ITS

543 visualizações

Publicada em

Revista Its.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
543
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ITS

  1. 1. Estudantes dividem o tempo entre os cadernos e os cuidados com a casa Fique ligado nos assuntos que estarão presentes nos principais provas do país Carolina Pires esta dividida entre duas profissões: Ballet e Direito Conheça as Profissões que estão em alta no mercado de trabalho Confira as dicas da psicóloga para diminuir a pressão do vestibular
  2. 2. Matéria de Capa | Hora da Decisão ProfissõesemPautaEscolaAberta VestibularPeloMundo outubro/2013102 página 18 página 18 12 26 3830 índice Matéria de capa # indice 6 its | facebook.com/itsmidia
  3. 3. editorial Salve galera! A edição #102 é Especial de Educação, com destaque para o vesti- bular. Por isso, fomos atrás das histórias de quem vive esta fase tão importante: a hora de escolher a profissão. Além de conhecer os sonhos e medos dos vestibulandos, mos- tramos, também, o dia a dia daqueles que estão longe da casa dos pais e precisam dividir o tempo entre os estudos e administração do novo lar. Tarefa difícil, a gente sabe. Pensando nisso, pegamos dicas com a psicóloga Maria Olivia Swalb Seleme sobre como dimi- nuir a pressão da rotina árdua de estudos pré-provas. Falando em prova, consultamos dois professores do ensino fun- damental, que destacaram os assuntos que estarão nos principais vestibulares do país. Para você não desanimar e, quem sabe repetir o exemplo, contamos, a trajetória de sucesso de duas feras que se deram muito bem no vestibular e já estão na faculdade. E para quem não vai para a universidade, mas pretende fazer curso técnico, veja a entrevista com o presidente da FIESC, Glauco José Côrte, que destacou o futuro promissor da educação técnica no mercado de trabalho. Boa leitura a todos!!! Abração, até a proxima! Natália Paris Rodrigues AS CULPADAS Matériadecapa Carolina Coral ProfissõesdoFuturo Mel Savi Ap402 Marina Empinotti Pegação Juliana Schweidzon No mês passado, publicamos nossa edição 101, com a vencedora do ITS MY WAY, Gabriela Mattes, e você, tá preparado? Se inscreveu? O vencedor pode ser você! Prof Chefe Fala Galera - querem assistir video aulas iradas? busquem no youtube CHEFENAREDE 1w Colégio Elias Moreira Joinville Entrevista Natália Paris 8 its | facebook.com/itsmidia
  4. 4. Uma publicação do GRUPO RIC Fundador e Presidente Emérito Mario J. Gonzaga Petrelli GRUPO RIC SC Presidente-Executivo Marcello Corrêa Petrelli Diretor Comercial Reynaldo Ramos Diretor Administrativo e Financeiro Albertino Zamarco Jr. Diretor Operacional Paulo Hoeller ITS Diretor Geral: Riadis Dornelles | riadis@portalits.com.br Diretor Geral Santa Catarina:  Bruno Filomeno | bruno@portalits.com.br Marketing: Luiz Cardoso | luiz.cardoso@portalits.com.br Mirella Rzatk | mirella.rzatki@portalits.com.br Diretor de Arte: Eduardo Carvalho Motta eduardo@portalits.com.br Assistente Financeiro: Karin Roesner | karin@portalits.com.br Coodernadora de Eventos: Bárbara Dias | barbara.dias@portalits.com.br Apresentador de Tv: Gabriel Silvestrin gabriel.silvestrin@portalits.com.br Cinegrafista: Lêo Russo | leonardo.russo@portalits.com.br Editor de Tv: Krystopher Andrade krystopher.andrade@portalits.com.br NÚCLEO COMERCIAL: Supervisor Comercial: Fabiano Aguiar | fabiano@ricsc.com.br Gerente Comercial Chapecó: Maristela dos Santos maristela@ricsc.com.br Gerente Comercial Meio Oeste: Leonardo Winter | @ricsc.com.br Gerente Comercial Joinville: Cristian Vieceli | @ricsc.com.br Contato Grande Florianópolis Gustavo Vicente gustavo.vicente@ricsc.com.br Contato Blumenau e Itajaí Ronny Reinhold ronny.reinhold@ricsc.com.br Atendimento Regional Paraná e Rio Grande do Sul Gondil Kurtz | gondil@ricsc.com.br Gerente de Mercado Nacional - SP, RJ e DF Nilton Aquino | nilton@ricsc.com.br Os artigos assinados não refletem necessa- riamente a opinião da revista, sendo de inteira responsabilidade de seus autores. É permitida a reprodução total ou parcial de reportagens e textos, desde que expressamente citada a fonte. Tiragem: 65 mil exemplares Não vacila, Fala aí: (48) 3212.4026 redacao@portalits.com.br Pontos de distribuição: Floripa/São José: Colégio Bom Jesus, Colégio Catarinense, Colégio Energia Jr., Colégio Energia 3ão, Colégio Geração, Colégio Dom Jaime, Colégio Imaculada Conceição, Colégio Menino Jesus, COC Centro, Colégio Tendência 3ão, Colégio Elisa Andreoli, Colégio da Lagoa, COC Córrego, Colégio Tendência Kids, Colégio Cruz e Sousa e Cruz e Sousa SJ. Lojas: Varal, Curso Pascal, Rádio Jovem Pan, Curso Cem, Yázigi Idiomas, El Divino, Mormaii Lagoa e Teatro Vanguarda. Beiramar Shopping: Gang, Sul Nativo, J’Bay, Someday. Shopping Iguatemi: Sul Nativo. Shopping Itaguaçu: J’Bay, Sul Nativo. Balneário /Itajaí: Colégio Energia Itajaí, Colégio São José, Colégio Margirus, Colégio Salesiano, Colégio Unificado Bal. e Colégio Energia Balneário. Itajaí Shopping: World Tenis, Academia Wave, Gang shopping BC, Yázigi Idiomas. Blumenau: Colégio Energia, Colégio Bom Jesus, Colégio Sagrada Família, Colégio Barão do Rio Branco, Colégio Senai e Colégio Etevi. Lojas: Cabanas, Marcello Sports, Yázigi Idiomas, Rádio Mix, Yázigi Brusque e lojas Gang. Criciúma: Colégio Marista, Colégio Energia e Colégio São Bento. Tubarão: Colégio Energia, Colégio Dehon, Colégio Senai e Colégio São José. Lages: Colégio Bom Jesus, Colégio Santa Rosa e Colégio Energia. Rádio Cidade, Yázigi Tubarão e Yázigi Araranguá. Joinville: Colégio Elias Moreira, Colégio Bom Jesus Ielusc, Colégio Santos Anjos e Colégio Tupy/Sociesc, Rádio Jovem Pan, Lojas Gang Shopping Müller, Yázigi Joinville Chapecó: Colégio Marista, Colégio Energia e Colégio Exponencial. Yázigi Chapecó. Jaraguá do Sul: Colégio Marista, Colégio Jangada e Colégio Bom Jesus. Rio do Sul: Colégio Energia e Colégio Dom Bosco. Todas as escolas estaduais, principais agências do estado Expediente www.portalits.com.br editorial Dicas Num gráfico, principalmente num dia- grama dito cartesiano: a)Leiaotítulodográficoparaentenderoassunto. b) Observe as grandezas apresentadas, os dois eixosparasaberoqueestásendorepresentado. c) Verifique as unidades e se há ordens de grandeza “escondidas” nesses eixos. d) Olhe para a “curva” e entenda o comporta- mento geral desse gráfico: se há um compor- tamento único, se há mais de um comporta- mento (crescimento ou decrescimento). e)Procureeidentifiquepontosdemáximoemíni- mo e os “zeros”, pontos onde a curva corta o eixo horizontal. Esses normalmente são pontos bas- tante significativos, pois representam situações emquealgomaisimportanteacontece. f) Interprete o significado desses máximos ou mínimos. g) Verifique os intervalos onde há crescimen- to ou decrescimento. Prof. Ananias Martendal Neto, Licenciado em Física pela UFSC - Professor do Sistema de Ensino Energia e do Curso Pascal em Florianópolis. v e s t i b u l a r Dicas importantes para faci- litar a resolução de questões daprovadoENEM,quepossu- am gráficos, tabelas e diagra- mas esquemáticos. Possivel- mente, seguindo estas dicas você estará antecipando as respostas que serão solicita- das no decorrer das questões. Em tabelas, verifique: a) O título da tabela e as grandezas a serem apresentadas. b) As unidades e outras informações que possam estar “es- condidas” no cabeçalho da tabela. c) Os valores, procurando destacar o maior e o menor valor ou valores que mostrem uma inversão de tendência (os da- dos estavam crescendo e de repente começam a diminuir e vice-versa). d) Observe também que a tabela lhe dá acesso direto aos valores dos dados. O gráfico facilita o entendimento global do conjunto. Portanto, cada um tem sua vantagem. Num diagrama esquemático (fluxograma, organograma, heredograma): a) Identifique os elementos que compõem o conjunto. b) Identifique as relações entre eles: hierarquia, ordem tem- poral, ordem espacial, rotas alternativas entre os elementos. c) Examine o processo completo e procure identificar onde a informação fornecida pela pergunta poderia ser encaixada nesse esquema. 9its | facebook.com/itsmidia
  5. 5. 12 its | facebook.com/itsmidia Algumas coisas interessantes têm acontecido aqui pelas bandas Tupiniquins, como, por exemplo, o fato de que o Brasil é a sétima economia no mundo, vai sediar uma Copa em 2014 e as Olimpíadas em 2016 e, além disso, já deu início à exploração do Pré-Sal. O que isso tudo significa? por Melina Savi especial ntre outras coisas, que o Brasil está em voga e atraindo a atenção de investidores nos mais diversos ramos: hotelaria, serviços, tecnologia, bem-estar, sustentabilidade, educação, transporte e muito, muito mais. E como isso pode lhe impactar? Com três palavrinhas mágicas, poderosas e que podem garantir o seu futuro: geração de empregos. Mas as palavrinhas não fazem acontecer sozinhas, você tem que participar com o seu esforço. De acordo com pesquisa realizada pelo Guia do Estudante, 69% das empresas dizem ter dificuldades para encontrar profissionais qualificados, especialmente na área de exatas, mais especificamente em Engenharia e Tecnologia da Informação. Aí estão duas brechas, mas continue lendo que vamos te mostrar algumas oportunidades profissionais que vão bombar o mercado de trabalho nos próximos anos e te inspirar a traçar um caminho profissional. E profissões em pauta
