Relatório gri pintoe bentessustentabilidade2009

931 visualizações

Publicada em

Relatorio GRI, Pinto e Bentes

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
931
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relatório gri pintoe bentessustentabilidade2009

  1. 1. Não se consegue mudar o que não se conhece,ou gerir o que não se mede.Relatório de Sustentabilidade 2009Pinto & Bentes, SA Pinto & Bentes, S.A. | Relatório de Sustentabilidade | 2009 - -
  2. 2. Pinto & Bentes, S.A. | Relatório de Sustentabilidade | 2009 -2-
  3. 3. Não se consegue mudar o que não se conhece,ou gerir o que não se mede.Relatório de Sustentabilidade 2009Pinto & Bentes, SA Pinto & Bentes, S.A. | Relatório de Sustentabilidade | 2009 -3-
  4. 4. ÍndiceMensagem da Administração 5Agradecimento à EDP 6Perfil, Limite e Auto-declaração do Nível de Aplicação do Relatório 8Perfil Organizacional 9Estratégia e Análise 16Governação, Compromissos e Envolvimento 20Relacionamento com Stakeholders 22Actuação Sustentável da Empresa (Indicadores) 24Compromissos, Objectivos e Metas 46Sumários GRI 50Ficha Técnica 52Inquérito 53 Pinto & Bentes, S.A. | Relatório de Sustentabilidade | 2009 -4-
  5. 5. M e n s a g e m d a Ad m i n i s t r a ç ã oÉ com orgulho que apresentamos o primeiro Relatório de Sustentabilidade da Pinto & Bentes, S.A.A Pinto & Bentes é uma Empresa com quase seis décadas de existência que tem demonstrado uma constante e fundamental capacidade de adaptação para encontrar soluções adequadas, nosentido de se reinventar, de acordo com os contextos do mercado em que se insere.O ano de 2009 caracterizou-se por um grande abalo à escala mundial, decorrente de uma grave crise financeira e económica, acompanhada de uma crescente tomada de consciência das ques-tões ambientais e sociais, e da consequente necessidade de uma mudança de atitude.Para a Pinto & Bentes, 2009 também não foi um ano fácil. Infelizmente, tivemos acidentes de trabalho mais graves e em maior quantidade, com consequências na classificação que detínhamosjunto dos nossos dois principais clientes, para além das evidentes consequências humanas. Para manter a certificação do nosso Sistema de Gestão Integrado tivemos de trabalhar arduamente.Para ultrapassar e combater as dificuldades financeiras decorrentes da crise económica a Empresa aumentou o seu endividamento, solicitou mais e maiores sacrifícios aos trabalhadores e teve deser mais agressiva num mercado cada vez mais exigente. Felizmente contamos com uma equipa forte e capaz, que sabe compreender os obstáculos e enfrentá-los. A toda a equipa Pinto & Ben-tes os nossos primeiros agradecimentos e o apelo para que se mantenham empenhados e disponíveis para defrontar as dificuldades do futuro.As épocas de crise são momentos para reflectir e reavaliar. É tempo de exe-cutar um reposicionamento e uma reestruturação interna que nos permitareforçar a Empresa em todas as suas áreas de negócio, com base nos nossosvalores de Responsabilidade, Segurança, Eficiência e Respeito.O convite da EDP para integrar o Projecto GRI – Transparency in the SupplyChain — não podia pois ter chegado em melhor altura: o processo permitiu-nos conhecer e utilizar novas ferramentas, que nos possibilitaram uma autoanálise profunda, tendo por base um princípio fundamental: a Sustentabilida-de. Com estas ferramentas poderemos caminhar com mais firmeza paraalcançar os nossos objectivos, alinhando estratégias com os interesses delongo prazo dos nossos stakeholders.É nossa ambição ser uma Empresa cada vez mais sólida e competitiva, apro-veitando o melhor do passado, aprendendo com os erros, num processo degestão responsável. Uma Empresa empenhada em compreender e melhoraros seus impactos no Ambiente e na Sociedade, de uma forma honesta e aber-ta, gerindo deste modo as relações com os seus stakeholders. Para estes vãoigualmente os nossos agradecimentos – sem eles não teríamos negócio.O primeiro Relatório de Sustentabilidade, 2009, representa apenas uma partede um grande e importante trabalho de reflexão. São os nossos primeiros pas-sos: o caminho é longo mas temos a determinação necessária. Pinto & Bentes, S.A. | Relatório de Sustentabilidade | 2009 -5-
  6. 6. Ag r a d e c i m e n t o à E D PActualmente, com a globalização, não há Empresas no Mundo que funcionem isoladamente. Mesmo para as mais “solitárias”, qualquer operação comercialconstitui uma troca de informação e até de influências. Os Mercados funcionam globalmente e o acesso à informação está muito facilitado, graças às novastecnologias. Consequentemente também as populações estão mais atentas e as pressões sobre as Empresas são maiores: exige-se transparência e respon-sabilidade. Exige-se Sustentabilidade!Empresas que assumem seriamente o seu desenvolvimento sustentável e que, simultaneamente, atingem um elevado nível de maturação deste compromisso,ambicionam influenciar positivamente a sua cadeia de valor, como passo natural do processo. A este nível encontra-se a EDP, Energias de Portugal S.A.A EDP, enquanto referência nacional a nível da Sustentabilidade, apresenta um longo caminho já percorrido, sempre inovando, demonstrando resultados com-provados, ano após ano, da assumpção da sua responsabilidade neste papel de liderança. Disto são provas concretas, por exemplo, o trabalho desenvolvidopela Fundação EDP, o envolvimento e promoção da Bolsa de Valores Sociais, do Prémio Inovação EDP Richard Branson, das acções da ECO EDP e doCanal ONG, a presença em associações como o BCSD, e claro, a integração nos Índices Dow Jones. É, aliás, a única Empresa portuguesa que integra osÍndices de Sustentabilidade Dow Jones de Sustentabilidade World e STOXX, os mais exigentes do mundo, que distinguem as Empresas com melhores práti-cas nas questões ligadas à transparência, sustentabilidade e excelência na gestão económica ambiental e social. Pinto & Bentes, S.A. | Relatório de Sustentabilidade | 2009 -6-
