História da Música do Séc. XX
1
Departamento de Comunicação e Arte
Mestrado em Música para o Ensino Vocacional
L'Oiseau Ly...
História da Música do Séc. XX
2
Agradecimentos
Resumo
Ao Professor Paulo Vaz de Carvalho que generosamente
cedeu a partitu...
História da Música do Séc. XX
3
História da Música do Séc. XX
4
ÍNDICE
Pág.
1. Introdução 5
2. Jorge Peixinho, vida e obra 6
3. L’Oiseau Lyre
3.1 A obra 9...
História da Música do Séc. XX
5
1. Introdução
Proponho-me a apresentar um trabalho de pesquisa e síntese, sobre a obra
L’O...
História da Música do Séc. XX
6
2. Jorge Peixinho, vida e obra
“O objectivo da minha música é a construção e organização d...
História da Música do Séc. XX
7
Foi professor no Conservatório de Música do Porto (1965-1966) e na Escola de
Música do Con...
História da Música do Séc. XX
8
1972, o Gulbenkian em 1974, o da S.P.A. em 1976 (duas categorias), o do
Conselho Português...
História da Música do Séc. XX
9
3. L’oiseau Lyre
3.1A obra
“Neste título, pássaro-lira, pode haver alusão a várias coisas…...
História da Música do Séc. XX
10
Quanto ao título, sabe-se que foi extraído de uma Colectânea de Peças de Carl
Phillip-Emm...
História da Música do Séc. XX
11
Chichorro. Em 1959 e 1960 frequentou os cursos de Santiago de Compostela com
Andrés Segov...
História da Música do Séc. XX
12
4. Conclusão
É díficil concluir uma reflexão de uma obra inscrita na obra de um composito...
História da Música do Séc. XX
13
Ainda a respeito do título, a relação com o pássaro lira deve ser tida em conta. O
pássar...
História da Música do Séc. XX
14
Considero esta peça uma das mais belas obras que se escreveram até hoje para
Guitarra con...
História da Música do Séc. XX
15
5. Anexos
Partitura original de L’oiseau Lyre – Jorge Peixinho
História da Música do Séc. XX
16
História da Música do Séc. XX
17
História da Música do Séc. XX
18
História da Música do Séc. XX
19
História da Música do Séc. XX
20
História da Música do Séc. XX
21
História da Música do Séc. XX
22
História da Música do Séc. XX
23
6. Bibliografia
Monografias
BRANCO, João de Freitas, História da Música Portuguesa. Mem M...
História da Música do Séc. XX
24
Aveiro, 3 de Dezembro de 2009
António Gil Alves Ferreira
(aluno do curso de
Mestrado em M...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trabalho hm sec_xx

388 visualizações

Publicada em

L'Oiseau Lyre: Jorge Peixinho, a obra e o legado para Guitarra

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
388
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho hm sec_xx

  1. 1. História da Música do Séc. XX 1 Departamento de Comunicação e Arte Mestrado em Música para o Ensino Vocacional L'Oiseau Lyre: Jorge Peixinho, a obra e o legado para Guitarra Trabalho para a Disciplina de: História da Música do Séc. XX Docente: Prof. Dra. Helena Santana Aluno: António Gil Alves Ferreira Nº Mec: 38780 Data: 3 de Dezembro de 2009
  2. 2. História da Música do Séc. XX 2 Agradecimentos Resumo Ao Professor Paulo Vaz de Carvalho que generosamente cedeu a partitura de L’Oiseau Lyre. Este trabalho pretende dar a conhecer a obra L’Oiseau Lyre de Jorge Peixinho bem como o contributo e o legado do compositor, fazendo uma análise, enquadrando-a no conjunto da obra do compositor e no contexto do reportório para guitarra.
