Voz da Paróquia - Março 2014

176 visualizações

Publicada em

Voz da Paróquia - Março 2014

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
176
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Voz da Paróquia - Março 2014

  1. 1. Mioma 79ª Edição, março de 2014Mioma 79ª Edição, março de 2014Mioma 79ª Edição, março de 2014 O Grupo de Jo- vens do Espírito Santo da Paróquia de Mioma, Convida toda a comunidade a participar na Via Sacra que irá realizar todos os domingos da Quaresma/2014, às 14H30. Assim distribuídas: • dia 9 de março — Mioma à Tremoa • dia 16 de março — Tremoa às Lages • dia 23 de março— Lages à Meã • dia 30 de março—Meã à Afonsim • dia 7 de abril—Afonsim às Fontainhas • dia 14 de abril-Fontainhas a Mioma O Grupo de Jovens do Espíri- to Santo da Paróquia de Mio- ma convida, 22 de março—Oração— Taizé nas casinhas S. Pedro às 16.30
  2. 2. 2 INDICE Pág. 3 — Papa alerta cardeais contra mentalidade e intrigas de «corte» Pág. 4, 5 — domingo VIII do Tempo Comum;; Pág. 6, 7, 8 — domingo I da quaresma; Pág. 8, 9, 10 — domingo II da quaresma; Pág.10, 11, 12, 13 — domingo III da quaresma; Pág. 13, 14, 15 - domingo IV da quaresma; Pág. 16 — Evitar as murmurações é «caminho» de santidade Pág. 17 — Oração ao Espírito Santo Pág. 18 — A Voz do Conselho Económico; Pág. 19 — O sacramento da reconciliação Agradecemos a todos quantos queiram participar com documentos e/ou testemunhos, que os façam chegar ao J.E.S (Grupo de Jovens Do Espírito Santo de Mioma), da seguinte forma e, prazos, para a edição do mês se- guinte: Em mão ou por correio, até dia 15; Para, jesmioma@hotmail.com, até ao dia 20. Se queres receber no teu correio eletrónico um exemplar da “A Voz da Paróquia” envia uma mensagem para o endereço jesmioma@hotmail.com com o assunto “Quero receber a Voz” Versão Digital: http://www.slideshare.net/jesmioma http://issuu.com/jesmioma NOTA: Pedimos desculpa, a todos os leitores da Voz da Paróquia, pelo motivo de na edição de fevereiro/2014, terem sido publicadas as leituras referentes ao ANO C e deveriam ser as do ANO A.
  3. 3. 3 Papa alerta cardeais contra mentalidade e intrigas de «corte» O Papa presidiu no Vaticano à Missa com os novos cardeais, criados este sába- do, e os participantes no primeiro consistório do pontificado, que alertou contra uma mentalidade de “corte” que promove “intrigas”. “O cardeal – digo-o especialmente a vós - entra na Igreja de Roma. Irmãos: não entra numa corte. Evitemos todos e ajudemo-nos mutuamente a evitar hábitos e comportamentos de corte: intrigas, maledicência, fações, favoritis- mos, preferências”, declarou, na homilia que proferiu na Basílica de São Pedro. Francisco apresentou um código de “conduta” para cada cardeal, convidando todos a imitar o “Espírito de Cristo” para serem “canais por onde corre a sua caridade”. “Este é o comportamento, esta deve ser a conduta de um cardeal”, sublinhou, pedindo depois: “Permaneçamos unidos em Cristo e entre nós”. Segundo o Papa, a linguagem dos responsáveis católicos deve ser a do Evan- gelho – ‘sim, sim; não, não’, com as atitudes das “bem-aventuranças” e o ca- minho “da santidade”. “Estas atitudes nascem da santidade de Deus. Nós somos tão diferentes, tão egoístas e orgulhosos, no entanto, a bondade e a beleza de Deus atraem-nos, e o Espírito Santo pode purificar-nos, pode transformar-nos, pode moldar-nos dia após dia”, precisou. “Ser santo não é um luxo, é necessário para a salvação do mundo”, disse ain- da. A homilia destacou que imitar “a santidade e a perfeição de Deus” pode pare- cer uma “meta inatingível” e deixou um apelo à “conversão”. “Fazer este trabalho de conversão, conversão no coração, conversão que todos nós, especialmente vós cardeais e eu, temos de fazer. Conversão”, sublinhou Francisco. O Papa declarou que este pedido se dirigia em especial aos que este sábado começaram a fazer parte do Colégio Cardinalício, defendendo que os seguido- res de Jesus têm de “amar a pessoa que não o merece, sem retribuição, a fim de preencher as lacunas de amor que há nos corações, nas relações humanas, nas famílias, nas comunidades, no mundo”. “Amemos aqueles que nos são hostis; abençoemos