DISCIPLINA DE MECANOTERAPIA 2014/2
BEM VINDOS!
Professora: Mestranda Lisiane Lisboa Carvalho
e-mail: lisianecarvalho@unisc...
Código de Conduta
Estacionamento (dúvidas)
Expectativas sobre a disciplina
Plano de ensino
PLANO DE ENSINO
PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO
DISCIPLINA: MECANOTERAPIA CÓDIGO: 6997
DEPARTAMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA E SAÚDE
I –...
II – EMENTA
DISPOSITIVOS INSTRUMENTAIS DE NATUREZA MECÂNICA APLICADO AO
MOVIMENTO MÚSCULO-ARTICULAR PARA TERAPÊUTICA E PRE...
IV – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
1. Dispositivos mecânicos:
1.1 caracterização.
1.2 definição.
1.3 classificação dos dispositivo...
V – PROGRAMAÇÃO
Data/Tempo previsto Conteúdo
04/08/2014 Apresentação/distribuição dos grupos e conteúdos;
Considerações in...
06/10/2014 Grupo 4 apresentação: estudo de caso sobre lesões do trabalho e o
uso da mecanoterapia- 2,0 (escrita 1,0 + 1,0 ...
V – METODOLOGIA
TÉCNICAS
RECURSOS
AUDIOVISUAIS
Aulas teórico práticas
Estudos de casos
Prova teórica individual
Prova prát...
VI- AVALIAÇÕES
• Estudo de caso em grupo (1,0 conteúdo + 1,0
apresentação de cada integrante) = 2.0
• Prova teórica: 2,5
•...
Divisão dos grupos:
1
2
3
4
Estudos de caso em grupo:
 Criar um caso com uma patologia direcionada ao segmento
corporal já definido;
 Apresentar a t...
Observação Individual:
 O aluno deverá marcar a data de sua observação com à
secretária da Clínica FisioUnisc.
 No relat...
IV – REFERÊNCIAS BÁSICAS Nº ex.
ACHOUR JÚNIOR, Abdallah. Exercícios de alongamento: anatomia e
fisiologia. 1. ed. São Paul...
“é um dos recursos fisioterápicos, que associado à
cinesioterapia se utiliza de aparelhos (dispositivos) na execução
das a...
É qualquer forma de exercício em que a resistência é aplicada por
meio de algum tipo de equipamento.
O exercício com resis...
OBJETIVOS:
(Gradiner, 1995; Kisner, C; Colby, L. A. 2009)
Exercício Resistido:
Melhorar a função;
Aumentar a resistência m...
OBJETIVOS:
(Gradiner, 1995; Kisner, C; Colby, L. A. 2009)
Mecanoterapia:
 Desenvolver e aprimorar movimentos;
 Estabelec...
INDICAÇÕES
(Kisner, C; Colby, L. A. 2009)
Mecanoterapia:
 Sempre que houver possibilidade;
 Poderão ser realizados exerc...
CONTRA-INDICAÇÕES:
Dor:
O paciente não pode referir dor durante a atividade ou após 24hs, Caso
aconteça a terapêutica deve...
 Pacientes clinicamente muito debilitados E/OU intolerantes a carga
ou atividade física ativa (doença cardiopulmonar grav...
CLASSIFICAÇÃO DOS APARELHOS-
DISPOSITIVOS
Podem ser:
• Móveis: podem ser colocados em
qualquer lugar;
• Semimóveis: alguns aspectos mudam de
lugar ou parte do dispo...
São eles:
• Aparelhos facilitadores
• Aparelhos que proporcionam resistência
ao movimento
• Treino de marcha
• Aparelhos d...
Facilitadores
• São aqueles que auxiliam, ajudam na
execução do movimento – não apresentam
nenhum tipo de resistência...
•...
Resistência ao movimento
• São aqueles que ao mesmo tempo que
auxiliam o movimento proporcionam
resistência ao longo de su...
Exemplos
• Flexor de dedos; Rolo de punho ;Prono-
supinador; Mesa de Kanavel; Polia de
teto; Roda de ombro; Escada de dedo...
Aparelhos de tração
• São aqueles que tracionam o segmento corporal.
Esta tração poderá ocorrer através de vários
princípi...
Aparelhos para treino de marcha
• Barras paralelas
• Treino móvel com cinta de
sustentação(acima das paralelas)
• Escada d...
Vamos reconhecer os dispositivos
mecânicos!!!
