Habitats Digitais e Comunidades de Prática

301 visualizações

Publicada em

Conferência realizada online, 28 outubro 2015 para SEMAC, Brasília, S. Paulo

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
301
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Habitats Digitais e Comunidades de Prática

  1. 1. Comunidades  de  Prá/ca  e  Habitats  Digitais         João  Filipe  Matos,  jfmatos@ie.ulisboa.pt   Ins/tuto  de  Educação  da  Universidade  de  Lisboa       28  Outubro  2015  
  2. 2. Aprendizagem   natural  versus  ar0ficial      
  3. 3. Como  se  aprende?  
  4. 4. O  andar  
  5. 5.     A  aprendizagem  é  uma  parte   integrante  das  prá0cas  sociais         Par/cipação,  aprendizagem,  prá/ca  social  
  6. 6. Aprendizagem  em   Comunidades  de  Prá0ca  
  7. 7. •  numa  Comunidade  de  Prá0ca,  a  base  comum  que  os   par0cipantes  par0lham  é  a  sua  prá/ca.       •  quando  surge  necessidade  e  interesse,  os  membros  da   comunidade  trocam  histórias  acerca  dos  acontecimentos   de  que  são  parte,  ajudam-­‐se  uns  aos  outros  a  fazer   sen0do  delas  e  assim  atribuem  sen0do  às  suas   experiências.       •  Ao  par/cipar  nessas  discussões,  os  membros  aperfeiçoam   as  suas  compreensões,  par0lham  o  que  descobriram  e  as   suas  intuições  e,  em  geral,  fortalecem  a  sua  eficiência.  
  8. 8. Comunidade  de  Prá0ca   domínio   prá0ca  
  9. 9. domínio   campo   comum   não  é  algo   fixo   sen0do  de   iden0dade  comum   campo   dinâmico  
  10. 10. quadros  de   referência   ferramentas   informação   es0los   linguagem   documentos   histórias   imagens   símbolos   critérios   regulamentos   prá0ca   explícito  
  11. 11. relações   implícitas   convenções   percepções   par0lhas  de   perspec0vas   ideias   tácito   prá0ca  
  12. 12. •   Par/cipar  numa  prá0ca  social,  na   qual  o  conhecimento  reside,  é  um   princípio  epistemológico  de   aprendizagem    
  13. 13. Par0cipação…     descreve  a  experiência  social  de  viver  no  mundo  em   termos  de  pertença  a  comunidades  e  envolvimento   em  empreendimentos  
  14. 14. …participação  em  comunidades  dá   forma  à  experiência  e  às  próprias   comunidades   organização  2ísica  e  conceptual  
  15. 15. E  o  futuro  da  escola?  
  16. 16.   •  a  escola  é  um  exemplo  de  sistema  de   atividade  para  produzir  aprendizagem   •  a  escola  introduz  intencionalmente   responsabilidade  e  hierarquia   •  a  escola  impõe  constrangimentos  e  rotinas,   mas  abre  múltiplas  possibilidades  e   oportunidades  de  aprendizagem  que  não   existem  fora  da  escola   e  a  Escola?  
  17. 17. crea/ve   work     que  dimensões  é  necessário  desenvolver?   physical  work     mental  work    
  18. 18. crea/ve   work     physical  work     mental  work     médio  prazo   que  dimensões  é  necessário  desenvolver?  
  19. 19. crea/ve   work     physical   work     mental  work     longo  prazo   que  dimensões  é  necessário  desenvolver?  
  20. 20. que  dimensões  é  necessário  rever?     TEMPO      Escala  temporal  [elemento  fixo]   Sucesso  [elemento  variável]   Educação  Infan/l,  Ensino  fundamental,  médio  e    superior  –  15    +  4  anos  
  21. 21. que  dimensões  é  necessário  rever?       Escala  temporal   [fixo]   Sucesso   [variável]   Sucesso  [fixo]   Escala  temporal   [variável]  
  22. 22. que  dimensões  é  necessário  transformar?   ESPAÇO   turma  1   30   turma  2   30   turma  3   30   3  x  30  alunos   3  x  1  professores   espaços  rígidos,  unifuncionais  
  23. 23. que  dimensões  é  necessário  transformar?   ESPAÇO  e  organização   Grupo  de  90   90  alunos   3  professores   espaços  flexíveis,  mul/funcionais  
  24. 24. que  dimensões  é  necessário  transformar?   ESPAÇO   grupos  de  dimensão  diferenciada   3  professores   espaços  flexíveis,  mul/funcionais   90  alunos  
  25. 25. ESPAÇO  E  TEMPO…     as  tecnologias  digitais  e  os   espaços  Hísicos  e  virtuais  de   aprendizagem  
  26. 26. Que  novas  tecnologias?  
  27. 27. historicidade  dos  artefatos  tecnológicos   (Adaptado de MSO) 1940’s   1960’s   1970/80’s   1980/90’s   2000’s  
  28. 28. artefatos  e  mediação  
  29. 29. Geração  “always-­‐on”       Tecnologia   móvel   .  conectividade  permanente   .  arquivo  identitário   .  extensão  da  memória         Objetos  e     conhecimentos  
  30. 30. habitat  
