Geoturismo na cachoeira

134 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
134
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Geoturismo na cachoeira

  1. 1. AS POSSIBILIDADES DE REALIZAÇÃO DO GEOTURISMO NAS IMEDIAÇÕES DA CACHOEIRA DO OURICURI PILÕES/PB Jailson da silva CARDOSO Graduando em Geografia do Depto. de Geografia, UEPB/Guarabira jailsongeografia2010@hotmail.com Gilvânia Ribeiro ROCHA Graduanda em Geografia do Depto. de Geografia, UEPB/Guarabira gilvaniaribeirorocha@hotmail.com Rômulo Sérgio Macedo LINS Prof. Ms. em geomorfologia do Depto. de Geografia, UEPB/Guarabira (orientador) rsmgeo@yahoo.com.brRESUMOO geoturismo é um segmento que pretende divulgar o patrimônio geológico com a finalidade depreservar e ao mesmo tempo, divulgar as riquezas naturais geomorfológicas e geológicas no intuitode explorar essas riquezas levando ao conhecimento dos turistas à importância da educaçãoambiental. Sabe-se que os usuários (turistas) estão preocupados em desfrutar e apreciar ambientesque lhe ofereçam lazer. Esse modelo de turismo contribui para além do conhecimento físico da área,o visitante aprende a desfrutar das belezas naturais com a consciência de valorizar e conservar todasas áreas que obtenham essas potencialidades, para as gerações futuras. A cachoeira de Ouricuríinsere-se no município de Pilões, localizada na Microrregião do Brejo e na Mesorregião do Agresteparaibano, na unidade Geoambiental do Planalto da Borborema. Essa pesquisa tem por objetivodesenvolver um levantamento parcial das possibilidades de implantação do geoturismo nasimediações da cachoeira do Ouricuri - Pilões/PB, além de apresentar os impactos ambientais queocorrem na área. Na metodologia aplicada desenvolveu-se com base nos seguintes procedimentos: otrabalho empírico que ocorreu através da observação do objeto de estudo, na qual se fez uso deregistro fotográfico, anotações em caderneta de campo somado ao levantamento de dados através deconversas informais e, principalmente, aplicação de questionários estruturados com lista livre (commoradores do local). Foi desenvolvido levantamento bibliográfico fundamentado em autores queabordam as discussões que destacam as potencialidades do geoturismo. Os resultados preliminaresnos deram conta das potencialidades que há para a implantação desse segmento na cachoeira nacerteza da geração de emprego e renda se os gestores em todas as esferas políticas planejarem aefetivação do turismo ecologicamente correto. Podemos concluir que se houverem políticaspúblicas voltadas para educação ambiental dos moradores e turistas que frequentam o espaço,poderá ocorrer o turismo sustentável.Palavra chaves: Geoturismo, Geológica, Geomorfológica, Conservação.1 INTRODUÇÃO Os ambientes naturais caracterizados por quedas d’águas conhecidas como cachoeiras comsuas belezas cênicas da formação do relevo, com todo seu potencial biótico e abiótico têmcontribuído para o homem desenvolver atividades de lazer. O indivíduo vai à busca de um produtoque a natureza oferece e o mesmo se utiliza desse meio para relaxar e revitalizar suas energias, as
  2. 2. atividades turistas já ocorriam há muito tempo, porém, o termo “geoturismo” passou amplamente aser divulgado interesse na Europa pelo pesquisador inglês Thomas Hose, em 1995, em uma revistaambiental, sendo que em 2000, o mesmo autor faz uma revisão no conceito de geoturismo,passando a utilizar o termo designado (NASCIMENTO, SCHOBBENHAUS e MEDINA, 2008, p.148). O geoturismo é a provisão de facilidades interpretativas e serviços para promover osvalores e os benefícios sociais de lugares geológicos e geomorfológicos que assegurem suaconservação, para o uso dos estudantes, dos turistas e de tantas outras pessoas interessadas norecreativo e lazer (ROSE apud NASCIMENTO, RUCHKYS e MANTESSO, 2007, p. 5). Éimportante utilizar a interpretação deste patrimônio tornando-o acessível ao publico leigo, além depromover e divulgar o desenvolvimento das ciências terrestres (NASCIMENTO,SCHOBBENHAUS e MEDINA, 2008, p. 148). Nem sempre a realidade coincide exatamente comas ideias teóricas, mas quando começamos a por em prática tudo planejado percebemos o quanto écomplicado, é o caso de alguns enfatizarem a negligência obtida pelo ecoturismo nos recursosnaturais e que este novo segmento poderá contribuir para os fatores abióticos. Os mesmos ressaltamque há uma intenção de utilizar o patrimônio geológico como uma atração turística, mas