quem fala mal de nós; saudemos com um sorriso a quem talvez não o mereça; não aspi- remos a fazer-vos valer, mas oponhamos a mansidão à prepotência; esqueçamos as humilhações sofridas”, sustentou. Francisco afirmou que Jesus não veio para ensinar “boas maneiras”, mas para mostrar o “caminho da misericórdia” que pode salvar o mundo. “Um coração vazio de amor é como uma igreja dessacralizada, subtraída ao serviço de Deus e destinada a outro fim”, advertiu. O Papa conclui com um pedido de oração para que o Colégio dos Cardeais “seja cada vez mais inflamado de caridade pastoral, cada vez mais cheio de santida- de, para servir o Evangelho e ajudar a Igreja a irradiar pelo mundo o amor de Cristo”. “Peço-vos que me acompanheis de perto, com a oração, o conselho, a colabo- ração”, disse aos cardeais. OC—(Ecclesia)
  4. 4. 4 DOMINGO VIII do tempo Comum (2 de março de 2014) LLE I TURA I Is 49, 14-15 «Eu não te esquecerei» Leitura do Livro de Isaías Sião dizia: «O Senhor abandonou-me, o Senhor esqueceu-Se de mim». Poderá a mulher esquecer a criança que amamenta e não ter compaixão do filho das suas entranhas? Mas ainda que ela se esqueça, Eu não te esquecerei. Palavra do Senhor. SALMO RESPONSORIAL Salmo 61 (62), 2-3.6-7.8-9ab (R. 6a) Refrão: Só em Deus descansa, ó minha alma. Só em Deus descansa a minha alma, d’Ele me vem a salvação. Ele é meu refúgio e salvação, minha fortaleza: jamais serei abalado. Minha alma, só em Deus descansa: d’Ele vem a minha esperança. Ele é meu refúgio e salvação, minha fortaleza: jamais serei abalado. Em Deus está a minha salvação e a minha glória, o meu abrigo, o meu refúgio está em Deus. Povo de Deus, em todo o tempo ponde n’Ele a vossa confiança, desafogai em sua presença os vossos corações LEITURA II 1 Cor 4, 1-5 «O Senhor manifestará o desígnio dos corações» Leitura da Primeira Epístola do apóstolo São Paulo aos Coríntios Irmãos: Todos nos devem considerar como servos de Cristo e administradores dos mistérios de Deus. Ora o que se requer nos administradores é que sejam fiéis. Quanto a mim, pouco me importa ser julgado por vós ou por um tribunal humano; nem sequer me julgo a mim próprio.
  5. 5. 5 De nada me acusa a consciência, mas não é por isso que estou justificado: quem me julga é o Senhor. Portanto, não façais qualquer juízo antes do tempo, até que venha o Senhor, que há-de iluminar o que está oculto nas trevas e manifestar os desígnios dos corações. E então cada um receberá da parte de Deus o louvor que merece. Palavra do Senhor. ALELUIA Hebr 4, 12 Refrão: Aleluia. Repete-se A palavra de Deus é viva e eficaz, conhece os pensamentos e intenções do coração. EVANGELHO Mt 6, 24-34 «Não vos inquieteis com o dia de amanhã» Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Ninguém pode servir a dois senhores, porque ou há-de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Vós não podeis servir a Deus e ao dinheiro. Por isso vos digo: «Não vos preocupeis, quanto à vossa vida, com o que haveis de comer, nem, quanto ao vosso corpo, com o que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o alimento e o corpo mais do que o vestuário? Olhai para as aves do céu: não semeiam nem ceifam nem recolhem em celeiros; o vosso Pai celeste as sustenta. Não valeis vós muito mais do que elas? Quem de entre vós, por mais que se preocupe, pode acrescentar um só côvado à sua estatura? E porque vos inquietais com o vestuário? Olhai como crescem os lírios do campo: não trabalham nem fiam; mas Eu vos digo: nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como um deles. Se Deus assim veste a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada ao forno, não fará muito mais por vós, homens de pouca fé? Não vos inquieteis, dizendo: ‘Que havemos de comer? Que havemos de beber? Que havemos de vestir?’. Os pagãos é que se preocupam com todas estas coisas. Bem sabe o vosso Pai celeste que precisais de tudo isso. Procurai primeiro o reino de Deus e a sua justiça, e tudo o mais vos será dado por acréscimo. Portanto, não vos inquieteis com o dia de amanhã, porque o dia de ama- nhã tratará das suas inquietações. A cada dia basta o seu cuidado». Palavra da salvação.
