Orientações IniciaisEste trabalho faz parte da avaliação final da disciplina Conforto Ambiental I, da Faculdade de Arquite...
Estudos de Caso (ruas em cidades brasileira)Mapa do Google: Conforto Ambiental I - Diretrizes para Projetos Bioclimáticos(...
"É essencial para um arquiteto saber ver de     tal forma que a sua visão não seja             dominada pela .”           ...
+Diretrizes Bioclimáticas para espaçosarquitetônicos e urbanos na Rua                      Quinzede Novembro, Curitiba – P...
+ Diretrizes                      “Nos enganamos quando pensamos que o futuro da                                  arquitet...
+         Curitiba          Espaços ConstruídosCuritiba é uma cidade brasileira, capital do estado do Paraná., localizada ...
+                                                           Área Verde                                                    ...
CURITIBA             ClimaA cidade de Curitiba está localizada naregião Sul do Brasil e possui climatemperado marítimo ou ...
CURITIBAtemperaturas máxima e mínima e dados pluviométricos
+        Curitiba         Ventos    A predominância dos ventos em Curitiba é noroeste seguido de Oeste e sudoeste com velo...
+         Curitiba         Ventos    Gráfico de distribuição dos ventos predominantes nos meses de dezembro e junho – sols...
Curitiba     Percurso Aparente do Sol               Latitude         Carta SolarLatitude : 25° 25 47" S
+    Curitiba     Percurso aparente do sol x temperatura    Carta solar com temperatura               Análise             ...
Curitiba       Carta PsicométricaPara projetar bem para cada clima, deve-se considerar a carta psicrométrica com dados cli...
CuritibaZona Bioclimática 1Mapa Bioclimático Zona 1   Recomendações da NBR 15220-3 para a ZB1                            ...
Curitiba      Zona Bioclimática 1        Estratégias Bioclimaticas               Carta bioclimáticaNo anexo A, a NBR 15220...
Curitiba       Zona Bioclimática 1                       DETALHAMENTO DAS ESTRATÉGIAS BIOCLIMÁTICAS   A: O uso de aquecim...
+    Curitiba    exemplos de estratégias bioclimáticas para Curitiba /    Zona 1 / clima subtropical úmido ou temperado   ...
Estudo de Caso     Rua Quinze de Novembro, N° 1384.           Estudo de Caso                  Vista Superior – Google Maps...
+ Estudo de Caso  Rua Quinze de Novembro, N°1384  Estudo de Caso  Av. Quinze de Novembro,  N°1384
Estudo de CasoRua Quinze de Novembro, N° 1384        Casa na carta solar           Período de insolejamento               ...
Estudo de Caso      Rua Quinze de Novembro, Nº 1384                                   Período de Insolejamento das Calçada...
Estudo de Caso       Rua Quinze de Novembro, N° 1384                        Ventilação                              Sentid...
+           Estudo de Caso           Rua Quinze de Novembro, 1384ProximidadePróximo a construção escolhida ha um parque, o...
Diretrizes Bioclimáticas para a       Rua Quinze de Novembro, N° 1384  Diretrizes Bioclimáticas para os lotesConsiderando ...
Diretrizes Bioclimáticas para a       Rua Quinze de Novembro, N° 1384           Recomendações para aberturasSegundo a cart...
Diretrizes Bioclimáticas para a       Rua Quinze de Novembro, N° 1384     Recomendações para esquadrias                   ...
Diretrizes Bioclimáticas para aRua Quinze de Novembro, 1384       SOLUÇÕES DE MATERIAIS                             Vidro...
Diretrizes Bioclimáticas para a  Rua Quinze de Novembro, 1384                                              Laje mais espeç...
Diretrizes Bioclimáticas para a       Rua Quinze de Novembro, N° 1384     Diretrizes Bioclimáticas para o espaço urbanoEm ...
Diretrizes Bioclimáticas para a       Rua Quinze de Novembro, 1384                                   Diretrizes Bioclimáti...
Manchas de sol+ Como visto –na nossa análise, de acordopara serorientaçãodevido o o insolejamento  no inverno período mais...