os turistasnão estão interessados em muitas informações no cenário geológico, o que os usuários querem, édesfrutar, apreciar e aproveitar, já que a ideia é que o turista não obtenha informação, mascontemple as paisagens, mesmo que o turista entenda o processo da formação geológica ele irávalorizar até o momento que se encontra instalado, depois a realidade é outra, o que faz o individuocontribuir para a valorização do aspecto natural geológico é uma educação ambiental constante. Ogeoturismo está relacionado, portanto, com os recursos naturais muitas vezes negligenciados peloecoturismo. Sendo que os aspectos abióticos podem ter, basicamente, três motivações: recreação,lazer e aprendizado, todos contribuindo para a conservação de atrativos como cachoeiras, cavernas,afloramentos rochosos etc. (BENTO e RODRIGUES, 2007, p. 59). É importante salientar que obioma com todo potencial turístico devem ser preservados para as gerações futuras semcomprometer os seres bióticos e abióticos existentes. O turismo ecológico compreende uma viagem ambientalmente responsável, com visitação de áreas naturais relativamente preservadas, no sentido de vivenciar e apreciar a natureza, que promove a conservação, tem baixo impacto e promove, de forma benéfica, o envolvimento socioeconômico ativo das populações locais. (CEBALLOS-LASCURÁIN (1993) Apud SEABRA 2001). Segundo a companhia de pesquisa e recursos minerais (CPRM 2005) enfatiza que avegetação do município de Pilões é formada por florestas Subcaducifólica e Caducifólica, própriasdas áreas agrestes. Na área em estudo observa-se que a mata nativa na sua formação ocorre à
  3. 3. predominância de uma vegetação diferenciada das demais tipologias do bioma caatinga, já que namesma é possível enxergar uma vegetação de flora fechada. A vegetação do vale é constituída por árvores com tais características: caule longo, com folheamentos densos, com característica da caatinga hipoxerófila a mesma contém poucas cactáceas e bromélias. Em grande contraste com a cobertura vegetal dos diferentes tipos de caatinga ocorrem serras úmidas, baixos e brejos, revestidos de florestas tropicais. O contraste ecossistêmico hidrológico é berrante nesses setores de mudança rápida e radical de vegetação. Em meios às serras úmidas, ocorrem solos de decomposição funda e pedogênese generalizada, incluindo espécies arbóreas de Mata Atlânticas e relictas da flora Amazônica. (LIMA 1966 apud AB’SABER 2009). As potencialidades paisagísticas do vale do Ouricuri bem como de formação de relevo.De acordo com Guerra (1993) são características de vales em forma de V em rochas cristalinas ouaté mesmo de arenitos, onde aparecem vales como vertentes abruptas, ou seja, vales em garganta.Na área em estudo percebe-se uma interligação com a vegetação nativa e o relevo. O curso fluvial que recorta a declividade dos afloramentos rochosos1, ocasionando umagrande queda d’água origina as cachoeiras. Segundo Jatobá; Lins (2003) com o aumento dadeclividade de uma área causada pelo um rio ocorre um acréscimo da velocidade deste, quando essedesnível topográfico é vertical formam-se as cachoeiras. Levando-se em conta os fatoresmorfogenéticos, podem ser classificar nos seguintes tipos: cachoeiras em escarpa de falha e pelasdiferenças de durezas dos terrenos. Essa pesquisa tem por objetivo desenvolver um levantamento parcial das possibilidadesde implantação do geoturismo nas imediações da cachoeira do Ouricuri - Pilões/PB, na perspectivade dinamizar o desenvolvimento do geoturismo nessa área, tendo como base amenizar os impactosambientais e diminuir a aceleração da degradação ambiental, na tentativa de gerar um turismo desustentabilidade, utilizando-se dos recursos de maneira racional sem comprometer o bioma,deixando como legado para futura geração sem intervir no meio ambiente.2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Segundo Nascimento, Schobbenhaus e Medina (2008 p. 148), ambos enfatizam que ogeoturismo pode ser definido como o turismo ecológico com as informações e atrativos dopatrimônio geológico. Sendo que irá abranger a descrição de monumentos naturais, dos parquesgeológicos, dos afloramentos rochosos, das cachoeiras, das cavernas, dos sítios fossilíferos, daspaisagens, fontes termais, minas desativadas, bem como, outros pontos e sítios de interessegeológico.1GUERRA, Dicionário Geológico Geomorfológico, p.5. “Toda e qualquer exposição de rocha na superfície da Terra”.