  6. 6. 13its | facebook.com/itsmidia exatas A engenharia, de acordo com Eli- sete Ternes Pereira, Ph.D em En- genharia Elétrica pela Universidade de Nottingham, Reino Unido, e pro- fessora da Universidade Regional de Blumenau (FURB), está entre as pro- fissões de maior empregabilidade no Brasil hoje: “A elevada deman- da e a falta de engenheiros para a construção e opera- ção das estruturas neces- sárias para a realização da Copa 2014, das Olimpíadas 2016 e para o início da ex- ploração do Pré-Sal é so- mente a ponta do iceberg”. Elisete explica que o Brasil pre- cisa pelo menos dobrar o número de engenheiros para atender às deman- das de crescimento econômico no país: “A oferta de empregos na área hoje é abundante e deve se manter assim pe- las próximas décadas”. A professora e engenheira ressal- ta ainda um fato importante: dentre os países do BRIC (sigla para Brasil, Rússia, Índia e China, países em de- senvolvimento e promessas econô- micas), o Brasil é o país que forma o menor número de engenheiros ao ano e o governo está ciente de que precisa inverter esse índice. O engenheiro de Controle e Auto- mação, formado pela UFSC, Dayson Roberto Waldschmidt, que trabalha em automação de usinas e subes- tações de transmissão de energia, explica que dentro desse nicho espe- cífico, a maior geração de empregos está nas áreas de engenharias de projetos (engenheiros eletricistas e de automação) e nas áreas técnicas (ele- trotécnicos, técnicos em eletrônica, informática industrial e de redes), cha- mando atenção para a formação não apenas nas engenharias, mas também nos cursos técnicos, onde há grandes chances de contratação e boa remu- neração. No mesmo tom, a professo- ra Elisete explica: “Há demanda por engenheiros de todas as áreas, mas as mais tradicio- nais, com a elétrica, química, civil e mecânica estão entre as mais necessárias, embora o país também sofra com a carência de engenheiros nas áreas derivadas”. Além disso, a professora dá uma dica indispensável, explicando que é relevante informar que além de au- mentar o número de engenheiros, o país hoje reconhece a necessidade de agregar alguns componentes na formação dos mesmos, que lhes con- cedam uma visão sociocultural e so- cioambiental mais abrangente e tam- bém domínio da língua inglesa, para garantir a inclusão do profissional no futuro global. Engenharias
  7. 7. 14 its | facebook.com/itsmidia Destaquesustentável: A exploração do Pré-Sal pode fa- zer crescer os olhos de alguns, mas aos olhos dos Engenheiros Ambien- tais, a exploração deve ser vista e re- alizada com a maior cautela possível. Marta Souza Hoffmann, engenheira química e coordenadora do Curso de Engenharia Ambiental e Sanitá- ria da Universidade Comunitária de Criciúma (UNESC), e a engenheira ambiental Paula Tramontim Pavei, co- ordenadora adjunta do mesmo curso, argumentam que o profissional for- mado nesta área poderá auxiliar tan- to no planejamento e gerenciamento ambiental desta atividade, bem como no desenvolvimento de tecnologias necessárias para o controle da po- luição gerada na exploração, benefi- ciamento e consumo de tal recurso, assessorando a implantar ideias e soluções para problemas ambientais que poderão surgir. Dentre esses pro- blemas, as engenheiras listam os se- guintes possíveis impactos ambien- tais, que deverão ser controlados e monitorados por estes profissionais: emissão de CO2 excessiva, possíveis vazamentos de óleo para o Oceano Atlântico, esvaziamento das jazidas e a susceptibilidade a intensos abalos sísmicos, entre outros. Qual é o papel da Engenharia Am- biental e Sanitária dentro das Enge- nharias? É, de acordo com as professo- ras Marta e Paula, o desenvolvimento econômico sustentável, ou seja, um desenvolvimento que respeita os limites de exploração dos recursos naturais no desenvolvimento de pro- jetos e tecnologias. A profissão, que tem papel chave em avaliar, controlar, conservar e recuperar os impactos ambientais de empreendimentos nos ecossistemas naturais, não poderia estar mais de acordo com as tendên- cias mundiais de sustentabilidade e tende a crescer muito agora e no fu- turo, representando um mercado de trabalho aquecido. Engenharia Ambiental e Sanitária Computação O Brasil é o 4º maior mercado de tec- nologia do mundo, você sabia? São 84 milhões de pessoas espalhadas por terras brasucas. Não é pouca gente não. Dentre esses usuários estão empresas, negócios, trabalhadores e estudantes, acessando as tecnologias diariamente, e, para isso, são necessários profissionais competentes na área de computação, nicho de alta empre- gabilidade. Webdesigners, E-commerce professionals, Designers de Games, Pro- gramadores, Desenvolvedores para Ta- blets, entre outras inúmeras especialida- des estão em alta. “O Brasil está passando uma nova revolução na área de informática. Muitos sistemas antigos precisam ser atualiza- dos para funcionar em ambiente Web e, principalmente para as novas tecnologias portáteis, cada vez mais acessíveis ao consumidor”, destaca a professora Claudia Werlich, do curso técnico em Informática da Escola Técnica Tupy, Sociesc Joinville. Segundo a professora, o curso técnico de informática proporciona a rápida capa- citação profissional, suprindo a demanda de mercado. O professor José Carlos Bucholdz, co- ordenador de Ensino da Escola Técnica Tupy, Sociesc Joinville e Tecnólogo em Eletrônica/Automação, explica que, para o desenvolvimento de uma economia for- te e respeitada, o Brasil precisa de uma indústria mais tecnológica, que agrega mais valores aos produtos, que desen- volve mais produtos com tecnologia. Esta prática começou nos últimos anos e irá continuar e, para suprir esta necessidade de uma indústria moderna, é obrigatório o desenvolvimento dos profissionais, come- çando com um curso técnico de qualidade. A importância do curso técnico, então, anda lado a lado com o a importância da graduação nas exatas já que as duas op- ções, no atual cenário brasileiro, garantem altas chances de enquadramento e cresci- mento profissional. Para os interessados, José Carlos explica que um profissional com formação técnica em Informática desenvolve programas de computador, utiliza ambientes de desenvolvimento de sistemas, sistemas operacionais e banco de dados, realiza testes de pro- gramas de computador, executa manu- tenção de programas de computadores, dentre outras coisas. Para saber mais, consulte os sites de escolas técnicas em SC: http://www.sociesc.org.br/ http://www.sc.senai.br/ profissões em pauta
  8. 8. 15its | facebook.com/itsmidia DestaqueemSaúde: Fisioterapia Uma profissão que promete bom- bar nos próximos anos é a Fisiotera- pia, e uma das razões para isso, de acordo com a professora Vera Lígia Bento Galli, fisioterapeuta e pro- fessora do curso de Fisioterapia da Univali, relaciona-se ao aumento na expectativa de vida da população: “A Fisioterapia, com as suas diversas formas de intervenção e seus varia- dos recursos, é uma das profissões que contribuem para a melhora da qualidade de vida das pessoas, so- bretudo porque busca melhorar, incre- mentar a funcionalidade dos indivídu- os, ou seja, busca facilitar a realização das atividades cotidianas, das mais simples às mais complexas”. Em pesquisa realizada pelo Insti- tute of Health Metrics and Evaluation, na Universidade de Washington, cons- tatou-se que a expectativa de vida no mundo para os homens aumentou em 11 anos e para as mulheres em 12, quando comparada a 40 anos atrás, e o estudo mostrou também que, apesar disso, os problemas de saúde aumen- taram, com destaques para problemas cardíacos, que têm conexão direta a inatividade física e alimentação. So- bre este cenário, a professora Vera comenta que “nas áreas de geriatria e gerontologia, o papel da Fisioterapia é fundamental e bastante vasto, sendo que a atuação ocorre em três dimen- sões de cuidado: na prevenção de pa- tologias e disfunções, na promoção da saúde e na reabilitação”. Além de a fisioterapia desempe- nhar importante papel na saúde da população idosa, o profissional da área pode focar em diferentes aspec- tos da saúde: estética (massagens e aplicação de aparelhos), fisioterapia esportiva, do trabalho, neurológica, pediátrica, ortopédica e traumatoló- gica. Esses são apenas alguns exem- plos de áreas de atuação, ou seja, é mais uma brecha para você que se identifica com a profissão e quer bus- car uma carreira de sucesso. BEL PESCE MOHAWK GUY Marissa Mayer Formação: Bacharel em Sistemas Sim- bólicos, Mestre em Ciências da Computa- ção. Toda a formação dela tem ênfase em Inteligência Artificial No que trabalha: Presidente e CEO da empresa Yahoo! Por que é tão legal: porque ela é uma mulher na posição máxima de poder de uma das maiores empresas de tecno- logia do mundo! Go, Marissa! Formação: Engenharia Elétrica, Ciências da Computação, Matemáti- ca, Economia e Administração. No que trabalha: Empreende- dora brasileira que transforma em ouro todos os projetos em que encosta a mão(saibamaissobreelaaqui:belpes- ce.com), de engenharia a educação. Por que é tão legal: Porque, além de ser super nova, é super com- petente, apaixonada pelo que faz e ainda investe o tempo dela escreven- do livros que podem ajudar os outros a empreender, como o “A Garota do Vale”, também disponível online. Também conhecido como Bobak Ferdo- wsi (é o nome dele, poxa!), o cara que ficou famoso na missão da Nasa cha- mada Curiosity, que está no momento explorando a superfície de Marte, pelo seu penteado de moicano decorado com uma estrela descolorida no cabelo Formação: Engenharia Aeroespacial Por que é tão legal? Porque ele rompe com estereótipos de que para ser engenheiro é preciso ser careta!