Aula introdução à disciplina de mecanoterapia
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aula introdução à disciplina de mecanoterapia

6.905 visualizações

Publicada em

Mecanoterapia

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.905
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
102
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula introdução à disciplina de mecanoterapia

  1. 1. DISCIPLINA DE MECANOTERAPIA 2014/2 BEM VINDOS! Professora: Mestranda Lisiane Lisboa Carvalho e-mail: lisianecarvalho@unisc.br
  2. 2. Código de Conduta Estacionamento (dúvidas) Expectativas sobre a disciplina
  3. 3. Plano de ensino
  4. 4. PLANO DE ENSINO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DISCIPLINA: MECANOTERAPIA CÓDIGO: 6997 DEPARTAMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA E SAÚDE I – DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Universidade de Santa Cruz do Sul 2. Endereço: Av. Independência, 2293 – Santa Cruz do Sul 3. Curso(s) onde é ofertada: 218 FISIOTERAPIA 4. Nº de créditos: 4.0 Carga Horária: 60.0 h 5. Tipo de oferta da disciplina: ( X ) Presencial ( ) Semipresencial – 100% 6. Professora: LISIANE LISBOA CARVALHO 7. Semestre / Ano: 2014/2 8. Laboratório(s): ( )Não ( X)Sim Qual(is)? LAB 3422 Nº máximo de alunos: 20
  5. 5. II – EMENTA DISPOSITIVOS INSTRUMENTAIS DE NATUREZA MECÂNICA APLICADO AO MOVIMENTO MÚSCULO-ARTICULAR PARA TERAPÊUTICA E PREVENÇÃO DE ACOMETIMENTOS FÍSICOS FUNCIONAIS. CONSTRUÇÃO DE DISPOSITIVOS ALTERNATIVOS. PROPRIOCEPÇÃO E SUA RELAÇÃO COM OS DISPOSITIVOS MECÂNICOS. III – OBJETIVOS Estimular e proporcionar ao estudante o desenvolvimento de técnicas de abordagem ao paciente, atenção à saúde, e criatividade nos atendimentos fisioterapêuticos com a utilização da mecanoterapia. Propor o acompanhamento dos estudantes durante atendimentos fisioterapêuticos na clinica Escola, para estimular a articulação teórica e prática. Sugerir a confecção de dispositivos ou adaptação dos existentes para o desenvolvimento da criatividade e redução de custos aos pacientes. Estimular o raciocínio para o tratamento fisioterapêutico através de estudos de casos. Executar em aula a prescrição de exercícios com e sem dispositivos aplicados na presença de pacientes para relatar a realidade nos atendimentos. Estimular à leitura de artigos científicos com intuito de incentivar o estudante a produção científica.
  6. 6. IV – CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Dispositivos mecânicos: 1.1 caracterização. 1.2 definição. 1.3 classificação dos dispositivos mecânicos. 2. Tipos de dispositivos aplicados aos exercícios de força, potência e resistência à fadiga. 3. Tipos de propriocepção e sua relação com os dispositivos mecânicos. 4. Construção e/ou adaptação de dispositivos mecanoterapêuticos. 5. Noções de pilates solo.
  7. 7. V – PROGRAMAÇÃO Data/Tempo previsto Conteúdo 04/08/2014 Apresentação/distribuição dos grupos e conteúdos; Considerações iniciais, definições e reconhecimento dos dispositivos. 11/08/2014 Princípios; resistências; classificação dos aparelhos e dispositivos. 18/08/2014 Dispositivos de Membros superiores/ Prática; estudo dirigido sobre a temática. 25/08/2014 Grupo 01 apresentação: estudo de caso de membros superiores- 2,0 (1,0 conteúdo + 1,0 apresentação individual). 01/09/2014 Dispositivos de Membros Inferiores/ Prática; estudo dirigido sobre a temática. 08/09/2014 Grupo 02 apresentação: estudo de caso de membros inferiores- 2,0 (1,0 conteúdo + 1,0 apresentação individual). 15/09/2014 Dispositivos de equilíbrio/Cama ortostática - estudo dirigido sobre a temática 22/09/2014 Dispositivos mecanoterapêuticos para coluna: Tração; cervical e lombar. 29/09/2014 Grupo 03 apresentação: estudo de caso de tração- 2,0 (1,0 conteúdo + 1,0 apresentação individual).