  4. 4. De acordo com o Geoturismo Brasil (2007) ressalta que o patrimônio geológico sãorecursos naturais em transformação pelos processos geológicos que necessita de cuidados para suapreservação levando em conta que alguns afloramentos podem ser tão frágeis quanto um habitat domeio biótico, os mesmos patrimônios são os afloramentos de rochas, a ocorrência de fosseis,minerais, estruturas geológicas e até mesmo paisagens que apresentem um significado didático,científico, cultural ou turístico, conhecidos como geossítios. O bioma caatinga encontra-se ameaçado, devido à exploração feita por extrativista dapopulação local, outro fator que contribuiu foi a super-exploração desse espaço para o uso agrícolalatifundiário, desde a ocupação do semiárido a degradação tem ocorrido com rapidez. Lima et al(2009 p.3). De acordo com Guerra e Marçal (2006) o turismo pode estar totalmente relacionado aosmeios físicos, como também é uma atividade que pode estar ligada intimamente e vinculada àexploração de áreas naturais, oferecendo um turismo de aventura, um turismo ecológico, ouqualquer outra modalidade ou termo que se crie. Ab’saber (2009) ressalta que no Planalto da Borborema uma espécie de “maciçocentral” do Nordeste, posição para o leste, há a predominância de matas de encostas na vertenteleste e sudeste no platô cristalino. E que em alguns casos, a umidade vinda de sudeste e lestecontribuem para o desenvolvimento de matas cimeiras, de encostas e de piemonte. “Na ocasião, fáceis espinhentos das caatingas as fixaram em pequenos setores rochososde serrinhas, piemontes de pães de açúcar e eventuais lajedos de rochas graníticas ou similares.”Ab’saber (2003 p. 146). Segundo Ferreira (2010 p. 37) afirma que o material geológico na Serra do Espinho écomposto por granítico e gnáissico, que compõe de forma geral o arcabouço, com uma estruturaçãocompacta e homogênea, mas é possível enumerar diversos pontos desse material rochoso que aflorae apresenta significantes planos de fraturas, diáclases e pequenas dobras.3 MATERIAL E MÉTODO Segundo a Companhia de Pesquisa e de Recursos Minerais (CPRM, 2005), a cachoeirade Ouricurí pertence ao município de Pilões que está localizado no estado da Paraíba inserido namicrorregião do brejo e na Mesorregião do Agreste paraibano, na unidade geoambiental no Planaltoda Borborema. Sua formação de relevo é de vales profundos, estreitos e dissecados 2 , e possuiafloramentos das rochas, há uma variação com altitude entre 650 a 1000 metros. A sede do2 GUERRA, Dicionário Geológico Geomorfológico, p. 138. “Diz-se da paisagem trabalhada pelos agenteserosivos."
  5. 5. município possui uma altitude aproximada de 334 metros, com distância da capital de 117 km comacesso a partir de Guarabira/PB a João Pessoa, pelas rodovias BR 230, BR 104, PB 079 e PB 067. A área em estudo encontra-se no município de Pilões, inserido nos domínios da baciahidrográfica do rio Mamanguape. A pesquisa desenvolveu-se com base nos seguintes procedimentos: levantamentobibliográfico fundamentado em autores que abordam as discussões que destacam as potencialidadesnaturais: Brilha (2005) que ressalta a importância do Patrimônio Geológico e sua Geoconservação;CPRM (2008) enfatiza a importância do patrimônio geológico e o turismo sustentável; Fonteles(2004) relaciona o turismo e os impactos socioambientais, dentre outros conteúdos, trabalha com oconceito de patrimônio ambiental, implicações e exploração turística dos recursos naturais; Seabra(2001) faz uma abordagem do turismo ecológico; Guerra e Marçal (2006) com ênfase no meioambiente;Lacerda e Barbosa (2006) ressalta a importância do bioma caatinga nos seus domíniosnordestinos. Ab’saber (2009) ecossistemas do Brasil. O trabalho empírico ocorreu através da observação do objeto de estudo, especificamenteao fazer um estudo da localização e da caracterização da área, na qual se fez uso de