26/06/2014
1
SEMINÁRIO DE MICROBIOLOGIASEMINÁRIO DE MICROBIOLOGIA
DISCENTES : LUCIANA, POLYANNA, PEDRO, REGINA, VIVIANEDIS...
26/06/2014
2
FONTE:GOOGLEIMAGENS
BIOTECNOLOGIA DE UM MODO GERALBIOTECNOLOGIA DE UM MODO GERAL
JÁ NÃO S E T R ATAJÁ NÃO S E...
26/06/2014
3
B I OT E C N O LO G I AB I OT E C N O LO G I A I N D U S T R I A LI N D U S T R I A L É U M A G R A N D E P R...
26/06/2014
4
DesvantagensDesvantagens
A redução das populações de insetos e outros organismos
benéficos à agricultura e o ...
26/06/2014
5
T E R A P I A G Ê N I C A T R A N S F E R Ê N C I A D E M AT E R I A L G E N É T I CO CO M O
P RO P Ó S I TO ...
26/06/2014
6
AS ENZIMAS DE RESTRIÇÃO OU ENDONUCLEASES DE
RESTRIÇÃO COMO TAMBÉM SÃO CONHECIDAS, SÃO
ENZIMAS QUE CORTAM A MO...
26/06/2014
7
CENTROS DE EXCELENCIACENTROS DE EXCELENCIA
EM BIOTECNOLOGIAEM BIOTECNOLOGIA
Fundação Oswaldo CruzFundação Osw...
26/06/2014
8
FONTE:CIB.ORG.BR
HTTP://WWW.BIOTECNOLOGIA.COM.BR
HTTP://PT.WIKIPEDIA.ORG/WIKI/BIOTECNOLOGIA
HTTP://WWW.CTNBIO...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Seminario micro geral_biotecnologia

324 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
324
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Seminario micro geral_biotecnologia

  1. 1. 26/06/2014 1 SEMINÁRIO DE MICROBIOLOGIASEMINÁRIO DE MICROBIOLOGIA DISCENTES : LUCIANA, POLYANNA, PEDRO, REGINA, VIVIANEDISCENTES : LUCIANA, POLYANNA, PEDRO, REGINA, VIVIANE DOCENTE : PROFº.DR JULIANO CURYDOCENTE : PROFº.DR JULIANO CURY CSL DATA:23/06/14DATA:23/06/14 BIOTECNOLOGIA 6 . 0 0 0 A . C6 . 0 0 0 A . C : ( C E RV E JA E V I N H O ) S ÃO P RO D U Z I D O S P O R S U M É R I O S E B A B I L Ô N I O S . 2 . 0 0 0 A . C2 . 0 0 0 A . C : PA N I F I C AÇ AO E B E B I DA S S ÃO U S A DAS P O R G R E G O S E E G Í P C I O S . 1 8 7 5 D . C1 8 7 5 D . C : PA S T E U R M O ST R A Q U E A F E R M E N TAÇ ÃO É C AU S A DA P O R M I C RO RG A N I S M O. 1 8 8 01 8 8 0 -- 1 9 1 01 9 1 0 : S U RG I M E N TO DA F E R M E N TAÇ ÃO I N D U ST R I A L ( AC I D O L ÁC T I CO E TA N O L E V I N AG R E . ) 1 9 1 01 9 1 0 -- 1 9 4 01 9 4 0 : S I N T E S E D E G L I C E RO L , AC I D O C I T R I C O E AC E TO N A . 1 9 4 0 - 1 9 5 0 : A N T I B I OT I CO S S ÃO P RO D U Z I D O S E M L A RG A E S C A L A P O R P RO C E S S O S F E R M E N TAT I VO S . BIOTECNOLOGIABIOTECNOLOGIA -- HISTÓRICOHISTÓRICO FONTE: GOOGLE IMAGENS BBIOIO = SIGNIFICA “VIDA” TECNOLOGIATECNOLOGIA = SIGNIFICA “APLICAÇÃO PRÁTICA DO CONHECIMENTO” “BIOTECNOLOGIA DEFINE-SE PELO USO DE CONHECIMENTOS SOBRE OS PROCESSOS BIOLÓGICOS E SOBRE AS PROPRIEDADES DOS SERES VIVOS, COM O FIM DE RESOLVER PROBLEMAS E CRIAR PRODUTOS DE UTILIDADE. “FONTE:“FONTE:CONVENÇÃOCONVENÇÃO SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICASOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA DADA ONU’’ONU’’ Oque é Biotecnologia ?Oque é Biotecnologia ? A BIOTECNOLOGIA COMBINA DISCIPLINAS TAIS COMOA BIOTECNOLOGIA COMBINA DISCIPLINAS TAIS COMO