  7. 7. Em 2009 teve início em Portugal o programa Global Action Network for Transparency the Supply Chain, utilizando os princípios do Global Reporting Initiative(GRI). O conceito deste programa é que Empresas de grandes dimensões possam operar como suporte a Pequenas e Médias Empresas (PMEs) da suacadeia de valor, promovendo a obtenção e utilização de ferramentas para elaboração dos seus próprios Relatórios de Sustentabilidade. O objectivo principaldo Projecto é criar transparência na cadeia de valor, através da implementação da prática de relato segundo os padrões G3 da GRI. Os principais benefícios,tanto para as Companhias que promovem, como para as PMEs envolvidas são: • Melhorar os seus desempenhos económicos, ambientais e sociais; • Facilitar o entendimento e aplicação dos conceitos da sustentabilidade; • Melhorar e fortalecer as relações, formando parcerias transparentes, baseadas na compreensão dos desafios mútuos; • Criar oportunidades de aprendizagem para todos os envolvidos; • Melhorar a gestão de risco relacionada com questões de sustentabilidade; • Aumentar a vantagem competitiva e a reputação.Apresentamos aqui os nossos sinceros e profundos agradecimentos à EDP, por nos ter dado a oportunidade de recolher todos estes benefícios ao envolver-nos neste processo, do qual resultam, para já, o nosso primeiro Relatório de Sustentabilidade e o nosso compromisso para com o Desenvolvimento Sustentá-vel. A Administração Pinto & Bentes, S.A. | Relatório de Sustentabilidade | 2009 -7-
  8. 8. P e r f i l , L i m i t e e Au t o - D e c l a r a ç ã o d o N í v e l d e Ap l i c a ç ã o d o R e l a t ó r i o Este primeiro Relatório, elaborado de acordo com as directrizes G3 do GRI, diz respeito ao ano de 2009 e foca o desempenho económico, ambiental e social, da Pinto & Bentes, S.A., com sede em Sintra. Por vezes há referência a dados de anos anteriores e projecções (compromissos) para os anos vindouros. Estas referências só são feitas no sentido de trazer maior clareza e abran- gência aos dados, uma vez que o período coberto pelo relatório diz respeito apenas ao ano referido. O ciclo de emissões de Relatório será anual, coordenado com o acompanhamento e a análi- se de desempenho das várias actividades da Empresa. Considerou-se como limite deste relatório as actividades que a Empresa desenvolve em Portugal. Ainda que a Pinto & Bentes actue em alguns mercados internacionais, o contributo financeiro destas actividades é muito pequeno comparativamente aos restantes, que, para já, não se vão incluir no âmbito e limite do Relatório. O Perfil mais completo e pormenorizado da Empresa poderá ser entendido nos próximos pontos. A Pinto & Bentes auto-declara este relatório como sendo de nível C, de acordo com as direc- trizes GRI, pelo que no final se apresenta um sumário de conteúdo da GRI (tabela que indi- ca a localização das informações e dos indicadores no relatório). Para mais informações sobre este Relatório contactar: Ana Guerreiro Tel.: 219 248 260 E-mail: anaguerreiro@pintoebentes.com Carla Canseiro Tel.: 219 248 260 E-mail: carlacanseiro@pintoebentes.com Pinto & Bentes, S.A. | Relatório de Sustentabilidade | 2009 -8-
  9. 9. Perfil OrganizacionalPercurso da EmpresaConstituída em 1952, a Pinto & Bentes S.A. representa hoje a nível nacional uma das ção de estruturas metálicas galvanizadas para linhas de AT e posteriormente tambémmais antigas e conhecidas Empresas de instalações de infra-estruturas eléctricas. A sua para subestações.actividade teve início com a instalação de linhas eléctricas de baixa tensão (BT) e altatensão (AT) em Portugal Continental e nas Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores. Atenta ao seu próprio crescimento, a Empresa tem-se dimensionado e estruturado de acordo com as tendências e exigências do mercado, sendo preocupação dos seus diri-No início da década de 60 a Empresa já registava um crescimento significativo, tendo-se gentes a constante optimização dos processos produtivos e a diversificação dos serviçostornado o primeiro prestador de serviços a trabalhar em regime de empreitada contínua oferecidos. Essa preocupação pode ser ilustrada pelo alargamento da gama dos serviçospara a então CRGE (Companhias Reunidas de Gás e Electricidade), em rede aéreas e em que presta, como a realização de trabalhos em tensão, com início em 1993. Em 2001especial na rede de 60kV, o que denota o reconhecimento dos serviços até então presta- houve uma alteração de accionistas, a que se seguiu uma mudança nos serviços ofereci-dos. Nessa mesma altura é de assinalar o início de um ciclo de execução de obras em dos, com a inclusão de instalação de redes de gás, a montagem integral de subestaçõesÁfrica, nas então designadas Províncias Ultramarinas, assim como o alargamento da acti- e, mais recentemente, instalações de sistemas de microgeração (fotovoltaicos e eólicos).vidade da Empresa, com a construção de Linhas de Muito Alta Tensão (MAT), a fabrica- Constituição da Pinto & Bentes, S.A. - 15 de Novembro de 1952 1952 1990 1995 2000 2005 2010 Início da Implementação do Sistema de Gestão da Qualidade (NP EN ISO 9002:1995) Certificação APCER do Sistema de Gestão da Qualidade (NP EN ISO 9002:1995) Transição para a Norma NP EN ISO 9001:2000 Início da Implementação do Sistema de Gestão de Ambiente e Segurança e Saúde no Trabalho Certificação APCER para os Sistemas de Gestão Ambiental e SST (NP EN ISO 14001:2004 e OHSAS 18001:1999 / NP 4397:2001) Prémio REN: "Mérito na Gestão da Segurança na Construção de Linhas MAT 2008" Adesão ao BCSD Portugal (com efeito a partir do início de 2010) Elaboração e publicação| do primeiro Relatório de Sustentabilidade Pinto & Bentes, S.A. Relatório de Sustentabilidade | 2009 -9-
