Anatomia e fisiologia humana

2.352 visualizações

Publicada em

Anatomia e Fisiologia Humana

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.352
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
36
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Anatomia e fisiologia humana

  1. 1. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS IZADORA CALARA REIS Sumário 1. NOÇÕES BÁSICAS DE ANATOMIA 1.1. Conceito 1.2. Níveis Estruturais Básicos 1.3. Divisão do Corpo 1.4. Terminologia Anatômica 1.5. Posições do Corpo 1.6. Termos de Direção 1.7. Termos Regionais 1.8. Planos do Corpo 1.9. Cavidades 1.10. Membranas 2. NOÇÕES DE CITOLOGIA 2.1. Introdução 2.2. Substância Intercelular 2.3. Líquido Intra e Extracelular 3. NOÇÕES DE HISTOLOGIA 3.1. Introdução 3.2. Tecido Epitelial 3.3. Tecido Conjuntivo 3.4. Tecido Muscular 3.5. Tecido Nervoso 4. SISTEMA TEGUMENTAR 4.1. Introdução 4.2. Composição 4.3. Anexos 5. SISTEMA ESQUELÉTICO 5.1. Introdução 5.2. Divisões do Esqueleto 5.3. Termos Estruturais Comuns do Esqueleto 5.4. Anatomia do Crânio 5.5. Anatomia do Membro Superior 5.6. Anatomia do Membro Inferior 5.7. Anatomia do Tórax 5.8. Anatomia da Coluna 5.9. Articulações 5.10. Condições de Importância Clínica 6. SISTEMA MUSCULAR 6.1. Conceito 6.2. Tipos de Músculos 81
  2. 2. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS 6.3. Anatomia Geral dos Músculos Esqueléticos 6.4. Anatomia Microscópica dos Músculos Esqueléticos 6.5. Principais Músculos 6.6. Anatomia de Superfície 7. SISTEMA NERVOSO 7.1. Introdução 7.2. Sistema Cérebro-Espinhal 7.3. Sistema Nervoso Autônomo 8. SISTEMA CARDIOVASCULAR 8.1. Introdução 8.2. Coração 8.3. Sistema de Condução do Coração 8.4. Vasos Sanguíneos 8.5. Sistema Linfático 9. SISTEMA RESPIRATÓRIO 9.1. Introdução 9.2. Divisão 9.3. Anatomia do Sistema Respiratório 10. SISTEMA DIGESTIVO 10.1. Introdução 10.2. Divisão 10.3. Anatomia do Sistema Digestivo 11. SISTEMA URINÁRIO 11.1. Introdução 11.2. Anatomia do Sistema Urinário 82
  3. 3. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS 1. NOÇÕES BÁSICAS DE ANATOMIA 1.1. Conceito ANATOMIA: é o estudo da estrutura de um organismo e das relações entre suas partes. Anatomia é a ciência biológica que estuda a forma e a constituição de um ser vivo. A palavra anatomia é derivada do grego ANATOMÉ (ana = partes; tome = cortes). A anatomia pode ser estudada macroscopicamente e microscopicamente. Macroscopicamente ela é estudada pela dissecação de peças previamente fincadas por soluções apropriadas. Macroscopicamente - sistêmica (geral) - topográfica (Regional) Nomenclatura Anatômica: E o conjunto de termos em anatomia (em latim) que tem por função universalizar os termos e unificá-los. Variação Anatômica (conceito) Um agrupamento humano evidencia de imediato, diferenças morfológicas entre elementos que compõe o grupo. Estas diferenças são denominadas variações anatômicas e podem apresentar-se externamente ou em qualquer dos sistemas do organismo sem que isto traga prejuízo funcional para o indivíduo. Normal: Toda estrutura ou órgão que esteja bem adaptado a função dele, e também tem que ser estaticamente comum (aparece em vários indivíduos). Então as variações são modificações dentro da normalidade. Anomalias: Quando o desvio do padrão anatômico perturba a função, trazendo um prejuízo funcional ao indivíduo. Fatores Gerais de Variação Anatômica: As variações anatômicas individuais devem acrescentar-se aquelas decorrentes da: a) idade b) sexo c) raça d) biótipo e) genética FISIOLOGIA: é o estudo das funções do corpo 1.2. Níveis Estruturais Básicos 1.2. 1. Células: é o nível estrutural mais simples do corpo. 1.2.2. Tecidos: são as células agrupadas e organizadas que formam tecidos. a) tecido epitelial; b) tecido muscular; c) tecido nervoso; d) tecido conjuntivo. 1.2.3. Órgãos: são tecidos combinados que formam os órgãos. 1.2.4. Sistemas: Homeostase: os órgãos funcionam em equilíbrio para o bem-estar do corpo. - Sistema Tegumentar: - Sistema Esquelético - Sistema Muscular - Sistema Nervoso 83
  4. 4. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS - Sistema Endócrino - Sistema Circulatório - Sistema Respiratório - Sistema Digestivo - Sistema Urinário - Sistema Reprodutor Sistemas de Órgãos do Corpo SISTEMA COMPONENTES FUNÇÕES Tegumentar Pele e estruturas associadas Proteger as estruturas internas do corpo contra lesões e substâncias estranhas; prevenir perda de fluídos; importante na regulação da temperatura. Esquelético Ossos Suportar e proteger tecidos moles e órgãos Muscular Músculos esqueléticos Movimentar o corpo e suas partes. Endócrino Glândulas secretoras de hormônios Controlar e integrar as atividades do corpo Circulatório Coração, vasos sangüíneos e linfáticos, sangue, linfa Interliga os meios internos e externos do corpo Nervoso Encéfalo, Medula Espinal, Nervos, órgãos sentidos especiais Controle e integração das atividades do corpo Respiratório Nariz, traquéia, pulmões Transfere oxigênio da atmosfera para o sangue e dióxido de carbono do sangue para a atmosfera. Digestivo Boca, esôfago, estômago intestino delgado/grosso, Estruturas acessórias Supre o corpo com substâncias dos quais deriva energia para atividades Urinário Rins, Ureteres, Bexiga, uretra Elimina uma variedade de produtos metabólicos finais. Reprodutor Masculino: vesículas seminais, testículos, próstata, glândulas bulbo uretrais,pênis,ductos associados. Produzir gametas masculinos providenciar método para introduzir esperma na mulher. Feminino: ovários, tubas uterinas, útero, vagina, glândulas mamarias Produzir gametas femininos providenciar meio próprio para o desenvolvimento do ovo fertilizado. 84
  5. 5. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS 1.3. Divisões do Corpo Cabeça Crânio face Tronco Tórax Abdome Membros superiores (mão, antebraço e braço) inferiores (pe, perna e coxa) Membros - superiores - apêndice: (parte livre) - braço, Antebraço e mão Raiz : (parte fixa) ombros inferiores - apêndice: coxa, perna e pé - raiz: quadril O corpo humano divide-se em cabeça, pescoço tronco e membros. A cabeça corresponde à extremidade superior do corpo estando unidos ao tronco por uma porção estreitada, o pescoço. O tronco corresponde ao tórax, o abdome, com as respectivas cavidades torácica e abdominal, a cavidade abdominal prolonga-se inferiormente na cavidade pélvica. Dos membros dois são superiores e dois são inferiores. Cada membro apresenta uma raiz, pela qual esta ligada ao tronco e uma parte livre. 1.4. Terminologia Anatômica Definição: é o conhecimento das raízes das palavras, dos prefixos e sufixos; é um auxiliar nos conhecimentos de termos anatômicos. Ex.: Endocárdio (endo=dentro, cárdio=coração)-o revestimento mais interno do coração. Endocardite(ite=inflamação)-uma inflamação do revestimento mais interno do coração. 1.5. Posições do corpo o 85 M e m b r o s u p e r io r B ra ç o A n t e b r a ç o C o x a M e m b r o in f e r io r P e r n a R e g i ã o lo m b a r R e g i ã o s a c r a l In f e r io r L a t e r a lM e d ia l S u p e r io rR e g i ã o a b d o m in a l R e g i ã o t o r á c ic a V ir ilh a ( r e g i ã o in g u in a l) R e g i ã o c e r v ic a l D is ta l P O S IÇ Õ E S D O C O R P O P r o x im a l A n t e r io r P o s t e r io r ( B ) ( C ) ( A )