Diretrizes Bioclimáticas para a      Av. Otávio Mangabeira (trecho Amaralina – Praça Nossa Senhora da      Luz)Consideraçõ...
+Referências:  1) CHAN 360. Fotos panorâmicas  curitiba<http://chanfotos.com/360/category/cidades/curitiba/> acesso em  04...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Conforto ambiental 1 elisa bastos e jéssica dantas

3.289 visualizações

Publicada em

Slide feito para o trabalho final de Conforto I, na FAUFBA, pelas alunas Elisa Bastos e Jéssica Dantas.

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.289
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
67
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Conforto ambiental 1 elisa bastos e jéssica dantas

  1. 1. Orientações IniciaisEste trabalho faz parte da avaliação final da disciplina Conforto Ambiental I, da Faculdade de Arquitetura daUFBA. Ele deve ser desenvolvido individualmente ou em dupla. Sua entrega é até o dia 05 de abril de 2013,às 23:59, por e-mail para: denisevaz@gmail.com com cópia para denisevaz2013@gmail.com* Seremos ecológicos. Não será necessário entregar uma versão impressa, mas tenha certeza de queenviou para os dois e-mails corretos!Após corrigidos, os slides devem ser compartilhados através o SlideShare e linkados no blog da equipe. +O sorteio dos estudos de caso será feito em sala de aula, no dia 21/03/2013. A listagem dos estudos de casoestá no próximo slide.Os aspectos considerados para a soma da pontuação são os seguintes: CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 9,0 domínio do conteúdo técnico (interpretação e uso de cartas solares, bioclimáticas, gráficos) 2,5 domínio do conteúdo conceitual / teórico (estratégias para cada clima / lugar) 2,5 organização, clareza, corretude e completude do conteúdo textual 1,5 organização, clareza, corretude e completude do conteúdo ilustrativo 1,5 capacidade de pesquisa (aquisição e processamento de informações) 1,0 + o extra! surpreenda! +1,0
  2. 2. Estudos de Caso (ruas em cidades brasileira)Mapa do Google: Conforto Ambiental I - Diretrizes para Projetos Bioclimáticos(http://goo.gl/maps/INZm6) +
  3. 3. "É essencial para um arquiteto saber ver de tal forma que a sua visão não seja dominada pela .” Luis Barragán
  4. 4. +Diretrizes Bioclimáticas para espaçosarquitetônicos e urbanos na Rua Quinzede Novembro, Curitiba – PR. Elisa Bastos Jéssica Dantas Conforto Ambiental I Faculdade de Arquitetura da UFBA Professora: Denise Vaz 2012.2
  5. 5. + Diretrizes “Nos enganamos quando pensamos que o futuro da arquitetura é feito de imagens de arranha-céus feitos de alumínio, ferro e muito vidro. A vanguarda Bioclimáticas da arquitetura, já em curso nas paisagens dos EUA e para espaços Europa, retoma os materiais naturais e benignos, se arquitetônicos e preocupa com estratégias para poupar água e luz, respeita a natureza e o entorno onde se insere e, urbanos sobretudo, promove o conforto sem esquecer a questão estética.”Como foi aprendido durante esseano, a arquitetura não deve ser Celina Britto Correia, Arquitetura Bioclimáticacopiada, mas sim adaptada ao http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/02.004/1590local, respeitando e usando ascondições climáticas ao seufavor. Assim objetivará aeficiência energética e asustentabilidade ambiental, queno final das contas, se voltarápara o homem em forma debenefícios.