  3. 3. História da Música do Séc. XX 3
  4. 4. História da Música do Séc. XX 4 ÍNDICE Pág. 1. Introdução 5 2. Jorge Peixinho, vida e obra 6 3. L’Oiseau Lyre 3.1 A obra 9 3.2 Os Intérpretes 10 4. Conclusão 12 5. Anexos: Partitura de L’Oiseau Lyre 15 6. Bibliografia 23
  5. 5. História da Música do Séc. XX 5 1. Introdução Proponho-me a apresentar um trabalho de pesquisa e síntese, sobre a obra L’Oiseau Lyre do compositor Jorge Peixinho «L'oiseau Lyre: Jorge Peixinho, a obra e o legado para Guitarra». Este trabalho inscreve-se na disciplina de História da Música do Século XX do Curso de Mestrado em Música para o Ensino Vocacional da Universidade de Aveiro, orientada pela Professora Doutora Helena Santana. No contexto específico deste trabalho pretendo apresentar o compositor, a obra e a relação com o meio guitarrístico português. Além da contextualização da obra L’Oiseau Lyre e dos seus aspectos cronológicos e históricos pretendo ainda realizar uma análise estética no sentido de contribuir para uma percepção mais apurada da obra. Conhecer melhor a obra e contribuir para um conhecimento maior do compositor ou ainda contribuir para uma interpretação historicamente informada são os objectivos matriciais deste trabalho. É minha pretensão apresentar este trabalho numa profunda linha de rigor científico.
  6. 6. História da Música do Séc. XX 6 2. Jorge Peixinho, vida e obra “O objectivo da minha música é a construção e organização de um novo e pessoal mundo sonoro. Explorei profundamente e intensivamente todas as relações entre a harmonia e o timbre para construir uma espécie de rede muito densa de sons transformados. A característica principal da minha música é uma espécie de «atmosfera sonora onírica», na qual surgem pequenas transformações através de artifícios contrapontísticos, filtragens harmónicas e tímbricas, etc. Dou também muita importância à ambiguidade entre a continuidade e a descontinuidade.” Jorge Peixinho, in B. Morton, Contempory Composer, P. Collins (ed.) Chicago, St. James Press, 1992, p.735. Jorge Peixinho (1940-1995) foi um dos mais importantes compositores portugueses do século XX, tendo um papel fundamental na actualização do panorama musical do país entre 1961 e meados da década de 1980, não apenas através da sua actividade criativa, mas também enquanto incansável divulgador, ensaísta e intérprete. O compositor Jorge Peixinho nas em 1940, no Montijo. Após ter terminado os cursos de Piano e Composição no Conservatório de Lisboa, estudou, como bolseiro da Fundação Gulbenkian em Roma entre 1959 e 1961 com Boris Porena e Goffredo Petrassi, onde obteve o diploma de aperfeiçoamento em composição (1961). Adoptou então o cromatismo integral e o atonalismo serial como base para a assimilação de novas técnicas criativas. Na Holanda, em 1960, familiarizou-se com as possibilidades oferecidas pelos estúdios de música electrónica. Trabalhou ainda com Luigi Nono em Veneza e com Pierre Boulez e Karlheinz Stockhausen em Basileia, tendo frequentado, na década de1960, os cursos internacionais de composição de Darmstadt, onde participou em obras colectivas orientadas por Stockhausen. Jorge Peixinho, Março de 1995 Fotografia de Elena Martin (imagem digitalizada de Jorge Peixinho In Memoriam, pp.320)
  7. 7. História da Música do Séc. XX 7 Foi professor no Conservatório de Música do Porto (1965-1966) e na Escola de Música do Conservatório Nacional em Lisboa (1985-1995). Dirigiu cursos de música contemporânea, em colaboração com os compositores Louis Saguer e Pierre Marietan (1962 e 1964). Jorge Peixinho participou em inúmeros festivais de música contemporânea, entre os quais: Gaudeamus (Holanda), Madrid, Veneza, Buenos Aires, Maracaíbo (Venezuela), São João del Rei, Curitiba, Santos (Brasil). Em 1972-1973 realizou um estágio no estúdio de música electrónica IPEM, em Gent (Bélgica). Em Lisboa, Peixinho divulgou, gerando polémica, a música de John Cage (1961, 1964); desdobrou-se como pianista, crítico musical, conferencista e ensaísta. Participou ainda em estrepitosos "happenings" multimedia entre 1965 e 1967. Em 1970, fundou o influente Grupo de Música Contemporânea de Lisboa, que dirigiu até à sua morte, tendo-se apresentado com ele em diversos países da Europa e da América do Sul; o GMCL abriu uma janela sobre a criação contemporânea internacional e permitiu que nomes