  6. 6. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS o Posição Anatômica: é obtido quando o corpo está ereto, pés unidos, membros superiores colocados ao lado do corpo, palmas das mãos voltadas para frente, dedos estendidos, polegares afastados do corpo. o o Posição de Pronação: é quando o corpo está posicionado horizontalmente com a face para baixo. o Posição de Supinação: é quando o corpo está posicionado horizontalmente com a face para cima. 1.6. Termos de Direção Definição: indica a direção por pares de palavras opostas: TERMO DEFINIÇÃO EXEMPLO Anterior (ventral) Situado na frente de; à frente do corpo O tórax está na superfície anterior do corpo Posterior (dorsal) Situado atrás de; a parte posterior do corpo As nádegas estão na superfície posterior do corpo Superior (cranial) Voltado para cabeça; em posição relativamente alta. Os supercílios são superiores aos olhos Inferior (caudal) Afastados da cabeça; em posição relativamente baixa. A boca é inferior ao nariz Medial Voltada para o plano mediano do corpo. A mama é medial à axila. Lateral Afastado do plano mediano do corpo O quadril esta na face lateral do corpo. Proximal Mais próximo que qualquer ponto de referência. O braço é proximal ao antebraço Distal Afastado de qualquer ponto de referência A mão é distal ao braço Superficial (externo) Localizado próximo ou na superfície do corpo. A pele superficial aos músculos Profundo (interno) Localizado mais afastado ou mais profundamente da superfície do corpo do que as estruturas superficiais. Os músculos são profundos em relação à pele. 1.7. Termos Regionais Definição: refere-se a áreas especiais: a) Cervical: refere-se ao pescoço; b) Torácica: a região do corpo entre o pescoço e o abdome, conhecida como caixa torácica (tórax); c) Lombar: região do dorso entre o tórax e a pelve; d) Sacral: região mais inferior do tronco; e) Plantar: sola do pé; f) Palmar: a face anterior da mão; g) Axilar: a depressão situada na fase inferior da região de união entre o membro superior e o tronco; h) Virilha: região inguinal; é a junção entre a coxa e a parede abdominal; i) Braço: é o segmento do membro superior entre o ombro e o cotovelo; 86
  7. 7. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS j) Antebraço; é o segmento do membro superior entre o cotovelo e o pulso; k) Coxa; segmento do membro inferior entre o quadril e o joelho; l) Perna; é o segmento do membro inferior entre o joelho e o tornozelo. 1.8. Planos do Corpo Plano Sagital: é uma secção longitudinal que divide o corpo em partes direita e esquerda. Plano Frontal: é também uma secção longitudinal, perpendicular à secção sagital, que divide o corpo em partes anterior e posterior. Plano Transversal: divide o corpo em partes superior e inferior. 87
  8. 8. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS 1.9. Cavidades Duas cavidades principais 1. Dorsal (posterior): a) Cavidade craniana: que aloja o encéfalo. b) Cavidade espinal: que aloja a medula espinal 2. Ventral (anterior): a) Cavidade torácica: - Cavidade Pericárdica: ao redor do coração. - Cavidades Pleurais:direita e esquerda, ao redor dos pulmões. b) Cavidade Abdómino-pélvica: - Cavidade Abdominal:estômago, baço, fígado, vesícula biliar,pâncreas,, intestino grosso e intestino delgado. Cavidade Pélvica: parte inferior do tubo digestivo (reto), a bexiga urinária, órgão reprodutivo. 88 C a v i d a d e c r a n i a n a F o r a m e m a g n o C a v i d a d e d o r s a l ( p o s t e r i o r ) M e d i a s t i n o C a v id a d e s p e r i c á r d i c a C a v id a d e e s p in a l ( v e r t e b r a l) O m e n t o m e n o r O m e n t o m a io r M e s e n t é r io P e r it ô n io v is c e r a l P e r it ô n io v is c e r a l C a v id a d e a b d ó m i n o - p é lv i c a C a v id a d e a b d o m in a l C a v id a d e p é l v ic a S ín f is e p ú b ic a B e x ig a u r in á r ia U r e t r a  n u s V a g in a R e to Ú te r o In t e s tin o D u o d e n o P â n c r e a s E s t ô m a g o F íg a d o D ia fr a g m a P r o m o n t ó r i o s a c r a l P la n o d e li n h a t e r m in a l ( m a r g e m p é lv i c a ) P r o m o n tó r io s a c r a l D ia f r a g m a D ia f r a g m a C a v id a d e to r á c ic a C a v i d a d e v e n t r a l ( a n t e r io r ) C a v id a d e a b d ó m in o - p é lv i c a S í n fis e p ú b ic a
  9. 9. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS 1.10. Membranas Ambas as cavidades do corpo, torácica e abdômino-pélvica, têm duas membranas: 1. Membrana Visceral: que recebe os órgãos. Membrana Parietal: que forma parede mais externa da cavidade. O espaço entre as duas membranas é preenchido por um fluido. Questionário de revisão 1. Defina Anatomia: 2. Como é dividido o corpo humano? 3. Explique posição anatômica: 4. Cite os termos de direção e termos regionais e defina-os: 5. Cite os planos do corpo e defina-os: 89
  10. 10. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS 2. NOÇÕES GERAIS DE CITOLOGIA 2.1. Introdução A citologia estuda as células, estruturas visíveis somente com o auxilio do microscópio, que apresentam variações quanto à forma e ao tamanho; elas são compostas por: - membrana celular - citoplasma - núcleo A membrana celular, o citoplasma e o núcleo atuam de maneira integrada nos processos vitais da célula, quais sejam: - absorção e assimilação das substancias essenciais para a sobrevivência da célula; - metabolismo, que consiste nas transformações químicas necessárias para atender às necessidades nutritivas e energéticas da célula; - eliminação das substâncias utilizadas no metabolismo celular; - armazenamento das substâncias oferecidas em excesso para serem utilizadas nos períodos de privações temporárias; - fagocitose, ou seja, a capacidade para englobar e eliminar restos de células mortas, microorganismos e corpos estranhos; - locomoção, em movimentos mais rápidos (por exemplo, espermatozóides) ou mais lentos. Esta propriedade existe apenas em determinadas células. Essas funções são orientadas e coordenadas pelo sistema nervoso; por isso, todas as células deverão ser capazes de responder a esses estímulos a fim de ocorrer um funcionamento sincrônico. 2.2. Substâncias intercelulares Essas substâncias são produzidas pelas células, localizam-se entre elas para constituir o seu arcabouço orgânico de sustentação e conferir propriedades particulares aos tecidos. 2.3. Líquidos intra e extracelulares A água constitui mais ou menos 60% do peso corporal, sendo distribuída; - dentro das células (liquido intracelular) e fora da celular (líquido extracelular). A membrana celular participa ativamente das constantes trocas entre os componentes do líquido extracelular e intracelular. O sangue, rico em oxigênio e em nutrientes, chega às células através dos capilares promovendo: - a nutrição e oxigenação das células; - o transporte dos excretas das células aos órgãos excretores correspondentes; - a manutenção de uma temperatura constante no meio ambiente celular, que é um fator importante para o funcionamento das células. 90
