Bases sobre teoria da cor aplicada aos sistemas

142 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
142
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Bases sobre teoria da cor aplicada aos sistemas

  1. 1.     Índice Introdução ao conceito de cor; Modelos aditivo e subtrativo; * Modelo aditivo; * Modelo subtrativo; * Síntese; Modelo CMYK; Modelo HSV.
  2. 2. A cor é uma característica dos objetos e pode ser emitida, refletida ou difundida, sendo nós, os humanos, os recetores através de um dos nossos cinco sentidos, a visão.
  3. 3. Quando se utiliza um sistema de coordenadas para determinar os componentes do modelo de cor, está-se a criar o seu espaço de cor. No espaço cada ponto representa uma cor diferente. O modelo utilizado para descrever as cores emitidas ou projectadas é considerado aditivo e para as cores impressas é considerado subtractivo.
  4. 4. Num modelo aditivo a ausência de luz ou de cor corresponde à cor preta, enquanto que a mistura dos comprimentos de onda ou das cores vermelha, verde e azul indicam a presença da luz ou a cor branca O modelo aditivo explica a mistura dos comprimentos de onda de qualquer luz emitida.
  5. 5. Num modelo subtractivo, a mistura de cores cria uma cor mais escura, porque são absorvidos mais comprimentos de onda, subtraindo-os à luz. A ausência de cor corresponde ao branco e significa que nenhum comprimento de onda é absorvido, mas sim todos reflectidos
  6. 6. Modelo aditivo Modelo subtrativo Luz emitida é projetada num ecra Luz refletida Mistura de cores emitidas por fontes de luz Mistura de cores de pintura ou impressão
  7. 7. O modelo CMY é um modelo baseado na natureza , na forma como ela cria as cores e como pate reflecte o espetro de luz e absorve a outra parte, descrevendo as cores como uma combinação das três cores primárias: ciano, magenta, e amarelo. O modelo CMYK é um modelo que foi constituído a partir do modelo CMY em que foi acrescentada a cor preta por ser mais fácil a sua obtenção quando impressa em papel do que recorrendo à mistura de cores. O modelo CMY é considerado assim um modelo subtractivo, porque as cores são criadas pela redução de outras à luz que incide na superfície.
  8. 8. O modelo CMYK é utilizado na impressão em papel, empregando as cores do modelo CMY e a tinta preta para realçar melhor os tons de preto e cinza. A impressão, utilizando o modelo CMYK, assenta na sobreposição de camadas de tintas de ciano, magenta, amarelo e preto. Este modelo utiliza-se em impressoras, fotocopiadoras, pintura e
  9. 9. blacK
  10. 10. O modelo HSV é definido pelas grandezas tonalidade, saturação e valor. A tonalidade é a cor pura com saturação e luminosidade máximas (exemplos: amarelo, laranja, verde, azul, …). Permite fazer a distinção das várias cores puras e exprime-se em valores angulares de 0 a 360 graus. A saturação indica a maior ou menor intensidade da tonalidade, por outras palavras, se a cor é pura ou suavizada. A cor preta ou branca nunca estão contidas numa cor saturada ou pura. Uma cor “viva” ou pura diz-se saturada mas em termos técnicos descreves apenas a quantidade se cinzas contidas numa cor. A saturação é exprimida de 0 a 100%, no qual o 0 indica inexistência de cor ou a aproximação aos cinzentos e o valor 100% indica uma cor saturada ou pura.
  11. 11. O valor indica a luminosidade ou o brilho de uma cor, ou seja, se uma cor é mais clara ou mais escura, demonstrando a quantidade de luz contida. A luminosidade está relacionado com a luz reflectida, enquanto que o brilho está relacionado com a luz emitida. Esta grandeza indica a quantidade de preto associado à cor e exprimindo-se de 0 e 100%. O valor 0% indica que a cor é preta e 100% indica que é saturada.

×