como Constança Capdeville e Emmanuel Nunes, entre outros, se fizessem ouvir. Em 1977 foi eleito membro do Conselho Presidencial da SIMC (Sociedade internacional de Música Contemporânea) e nesse mesmo ano foi convidado a realizar uma obra no Estúdio de Música Experimental de Bourges (França). Na obra de Peixinho, a crescente influência de Stockhausen é detectável a partir de 1963, culminando na acentuada componente aleatória de "Eurídice Re-amada" (1968). De 1969 em diante, a música de Peixinho ganhou um lirismo particular, facilmente reconhecível, baseado no entretecer de citações, na distensão temporal e no refinamento tímbrico. No início dos anos oitenta, o compositor passou a privilegiar a falsa citação e a auto-citação e a explorar universos sonoros estilisticamente "impuros", que testemunham a influência pontual da sensibilidade pós-moderna, com a qual teve uma relação ambígua. A sua influência foi grande no meio nacional; compositores como Clotilde Rosa, Paulo Brandão ou Isabel Soveral devem-lhe um impulso decisivo para a sua evolução artística. Jorge Peixinho recebeu vários prémios nacionais de composição: o Prémio do Conservatório Nacional em 1958, o Sassetti em 1959, o da Casa da Imprensa em
  8. 8. História da Música do Séc. XX 8 1972, o Gulbenkian em 1974, o da S.P.A. em 1976 (duas categorias), o do Conselho Português da Música em 1984, o da S.P.A. em 1985 (categoria de música de câmara) e, finalmente, o Prémio Joly Braga Santos em 1988. Recebeu encomendas de várias instituições portuguesas – SEC, Fundação Gulbenkian, Comissão dos Descobrimentos, Conselho Português da Música, Oficina Musical, Câmara Municipal de Matosinhos – instituições estrangeiras – Festival Internacional de Alicante, GMEB de Bourges (França), New Music Concerts (Toronto, Canadá), Festival de Adqui Terme (Itália) para além das encomendas de artistas e ensembles nacionais e estrangeiros. Politicamente activo desde finais dos anos sessenta, conotado com uma esquerda próxima do P.C.P. (de 1993 a 1995 chegou a presidir, pela CDU, à Assembleia Municipal do Montijo), soube conjugar na sua obra musical o empenhamento moral e a integridade artística. Peixinho foi galardoado com as medalhas de Mérito Cultural e de Ouro da Cidade do Montijo. Faleceu a 30 de Junho de 1995.
  9. 9. História da Música do Séc. XX 9 3. L’oiseau Lyre 3.1A obra “Neste título, pássaro-lira, pode haver alusão a várias coisas… O pássaro-lira é um pássaro que imita o canto das outras aves. Acho que isso seria uma razão pouco importante para o Jorge Peixinho chamar esse nome a uma obra extensa como esta que escreveu. Acho que o que há de mais importante nesta obra é que ao mesmo tempo ela é por vezes pássaro, outras vezes lira… às vezes toma a forma das linhas do voo dos pássaros, outras vezes procura as consonâncias da lira.” Paulo Vaz de Carvalho, 2008 “L’Oiseau Lyre” foi composta entre Novembro e Dezembro de 1982 e é uma composição onde Peixinho investiga profundamente a materialidade da guitarra. Podemos inscrever a estética da obra na linha desenvolvida pelo autor nos últimos tempos, visível em Mémoires - Miroirs ou ainda Two Minimal Pieces e acentuada em obras do mesmo período como Serenata per A., à Flor das Águas Verdes, Sax- Blue, Ulivi Aspri e Forti e Retrato de Helena. Numa linha que evidência um processo de recuperação-renovação de elementos estílicos do passado e que agora assumem novos contornos, linhas e formas inscritos na intimidade da Guitarra. Seria um erro não considerar L’Oiseau Lyre uma obra-prima tendo em conta toda a linguagem de vanguarda nela presente. Encontramos ainda uma forma e um tempo novos, uma nova lógica no processo compositivo do autor que exigirá ao intérprete e ouvinte uma nova atitude na fruição da obra. Toda a expressividade da obra, não pretende ser reflexo emocional do autor mas sim resultante das potencialidades expressivas do próprio material sonoro. L’Oiseau Lyre surge, em minha opinião, como uma das obras de Peixinho de onírismo pleno. Numa escrita feita de jogos de espelhos, alude à espiral, à eternidade e a permanente fluência discursiva. É uma obra que compreende a linguagem idiomática da Guitarra, tendo o compositor criado uma obra eminentemente guitarrística. As ideias matriciais nascem e florescem a partir da Guitarra em concreto fundindo-se com ela em permanente diálogo.