  11. 11. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS 3. NOÇÕES GERAIS DE HISTOLOGIA 3.1. Introdução O corpo humano possui grupos de células diferenciadas com características adaptadas a sua função, mas de ação interdependente. A histologia estuda os tecidos, ou seja, os grupos de células que possuem as mesmas propriedades. Os tecidos humanos são o epitelial, o conjuntivo (ou conectivo), o muscular e o nervoso. 3.2. Tecido epitelial Forma as membranas, que são as camadas mais superficiais do corpo e, dessa forma, reveste a superfície corpórea, inclusive as cavidades. Função Localização - proteção - na superfície corpórea e cavidades - absorção - excreção - sensibilidade a estímulos 3.3. Tecido conjuntivo Também conhecido como tecido conectivo, é o arcabouço básico de sustentação pois caracteriza-se por possuir grande quantidade de substância intercelular. Função Localização Características especiais Arcabouço básico de sustentação Ossos - Fibra colágena Tendões - Fibras reticulares Artérias - Fibra elástica Baço, gânglios Observam-se os seguintes tipos de tecido conjuntivo Tipo Função Localização - Frouxo - proliferar e modificar durante os processos inflamatórios e de cicatrização - subcutâneo - entre os músculos - envolvendo os órgãos - Fibroso - promover resistência a tensão - ser flexível - tendões dos músculos - aponeuroses - cápsulas envoltórias de órgãos - Elástico - ser flexível - artérias maiores - ligamentos vocais da faringe - Adiposo - ser reserva alimentar - sustentar órgãos - proteger contra o frio e ações mecânicas - parede do trato intestinal - subcutâneo - nos espaços vazios - Cartilaginoso - sustentar o corpo com resistência elástica à pressão - nariz, laringe e superfícies articulares (hialina) - discos intervertebrais e cartilagens do joelho (fibrosa) - pavilhão auditivo e epiglote (elástica) 91
  12. 12. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS - Ósseo - ser rígido - ser resistente à pressão e tensão - suportar determinada carga - ossos - dentina e o cemento dos dentes - Hematopoético - produzir os elementos sólidos do sangue - medula óssea - nodos linfáticos - baço 3.4. Tecido muscular Tipo Função Localização - atua nos movimentos - vísceras e paredes dos vasos sanguíneos (liso) - músculos esqueléticos e cutâneos (estriado) - coração (cardíaco) - liso: não tem fibras estriadas; ação involuntária - estriado: possui fibras estriadas e ação voluntária; - cardíaco: possui fibras estriadas e ação voluntária. 3.5. Tecido nervoso Tipo Função Localização - dirige todos os processos vitais do organismo - cérebro - medula - SNP - composição de neurônio: axônio, corpo celular e dendritos; - sinapses: comunicação de um neurônio com outro 3.6. Membranas COMPOSIÇÃO: São compostas por uma camada de tecido conjuntivo e epitelial. FUNÇÃO: Servem para cobrir, lubrificar, separar ou sustentar os órgãos ou revestir cavidades corpóreas. TIPOS BÁSICOS. Mucosa: secretam uma substância espessa e viscosa chamada muco, que lubrifica e/ou protege os órgãos onde é produzido. Serosa: revestem as cavidades torácica, abdominal e pélvica; recobrem as vísceras. Composta por uma camada de tecido epitelial (simples , escamosa) que lubrificam e compartimentalizam as vísceras. O líquido seroso é um lubrificante aquoso secretado pelas membranas. CAVIDADE MEMBRANA SEROSA LOCALIZAÇÃO TORÁCICA Pleura VisceralPleura Visceral Aderente à superfície externa dos pulmões Pleura parietalPleura parietal Aderente à parede torácica e a superfície torácica do diafragma. Pericárdio visceral (epicárdio) Aderente à superfície do coração Pericárdio parietalPericárdio parietal Cobertura do coração. ABDOMINOPÉLVICA Peritônio visceral Aderente às vísceras abdominais Peritônio parietal Aderente à parede abdominal Mesentérico Dobra dupla do peritônio que liga o peritônio parietal ao visceral 92
  13. 13. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS 4. SISTEMA TEGUMENTAR 4.1. Introdução O tegumento comum compreende a pele e seus anexos, que desempenham várias funções, tais como: - recobrir a superfície do corpo como um envoltório protetor; - participar do equilíbrio térmico através de sua rede de capilares e de excreção de suor; - proteger o organismo contra as agressões térmicas e a penetração de microorganismos; - sintetizar a vitamina D pela utilização dos raios ultravioletas do sol; - ser responsável pela sensibilidade superficial do corpo através das terminações nervosas para o tato, a temperatura e a pressão; - eliminar substâncias tóxicas e residuais através do suor e do sebo; - armazenar gordura e outros componentes do metabolismo. 4.2. Composição da pele • epiderme; possui queratina nos locais de ação mecânica acentuada, melanina que responde pela coloração da pele, camada germinativa que renova as células epiteliais; • derme: mantém a pelo sob tensão elástica, forma a impressão digital, nutre a epiderme e possui terminações nervosas; • hipoderme ou subcutâneo: possui rede de capilares para a nutrição da pele, participa no equilíbrio térmico e sanguíneo, possui reserva alimentar e de proteção contra o frio e ações mecânicas. 4.3. Anexos da pele • unha; • pêlos: Sem função protetora; encontram-se dentro do folículo piloso; • glândulas sebáceas: secretam o sebo que é drenado para o folículo piloso, manténs a oleosidade e a elasticidade do pêlo e da pele; • glândulas sudoríparas: secretam o suor que mantém o equilíbrio térmico e metabólico, protege a pele contra os microrganismos; • glândulas mamárias:  formadas por aréola, mamilo, glândulas alveolares, dueto lactífero, seios lactíferos;  secretam leite. 93