  6. 6. + Curitiba Espaços ConstruídosCuritiba é uma cidade brasileira, capital do estado do Paraná., localizada no interior doestado. Tem como latitude e longitude as coordenadas de 25° 25 47" S ; 49° 16 19" O,estando a uma altitude de 934 m com uma extensão de 430,9 Km2. Não pode ser classificadacomo uma cidade planejada pois sua origem se deu a partir de um povoado bandeirante,tendo sua existência oficializada em 1693 e só se tornou a capital da província do Paraná em1863.Curitiba é um exemplo nacional de planejamento urbano diferenciado e eficaz. Estediferenciamente deu-se a partir da década de 1970 com a implantação do sistema integradode transporte coletivo e teve suas ruas redesenhadas para a criação dessas vias.Quanto à arquitetura local, Curitiba é organizada por zonas que são construídas comedificações altas, em sua maioria. Porém, tem um olhar especial para o paisagismo urbano eapresenta vegetação em toda sua extensão. O Jardim botânico de Curitiba é um pontoturistico de grande importância para a cidade e constitui um exemplo da organizaçãopaisagística da cidade.Curitiba tem sua topografia caracterizada por colinas levemente arredondadas e, por serlevemente ondulada acaba por ter uma fisionamia relativamente regular."Cidade Modelo""Cidade Ecológica do Brasil""Capital das Araucárias
  7. 7. + Área Verde Curitiba é um exemplo de cidade quando se fala em áreas verdes. Possui 25 parques, 16 bosques, 455 praças e quatro reservas particulares de proteção ambiental.Foto projeção estereográfica.Chan 360. Parque Bariguiem Curitiba. Abaixo, foto aérea da cobertura verde. 25 milhões de m² áreas verdes O que volta para a população como melhor qualidade de vida e conforto. * A equipe Chan 360° tem fotos panorâmicas de alguns dos parques curitibanos: Parque Japones: http://chanfotos.com/arquivos/3_out.swf
  8. 8. CURITIBA ClimaA cidade de Curitiba está localizada naregião Sul do Brasil e possui climatemperado marítimo ou subtropical úmido,que se caracteriza pelas estações do anobem definidas, tendo suas temperaturamédia no verão de 23ºC e no inverno de11ºC, podendo cair para 2ºC.. Atemperatura de bulbo seco média dasmínimas é de 21,8ºC e a máxima de 28,7ºC.A umidade relativa média anual é de 75%.Não possui estação seca, com verõessuaves e invernos relativamente frios. Dados de temperatura média e umidade relativa no ano de 2012. Fonte: INMET
  9. 9. CURITIBAtemperaturas máxima e mínima e dados pluviométricos
  10. 10. + Curitiba Ventos A predominância dos ventos em Curitiba é noroeste seguido de Oeste e sudoeste com velocidade média anual que varia de 2,9 m/s a 3,4 m/s. Há maior oferta e velocidade nos ventos em janeiro, mas, no geral, a velocidade annual é praticamente constante. Porém, a abundancia dos ventos sse dá nos meses quentes, indo de setembro a janeiro, nesses meses o sentido predominante é o noroeste. O vento noroeste se mantém de Outubro a abril, da primavera ao outono e desce para oeste nos meses de maio e junho. Em julho os ventos descem para sudoeste e já em agosto retornam ao sentido oeste.
  11. 11. + Curitiba Ventos Gráfico de distribuição dos ventos predominantes nos meses de dezembro e junho – solstício de verão e solstício de inverno, respectivamente. Dados baseados em observações feitas entre 10/2002 - 2/2013. Fonte: windfinder.com
  12. 12. Curitiba Percurso Aparente do Sol Latitude Carta SolarLatitude : 25° 25 47" S
  13. 13. + Curitiba Percurso aparente do sol x temperatura Carta solar com temperatura Análise Período mais frio: manhãs de inverno, com menos de 10°C Período mais quente: tardes de verão e primavera, maiores que 20°
  14. 14. Curitiba Carta PsicométricaPara projetar bem para cada clima, deve-se considerar a carta psicrométrica com dados climáticos dolugar e projetar no sentido de atender as estratégias bioclimáticas recomendadas. Estratégias projetuais recomendadas, em ordem de importância: 07 – Massa Térmica e Aquecimento solar Passivo 08 – Aquecimeto Solar passivo 09 – Aquecimento Artificial As estratégias 02, 03 e 04 podem ser usadas simultaneamente ou pode se aplicar apenas uma delas. Fonte: http://www.labeee.ufsc.br/sites/default/files/publicacoes/livros/dados_climaticos_para_projetos_e_avaliacao_ Acesso em:28/03