  2. 2. 26/06/2014 2 FONTE:GOOGLEIMAGENS BIOTECNOLOGIA DE UM MODO GERALBIOTECNOLOGIA DE UM MODO GERAL JÁ NÃO S E T R ATAJÁ NÃO S E T R ATA DE PROM E S SAS OU DE PE R S PE CTIVASDE PROM E S SAS OU DE PE R S PE CTIVAS FUT UR ASFUT UR AS ; OS PROD UTOS E PROCE SSOS BI OTE CN OLÓGICOS FAZE M PARTE D E N OSSO D I A A D I A, TRAZE N D O OPORTUN IDAD ES D E E MPRE GO E I N VE STI MENTOS. T R ATAT R ATA--SE DESE DE PLAN TASPLAN TAS R E S ISTEN TESR E S ISTEN TES A DOE N Ç ASA DOE N Ç AS ,, PLÁST I COSPLÁST I COS BIODE GRADÁVEISBIODE GRADÁVEIS,, DE T E RGENT ES M AISDE T E RGENT ES M AIS E FIC IENT ES,E FIC IENT ES, BIOCOM BUSTÍVE ISBIOCOM BUSTÍVE IS, E, E TAM BÉ MTAM BÉ M PROC E S S OS IN DUST RIAISPROC E S S OS IN DUST RIAIS M E N OS POLUE N T ESM E N OS POLUE N T ES,, M E N OR N E C E S SIDADE DE PE ST IC IDASM E N OR N E C E S SIDADE DE PE ST IC IDAS,, BIOR R EMEDIAÇÃO DE POLUE N T ESBIOR R EMEDIAÇÃO DE POLUE N T ES, C E N T E NAS DE T E ST E S DE, C E N T E NAS DE T E ST E S DE DIAGN ÓSTICO E DEDIAGN ÓSTICO E DE M E DIC AME NTOS N OVOS .M E DIC AME NTOS N OVOS . REALIDADE DA BIOTECNOLOGIAREALIDADE DA BIOTECNOLOGIA Multidisciplinaridade daMultidisciplinaridade da BiotecnologiaBiotecnologia Multidisciplinaridade daMultidisciplinaridade da BiotecnologiaBiotecnologia Campo da BiotecnologiaCampo da BiotecnologiaCampo da BiotecnologiaCampo da Biotecnologia VARIEDADES DA BIOTECNOLOGIAVARIEDADES DA BIOTECNOLOGIA A BIOT E CN OLOGIA AGR ÍCOLABIOT E CN OLOGIA AGR ÍCOLA UTI L I ZA A TRAN SGE NIA COMO UMA F E RRAMENTA D E PE SQUI SA AGRÍ COL A CARACTE RIZADA PE L A T R AN S FERÊN CIA DE GE N E S DE IN T E R ES SE AGRON ÔM ICO (CARACTERÍ STICAS D E SE JADAS) E N TRE UM ORGAN I SMO D OAD OR QUE POD E SE R UMA PLAN TA, UMA BAC T É R IA, UM FUN GO, E TC .) BIOTE CNOLOG IA DE P LANTAS BIOTECNOLOGIA AGRICOLABIOTECNOLOGIA AGRICOLA FONTE: MONSANTO BIOTECNOLOGIA DE ALIMENTOSBIOTECNOLOGIA DE ALIMENTOS B I OT E C N O LO G I AB I OT E C N O LO G I A D ED E A L I M E N TO SA L I M E N TO S , T R Ê ST R Ê S G R A N D E SG R A N D E S G RU P O SG RU P O S . T R A N S FO R M AÇ ÃOT R A N S FO R M AÇ ÃO P O R C ATÁ L I S E M I C RO B I A N AP O R C ATÁ L I S E M I C RO B I A N A , N A Q UA L I N T E RV Ê M M I C RO RG A N I S M O S , O U T RO É A T R A N S FO R M AÇ ÃO P O R C ATÁ L I S ET R A N S FO R M AÇ ÃO P O R C ATÁ L I S E E N Z I M ÁT I C AE N Z I M ÁT I C A , C O M I N T E RV E N Ç ÃO D E E N Z I M AS P RO D U Z I DAS P O R M I C RO RG A N I S M O S E A I N DA E X I ST E A T R A N S FO R M AÇ ÃO P O RT R A N S FO R M AÇ ÃO P O R M A N I P U L AÇ ÃO G E N É T I C AM A N I P U L AÇ ÃO G E N É T I C A E M Q U E H Á A LT E R AÇ Õ E S N O PAT R I M Ó N I O G E N É T I C O. B I OT EC N OL O G I AB I OT EC N OL O G I A M É D I C AM É D I C A T RO UX E I M P O RTA N T E S AVA N Ç O S N A S Á R E AS T E R A PÊU TI C A E D E D I AG N Ó STI C O. AS S I M , M U I TAS D O E N Ç AS P O D E M AG O R A S E R D E T E C TA DAS P R E C O C E M E N T E E T R ATA DAS C O M M A I O R P R E C I S ÃO. MÉ TODOS B I OTECNOLÓGICOS P E RMITEM: D E TERMINAR AS C AUSAS M OLECULARES D A D OENÇA, D E SENVOLVER N OVAS T É CNICAS D E D I AGNÓSTICO, E D E SENVOLVER M E DICAMENTOS I N OVADORAS ( BI OFÁRMACOS/ P ROTEÍNAS T E RAPÊUTICAS) D I RECIONADOS PARA A LVOS M OLECULARES E SPECÍFICOS. BIOTECNOLOGIA MÉDICABIOTECNOLOGIA MÉDICA