  14. 14. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS 5. SISTEMA ESQUELÉTICO 5.1. Introdução O esqueleto humano consiste de 206 ossos. Podem ser agrupados em: Esqueleto axial: Ossos que formam a cabeça, a coluna vertebral e o tórax. Esqueleto apendicular: Cintura escapular, membros superiores, cintura pélvica e membros inferiores. 5.2. Conceito de Esqueleto Osteologia: é o estudo dos ossos e os ossos são a base, o inicio da estratemeria. Osso: é um órgão vivo (participante da ecologia do corpo humano). Aproximadamente 75% do osso é formado de tecido ósseo. Obs.: A junção do osteócito + osteóide + sais minerais + vasos capilares = osteôneo (osso). a) Arquitetura do osso: Formado por: - Substância compacta = serve para a sustentação, apoio. - Substância esponjosa = serve para que possa moldar o osso para quando haja fratura. - Canal medular (aloja medula óssea) - produzem células do sangue, os ossos proporcionam: Produção para as estruturas vitais, sustentações para o corpo, uma base mecânica para movimento. b) Esqueleto: Poderia significar a simples união dos ossos, mas na verdade transcende este sentido significando arcabouço, assim sendo podemos definir o esqueleto como conjunto de ossos e cartilagens que se interligam para formar o arcabouço do corpo e desempenhar várias funções, por sua vez os ossos são definidos como peças rejas, de número, colocação e formas variáveis e que em conjunto formam o esqueleto. c) Funções do Esqueleto: O esqueleto tem há função de: 1. Proteção: (para órgãos como coração, pulmão, SNC); 2. Sustentação: (e conformação do corpo humano); 3. Armazenamento: (de íons cálcio e potássio); 4. Sistema de alavancas: (que permite o movimento); 5. Deslocamento:(movimento provocado pelos músculos); 6. Produção: (de células de sangue); d) Tipos de Esqueleto: O esqueleto pode se apresentar com todas as peças: esqueleto articulado ou com ossos isolados inteiramente uns aos outros: esqueleto desarticulado. No caso do esqueleto articulado podemos verificar que a união entre os ossos pode ser natural (feito pelos próprios ligados e cartilagens); artificial (ligação dos ossos por meio de peças metálicas) e pode ser misto (quando existem os dois processos de interligação). 94
  15. 15. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS 95
  16. 16. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS Obs.: A união entre essas duas porções se faz por meio de cinturas escapular e pélvica. 5.2. Divisão do Esqueleto O esqueleto pode ser dividido em duas grandes porções: - Axial; - Apendicular c) Axial: Mediana, formando o eixo do corpo e composta pelos ossos da cabeça, pescoço e tronco (tórax e abdome). d) apendicular: Forma os membros e constitui o esqueleto Categoria Número de ossos Esqueleto axial 80 cabeça 29 Coluna vertebral 26 Tórax (costelas-esterno) 25 Esqueleto apendicular 126 Cintura escapular 04 Membros superiores 60 Cintura pélvica 02 Membros inferiores 60 Total 206 Número de Ossos No adulto , quando se considera complexo o desenvolvimento orgânico, o número de ossos é 206. Este pode variar de acordo com : a) Fatores Etários: Do nascimento a senilidade a uma diminuição do número de ossos. b) Fatores Individuais: Em alguns desses, pode haver persistência da divisão do osso frontal no adulto e ossos extranumerários podem ocorrer determinando variação no número de ossos. c) Critério de Contagem: Às vezes os anatomistas utilizam critérios pessoais (contam ou não os sesamóides ou os ossículos do ouvido médio) Classificação dos Ossos Leva em consideração a forma dos ossos. a) Osso Longo - apresenta um comprimento consideravelmente maior que a largura e a espessura (ex.: ossos do esqueleto apendicular: fêmur, úmero, rádio, Ulna, tíbia, fíbula, falanges); o osso longo apresenta duas extremidades denominadas: Epífises e um corpo de Diáfise. Esta possui no seu interior, uma cavidade chamada canal medular que aloja a medula óssea. Por esta razão os ossos longos são chamados também tibulares. Obs.: Nos ossos longos em que a ossificação ainda não se completou é possível visualizar entre a epífise e a Diáfise um disco cartilaginoso = cartilagem epifisal, relacionado com o crescimento do osso em comprimento. b) Osso Laminar - Também chamado de Plano, é o que apresenta comprimento e largura equivalentes, predominando sobre a espessura (2 medidas grandes e 1 pequena). Ex.: Ossos do crânio como o parietal, frontal, occipital, como escápula e o osso do quadril. Atualmente são classificados como ossos chatos. c) Osso Curto - 3 medidas iguais. Ex.: Ossos do carpo e do tarso e a rotula (patela). 96
  17. 17. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS d) Osso irregular - Apresenta uma morfologia complexa que não encontra correspondência com formas geométricas. Ex.: Vertebrais e o osso temporal. e) Osso Pneumático - Apresenta uma ou mais cavidades de volume variável, revestidas de mucosa e contendo ar. Essas cavidades recebem o nome de sinus ou seios. Estão situados no crânio, maxilar, etmóide e esfenóide. f) Osso Sesamóides - Desenvolvem-se na substância de certos tendões ou da cápsula fibrosa quando envolve certas articulações. Os primeiros são chamados intratendíneos e o segundo peri-articulares. Periósteo No vivente e no cadáver o osso se encontra revestido por delicada membrana conjuntiva, com exceção das superfícies articulares. Esta membrana é denominada periósteo e apresenta dois folhetos: um superficial e um profundo, (a camada profunda é chamada osteogênica). Nutrição Óssea Os ossos são altamente vascularizados. As artérias do periósteo penetram no osso, irrigando-o e distribuindo-se na medula óssea. Por esta razão, desprovido de seu periósteo o osso deixa de ser nutrido e morre. Função do Periósteo Enervação do osso, formação de osso quando este se quebra, vascularização da substância compacta. 5.3. Termos Estruturais Comuns do Esqueleto • Crista: uma linha óssea proeminente, aguçada; • Côndilo: uma proeminência arredondada que se articula com outro osso; • Epicôndilo: uma pequena projeção localizada acima ou no côndilo; • Faceta: uma superfície articular quase achatada, lia; • Fissura: uma passagem estreita como uma fenda; • Forame: um buraco; • Fossa: uma depressão freqüentemente usada como superfície articular; • Fóvea: uma cova; geralmente usado como fixação, mais do que para articulação; • Cabeça: geralmente a extremidade maior de um osso longo; freqüentemente separada do corpo do osso por um colo estreitado; • Linha: uma margem óssea suave; • Meato: um canal; • Processo: uma proeminência ou projeção; • Ramo: uma parte projetada ou um processo alongado; • Espinha: uma projeção afilada; • Sulco: uma goteira; • Trocânter: um processo globoso grande; • Tubérculo: um nódulo ou pequeno processo arredondado; • Tuberosidade: um processo amplo, maior do que um tubérculo. 97