  6. 6. 6 DOMINGO I da quaresma (9 de março de 2014) LEITURA I Gen 2, 7-9; 3, 1-7 A criação e o pecado dos nossos primeiros pais Leitura do Livro do Génesis O Senhor Deus formou o homem do pó da terra, insuflou em suas narinas um sopro de vida, e o homem tornou-se um ser vivo. Depois, o Senhor Deus plantou um jardim no Éden, a oriente, e nele colocou o ho- mem que tinha formado. Fez nascer na terra toda a espécie de árvores, de frutos agradáveis à vista e bons para comer, entre as quais a árvore da vida, no meio do jardim, e a árvore da ciência do bem e do mal. Ora, a serpente era o mais astucioso de todos os animais dos campos que o Senhor Deus tinha feito. Ela disse à mulher: «É verdade que Deus vos disse:‘Não podeis comer o fruto de nenhuma árvore do jar- dim’?». A mulher respondeu: «Podemos comer o fruto das árvores do jardim; mas, quanto ao fruto da árvore que está no meio do jardim, Deus avisou-nos: ‘Não podeis comer dele nem tocar-lhe, senão morrereis’». A serpente replicou à mulher: «De maneira nenhuma! Não morrereis. Mas Deus sabe que, no dia em que o comer- des, abrir-se-ão os vossos olhos e sereis como deuses, ficando a conhecer o bem e o mal». A mulher viu então que o fruto da árvore era bom para comer e agradável à vista, e precioso para esclarecer a inteligência. Colheu fruto da árvore e comeu; depois deu-o ao marido, que comeu juntamente com ela. Abriram-se então os seus olhos e compreenderam que estavam despidos. Por isso, entrelaçaram folhas de figueira e cingiram os rins com elas. Palavra do Senhor. SALMO RESPONSORIAL Salmo 50 (51), 3-4.5-6a.12-13.14.17 (R. cf. 3a) Refrão: Pecámos, Senhor: tende compaixão de nós. Ou: Tende compaixão de nós, Senhor, porque somos pecadores. Compadecei-Vos de mim, ó Deus, pela vossa bondade, pela vossa grande misericórdia, apagai os meus pecados. Lavai-me de toda a iniquidade e purificai-me de todas as faltas.
  7. 7. 7 Porque eu reconheço os meus pecados e tenho sempre diante de mim as minhas culpas. Pequei contra Vós, só contra Vós, e fiz o mal diante dos vossos olhos. Criai em mim, ó Deus, um coração puro e fazei nascer dentro de mim um espírito firme. Não queirais repelir-me da vossa presença e não retireis de mim o vosso espírito de santidade. Dai-me de novo a alegria da vossa salvação e sustentai-me com espírito generoso. Abri, Senhor, os meus lábios, e a minha boca cantará o vosso louvor. LEITURA II Forma longa Rom 5, 12-19 «Onde abundou o pecado, superabundou a graça» Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos Irmãos: Assim como por um só homem entrou o pecado no mundo e pelo pecado a morte, assim também a morte atingiu todos os homens, porque todos pecaram. De facto, até à Lei, existia o pecado no mundo. Mas o pecado não é levado em conta, se não houver lei. Entretanto, a morte rei- nou desde Adão até Moisés, mesmo para aqueles que não tinham pecado por uma transgressão à semelhança de Adão, que é figura d’Aquele que havia de vir. Mas o dom gratuito não é como a falta. Se pelo pecado de um só todos pereceram, com muito mais razão a graça de Deus, dom contido na graça de um só homem, Jesus Cristo, se concedeu com abundância a todos os homens. E esse dom não é como o pecado de um só: o julgamento que resultou desse único pecado levou à condenação, ao passo que o dom gratuito, que veio depois de mui- tas faltas, leva à justificação. Se a morte reinou pelo pecado de um só homem, com muito mais razão, aqueles que recebem com abundância a graça e o dom da justiça reinarão na vida por meio de um só, Jesus Cristo. Porque, assim como, pelo pecado de um só, veio para todos os homens a condena- ção, assim também, pela obra de justiça de um só, virá para todos a justificação, que dá a vida. De facto, como pela desobediência de um só homem, todos se tornaram pecado- res, assim também, pela obediência de um só, todos se tornarão justos. Palavra do Senhor.