  15. 15. CuritibaZona Bioclimática 1Mapa Bioclimático Zona 1 Recomendações da NBR 15220-3 para a ZB1  Aberturas médias para ventilação e que permitam a entrada do sol nos períodos mais frios ( corresponde a de 15 a 25 % da área do piso)  Paredes externas leves e coberturas leves e isoladas  Estratégias de condicionamento passivo para o inverno: Aquecimento solar da edificação e vedações internas pesadas (com alta inércia térmica)  No período mais frio do ano essas estratégias passivas de aquecimento são insuficientes
  16. 16. Curitiba Zona Bioclimática 1 Estratégias Bioclimaticas Carta bioclimáticaNo anexo A, a NBR 15220-3 apresenta azona e as estratégias bioclimáticas para cadauma das 330 cidades cadastradas.PR – Curitiba – ZONA 1 - ABCFEstratégias:A:Zona de aquecimento artificial (calefação)B: Zona de aquecimento solar da edificaçãoC: Zona de massa térmica para aquecimentoZona de desumidificação (renovação do ar)
  17. 17. Curitiba Zona Bioclimática 1 DETALHAMENTO DAS ESTRATÉGIAS BIOCLIMÁTICAS A: O uso de aquecimento artificial será necessário para amenizar a eventual sensação de desconfortotérmico por frio. B: A forma, a orientação e a implantação da edificação, além da correta orientação de superfícies envidraçadas, podem contribuir para otimizar o seu aquecimento no período frio através da incidência de radiação solar. A cor externa dos componentes também desempenha papel importante no aquecimento dos ambientes através do aproveitamento da radiação solar. C: A adoção de paredes internas pesadas pode contribuir para manter o interior da edificação aquecido. F: As sensações térmicas são melhoradas através da desumidificação dos ambientes. Esta estratégia pode ser obtida através da renovação do ar interno por ar externo através da ventilação dos ambientes.
  18. 18. + Curitiba exemplos de estratégias bioclimáticas para Curitiba / Zona 1 / clima subtropical úmido ou temperado  Uso de materiais isolantes, com alta inércia térmica para os períodos frios  Exposição ao sol  Proteção das árvores contra o vento  Construção sobre pedras para proteção do frio que vem do solo  Fachadas LESTE E OESTE com muitas janelas
  19. 19. Estudo de Caso Rua Quinze de Novembro, N° 1384. Estudo de Caso Vista Superior – Google MapsO estudo de caso é a Rua Quinze deNovembro, no bairro do Pinheiro, emCuritiba, Paraná. A via se desenvolve nosentido Leste-Sudoeste, com lotesdispostos em ambos s lados da rua. Oslotes têm suas fachadas principaisorientadas para 25oSE e 25°NO. E aslaterais localizadas no sentido Leste-Sodoeste são 75oNE e 75oSO.
  20. 20. + Estudo de Caso Rua Quinze de Novembro, N°1384 Estudo de Caso Av. Quinze de Novembro, N°1384
  21. 21. Estudo de CasoRua Quinze de Novembro, N° 1384 Casa na carta solar Período de insolejamento FACHADA 25°SE No verão: não recebe sol No inverno: não recebe sol FACHADA 25°NO No verão não recebe sol No inverno recebe sol indireto FACHADA 75°NE No verão recebe o sol nascente No ineverno recebe sol indireto FACHADA 75°SO No verão recebe um sol poente No inverno recebe sol indireto
  22. 22. Estudo de Caso Rua Quinze de Novembro, Nº 1384 Período de Insolejamento das Calçadas A calçada a Norte, pendendo a Nordeste recebe radiação solar indireta no período de verão. Em Curitibanão é interessante a existencia de barreiras contra a entrada do Sol, sejam estas de origem natural ou artificial Noinverno, a calçada Norte não recebe Sol, enquanto que a Sul recebe-o poente ou nascente. A casa está situada em um lote em que as edificações ao seu lado não possuem uma altura muito maior doque a sua e, novamente não tem quantidade de insolejamento para que a barreira se faça necessária em nenhumdos dos sentidos da rua Quinze de Novembro. Este padrão se repete em todas as estações do ano, que, apesar deserem bem definidas em Curitiba, não apresenta insolejamento direto, nem mesmo no verão.