  18. 18. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS 5.4. Anatomia do Crânio 5.4.1. Crânio: Um osso frontal; A) Dois ossos parietais B) Um osso occipital C) Dois ossos temporais; D) Um osso esfenóide Face: A) Par de maxilas; B) Par de zigomáticos; C) Par de ossos nasais; D) Par de lacrimais; E) Uma mandíbula; F) Etmóide; G) Vômer Ossos da Audição: A) Martelo; B) Estribo; C) Bigorna. Osso Hióide: Com a forma de U: ponto de fixação da língua e de músculos da faringe. 5.4.1.1. Cabeça A cabeça óssea é formada por 29 ossos, 11 dos quais são pares. Com exceção da mandíbula (maxilar inferior) e de três pequenos ossos (ossículos) da cavidade da orelha média, a maioria dos ossos da cabeça do adulto estão unidos firmemente por articulações imóveis chamadas suturas. No nascimento e ainda por alguns anos após, a maioria dessas suturas ainda estão preenchidas por tecido conjuntivo fibroso, de tal forma que os ossos são capazes de fazer certos movimentos. Esta flexibilidade permite à cabeça estreitar-se durante o nascimento, pelo fato de os ossos da calvária (abóbada craniana) recobrirem parcialmente uns aos outros quando o indivíduo fica sujeito à pressão do canal do parto. A presença de tecido conjuntivo também é importante para o crescimento posterior do crânio para se acomodar ao desenvolvimento normal do encéfalo. Em alguns pontos de união de duas ou mais suturas há áreas membranosas fibrosas que ainda estão evidentes até cerca de 18 meses após o nascimento tais "pontos moles" do crânio são chamados fontanelas ("moleira"). 5.4.1.2. Abóbada Craniana (Calvária) A abóbada craniana (calvária) é formada pelos ossos frontal, parcial e occipital. 98
  19. 19. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS a) Osso frontal - O Frontal é osso ímpar que forma a região ântero-superior do crânio. Este osso começa seu desenvolvimento como dois ossos separados que se encontram na linha mediana formada a sutura metópica, que geralmente não é mais visível no adulto. O osso frontal forma à fronte ("testa") e o teto das cavidades orbitárias. No interior do osso logo acima da junção com os ossos nasais, encontram-se os seios frontais. Estes, como os demais seios da cabeça, são espaços aéreos revestidos por membrana mucosa. Posteriormente, o osso frontal faz articulação com os dois ossos parietais, formando a sutura coronária. b) Ossos parietais - Os dois ossos parietais formam a maior parte da abóbada craniana. Os parietais se encontram na linha mediana formando a sutura sagital. Os ossos parietais formam a sutura coronária que atravessa o alto do crânio, onde eles se encontram com o osso frontal; a sutura lambdóide na parte posterior do crânio, onde eles se encontram com o osso occipital; e a sutura escamosa nas porções laterais inferiores do crânio, onde eles se encontram com os ossos temporais. No crânio de uma criança bem nova, fontanelas fibrosas ocupam o ponto de união dessas suturas. A fontanela anterior (frontal ou bregmática) está localizada na união das suturas sagital e coronária. A fontanela posterior (occipital ou lambdátíca) está localizada na união das suturas sagital e lambdóide. Há fontanelas anterolaterais (esfenoidais ou ptéricas) direita e esquerda, na união das suturas coronária e escamosa, e fontanelas posterolaterais (mastóideas ou astéricas) onde a sutura escamosa se encontra com a sutura lambdóide. c) Osso occipital - o osso occipital é ímpar e forma a porção póstero-inferior da abóbada craniana bem como a porção posterior da base da cavidade craniana. Seu detalhe mais marcante é o largo forame magno, pelo qual a cavidade craniana se comunica com o canal vertebral. A medula oblonga (bulbo) do tronco encefálico passa através desse forame. Anterior e lateralmente ao forame magno encontram-se os dois côndilos occipitais, um de cada lado. Esses conditos se articulam com a superfície superior da primeira vértebra cervical (atlas). Esta é a única conexão entre o crânio e a coluna vertebral. Além de se articular com os ossos parietais (formando a sutura lambdóide), o osso occipital também faz contato com o osso esfenóide e os ossos temporais. d) Ossos que Formam a Base da Cavidade Craniana: A base da cavidade craniana, acima da qual está alojado o encéfalo, é formada por seis ossos: os ossos ímpares frontal, etmóide, esfenóide e occipital e os ossos pares temporais. Nós já estudamos os ossos frontal e occipital. O osso frontal (juntamente com o etmóide) forma a fossa craniana anterior; o osso occipital forma a fossa craniana posterior. Consideraremos agora os ossos etmóide, esfenóide e temporais. O esfenóide e os ossos temporais formam a fossa craniana média. e) Osso etmóide - O osso etmóide está situado no meio do assoalho da fossa craniana anterior, onde ele forma a maior parte das paredes da porção superior da cavidade nasal. O osso etmóide é bem leve a delicado, contendo muitos seios aéreos. Tem quatro partes: a lâmina crivosa, a lâmina perpendicular, na linha mediana e as duas massas laterais que se projetam para baixo da lâmina crivosa. A lâmina crivosa articula-se com o osso frontal para formar o assoalho da fossa anterior do crânio. Esta lâmina é chamada crivosa pelo fato de ser perfurada por muitos finos forames crivosos (forames olfatórios). Ramos do nervo olfatório passam através desses forames fazendo trajeto entre as membranas mucosas da cavidade nasal e os bulbos olfatórios do encéfalo. A lâmina perpendicular forma a maior parte do septo nasal, que divide o nariz em cavidades nasais direita e esquerda. 99
  20. 20. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS Na superfície medial de cada massa lateral (labirinto etmoidal) há projeções chamadas conchas nasais superior e media, que formam parte das paredes laterais das cavidades nasais; a superfície lateral lisa de cada massa lateral é referida como lamina orbital, porque forma parte da parede medial de cada órbita. f) Osso esfenóide - O osso esfenóide estende-se completamente atravessado no assoalho da fossa média do crânio, o esfenóide em ambos os lados, é rodeado por outros ossos, articulando-se posteriormente com a parte basilar do osso occipital, lateralmente com os ossos temporal e parietal, e anteriormente com os ossos, frontal e etmóide. O esfenóide tem uma forma complexa, com um corpo central, de onde se projetam as asas menores, as asas maiores e os processos pterigóides. A superfície anterior das asas maiores forma a maior parte das paredes posteriores das órbitas. Os canais ópticos, localizados nas bases das asas menores , permitem a passagem dos nervos ópticos dos olhos para a base do encéfalo. A superfície superior do corpo do osso esfenóide contém uma depressão profunda chamada sela turca. Esta, que aloja a glândula hipófise, é limitada posteriormente por uma saliência óssea chamada dorso da sela. g) Ossos temporais - Os dois ossos temporais unem-se com o osso esfenóide para formar a fossa média do crânio cada ossos consiste de quatro regiões: I. A delgada parte escamosa que se projeta para cima, articulando-se com o osso parietal pela sutura escamosa. II. A parte timânica que forma as paredes do meato acústico externo e a região do osso que envolve intimamente o meato. III. A parte petrosa que se projeta medialmente entre os ossos estenoide e occipital. Contém as cavidades da orelha média e da orelha interna. IV. A parte mastóide que está localizada posteriormente ao meato acústeo externo. 