  8. 8. 8 ACLAMAÇÃO ANTES DO EVANGELHO Mt 4, 4b Nem só de pão vive o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus. EVANGELHO Mt 4, 1-11 Jesus jejua durante quarenta dias e é tentado Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus Naquele tempo, Jesus foi conduzido pelo Espírito ao deserto, a fim de ser tentado pelo Diabo. Jejuou quarenta dias e quarenta noites e, por fim, teve fome. O tentador aproximou-se e disse-lhe: «Se és Filho de Deus, diz a estas pedras que se transformem em pães». Jesus respondeu-lhe: «Está escrito: ‘Nem só de pão vive o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus’». Então o Diabo conduziu-O à cidade santa, levou-O ao pináculo do templo e disse-Lhe: «Se és Filho de Deus, lança-Te daqui abaixo, pois está escrito: ‘Deus mandará aos seus Anjos que te recebam nas suas mãos, para que não tropeces em alguma pe- dra’». Respondeu-lhe Jesus: «Também está escrito: ‘Não tentarás o Senhor teu Deus’». De novo o Diabo O levou consigo a um monte muito alto, mostrou-Lhe todos os rei- nos do mundo e a sua glória e disse-Lhe: «Tudo isto Te darei, se, prostrado, me adorares». Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, porque está escrito: ‘Adorarás o Senhor teu Deus e só a Ele presta- rás culto’». Então o Diabo deixou-O, e aproximaram-se os Anjos e serviram-n'O. Palavra da salvação. DOMINGO II da quaresma (16 de março de 2014) LEITURA I Gen 12, 1-4a Vocação de Abraão, pai do povo de Deus Leitura do Livro do Génesis Naqueles dias, o Senhor disse a Abrão: «Deixa a tua terra, a tua família e a casa de teu pai e vai para a terra que Eu te indicar. Farei de ti uma grande nação e te aben- çoarei; engrandecerei o teu nome e serás uma bênção. Abençoarei a quem te aben- çoar, amaldiçoarei a quem te amaldiçoar;por ti serão abençoadas todas as nações da terra». Abrão partiu, como o Senhor lhe tinha ordenado. Palavra do Senhor.
  9. 9. 9 SALMO RESPONSORIAL Salmo 32 (33), 4-5.18-19.20.22 (R. 22) Refrão: Esperamos, Senhor, na vossa misericórdia. Ou: Desça sobre nós a vossa misericórdia, porque em Vós esperamos, Se- nhor. A palavra do Senhor é recta, da fidelidade nascem as suas obras. Ele ama a justiça e a rectidão: a terra está cheia da bondade do Senhor. Os olhos do Senhor estão voltados para os que O temem, para os que esperam na sua bondade, para libertar da morte as suas almas e os alimentar no tempo da fome. A nossa alma espera o Senhor: Ele é o nosso amparo e protector. Venha sobre nós a vossa bondade, porque em Vós esperamos, Senhor. LEITURA II 2 Tim 1, 8b-10 Deus nos chama e ilumina Leitura da Segunda Epístola do apóstolo São Paulo a Timóteo Caríssimo: Sofre comigo pelo Evangelho, apoiado na força de Deus. Ele salvou-nos e chamou-nos à santidade, não em virtude das nossas obras, mas do seu próprio desígnio e da sua graça. Esta graça, que nos foi dada em Cristo Jesus, desde toda a eternidade, manifestou-se agora pelo aparecimento de Cristo Jesus, nosso Salvador, que destruiu a morte e fez brilhar a vida e a imortalidade, por meio do Evangelho. Palavra do Senhor. ACLAMAÇÃO ANTES DO EVANGELHO No meio da nuvem luminosa, ouviu-se a voz do Pai: «Este é o meu Filho muito amado: escutai-O».