  9. 9. saideira @limaigor | igor@portalits.com.br profissõesempauta 16 its | facebook.com/itsmidia Diretor executivo da Junior Achievement SC - www.ja-sc.org.br | jasc@brturbo.com Evandro Badin Numa época em que o mercado está sendo disputado por profissionais cada vez mais capacitados, o caráter empreendedor é essencial para todos os profissionais. Seja qual for a área de atuação, o indivíduo precisa ser ativo, arrojado, ter ideias e propor-se a executá-las. Empreendedorismo é uma palavra que está em alta no vocabulário da economia global. No dicionário, o verbo empreender está definido como: deliberar-se a praticar, propor-se, por em execução. Além de garantir uma colocação no mercado, estas características também vão colaborar para o crescimento e sucesso pessoal. Comtantasexigências,osjovensqueestãoingressando no mercado precisam se preparar ainda mais para enfrentar as barreiras do mundo moderno. É necessário que não apenas tomem conhecimento antecipado destes conceitos, como também os coloquem em prática desde cedo. Quanto mais cedo entrarem em contato com o mundo dos negócios, mais preparados estarão. Não basta estar preparado para ser empregado, é preciso ter uma visão empreendedora. Preocupados com o sistema formal de educação, nós da Junior Achievement estamos investindo na complementação do currículo dos adolescentes e jovens, na preparação e capacitação para o mercado de trabalho. Através de programas específicos que estimulam o desenvolvimento pessoal e proporcionam uma visão realista de como funciona a economia, despertamos o espírito empreendedor nos estudantes de escolas e entidades públicas e privadas de todo estado. A Junior Achievement é a maior e mais antiga organização de educação econômica e de negócios do mundo, uma fundação sem fins lucrativos que desde 1919 vem realizando um trabalho de base do empreendedorismo sem igual em todo o mundo. Em Santa Catarina, atua desde 1997. Preparar profissionalmente os estudantes não é tarefa somente para educadores. É necessário que os empresários também se preocupem e valorizem investimentos em projetos de capacitação. Graças à parceria com empresas e escolas que acreditam e confiam no potencial do jovem, conseguimos manter e ampliar a atuação dos projetos, com a participação direta de muitas empresas catarinenses. Nosso maior patrimônio é ver que nestes dezesseis anos já formamos cerca de280miljovensemtodooestadoesaberquetemospotencial paramultiplicarestebenefícionumperíodoaindamenor.Nossa meta é poder agregar à educação formal um conteúdo prático, interessante e desafiador. Mais do que recursos financeiros precisamos ter ao nosso lado empreendedores conscientes da responsabilidade social e comprometidos com a formação para o trabalho das futuras gerações. Empreender, a alma do negócio. 16 its | facebook.com/itsmidia
  10. 10. A hora da mudança por Carolina Coral especial final, sair do colégio e partir pra universidade representa uma grande transformação: mudança do lugar onde se estuda, novos colegas, mais autonomia para se vestir e agir. Mas junto a toda esta liberdade também vêm as responsabilidades. Será que todos estão preparados? Além das mudanças visíveis, existem aquelas que ficam rondando os pensamentos... Qual a carreira seguir? Será que a profissão escolhida será bem remunerada e aceita no mercado de trabalho? Tem como unir o estilo de vida e a vida na universidade? São tantos questionamentos que é praticamente impossível não ficar suando, roendo unhas, noites de insônias e desejando devorar um bolo de chocolate inteiro por dia! Oito estudantes do Terceirão nos contaram como é estar vivendo este momento de grandes transformações. Os principais medos, como lidam com este turbilhão de emoções e dúvidas. Se você está se preparando para o vestibular, certamente vai se identificar com uma destas histórias. Passados onze anos curtindo e aprendendo em cada série do colégio, chega a hora de encarar o vestibular. Mas mais do que os desafios da prova em si existem sonhos, expectativas e ansiedades. A Ahorada 18 its | facebook.com/itsmidia
  11. 11. Amigos desde infância agora no Terceirão do Colégio Cruz e Sousa, Fernanda dos Santos, Luiza Menegon, Carolina Pires e Guilherme Lemos. Virada Carolina Pires, 16, aluna do Terceirão do Colégio Cruz e Sousa, é apaixonada por dança. A mãe é bailarina e seu pai trabalhou em diversas áreas da Comunicação. Fascinada pelo universo de ambos, Carol está em dúvida entre Jornalismo, Relações Internacionais e Psiquiatria. - Quero conciliar a dança com a universidade que escolher– conta. Isto porque ela e os pais não consideram a carreira de bailarina promissora. Mesmo assim, a jovem não deixa de sonhar: - Dançar não é um momento de descontração, mais sim de esforço e dedicação e nunca irei parar. Idealista, Carolina enfatiza: - A universidade não é um fim, mas sim o início de um processo. A DÚVIDA ENTRE A CARREIRA DOS PAIS 19its | facebook.com/itsmidia
  12. 12. A hora da mudança Os amigos Luiza Menegon, 16 anos, e Guilherme Lemos, 17, vizinhos no bairro Santo Antônio e também alunos do Cruz e Sousa, dançam no mesmo grupo da Carol. Luiza, porém, deixou de dançar para dedicar-se aos estudos. Depois de pesquisar com alguns profissionais, a estudante descobriu que seus talentos seriam melhores aproveitados na Engenharia de Alimentos. Está entusiasmada para começar a universidade, pois deixará de estudar matérias que não curte - como as da área de humanas - para se dedicar a outras, como Química e Matemática. Apesar disso, Luiza revela ter medo, principalmente pela perda de todo auxilio e amparo prestado pelos seus professores no colégio. A jovem sabe que na universidade não haverá mais este porto seguro, e que terá que batalhar mais por si mesma. O MEDO DE PERDER O PORTO SEGURO Já Guilherme Lemos quer seguir se dedicando ao mundo das artes. Ainda tem dúvidas se irá se especializar em dança, teatro ou cinema, áreas difíceis no mercado de trabalho. Mas declara-se fascinado pelo universo eclético de conhecimentos. “Existe uma idealização do universo acadêmico, pensamos que os jovens são livres para irem às aulas ou não e estudam somente o que querem”. - diz. No fundo, porém, Guiga sabe que não terá apenas a parte boa da história, que muitas das aulas se manterão no mesmo formato do colégio e talvez alguns professores universitários mantenham as mesmas exigências. Mas está animado em poder começar a circular pelauniversidade,umespaçodediversidadedeinformação.Apesar de sua dúvida em decidir por um curso universitário, a família não coloca pressão. Ele mesmo, porém, coloca: “A exigência maior não é a de não corresponder expectativas, ou de fracassar, mas sim a de não conseguir descobrir exatamente qual curso quero seguir”. A LIBERDADE E AS IDEALIZAÇÕES DECisÃO Ao contrário de Guilher- me, a amiga Fernanda San- tos, 17, está completamente decidida em cursar Direito. O interesse pela área surgiu depois que a mãe, há alguns anos, foi parar na justiça em função de uma causa traba- lhista. Diferentemente de mui- tas colegas suas que “querem fazer di- reito para poder se vestir diariamente de modo chique, fazer cabelo e unha toda a semana”. “porque socialmen- te é uma profissão que dá status e dinheiro” Fernanda se diz apaixona- da pelo Direito e pela possibi- lidade de se realizar profissio- nalmente. Para complementar o colégio, Fernanda começou a assistir a diferentes vídeos- aulas na internet para ir além do que os professores ensi- nam em sala de aula. POR CONVICÇÃO E NÃO POR STATUS Luiza Menegon, 16, Colégio Cruz e Sousa , já pesquisou sobre áreas do seu interesse e decidiu por Engenharia de Alimentos. 20 its | facebook.com/itsmidia