  10. 10. Perfil Organizacional Estrutura A Sede localiza-se em Ouressa, Mem Martins, Sintra, na Avenida Almi- leiros Centrais, localizados na zona Centro de Portugal, para que os rante Gago Coutinho, 161, existindo instalações fixas em Ponte de Sôr, transportes entre Obras e Estaleiro Central fosse agilizados, com meno- Aveiro, Alter do Chão, Vila Nova de Gaia e Barreiro, para além de insta- res custos e consumos de combustíveis, e a consequente melhoria na lações temporárias ou estaleiros móveis de apoio a obra, espalhados prestação de serviços. O primeiro destes Estaleiros Centrais situa-se em pelo país. Ortiga, Mação e o segundo na Anadia. Prevê-se o início do seu funciona- mento durante o ano de 2010. Recentemente a Administração da Empresa decidiu activar novos Esta- Denominação Social: Pinto & Bentes, S.A. E-mail: pb@pintoebentes.pt Web page: www.pintoebentes.pt Instalações: Sede: Avenida Almirante Gago Coutinho, 161, 2725-322 Mem Martins Ponte de Sôr (Escritório e Armazém): Zona Industrial de Ponte de Sôr, Lote 72, 7400 Ponte de Sôr Alter do Chão (Centro de Formação): Avenida Padre José Agostinho Rodrigues, 7440-014 Alter do Chão Aveiro (Escritório): Rua Guerra Abreu, 4, Esguia, 3800-520 Aveiro Vila Nova de Gaia (Escritório): Rua Pêro Vaz de Caminha, 38, 1º Dto. 4400-627 V.N. de Gaia Barreiro (Escritório e Armazém): Rua 46-A – Armazém 5 – Quimiparque 2831-904 Barreiro Futuras Instalações: Anadia (Escritório e Armazém) Ortiga — Mação (Escritório e Armazém) Pinto & Bentes, S.A. | Relatório de Sustentabilidade | 2009 - 10 -
  11. 11. Perfil OrganizacionalDistribuição Geográfica Escritório Vila Nova de Gaia Escritório Aveiro Futuras Instalações Anadia Futuras Instalações Ortiga — Mação Escritório e Armazém Ponte de Sôr Sede, Escritório e Armazém Centro de Formação Mem Martins, Sintra Alter-do-Chão Escritório e Armazém Barreiro Pinto & Bentes, S.A. | Relatório de Sustentabilidade | 2009 - 11 -
  12. 12. Perfil Organizacional Principais Actividades e Organograma Actualmente, a Pinto & Bentes, S.A. dedica-se à prestação de serviços de: • Telecomunicações; • Construção de infra-estruturas de transporte e distribuição de energia • Projecto e construção de sistemas de energias renováveis. eléctrica; Dispondo ainda de outras áreas de negócio complementares a estas, como a Metalomecâni- • Projecto e construção de subestações; ca e Mecânica Automóvel. • Instalação de redes de distribuição de gás, águas e saneamento; A sua estrutura operacional durante o ano de 2009 dividiu-se nas seguintes áreas de negócio • Execução de trabalhos ferroviários; e respectivos sectores: Administração ADM Gabinete de Área de Gabinete Núcleo Núcleo Núcleo Núcleo Desenv. Área de Negócio Gabinete Qualidade, Área de Negócio de Negócio deSecretariado de Apoio à Administrativo Recursos Aprovisionamento e Infra Autarquias Linhas Muito Alta Jurídico Segurança e Subestações Distribuição SEC Gestão e Financeiro Humanos Logística e Particulares Tensão GJU Ambiente ANSUB Eléctrica GAG NAF NRH NAL NDA ANMAT GQSA ANDIS Qualidade/ Sector Gestão de Sector SEs Dis- Segurança Meios SGM tribuição e Transporte SSD Sector Técnico Formação MAT STMAT Sector SEs Par- MAT ticulares SSP AT Sector Produção MAT 1 SPMAT 1 Sector Produção MAT 2 SPMAT 2 Pinto & Bentes, S.A. | Relatório de Sustentabilidade | 2009 - 12 -
  13. 13. Perfil Organizacional Administração ADM Área de Área de Área de Área de Área deÁrea de Área de Área de Área de Área de Negócio de Área de Área de Negócio Negócio Negócio Negócio Gás Negócio Área deNegócio Negócio Negócio Negócio Mecânica e Negócio Negócio Autarquias e Trabalhos Energias Água e Região Negócio TETAlentejo Projecto Telecom Ambiente Metalomecânica Internacional PEC Particulares Ferroviários Renováveis Saneamento Norte ANTETANALT ANPRO ANTEL ANAMB ANMEC ANINT ANPEC ANAPA ANFER ANER ANGAS ANNOR Sector Sector Estruturas Técnico Metálicas SEM TET Sector Manutenção Mecânica SMM Pinto & Bentes, S.A. | Relatório de Sustentabilidade | 2009 - 13 -
  14. 14. Perfil Organizacional Licenças, Autorizações e Sistemas de Gestão Implementados e Certificados Tipos de Certificações Referências normativas Benefícios/ Garantias Gestão do modelo de negócio e garantia de Sistema de Gestão da Qualidade ISO 9001 satisfação do Cliente Cumprimento da legislação, prevenção e contro- Sistema de Gestão Ambiental ISO 14001 lo da poluição Sistema de Gestão da Saúde e Segurança no OSHAS 18001 Cumprimento da legislação, prevenção e contro- Trabalho NP 4397 lo dos riscos Cumprimento do regime jurídico de ingresso e Alvará de Construção Decreto-Lei n.º 12/2004 de 9 de Janeiro permanência na actividade da construção Decreto-Lei n.º 178/2006 de 5 de Setembro Alvará de Licença para a Realização de Opera- Cumprimento da legislação relativa à gestão de (incluindo toda a legislação posteriormente ções de Gestão de Resíduos resíduos publicada) Licença de Autorização de Ligação de Utente Cumprimento da legislação relativa à gestão de Regulamento SMAS de Sintra Industrial ao Sistema de Drenagem Municipal águas residuais industriais Decretos-Lei n.º 46/94 de 22 de Fevereiro e n.º Alvará de Licença de Captação de Águas Sub- 236/98 de 1 de Agosto Cumprimento da legislação relativa à utilização terrâneas (incluindo toda a legislação posteriormente do domínio hídrico publicada) Credenciação de Segurança nos graus Nato Gabinete Nacional de Segurança Habilita a Empresa a executar de trabalhos em Confidential, Confidencial e Confidentiel U.E. Decreto-Lei n.º de 170/2007 de 3 de Maio instalações com matérias classificadas Pinto & Bentes, S.A. | Relatório de Sustentabilidade | 2009 - 14 -
  15. 15. Perfil Organizacional Durante o ano de 2009, a Pinto & Bentes desenvolveu trabalhos em Portugal, Espanha e Argélia, embora para este relatório e para as questões da sustentabilidade e da área financei- ra apenas sejam consideradas as obras executadas em Portugal. Indicadores Gerais: 2007 2008 2009 Volume Negócios 26 32 30 (Milhões de Euros) Liquidez Geral 1,24 1,55 1,47 Autonomia Financeira 17,8% 15% 15% Solvabilidade 21,6% 17% 17% Resultado Líquido 254 287 173 (Milhares de Euros) 25,0% Mercados Accionistas Egese 2,50% Mercado Nacional 8,6% 2,50% Pedro Galupa Mercado Intracomunitário95% Alípio Magalhães Países Terceiros 8,6% Capital Disperso 57,8% Pinto & Bentes, S.A. | Relatório de Sustentabilidade | 2009 - 15 -