  3. 3. 26/06/2014 3 B I OT E C N O LO G I AB I OT E C N O LO G I A I N D U S T R I A LI N D U S T R I A L É U M A G R A N D E P RO M E S S A PA R A R E S O LV E R D E S A F I O S G LO BA I S , O F E R E C E N D O N OVO P OT E N C I A L PA R A O AT E N D I M E N TO DA D E M A N DA M U N D I A L P O R A L I M E N TO S , N U T R I Ç ÃO A N I M A L , CO M B U S T Í V E L , M AT E R I A I S E M A I S , R E D U Z I N D O, AO M E S M O T E M P O, N O S S O I M PAC TO N O M E I O A M B I E N T E . BIOTECNOLOGIA INDUSTRIALBIOTECNOLOGIA INDUSTRIAL MARCOS IMPORTANTES PARA A BIOTECNOLOGIAMARCOS IMPORTANTES PARA A BIOTECNOLOGIA 1953:estabelecida a estrutura do DNA , Watson & Crick 1973:início da engenharia genética; B I O É T I C AB I O É T I C A C O N J U N TO D E P E S Q U I S AS , D I S C U RS O S E P R ÁT I C AS , N O R M A L M E N T E M U LT I D I S C I P L I NA R E S , C U JA F I N A L I DA D E É E S C L A R E C E R E R E S O LV E R Q U E S TÕ E S É T I C A S S U S C I TA DA S P E LO S AVA N ÇO S E P E L A A P L I C AÇ ÃO DA M E D I C I N A E DA B I O LO G I A . C LO N AG E M A B O RTO T R A N S G E N I CO S E U TA N A S I A C E LU L A S – T RO N CO E T I C A M E D I C I N A L BIOTECNOLOGIABIOTECNOLOGIA -- BIOETICABIOETICA BIOSSEGURANÇABIOSSEGURANÇA É VOLTADA PARA O CONTROLE ECONTROLE E MINIMIZAÇÃOMINIMIZAÇÃO DE RISCOSDE RISCOS ADVINDOS DA PRÁTICA DE DIFERENTES TECNOLOGIAS, SEJA EM LABORATÓRIO OU QUANDO APLICADAS AO MEIO AMBIENTE. A BIOSSEGURANÇA É REGULADA EM VÁRIOS PAÍSES POR UM CONJUNTO DE LEIS, PROCEDIMENTOS OU DIRETRIZES ESPECÍFICAS. BIOTECNOLOGIABIOTECNOLOGIA-- BIOSSEGURANÇABIOSSEGURANÇA O órgão brasileiro responsável pelo controle das tecnologias de OGMs é a CTNBio (Comissão Técnica Nacional de Biossegurança). CTNBioCTNBio é responsável pelas emissões de pareceres técnicos sobre qualquer liberação de OGMs no meio ambiente e pelo acompanhamento, desenvolvimento e o progresso técnico e científico na Biossegurança e áreas afins, com o objetivo de promover uma segurança aos consumidores e à população em geral, com permanente cuidado e proteção ambiental. BIOTECNOLOGIA VANTAGENS EBIOTECNOLOGIA VANTAGENS E DESVANTAGENSDESVANTAGENS VantagensVantagens Na agricultura é utilizada para melhoria dos produtos visando numa maior produtividade, e a preservação do meio ambiente. Em relação ao meio ambiente, é uma ferramenta importantíssima, além de ajudar no processo de prevenção do meio ambiente. Na saúde o benefício é o desenvolvimento de novas técnicas para medicina, tanto humana quanto animal.
