Solo -  manejo do solo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Solo - manejo do solo

em

  • 1,571 visualizações

 

Estatísticas

Visualizações

Visualizações totais
1,571
Visualizações no SlideShare
1,571
Visualizações incorporadas
0

Actions

Curtidas
1
Downloads
126
Comentários
0

0 Incorporações 0

No embeds

Categorias

Carregar detalhes

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Direitos de uso

© Todos os direitos reservados

Report content

Sinalizado como impróprio Sinalizar como impróprio
Sinalizar como impróprio

Selecione a razão para sinalizar essa apresentação como imprópria.

Cancelar
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Tem certeza que quer?
    Sua mensagem vai aqui
    Processing...
Publicar comentário
Editar seu comentário

Solo - manejo do solo Presentation Transcript

  • 1. MANEJO DE SOLOS O porque do manejo adequado do solo? O manejo adequado do solo é essencial para a obtenção da produtividade de grãos que permita, ao mesmo tempo, um rendimento econômico satisfatório e a manutenção do potencial produtivo do solo.
  • 2. O que o manejo adequado do solo proporciona? ADEQUADO • Reduz Erosão; • Aumenta diversidade de Vida (plantas, animais, insetos benéficos, micro); • Aumenta Matéria Orgânica; • Aumenta disponibilidade de nutrientes; • Aumenta Estabilidade (de vida, depois $); • Aumenta a independência. INADEQUADO  Aumenta Erosão  Reduz diversidade de Vida  Reduz Matéria Orgânica e perde nutrientes  Reduz Estabilidade (de vida, depois $)  Cria dependência por técnicos, empresas e insumos!
  • 3. Biota do Solo: Qual o tamanho do “Rebanho” do Solo??? 700 a 1500 Kg/ha
  • 4. Fonte: Prof. Paulo Lovato
  • 5. Tecnologias que melhoram na qualidade dos solos relacionada ao manejo adequado, o qual inclui, entre outras práticas: 1. plantio direto;
  • 6. Sistemas de preparo do solo convencional  Eliminação da cobertura do solo;  Desestabilização da estrutura;  Compactação;  Redução da matéria orgânica;  Agrotóxicos: plantas espontâneas, pragas e doenças. Sistema de Plantio Direto (SPD) • Semeadura com revolvimento do solo restrito (linha de plantio ou cova), coberto com palhada; • Brasil: década de 1970, controle químico das plantas espontâneas; • Conservar o solo e economizar combustíveis; • Redução na erosão; • Melhoria da estrutura do solo; • Aumento: fertilidade, retenção de água, matéria orgânica, população e atividade de microrganismos; • Redução: custos de produção (uso de máquinas), penosidade do trabalho. Marcelo Venturi - vento_mar@hotmail.com - http://agroecologia.ufsc.br
  • 7. 2. ROTAÇÃO DE CULTURAS;  A rotação de culturas consiste em alternar, anualmente, espécies vegetais, numa mesma área agrícola. As espécies escolhidas devem ter, ao mesmo tempo, propósitos comercial e de recuperação do solo.
  • 8. Vantagens da rotação de culturas  proporcionar a produção diversificada de     alimentos e outros produtos agrícolas, melhora as características físicas, químicas e biológicas do solo; auxilia no controle de plantas daninhas, doenças e pragas; repõe matéria orgânica e protege o solo da ação dos agentes climáticos; viabiliza do Sistema de Semeadura Direta
  • 9. 3- Terraceamento;  Os terraços de retenção são estruturas transversais construídas na direção da declividade do terreno em nível, com finalidade de reduzir a velocidade da enxurrada e o seu potencial de destruição sobre os agregados do solo.  Terraceamento é indicado para terrenos com declividade entre 4% a 50%.
  • 10. Principais Vantagens dos Terraços  Reduz a velocidade e o volume das águas nas enxurradas;  diminui as perdas de solo, de sementes e de adubos;  diminui o escoamento superficial - run off; e  aumenta a capacidade de infiltração, armazenamento e a retenção da água no solo.
  • 11. 4 - Cordões de pedra em contorno; Prática conservacionista de natureza mecânica, geralmente aplicada ao ambiente da pequena propriedade, em áreas onde há dificuldade de uso da mecanização agrícola, tração motora ou animal, por consequência do relevo e que tenha certa disponibilidade de material, pedras, nas proximidades ou entorno da área, para utilização da prática. Os cordões de pedras em contorno segmentam o comprimento dos declives, fazem diminuir o volume e a velocidade das enxurradas, forçam a deposição de sedimentos, nas áreas onde são construídos, e formam patamares naturais.
  • 12. Finalidades e Benefícios  Segmentação do comprimento de rampa (declives);  controle do volume e da velocidade das enxurradas;  deposição e retenção de uma massa de sedimentos sobre a área onde são construídos;  modificação do microrelevo na faixa compreendida entre os cordões;  aumento da profundidade efetiva sobre a área de deposição;  melhoria das propriedades físico-químicas do solo, sobre a área de deposição.
  • 13. 5 – Consórcio de lavouras / criação / florestas;  A Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) promove a recuperação de áreas de pastagens degradadas busca melhorar a fertilidade do solo com a aplicação de técnicas e sistemas de plantio adequados para a otimização e a intensificação de seu uso.  Dessa forma, permite a diversificação das atividades econômicas na propriedade e minimiza os riscos de frustração de renda por eventos climáticos ou por condições de mercado.
  • 14. Benefícios A integração também:  reduz o uso de agroquímicos;  Evita abertura de novas áreas para fins agropecuários e o passivo ambiental;  Possibilita, ao mesmo tempo, o aumento da biodiversidade e do controle dos processos erosivos com a manutenção da cobertura do solo;  uma alternativa econômica e sustentável para elevar a produtividade de áreas degradadas.
  • 15. 6 - Plantio em curvas de nível  Realizar cultivos em nível significa fazer as operações de preparo do solo, plantio e todas as operações de cultivo no sentido transversal a pendente – cortando o declive -, seguindo curvas de nível – linhas em nível, linhas em contorno, onde uma linha em nível é aquela que possui todos os pontos em uma mesma altura no terreno
  • 16. Cultivo em nível • Objetivo – Reduzir a erosão – Facilitar os tratos na lavoura • Em uma área cultivada em nível – As operações são feitas praticamente em nível – Fileira de plantas, pequenos sulcos e leiras e restos culturais • Formam uma barreira contra a enxurrada diminuindo a sua velocidade e energia • Aumentando a infiltração de água
  • 17. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA  CEARÁ. Secretaria dos Recursos Hídricos. Práticas de manejo e conservação de solo e água no semiárido do Ceará. Fortaleza: Secretaria dos Recursos Hídricos, 2010. 37 p. (Cartilhas temáticas tecnologias e práticas hidroambientais para convivência com o Semiárido ; v. IV). Disponível em: << http://www.labogef.iesa.ufg.br/labogef/arquiv os/downloads/Cartilhavol4Praticasmanejoco nservacaosoloagua_39993.pdf>>. Acesso em: 09 nov. 2013.
  • 18.  BRASIL. Ministério da Agricultura. EMBRAPA. Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradadas. Rio Branco: EMBRAPA, 2003. Disponível em: http://www.ebah.com.br/content/ABAAABVzAA K/livro-praticas-conservacao-solo-recuperacaoareas-degradadas>>. Acesso em: 09 nov. 2013