  16. 16. E s t r a t é g i a e An á l i s eFace às implicações da actual crise económica global, ainda a desenrolarem-se, assim ticular. É neste contexto que a Pinto & Bentes irá focar toda a sua actuação, definindo,como às grandes alterações a decorrer no enquadramento jurídico europeu, e às políticas objectivos estratégicos adaptados à realidade onde pretende actuar, e as acções quede promoção de novas tecnologias, pode antever-se que o triénio 2010-2012 será um garantam a sua eficaz e eficiente prossecução, de forma a atingir um grau de sustentabili-período de enormes desafios para a sociedade em geral e Empresas energéticas em par- dade e competitividade fundamentais para a continuidade da Empresa.É nossa ambição ser uma Empresa cada vez mais É pretensão da Empresa ser uma referência no univer- A concretização da missão e da visão pressupõe osólida e competitiva, aproveitando o melhor do passa- so onde nos enquadramos, a nível nacional e interna- respeito pelos valores e princípios que identificam a nossa organização e definem de uma forma estável ado, aprendendo com os erros, num processo de aquisi- cional, ambicionando uma melhoria contínua da gestão actuação e relacionamento com os seus stakeholders:ção de experiência, gestão responsável e crescimento dos nossos recursos e meios, na procura da excelên- Responsabilidade, Segurança, Eficiência e Respei-que não comprometa o futuro. Uma Empresa empe- cia de resultados, da qualificação das pessoas e da to.nhada em compreender e melhorar os seus impactos utilização do conhecimento. Dado o elevado grau de risco para a integridade huma-no Ambiente e na Sociedade, de uma forma honesta e na de algumas actividades desenvolvidas, é natural a preocupação crescente pela implementação de pro-aberta, e gerindo deste modo as relações com os seus cessos fiscalizadores que garantam o cumprimento dastakeholders. nossa missão com a máxima responsabilidade e segu- rança. Por outro lado, na sociedade actual, as actividades da Empresa de maior peso no core business manifestam um papel de elevada relevância pois estão directamen- te ligadas a bens de primeira necessidade, pelo que a eficiência e eficácia são valores prioritários para a satisfação dos clientes. A Pinto & Bentes integra o princípio do respeito pelo cumprimento de todos os normativos e regulamenta- ções a que está sujeita. Pinto & Bentes, S.A. | Relatório de Sustentabilidade | 2009 - 16 -
  17. 17. E s t r a t é g i a e An á l i s eFactores Críticos de SucessoConsiderando o exposto, reconhece-se a importância e a responsabilidade das activida- A Pinto & Bentes pretende ser uma Empresa prestadora de serviços de referência, procu-des desenvolvidas nas várias vertentes da sociedade, as quais são objecto de uma forte rando continuadamente oferecer aos clientes, nos mercados onde actua, um Produto/regulação governamental, manifestada por abundante legislação – é neste contexto que Serviço de elevada Qualidade, fruto das competências existentes na Empresa.a Pinto & Bentes justifica o princípio do respeito pelo cumprimento de todos os normati-vos e regulamentações a que está sujeita. Um Cliente – Um Parceiro A Pinto & Bentes vê todos, e cada um, dos seus clientes como uma aposta de longo prazo consubstanciada numa relação que se pretende de forte parceria na permanente busca da justa partilha dos ganhos obtidos. Competência dos seus Trabalhadores Ao apostar, não só, no recrutamento e selecção das pessoas mais qualificadas e capazes para o desempenho de cada função, como também na constante formação dos seus quadros, a Pinto & Bentes continua a fomentar a evolução e a aquisição perma- nente de competências profissionais. Capacidade Técnica na Prestação de Serviços A Pinto & Bentes dispõe de equipamentos e tecnologias para responder adequadamente a qualquer pedido, acrescentando, ain- da, uma elevada experiência e conferindo ao seu trabalho o máximo nível de qualidade e fiabilidade. Responsabilidade Social e Ambiental A Pinto & Bentes procura estar à altura da sua responsabilidade perante o meio que a rodeia, não só contribuindo decisiva- mente para melhoria da qualidade de vida de um número crescente de trabalhadores, mas também para o equilíbrio ambiental na prestação dos seus serviços. Pinto & Bentes, S.A. | Relatório de Sustentabilidade | 2009 - 17 -
  18. 18. E s t r a t é g i a e An á l i s eIdentificação de Pontos Fortes/Pontos Fracos Pontos Fortes Pontos Fracos • Reputação no core business • Baixa produtividade • Boa dinâmica comercial e alargada rede de contactos • Envelhecimento de algum pessoal executante • Estrutura horizontal – flexibilidade e rapidez na decisão • Reduzida experiência em gestão por parte de algum pessoal dirigente • Boa capacidade de trabalho sob pressão • Deficiente gestão de meios humanos e equipamentos • Inexistência de um sistema informático integrado Oportunidades: Ameaças: • Dependência excessiva de uma única fonte energética (combustíveis fósseis não • Retoma económica renováveis) • Forte investimento público e privado no sector energético • Importação da generalidade da energia consumida • Incentivos governamentais à criação de emprego • Reduzido nível de consumo doméstico, em comparação com outros membros da • Liberalização do mercado energético. União Europeia Pinto & Bentes, S.A. | Relatório de Sustentabilidade | 2009 - 18 -
