PráTica Da Qualidade Na Escola

1.409 visualizações

Publicada em

Resumo do Texto sobre Prática da Qualidade, baseado no livro de Pedro Demo.
Este texto retrata abusca da qualidade que deve ser buscada.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.409
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

PráTica Da Qualidade Na Escola

  1. 1. Prática da Qualidade A produção do conhecimento com qualidade leva o sujeito a ação de decisão, assim como produz cidadania e eleva a competitividade. O maior desafio humano é gerar competência e, esta competitiva. Por isso a educação é o veículo capaz de dar suporte ao homem neste embate. É a arma mais eficaz e eficiente para compreender, formar e desenvolver uma sociedade de cidadãos críticos e criativos. Contudo só com conhecimento o homem é capaz de transformar. Deve-se aliar para isso a teoria à prática. Desta forma é possível humanizar a vida e transformar a realidade vivida por cada um, ou seja, chega-se a qualidade política. A qualidade política compreende a competência construtiva e participativa, envolvendo o saber e o mudar. Neste sentido não se pode esquecer da pesquisa como principio científico e educativo. Quando se fala em pesquisa vale lembrar que não se trata de apenas dos meios universitários, mas também dos docentes de maneira geral. A pesquisa cientifica tem como objetivo inovar a realidade. Todos devem participar. A pesquisa não é puramente do pesquisador que vive comendo livros. Este pensamento vem da própria universidade que produz, em certos casos, apenas conhecimento teórico, banalizando a força do conhecimento prático. Esta separação prejudica a própria pesquisa. A prática é vista como aplicação da teoria, porém é fonte de conhecimento tanto quanto a teoria. Determina-se então a pesquisa como sendo o principio cientifico, na face formal e o principio educativo na face política. A pesquisa na face política, ou seja, como principio formal se traduz na correlação entre educação e cidadania, com formação crítica. A cidadania aparece no momento que o sujeito nutre a consciência critica e a capacidade de tomar uma iniciativa. A cidadania inicia-se quando se pode contestar , dizer não a injustiça e criar uma alternativa através do conhecimento, inovar. Pesquisar e educar são coincidentes, uma vez que a educação qualitativa é aquela que constrói a capacidade de questionar e agir. Daí percebe-se que o processo educativo é realizado também com pesquisa, isto é, o conhecimento científico é base de construção e o questionamento político é a base da participação. A pesquisa se mostra como questionamento sistemático e intervenção inovadora. A emancipação surge da consciência critica e da contestação gerando uma contraproposta e organização de uma sociedade. A pesquisa deve ser em primeiro lugar uma atitude cotidiana do aprender a aprender, envolvendo o saber pensar para melhor agir. A pesquisa é uma atitude cotidiana. Em qualquer um dos níveis de ensino, a pesquisa decorre da atitude. Existe a colaboração dos professores, como no caso de Ensino Fundamental e Médio, que são dotados de virtudes que motivam o aluno a elaborar sua própria pesquisa. A pesquisa é uma atitude de vida critica e criativa.
  2. 2. O aluno deve ser parte da construção do conhecimento, assim como o professor. O processo educativo é um processo de conquista, pois nutre-se na competência construtiva e isso não é mera transmissão. Educação é diferente de ensino. Transmissão de conhecimento não é educação. A transmissão pode, inclusive, ser realizada através de mios eletrônicos, como a internet que é mais atraente para as novas gerações. Educação se realiza com construção e participação. Isto leva a crer que deve existir o contato entre aluno e professor. Esta relação não pode ser “falsa”. Pois se assim for a escola produzirá ignorância e imbecilidade. A aula não pode se uma contagem de anedotas. Durante a prática docente deve existir o confronto entre o velho e novo, entre o que é aula e o que é orientação, entre a transmissão e a construção do conhecimento, entre o copiar e o participar. Em suma, pode-se afirmar que o docente é aquele que tem capacidade de pesquisa que leve o desafio e a compreensão; que tenha elaboração própria; que realiza a teorização das práticas, que faça formação permanente e que realize o manejo da instrumentação eletrônica a fim de aprimorar o conhecimento sociável. Quando o professor orienta de maneira construtiva e participativa ultrapassa a condição de instrutor, comunicador. Transmite conhecimento construtivo. O professor não pode apenas dar aula, mas sim construir a cidadania. A eficiência e a qualidade do professor dependem de sua valorização e motivação. Entre os educadores do nosso país é fato corriqueiro dizer que o professor é profissão desvalorizada. A desvalorização profissional, os baixos salários, a formação inadequada são responsáveis pela baixa produção do professor e pelo fraco desempenho dos alunos. Mas esses não são os únicos fatores que determinam o baixo rendimento dos alunos, soma-se entre esses a pobreza material, a cultura familiar, entre outros. A eficiência do professor pode ser transferida para os alunos. Se o professor se constitui em apenas auleiro, os alunos será um mero transmissor, uma cópia. Contudo se o professor tiver capacidade de pesquisa, codificador do conhecimento, inovador, entre outros, os alunos terão uma grande chance de o serem também. Na ótica do capitalismo, a sociedade econômica vigente investe pouco em educação e ainda por cima desvaloriza o professor, em todos os aspectos, principalmente na baixa remuneração. O currículo pode se dividido em duas concepções. Primeiro cita-se o intensivo onde o essencial é a transmissão e construção de conhecimento como insumo. O segundo é o extensivo onde a dimensão de aprendizagem é definida pelo repasse do professor. É uma acumulação de conhecimento, de saberes. O currículo intensivo busca o aprender a aprender, movido pela construção do conhecimento. O professor faz o aluno trabalhar. Neste sentido o professor deixa de ser auleiro e se torna orientador e aluno se torna um parceiro na construção do conhecimento. Esse processo nunca termina. É permanente pois o
  3. 3. aluno habitua-se a pesquisar, ler, experimentar elaborar, questionar sistematicamente e criar alternativas próprias. A partir do exposto, também há uma mudança na maneira de avaliar o desempenho do aluno. Neste caso a avaliação será realizada a partir do aprender a aprender, do saber pensar, do inovar, do fazer com suas próprias mãos. Ao professor espera-se averiguar sua competência construtiva do conhecimento. Para o professor resta uma formação adequada e permanente, construção do conhecimento. Desta forma o mesmo assume a orientação do aluno com qualidade e política. O aluno não passa só de ano, mas aprende a aprender, constrói. Mas não é fácil, pois diversos fatores inibem a passagem de um aluno copiador para um aluno que constrói conhecimento. O professor não pode fazer que ensina, e o aluno que aprende. Isso é qualidade. E essa prática está na pesquisa, principio educativo, e na intervenção educadora, instrumentada pela qualidade formal. O aluno torna-se emancipado. Agora, vale lembrar que este conhecimento pode ser usado para o bem ou para o mal. A pratica precisa ser reconhecida como fonte de conhecimento, elaborando projetos próprios e trabalhando em equipe. Neste contexto, professores e alunos deve realizar, juntos, extensão e participação, ou seja, conceito e pratica da pesquisa. Enfim, a manifestação primordial da prática esta em tornar a escola e a universidade em lugares privilegiados da construção permanente e renovada da oportunidade de futuro.

×