  13. 13. DEsafioe acoragem Apaixonada por futebol, Na- tanny Moreira, 17, concorda com os amigos esportistas com relação à dificuldade de se tornar atleta no Brasil. A jovem não só compete como adora “jogar uma pelada entre amigos e familia- res”. A estudante está em dúvida entre duas carreiras: a de juíza Fede- ral ou veterinária de cães e gatos, ou- tra paixão sua. Segundo Natanny, es- tas duas profissões trazem desafios bem distintos. Sendo juíza Federal ela teria que repensar seus desejos de se tatuar, e caso ela decida por Ve- terinária, Natanny teria que se mudar para Lages, onde fica a universidade. Aflita, a estudante se diz receosa em ir morar longe dos pais e amigos, e ter que lidar com tudo sozinha, mas esta disposta a tentar a encarar este de- safio com calma e coragem. de morar em outra cidade AlunodoTendência,AndréMartins,16,irmãogêmeodo Rafael,amboscompetidoresdenatação.Diferentedoir- mão,Andréaindaestáemdúvidacomrelaçãoquecurso deseja seguir, mas não se sente pressionado. Rafael Martins, 16, do Colégio Ten- dência, saindo de uma competição de natação; Ele está decidido a prestar vestibular para Física na UFSC. Os gêmeos de 16 anos André e Rafael Saraiva Martins, ambos do Colégio Tendência, são competidores de natação no Clube Lira Tênis. Mas apesar do amor pelo esporte, incentivado pela mãe desde a infância, eles confessam que nunca pensaram em ter o hobbie como profissão. André ainda não se decidiu para qual curso irá prestar o vestibular, mas tem certeza de que não irá para área de exatas. Já seu irmão Rafael está decidido em cursar Física na UFSC, e atuar na área de pesquisa. A grande ironia é que a mãe deles está mais preocupada com a escolha de Rafael do que com a indecisão de André. Segundo eles, ela tem receio se a carreira na área de Física trará um futuro promissor ao filho. Victor Feijó, 17, do Colégio Tendência, também é esportista: desde os oito anos participa de competições de skate. Mas optará por uma carreira “mais estável e rentável”, já que no Brasil é difícil viver bem de algumas modalidades. Por isso, Victor vai fazer vestibular para Ciência da Computação, área que curte e tem mercado receptivo. Além disso, outros fatores também contribuem para essa decisão: o skatista não se vê batendo ponto na empresa e usando terno e gravata para trabalhar, mas prestando serviços em casa para grandes empresas internacionais. DOIS IRMÃOS, ESTILO DE TRABALHO DUAS PROFISSÕES ADEQUADO A SUA REALIDADE Alunos do Terceirão do Colégio Tendência Natanny Moreira, Victor Feijó (de gorro) e os irmãos gêmeos Rafael e André Saraiva Martins. 21its | facebook.com/itsmidia
  14. 14. Os vestibulandos sofrem o impacto de várias fontes de stress durante o período que antecede a tão esperada pro- va! O corpo pode sentir com tensões musculares, dores de cabeça e de estômago, alergias, e insônia. Já o emocional pode sofrer com momentos de certa tristeza e outros de euforia (característica normal da adolescência), irritação, insegurança, medo. Atitudes ambivalentes, como certa agressividade, impulsividade e cansaço, MUITO cansaço. Se liga nas dicas da psicóloga Maria Olívia Swalb Seleme. PSICÓLOGA O criador da psicanálise mo- derna SigmundFreud(1856—1939) foiumneurologistaaustríacoe fundador da Psicanálise. In- teressou-se inicialmente pela histeria e, tendo como método a hipnose, estudou pessoas que apresentavam esse qua- dro. Mais tarde, com interesses pelo inconsciente e pulsões, entre outros, foi influenciado por Charcot e Leibniz, aban- donando a hipnose em favor da associação livre. Estes ele- mentos se tornaram bases da Psicanálise. Freud, além de ter sido um grande cientista e es- critor, realizou uma revolução no âmbito humano: a ideia de que somos movidos pelo in- consciente. Freud, suas teorias e seu tra- tamento com seus pacientes foram controversos na sua época e continuam a ser muito debatidoshoje.Suasideiassão freqüentemente discutidas e analisadas como obras de lite- raturaeculturageralemadição ao contínuo debate ao redor delas no uso como tratamento científico e médico. A hora da mudança Maria Olívia Swalb Seleme 22 its | facebook.com/itsmidia
  15. 15. COMO OS PAIS PODEM AJUDAR OS VESTIBULANDOS RECONHECIMENTO DE SUAS POTENCIALIDADES E LIMITES TODA EXPERIÊNCIA VALE A PENA Atarefadospaisdevestibulandoséestarpresentesedisponíveisparaouvirasangústiasdo(a)filho(a)ecolaborar com uma rotina saudável. Incentivar, elogiar o esforço, cobrar quando necessário, dar muito carinho e proporcionar programas agradáveis em família. Sentir-se querido e acompanhado aumenta a autoestima do adolescente. É fundamental buscar o máximo de informações sobre as áreas de interesse e praticar o autoconhecimento, refletindo sobre as matérias que têm mais afinidade. Levar em conta suas principais características de personalidade (introversão/ extroversão), conversar com familiares e amigos para confirmar sua autopercepção. Quando a dúvida persiste, é indicado realizar orientação profissional. A prática diária de exercícios aeróbicos (natação, corrida, fute- bol, vôlei), de relaxamento e de respiração ajuda a controlar a an- siedade. No entanto, os exercícios físicos ou caminhadas devem ser realizados ao ar livre - não vale no shopping! Ter uma alimentação saudável e equilibrada, com a in- gestão de muitas frutas, verduras, fibras e cereais auxilia na memória e no raciocínio. Além disso, é indis- pensável ter oito horas de sono di- ários para repor as energias. O segredo é viver este período com a certeza, seriedade e determinação de vencedor, buscando exercitar o seu melhor. Aprendendo a se valorizar, reconhecendo o seu potencial e os seus limites. E também aceitando ajuda e orientação para me- lhor lidar com as frustrações. Segundo pesquisas, o índice de evasão dos es- tudantes nas universidades brasileiras é alarmante – está em torno de 40%. Independente das causas, pode gerar sofrimento e insatisfação. Se acontecer a reprovação no vestibular, uma boa saída é criar outras alternativas. O escritor britânico Aldous Hu- xley (1894-1965) ensina que: “Experiência não é o que acontece com um homem, é o que um homem faz com o que lhe acontece.” COMO DECIDIR CORRETAMENTE ENTRE TANTAS PROFISSÕES CUIDADO COM A SAÚDE E A ALIMENTAÇÃO 2 4 1 3 5 23its | facebook.com/itsmidia
  16. 16. Eduardo Andrade Tuyama Olha o naipe da minha mesa de estudos kkkkkk 3mEduardo Andrade Tuyama Sala de Estudos De mudança Confira por Carolina Coral especial que será mais difícil: estudar para o vestibular ou cuidar da casa e administrar as contas? E se fosse preciso fazer os dois? Pois esta galera não pediu pra sair e encara uma rotina na frenética longe da família, com um único objetivo: ver o nome no listão. Eduardo Andrade Tuyama, 16, é da cidade de Rolim de Moura, em Rondônia, e partiu do extremo norte do país para o sul, em Florianópolis, para ingressar no curso de Engenharia de Produção na Universidade Federal de Santa Catarina. O estudante do COC quer “uma boa qualidade de vida, aprender a criar responsabilidade e independência, além de aproveitar as oportuni- dades que a capital catarinense oferece”. Apesar das dificuldades para se adaptar à nova rotina e lidar com a saudade dos pais e amigos, Eduardo destaca que está ciente de que irá crescer com as novas experiências. Para ele “o sonho fala mais alto do que a saudade”. Eduardo mora com sua irmã e, rindo, faz uma ressalva com relação ao cotidiano: “Com certeza, o mais difícil é limpar a cozinha, ainda mais lavar as pa- nelas”. Esta nova experiência dos irmãos estarem morando sozinhos é única. Para o futuro engenheiro “uma ótima oportunidade para amadurecer”. O estudante do Terceirão do Energia, Leonel Sandrini Proner, 18, de Joaçaba, irá pres- tar vestibular para Medicina na UFSC, e também mora com a irmã. Leonel descreve esta situ- ação como algo muito positivo, já que sua roommate é “compreensiva e amiga”. Os irmãos de Joaçaba, além de se apoiarem mutuamente, também dividem as responsabilidades como o pagamento das contas da casa e a limpeza. Para Leonel, esta disciplina é fruto de uma educação exemplar que receberam desde cedo. Porém, dentro do universo dos jovens estudantes que moram longe dos pais, para estu- dar e prestar vestibular, pode-se dizer que o caso de Eduardo e Leonel são exceções. Afinal, o mais comum, é bagunça generalizada por todos os cantos da casa: começa na porta de entrada, chega à sala, invade a cozinha, o banheiro e o quarto. é o retrato da passagem de um furacão! Exemplo máximo do caos instaurado é a casa dos estudantes Júnior da Silva, 18, de Joaçaba e de Ronan Dutra Bauermann, 17, do interior do Paraná. Enquanto o catarinense quer ingressar no curso de Medicina, o paranaense sonha com a Engenharia Mecânica. Mas as diferenças encerram por aí.... Só para vocês terem uma ideia, Júnior confessa: “a pia da cozinha já despencou em função do excesso de louça suja que deixamos acumular!” Mas fora isso, eles são superestudiosos e dedicados à causa. O 24 its | facebook.com/itsmidia júniordasilva Olha o naipe da minha mesa de estudos kkkkkk 3m júniordasilva Sala de Estudos