  4. 4. 26/06/2014 4 DesvantagensDesvantagens A redução das populações de insetos e outros organismos benéficos à agricultura e o aparecimento de pragas mais resistentes. A resistência a pragas de certas variedades transgénicas prejudica as comunidades naturais e pode levar a desequilíbrios no ecossistema; A redução da biodiversidade das culturas. Devido às suas características as culturas transgénicas podem vir a ganhar supremacia (biológica ou comercial) sobre as variedades naturais. o risco de transferência e contaminação de culturas orgânicas próximas por polinização cruzada. Não é de excluir a possibilidade dos novos genes serem também transferidos para microrganismos; http://www.unimep.br/phpg/editora/revistaspdf/rct18art11.pdf E N GE NHARIA GE N É T ICA POD E SE R D E F I NIDA COMO O CON J UN TO D E T É C N ICAS C APAZE S DE PE R M ITIR A IDE N T IFICAÇÃO, M AN IPULAÇ ÃO E M ULT IPLICAÇÃO DE GE N E S DOS ORGAN I S MOS VIVOS . BIOTECNOLOGIABIOTECNOLOGIA –– ENGENHARIA GENETICAENGENHARIA GENETICA A – PROJETO GENOMA B – CLONAGEM C - TERAPIA GENÉTICA OU GÊNICA D – TRANSGÊNICOS E – DNA RECOMBINANTE F – ENZIMAS DE RESTRIÇÃO APLICAÇÕES DA ENGENHARIAAPLICAÇÕES DA ENGENHARIA GENETICAGENETICA DESVENDAR O CÓDIGO GENÉTICO DE UM ORGANISMO (PODENDO SER ANIMAL, VEGETAL, DE FUNGOS, BACTÉRIAS OU DE UM VÍRUS) ATRAVÉS DO SEU MAPEAMENTO. PROJETO GENOMAPROJETO GENOMA C LO N AG E M E M B I OT E C N O LO G I A P RO C E S S O S U S A D O S PA R A C R I A R C Ó P I AS D E F R AG M E N TO S D E D N A ( C LO N AG E M M O L E C U L A R ) , C É L U L AS ( C LO N AG E M C E LU L A R ) , O U O RG A N I S M O S . VA N TAG E N S DA C LO N AG E M : ·N O T R ATA M E N TO D E D O E N Ç A S G E N É T I C A S , C R I A - S E U M C LO N E E R E T I R A - S E A S C É LU L A S N E C E S S Á R I A S PA R A C U R A R A D O E N Ç A ; · N O C A S O D E U M D O S M E M B RO S D E U M C A S A L S E R E S T É R I L P O D E - S E R E CO R R E R À C LO N AG E M PA R A C R I A R U M C LO N E E A S S I M O C A S A L JÁ T E R Á U M D E S C E N D E N T E ; · P E S S OA S Q U E T E N H A M AC I D E N T E S P O D E M S E R S U B M E T I DA S A C LO N AG E M PA R A R E T I R A R D O C LO N E O Ó RG ÃO N E C E S S Á R I O À C U R A DA D E F I C I Ê N C I A C AU S A DA ; · R E C U P E R AÇ ÃO D E E S P É C I E S E M E X T I N Ç ÃO. BIOTECNOLOGIABIOTECNOLOGIA -- CLONAGEMCLONAGEM Desvantagens da Clonagem: · A clonagem humana iria criar grandes conflitos com algumas religiões; · A maior parte dos clones morre precocemente; · Na clonagem de mamíferos, a maior parte dos clones nascidos têm deformações, problemas de adaptação