  23. 23. Estudo de Caso Rua Quinze de Novembro, N° 1384 Ventilação Sentido dos ventos sobre a casa A RuaComo um todo, Curitiba não está na rota dos ventos queprivilegiam a região Sul do país. Portanto, nos dos sentidos,não há corrente natural de ar. Porém, devido às baixastemperaturas (Tomando como parâmetro as médias do país,como um todo) a “falta” de correntes de ventilação não afetagravemente no conforto térmico do local. A CASANo lote em que a casa está localizada, as edificações que arodeiam não interferem na entrada de ventilação. Porém, acasa possui jardins frontais e laterais, contando ainda comeste artifício nas duas edificações ao seu lado.
  24. 24. + Estudo de Caso Rua Quinze de Novembro, 1384ProximidadePróximo a construção escolhida ha um parque, o PasseioPúblico, permitindo assim a qualidade e umidade do ar e adiminuição de temperatura.Está orientado em direção à fachada que bate mais sol noverão
  25. 25. Diretrizes Bioclimáticas para a Rua Quinze de Novembro, N° 1384 Diretrizes Bioclimáticas para os lotesConsiderando a norma e a casa escolhida, épreciso uma maior exposição ao sol noinverno.Este lote só tem uma fachada exposta ao solpoente de verão e nenhuma pega o sol diretodo inverno, o que era extremamentenecessário.São necessárias aberturas médias, paraventilação, no verão.E vedamentos internos pesados paraaumentar a inércia térmica Esquema de casas com alta inércia témica. <http://www.ateliercristobal.com/Bioclimatica.html >
  26. 26. Diretrizes Bioclimáticas para a Rua Quinze de Novembro, N° 1384 Recomendações para aberturasSegundo a carta solar, vê se que precisamos de aberturassombreadas na fachada 75°SO, onde bate o sol da tarde deverão., entre as 13h e as 16h (período mais quente da cartasolar de curitiba)Já as fachadas 25°NO precisaria de aberturas de modo àexpor o interior ao sol, no caso, janelas de vidro quepossibilitam a entrada e prisão da radiação infra-vermelha.
  27. 27. Diretrizes Bioclimáticas para a Rua Quinze de Novembro, N° 1384 Recomendações para esquadrias Tipos de EsquadriasDe acordo com as estratégias bioclimáticas daNBR 15220-3, o mais importante é receberradiação direta, sem muita necessidade deproteção contra a ventilação. As fachadasfrontais podem contar com esquadrias demadeira – pois absorvem bem o calor etransportam para o ambiente – e abusar do Esquadria para as lateraistamanho e do vidro. Assim, privilegia-se a vistapara o jardim e ainda aumenta as chances dereceber e reter o calor vindo do Sol. Como asfachadas laterais recebem ainda menos sol doque a frontal, e as edificações ao lado estãorelativamente perto, o ideal é que a esquadriaseja de madeira e a presença do vidro –material frio – seja mais contida, pois assimpossibilitará uma maior absorção de calor paraa casa. Esquadria para a frente
  28. 28. Diretrizes Bioclimáticas para aRua Quinze de Novembro, 1384 SOLUÇÕES DE MATERIAIS Vidro Para climas temperados como o  Outro grande aliado dos climas de Curitiba, é necessário a temprados é o vidro, pois, além de utilização de materiais com alta permitir a entrada da luz solar ele inércia térmica. A começar pela funciona como estufa no inverno e laje que deve ser maciça e mais impede a troca de calor entre o espessa além de ter a necessidade meio interno e externo, o que é de de contar com um isolante em sua grande benefício. composição. Na cobertura, a telha cerâmica, associado a telhados com ângulações menores auxiliam ao impedir a troca de calor (Não permite que o calor saia).
