Autoria e letramento:
Análise das narrativas
orais de ficção de uma
mulher analfabeta.
Jardeane Fontenele
Luiz Sávio Figue...
LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO
“A grande Divisa”
 Significa que as pessoas que são
letradas, que tem o domínio da
língua, possuem melhor domínio
discurs...
Críticas à teoria de grande
divisa.
 Tannen (1987) “As duas modalidades
entrecruzam-se e se superpõem, dependendo do
foco...
Autora, Escrita e Oralidade.
 Scholles e Kellong (1977) O discurso narrativo
composto oralmente não tem autor. Nesse tipo...
Autora, Escrita e Oralidade.
 Em resumo, o autor é visto na bibliografia
como aquele que organiza o discurso
escrito, dan...
Perfil de Dona Madalena
 Madalena de Paula Marques é
negra, analfabeta, pobre, de terceira idade, reside
em um bairro na ...
Indícios De autora nas narrativas
orais de Dona Madalena.
 Objetivo: Mostra como os efeitos de sentido são
produzidos por...
Contextualizando...
 Um “analfabeto” contando histórias.
“No caminho da roça tem maracujá
Só não tem maduro pra meu bem c...
CONCLUSÃO
 A competência de Madalena comprova que o seu
discurso oral é um elemento característico de
letramento.Isso sig...
REFLEXÕES
Letramento não é um gancho em que se
pendura cada som enunciado.Não é um
treinamento repetitivo de uma habilidad...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Autoria e Letramento

457 visualizações

Publicada em

Um analfabeto pode ser autor do próprio discurso?

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
457
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Autoria e Letramento

  1. 1. Autoria e letramento: Análise das narrativas orais de ficção de uma mulher analfabeta. Jardeane Fontenele Luiz Sávio Figueiredo Wanessa de Lima
  2. 2. LETRAMENTO E ALFABETIZAÇÃO
  3. 3. “A grande Divisa”  Significa que as pessoas que são letradas, que tem o domínio da língua, possuem melhor domínio discursivo.Possuem um pensamento superior aos que não tem.
  4. 4. Críticas à teoria de grande divisa.  Tannen (1987) “As duas modalidades entrecruzam-se e se superpõem, dependendo do foco de envolvimento intrapessoal.  Miyoshi (1988) Diz que a função ideológica dessa teoria é estabelecer uma separação radical entre o “eu” e o “outro” nas sociedade ocidentais.  Langer (1987) Propõe que a dicotomia oral X letrado seja substituída por uma suposição.  Street (1989) Existe uma versão antiga e um ressurgimento moderno dessa teoria.
  5. 5. Autora, Escrita e Oralidade.  Scholles e Kellong (1977) O discurso narrativo composto oralmente não tem autor. Nesse tipo narrativa teríamos um “contador de história” que seria simplesmente um veículo de difusão, de presentificação do já narrado.  Bakhtin (1985) Autora é aquela que dirige a visão do leitor e sua atividade de compreensão do texto. Dentro da obra, o autor é para o leitor o conjunto de princípios estruturantes que devem ser realizados, a unidade dos momentos transgressores da visão ativamente referidos ao herói e seu mundo.
  6. 6. Autora, Escrita e Oralidade.  Em resumo, o autor é visto na bibliografia como aquele que organiza o discurso escrito, dando-lhe uma orientação por meio de mecanismos de coerência e coesão, mas também garantindo que certos efeitos de sentido e não outros serão produzidos durante a leitura.
  7. 7. Perfil de Dona Madalena  Madalena de Paula Marques é negra, analfabeta, pobre, de terceira idade, reside em um bairro na periferia de Ribeirão Preto – SP. E viúva, tem filhos e netos e muitos moram com ela em sua pequena casa. Frequentou a escola durante um curto período. Sabe contar objetos, conhece os números mais simples, não sabe ler nem escrever, sequer sabe assinar o seu próprio nome. Sempre trabalhou na lavoura, ou como domestica.  E uma pessoa extremamente comunicativa, amável, hospitaleira e descontraída. Conversa com todos de maneira desembaraçada. E além disso, exerce uma liderança, tanto em nível familiar, quanto comunitária.
  8. 8. Indícios De autora nas narrativas orais de Dona Madalena.  Objetivo: Mostra como os efeitos de sentido são produzidos por ela em algumas de suas narrativas.  Efeito de suspense: criado pela interrupção de fluxo narrativo, e pela sugestão antecipada de que algo importante vai acontecer.  Indícios da antecipação, pelo narrador, de necessidades do narratário: antecipa dúvidas, questionamentos e necessidades de informação que não são reais, são verticais e introduz na narrativa os elementos que julga problema.  Ressignificação de elementos da experiência de Dona Madalena dentro do narrado: Introduz nas narrativas elementos de sua realidade, que passam a fazer parte do ficcional criado por ela. E como se a autora se colocasse na posição de testemunha dos fatos narrados.
  9. 9. Contextualizando...  Um “analfabeto” contando histórias. “No caminho da roça tem maracujá Só não tem maduro pra meu bem chupar As pombinha voam, eu também quero voar Os bichinhos pelo chão, as asinhas pelo ar Dona Mariquinha rodei, Dona Mariquinha rodai, um beijinho beijei, um beijinho beijai Dona mariquinha rodei, Dona Mariquinha rodai, um beijinho beijei, um beijinho beijai” Cantigas populares
  10. 10. CONCLUSÃO  A competência de Madalena comprova que o seu discurso oral é um elemento característico de letramento.Isso significa que mesmo as pessoas que não escrevem ou não escrevem bem, possuem pensamento lógico por suas narrativas orais. Portanto, a teoria da Grande Divisa é um pensamento ultrapassado.
  11. 11. REFLEXÕES Letramento não é um gancho em que se pendura cada som enunciado.Não é um treinamento repetitivo de uma habilidade. Nem um martelo quebrando blocos de gramática. (Magda Soares)

×