  5. 5. 26/06/2014 5 T E R A P I A G Ê N I C A T R A N S F E R Ê N C I A D E M AT E R I A L G E N É T I CO CO M O P RO P Ó S I TO D E P R E V E N I R O U C U R A R U M A E N F E R M I DA D E Q UA LQ U E R . VANTAGENS: E N CON TRA-SE DI S PON ÍVEL PAR A TODAS AS PE S S OAS ; PE R M ITE C UR AR DE T E R MINADAS DOE N Ç AS QUE AN T E R IORMENTE NÃO T I N H AM C UR A POS S ÍVE L; R E PAR A O S IST E M A IM UN ITÁRIO; M AN T ÉM A I M UN IDADE E X IST ENTE ; BIOTECNOLOGIABIOTECNOLOGIA –– TERAPIATERAPIA GENICAGENICA Desvantagens: Apresenta um curto período de duração, o que se pode dever à curta vida do vector, à disfuncionalidade do DNA inserido nas células-alvo e/ou à rapidez da divisão celular; Há necessidade do uso da terapia génica várias vezes; Quando uma doença é causada por uma variação dos efeitos de vários genes e não por uma mutação apenas num gene, o tratamento é dificilmente eficaz; T R AN SGÊNICOS SÃO AL I ME N TOS CRI AD OS E M L ABORATÓRIOS COM A UTI L I ZAÇÃO D E GE N E S (PARTE D O CÓD I GO GE N É TI CO) D E E SPÉ CI ES D I F E RENTES D E AN I MAI S, VE GE TAI S OU MI CRÓBIOS. VAN TAGEN S : 11-- AUM E N TO DA PRODUÇ ÃO DE ALIM E N TOS; 22-- M E LH OR IA DO CON T E ÚDO N UT R IC IONAL, DE S E NVOLVIMENTO DE N UT R IC ÊNICOS ( ALIM E NTOS QUE T E R IAM FIN S T E R APÊ UTICOS); 33-- M AI OR R E S IST ÊNCIA E DUR ABILIDADE NA E STOC AGEM E AR M AZE NAMENTO. BIOTECNOLOGIABIOTECNOLOGIA -- TRANSGENICOSTRANSGENICOS DESVANTAGENS : • As plantas que não sofreram modificação genética podem ser eliminadas pelo processo de seleção natural, pois, as transgênicas possuem maior resistência às pragas e pesticidas; • Aumento da resistência aos pesticidas e gerando maior consumo deste tipo de produto; • Apesar de eliminar pragas prejudiciais à plantação, o cultivo de plantas transgênicas pode, também, matar populações benéficas como abelhas, minhocas e outros animais e espécies de plantas.’ DNA RECOMBINANTE É UMA SEQÜÊNCIA DE DNA ARTIFICIAL QUE RESULTA DA COMBINAÇÃO DE DIFERENTES SEQÜÊNCIAS DE DNAS. DNA RECOMBINANTE
  6. 6. 26/06/2014 6 AS ENZIMAS DE RESTRIÇÃO OU ENDONUCLEASES DE RESTRIÇÃO COMO TAMBÉM SÃO CONHECIDAS, SÃO ENZIMAS QUE CORTAM A MOLÉCULA DE DNA ATRAVÉS DO RECONHECIMENTO DE SEQUÊNCIAS NUCLEOTÍDICAS ESPECÍFICAS. ENZIMAS DE RESTRIÇÃO T E C N O LO G I A Q U E U T I L I Z A AG E N T E S B I O LÓ G I CO S ,T E C N O LO G I A Q U E U T I L I Z A AG E N T E S B I O LÓ G I CO S , PA RT I C U L A R M E N T E O S M I C RO RG A N I S M O S , PA R A R E M OV E RPA RT I C U L A R M E N T E O S M I C RO RG A N I S M O S , PA R A R E M OV E R P O LU E N T E S TÓX I CO S D O A M B I E N T E , P R I N C I PA L M E N T E D O S O LO EP O LU E N T E S TÓX I CO S D O A M B I E N T E , P R I N C I