  19. 19. E s t r a t é g i a e An á l i s eObjectivos e Acções Corporativas01. Volume de Negócios Manter o volume de negócios nas áreas do core business e aumentar nas áreas de energias renováveis e telecomunicações.02. Produtividade Aprovar um sistema de melhoria da produtividade, de forma a tornar a estrutura de custos mais flexível, face à actividade da Empresa. É neste contexto que se irá estudar um modelo salarial com uma componente do salário variável, em função dos objectivos atingidos. Preparar uma experiência piloto de empreendedorismo, concedendo aos trabalhadores de determinada área, uma licença sem vencimento de 6 meses, renovável. Durante esse período, serão disponibilizados pela Empresa os meios, viaturas e equipamentos, para incentivar estes trabalhadores a criar as suas próprias Empresas.03. Reestruturar e recuperar Áreas de Negócio Analisar a viabilidade de algumas Áreas de Negócios, com resultados negativos sistemáticos, no sentido de ser conseguida uma recuperação, face à acumulação deficitária com graves consequências para a Empresa.04. Aumento da liquidez da Empresa Definir acções que salvaguardem os fluxos de tesouraria dos clientes.05. Análise e controlo de Gestão Acompanhar e verificar mensalmente a concretização das acções de cada Área de Negócio na obtenção dos objectivos definidos e introdução de correcções necessárias de forma a colmatar os desvios existentes.06. Internacionalização Continuar o esforço de internacionalização no mercado do Magreb.07. Mercado das Telecomunicações Reforçar a actuação neste mercado. Pinto & Bentes, S.A. | Relatório de Sustentabilidade | 2009 - 19 -
  20. 20. Governação, Compromisso e Envolvimento Embora o organograma de 2009 (pág. 10) não contemplasse uma Comissão Existem ainda mecanismos para que os nossos trabalhadores façam reco- de Sustentabilidade (entretanto criada), a gestão feita pelo órgão administra- mendações ou dêem sugestões ao órgão de gestão, nomeadamente: tivo baseou-se sempre: • Através do preenchimento do “Inquérito de Consulta aos Traba- lhadores”, que é difundido a todos os trabalhadores duas vezes • Quer nas reuniões que, mensalmente, decorrem com as diferen- por ano; tes Áreas Funcionais de análise de resultados e onde são discu- • Através do preenchimento do formulário “Opiniões e Sugestões” tidos os assuntos específicos das várias Áreas, com especial sempre disponível; incidência em questões económicas, • Comunicando aos respectivos Responsáveis das Áreas Funcio- • Quer nas reuniões, também de cadência mensal, com as Comis- nais; sões da Segurança, Ambiente e Qualidade, onde as diversas • Nas Reuniões das Comissões da Qualidade, Segurança e áreas funcionais estão também representadas. Ambiente. Os principais objectivos destas reuniões são: Especificamente, durante o período coberto pelo Relatório, estes mecanis- mos levaram a: • Dinamizar a evolução dos trabalhos nos diferentes sectores, de maneira a cumprir os objectivos estabelecidos; • Resolução de não-conformidades levantadas, de cariz ambiental • Considerar e analisar as expectativas dos clientes e de outros e social, e respectivas acções correctivas, assim como resolução interessados; de reclamações recebidas; • Acompanhar os progressos, nas áreas da Qualidade, Segurança • Constituição de uma subcomissão com o objectivo de aumentar e Ambiente, divulgando-os internamente; o grau de envolvimento dos trabalhadores nos assuntos da quali- • Propor acções preventivas e correctivas no âmbito do Sistema dade, segurança e ambiente; de Gestão; • Identificação e resolução das necessidades de qualificação pro- • Adequar o sistema de gestão às decisões estratégicas tomadas fissional e formação encontradas; pela Administração; • Tomada de acções a tomar no sentido de diminuir os consumos • Rever periodicamente o Sistema; de energia, combustíveis e de acidentes e incidentes no âmbito • Propor alterações à Política e Objectivos de Gestão da Qualida- da segurança e do ambiente. de, Segurança e Ambiente. Pinto & Bentes, S.A. | Relatório de Sustentabilidade | 2009 - 20 -
  21. 21. Governação, Compromisso e EnvolvimentoComissão de Sustentabilidade Gabinete de Qualidade,Para Pinto & Bentes, S.A., que sempre pautou a sua actuação no mercado pela Segurança e Ambientetomada da dianteira na utilização das melhores práticas em termos de qualidade, GQSAsegurança e ambiente, a inclusão efectiva da Sustentabilidade na gestão da Empre-sa, foi um processo simples e linear. Segurança / AmbienteA Comissão de Sustentabilidade, entretanto criada, foi formada com o intuito deobter vários inputs de diferentes áreas da Empresa, de forma a enriquecer o mais Formaçãopossível o trabalho. Os elementos constituintes durante o período deste Relatórioforam: Ana Guerreiro (Gab. Qualid. Seg. e Amb.), André Sousa (Gás, Águas e Organograma 2009:Saneamento), Carla Canseiro (Núcleo Desenv. Autarquias e Particulares), CarlosMazzetti (Subestações, delegação de Aveiro), Cristina Martins (Gab. Qualid. Seg. eAmb.), Helder Godinho (Gás, Águas e Saneamento), Jaime Branco (Núcleo deAprovisionamento e Logística, e Mecânica e Metalomecânica), Jonathan Bandeira Organograma 2010:(Administrativo e Financeiro), Pedro Carvalho (Subestações), Ricardo Bentes (Gab.Qualid. Seg. e Amb.), Ricardo Farinha (Empreitada Contínua), Vânia Fernandes Gabinete de Qualidade, Administração(Alta e Muito Alta Tensão) e Vasco Tavares (Internacional). ADM Segurança e Ambiente GQSAA Comissão reuniu várias vezes durante todo o processo, nas suas diferentesfases. Isto permitiu recolher informações e ideias, válidas não só para a elaboração Qualidade e Segurançado documento em si, mas também para a implementação de soluções para ques-tões que se foram levantando com o processo de análise da Empresa. Permitiu Comissão daigualmente que o trabalho fosse distribuído de acordo com as competências dos Ambiente e Sustentabilidade Sustentabilidadeseus elementos, aproveitando conhecimentos e experiências. Foi um trabalho deequipa muito válido, benéfico e muito proveitoso. Formação e Respons. Social Pinto & Bentes, S.A. | Relatório de Sustentabilidade | 2009 - 21 -
