Dependencia indv

121 visualizações

Publicada em

english

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
121
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dependencia indv

  1. 1. SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 4 2 DESENVOLVIMENTO 5 2.1 Sequência Didática 6 2.1.1 Metodologia 2.1.2 Avaliação 3 CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
  2. 2. 1 INTRODUÇÃO Foram várias as hipóteses propostas com objetivo de explicar a origem da vida, sendo que a mais aceita é a da evolução gradual dos sistemas químicos. Aceitando- se esta hipótese e as supostas condições da atmosfera primitiva da Terra, formada de metano (CH4), amônia (NH3), hidrogênio (H2) e vapores de água (H2O), concorda- se com as ideias de que os primeiros seres vivos foram heterotróficos anaeróbicos, porque a atmosfera primitiva não apresentava oxigênio e gás carbônico, os quais são essenciais para a respiração aeróbica e a fotossíntese.
  3. 3. 2 DESENVOLVIMENTO Dentre as várias proposições acerca da origem da vida a da hipótese heterotrófica é a mais aceita. Essa hipótese foi proposta com base na suposição de que tenha se formado uma sopa orgânica na terra primitiva. Uma das condições presentes na atmosfera primitiva, sem a qual não haveria abundância de nutrientes nos oceanos primitivos era a presença de uma atmosfera redutora, onde Metano, Amônia e Vapor d’água estariam entre os principais componentes. As condições atmosféricas da Terra primitiva, eram diversas das condições atuais. É provável a inexistência de oxigênio livre (O2). Todo o oxigênio existente se apresentava ligado a outros compostos químicos, a Terra possuía uma atmosfera redutora, ou seja, doadora de elétrons. Não há consenso sobre a formação atmosférica terrestre, mas a suposição mais aceita é de que a atmosfera primitiva consistia em sua maior parte de metano (CH4), dióxido de carbono (CO2), amônia (NH3), gás hidrogênio (H2) e vapor d’água (H2O). A terra passava por um período de resfriamento o que possibilitou a acumulação de água nas depressões do relevo da costa, formação assim os mares primitivos. Na atmosfera haviam descargas elétricas e radiações intensas que forneceram energia para que as moléculas presentes se unissem formando outras maiores e mais complexas, as moléculas orgânicas. Nos dias contemporâneos há duas hipóteses sobre a origem da vida na terra: a panspermia, com a vida se originando a partir de outros planetas e outra, supondo que presume a vida teria se desenvolvido gradativamente, num longo processo de mudança, seleção e evolução. São muitos os estudiosos que, ao longo do tempo, têm se dedicado às pesquisas científicas em busca de respostas mais convincentes sobre como teria se originado a vida na terra. Do Criacionismo ao Big Bang, da abiogênese á biogênese, de Redi, Needham, Spallanzani, Pasteur a Oparin e Haldane. A partir de Louis Pasteur a biogênese passou a ser mundialmente aceita pelos cientistas. Oparin e Haldane, com hipóteses levemente diferentes e pesquisando separadamente, propuseram a formação de seres vivos a partir das moléculas
  4. 4. complexas (orgânicas) que teriam se formado na atmosfera primitiva e depois nos oceanos partindo de substâncias inorgânicas. Em se tratando da evolução gradual, especializações e adaptações da célula, as suposições são de que houve a formação das primeiras células no ambiente primitivo atmosférico acima descrito. Com base no conhecimento científico disponível pretende-se elaborar uma sequência didática visando facilitar o ensino e aprendizagem de alunos que estudam a célula, tema importante e fundamental para entendimento do processo da vida. UNIDADE DIDÁTICA Conteúdo a ser ministrado  Origem da célula  Evolução  Condições ambientais  Adaptação  Especialização celular  Organização atual do mundo vivos 1. ACELULARES: vírus, viróides e príons. 2. CELULARES: 2.1. PROCARIONTES: bactérias. 2.2. EUCARIONTES: 2.2.1. UNICELULARES: protistas. 2.2.2. PLURICELULARES: 2.2.2.1. SEM TECIDOS: fungos. 2.2.2.2. COM TECIDOS: 2.2.2.2.1. ACLOROFILADOS: animais. 2.2.2.2.2. CLOROFILADOS: plantas. Ano: 1º ano do Ensino Médio Nº de aulas: 6 Objetivos  Abordar o conceito de célula, tamanhos, tipos, formas e constituição interna;  Entender a origem dos seres vivos a partir da célula;