  8. 8. 06/10/2014 Grupo 4 apresentação: estudo de caso sobre lesões do trabalho e o uso da mecanoterapia- 2,0 (escrita 1,0 + 1,0 apresentação). 20/10/2014 Prova teórica: 2,5 27/10/2014 Oficina do mecanoplus e bola suiça: Cada grupo irá apresentar uma série de 4 exercícios para cada equipamento seguindo o que estudou no estudo de caso. 03/11/2014 Saída de Campo (studio de pilates). Demonstração de uma aula experimental de pilates completo. 10/11/2014 Prescrição de exercícios terapêuticos com exemplos práticos em aula a partir de artigos e estudos de casos. 17/11/2014 Discussão em aula sobre artigos científicos que utilizam a mecanoterapia em suas diferentes áreas de atuação. 24/11/2014 Prova prática - estudo de casos (3,0) 01/12/2014 Oficina sobre elaboração de atestado, relatórios, encaminhamentos. Após socialização dos grupos (teatro). 08/12/2014 Entrega do dispositivo e ou adaptação (1,5). Entrega do Relatório observacional de um dispositivo mecânico (1,0). Encerramento da disciplina com discussão e avaliação coletiva. 15/12/2014 EXAME
  9. 9. V – METODOLOGIA TÉCNICAS RECURSOS AUDIOVISUAIS Aulas teórico práticas Estudos de casos Prova teórica individual Prova prática em dupla Confecção/adaptação de dispositivos Multimídia
  10. 10. VI- AVALIAÇÕES • Estudo de caso em grupo (1,0 conteúdo + 1,0 apresentação de cada integrante) = 2.0 • Prova teórica: 2,5 • Prova prática em dupla: 3,0 • Relatório observacional de um dispositivo mecânico na clínica FisioUnisc: 1,0 • Confecção/adaptação dispositivo: 1,5
  11. 11. Divisão dos grupos: 1 2 3 4
  12. 12. Estudos de caso em grupo:  Criar um caso com uma patologia direcionada ao segmento corporal já definido;  Apresentar a terapêutica e os recursos fisioterapêuticos adequados, incluindo a MECANOTERAPIA.  Contextualizar a patologia com conceito, sinais e sintomas, atenção e cuidados fisioterápicos adequados.  Preparar uma aula prática para que todos executem as atividades apresentadas e propostas.  Providenciar material impresso para professora.  Valor: 2,0 (1,0 escrita + 1,0 apresentação) cada acadêmico receberá a nota de apresentação individual.
  13. 13. Observação Individual:  O aluno deverá marcar a data de sua observação com à secretária da Clínica FisioUnisc.  No relatório deve constar: Patologia do paciente, métodos/objetivos utilizados pelo estagiário de fisioterapia durante a observação;  Nome do dispositivo, princípios e classificação dos dispositivos de mecanoterapia.  Relatório observacional de um dispositivo mecânico na clínica FisioUnisc: 1,0.
  14. 14. IV – REFERÊNCIAS BÁSICAS Nº ex. ACHOUR JÚNIOR, Abdallah. Exercícios de alongamento: anatomia e fisiologia. 1. ed. São Paulo: Manole, 2002. 550 p. 17 BANDY, William D.; SANDERS, Barbara. Exercício terapêutico: técnicas para intervenção. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003. 361 p. 5 MUNIZ, José Wagner Cavalcante; TEIXEIRA, Renato da Costa. Fundamentos de administração em fisioterapia. Barueri: Manole, 2003. 179 p. 8 O'SULLIVAN, Susan B.; SCHMITZ, Thomas J. Fisioterapia: avaliação e tratamento. 4. ed. São Paulo: Manole, 2004. 1152 p. 6 PRENTICE, William E.; QUILLEN, William S.; UNDERWOOD, Frank B. Modalidades terapêuticas para fisioterapeutas. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. 472 p. 10 SHANKAR, Kamala. Prescrição de exercícios. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002. 358 p. 9 V – REFERÊNCIAS COMPLEMENTARES Nº ex. GROSS, Jeffrey; FETTO, Joseph; ROSEN, Elaine. Exame musculoesquelético. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000. 470 p. 13 KISNER, Carolyn; COLBY, Lynn Allen. Exercícios terapêuticos: fundamentos e técnicas. 5. ed. São Paulo: Manole, 2009. 972 p. ISBN 978- 85-204-2726-2 23 SOUZA, Angélica de. Propriocepção. Rio de Janeiro: MEDSI, 2004. 198p. 10
  15. 15. “é um dos recursos fisioterápicos, que associado à cinesioterapia se utiliza de aparelhos (dispositivos) na execução das atividades terapêuticas que visam melhorar a funcionalidade de segmentos corporais, podendo ou não usar resistência associada. CONCEITO DE MECANOTERAPIA: (Silva, A. C. F. 2006)
  16. 16. É qualquer forma de exercício em que a resistência é aplicada por meio de algum tipo de equipamento. O exercício com resistência mecânica é um componente integral da reabilitação e dos programas de condicionamento para pessoas de todas as idades. EXERCÍCIOS COM RESISTÊNCIA MECÂNICA (Kisner, C; Colby, L. A. 2009)
  17. 17. OBJETIVOS: (Gradiner, 1995; Kisner, C; Colby, L. A. 2009) Exercício Resistido: Melhorar a função; Aumentar a resistência muscular à fadiga; Aumentar a força; Aumentar a potência muscular.