  22. 22. Relacionamento com Stakeholders Tendo em conta a rede de pessoas e empresas que interagem com a Pinto & Bentes, e após a sua priorização, considerámos 9 grupos de stakeholders. Ou seja, a partir da longa lista de pessoas e grupos que considerámos serem, de alguma forma, influenciados e/ou controlados pela nossa Empresa ou capazes de nos influenciar/controlar, tentámos perceber em que situações essa influência era de facto significativa. Neste processo adaptámos a Tabela de Priorização da GRI à nossa realidade. O resultado foi o seguinte: Mesmo tendo em conta que já existiam alguns instru- mentos de interacção e comunicação para certos stake- holders (como por exemplo os inquéritos à satisfação de clientes, inquéritos de consulta aos trabalhadores), Clientes foram criados inquéritos específicos para auscultar as principais preocupações em termos de sustentabilidade Fornecedores Trabalhadores dos referidos 9 grupos. No caso dos trabalhadores da Empresa, foi selecciona- do um número de indivíduos (amostragem com um grau de confiança de 85%) para responder a um inqué- rito específico, distribuído e recolhido em mão. Prestadores de Subempreiteiros Serviços Pinto Para os restantes stakeholders os inquéritos foram & entregues e recebidos por e-mail. Em alguns casos, Bentes recorreu-se a um contacto telefónico prévio e a um acompanhamento posterior por parte da Comissão de Sustentabilidade. Tendo em conta que esta Comissão é composta por pessoas das principais áreas de negócio Concorrentes Banca da Empresa, beneficiou-se, sempre que possível, das relações privilegiadas existentes entre estas e os stake- holders. Governo Seguradoras As principais questões levantadas foram comuns à maior parte dos grupos, mas as especificidades das perspectivas diferentes foram um contributo válido, originando um conjunto de dez indicadores que iremos relatar (ver página 51). Pinto & Bentes, S.A. | Relatório de Sustentabilidade | 2009 - 22 -
  23. 23. Relacionamento com StakeholdersCompromissos com Iniciativas ExternasPara além do resultado da auscultação aos stakeholders o nosso relato pretende igualmente dar resposta às expectativas das entidades de referência (em diversas áreas) deque fazemos parte ou com que colaboramos.Do Sector da ConstruçãoAPIEE A APIEE, Associação Portuguesa dos Industriais de Engenharia Energética, é uma Associação sem fins lucrativos que agrupa industriais de engenharia eléctrica, gás e telecomunicações. Tem em vista a defesa dos interesses comuns dos Associados, a sua promoção e real- ce junto das entidades públicas e privadas. A P&B é sócia efectiva (n.º 005) da APIEE desde 30 de Setembro 1996SustentabilidadeBCSD Portugal O BCSD Portugal – Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável é uma associação sem fins lucrativos, criada em Outubro de 2001, cuja missão principal é fazer com que a liderança empresarial seja catalisadora de uma mudança rumo ao Desenvolvimento Sus- tentável e promover nas Empresas a eco-eficiência, a inovação e a responsabilidade social. Propusemos a nossa entrada no final de 2009ParceriasAramus É uma Empresa dedicada à prestação e gestão de serviços de manutenção integral de instalações, sistemas e equipamentos – facilities – e de outros serviços técnicos de suporte à actividade central dos clientes empresariais. A P&B colabora com a Aramus desde 2004Gasfomento A Gasfomento é uma Empresa com actividades no âmbito da Eficiência Energética, Energia Solar e Serviços Gasistas. A P&B colabora com a Gasfomento desde 2006Postejo A Postejo é uma Empresa que se dedica à fabricação de postes de betão para linhas eléctricas A P&B colabora com a Postejo desde 2001CertificaçãoGabinete O Gabinete Nacional de Segurança, através da Autoridade Nacional de Segurança, nos moldes do Decreto-Lei n.º 170/2007, credenciouNacional de a Pinto & Bentes nos graus de segurança Nato Confidential, Confidencial e Confidentiel U.E., habilitando-a à realização de trabalhos emSegurança instalações contendo matérias classificadas. A P&B é certificada pelo Gabinete Nacional de Segurança desde 2008. Pinto & Bentes, S.A. | Relatório de Sustentabilidade | 2009 - 23 -
  24. 24. Ac t u a ç ã o S u s t e n t á v e l d a E m p r e s a Desempenho Económico O Desempenho Económico de uma Empresa é um dos três pilares fun- Da análise aos resultados da consulta aos stakeholders, conclui-se que damentais da Sustentabilidade, juntamente com o Desempenho Ambien- os indicadores económicos não foram dos aspectos mais referidos. tal e o Desempenho Social, descritos mais à frente. Questões relacionadas com o Desempenho Ambiental e o Social foram indicadas prioritariamente. De acordo com cumprimento dos requisitos Logicamente, uma Empresa Sustentável deverá ser económica e finan- G3 da GRI, optou-se por relatar o Valor Económico Directo Gerado e ceiramente saudável, caso contrário poderá pôr em risco a sua existên- Distribuído (EVG&D), que se acredita darem uma imagem completa e cia e a dos elementos que integram a sua cadeia de valor. adequada do Desempenho Económico da Pinto & Bentes. No difícil contexto económico actual, os indicadores de cariz económico É importante referir que alguns parâmetros apresentam dados de vários traduzem naturalmente as dificuldades que as Empresas, em geral, atra- anos, para que se consiga uma imagem mais completa da progressão vessam. A Pinto & Bentes, que nos últimos anos tem demonstrado um dos aspectos económicos. Os dados dos anos anteriores são dados bom desempenho, está a efectuar um reposicionamento e uma reestru- fechados, auditados e confirmados. Os dados do ano 2009 ainda não turação interna que permita reforçar a Empresa em todas as suas áreas são definitivos. No próximo ciclo serão apresentados os dados após con- de negócio, com base nos nossos valores de Responsabilidade, Segu- firmação final, que poderão apresentar algumas diferenças decorrentes rança, Eficiência e Respeito. do processo de fecho; mas, actualmente são estes os dados disponíveis referentes ao ciclo de relato e serão estes que servirão como referência. Pinto & Bentes, S.A. | Relatório de Sustentabilidade | 2009 - 24 -
  25. 25. Ac t u a ç ã o S u s t e n t á v e l d a E m p r e s aVendas LíquidasNos últimos 3 anos a Pinto & Bentes tem vindo a ter uma evolução positiva em grande parte devido às limitações do desenvolvimento da economia nacional etermos de volume de negócios. Em 2009 atingiu cerca de 30 Milhões de Euros de mundial, em particular o sector da construção sofreu uma quebra acentuada, comvendas, apesar de uma ligeira redução comparativamente com o ano anterior, em consequência ao nível das infra-estruturas. Vendas Líquidas (Milhões de Euros) EBITDA (Milhões de Euros) Resultados Lí quidos ( M ilhares de Euros ) 288 254 32,6 30,2 27,3 1,7 1,5 173 1,3 2007 2008 2009 2007 2008 2009 2007 2008 2009 Pinto & Bentes, S.A. | Relatório de Sustentabilidade | 2009 - 25 -
