Prevençao ao uso de drogas - um dever de todos

579 visualizações

Publicada em

Sobre a prevenção ao uso de substâncias capazes de causar dependência física ou psíquica, drogas de abuso entre jovens e adultos.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
579
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
30
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • A palavra prevenção origina-se do latim, praeventione, que "significa ato ou efeito de prevenir". Prevenir, por sua vez, do latim, praevenire significa "vir antes, tomar a dianteira, dispor com antecipação, dispor de maneira que evite algum dano, do mal". O ato preventivo, então requer medidas que antecipem um fato, objetiva evitar que determinada situação ocorra para que se evitem conseqüências indesejáveis.
  • Circunstâncias, características pessoais e ambientais ou, ainda, relacionadas às drogas, que aumentam a probabilidade de o indivíduo fazer uso indevido dela.
  • São aqueles que diminuem a probabilidade do uso indevido de drogas.
  • As ações de prevenção devem ser definidas a partir de três níveis, a saber:
  •  Prevenção Universal ou Primária: É direcionada à população em geral, com o objetivo de prevenir ou retardar o uso de drogas, evitando a experimentação. Normalmente, são utilizadas estratégias de abrangência geral à população (distribuição de panfletos, utilização da mídia, palestras públicas etc).
    Prevenção Seletiva ou Secundária: É dirigida a grupos específicos, visando identificar os fatores de risco ao uso de drogas e atuando de forma a impedir a continuidade do uso. Nesse nível já houve o contado com a droga, por isso as estratégias têm como objetivo, evitar o abuso, freando o uso e impedindo a sua continuidade.
    Prevenção Indicada ou Terciária: É planejada para pessoas que já apresentam problemas advindos do uso/abuso de drogas. Pressupõe que a dependência esteja instalada. Objetiva prevenir a evolução do quadro de dependência e suas complicações. Nesse nível, a intervenção é o tratamento propriamente dito, encaminhando o dependente para o tratamento específico para cada caso. O tratamento deverá envolver a família.
  • Prevençao ao uso de drogas - um dever de todos

    1. 1. 04/08/2014 1J.Gretzitz Prevenção ao Uso de Drogas de Todos Educar para Dever Prevenir
    2. 2. Prevenção é tudo aquilo que possa ser feito para evitar, impedir, retardar, reduzir ou minimizar o uso, o abuso ou a dependência e os prejuízos relacionados ao consumo de substâncias psicoativas (SENAD, 2006) 04/08/2014 2J.Gretzitz
    3. 3. Prevenção: Um dever de todos 04/08/2014 3J.Gretzitz
    4. 4. Prevenir o abuso de drogas exige boa vontade e consciência do dever e responsabilidade de cada um de nós 04/08/2014 4J.Gretzitz
    5. 5. 04/08/2014 5J.Gretzitz UM MAL QUE ATINGE A TODOS
    6. 6. A prevenção consiste em fornecer informações e dar formação. Um bom trabalho de prevenção exige organização, persistência e respeito às peculiaridades de cada local Deve ser baseada na: minimização de fatores de risco e no fortalecimento de fatores de proteção 04/08/2014 6J.Gretzitz
    7. 7. Fatores de Risco 04/08/2014 7J.Gretzitz
    8. 8. •Propensão à depressão, ansiedade ou auto-estima desequilibrada; •Disponibilidade ou facilidades de acesso; •Fatores econômicos - alto ou baixo poder aquisitivo; •Modelos sociais que aprovam ou incentivam o consumo de drogas; •Influência de grupos; •Falta de informações adequadas sobre as drogas e seus efeitos; •Relacionamento familiar conflituoso; •Vínculos negativos com pessoas e Instituições; •Publicidade - comerciais que estimulam o consumo. FATORES DE RISCO 04/08/2014 8J.Gretzitz
    9. 9. 04/08/2014 9J.Gretzitz “O desejo de pertencer a um determinado grupo SURGE em alguma fase da juventude e vida adulta; o que pode levar muitos ao uso de drogas – Uma escolha de momento que tem consequências duradouras, desastrosas e de difícil superação.”
    10. 10. Fatores de Proteção 04/08/2014 10J.Gretzitz
    11. 11. 04/08/2014 11J.Gretzitz
    12. 12. •Existência de um projeto de vida, com metas alcançáveis nas áreas profissional, familiar e pessoal; •Valores éticos; •Informação adequadas sobre drogas e seus efeitos; •Modelos sociais que promovam a valorização da vida e da saúde: atividades de lazer, esportivas e culturais; •Dinâmica familiar estruturada; •Vínculos positivos com pessoas e instituições; •Espiritualidade Fatores de Proteção 04/08/2014 12J.Gretzitz
    13. 13. AÇÕES DE PREVENÇÃO 04/08/2014 13J.Gretzitz
    14. 14. Ações de Prevenção Prevenção Universal ou Primária Prevenção Seletiva ou Secundária Prevenção Indicada ou Terciária 04/08/2014 14J.Gretzitz
    15. 15. 04/08/2014 15J.Gretzitz
    16. 16. 04/08/2014 16J.Gretzitz
    17. 17. "Água é recurso finito e vulnerável; portanto, um bem econômico" 04/08/2014 17J.Gretzitz
    18. 18. 04/08/2014 18J.Gretzitz
    19. 19. 04/08/2014 19J.Gretzitz
    20. 20. SINAIS GERAIS DO USO DE DROGAS · Mudanças bruscas no comportamento · "Síndrome amotivacional", isto é, falta de motivação para as atividades comuns · Queda do rendimento escolar ou abandono dos estudos · Queda na qualidade do trabalho ou seu abandono · Inquietação, irritabilidade, insônia ou, ao contrário, depressão e sonolência · Atitudes furtivas ou impulsivas, uso de óculos escuros mesmo sem excesso de luz, camisas de mangas longas mesmo no calor · Desaparecimento de objetos de valor, presença de comprimidos estranhos, frascos de colírio ou frascos de "xaropes" e embalagens de comprimidos · Uso de sons em alta tonalidade e troca do dia pela noite 04/08/2014 20J.Gretzitz
    21. 21. 04/08/2014 21J.Gretzitz
    22. 22. O QUE FAZER AO DESCOBRIR QUE SEU FILHO ESTÁ USANDO DROGAS? •Tente descobrir o tempo e quais drogas ele está usando e, se possível, a freqüência •Não dramatize o fato. Discuta com seu esposo(a) ou com alguém de confiança. •Recriminações ou agressividade não ajudam em nada •Procure ter certeza de que o fato está realmente acontecendo •Tenha uma conversa franca com seu filho •Procure descobrir as razões que levaram seu filho ao uso da droga •Não estigmatize seu filho, chamando-o, por exemplo, de maconheiro, marginal, nem faça ameaças de expulsá-los de casa ou mesmo interná-los •Nunca fique se recriminando ou procurando culpados •Converse com seu médico de confiança a respeito do assunto •Procure dar a seu filho o apoio que ele tanto precisa nesta hora •Lembre-se: amor, carinho, compreensão e diálogo são as melhores armas para combater as drogas •Procure imediatamente ajuda especializada (Psicólogo, Médico, Assistente Social) 04/08/2014 22J.Gretzitz
    23. 23. 04/08/2014 23J.Gretzitz

    ×