  18. 18. OBJETIVOS: (Gradiner, 1995; Kisner, C; Colby, L. A. 2009) Mecanoterapia:  Desenvolver e aprimorar movimentos;  Estabelecer o equilíbrio do segmento corpóreo através do exercício com ajuda do dispositivo mecânico;  Tracionar segmentos corpóreos com ajuda de algum dispositivo;  Estimular a manutenção e o aumento da amplitude de movimento;  Interage especialmente com a cinesioterapia e a hidroterapia;  Proporciona desafio aos pacientes e terapeutas;  Condiciona o paciente a querer sempre “o a mais”  Desenvolve a capacidade criativa do FISIOTERAPEUTA.
  19. 19. INDICAÇÕES (Kisner, C; Colby, L. A. 2009) Mecanoterapia:  Sempre que houver possibilidade;  Poderão ser realizados exercícios ativos/ativos-assistidos/ativos- resistidos;  Para incrementar o atendimento e possibilitar a motivação para alcançar dos objetivos propostos;  Sempre que o paciente apresentar condições físicas compatíveis;  Para ganho resistência à fadiga muscular , de força e da potência. Exercício Resistido:  Aumentar a resistência muscular à fadiga;  Aumentar a força;  Aumentar a potência muscular.
  20. 20. CONTRA-INDICAÇÕES: Dor: O paciente não pode referir dor durante a atividade ou após 24hs, Caso aconteça a terapêutica deverá ser reavaliada. Porque a dor é um sinal NEGATIVO importante nas atividades físicas e deve ser constantemente avaliada e respeitada. (Kisner, C; Colby, L. A. 2009) Processos inflamatórios: O exercício resistido não é indicado quando o músculo ou a articulação apresentarem-se inflamados e/ou edemaciados porque haverá um aumento deste edema, do calor e consequentemente a piora da lesão.
  21. 21.  Pacientes clinicamente muito debilitados E/OU intolerantes a carga ou atividade física ativa (doença cardiopulmonar grave);  Patologias que poderão ter efeito contrário ao solicitado ( pós- cirúrgico imediato). CONTRA-INDICAÇÕES:
  22. 22. CLASSIFICAÇÃO DOS APARELHOS- DISPOSITIVOS
  23. 23. Podem ser: • Móveis: podem ser colocados em qualquer lugar; • Semimóveis: alguns aspectos mudam de lugar ou parte do dispositivo • Fixos: não podem mudar de lugar ou não há alteração em sua configuração
  24. 24. São eles: • Aparelhos facilitadores • Aparelhos que proporcionam resistência ao movimento • Treino de marcha • Aparelhos de Tração • Dispositivos de equilíbrio
  25. 25. Facilitadores • São aqueles que auxiliam, ajudam na execução do movimento – não apresentam nenhum tipo de resistência... • Barra de ling; Prancha ortostática; Tábua de quadríceps; Exercitador de ombro; Skate abdução; Flap; Exercitador de tornozelo livre, etc.
  26. 26. Resistência ao movimento • São aqueles que ao mesmo tempo que auxiliam o movimento proporcionam resistência ao longo de sua execução - apresentam algum tipo de resistência.
  27. 27. Exemplos • Flexor de dedos; Rolo de punho ;Prono- supinador; Mesa de Kanavel; Polia de teto; Roda de ombro; Escada de dedos; Duplex; Halteres; Bota de delorme; Mesa (tábua) de quadríceps ;Mesa de Bonet; Exercitador de tornozelo c/mola; Bicicleta estacionária Vertical e Horizontal; Esteira mecânica e elétrica; Proprioceptor; Cama elástica; ...
  28. 28. Aparelhos de tração • São aqueles que tracionam o segmento corporal. Esta tração poderá ocorrer através de vários princípios de tracionamento(pneumático, mecânico, manual, elétrico As trações a serem estudadas • Tração cervical mecânica ou elétrica (fixa) • Tração lombar mecânica ou elétrica (semimóvel) • Tração cervical pneumática
  29. 29. Aparelhos para treino de marcha • Barras paralelas • Treino móvel com cinta de sustentação(acima das paralelas) • Escada de canto • Escada-rampa • Rampa • Tábua de inversão-eversão
  30. 30. Vamos reconhecer os dispositivos mecânicos!!!

×