  10. 10. 10 EVANGELHO Mt 17, 1-9 «O seu rosto ficou resplandecente como o sol» Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus Naquele tempo, Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João, seu irmão, e levou-os, em particular, a um alto monte e transfigurou-Se diante deles: o seu rosto ficou resplandecente como o sol, e as suas vestes tornaram-se brancas como a luz. E apareceram Moisés e Elias a falar com Ele. Pedro disse a Jesus: «Senhor, como é bom estarmos aqui! Se quiseres, farei aqui três tendas: uma para Ti, outra para Moisés e outra para Elias». Ainda ele falava, quando uma nuvem luminosa os cobriu com a sua sombra, e da nu- vem uma voz dizia: «Este é o meu Filho muito amado, no qual pus toda a minha complacência. Escutai- O». Ao ouvirem estas palavras, os discípulos caíram de rosto por terra e assustaram-se muito. Então Jesus aproximou-Se e, tocando-os, disse: «Levantai-vos e não temais». Erguendo os olhos, eles não viram mais ninguém, senão Jesus. Ao descerem do mon- te, Jesus deu-lhes esta ordem: «Não conteis a ninguém esta visão, até o Filho do homem ressuscitar dos mortos». Palavra da salvação. DOMINGO III da quaresma (23 de março de 2014) LEITURA I Ex 17, 3-7 «Dá-nos água para beber» Leitura do Livro do Êxodo Naqueles dias, o povo israelita, atormentado pela sede, começou a altercar com Moi- sés, dizendo: «Porque nos tiraste do Egipto? Para nos deixares morrer à sede, a nós, aos nossos filhos e aos nossos rebanhos?». Então Moisés clamou ao Senhor, dizendo: «Que hei-de fazer a este povo? Pouco falta para me apedrejarem». O Senhor respondeu a Moisés: «Passa para a frente do povo e leva contigo alguns anciãos de Israel. Toma na mão a vara com que fustigaste o Rio e põe-te a caminho. Eu estarei diante de ti, sobre o rochedo, no monte Horeb. Baterás no rochedo e dele sairá água;então o povo poderá beber».
  11. 11. 11 Moisés assim fez à vista dos anciãos de Israel. E chamou àquele lugar Massa e Meriba, por causa da altercação dos filhos de Israel e por terem tentado o Senhor, ao dizerem: «O Senhor está ou não no meio de nós?». Palavra do Senhor. SALMO RESPONSORIAL Salmo 94 (95), 1-2.6-7.8-9 (R. cf. 8) Refrão: Se hoje ouvirdes a voz do Senhor, não fecheis os vossos corações. Vinde, exultemos de alegria no Senhor, aclamemos a Deus, nosso salvador. Vamos à sua presença e dêmos graças, ao som de cânticos aclamemos o Senhor. Vinde, prostremo-nos em terra, adoremos o Senhor que nos criou. Pois Ele é o nosso Deus, e nós o seu povo, as ovelhas do seu rebanho. Quem dera ouvísseis hoje a sua voz: «Não endureçais os vossos corações, como em Meriba, como no dia de Massa no deserto, onde vossos pais Me tentaram e provocaram, apesar de terem visto as minhas obras. LEITURA II Rom 5, 1-2.5-8 «O amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado» Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Romanos Irmãos: Tendo sido justificados pela fé, estamos em paz com Deus, por Nosso Se- nhor Jesus Cristo, pelo qual temos acesso, na fé, a esta graça em que permanece- mos e nos gloriamos, apoiados na esperança da glória de Deus. Ora, a esperança não engana, porque o amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado. Quando ainda éramos fracos, Cristo morreu pelos ímpios no tempo determinado. Dificilmente alguém morre por um justo; por um homem bom, talvez alguém tives- se a coragem de morrer. Mas Deus prova assim o seu amor para connosco: Cristo morreu por nós, quando éramos ainda pecadores. Palavra do Senhor.
  12. 12. 12 ACLAMAÇÃO ANTES DO EVANGELHO cf. Jo 4, 42.15 Senhor, Vós sois o Salvador do mundo: dai-nos a água viva, para não termos sede. EVANGELHO Forma longa Jo 4, 5-42 «Fonte da água que jorra para a vida eterna» Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João Naquele tempo, chegou Jesus a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, junto da pro- priedade que Jacob tinha dado a seu filho José, onde estava o poço de Jacob. Jesus, cansado da caminhada, sentou-Se à beira do poço. Era por volta do meio-dia. Veio uma mulher da Samaria para tirar água. Disse-lhe Je- sus: «Dá-Me de beber». Os discípulos tinham ido à cidade comprar alimentos. Respondeu-Lhe a samaritana: «Como é que Tu, sendo judeu, me pedes de beber, sen- do eu samaritana?». De facto, os judeus não se dão com os samaritanos. Disse-lhe Jesus: «Se conhecesses o dom de Deus e quem é Aquele que te diz: ‘Dá-Me de beber’, tu é que Lhe pedirias e Ele te daria água viva». Respondeu-Lhe a mulher: «Senhor, Tu nem sequer tens um balde, e o poço é fundo: donde Te vem a água viva? Serás Tu maior do que o nosso pai Jacob, que nos deu este poço, do qual ele mesmo bebeu, com os seus filhos e os seus rebanhos?». Disse-Lhe Jesus: «Todo aquele que bebe desta água voltará a ter sede. Mas aquele que beber da água que Eu lhe der nunca mais terá sede: a água que Eu lhe der tornar- se-á nele uma nascente que jorra para a vida eterna». «Senhor, suplicou a mulher, dá-me dessa água, para que eu não sinta mais sede e não tenha de vir aqui buscá-la». Disse-lhe Jesus: «Vai chamar o teu marido e volta aqui». Respondeu-lhe a mulher: «Não tenho marido». Jesus replicou: «Disseste bem que não tens marido, pois tiveste cinco, e aquele que tens agora não é teu marido. Neste ponto falaste verdade». Disse-lhe a mulher: «Senhor, vejo que és profeta. Os nossos antepassados adoraram neste monte, e vós dizeis que é em Jerusalém que se deve adorar». Disse-lhe Jesus: «Mulher, acredita em Mim: Vai chegar a hora em que nem neste monte nem em Jerusalém adorareis o Pai. Vós adorais o que não conheceis; nós adoramos o que conhecemos, porque a sal- vação vem dos Judeus. Mas vai chegar a hora e já chegou em que os verdadeiros ado- radores hão-de adorar o Pai em espírito e verdade, pois são esses os adoradores que o Pai deseja. Deus é espírito, e os seus adoradores devem adorá-l’O em espírito e verda de».
