Radioiodoterapia

690 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
690
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
369
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Radioiodoterapia

  1. 1. UMA ABORDAGEM PRÁTICA SOBRE RADIOPROTEÇÃO NO TRATAMENTO DE RADIOIODOTERAPIA PARA CÂNCER DE TIREÓIDE Janaína Dutra S. Mendes, Ana Luiza S. L. Kubo, Ana Maria O. Rebelo
  2. 2. Sumário • Objetivo • Introdução • Sobre a internação • Resultados • Conclusões www.mednuclear.net 2
  3. 3. 1. Objetivo Demonstrar que atitudes simples e não onerosas na rotina dos trabalhadores do Serviço de Medicina Nuclear (SMN) interferem positivamente na radioproteção. www.mednuclear.net 3
  4. 4. 2. Introdução Há diversos protocolos para tratamento e acompanhamento do câncer diferenciado de tireóide (CDT). www.mednuclear.net 4
  5. 5. 2. Introdução Todos reúnem as evidências sobre a evolução e tratamento e tentam estabelecer uma padronização de conduta. www.mednuclear.net 5
  6. 6. 2. Introdução No entanto, são poucos os que abordam esta questão sob o enfoque da proteção radiológica, como o ICRP 94 (2004), o TECDOC 1806 (2009) e o SRS 63 (2010). www.mednuclear.net 6
  7. 7. 2. Introdução Restam questões práticas cotidianas concernentes à realidade dos hospitais brasileiros que obstruem a otimização desta prática. www.mednuclear.net 7
  8. 8. 2. Introdução Tais dificuldades e as respectivas soluções alcançadas por nosso grupo serão mencionadas adiante. www.mednuclear.net 8
  9. 9. www.mednuclear.net 9
  10. 10. No dia da internação • Conversa com o paciente e familiares, • Dúvidas sobre manual de procedimentos, • Dicas sobre organização do quarto. Atenção para os pacientes em hipotireoidismo. www.mednuclear.net 10
  11. 11. No dia da internação www.mednuclear.net 11
  12. 12. No dia da internação www.mednuclear.net 12
  13. 13. Durante a internação Mínimo de objetos no QT. – Substituição de copos, pratos e talheres descartáveis por outros permanentes, – Orientação aos pacientes para que, nas refeições, a comida recebida nos recipientes fosse gradativamente transferida para o prato. www.mednuclear.net 13
  14. 14. Na alta – Conversa com paciente e familiares, – Entrega de orientações e restrições pós alta por escrito. Atenção para pacientes que moram com muitas pessoas em cômodo único. www.mednuclear.net 14
  15. 15. Resultados • Entrevista prévia trouxe menos ansiedade para o paciente, • Utilização de materiais não descartáveis minimiza a exposição e aumenta o conforto do paciente , • Adoção de estratégias para alimentação minimizou a necessidade de guardar material perecível para decaimento radioativo. www.mednuclear.net 15
  16. 16. Resultados • Pacientes sentiram-se mais ‘acolhidos’ pelos profissionais de saúde e todas as intercorrências relativas a aumento de stress e ansiedade (como elevação de pressão arterial, crises de ansiedade com demanda medicamentosa, etc.) foram drasticamente reduzidas a casos isolados e esporádicos. www.mednuclear.net 16
  17. 17. Resultados • Nunca houve casos de dose elevada (acima de 1 mSv/mês ou 6 mSv/ano). • Foi percebida redução nas doses ocupacionais dos trabalhadores responsáveis pela liberação do quarto. • Redução de rejeitos radioativos com alto índice de contaminação. www.mednuclear.net 17
  18. 18. Conclusões • É imprescindível o envolvimento de todos os trabalhadores relacionados à internação no QT • Propostas não são ações definitivas para qualquer serviço em que forem aplicadas. • É necessário manter a equipe constantemente atualizada e atenta a demandas inéditas que só a experiência com os pacientes pode fornecer. www.mednuclear.net 18
  19. 19. Referências 1. Schlumberger, MJ; Filetti, S; Hay, ID. Nontoxic goiter and thyroid neoplasia. In: Larsen PR, Kronenberg HM, Melmed S, Polonsky KS (editors). Williams Textbook of Endocrinology. 10th ed. New York: Elsevier, 2003. p.457-90. 2. Maciel, RMB; Biscolla, RPM. Diagnóstico e tratamento do câncer de tiróide. In: Vilar L (editor). Endocrinologia Clinica. 3ª ed. Rio de Janeiro: Medsi, 2006. p. 240-52. 3. Sherman, S. Thyroid carcinoma. Lancet, 2003. 361:501-11. 4. Seidlin, S.M., Marrinelli, L.D., Oshry, E., Radioactive iodine therapy: Effect on functioning metastases of adenocarcinoma of thyroid, JAMA 132 (1946) p. 838-847. 5. Mendes, J D S; Kubo, A L S L; Rebelo, A M O. Uma abordagem prática sobre radioproteção no tratamento de radioiodoterapia para câncer de tireóide. IRPA 2013, Rio de Janeiro, RJ, Brazil. 6. Barrington, S. F. et al. Measurement of the internal dose to families of outpatients treated with 131I for hyperthyroidism. Eur J Nucl Med Mol Imaging (2008) 35:2097–2104. 7. Cooper, DS et al. Revised American Thyroid Association Management Guidelines for Patients with Thyroid Nodules and Differentiated Thyroid Cancer. 2009. Disponível em <http://www.thyroid.org/professionals/publications/guidelines.html>. Acessado em 02/05/2011. 8. Pacini, F; Schlumberger, M; Dralle, H; Elisei, R; Smit, JWA; Wiersinga, WM and the European Thyroid Cancer Taskforce. Consensus Statement. European consensus for the management of patients with differentiated thyroid carcinoma of the follicular epithelium. Eur J Endocrinol, 2006. 154:787-803. 9. International Commission on Radiological Protection (ICRP). Release of Patients after Therapy with Unsealed Radionuclides. ICRP Publication 94. Ann. ICRP 34 (2). 2004 10. International Atomic Energy Agency (IAEA). Nuclear Medicine in Thyroid Cancer Management: A Practical Approach. IAEA Tecdoc Series No. 1608. 2009. www.mednuclear.net 19

×