  17. 17. Mas se engana quem pensa que só meninos fazem bagunça. As amigas de infância, Be- atriz Linheira do Carmo, 18, e Gabriela Duarte, 18, ambas de Tubarão, revelam que as apostilas do Terceirão do Energia ficam dias por todo o chão da casa. Elas, praticamente, preci- sam caminhar na ponta dos pés para não pisarem em cima do material de estudo. Unidas desde pequenas, Beatriz pensa prestar para Direito e a amiga para Administração. No entanto, se no quesito arrumação a nota delas não é boa, não se pode dizer o mesmo com relação à organização das despesas. Ambas recebem uma mesada dos pais para alimenta- ção e outras necessidades. Já outras, as contas vão direto para Tubarão, na casa dos pais das meninas. Beatriz explica que lidar com o dinheiro está sendo um aprendizado muito válido. Se em uma semana irão receber amigos de Tubarão, sabem que no fim de semana os gastos serão maiores, portanto, para terem mais recursos para aproveitar a vinda dos amigos, elas almoçam em casa durante a semana para economizar para o fim de semana de festas. O laço de amizade delas além de antigo é enorme, pois além de dividir o apartamento, elas também cuidam uma da outra, dão palpites nas paqueras. Dividem até mesmo uma cama de casal para se sentirem mais protegidas longe de casa. Proteçãoecuidadotambémsãoasvantagensdequemmoracomoirmãoeoprimo,explicaaes- tudantedeCatanduva,Stefani Bucco,de17anos.Ajovem,queveiomoraremFloripaparaprestar para Medicina, revela que é difícil lidar com a bagunça dos meninos. Ela até tenta administrar, colocar a ordem, mas é praticamente impossível, desabafa. Stefani confessa: “Quando os meninos deixam a bagunça se estender por muito tempo, eu acabo arrumando”. Mas, em compensação, ela se diz muito feliz na companhia deles já que, quando precisa, eles a acompanham a determinados lugares e, inclusive, em uma situação de emergência a levaram para o hospital. Bem, apesar de todas as dificuldades, medos e inseguranças, todos os jovens que decidem encarar uma outra cidade, uma nova rotina e responsabilidades são, acima de tudo, muito co- rajosos. Eduardo, de Rondônia, é a prova real desse empenho, e dá um toque para quem tá na dúvida se o desafio vale a pena ou não: “A minha dica é sempre correr atrás dos sonhos, passando pelas dificuldades ou não, prosseguir os objetivo. Digo a vocês, não é fácil a vida de estudante, mas com o tempo aca- bamos aprendendo a se virar, tudo vai dar certo, acredite!” Beatriz Linheira do Carmo Olha o naipe da minha mesa de estudos kkkkkk 3mBeatriz Linheira do Carmo Sala de Estudos *Carolina Coral é jornalista, editora da Revista Contemporânea, produtora de documentários, mestre em Estudos Culturais Latino Americanos pela Universidade do Chile e atualmente repórter da Revista It´s. Saiba mais: www.carolinacoral.com.br 25its | facebook.com/itsmidia Stefani Bucco Olha o naipe da minha mesa de estudos kkkkkk Stefani Bucco Sala de Estudos
  18. 18. elcio Castagnaro Filho,19,foioprimeiroco- locadogeralnoúltimovestibulardaUFSC.Adil- to Mezzari Junior, 19, o primeiro lugar da UDESC. Mas o sucesso nos concursos é apenas uma das semelhanças entre os dois. Acreditem, a dupla divide o mesmo aparta- mento em Florianópolis, pertinho da UFSC, onde cursam a primeirafasedeMedicina. Nascido em Ponte Serrada (SC), Delcio veio primeiro para Florianópolis, no começo de 2011, para fazer cur- sinho depois de se formar no terceirão e não passar no vestibular. “Eu já tinha decidido que queria fazer Me- dicina. Minha irmä, quando se formou no ensino mé- dio, foi pra capital, fez cursinho e passou na UFSC, também em Medicina. Então sabíamos que era um sonho acessível, era preciso apenas se dedicar para alcança-lo” conta. Por dois anos, Delcio fez extensivo e, no início de 2013, a surpresa: não somente aprovado, mas com a melhor nota de todo o vestibular UFSC. Na metade de 2012, após um semestre de Medi- cina em uma faculdade particular, foi a vez de Adilto deixar Criciúma e vir para Floripa se preparar. “O perí- odo que cursei na instituição privada me deu cer- teza que eu adorava Medicina e era aquilo mesmo que eu queria. Por isso, saí do curso e me dediquei totalmente a minha sonhada vaga em uma federal. Tentei UFSC e UFRGS” lembra. Adilto fez o semi-extensivo e também cursos específicos das matérias que tinha mais dificuldade, redação e matemática. por Marina Empinotti
  19. 19. A aprovação em primeiro lugar da UDESC serviu como um inventivo. “Eu não tinha intenção de cursar a UDESC, já que não tem Medi- cina lá, então escolhi um curso bem concorrido, Engenharia de Petróleo, e fiz como um teste”. Ele brinca: “Na verdade, quem fi- cou mais feliz com esse primeiro lugar foi o cursinho, que pode fazer a propaganda!”. Hoje, cursando a mesma turma da Medicina da UFSC, Delcio e Adilto estão gostando do curso e tirando boas notas. Cada um estuda no seu canto, conferindo com o outro quan- do surge alguma dúvida. Contam que é ótimo estudar sem a pressão do vestibular e da concorrência; tem espaço pra turma toda passar, só de- pende de cada um. ROTINA Adilto: É a chave para o sucesso. Eu tinha tudo muito bem estabeleci- do: se quinta-feira à tarde era dia de leitura, era dia de leitura. Dava uma pausa no que estava estudando e lia. Delcio: Eu não tinha um crono- grama tão rígido, mas seguia sempre a mesma fórmula: de manhã, aula; de tarde, revisava tudo o que tinha visto na aula, só considerava estudado se eu realmente tinha entendido 100%. À noite era descansar um pouco len- do os livros ou os resumos feitos. vestibular Delcio Castagnaro Filho e Adilto Mezzari Junior REDAÇÃO (O PONTO FRACO DELES) Adilto: Na primeira vez que prestei o vestibular UFSC, tirei 6,2 na redação, que vale 15. Quando vim pra Florianópolis, fiz um cursinho somente de redação, na quarta-feira. Então este dia era dedicado somen- te à redação: escrevia várias e antes de começar, conversava muito com o professor sobre o tema pedido e o que deveria ser abordado. Minha nota dobrou, foi pra 12,75. Delcio: Tinha um professor que me dizia que tirar 10 na redação da UFSC era pouco pra quem prestava cursos concorridos. Então me dedi- quei bastante, porque nunca ia muito bem. O segredo é repetição: você vai escrevendo e, por mais que os temas variem, a fórmula é parecida, você pega o jeito de passar de um pará- grafo pra o outro e manter o texto coeso e conciso, que contam muito na pontuação. ENEM Adilto: Vale a pena. É uma prova que você vai fazer relaxado, porque não tem aquele negócio de ser apro- vado. Então dá pra fazer tranquilo e ter uma boa nota. Eu usei o meu Enem para complementar o resultado na UFSC e subi 3 Delcio: Também usei e ganhei 5 pontos na nota da UFSC. O bom é que você pode fazer várias vezes e a universidade considera a sua melhor nota. No meu caso, foi a do primeiro ano de cursinho. 27its | facebook.com/itsmidia