  13. 13. 13 Disse-Lhe a mulher: «Eu sei que há-de vir o Messias, isto é, Aquele que chamam Cristo. Quando vier, há-de anunciar-nos todas as coisas». Respondeu-lhe Jesus: «Sou Eu, que estou a falar contigo». Nisto, chegaram os discípulos e ficaram admirados por Ele estar a falar com aquela mulher, mas nenhum deles Lhe perguntou: «Que pretendes?», ou então: «Porque falas com ela?». A mulher deixou a bilha, correu à cidade e falou a todos: «Vinde ver um homem que me disse tudo o que eu fiz. Não será Ele o Messias?». Eles saíram da cidade e vieram ter com Jesus. Entretanto, os discípulos insistiam com Ele, dizendo: «Mestre, come». Mas Ele respondeu-lhes: «Eu tenho um alimento para comer que vós não conheceis». Os discípulos perguntavam uns aos outros:«Porventura alguém Lhe trouxe de co- mer?». Disse-lhes Jesus: «O meu alimento é fazer a vontade d’Aquele que Me enviou e realizar a sua obra. Não dizeis vós que dentro de quatro meses chegará o tempo da colheita? Pois bem, Eu digo-vos: Erguei os olhos e vede os campos, que já estão loiros para a ceifa. Já o ceifeiro recebe o salário e recolhe o fruto para a vida eterna e, deste modo, se alegra o semeador juntamente com o ceifeiro. Nisto se verifica o ditado: ‘Um é o que semeia e outro o que ceifa’. Eu mandei-vos ceifar o que não tra- balhastes. Outros trabalharam e vós aproveitais-vos do seu trabalho». Muitos samaritanos daquela cidade acreditaram em Jesus, por causa da palavra da mulher, que testemunhava: «Ele disse-me tudo o que eu fiz». Por isso os samaritanos, quando vieram ao encontro de Jesus, pediram-Lhe que fi- casse com eles. E ficou lá dois dias. Ao ouvi-l’O, muitos acreditaram e diziam à mu- lher: «Já não é por causa das tuas palavras que acreditamos. Nós próprios ouvimos e sabemos que Ele é realmente o Salvador do mundo». Palavra da salvação. DOMINGO IV da quaresma (30 de março de 2014) LEITURA I 1 Sam 16, 1b.6-7.10-13a David é ungido rei de Israel. Leitura do Primeiro Livro de Samuel Naqueles dias, o Senhor disse a Samuel: «Enche a âmbula de óleo e parte. Vou enviar-te a Jessé de Belém, pois escolhi um rei entre os seus filhos». Quando chegou, Samuel viu Eliab e pensou consigo: «Certamente é este o ungido do Senhor». Mas o Senhor disse a Samuel: «Não te im- pressiones com o seu belo aspecto, nem com a sua elevada estatura, pois não foi esse que Eu escolhi. Deus não vê como o homem: o homem olha às aparências, o Senhor vê o coração».