5.4.1.3. Esqueleto da Face Os ossos que formam a maior parte do esqueleto da face são: os ossos ímpares frontal e mandíbula, e os ossos pares maxilas, zigomáticos, lacrimais e nasais. a) Maxilas Os ossos maxilares (maxilas) formam a porção central do esqueleto facial. Com exceção da mandíbula, todos os demais ossos da face se articulam com as maxilas. Os dois ossos maxilares articulam-se na linha mediana para formar o maxilar superior. Além disso, cada um deles participa da formação do teto da boca, do assoalho e das paredes laterais da cavidade do nariz, e do assoalho da órbita. Os grandes seios aéreos maxilares estão localizados no interior das maxilas. b) Ossos Zigomáticos Os ossos zigomáticos (malares) articulam-se com as maxilas e com os ossos temporais para formar as proeminências da face ("maças do rosto"). Também se articulam com o osso frontal e com o osso esfenóide (pela asa maior) para formar parte do assoalho e da parede lateral da órbita. Um pequeno forame zigomaticofacial serve de passagem para vasos e nervos zigomaticofaciais. c) Ossos Nasais Os ossos nasais são dois pequenos ossos oblongos que se encontram na linha mediana da face para formar o dorso do nariz. Além disso, eles se articulam com o osso frontal, com o etmóide (lâmina perpendicular) e com as maxilas (processo frontal). 100
  21. 21. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS d) Ossos Lacrimais Os ossos lacrimais direito e esquerdo são ossos delicados e pequenos que ajudam a formar a face medial da órbita. Articulam-se em cima com o osso frontal, atrás com o osso etmóide (lâmina orbital da massa lateral) e na frente com as maxilas (processos frontais). Próximo à sua extremidade anterior, cada ossos lacrimal tem um sulco lacrimai que aloja o seco lacrimal e o dueto nasolacrimal. O saco lacrimal e o dueto nasolacrimal transportam a lágrima da superfície do olho para a cavidade nasal. e) Mandíbula O esqueleto facial é completado pela mandíbula que forma o maxilar inferior. A mandíbula consiste de um corpo horizontal, com forma de ferradura e dois ramos perpendiculares a ele. Os processos condilares, localizados na margem superior dos ramos formam uma articulação móvel com a fossa mandibular dos ossos temporais, traz informações adicionais sobre a mandíbula. f) Ossos que Formam a Cavidade do Nariz Já estudamos como a maior parte do septo nasal é formada pela lâmina perpendicular do osso etmóide. Boa parte das paredes lateral da cavidade do nariz é formada pelas conchas superior e médio do osso etmóide. Dois ossos adicionais também contribuem para a formação da cavidade do nariz; o vômer e as conchas nasais inferiores. + O vômer é um delgado osso quadrangular que forma a porção póstero-inferior do septo nasal. Sua borda superior articula-se com o esfenóide, entre os processos pterigóides; sua borda inferior articula-se com a supernóide, entre os processos pterigóides; sua borda inferior articula-se com a superfície superior do teto bucal (maxilas e ossos palatinos). A parte mais superior da borda anterior do vômer articula-se com a lâmina perpendicular do etmóide, e a parte inferior esta em contato com a porção cartilaginosa do septo nasal. + O par de conchas nasais inferiores forma conchas alongadas que se projetam medialmente das paredes laterais da cavidade do nariz. Estão localizadas logo abaixo das conchas médias do osso etmóide. As conchas nasais inferiores se articulam com as maxilas, os lacrimais, o etmóide e os ossos palatinos. g) Ossos que Formam o Palato Ósseo O palato ósseo forma o teto da boca a porção anterior do palato duro é formada pêlos processos palatinos das maxilas. A porção posterior é formada pelas laminas horizontais dos dois ossos palatinos. + Cada osso palatino tem a forma de um L. com uma porção horizontal e uma porção vertical. Na extremidade posterior da lâmina horizontal, no seu ponto mediano de junção, há uma projeção afilada chamada espinha nasal posterior. Esta projeção serve para a fixação da úvula, uma massa carnosa flácida que fica pendente, no palato mole. Na margem lateral de cada lâmina horizontal estão os forames palatinos maiores e menores que dão passagem aos nervos e vasos palatinos maiores e menores. A porção vertical de cada osso palatino (lâmina perpendicular) forma parte da parede posterior da cavidade do nariz. Uma pequena porção da lâmina perpendicular contribui para a formação da órbita. Logo abaixo da superfície orbital uma incisura esfenopalatina serve de passagem para os nervos e vasos sanguíneos pterigopalatinos através da lâmina perpendicular. h) Seios Paranasais Os seios paranasais constituem uma série de espaços aéreos contidos nos ossos frontal, e etmóide, maxilas e esfenóide. Os seios paranasais, que drenam na cavidade nasal, estão revestidos por epitélio ciliado numa membrana mucosa que é contínua com a membrana mucosa da cavidade do nariz. Os seios frontais são encontrados logo acima das extremidades mediais das órbitas na região da glabela. Os seios etmoidais são uma serie de pequenos espaços localizados nas massas laterais do osso (labirinto etmoidal). Os seios maxilares, os maiores entre os seios paranasais, ocupam a maior parte do osso desde a órbita até o processo alverolar. Os seios esfenoidais estão contidos no corpo do osso. 101
  22. 22. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS Ponto de Intersecção O ponto de intersecção são pontos de encontro entre as suturas, são eles: (1) Bregma (2) Glabela (3) Násion (4) Ptérion (5) Lambda 5.4.1.4. Ossículos da Audição Três pequeninos ossos chamados ossículos da audição estão localizados na cavidade da orelha média (cavidade timpânica). As cavidades timpânicas estão dentro da parte petrosa de cada osso temporal. Os ossículos formam uma ponte que atravessa a cavidade timpânica desde a membrana do tímpano até a janela do vestíbulo (janela oval), que separa a orelha média da orelha interna. O martelo está fixado à face interna do tímpano. O estribo prende-se na janela oval. A bigorna forma uma conexão entre o martelo e o estribo. 5.4.1.5. Osso Hióide O osso hióide tem a forma de U e está suspenso por ligamentos no processo estilóide dos ossos temporais. Está localizado logo acima da laringe. O hióide consiste num corpo central e pares de cornos maiores e cornos menores. Serve como ponto de fixação de músculos da língua e da faringe. PRÁTICA Reconhecer: - Ossos do crânio - Ossos da face - Seios paranasais - Pontos de intersecção - Suturas - Fontanelas - Sela turca - Forame magno - Crista gali - Margens da órbita ocular 102