  29. 29. Diretrizes Bioclimáticas para a Rua Quinze de Novembro, 1384 Laje mais espeça – com aditivoTelhados menos angulosos com Telha cerâmica Efeito Estufa a partir do vidro
  30. 30. Diretrizes Bioclimáticas para a Rua Quinze de Novembro, N° 1384 Diretrizes Bioclimáticas para o espaço urbanoEm escalas maiores, falando das ruas, as diretrizesbioclimáticas seriam:Calçadas sombreadas na orientação 25°SE, deixando claro queos verões curitibanos são frescos. Talvez calçadas arborizadasseriam úteis nessa orientação, uma vez que a vegetaçãopoderia barrar algum vento nessa direção.O maior problema mesmo seria no inverno, soluções para oaquecimento das pessoas durante os períodos mais frios,como o uso de materiais de alta inércia térmica e vidro queaprisionam o calor. Estufa em Petrópolis
  31. 31. Diretrizes Bioclimáticas para a Rua Quinze de Novembro, 1384 Diretrizes Bioclimáticas para o espaço urbano Apesar de existir, a poucos metros, uma edificação com um gabarito bem maior que a casa, não há grande prejuízoquanto à ventilação, pois ela não se constitui como uma barreira perante a direção dos ventos na direção Leste-Oeste. Nesta rua, as fachadas das casas são, em geral, de cores claras – refletem bem a luz solar – e os telhados são cerâmicos(Vermelhos – retém melhor o calor solar) o que constitui um cenário propício para o clima do local. Os canteiros ao longo da rua são bem arborizados e apresentam variedade vegetativa, além disso, a maioria das casasresidenciais apresentam jardins frontais e/ou laterais, o que contribui para melhorar a umidificação. Os gabaritos nao muitoextravagantes dos prédios também contribuem para o melhoramento dos fatores supracitados.
  32. 32. Manchas de sol+ Como visto –na nossa análise, de acordopara serorientaçãodevido o o insolejamento no inverno período mais importante com a aquecido do lote, clima frio- é muito baixo. Acima estão as manchas de sol para as fachadas 75°SO e 25°NO, caso tivessem um abertura em toda a extensão da parede. Deixando assim bem claro que é imprescindível ter aberturas que possibilitem a entrado da sol nessas fachadas para o aquecimento interno da edificação. Já que nenhuma fachada recebe sol direto no inverno.
  33. 33. Diretrizes Bioclimáticas para a Av. Otávio Mangabeira (trecho Amaralina – Praça Nossa Senhora da Luz)Considerações FinaisEste trabalho fez uma análise bioclimática para subsidiar projetos arquitetônicos e urbanos na rua 15 deNovembro, na cidade de Curitiba, Estado do Paraná.As principais estratégias bioclimáticas que devem ser adotadas pela edificação são: aquecimento solar, para operíodo de inverno e desumidificação do ar, para o período de verão.Quanto ao insolejamento, as orientações dos lotes são: 75°NE, 25°SE, 75°SO e 25°NO, sendo que as fachadas25°NO e 25°SE deve permitir a adoção das estratégias aquecimento solar passivo e artificial. Já as fachadas75°NE e 75°SO, que recebem sol no verão, devem receber ventilação.Quanto à ventilação, deve-se privilegia-la no verão, nas orientações que pegam o sol nascente e, principalmenteno poente – o período mais quente do ano curitibano.Nos espaços públicos, deve-se implantar a vegetação de maneira a barrar a ventilação no inverno e sombrear ascalçadas no verão. As fachadas das construções devem ter cores de alta emissividade térmica de modo a ajudarno aquecimento da cidade no período mais frio.
  34. 34. +Referências: 1) CHAN 360. Fotos panorâmicas curitiba<http://chanfotos.com/360/category/cidades/curitiba/> acesso em 04/04/13 2) GUIA DO TURISTA < http://www.guiadoturista.net/parana/curitiba.html> acesso em 03/04/13 3)LABEE <http://www.labeee.ufsc.br/sites/default/files/publicacoes/livros/dados_cli maticos_para_projetos_e_avaliacao_energetica_de_edificacoes_para_14_cid ades_brasileiras.pdf> acesso em:28/03 http://www.labeee.ufsc.br/sites/default/files/disciplinas/ECV5161%20Aula %201%20-%20Introdu%C3%A7%C3%A3o.pdf 4) NBR 15220-3. Desempenho Térmico das Edificações http://www.labcon.ufsc.br/anexosg/403.pdf >acesso em 28/04/13 5) ACITAL. Inercia térmica dos materiais http://www.acital.com.br/noticias/inercia-termica-a-chave-do-conforto > acesso em 04/04/13

×