registrofotográfico, anotações em caderneta de campo, somados a levantamento de dados através deconversas informais e, principalmente, aplicação de questionários estruturados com lista livre (commoradores do local), para compreensão das potencialidades naturais como das belezas cênicas.Portanto, foi levada em consideração a visão dos moradores do entorno da cachoeira, em relaçãodas riquezas naturais. Foram realizadas pesquisas em periódicos na internet e sítios oficiais, os quaiscontribuíram para o desenvolvimento do estudo, como: Companhia de Pesquisa e RecursosMinerais (CPRM) com caracterização do município e da respectiva bacia hidrográfica do rioAraçagi e Araçagi – Mirim. RESULTADO E DISCUSSÃO A cachoeira de Ouricurí destaca-se pela sua formação do relevo, com uma topografia devale “V”, com predominância dos afloramentos rochosos ao longo do rio Araçagi, além de manterdurante o inverno grande volume hídrico e no verão mantém um fluxo menor, mas pode-se percebera formação de marmitas no curso do rio, devido à queda d’água ocasionada pela cachoeira quesegue transportando os materiais sedimentais depositando de rio abaixo. Guerra e Guerra (2008) mencionam: A cachoeira como sendo, uma queda d’água nocurso de um rio, ocasionada pela existência de um degrau no perfil longitudinal do mesmo. Ascausas da existência dessas diferenças de nível no leito do rio podem estar ligadas a falhas, dobras,
  6. 6. erosão diferencial, diques. No sopé da cachoeira geralmente há o aparecimento de marmitas oucaldeirões, produzidos pelo choque das correntes fluviais. Geralmente as águas carregamsedimentos de diversas dimensões depositados em suspensão, que são responsáveis pela escavaçãodas marmitas3 de turbilhonamento. No caso da cachoeira do Ouricuri as marmitas encontram-senum espelho de falha da encosta oriental do Planalto da Borborema, embora o degrau tectônicoesteja muito mascarado pela erosão. Figura 1: Marmitas do leito baixo do Rio Araçagi. Fonte: Acervo pessoal. Pode-se perceber que nas margens do rio existe pouca mata ciliar, a ação antrópica temcontribuído para a retirada das matas nativas na área em estudo, o que tem acelerado ainda mais adegradação ambiental e a formação de voçorocas, as matas ciliares tem uma suma importância paraa conservação, bem como, para manter o volume hídrico dos rios, são através delas que se evita oassoreamento dos rios e os seres bióticos continua habitando em harmonia. Segundo Viana (1990)apud Lacerda e Barbosa (2006), enfatiza que a degradação e fragmentação desses ecossistemascompreendem na diminuição da diversidade biológica, nos distúrbios dos regimes hidrológicos debacias hidrográficas, além das graves consequências que se obterão com as mudanças climáticas ecom a alteração na qualidade de vida das populações tradicionais. Mesmo com toda essa alteração nas imediações da cachoeira há uma potencialidadegeológica e geomorfológica que necessita de preservação juntamente com todo ecossistema, para3 GUERRA, Dicionário Geológico Geomorfológico, p.6. “Buracos que aparecem nos leitos dos riosproduzidas pelas águas turbilhonares.”
  7. 7. cachoeira tornar-se conservada terão que ser tomada algumas medidas por parte dos órgãosresponsáveis no sentido de se preservar um potencial já alterado pelos turistas e moradores, será útilum planejamento turístico, visando reservá-la para as gerações futuras caso contrário não será maisvista nem utilizada por nenhum indivíduo. Figura 2: Cachoeira do Ouricurí. Fonte: Acervo pessoal Em suas explanações a cerca do planejamento, Barretto (2005) explicita a importância domesmo, e ressalta que planejar turismo significa harmonizar o atendimento às necessidades epropiciar o bem estar de sujeitos sociais provenientes de outro lugar, dentro de uma sociedadereceptora e seu meio ambiente, considerando os sujeitos dessa sociedade receptora em relação aosturistas e entre si.