  20. 20. 28 its | facebook.com/itsmidia A Copa do Mundo é o segundo evento espor- tivo mais assistido no mundo. Com 32 países di- retamente envolvidos, o campeonato é um evento internacional de grande repercussão, sobretudo no país-sede, o Brasil está em processo de pre- paração de estádios, estradas, hotéis e aeroportos para receber a Copa de 2014. A Copa do Mundo irá interferir em diversas áreas da vida dos brasi- leiros, inclusive na área do conhecimento. Além de debatido no cotidiano e estudado nas salas de aula, o tema da Copa será abordado em diversos processos seletivos, como vestibulares e até o Enem. Temas como a História das Copas passa- das e do futebol, os aspectos geográficos, polí- ticos, econômicos, históricos, sociais, culturais, etc. dos países competidores serão abordados nos processos seletivos de 2013/14, a partir de ques- tões interpretativas e até como possíveis temas das redações nos vestibulares e no Enem, mas a discussão do assunto não para por aí: a Copa do Mundo no Brasil em 2014 será assunto recorrente na vida e na mente dos estudantes de todo o país. Por André Lorenzoni, Mestrando em História e Professor de História,Filosofia e Sociologia,Colégio Exponencial Chapecó ACopade2014noVestibular
  21. 21. 29its | facebook.com/itsmidia Margareth Thatcher foi a primeira mulher a ocupar o cargo de Primeiro-Ministro britânico e também a primeira grande líder feminina no mundo moderno. No início de seu mandato, pra- ticou uma série mudanças amargas para a popu- lação: privatizou a previdência e o sistema de ha- bitação inglês, anunciou um plano para a redução dos impostos e passou a controlar e a realizar re- formas institucionais nos sindicatos trabalhistas. Essas reformas lhe valeram o apelido de “Dama de Ferro”. Adorada por alguns e odiada por ou- tros, Thatcher permaneceu no cargo por 11 anos (1979 – 1990). Nesse período passou por altos e baixos, como a intervenção na Guerra das Mal- vinas (Falkland Islands), greves e manifestações sindicais e até um ataque cometido pelo grupo terrorista IRA. Certa vez disse que “A ganância é um bem”, deixando claro sua forma de pensar. Apesar de polêmica, Margareth Thatcher foi uma grande líder, visto que sua vida até se tornou filme. Mes- mo não tendo obtido unanimidade na forma de pensar e governar, a Dama de Ferro marcou, pelo bem ou pelo mau, uma geração. Por MsC Dionicio Kunze, Professor e Geógrafo,Colégio Elias Moreira de Joinville Fotos:DivulgaçãoeArquivoPessoal ADamadeFerroseFoi
  22. 22. 30 its | facebook.com/itsmidia Eles ainda não entraram na universidade e tampouco são jornalistas, mas já carregam uma experiência riquíssima como comunica- dores. Produção textual, fotografias, entre- vistas e diagramação já fazem parte do dia a dia dos alunos da EEB Domingos Barbosa Cabral, de Pescaria Brava. Os estudantes colocam as suas vivências em um jornal mensal, o “Pescando ideias”, que une toda a comunidade escolar. A proposta de construir um jornal partiu da professora de Língua Portuguesa, Laís Vitorino Bonomi Oliveira que ao convidar os alunos a participarem, ficou surpresa com a animação e o entusiasmado dos estudantes. “A princípio seria apenas mais um trabalho, mas com a total dedicação e interesse dos alunos, me senti motivada a dar continuida- de ao projeto, que já está na sexta edição”, destaca Laís. Os assuntos do jornal são os mais diver- sificados, desde música, esporte, entrevis- tas, calendário comemorativo, espaço para fotos, dicas dos professores e tudo o mais que despertar o interesse dos estudantes, que divididos em grupos, elaboram o jornal. O artigo de opinião e a dica do livro são responsabilidades da professora Laís, que es- colhe um aluno por mês e o orienta para edi- ção do texto. As professoras Jucélia Amaral e Susane Saviatto também orientam os alunos e recolhem as reportagens. Os demais profes- sores colaboram com patrocínios, depoimen- tos e divulgação de seus trabalhos. A aluna Ewellin Aguiar Soares diz que é uma grande responsabilidade participar do jornal. “Por meio dele, estreitamos o contato com os professores e co- legas, além de conhecermos me- lhor as pessoas da comunidade e aprendermos a redigir as matérias”, explica. Segundo Laís, o Jornal, além de ser um espaço de socialização de notícias, traba- lhos, experiências e ideias, também é uma ferramenta que desperta o interesse dos alunos pela produção textual. “O prazer que os estudantes têm em escrever matérias é maior do que realizar qualquer outra ativida- de em sala de aula, pois eles sabem que to- dos irão ler o que eles escreveram”, destaca. Jornal elaborado pelos alunos melhorou a comunicação na Domingos Barbosa Cabral escolaaberta As alunas Ewellin e Letícia Neves entrevistando um pescador na comunidade. Alunas acompan- hando experiência para descrevê-las na coluna Aula show do jornal. Pescando ideias
  23. 23. UAKAKA É CURIOSIDADE, IMAGINAÇÃO, CRIATIVIDADE. DESCUBRA TUDO O QUE ELA PODE SER NA INVASÃO ITS. ACESSE O PORTALITS.COM.BR E CURTA AS FOTOS DA INVASÃO À SUA ESCOLA. A Invasão It , s vai começar. E a sua escola pode ser a próxima. Prepare-se para muita diversão, prêmios e UAKAKA, o jogo que vai agitar seu intervalo.
  24. 24. 32 its | facebook.com/itsmidia FOTOS:ElmaMeurer A indústria brasileira precisa de profissionais qualificados Investir no ensino técnico pode ser uma boa oportunidade para os jovens e, ainda, ajuda o setor industrial a melhorar sua competitividade C om uma economia em crescimento, optar pelo ensino técnico pode facilitar a entrada no mercado de trabalho, pois há grande demanda por profissionais da área técnica, principalmente, no se- tor industrial. Para entender essa realidade, a Revista Its foi conversar com quem entende bem do assunto: o presidente do Sistema Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC), Glauco José Côrte. Ele afirmou que a indústria brasileira precisa investir em educação para melhorar sua competitividade frente a um mercado globalizado, e que, de acordo com uma pesquisa do SENAI Nacional, o setor industrial vai necessitar de 5,5 milhões de trabalhadores em nível técnico e em áreas de média qualificação até 2015. Mas a entrevista com o presidente da FIESC não foi só de boas notícias. Ele também criticou o modelo de ensi- no médio no país. Disse que não é atrativo para os jovens e não atende as expectativas da indústria. Em contrapartida, elogiou o trabalho de- senvolvido pela Revista Its e sugeriu que a ela continue mostrando as inúmeras alternativas que existem para quem pretende seguir uma boa carreira nos setores produtivos da economia. “ “ Em Santa Catarina, fazer um curso técnico profissionalizante na área industrial praticamente garante aos jovens o ingresso no mercado de trabalho. entrevista
  25. 25. 33its | facebook.com/itsmidia Revista Its: embora exista grande demanda por profissionais de nível técnico, o estigma de que quem possui ensino superior é mais valo- rizado no mercado de trabalho ainda persiste. Esta realidade está mudando? Por quê? Presidente Glauco José Côrte: Pesquisa do SENAI Nacional mostra que a indústria brasileira vai necessitar de 5,5 milhões de trabalhadores em nível técnico e em áreas de média qualificação até 2015. Mais de um milhão destas vagas estão na região Sul do País. Em Santa Catarina, fazer um curso téc- nico profissionalizante na área industrial pra- ticamente garante aos jovens o ingresso no mercado de trabalho. O SENAI/SC, por exem- plo, formou mais de 1,6 milhão de alunos, sendo que nove em cada dez conseguiram emprego em sua área de qualificação. Revista Its: Com o crescimento da indústria brasileira em alguns setores, aumentou- -se a necessidade por profissionais de nível técnico. Essa realidade possibilitará que esses profissionais ganhem bons salários e tenham carreiras promissoras, da mesma forma do que aqueles que se dedicaram ao ensino superior? Presidente Glauco José Côrte: Os salários médios de admissão de técnicos variam de R$1,5 mil a R$ 2,5 mil, segundo pesquisa da ConfederaçãoNacionaldaIndústria (CNI). Após dez anos de experiência, variam de R$ 3,6 mil a R$ 7 mil, dependendo da área. Exercendo fun- ções de gestão, o rendimento pode ultrapassar R$ 11 mil por mês. São salários próximos ou até mesmo