  26. 26. Ac t u a ç ã o S u s t e n t á v e l d a E m p r e s a Distribuição da Produção Analisando a distribuição de produção pelas áreas de negócio da to das áreas da Empreitada Contínua e da Distribuição, que consti- Pinto & Bentes verifica-se que área de Muito Alta Tensão representa tuem uma elevada quota de produção. De destacar a aposta na uma parte significativa da produção da Empresa, resultado da aposta diversificação do negócio, em áreas como o Gás e Saneamento, na melhor utilização do know-how, dos meios e da alta especializa- Obras de Autarquias e Particulares e Subestações, que já represen- ção de mais de 57 anos de história nesta área. De realçar o contribu- tam uma percentagem interessante. Distribuição da Produção 6,7% 30,3% Gás, Águas e Saneamento 6,9% Distribuição Eléctrica Trabalhos em Tensão 2,3% Área de Negócio Alentejo Autarquias e Particulares Alta e Muito Alta Tensão 10,1% Projecto Subestações 1,8% Área de Negócio Região Norte 3,5% Metalomecânica e Mecânica Automóvel Telecomunicações 6,6% 1,6% Trabalhos Ferroviários 1,8% Energias Renováveis 5,0% 5,0% Internacional 1,2% Empreitada Contínua 0,7% 0,5% Outros 15,9% Pinto & Bentes, S.A. | Relatório de Sustentabilidade | 2009 - 26 -
  27. 27. Ac t u a ç ã o S u s t e n t á v e l d a E m p r e s aValor Económico DistribuídoA Pinto & Bentes directa e indirectamente distribui valor acrescentado pelos um elevado número de pessoas que se relacionam com a Empresa.fornecedores nacionais e trabalhadores da Empresa alcançando desta forma Custos com Pessoal Fornecim entos e Serviços Externos Investim entos Im posto sobre o Rendim ento (Milhares de Euros) (Milhares de Euros) (Milhares de Euros) (Milhares de Euros) 184 7,0 7,5 7,8 1.663 25,8 129 132 20,7 20,3 765 221 2007 2008 2009 2007 2008 2009 2007 2008 2009 2007 2008 2009IndicadoresOs principais indicadores de performance apresentados indicam umaevolução positiva, revelando uma maior solidez da Empresa. EBITDA/Vendas Autonom ia Financeira Cobertura do Im obilizado 5,6% 5,3% 4,5% 3,7 4,0 17,8% 14,7% 14,6% 2,1 2007 2008 2009 2007 2008 2009 2007 2008 2009 Pinto & Bentes, S.A. | Relatório de Sustentabilidade | 2009 - 27 -
  28. 28. Ac t u a ç ã o S u s t e n t á v e l d a E m p r e s a D e s e m p e n h o Am b i e n t a l As preocupações ambientais já não são uma novidade. Nos dias de hoje ambiental, informadas, e que se alinham e motivam por é impossível não existir uma consciência dos problemas e das medidas Empresas ambientalmente responsáveis. a tomar para uma redução ou mesmo eliminação dos impactos causa- • Melhorias ambientais podem levar à implementação de dos pelas várias actividades, quer seja pela informação disponível, quer soluções inovadoras. pela legislação publicada, que tende a ser cada vez mais rigorosa. • Descoberta de novos mercados. Muitas vezes as imposições legais são vistas apenas como exigências Da consulta aos stakeholders, juntamente com o processo de identificação que implicam investimentos e, consequentemente, acréscimos de cus- dos Aspectos Ambientais e avaliação dos Impactes Ambientais, chegámos tos. No entanto, é importante reconhecer que as melhorias ambientais, aos principais impactos decorrentes das actividades desenvolvidas pela Pinto tanto as impostas, como as realizadas por iniciativa própria, se traduzem & Bentes. São estes os impactos que nos interessa primeiramente medir, quase sempre em ganhos: controlar e melhorar. Os indicadores escolhidos estão directamente relaciona- dos com os principais impactos, com o objectivo de nos auxiliar na sua moni- • Benefícios económicos – poupança de recursos e mate- torização, e no processo da sua gradual melhoria. riais promovidos por questões ambientais levam a meno- res custos operacionais e à optimização de linhas de pro- dução. O simples facto de se disponibilizar informação concreta, por • Redução de riscos e benefícios fiscais – o incumprimento exemplo dados de consumos de recursos, leva a uma consciencia- de legislação ambiental pode levar a penalizações, coi- lização e a uma mudança de atitude. É o chamado o “Efeito Prius” mas, perdas de certificações, que fragilizam grandemente – ao conduzir o automóvel híbrido da Toyota, o condutor consegue uma Empresa. verificar em tempo real quais os consumos efectuados, ficando • Resposta a pressões colocadas através da cadeia de valor consciente dos efeitos dos seus hábitos de condução, e de como e por outros stakeholders, e melhoria da imagem da ajustá-los, competindo consigo próprio para baixar os consumos. Empresa. Não se consegue mudar o que não se conhece, ou gerir o • Atracção e manutenção dos melhores trabalhadores nas que não se mede. Daí ser tão importante a concretização real em Empresas – pessoas que têm elevada consciência valores, dos impactos ambientais. Pinto & Bentes, S.A. | Relatório de Sustentabilidade | 2009 - 28 -
  29. 29. Ac t u a ç ã o S u s t e n t á v e l d a E m p r e s aProdução de Gases de Efeito de EstufaA actividade da Pinto & Bentes distribui-se actualmente por Portugal continental, e tam- Assim optou-se por relatar os indicadores EN16 e EN17 na mesma alínea, por transmitirbém por mercados internacionais, que, dada a dimensão do seu contributo estão fora do uma quantificação mais completa e correcta deste, que pode ser considerado como oâmbito deste Relatório. A produção de Gases de Efeito de Estufa (GEE’s) é, em primei- principal impacto ambiental da Empresa.ro lugar, resultado da necessidade de deslocações entre os Estaleiros Centrais(localizados nas instalações de Ouressa/ Sintra, Barreiro e Ponte de Sôr) e os diferentesEstaleiros Temporários, para transporte de máquinas, equipamentos, materiais e resí- Total de Emissões Directas e Indirectas de Gases Causadores deduos produzidos, operações essenciais à execução das