  14. 14. 14 Jessé fez passar os sete filhos diante de Samuel, mas Samuel declarou-lhe: «O Senhor não escolheu nenhum destes». E perguntou a Jessé: «Estão aqui todos os teus filhos?». Jessé respondeu-lhe: «Falta ainda o mais novo, que anda a guar- dar o rebanho». Samuel ordenou: «Manda-o chamar, porque não nos sentaremos à mesa, enquanto ele não chegar». Então Jessé mandou-o chamar: era ruivo, de be- los olhos e agradável presença. O Senhor disse a Samuel: «Levanta-te e unge-o, porque é este mesmo». Samuel pegou na âmbula do óleo e ungiu-o no meio dos irmãos. Daquele dia em diante, o Espírito do Senhor apoderou-Se de David. Palavra do Senhor. SALMO RESPONSORIAL Salmo 22 (23), 1-3a.3b-4.5.6 (R. 1) Refrão: O Senhor é meu pastor: nada me faltará. O Senhor é meu pastor: nada me falta. Leva-me a descansar em verdes prados, conduz-me às águas refrescantes e reconforta a minha alma. Ele me guia por sendas direitas por amor do seu nome. Ainda que tenha de andar por vales tenebrosos, não temerei nenhum mal, porque Vós estais comigo: o vosso cajado e o vosso báculo me enchem de confiança. Para mim preparais a mesa à vista dos meus adversários; com óleo me perfumais a cabeça e meu cálice transborda. A bondade e a graça hão-de acompanhar-me todos os dias da minha vida, e habitarei na casa do Senhor para todo o sempre. LEITURA II Ef 5, 8-14 «Desperta e levanta-te do meio dos mortos, e Cristo brilhará sobre ti» Leitura da Epístola do apóstolo São Paulo aos Efésios Irmãos: Outrora vós éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor. Vivei como filhos da luz, porque o fruto da luz é a bondade, a justiça e a verdade. Procurai sempre
  15. 15. 15 o que mais agrada ao Senhor. Não tomeis parte nas obras das trevas, que nada trazem de bom; tratai antes de as denunciar abertamente, porque o que eles fazem em segredo até é vergonhoso dizê-lo. Mas todas as coisas que são condenadas são postas a descoberto pela luz, e tudo o que assim se manifesta torna-se luz. É por isso que se diz: «Desperta, tu que dormes; levanta-te do meio dos mortos, e Cristo brilhará sobre ti». Palavra do Senhor. ACLAMAÇÃO ANTES DO EVANGELHO Jo 8, 12 Eu sou a luz do mundo, diz o Senhor. Quem Me segue terá a luz da vida. EVANGELHO Jo 9, 1.6-9.13-17.34-38 «Eu fui, lavei-me e comecei a ver» Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João Naquele tempo, Jesus encontrou no seu caminho um cego de nascença. Cuspiu em terra, fez com a saliva um pouco de lodo e ungiu os olhos do cego. Depois disse-lhe: «Vai lavar-te à piscina de Siloé»; Siloé quer dizer «Enviado». Ele foi, lavou-se e começou a ver. Entretanto, perguntavam os vizinhos e os que o viam a mendigar: «Não é este o que costumava estar sentado a pedir esmola?». Uns diziam: «É ele». Outros afirmavam: «Não é. É parecido com ele». Mas ele próprio dizia: «Sou eu». Levaram aos fariseus o que tinha sido cego. Era sábado esse dia em que Jesus fizera lodo e lhe tinha aberto os olhos. Por isso, os fariseus perguntaram ao homem como tinha recuperado a vista. Ele declarou-lhes: «Jesus pôs-me lodo nos olhos; depois fui lavar-me e agora ve- jo». Diziam alguns dos fariseus: «Esse homem não vem de Deus, porque não guarda o sábado». Outros observavam: «Como pode um pecador fazer tais mila- gres?» E havia desacordo entre eles. Perguntaram então novamente ao cego: «Tu que dizes d’Aquele que te deu a vista?». O homem respondeu: «É um profeta». Replicaram-lhe então eles: «Tu nasceste inteiramente em pecado e pretendes ensinar-nos?». E expulsaram-no. Jesus soube que o tinham expulsado e, encon- trando-o, disse-lhe: «Tu acreditas no Filho do homem?». Ele respondeu-Lhe: «Quem é, Senhor, para que eu acredite n'Ele?». Disse-lhe Jesus: «Já O viste: é quem está a falar contigo». O homem prostrou-se diante de Jesus e exclamou: «Eu creio, Senhor». Palavra da salvação.