maiores do que algumas carreiras que exigem nível superior. Revista Its: O Consed, Conselho Nacional de Secretários de Educação, estuda um projeto de reforma do ensino médio para que ele não seja focado exclusivamente no ensino uni- versitário. Isso seja reflexo da nova realidade da indústria brasileira? Presidente Glauco José Côrte: Como têm concorrentes no mundo todo, as indústrias precisam ganhar competitividade. Para isso, investem na atualização dos processos, em equipamentos complexos e em sistemas operacionais de ponta. O atual modelo do ensino médio, além de apresentar pouca atratividade para os jovens, não atende às expectativas da indústria. O que se propõe é uma revisão do modelo, vinculando-o ao mundo do trabalho, possibilitando que os jovens sejam capacitados para atuar nesta indústria competitiva e globalizada. Revista Its: o “Movimento A Indústria pela Educação”, desenvolvido pela FIESC, busca superar a fragilidade da educação nos aspec- tos relacionados à escolaridade, à qualificação profissional e à qualidade do ensino. Como o movimento pretende alcançar esse objetivo? Presidente Glauco José Côrte: Estamos in- centivando as indústrias a aderirem à causa da educação como estratégia competitiva, investindo na ampliação de matrículas nos serviços de educação ofertados pela FIESC, através do SENAI/SESI/IEL. Segundo pesqui- sa da Confederação Nacional da Indústria (CNI), o problema da falta de trabalhadores qualificados – seja por educação básica ou por formação profissional – afeta 69% das empresas do País. Além de gerar dificulda- des de contratação, essa questão também afeta a capacidade das empresas brasileiras de enfrentar seus concorrentes internacio- nais. Entre 2012 e 2014, a previsão é de registrar 823,5 mil matrículas, relacionadas principalmente à formação básica, continu- ada e técnica dos trabalhadores da indústria. Revista Its: São distribuídos 60 mil exem- plares gratuitos da Revista Its por mês nas escolas catarinenses. A revista tem a pre- ocupação em abordar assuntos relevantes em uma linguagem que seja adequada aos nossos leitores, jovens de 14 aos 21 anos. Como o Senhor vê esse trabalho? Presidente Glauco José Côrte: A revista cumpre um importante papel ao levar infor- mação selecionada aos jovens que estão se preparando para iniciar a vida profissional e que tem a desafiadora tarefa de escolher qual carreira seguir, através de uma linguagem própria com a qual o jovem se identifica. Revista Its: Em relação ao conteúdo, o que acha inte- ressante abordarmos na revista em relação à educação? Presidente Glauco José Côrte: Por ser um canal de comunicação com os jovens, a revista deve continuar apresentando as expectativas e as oportunidades que o mercado ofere- ce. E acentuar as inúmeras alternativas que existem para quem pretende seguir uma boa carreira nos setores produtivos da economia, como trabalhador ou como empreendedor, despertando-os para as possibilidades exis- tentes em termos de educação profissional. Quer saber mais? Dá uma olhada em alguns trechos da entrevista: “A revista cumpre um importante papel ao levar informação selecionada aos jovens que estão se preparando para a vida profissional e que tem a desafiadora tarefa de escolher qual carreira seguir “
  26. 26. Seráqueelevaleapena? E stas e outras frases fazem parte das dúvidas de adolescentes que escuto diariamente no consultório e estão também nos fóruns, chats e redes sociais pra todo mundo ver e dar opinião. Hoje é muito fácil obter informações, mas ao mesmo tempo ainda é difícil para quem está no “meio do furacão” de entender todos os sentimentos que envolvem a sexualidade na adolescência. O importante é saber que todo mundo tem dúvidas e fica confuso no início da sua vida sexual, mas isso é normal e muito bom, porque faz pensar e agir com mais segurança. Uma das grandes questões de meninos e meninas é “já está na hora?” Saber se você já está pronto para começar sua vida sexual é um grande momento e ninguém acorda pronto de uma hora para outra. Comece por pensar: Já estou preparado(a) para encarar as responsabilidadesdetransar?Issosignificaquevocêvaicuidardoseucorpoprevenindodoenças ao usar camisinha sempre em todas as relações desde o comecinho, que você vai escolher com seumédicoummétodoanticoncepcionaladequado,quevocêestáemocionalmentepreparado(a) para assumir para você mesmo e seus responsáveis que quer começar a sua vida sexual e que você confia no seu parceiro(a) para dividir este momento íntimo tão importante. Tem que ter carinho, calma e consciência de que nem sempre a primeira vez dá tudo certo e que o importante é sentir prazer em cada passo, cada etapa das novas descobertas desta fase da vida. pegação Eseminhamãedescobrir?Minhasamigastodasjáfazem! Aindanãoconseguideixartudo.Voufazercomum desconhecidopraperderlogo.Podesemcamisinhano comecinho?Seeutomopílulaeagentenamorapraqueusar camisinha?Segozarforatemperigo?Oqueéejaculação precoce?Comofazpranãodoer?Éverdadequedói?Agente estátãoapaixonado!Bebemosmuitoeagoraeunãoseise roloutudo.Ih,achoqueaconteceumeioquesemquerer... por Juliana Schweidzon Machado JulianaSchweidzonMachado *Juliana Schweidzon Machado é Psicóloga, 31 anos, mente aberta, hoje reside no Rio de Janeiro e trabalha com psicologia e desenvolvimento de habilidades para crianças e adolescentes. Terapeuta familiar sistêmica breve, apaixonada por viagens, artes e comportamento. 36 its | facebook.com/itsmidia
  27. 27. Para todo tipo de atração existe uma Prudence diferente. Camisinhas com cor, aroma e sabor de verdade, texturas e formatos diferenciados, além de lubrificantes especiais que vão apimentar ainda mais a sua relação. Tudo com a garantia e a segurança de camisinhas triplamente testadas antes de chegar até você. Quando a atração vier, vá de Prudence. Prudence é uma marca da DKT Intl.PrazercomeçacomPrudence www.useprudence.com.br
  28. 28. redacao@portalits.com.br E você? Fez alguma viagem legal? Conte pra gente Luiz Felipe Fuck de Mira, 17 anos, Colégio: Santos Anjos Joinville Destino: Dinamarca, Vedbaek Tempo de permanência: 11 meses Lá fiquei na casa de 3 famílias diferentes. Acho legal a liberdade lá, os pais tem bastante confiança e dão bas- tante liberdade aos filhos. Confian- ça é um grande valor lá. Minha dica é nao quebrar pro- messas. Se você combinou algo faça, justamente para não quebrar esta confiança. E seja muito pontu- al, pois lá eles são assim. Foram 3 famílias bem dife-rentes, um relacionamento aber-to, se conversava sobre tudo. Foipraticamente 3 meses com cadafamília. Fiz um melhor amigo na mi-nha escola e mantenho contatocom ele, o nome dele é Ulrik. Eleme levava principalmente pra verpontos turísticos, musicas, filmes,a cultura. Íamos muito para a ca-pital Copenhague. Apresenta: Dinamarca Eufui... Virou uma segunda família pra mim. Na foto meus pais do Brasil e da Alemanha Esquiando com a família 38 its | facebook.com/itsmidia
  29. 29. 39its | facebook.com/itsmidia Na escola pode levar computador pra sala, é pra- ticamente tudo digital. Você digita o trabalho e lança no próprio site do colégio. A língua lá é o dinamar- quês e tínhamos aula sobre. Quando eu voltei pro Bra- sil optei voltar para o segun- do ano ao invés do terceiro, porque o nível de ensino lá é muito diferente, mais básico do que o equivalente aqui no Brasil. Então, fiz isso pra não ser prejudicado no vestibular. pelo mundo Bayer no Allianz Arena é imperdível 39its | facebook.com/itsmidia
  30. 30. FOTOS:Ab+/its Invasãoits-ApoioSenai EEB BENJAMIN MORO EEB GOV CELSO RAMOS EEB GOV CELSO RAMOS EEB SILVIO SANTOS EEB GOV CELSO RAMOS SENAI CONCÓRDIA SENAI CONCÓRDIA SENAI LUZERNA SENAI CONCÓRDIA 42 its | facebook.com/itsmidia
