Relação Centros de Recursos para a Inclusão (CRI) e Escola

1.139 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.139
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relação Centros de Recursos para a Inclusão (CRI) e Escola

  1. 1. Joaquim.coloa@gmail.com Aviso O seguinte programa apresenta algumas cenas capazes de impressionar os mais sensíveis. Pedimos desculpa pela qualidade das imagens. Veja com moderação. Seminário – Educação inclusiva e família Joaquim Colôa Oeiras – 23 de Junho de 2012
  2. 2. Joaquim.coloa@gmail.com Reflectir em jeito de provocação Cem rumos possíveis... ? os urs e c o la e R sc sd eE tro RI) e n (C o C ão ç ã lu s e la In c AR aa par Seminário – Educação inclusiva e família Joaquim Colôa Oeiras – 23 de Junho de 2012
  3. 3. Joaquim.coloa@gmail.com Questão 8 Qual o futuro das escolas de educação especial ? “(...) As escolas de educação especial iniciaram já um processo de reorientação para Centros de Recursos para a Inclusão (CRI). (...) Deve porém notar-se que o processo de reorientação será progressivo, prevendo-se que possa durar até 2013 e que a participação dos pais será sempre assegurada (...)” In site da DGIDC
  4. 4. Joaquim.coloa@gmail.com A variável INCLUSÃO ? “(...) Estes centros de recursos têm como objectivo apoiar a inclusão das crianças e jovens com deficiências e incapacidade, em parceria com as estruturas da comunidade, através da facilitação do acesso ao ensino, à formação, ao trabalho, ao lazer, à participação social e à vida autónoma, promovendo o máximo potencial de cada indivíduo (...).” In site da DGIDC
  5. 5. Joaquim.coloa@gmail.com A variável INCLUSÃO ? É um ambiente que exige dos serviços a sua transformação de forma a que estes façam parte integrante dos próprios contextos em que intervêm. Uma transformação desde as politicas às práticas, passando por celebrações, recrutamento de pessoal etc. (Inclusion Handbook - Access AmeriCorps Disability Inclusion Training and Technical Assistance Project, 2004)
  6. 6. Joaquim.coloa@gmail.com A variável INCLUSÃO ? Tem em conta o desenvolvimento do pessoa, da equipa e da própria organização. Esta perspectiva faz parte da equipa e ajuda no planeamento estratégico. Tem em conta os alunos com nee e os alunos sem nee e na sua intervenção olha para a organização enquanto um todo. (Inclusion Handbook - Access AmeriCorps Disability Inclusion Training and Technical Assistance Project, 2004)
  7. 7. Joaquim.coloa@gmail.com A variável INCLUSÃO ? Não se centram em relatos clínicos ou em diagnósticos mas numa recolha e partilha de informação diversificada. Tem em conta as necessidades indivíduais e as decisões das próprios pessoas com nee e, ou das suas famílias assim como assume flexibilidade na sua actuação. (Inclusion Handbook - Access AmeriCorps Disability Inclusion Training and Technical Assistance Project, 2004)
  8. 8. Joaquim.coloa@gmail.com A variável INCLUSÃO ? O serviço deve ser avaliado periodicamente. As organizações mudam e devemos reflectir criticamente sobre essas mudanças e do seu impacto no serviço. A reflexão crítica é uma função essencial de qualquer serviço inclusivo. (Inclusion Handbook - Access AmeriCorps Disability Inclusion Training and Technical Assistance Project, 2004)
  9. 9. Joaquim.coloa@gmail.com ? Uma mudança: princípio estruturante – EQUIPAS APRENDENTES A acção das equipas aprendentes promove a reflexão intragrupo, utilizando recursos de aprendizagem como: i) a investigação, ii) a literatura, iii) a experiência dos profissionais da equipa e de outros profissionais externos à mesma, iv) o recurso a modelos relevantes de aprendizagem e desenvolvimento profissional, v) a integração de conhecimentos, vi) a utilização de dinâmicas criativas e baseadas na resolução de problemas e vii) a avaliação dos resultados integrando-os com a reflexão sobre as alternativas de intervenção desenvolvidas. (Schalock; Verdugo; Bonham; Fantova; Van Loon, 2008)
  10. 10. Joaquim.coloa@gmail.com ? Uma mudança: princípio estruturante – ABORDAGEM SISTÉMICA O foco é na interacção entre as condições do sujeito e as condições do meio ambiente. Uma perspectiva que constitui um desafio à mudança das práticas dos serviços bem como dos processos de avaliação (Luckasson e al., 2002). (Harries; Guscia; Kirby; Nettelbeck; Taplin, 2005)
  11. 11. Joaquim.coloa@gmail.com ? Uma mudança: princípio estruturante – QUALIDADE DE VIDA Providenciar contextos comunitários que possibilitem o desenvolvimento de qualidade de vida implica redefinir as organizações e os serviços relativamente ao seu papel enquanto elos de ligação na comunidade tornando-se sistemas sociais naturais e importantes de apoio, de modo a desenvolverem a colaboração e a partilha. (Schalock; Verdugo; Bonham; Fantova; Van Loon, 2008)
  12. 12. Joaquim.coloa@gmail.com A variável COLABORAÇÃO ? Para desenvolver uma dinâmica de colaboração é necessário disponibilizar tempo, apoios, recursos, monitorização e sobretudo persistência. (Ripley, 1997)