Obras. E, claro, também de Efeito de Estufa, por Peso (toneladas de CO2 equivalente)mão-de-obra. Ou seja, o transporte e o consequente consumo de combustíveis fósseis,é o principal responsável pelas emissões directas de GEE’s. O funcionamento dasmáquinas e alguns equipamentos deverá ser também quantificado, pois os seus consu- Emissões Directas de Gases de Efeito de Estufa de todas as fontes da propriedade damos ainda são consideráveis e, uma vez que o seu trabalho resulta sobretudo de opera- Empresações de transporte de materiais, produtos ou resíduos, considera-se lógico a sua inclu- Transporte de materiais, produtos e resíduos 1 306, 479 ton de CO2 eqsão no cálculo das emissões directas de GEE’s. Funcionamento de Máquinas e Equipamentos 91, 220 ton de CO2 eqHá também que contabilizar o processo de consumo de combustíveis da estufa de pin- Consumo de Combustível pela Estufa de Pintura 2, 075 ton de CO2 eqtura, embora estes valores sejam muito inferiores comparativamente aos primeiros. Outros processos de combustão (forja) não quantificadoNa categoria fontes de emissão directas de GEE’s pode ainda ser referido o processode combustão da forja da Oficina de Serralharia; no entanto, a sua utilização é tão resi- Emissões Indirectas de Gases de Efeito de Estufa resultantes da Geração de Electricidadedual (em 2009 trabalhou apenas 37 horas) e tão difícil de contabilizar (pelo uso de car- Comprada:vão mineral, cujas emissões resultantes não são axiomáticas), que optámos por não aincluir nestes cálculos. Instalações (armazéns, escritórios, oficinas) e Estaleiros Centrais (EC) Estaleiros Móveis (EM) – obras cuja duração prolongou-se durante todo o período aAs emissões indirectas, também consideráveis causadores de emissões de GEE’s, que que se refere o Relatório (2009)no caso da Pinto & Bentes resultam da geração de electricidade comprada, ou seja oconsumo de electricidade adquirida à EDP. 147, 252 ton CO2 equivalente Pinto & Bentes, S.A. | Relatório de Sustentabilidade | 2009 - 29 -
  30. 30. Ac t u a ç ã o S u s t e n t á v e l d a E m p r e s a Os valores de dióxido de carbono equivalente das emissões directas What is the GHG Protocol? foram obtidos com base em dados específicos da Empresa (os consu- mos de combustível referentes ao ano de 2009), utilizando como The Greenhouse Gas Protocol (GHG Protocol) is the most metodologia a especificada no Greenhouse Gas Protocol (GHG Proto- widely used international accounting tool for government and business leaders to understand, quantify, and manage col), assim como as suas ferramentas de cálculo disponíveis em greenhouse gas emissions. A decade-long partnership www.ghgprotocol.org. between the World Resources Institute (WRI) and the World Business Council for Sustainable Development (WBCSD), the Já as emissões indirectas foram calculadas por estimativa, com base GHG Protocol is working with businesses, governments, and environmental groups around the world to build a new nas informações facilitadas pela EDP Serviço Universal, na Tabela de generation of credible and effective programs for tackling Emissões Associadas a Consumos Médios Anuais presente no seu climate change. folheto informativo intitulado “Rotulagem de Energia Eléctrica”. Para o In “About the GHG Protocol” em www.ghgprotocol.org próximo Relatório esta informação será calculada de forma diferente, pois a partir de Maio de 2009 a EDP passou a informar os seus consu- midores quanto às quantidades de CO2 e outros gases de efeito de estufa emitidas, com base nas fontes de energia utilizadas. Assim, este cálculo, no futuro, resultará de valores mais directos. Total de Emissões Directas e Indirectas de Gases Causadores de Efeito de Estufa: 1 547, 026 ton CO2 equivalentes Pinto & Bentes, S.A. | Relatório de Sustentabilidade | 2009 - 30 -
  31. 31. Ac t u a ç ã o S u s t e n t á v e l d a E m p r e s a Outras Emissões Indirectas Relevantes de Gases Causadores de Efeito de Estufa, por Peso (toneladas de CO2 equivalente)No caso concreto da Pinto & Bentes, os valores deste Indicador não serão maioresdo que os do Indicador anterior. No entanto, a sua ordem de grandeza relativa ésuficientemente elevada para o controle da emissão de GEE’s. Para além dos aspectos já mencionados (logística do transporte de máquinas,Emissões Directas de Gases de Efeito de Estufa de todas as fontes da propriedade equipamentos, materiais e mão-de-obra, funcionamento de máquinas e equi-da Empresa pamentos, incluindo a estufa de pintura e consumos de electricidade), há que Outras Emissões Indirectas – Transporte de empregados considerar outros aspectos importantes que contribuem para estes valores: a 390, 645 ton de CO2 equivalente frota da Empresa é, no geral, bastante antiga, o que leva a que os consumos sejam mais elevados; por outro lado, ainda que muitas das equipas de traba-Estas emissões perfazem 25% do valor anterior, o que pode ser considerado um lhadores permaneçam hospedados durante a semana em locais próximos davalor relevante. Obra, por não compensar as deslocações diárias a partir e para as suas resi- dências, existem sempre as deslocações no início e fim da semana. Foram já Total de Outras Emissões Indirectas Relevantes de Gases Causadores de preconizadas medidas a tomar para minimizar este impacto, conforme se Efeito de Estufa: 390, 645 ton de CO2 equivalente pode verificar na tabela abaixo. Objectivo Meta Métrica Acções Data de início Data de fim Controlar os consumos de combustíveis na frota automóvel, máquinas 01-01-2010 31-03-2010 e equipamentos Acções de Informação/ Sensibilização 01-06-2010 31-12-2010 Manutenção dos equipamentos 01-01-2010 31-12-2010 Reduzir o Consumo de Reduzir em 5% o con- ton de CO2 equiva- Combustíveis sumo de combustíveis lentes Se necessário (se acções anteriores não resultarem) Acção de forma- NA NA ção em Condução Ecológica Se necessário (se acções anteriores não resultarem) criar Sistema de NA NA Penalizações aplicável aos trabalhadores Pinto & Bentes, S.A. | Relatório de Sustentabilidade | 2009 - 31 -

×