  31. 31. habitat          espaço  de  ação  com  caracterís0cas  específicas  que   permitem  a  uma  dada  espécie  (comunidade)   sobreviver  e  desenvolver-­‐se   •   relação  dialé0ca  entre  o  ambiente  e  a   espécie   •   caráter  dinâmico  do  habitat   •   dotado  de  elementos  específicos  
  32. 32. habitat   •   relação  dinâmica,  mutuamente  definida,   entre  uma  espécie  e  um  lugar   •   as  comunidades  de  prá0ca  precisam  de   habitats  para  se  desenvolver  
  33. 33. habitat  digital   •   os  habitats  digitais  incluem  ligações  e   espaços  baseados  nas  tecnologias  digitais     •   os  habitats  digitais  podem  cons0tuir  uma   parte  maior  ou  menor  dos  habitats  das   comunidades  
  34. 34. habitat  digital   •   não  é  apenas  uma  configuração  de   tecnologias  digitais   •   reflete  a  aprendizagem  da  comunidade     •   cons0tui-­‐se  numa  relação  definida   mutuamente  que  depende  da   aprendizagem  da  comunidade  
  35. 35. elementos  integrantes  do  espaço  digital   ferramentas  que  suportam  a0vidades  específicas  da   comunidade   plataformas  nas  quais  as  ferramentas  são  apresentadas   e  incorporadas   par/cularidades  que  tornam  as  ferramentas  e  as   plataformas  u0lizáveis  e  suscep_veis  de  ser  vividas   configuração  das  tecnologias  digitais  que  sustentam  o   habitat   Wenger  et  al.  (2009)  
  36. 36. o  que  significa   atuar  em  habitats  digitais?  
  37. 37. ênfase  em  espaços  de  trabalho   colabora0vo  …          com  ferramentas  para:   •   armazenar  e  organizar  informação,   •   distribuir  e  comunicar  
  38. 38. ênfase  em  espaços  de  trabalho   colabora0vo  …   permi0ndo   •   par/cipar:      -­‐  em  diálogos  múl0plos   (públicos  e  privados),        -­‐  de  forma  síncrona  e  assíncrona   •   construir  com  o  outro   •   rever  a  história  das  par0cipações  e   construções  
  39. 39. donde  decorre…   •   foco  nos  espaços  e  tempos  de   aprendizagem   •   secundarização  do  ensino  explícito  /   transmissivo   •   flexibilização  de  percursos  
  40. 40. que  possibilidades  se  abrem  ao   atuarmos  em  habitats  digitais?  
  41. 41. •   visibilidade  da  organização  e  da  par0cipação   •   distribuição  da  comunicação   •   construção  colabora0va   •   modos  diversos  de  organização  e  par0cipação   •   acesso  à  memória  do  “vivido”   •   diversidade  e  par0lha  de  papéis   •   modelos  menos  centralizados  de  aprendizagem   atuar  em  habitats  digitais  possibilita…  
  42. 42. o  que  exige   atuar  em  habitats  digitais?  
  43. 43. •   intencionalidade   •   relevância  dos  espaços,  conteúdos  e  ac0vidades   •   organização  com  flexibilidade   •   desenho  cuidadoso  dos  dos  espaços  mas  muito  atento  ao   emergente   •   dinamização,  mediação,  sustentação   •   quem  atua,  com  que  preocupações  e  que  é0ca   •   reflexividade   •   abertura  ao  ponto  de  vista  do  outro,  auto-­‐avaliação   •   espírito  de  colaboração   •   sen0do  de  responsabilidade,  par0lha  e  co-­‐construção   •   u0lidade  da  visibilidade  da  atuação   exige  (e  desenvolve)…  
  44. 44. o  que  pressupõe   atuar  em  habitats  digitais?  
  45. 45.   •   para  quê…  este  0po  de  espaços?   •   a  que  necessidades  podem  responder?     •   que  relação  têm  com  espaços/organizações  já   existentes?   •   o  que  lhes  acrescentam?   •   para  quem  e  com  quem  devem  ser  desenhados?   •   que  prá0cas  se  pretende  cul0var?   •   que  hábitos  se  pretende  promover/evitar?   •   que  aprendizagens  promover?   •   como  se  pensa  sobre  o  que  é  aprender?     •   para  onde  se  deve  caminhar?     pressupõe  reflec0r  sobre  …  
  46. 46. desenhados emergentes local global significados propósitosrotinas recursos comunidades práticas domínios acesso responsabilidade negociação visibilidade espaço  de  vida  e  aprendizagem  
  47. 47. As  3  principais  ideias  
  48. 48. Ideia      1   aprendizagem  ubíqua   “em  qualquer  lugar  e  em  qualquer  momento”  
  49. 49. importância  do  design   •  nos  modelos  pedagógicos   •  nos  equipamentos   •  nas  a0vidades   Ideia      2  
  50. 50. aprender  em  habitats  digitais     reforço  da  atenção  ao  contexto  da   interação  e  colaboração    entre  os  estudantes     e  destes  com  o  mundo   Ideia      3  
  51. 51. Comunidades  de  Prá/ca  e  Habitats  Digitais         João  Filipe  Matos   Ins/tuto  de  Educação  da  Universidade  de  Lisboa       28  Outubro  2015  

×