  13. 13. Joaquim.coloa@gmail.com A variável COLABORAÇÃO ? A colaboração deve antever tempo para a planificação, tempo para o desenvolvimento da intervenção e tempo para desenvolver processos de avaliação tanto dos alunos como da própria colaboração. Estas acções devem ocorrer a diversos níveis: nacional, local, no agrupamento, na escola bem como na sala de aula. (Ripley, 1997)
  14. 14. Joaquim.coloa@gmail.com Uma mudança: princípio ? estruturante – QUALIDADE DE VIDA e a variável LIDERANÇA A integração de valores e de resultados individuais relacionados com a qualidade de vida dos indivíduos requer uma boa gestão e estílos de liderança que enfatizem: orientação para os resultados, implementação de respostas individualizadas, gestão participada e investigação bem como liderança comunitária que possibilite uma impregnação cultural. (Schalock; Verdugo; Bonham; Fantova; Van Loon, 2008)
  15. 15. Joaquim.coloa@gmail.com Uma mudança: princípio ? estruturante – QUALIDADE DE VIDA e a variável FORMAÇÃO Exige-se que os serviços e que os profissionais que desenvolvem os diversos apoios tenham formação relativamente à conceptualização, avaliação e implementação de respostas com base no conceito de qualidade de vida de modo a conseguir-se o desenvolvimento e a implementação, com sucesso, de planificações e respostas individualizadas. (Schalock; Verdugo; Bonham; Fantova; Van Loon, 2008)
  16. 16. Joaquim.coloa@gmail.com A variável FORMAÇÃO ? Para o sucesso desta mudança é necessário que os sistemas reflictam estes valores tanto ao nível individual como organizacional. Necessariamente implica que os serviços impliquem todos os actores de modo a que estes partilhem os mesmos valores por via da formação disponibilizada a todos os decisores de modo a providenciarem respostas individualizadas que se constituem enquanto capital social. (Schalock; Verdugo; Bonham; Fantova; Van Loon, 2008)
  17. 17. Joaquim.coloa@gmail.com A variável DESCENTRALIZAÇÃO ? A descentralização de serviços implica a capacidade e a autonomia local de modo a poder-se monitorizar e avaliar os resultados, tanto ao nível individual como dos próprios serviços. (Schalock; Verdugo; Bonham; Fantova; Van Loon, 2008)
  18. 18. Joaquim.coloa@gmail.com A variável AVALIAÇÃO ? o desenvolvimento de avaliação dos mesmos e a utilização de metodologias de avaliação qualitativa com o objectivo de melhoria dos serviços. (Schalock; Verdugo; Bonham; Fantova; Van Loon, 2008)
  19. 19. Joaquim.coloa@gmail.com A variável AVALIAÇÃO ? Avaliação - “Análise SWOT”. potencial de ajuda potencial de constrangimento O i FORÇAS FRAQUEZAS r n i t Strengths (Forças), g e e r m n Weaknesses (Fraquezas), d a e OPORTUNIDADES AMEAÇAS o x Opportunities (Oportunidades) f t e a r Threats (Ameaças). c t n a o r
  20. 20. Joaquim.coloa@gmail.com Bem-hajam em ha” lp in cu is es co “d er e u u al q Apresentação disponível em: q www.proinclusao.com.sapo.pt www.slideshare.net/jcoloa Seminário – Educação inclusiva e família Joaquim Colôa Oeiras – 23 de Junho de 2012 www.facebook.com/groups/244591468914345/
  21. 21. ?Joaquim.coloa@gmail.com Alguma bibliografia Brynard, P. A. (2010). Challenges of Implementing a Disability Policy. In Administratio Publica, Vol. 18 (4), pp. 108 – 123. Harries, J.; Guscia, R.; Kirby, N.; Nettelbeck, T.; Taplin, J. (2005). Support Needs and Adaptive Behaviors. In American Journal on Mental Retardation, V. 110 (5), pp. 393–404. Ministério da Educação (2007). Centros de Recursos para a Inclusão Reorientação das Escolas Especiais. Lisboa: Ministério da Educação. OCDD – Resource Center on Community Inclusion, consultado a 22 de Março de 2011 em http://www.dhh.louisiana.gov/offices/?id=144. Ripley, S. (1997). Collaboration Between General and Special Education Teachers, consultado a 22 de Março de 2011 em http://www.bridges4kids.org/news/Collaboration8-02.html. Sardinha, L. B.; Matos, M. G. (1999). Estilos de Vida Activos e Qualidade de Vida. In, Sardinha L. B.; Matos M. G.e Loureiro I., Promoção da Saúde: Modelos e Práticas de Intervenção nos Âmbitos da Actividade Física, Nutrição e Tabagismo, pp. 163-181, Lisboa: FMH. Schalock, R. L.; Verdugo, M. A.; Bonham, G. S.; Fantova, F.; Van Loon, J. (2008). Enhancing Personal Outcomes: Organizational Strategies, Guidelines, and Examples. In. Journal of Policy and Practice in Intellectual Disabilities, Vol. 5, (4) pp 276–285. Schalock, R. (2004). The Emerging Disability Paradigm and its Implications for Policy and Pratice. In Journal of Disability Policy Studies, Vol. 14 (4), pp. 204-215. UCP Access AmeriCorps Disability Inclusion Training and Technical Assistance Project. (2004). Inclusion Creating an Inclusive Environment: A Handbook for the Inclusion of People with Disabilities in National and Community Service Programs. USA: UCP Access AmeriCorps Disability Inclusion Training and Technical Assistance Project.

×