  8. 8. Atividades de subsistência Agricultura Comércio Outros Na aplicação dos questionários aos moradores quando perguntados quais as atividadesutilizadas pelos próprios na área in loco, 81,82% ressaltaram que sua principal fonte de renda é aagricultura de subsistência, 18,18% vive da comercialização de alguns produtos e de outras fontesde renda. Presenciamos o cultivo de uma agricultura, mas sem nenhuma preocupação ambiental,pois, havia queimadas e o cultivo irregular sem obedecer às curvas de nível do terreno. Segundo Araujo, Almeida e Guerra (2009 p. 35) afirmam que a expansão do cultivo temcontribuído para o corte das árvores de arbustos e herbáceas, para as queimadas da serrapilheira4para dar ênfase ao plantio de culturas por dois ou cinco anos nas clareiras abertas, que só entãopermitirá o retorno da cobertura vegetal para a regeneração do solo, podendo o período debarbechos durar cinco a quinze anos dependendo do solo e do tipo de vegetação. Perguntamos quanto à preservação da cachoeira 72,73% dos moradores disseram serpreservada e 27,27% afirmaram não ser nada preservada. Podemos observar que não há preservaçãojá que não existe nenhum planejamento turístico e ambiental, onde ocorrem derrubadas das matasciliar, resíduos são lançados nos rios, retirada da cobertura vegetal e pichamentos são feitos nasrochas. Para Brilha (2005 p. 40) as atividades de exploração aos recursos minerais podemconstituir uma ameaça a geodiversidade, em dois níveis conhecidos, como as explorações daspaisagens e dos afloramentos rochosos, na exploração da paisagem, quando não se utiliza nenhumaestratégia para minimizar os impactos negativos da paisagem natural implantada na região, ou então4 Mineropar. Glossário de termos geológicos. Denominação aplicada à camada superficial de material orgânico que secobre os solos consistindo de folhas, caules, ramos, cascas, frutas e galhos mortos, em diferentes estágios dedecomposição, em uma mata. Sin.: Liteira.
  9. 9. dos afloramentos das rochas, ocorre na realização das atividades extrativas, que pode de igual mododestruir as formações e as estruturas das rochas, que por alguma razão venha conter um valorparticular. Quanto à coleta de resíduos sólidos se havia alguma regra sistemática 72,73% enfatizaramque há sim, mas de vez em quando faz essa coleta, outros 27,27% afirmaram não saber. Éimportante salientar que os lixos são depositados nas margens do rio quando os órgãos responsáveisnão coletam os resíduos utilizados pelos moradores e turistas que frequentam a cachoeira queconsequentemente irá contribuir para a contaminação do regime hídrico. De acordo com Tundisi eTundisi (2008 p.379) inúmeras são as atividades humanas que degradam os ecossistemas lóticos5 eque não só interferem na qualidade das águas e em seus mecanismos de funcionamento, masalteram suas estruturas físicas, nas suas várzeas e na recuperação desse sistema. São diversaspessoas que nos feriados e finais de semana utilizam a Cachoeira de Ouricurí como espaço de lazer,e a mesma está inserida na rota cultural caminhos do frio projeto do SEBRAE em parceria com osmunicípios do Brejo Paraibano que vem apoiando as manifestações culturais e riquezas naturais dosmunicípios, inclusive o do município de Pilões, é bom salientar que não faltam banhistas (turistas)na área, mas o número é bem maior nos feriados e especialmente na rota cultural, já que se darênfase e incentivos através da divulgação da mídia, infelizmente ocorre todo apoio somente nesteperíodo, fazem até a coleta dos resíduos sólidos, além de aumentar o fluxo dos turistas na cidade,depois continua sem planejamento e sem cuidado ambiental, o que demonstra que os gestores nãoestão preocupados com que poderá suceder com a cachoeira no futuro, mas de imediato querem umretorno capitalista e expõem a mesma como produto natural. Mesmo considerando que o turismocontribui para o processo de desenvolvimento econômico, este ocorrendo de forma desordenadaintensifica o processo de degradação do espaço. “Ele promove, transforma o lugar em mercadoria eestabelece o valor de uso de bens culturais. [...] Espaços turistificam-se no momento em que sãoreorganizados no sentido de satisfazer os desejos de uma clientela que vem de fora”. (FONTELES,2004, pag.42).CONSIDERAÇÕES FINAIS A partir desta pesquisa, chegou-se a conclusão que, para haver um devido trabalhovoltado na realização do geoturismo nas proximidades da cachoeira do Ouricuri, necessita dedecisão- administrativa dos gestores, que por sua vez, além de incentivar esse potencial, deveriaelaborar projetos, para amenizar a degradação, bem como nos impactos ocorridos nas imediações damesma, preocupando-se principalmente com a conservação da cobertura vegetal, da coleta dos5 Mineropar. Glossário de termos geológicos. Denominação utilizada para as águas correntes, como a dos rios.