  5. 5.  Compreender o processo evolutivo gradual dos seres vivos;  Realizar o contato com o microscópio, seus componentes, funcionamento e manipulação;  Aplicar os conhecimentos construídos e explorar a criatividade dos estudantes através da elaboração de células com materiais disponíveis. Metodologia  A sequência didática compreenderá momentos de aulas expositivas com auxílio de imagens sobre as condições ambientais de quando as primeiras moléculas foram formadas. As imagens serão exibidas com uso de data show, expondo os slides, da mesma forma serão mostradas imagens dos tipos de células e seus componentes, bem como será exibido o vídeo “Nós os seres vivos: uma breve história sobre evolução” (disponível em <www.genesetal.igc.pt>. Duas aulas (geminadas) serão dedicadas a uma atividade em que os alunos explorarão o conceito de célula: morfologia, função e relação com os órgãos do corpo. Nessas aulas os alunos poderão fazer correspondência entre diferentes órgãos e células que os constituem com sua respectiva localização no corpo humano, poderão observar ao microscópio algumas preparações celulares e ainda poderão construir células de diferentes órgãos com massa plástica para modelar. Antes da atividade será exibido outro vídeo “Eu e meu corpo”, disponível em www.genesetal.igc.pt que servirá de orientação para a atividade. Avaliação Ao final de cada duas aulas, de acordo com o avanço dos conteúdos serão aplicados testes nos quais haverá figuras para identificação, imagens para colorir, questões de múltipla escolha e um pequeno texto para interpretação. Nas duas últimas aulas, após a atividade prática-experimental será solicitado um relatório escrito no qual os estudantes deverão explicar a experiência correlacionando-a com os conteúdos vistos. O critério avaliativo será processual e somativo, aspectos qualitativos e atitudinais serão considerados. Bibliografia
  6. 6. 3 CONSIDERAÇÕES FINAIS Muito se especulou sobre como se deu a origem da vida na Terra e mesmo com tantas hipóteses e teorias os cientistas continuam em busca de uma resposta definitiva, contudo o conhecimento científico não é definitivo e é passível de mudanças. A busca de formas de vida em nosso sistema solar tem direcionado os olhares dos pesquisadores para Lo, um dos satélites de júpiter, o qual encontra-se coberto por oceanos congelados e pelo fato das condições serem similares ao bioma abissal da terra há conjecturas sobre o desenvolvimento de bactérias quimiossintéticas. A teoria da evolução molecular aceita que reações químicas sucessivas entre os gases da primitiva atmosfera originaram moléculas orgânicas simples que ao se combinarem produziram outras mais complexas, como proteínas e ácidos nucleicos. Quando Oparin propôs o modelo de como a vida poderia ter surgido ainda não se sabia que os ácidos nucleicos são os portadores das informações genéticas presentes em todos seres vivos. Já Miller, bioquímico americano, na década de 1950, experimentou circular num aparelho fechado uma mistura composta por vapor d’água, metano, amônia e hidrogênio e submeteu-a a descargas elétricas simulando a atmosfera primitiva terrestre. Ao final do experimento comprovou que além de outras moléculas orgânicas, havia alguns aminoácidos que são as matérias primas das proteínas. A Ciência é dinâmica e os cientistas continuam a pesquisar sobre a evolução dos seres vivos, sobre a vida de um modo geral, suas transformações, adaptações, enfim sobre a origem da vida que por si só continua se constituindo num mistério.
  7. 7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AMABIS, José Mariano. MARTHO, Gilberto Rodrigues. Biologia das células. 3ª ed. Moderna: São Paulo, 2010. BRUCE, Albert. Biologia molecular da célula. Artmed: Porto Alegre, 2009. OSÓRIO, Teresa Costa. Biologia. Manual do Professor. 2ª ed. Edições SM Ltda: São Paulo, 2013 PAULINO, Wilson Roberto. Biologia, genética, evolução, ecologia. Ática: São Paulo, 2009. SOBOTTA, Johannes. Atlas de histologia, citologia e anatomia microscópica. Guanabara Koogan: Sites visitados: www.sobiologia.com.br acesso em 20/10/2014 www.genesetal.igc.pt qcesso em 20/10/2014

×