  10. 10. História da Música do Séc. XX 10 Quanto ao título, sabe-se que foi extraído de uma Colectânea de Peças de Carl Phillip-Emmanuel Bach, contudo a relação entre pássaro e lira está, sem sombra de dúvida presente em toda a obra, sendo espontaneamente evidente. A obra tem a duração de 11 minutos e 52 segundos e estreou em Lisboa em 1982, pelas mãos de Lopes e Silva, seu dedicatário. A partitura foi editada pela Musicoteca em 1996 com o patrocínio da Câmara Municipal do Montijo e da SPA. Encontra-se disponível em dois formatos aúdio, tendo sido editada em LP pela Portugalsom em 1985 e em CD pela mesma editora em 1995 «Música Contemporânea – Obras para Guitarra – Lopes e Silva. A gravação do registo áudio no qual podemos encontra L’Oiseau Lyre aconteceu em 3 de Janeiro de 1985 no Estúdio JORSOM em Lisboa com a assistência musical de Jorge Costa Pinto. L’Oiseau Lyre não é tonal, nem atonal, nem serial… é Peixinho. 3.2 Os Intérpretes Podemos referir diversos Guitarristas portugueses responsáveis pela circulação da obra em Portugal e no estrangeiro. Nomes como Lopes e Silva, Paulo Vaz de Carvalho ou Pedro Rodrigues, entre outros (MIC: 2009). Não obstante o valor na divulgação da obra guitarrística portuguesa e o rigor estílistico e sonoro de todos eles proponho agora que se observe a nota biográfica de Lopes e Silva, guitarrista responsável pela estreia da obra, pelo primeiro registo discográfico e intérprete ao qual foi dedicada L’Oiseau Lyre. As performances dos Guitarristas referidos dispensam qualquer elogio porque são de indiscutível autoridade. Lopes e Silva nasceu em 1937 e efectuou os seus estudos de Guitarra com Emilio Pujol1 , no Conservatório Nacional de Lisboa, e os estudos musicais com Fernanda 1 Guitarrísta, pedagogo e compositor espanhol. Emilio Pujol é considerado por muitos como principal pedagogo da guitarra do século XX. Estudou com Francisco Tárrega no Conservatório de Barcelona. Em 1946, Pujol começou o ensino de guitarra no Conservatório de Música de Lisboa onde ensinou até a 1969. Emilio Pujol compôs 124 obras e fez mais de 275 transcrições e arranjos para guitarra. Morreu em 15 de Novembro de 1980. Lopes e Silva (imagem retirada de www.mic.pt)
  11. 11. História da Música do Séc. XX 11 Chichorro. Em 1959 e 1960 frequentou os cursos de Santiago de Compostela com Andrés Segovia, com bolsas de estudo do Instituto Cultural de Madrid e da Fundação Calouste Gulbenkian. Em 1962, fixou-se no Brasil, tendo prosseguido os seus estudos e sido professor nos principais Conservatórios de S. Paulo. Frequentou também os cursos de Música Antiga com Safford Cape. A partir de 1970, Lopes e Silva dedicou-se aos estudos da música contemporânea e das novas correntes musicais. Estudou com Jorge Peixinho, Álvaro Salazar, Luís de Pablo e Filipe Pires. Em 1975, participou em cursos sobre interpretação e informação sobre a música contemporânea para guitarra, na Alemanha Federal, com uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian. Um