  10. 10. resíduos sólidos, das queimadas, e fomentar na valorização de uma educação ambiental aosmoradores, dando ênfase há práticas agrícolas sustentáveis, que desta forma possibilitaria numacontinua subsistência aos mesmos, e consequentemente ajudaria no equilíbrio do bioma, em queestão inseridos. E aos usuários (turistas), seria importante enfatizar, que é preciso preservar meiosabióticos e bióticos, como o relevo e toda estrutura geológica para as gerações futuras, comofocalizando um possível planejamento ambiental, tomando como consideração, um turismosustentável, enquanto se divertem.REFERÊNCIASAB’SABER, Aziz, MARIGO, Luis Claudio. Ecossistema do Brasil. São Paulo, Metalivre, 2009.AB’SABER, Aziz. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo:Ateliê Editorial, 2003.ARAUJO, Gustavo Henrique de Souza; ALMEIDA; Josimar Ribeiro de; e GUERRA, Antônio JoséTeixeira. Gestão ambiental de áreas degradadas. 3ª Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.BARRETTO, Margarita. Planejamento responsável do turismo. São Paulo: Papirus, 2005.BENTO, Liliam Carlo Moreira, Rodrigues, Sílvio Carlos. Geomorfologia fluvial e o geoturismo - Opotencial turístico de quedas d’água do município de Indianópolis, Minas Gerais. UniversidadeFederal de Uberlândia, 2009. Disponível em: http://www.sbe.com.br/ptpc/ptpc_v2_n1_057-068.pdf< Acessado em: 17/03/12>.BRILHA. José. Patrimônio Geológico e Geoconservação: A conservação da natureza na suavertente geológica. Braga, 2005. Disponível em:http://www.dct.uminho.pt/docentes/pdfs/jb_livro.pdf< acessado em 08/02/12>CPRM - Serviço geológico do Brasil. Projeto cadastro de fontes de abastecimento por águasubterrânea. Diagnóstico do município de Pilões, estado da Paraíba. Organizado [por] João deCastro Mascarenhas, Breno Augusto Beltrão, Luiz Carlos de Souza Junior, Franklin de Morais,Vanildo Almeida Mendes, Jorge Luiz Fortunato de Miranda. Recife: CPRM/PRODEEM, 2005.FONTELES, Jose Osmar. Turismo e impactos socioambientais. São Paulo: Aleph, 2004.GUERRA, Antonio José Teixeira; MARÇAL, Mônica dos Santos. Geomorfologia Ambiental. Riode Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.GUERRA, Antônio José Teixeira, Cunha, S. Baptista. Geomorfologia uma atualização e conceitos.8ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.JATOBÁ, Lucivânio. Introdução à geomorfologia. Ed 4ª Recife: revista ampliada, 2003.LACERDA, Alecksandra Vieira de; BARBOSA, Francisco Maria. Matas ciliares nos domínios dascaatingas. São Paulo: UFPB, 2006.NASCIMENTO, Marcos Antônio Leite do, RUCHKYS, Úsula Azevedo, MANTESSO, Virgínio.Geoturismo: Um novo segmento do turismo no Brasil. Global Tourism. ISSN: 1808-558x. Vol.3, nº
  11. 11. 2. Novembro, 2007. Disponível em: http://www.periodicodeturismo.com.br/site/artigo/pdf/Geoturismo_< Acessado em 05/03/12>.SEABRA, Geovani de Farias. Ecos do turismo. Campinas, S/P: Papirus, 2001.SILVA, Cassio Roberto da. Geodiversidade do Brasil: Conhecer o passado, para entender opresente e prever o futuro. Rio de Janeiro. CPRM, 2008. Disponível em:<http://www.cprm.gov.br/publique/media/geodiversidade_brasil.pdf>. Acessado em: 12/03/12.SILVA, Samara de Souza; XAVIER, Thiago Souza e LIMA, Vagner da Cunha. A questão do Semi-Árido e o bioma Caatinga. Disponível em:<http://www.geo.ufv.br/simposio/simposio/trabalhos/resumos_expandidos/eixo12/022.pdf>. Acessado em:18/04/12.TUNDISI, José Galizia, TUNDISI, Takako Matsumura. Limnologia. São Paulo: Oficina de textos, 2008.Sítios consultadoshttp://www.geoturismobrasil.com/patrimonio.html. Acessado em: 21/04/12.http://www.mineropar.pr.gov.br/modules/glossario/conteudo.php?conteudo=A. Acessado em21/04/12.http://www.mineropar.pr.gov.br/modules/glossario/conteudo.php?conteudo=S. Acessado em21/04/12.

×