PA L M E N T E D O S O LO E DA ÁG UADA ÁG UA . O S P O LU E N T E S S ÃO D E CO M P O S TO S E M S U B S TA N C I A S ATÓX I C A S P O R M E I O D O M E TA B O L I S M O M I C RO B I A N O. BIORREMEDIAÇÃOBIORREMEDIAÇÃO BR AS IL É R E S PON SÁVEL POR 60% DA E X PAN SÃO M UN DIAL DOS T R AN SGÊNICOS E M 2012. E N TRE 2011 E 20122011 E 2012, A ÁR E A PLAN TADA COM T R AN S GÊ NICOS N O M UN DO C R E S C EU 6%, PASSAN DO D E 1 6 0 MI L HÕE S D E HE CTARES PARA 1 7 0 ,3 MI L HÕE S, UM I N CRE MENTO D E 1 0 ,3 MI L HÕES. N O ME SMO PE RÍ OD O, O BR AS IL AUM E N TOU E M 6,3 M ILH ÕES D E HE CTARE S O CULTI VO D E SE ME N TES GE N E TICAMENTE MOD I F I CADAS (GM). IS S O FAZ COM QUE O PAÍ S , S OZI N H O, CON T R IBUA COM 61% DO AVAN ÇO NA ÁR E A PLAN TADA N O M UN DO COM VAR IE DADE S BIOT E C NOLÓGICAS . EXPANSÃO DA BIOTECNOLOGIA NOEXPANSÃO DA BIOTECNOLOGIA NO BRASILBRASIL A análiseé baseadanos dadosdo últimorelatóriodo ServiçoA análiseé baseadanos dadosdo últimorelatóriodo Serviço Internacionalpara a AquisiçãoInternacionalpara a Aquisiçãode Aplicaçõesemde Aplicaçõesem AgrobiotecnologiaAgrobiotecnologia (ISAAA)(ISAAA), divulgadoem fevereiro, divulgadoem fevereiro.. ‘’2013’’‘’2013’’ Esse desempenhofaz do Paísuma referência na adoção daEsse desempenhofaz do Paísuma referência na adoção da biotecnologia e consolidauma posiçãoestratégicacomo produtorbiotecnologia e consolidauma posiçãoestratégicacomo produtor agrícola.agrícola. http://http://cib.org.br/cib.org.br/
  7. 7. 26/06/2014 7 CENTROS DE EXCELENCIACENTROS DE EXCELENCIA EM BIOTECNOLOGIAEM BIOTECNOLOGIA Fundação Oswaldo CruzFundação Oswaldo Cruz -- FIOCRUZFIOCRUZ Instituto Ludwig de Pesquisa ao CâncerInstituto Ludwig de Pesquisa ao Câncer Instituto ButantanInstituto Butantan EMBRAPAEMBRAPA -- CENARGENCENARGEN PANORAMA SOBRE BIOTECNOLOGIAPANORAMA SOBRE BIOTECNOLOGIA Região geográfica Grupos de Pesquisa Linhas de Pesquisa Pesquisadores Estudantes SudesteSudeste 1.0941.094 2.5462.546 4.9134.913 11.61011.610 SulSul 423423 939939 1.9001.900 3.3423.342 Noroeste 285 683 1450 1.701 Centro -Oeste 116 252 668 381 Norte 84 176 390 400 Total 2.002 4.596 9320 17.434 . Fonte: Dados CNPq vs. 4.0Fonte: Dados CNPq vs. 4.0 –– censo 2004.censo 2004. BIOTECNOLOGIA EM NUMEROSBIOTECNOLOGIA EM NUMEROS FONTE:MONOGRAFIA.COMFONTE:MONOGRAFIA.COM FONTE:MONSANTO.COM.BRFONTE:MONSANTO.COM.BR FONTE:BRAZIL BIOTECH MAP2011FONTE:BRAZIL BIOTECH MAP2011 ADOÇÃO DA BIOTECNOLOGIA EM ESTATISTICASADOÇÃO DA BIOTECNOLOGIA EM ESTATISTICAS
  8. 8. 26/06/2014 8 FONTE:CIB.ORG.BR HTTP://WWW.BIOTECNOLOGIA.COM.BR HTTP://PT.WIKIPEDIA.ORG/WIKI/BIOTECNOLOGIA HTTP://WWW.CTNBIO.GOV.BR/ HTTP://CIB.ORG.BR/ REFERÊNCIAS OBRIGADO FIM

×