  31. 31. 43its | facebook.com/itsmidia STB.COM.BR (48) 3223-6208 AVENIDA RIO BRANCO, 380 - SALA 03 A MELHOR EXPERIÊNCIA EM INTERCÂMBIO Há mais de 40 anos de experiência no mercado, o STB Student Travel Bureau, líder nacional no segmento de intercâmbio, turismo jovem e educacional internacional, leva milhares de brasileiros, de todas as idades, gente bacana, curiosa e independente, para estudar no exterior. Existe um intercâmbio certo para cada tipo de pessoa. Você nos conta o que e como quer estudar e nós desvendamos as possibilidades. Curso de idiomas, graduação, extensão universitária, pós-graduação ou experiências de trabalho no exterior, tudo isso está no nosso portfólio. Visite a nova loja STB e conheça nossos programas. Porque viver grandes experiências é ótimo e não tem idade para começar. CURSOS NO EXTERIOR, EXPERIÊNCIAS DE TRABALHO, INTERCÂMBIO CULTURAL E VIAGENS
  32. 32. DistribuiçãoRevistaits FOTOS:Abrakw/its Chapecó - Bom Pastor Criciúma - São Bento Chapecó - Bom Pastor Criciúma - Marista Criciúma - São Bento São José - Cuz e Sousa Criciúma - Marista Florianópolis - Getúlio Vargas Balneário Camboriú - Energia Colegião Criciúma Joinville - Santos Anjos
  33. 33. ImaculadaConceição–AcantonamentoFOTOS:Ariane/its A dupla implacável João Gabriel e Emanuel Os amigos Bárbara, Luide e Tainá Luiza e Amanda Julia, Beatriz e Giovana Amanda e Isadora João Gabriel e Mateus Mateus, Kica, Marcelo e Josué que agitaram no acamtonamento Arthur e Rafael Igor 45its | facebook.com/itsmidiaJaber 45its | facebook.com/itsmidia
  34. 34. FOTOS:Abrakw/its Ana Carolina, Graziela e Monique Valmor e Lucas Mariana, Rithiele e Ana Luiza INTERVALOSHOWITS–AderbaleIEE Maria Luiza e Carolini Galera Aderbal Stefany, Carolini e AssíriaThalyta, Daniela e Tainá Viviane, Victor, Desirré, Pâmela, Muriele, Joice e Cíntia João 46 its | facebook.com/itsmidia
  35. 35. ITSMYWAY–Açõesportodoestado Tasside, Heloísa, Amanda e Isabela Maria, Marina, Gabriela e Hortància FOTOS:Abrakw/its its | facebook.com/itsmidia Posto de gravação no Guarten Shopping its | facebook.com/itsmidia
  36. 36. LotharKrieckdeBlumenau–Intervalocomits FOTOS:Angelo/itsGalera de Camboriú que fez bonito no palco 48 its | facebook.com/itsmidia
  37. 37. DomJaime–RockEscola As amigas Larissa, Luisa, Isadora e Amanda João Luis, Marcus Vinícius, Sil, Vinícius e Luigi Victor e Tadeu, professor e aluno fazendo a dupla do Rock William, Fábio, Pedro, Lucca cheios de estilo 49its | facebook.com/itsmidia A cantora Luiza Winck abrilhantou o Rock Escola Bruno e Samir Gabriel Xiruh da its com Marcelo do Dom Jaime Pedrão quebrando tudo nos vocais 49its | facebook.com/itsmidia
  38. 38. MaristaCriciúma–Últimoseventos FOTOS:Tamiris/Marista Apresentação semana do estudante Intervalo - Terceirão - Prof Michele Encerramento da miniempresa 2ª EMLuau Marista 2013 Luau marista EMIntervalo Terceirão Intervalo DiferenteMostra de Botânica 2ªsérie EM 50 its | facebook.com/itsmidia
  39. 39. UMA CIDADE SEM IGUAL. UM POVO QUE FAZ A DIFERENÇA. O Grupo RIC está lançando o Sou Bem Floripa, um movimento para provocar mudanças positivas na cidade e incentivar pequenos gestos que vão trazer grandes resultados para nossa qualidade de vida. Atitudes simples, como ser mais cordial no trânsito, denunciar maus-tratos aos animais, entre outras. Acompanhe as questões que vamos abordar e descubra como você pode fazer a diferença. Esta Florianópolis cada vez melhor de viver começa agora. E começa bem por você. /soubemfloripa
  40. 40. EscolaBarãodoRioBranco–Blumenau FOTOS:Thaise 52 its | facebook.com/itsmidia
  41. 41. Geração–MostradeCiênciaseCultura FOTOS:MauricioFoster/its Colegião Criciúma Colegião Criciúma Nenhum de Nós Dazaranha54 its | facebook.com/itsmidia
  42. 42. INSCREVA-SEJÁ. WWW.UNISUL.BR 5OANOS ESTRUTURA CAMPUS DA GRANDE FLORIANÓPOLIS CAMPUS DE TUBARÃO OS MELHORES PROFESSORES ENSINO PRESENCIAL E A DISTÂNCIA PESQUISA E EXTENSÃO
  43. 43. 56 its | facebook.com/itsmidia SENAIMafra CT Eletrotécnica 4ª Fase juntamente com o professor Lindomar Curso Técnico em Vestuário 4ª Fase juntamente com a professora Laudir Gincana Aprendizagem Mecânico de Manutenção de Máquinas Industriais - Etapa Show de Dublagem Gincana Aprendizagem Assitente Administrativo- Etapa Show de Dublagem Turma de Técnico em Eletromecânica Vespertino 2ª Fase realizando atividade da UC de Desenho Técnico 56 its | facebook.com/itsmidia SENAICanoinhas Alunos do Curso de Aprendizagem Industrial em Mecânico de Máquinas em Geral realizando cartazes sobre o dia de Monteiro Lobato. Alunos do Curso de Eletricista de Manutenção em aula no laboratório Alunos do Curso de Aprendizagem Industrial em Operador de Máquinas de Fabricar Papel Matutino em cena do teatro para a Gincana 2013. Alunos do Curso de Aprendizagem Industrial em Operador de Máquinas de Fabricar Papel Vespertino realizando a orquestra com balões para a Gincana 2013. O dia em que nevou no SENAI Canoinhas
  44. 44. 57its | facebook.com/itsmidia SENAICanoinhas Alunos do Curso de Eletricista de Manutenção em aula no laboratório O dia em que nevou no SENAI Canoinhas SENAISãoBentoeRioNegrinho SENAISãoBentoeRioNegrinho Turma de Marcenaria na Gincana Senai São Bento do sul & Rio Negrinho 2013 Turma de Mecânica na Gincana Senai São Bento do sul & Rio Negrinho 2013 Turma de Moda na Gincana Senai São Bento do sul & Rio Negrinho 2013 Turma de OMU na Gincana Senai São Bento do sul & Rio Negrinho 2013 Turma de Qualidade RN na Gincana Senai São Bento do sul & Rio Negrinho 2013 AprendizagemIndustrialdeXaximparticipadetreinamentodeCombateaIncêndios Gincana etapa Esportiva Turma de Elétrica na Gincana Senai São Bento do sul & Rio Negrinho 2013
  45. 45. 58 its | facebook.com/itsmidia saideira * Gus Magalhães adora fotografar, manda bem na produção de vídeos e também é apresentador de tevê. Um cara nota 10! @limaigor | igor@portalits.com.br saideira @MagalhaesCWB | facebook.com/magalhaescwb gus magalhaes A MINHA PRIMEIRA TATUAGEM “Que beleza! É como se eu fizesse uma cirurgia no coração sem anestesia”. Essa foi a frase que ouvi quando resolvi me tatuar pela primeira vez. Optei por uma caveira mexicana, no lado esquerdo do peito, aos 18 anos, pois simbolizava que tenho bons espíritos ao meu lado. Não foi por acaso que resolvi fazê-la. Minha prima havia falecido, uma pessoa que animava qualquer pessoa com sua simplicidade e alegria contagiante, ou seja, precisava de um símbolo para representar os anjos da guarda que me cercam e – de certa forma – homenageá-la. Não via a hora de fazer minha primeira tattoo. Era uma ansiedade misturada com nervosismo, afinal, nunca tinha experimentado as dores das agulhas. Foram duas horas de sessão, ao mesmo tempo que a dor me incomodava, os pensamentos criavam roteiros em minha mente de como mostrar aos meus pais, que estavam mais ou menos avisados sobre o feito. A tatuagem ficou pronta, vesti minha camiseta, peguei o ônibus e fui para casa. O primeiro a vê-la foi meu irmão, que logo falou num tom de brincadeira: “Velho, que mancada hein?”. Esperei, esperei e esperei até eles chegarem. A única coisa que eu não esperava na chegada dos meus pais, era que sentassem no sofá e sintonizassem no History Channel, que exibia um documentário sobre a cultura mexicana e logicamente sobre sugar skulls, como a caveira é conhecida por lá. Depois do sermão que levei por terem vistos vários meliantes com a mesma tal caveira tatuada, fiquei impedido de fazer outras, hahaha. No entanto, a velha história de que quem se tatua uma vez acaba se tatuando outras vezes se cumpria. Um ano depois fiz a minha segunda, na costela. Tatuei a palavra família, no dia do aniversário da minha mãe, Luciana, que reprovou mais uma vez o fato de ter me tatuado. No momento em que vocês leem essa coluna, já estou planejando a minha terceira: será um elefante, símbolo de proteção à família. Não faço da tatuagem um motivo para me inserir em grupos sociais ou para me afirmar. Faço tatuagem pela beleza que vejo nessa arte e por gostar de marcar em minha pele algo que passei, algo que me representa. Fico feliz em saber que o preconceito, apesar de ainda grande, está diminuindo. Lembrem-se da frase: “Tatuagem não muda o caráter”.
  46. 46. 59its | facebook.com/itsmidia

×