua, de que viviaa que se chama «fases» ou «ciclos» linearmente do Tempo Perdido: o de uma diversidade que se já infinitamente entregue ao tempo, pavoroso dedeterminados. concentra na própria acumulação metafórica e tão vasto, horrível de tão sereno – isto persistia em Tudo em Agustina se corresponde e entrelaça. fragmentada de pormenores quase imperceptíveis si. “É como a certeza de ter de esperar para sem-Tudo se acumula e repete, em círculo. Mas, tal que a memória (sobretudo a da infância) recupera pre” – pensou» (pág. 6).como o encadeamento de personagens e factos e transfigura miticamente a cada instante. E lembremos ainda como, no seu último roman-(em que nada, mesmo o mais momentâneo e ca- As próprias personagens, na sua diversidade, ce, A Ronda da Noite, Agustina volta ao tema dosual, se perde) dá o sentido último ao livro, tam- são reveladas ao leitor como únicas através de pe- tempo e da memória que o mitifica, agora projec-bém lho dá o que, à primeira vista, pareceria o seu quenos detalhes: os objectos que as rodeiam, há- tado na relação entre literatura e arte, quandocontrário: a incompletude. O que significa que, em bitos quotidianos que por vezes se confundem Martinho, o personagem principal, sente «quantoAgustina, tudo se liga, tudo leva a uma poética com manias, maneiras de vestir, de falar, etc., tudo no tempo há apenas fugacidade e não outra medi-do inacabado. isso inserido no elemento absolutamente funda- da senão esta» (pág. 115). Assim, o círculo fecha-se, Assim, de Mundo Fechado (1948) até A Ronda da mental da estrutura narrativa agustiniana que é o entre a ironia e o mistério.Noite (2006) há uma circularidade da escrita que tempo, sentido na sua veloz passagem e/ou pensa-concilia ad infinitum unidade e variedade, a dife- do na sua tenebrosa essência. Lembremos, a pro- *Professor da Universidade Nova de Lisboa, autorrentes níveis da narrativa, desde um obsessivo «es- pósito, como desde o início do seu primeiro ro- de, entre outras obras, Agustina Bessa-Luís – Vida epírito do lugar» à multiplicidade de personagens, mance, Mundo Fechado, Agustina evoca o «peso» Obra, (Arcádia, 1979) e Agustina Bessa-Luís – O Ima-algumas reaparecendo ciclicamente. Arte da repe- do tempo através do personagem central, Pedro, ginário Total (Dom Quixote, 1983).A alegria das letrasTELMO MOURINHO BAPTISTA*Recordava o seu gosto pelo contacto com o públi- do pedestal em que esperaríamos que a colocasse, em que a literatura era só mais uma actividade,co, pelas longas horas passadas em feiras do livro, para falar dessa actividade como quem fala de alheia a este mundo dos outros.sentada, a assinar os seus livros e convivendo com qualquer outra coisa necessária à vida como Por isso, disse não acreditar nas grandes ideiasos seus leitores. Daí que, quando há cinco anos comer ou tomar banho. Sem mais. E entreteve-se feitas sobre a importância da literatura. Que revela-promovi um ciclo de conferências sobre as rela- e entreteve-nos a contar pequenas histórias da sua ção feita por quem tinha escolhido a vida de escrita!ções entre a Psicologia e outras áreas do conhe- vida, como para demonstrar a sua tese. Acedeu mais uma vez a assinar os seus livros,cimento, se me impôs o nome de Agustina Bessa- Contou como os taxistas a levavam em grandes com a paciência de quem tem todo o tempo à sua-Luís como a pessoa a convidar para o tema da voltas por Lisboa, tomando-a por uma provincia- frente, e deixou-me uma dedicatória na sua auto-Literatura e Psicologia. na carregada de volumes de supostos mantimen- biografia e fotobiografia que é toda uma visão do Vejo-a entrar na Livraria Almedina de Lisboa tos, pacotes que envolviam as letras em forma de mundo, «com um abraço de muita alegria, por-e tenho o vislumbre de uma avó, da minha avó, livro que escrevia, e de como isso não a incomo- que as letras são coisas de felicidade». Fez tantode todas as avós, a quem nos apetece tratar com dava. Ou ainda da vez em que um vendedor do por desaparecer aos nossos olhos que registoureverência e trato cuidado. Surpreendo-me com a Bulhão, após lhe ter apresentado um papel com a neles uma impressão duradoura. Será esta a ma-sua rapidez e o olhar certeiro. Esse olhar que man- conta das mercadorias, e Agustina o ter interroga- gia, o truque, ou a verdadeira forma de viver?tém durante todo o tempo, um olhar sorridente, do sobre a quantia em causa, lhe ter perguntadode quem goza o que o mundo tem para lhe dar. se sabia ler. E de como isso a divertia, sentir que *Presidente da Associação Pró-Ordem dos Psi- Fez uma palestra invulgar, tirando a literatura podia passar despercebida, ou posta num lugar cólogos.revista LER ( janeiro 2009 ) 55

×