  23. 23. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS RECUPERAÇÃO PARALELARECUPERAÇÃO PARALELA 1. O que são e quais são os seios paranasais ? 2. Explique e cite os pontos de intersecção do crânio ? 3. O que são as suturas, cite quatro ? 4. O que são as fontanelas e quais as suas localizações ? 5. Quais são os ossos que formam a calota craniana ? 6. Quais são os ossículos da audição ? 7. Quais são as quatro regiões do osso temporal ? 8. O que encontramos no osso esfenóide ? 9. Quais são os ossos que formam as margens da órbita ocular ? 10. Quais os ossos que formam a cavidade do nariz ? 103
  24. 24. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS104
  25. 25. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS 5.5. Anatomia do Membro Superior Cintura escapular: acima da parte superior do tórax: 1. Clavícula; osso em forma de S servindo de alavanca para escápula; mantém o ombro distante da caixa torácica; 2. Escápula: osso triangular, achatado e delgado, colocado na parte posterior da 2ª até a 7ª costela. Braço: o úmero é o único osso Antebraço: dois ossos: 1. Ulna medial ao rádio na posição anatômica; 2. Rádio: lateral a ulna na posição anatômica. Mão: oito ossos do carpo, em duas fileiras transversais e 4 ossos cada; I. Fileira proximal: de lateral para medial: escafóide, semilunar, piramidal e pisiforme; II. Fileira distal de lateral para medial: trapézio, trapezóide, capitato e uncinado. Palma da Mão: 5 ossos metacarpais Dedos: 14 falanges 105
  26. 26. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS Os ossos do membro superior são divididos em quatro grupos principais: mão, antebraço, braço e ombro. 5.5.1. Mão Os vinte e sete ossos da mão são divididos em três grupos: 1. Falanges (dedos e polegar) 14 ossos. 2. Metacarpo (palma da mão) 5 ossos. 3. Carpo (punho) 8 ossos. Os ossos mais distais da mão são as falanges, que formam os dedos, o segundo grupo de ossos é constituído pelos metacarpos que formam a palma compõe os ossos do punho. 5.5.2. Falanges Cada dedo consiste em dois ou três pequenos ossos distintos denominados falanges. Os dedos são enumerados começando pelo polegar que é o primeiro dedo e terminando no dedo mínimo que é o quinto dedo. O esqueleto do segundo ao quinto dedo é composto por três falanges (proximal, medial, Distal). O polegar possui apenas duas falanges (proximal e distal). 5.5.3. Metacarpo O segundo grupo de ossos da mão, que constituem a palma são os cinco metacarpos. Esses ossos são enumerados da mesma forma que os dedos, sendo o primeiro metacarpo abaixo da falange proximal do polegar ou na face lateral da mão (quando a mesma estiver na posição anatômica). 106
  27. 27. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS 5.5.4. Carpo (punho) Após as falanges e os metacarpos (palma) há o terceiro grupo de ossos da mão e do punho, os ossos do carpo que são divididos em duas fileiras (8 ossos). 5.5.5. Fileira Proximal Começando na face próxima do polegar há o escafóide que se articula como rádio proximalmente. Osso do carpo que sobre freqüentes fraturas. O osso semilunar é o 2° osso do carpo na fileira proximal e também articulado como rádio. O 3° osso do carpo é o piramidal. O 4° osso é o pisciforme; é o menor osso do carpo e está localizado anteriormente ao piramidal. 5.5.6. Fileira Distal A Segunda fileira mais distante dos quatro ossos do carpo articula-se com os 5 ossos do metacarpo distal. Começando novamente na face lateral ou do polegar está o trapézio (Entre o escafóide e o 1° metacarpo), a seguir estão o trapezóide, o menor osso da fileira distal, que é seguido pelo maior dos ossos do carpo o capitado. O último osso na fileira distal é o Hamato. 5.5.7. Canal do Carpo Os ossos do carpo apresentados quando olhados tangencialmente para o punho e para o braço a partir da palma da mão como punho hiper-estendido. O canal do carpo é formado pela face côncava anterior ou palmar dos ossos. 5.5.8. Articulações da Mão As articulações entre os ossos do membro superior são importantes em gesso porque pode haver pequenas fraturas em lasca próximos dos espaços articulares. Portanto, é necessária identificação precisa de todas as articulações das falanges e metacarpo da mão. 107
  28. 28. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS Polegar: (1º Dedo): O polegar possui apenas duas falange e a articulação entre elas e denominada articulação interfalanqianas ou IF. A articulação entre o 1° metacarpo e a falange proximal do polegar é denominada a 1° articulação metacarpofalangiana ou MF. Dedos: (2º à 5º): O segundo ao 5° dedos possuem três falanges, portanto, também possuiriam três articulações cada um começando da porção distal de cada dedo as articulações são: interfalangiana distal IFD, a seguir a articulação interfalangiana proximal ou IFP e a nível mais proximal a articulação metacarpofalangiana ou MF. Metacarpos: os metacarpos articulam-se com as falanges em suas extremidades distais e são denominadas articulações metacarpofalangianas MF, na extremidade proximal, os metacarpos articulam-se com os respectivos carpos e são denominados articulação carpometacarpianos CM. PRÁTICA O aluno deve ser capaz de reconhecer: • As divisões existentes na mão dividindo carpo, metacarpo e falanges. • Falanges: medial, Proximal e Distal • Metacarpos, (l, II, III, IV e V). • Ossos do carpo e suas respectivas fileiras. • Articulações da mão. • Canal do carpo. RECUPERAÇÃO PARALELA 1. Quais são os grupos de ossos que compõe a mão? 2. Quais são as articulações encontradas na mão? 3. Cite os ossos da fileira proximal e Distal do carpo? 4. O que é o canal do carpo? 5. Que tipos de articulações encontramos entre os ossos da mão? 6. Como são enumerados os dedos, explique a disposição das falanges em cada um? 5.5.9. Anatomia do Antebraço Há dois ossos paralelos no antebraço. Na posição anatômica, a Ulna é medial e o Rádio é lateral. Ulna Ulna a extremidade proximal da Ulna tem dois proeminentes processos: o maior, posterior, chamado olécrano e o menor, anterior, chamado processo coronóide. Uma superfície côncava, lisa, a incisara troclear, encontra-se na superfície anterior do olécrano e se estende até a porção superior do processo coronóide. A incisura troclear articular-se com a tróclea do úmero. A incisura radial é uma superfície lisa na face lateral do processo coronóide. Articula-se com a borda da cabeça do rádio. Distalmente, a Ulna tem uma pequena cabeça arredondada e um processo estilóide medial e posterior. Rádio: 108