  16. 16. 16 O Papa Francisco afirmou no Vaticano que as palavras “podem matar” e que as pessoas que evitam falar mal dos outros tornam-se santas. “Estou convencido que se cada um de nós fizer o propósito e evitar as murmurações torna-se santo! É um bom caminho”, disse o Papa durante a recitação da oração do ângelus perante milhares de pessoas reunidas na Praça de São Pedro, no Vaticano. “Queremos tornarmo-nos santos? Sim ou não? – Sim! Queremos viver nor- malmente no meio de ‘falatórios’? – Não! Então estamos de acordo: nada de má-língua!”, referiu Francisco interpelando a multidão que o escutou na oração mariana do meio-dia. O Papa comentou o texto do Evangelho das missas desse domingo, parte do Sermão da Montanha, onde Jesus declara que “não veio abolir a lei e os profetas, mas sim a levá-los ao seu pleno cumprimento”. “Jesus não dá importância apenas à observância disciplinar, à conduta exterior; vai à raiz da lei, insiste sobretudo na intenção, no coração”, afir- mou o Papa. “Jesus não quer cancelar os mandamento que o Senhor deu por meio de Moisés, mas quer levá-los à sua plenitude. E acrescenta de imediato que este cumprimento da lei exige uma justiça superior, uma observância mais autêntica”, explicou Francisco. O Papa referiu que Jesus explicou de forma prática o que significava o “pleno cumprimento” da lei, explicando que o mandamento “não matar” inclui tudo o que atenta contra a vida dos outros, como a “ira” ou a “calúnia”. “Jesus recorda-nos que também as palavras podem matar! Portanto, não só há que não atentar à vida do próximo, mas é preciso também não der- ramar sobre ele o veneno da ira nem atingi-lo com a calúnia”, afirmou o Papa “O amor ao próximo é uma atitude tão fundamental que Jesus chega a afir- mar que a nossa relação com Deus não pode ser sincera se não quiser- mos fazer as pazes com o próximo”, referiu.
  17. 17. 17 “É à luz deste ensinamento de Cristo que cada um dos preceitos revela o seu pleno significado como exigência de amor e todos convergem para o maior dos mandamentos: ama a Deus com todo o coração e ama o próxi- mo como a ti mesmo”, concluiu o Papa Francisco. PR - (Ecclesia)
  18. 18. 18 A Voz do Conselho Económico Publicamos nesta edição o relatório de contas, referente ao mês de janeiro de 2014 RESUMO FINAL Receita Total 391,95 € Despesas da paróquia 641,75 € Saldo Final menos 249,80 € Receita Despesas Dia/Evento Evento Montante Ofertórios dominicais na igreja matriz 272,95 € Venc. Pároco 600,00 € Donativo à igreja—velório 20,00 € Evang. Voz Paróquia 36,00 € catecismos 24,00 € Manutenção da igreja 5,75 € Donativo à igreja 15,00 € Côngrua paroquial (3) 60,00 € TOTAL 391,95 € 641,75 € O Grupo de Jovens do Espírito Santo da Pa- róquia de Mioma, Convida toda a comunidade a participar na Via Sa- cra que irá realizar todos os domingos da Quares- ma/2014, às 14H30. Assim distribuídas: • dia 9 de março — Mioma à Tremoa • dia 16 de março — Tremoa às Lages • dia 23 de março— Lages à Meã • dia 30 de março—Meã à Afonsim • dia 7 de abril—Afonsim às Fontainhas • dia 14 de abril-Fontainhas a Mioma
  19. 19. 19 O Sacramento da Reconciliação Depois do Papa Francisco ter dado a conhecer a mensagem para a Quaresma, fica um pequeno esquema precioso para ajudar na Confissão. “Há muitas pessoas que talvez não percebam a dimensão eclesial do perdão, porque domina cada vez mais o individualismo, o subjetivismo, e também nós os cristãos nos ressentimos disso. Claro que Deus perdoa cada pecador arrependido, pessoalmente, mas o cristão está ligado a Cristo e Cristo está unido a Igreja. Deus perdoa cada homem na sua misericórdia soberana, mas Ele pró- prio quis que quantos pertencem a Cristo e à sua Igreja recebessem o perdão através dos minis- tros da comunidade.”
  20. 20. 20 Com a colaboração do JES Por favor guarde a nossa voz, pode ser-lhe útil no futuro. 2014 Lua cheia Lua nova Quarto crescente Quarto Minguante Março Com a primavera à porta, não espere demais para começar a preparar o espectáculo de cor que inundará o jardim nos próximos meses. Meta mãos à obra e semeie asteres, coleos, cravínias, crisântemos, estatice, gipsófilas, ver- benas e zínias, além de ageratos, petúnias e cravos-túnicos. Na horta, este é um dos meses de maior actividade no que se refere a semen- teiras e plantações. Abóboras, acelgas, agriões, aipos, alfaces, alho francês, beldroegas, beringelas, beterrabas, cebolas, coentros, couve-bróculo, couve-de- bruxelas, couve galega, couve lombarda, espinafres, melancias, melões, nabiças, nabos, pepino, pimentos, rabanetes, salsa e tomate são as espécies que deve se- mear.

×