ano depois, frequentou os cursos de Darmstadt, sob a orientação de Gyorgy Ligeti, Mauricio Kagel e Cristobal Halffter. Integrou, desde a sua fundação, o Grupo de Música Contemporânea de Lisboa, dirigido por Jorge Peixinho. Em 1972, ingressou como professor no Conservatório Nacional de Lisboa. Com a obra Epígono I, Lopes e Silva esteve presente no Festival Internacional World Music Days de 1980, em Israel. Tem realizado também inúmeros concertos a solo e com o Grupo de Música Contemporânea de Lisboa em Portugal, Brasil, Espanha, França, Alemanha, Polónia, Finlândia, Jugoslávia, Países Baixos, Israel, Itália e em muitos festivais nacionais e internacionais. (biografia de Lopes e Silva, baseada nas notas biográficas presentes no disco Música Portuguesa Contemporânea – Obras para Guitarra – Lopes e Silva)
  12. 12. História da Música do Séc. XX 12 4. Conclusão É díficil concluir uma reflexão de uma obra inscrita na obra de um compositor que partiu cedo demais deixando em nós uma sensação imensurável de falta... Em virtude do teor em que se inscreve este trabalho, uma disciplina de História da Música do Séc. XX considero que a análise final deve reportar-se a questões estéticas, da relação com a sociedade dos anos 80 em Portugal e influência dos compositores do pós-guerra. Os anos 80 reportam-nos a uma década de acontecimentos políticos, sociais e sobretudo como a década que marca o início da idade da informação na medida em que empresas da área da informática como a IBM ou a Apple desenvolveram produtos considerados autenticamente revolucionários. A génese do formado CD (compact disc) reporta-se aos anos 80 bem como a popularização dos computadores pessoais, walkmans e videogravadores. A um outro nível esta é também a década da descoberta do Síndrome da Imunodeficiência Humana (SIDA) e o ano de 1986 marca a adesão de Portugal à União Europeia (CEE). No contexto político, no inicio da década de 80, em 1981 era Presidente da República o General Ramalho Eanes e Primeiro-ministro o Dr. Francisco Pinto Balsemão. A riqueza de L’oiseau Lyre (composta entre Novembro e Dezembro de 1982) reside na sua identidade forte, na sua expressão mediterrânica detentora de uma fantasia assinalável embora equilibrada pelo racional domínio técnico do compositor em todos os parâmetros da música. L’Oiseau Lyre marca de forma preponderante a escrita para Guitarra produzida em Portugal por compositores portugueses e pena é que seja a única obra para Guitarra solo escrita por Jorge Peixinho. Conforme anteriormente referido sabemos que o seu título está relacionado com a colectânea de peças de Carl Phillip-Emmanuel Bach. O compositor considerava fundamental, para a compreensão da música do século XX. o conhecimento das “épocas fundamentais da história da música, que são, também, e inequivocamente as etapas fundamentais da história do homem e do pensamento humano” (Teixeira: 2006, pp. 115) podendo assim estabelecer-se uma ligação histórica ao título.
  13. 13. História da Música do Séc. XX 13 Ainda a respeito do título, a relação com o pássaro lira deve ser tida em conta. O pássaro lira é uma ave fascinante na sua envergadura, na sua beleza e na capacidade que a distingue das outras aves – o facto de imitar os sons de outras aves (entre outros sons) e construir elaboradas “melodias” que depois usa para cortejar. L’oiseau Lyre de Peixinho não imita obra nenhuma no universo das obras escritas para guitarra e a estabelecer-se um elo de ligação com o pássaro, segundo a minha perspectiva, estará com certeza relacionado com a elegância da ave e com o seu voo. Será muito importante salvaguardar que o vulto desta obra situa-a ao nível de compositores especializados na escrita para o instrumento como Leo Brouwer, Alberto Ginastera ou Radamés Gnattali entre outros… A produção do compositor deve ser ainda relacionada com um exercício de cidadania activa dado que Peixinho foi um crítico do sistema, empenhado na dinamização de suportes institucionais adequados ao ensino e na divulgação da música contemporânea. Dos compositores do pós-guerra, aqueles que mais influenciaram Peixinho terão sido J. Cage, Berio, Kagel, Xenakis. Consequentemente L’oiseau Lyre inscreve-se numa estética contemporânea, explora recursos idiomáticos do instrumento (harmónicos naturais e artificias, afinação de notas durate a execução da peça), fundindo-se com ele e emanando um discurso tão expressivo quanto emotivo. Relaciona a organização harmónica com a pesquisa tímbrica da Guitarra pelo que, na minha opinião, Peixinho conseguiu uma obra de grande categoria plena de espírito onírico, de extremo bom gosto, subtileza e consequentemente um importante contributo para a literatura da guitarra. As harmonias resultantes do discurso lembram o carácter eterno e perfeito da Lira Apolínea. A oposição entre tensões e distensões, tratamento do timbre e a organização dos materiais demonstram a genialidade do compositor. L’Oiseau Lyre evidênciando ainda a segurança criativa de Peixinho e um uso cuidado e não gratuito de todos os recursos idiomáticos da escrita para Guitarra. Ainda sobre a exploração do timbre obtém um discurso sonoro de plena naturalidade ao qual os harmónicos conferem um carácter encantatório e divinal e o efeito de aceleração desaceleração a faz nascer e renascer a partir dela própria.
  14. 14. História da Música do Séc. XX 14 Considero esta peça uma das mais belas obras que se escreveram até hoje para Guitarra contudo o contributo da Peixinho, na guitarra não se restringe à produção de L’oiseau Lyre mas também a todas a obras que compôs para formações multi- instrumentais onde incluiu a Guitarra sendo de destacar aquelas compostas para o Grupo de Música Contemporânea de Lisboa (fundado em 1970 sob a influência da figura tutelar do compositor Jorge Peixinho). Jorge Peixinho representa o que há de mais rico na Música Portuguesa, L’oyseau Lyre é uma pedra preciosa na sua vastíssima obra cuja riqueza reside numa identidade forte plena de lirismo e onirismo não obstante o conhecimento profundo do autor de todos os parâmetros da composição. Em L’oyseau Lyre, Peixinho envolve-nos no seu impulso lírico…
  15. 15. História da Música do Séc. XX 15 5. Anexos Partitura original de L’oiseau Lyre – Jorge Peixinho
  16. 16. História da Música do Séc. XX 16
  17. 17. História da Música do Séc. XX 17
  18. 18. História da Música do Séc. XX 18
  19. 19. História da Música do Séc. XX 19
  20. 20. História da Música do Séc. XX 20
  21. 21. História da Música do Séc. XX 21
  22. 22. História da Música do Séc. XX 22
  23. 23. História da Música do Séc. XX 23 6. Bibliografia Monografias BRANCO, João de Freitas, História da Música Portuguesa. Mem Martins: Publicações Europa-América, Lda, 2005. 434 pp. CARVALHO, Mário Vieira de, Estes sons, esta linguagem. Lisboa: Editorial Estampa, LDA, 1978. (pp. 203 a 212) MACHADO, José (organização de), Jorge Peixinho In Memoriam. Lisboa: Editorial Caminho, 2002. 407pp. MORTON, B., Contempory Composer, Chicago: St. James Press, 1992 TEIXEIRA, Cristina Delgado, Música, estética e sociedade nos escritos de Jorge Peixinho. Lisboa: Edições Colibri, 2006 Internet Centro de Informação da Música Portuguesa url: http://www.mic.pt/ Consultado em: 20/10/2009 Centro Virtual Camões url: http://cvc.instituto-camoes.pt/figuras/jorgepeixinho.html Consultado em: 20/10/2009
  24. 24. História da Música do Séc. XX 24 Aveiro, 3 de Dezembro de 2009 António Gil Alves Ferreira (aluno do curso de Mestrado em Música para o Ensino Vocacional da Universidade de Aveiro)

×