  29. 29. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS Na posição anatômica, o rádio encontra-se lateralmente à ulna. Sua extremidade proximal, pequena e cilíndrica é chamada cabeça do rádio. A cabeça articula-se com o capítulo do úmero e com a incisura radial da ulna. Na face medial. À curta distância abaixo da cabeça está a tuberosidade do rádio. A extremidade Distal do rádio é alargada e se articula medialmente com a ulna e distalmente com os ossos do carpo no pulso. Tem um processo estilóide crônico que se projeta de sua margem lateral. O espaço entre o rádio e a ulna é ocupado por uma forte membrana interóssea. PRÁTICA Reconhecer: Rádio Ulna E seus detalhes anatômicos principais. Rádio : Processo Estilóide: Incisura ulnar, Corpo ou Diáfise, Tuberosidade, Colo Cabeça. Ulna : Processo Estilóide: Face articular, Corpo ou Diáfise, Incisura radial, Processo coronóide, Incisura troclear, Olécrano. RECUPERAÇÃO PARALELA 1. Quais são os ossos que compõe o antebraço? 2. O que encontramos nas epífises proximais do rádio e da ulna? (Detalhes anatômicos). 3. Cite os detalhes anatômicos das epífises Distais do rádio e da ulna? 4. Na posição anatômica qual a localização os ossos do antebraço? 5. Quais as articulações do antebraço? 6. O que acontece com os ossos do antebraço quando fazemos uma pronação? 5.5.10. Braço O úmero é o único osso do braço. Sua epífise proximal que é chamada cabeça, é lisa e arredondada. A cabeça se articula com a cavidade glenóide da escápula. O colo anatômico é uma região levemente estreitada logo abaixo da cabeça. Há duas projeções logo distais ao colo anatômico - o tubérculo maior que é lateral, e o tubérculo menor que é anterior. Os tubérculos estão separados um do outro por um sulco intertubecular (sulco bicipital). A extremidade distal do úmero é achatada, com dois proeminentes epicôndilos lateral e medial. Entre os epicôndilos estão duas superfícies articulares a lateral, arredondada, chamada capítulo (pequena cabeça do úmero), que se articula com o rádio, e a medial, sulcada profundamente, chamada tróclea, que se articula com a ulna. 109
  30. 30. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS PRÁTICA Reconhecer: • Úmero: - Tróclea; - Capítulo; - Fossa radial; - Fossa coronóide; - Epicôndilo medial; - Epicôndilo lateral; - Corpo ou Diáfise; - Cabeça; - Colo anatômico; - Colo cirúrgico; - Tubérculo maior; - Tubérculo menor RECUPERAÇÃO PARALELA 1. O braço é composto por um osso, cite seus detalhes anatômicos, separando-os em epífise proximal e distal? 2. Descreva a localização do capítulo e da fossa olecraniana? 3. Quais são os ossos que formam a articulação do cotovelo? Explique. 4. Qual é a localização do colo anatômico? 110
  31. 31. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS 5.5.11. Ombro - Cintura Escapular Clavícula A clavícula tem a forma de um S e serve como uma alavanca para a escápula. Sua extremidade esternal (medial), que articula com o manúbrio do esterno, é alargada e áspera. Sua extremidade acromial (lateral), que articula com o acrômio da escápula, é achatada. Através de suas articulações como esterno e com a escápula, as clavículas mantêm os ombros presos à caixa torácica permitindo ao braço movimentar-se livremente sem que seja primeiramente necessário afastá-lo da parede do corpo. Quando a clavícula é quebrada, todo o ombro entra em colapso. Escápula A escápula é um osso triangular, delgado e achatado que se encontra sobre a face posterior das costelas, da segunda à sétima. A margem superior forma a base do triângulo, com uma margem medial (vertebral) e uma margem lateral (axilar) unindo-se num ângulo inferior. O ângulo lateral forma a cavidade glenóide, que se articula com o úmero. Na margem superior, logo medialmente à cavidade glenóide encontra-se o processo coróide (um gancho em forma de bico). A face posterior é dividida em regiões superior e inferior por uma crista chamada espinha da escápula. A espinha termina lateralmente num processo achatado chamado acrômio, que se articula com a extremidade lateral da clavícula. A cintura escápula (ângulo do MMSS), está localizada sobre a parte superior do tórax. Sua única união com o esqueleto axial está no local onde a extremidade medial de cada clavícula articula-se com o Manúbrio do esterno. A extremidade lateral de cada clavícula articula-se com o acrômio da escápula. As escápulas estão fixadas à parte posterior do tórax 111
  32. 32. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS por músculos, mas não fazem contato diretamente com as costelas, estando separadas delas por músculos. PRÁTICA Reconhecer: Escapular: Margens Ângulos Processo coracóide Cavidade glenóide Acrômio Face costal Tubérculo infraglenoidal Cavidade supra espinhal Cavidade infra espinhal Clavícula: Extremidade esternal Face articular esternal Extremidade acromial Face articula acromial RECUPERAÇÃO PARALELA 1. Esboce uma escápula (triângulo), mostrando suas margens e seus ângulos? 2. Qual é o formato da escápula, qual é o seu detalhe óbvio em uma vista posterior? 3. Sobre a clavícula responda: a) Qual é o seu formato? b) Com quem se articula? c) Quais são seus detalhes anatômicos? d) Qual a sua localização? 4. Qual é a localização da escápula e com quem ela se articula? Descreva? 112
  33. 33. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS 5.6. Anatomia do Membro Inferior Cintura Pélvica: Formada por um par de ossos do quadril: - Ílio, Ísquio e Púbis: ossos individualizados durante o desenvolvimento embrionário; fundem-se para formar no adulto o osso do quadril. Cavidades Pélvicas Coxa: O fêmur forma o esqueleto da coxa. Perna: 1. Patela: protege articulação do joelho entre a coxa e a perna; 2. Tíbia: forte e medial; 3. Fíbula: afilado e lateral. Pé: Formado por 7 ossos do tarso na região do tornozelo: 1. Tálus; 2. Calcâneo; 3. Navicular; 4. Cubóide; 5. Cuneiformes medial, intermédio e lateral; 6. 5 ossos do metacarpo. Dedos do Pé: 14 falanges Ossos Sesamóides: formam-se em tendões sujeitos a compressão;geralmente em volta de uma articulação(ex:patela). 113
  34. 34. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS 5.6.1. Pé O esqueleto do pé consiste de ossos tarsais, ossos metatarsais e falanges. A porção do pé, junto ao tornozelo, é formada por sete ossos do tarso; o tálus (astrágalo), o calcâneo, navicular, o cubóide e os cuneiformes medial, intermédio e lateral. A primeira letra de cada palavra na sentença "Tarso Contém Nomes Complexos Causando Constante Confusão", poderiam ajudar na recapitulação das primeiras letras de 114
  35. 35. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS cada osso do tarso. Entretanto, lembra-se que os ossos cuneiformes são três: medial, intermédio e lateral, (frase adaptada pelo tradutor). O calcâneo forma o proeminente osso do calcanhar, local de fixação de diversos músculos da panturrilha ("barriga da perna"). Repousando sobre a superfície superior do calcâneo está o tálus; o tálus está localizado entre os maléolos, onde ele se articula com a tíbia e a fíbula. Neste local o tálus recebe o peso inteiro do corpo, que é então distribuído para os demais ossos do tarso. Os três ossos cuneiformes e o osso cubóide articulam-se com as extremidades proximais dos ossos do metatarso. Cinco ossos metatarsais formam o esqueleto da região intermediária do pé, eles são numerados da medial para a lateral (l a V). Proximalmente, os ossos metatarsianos articulam-se com os ossos do tarso e entre si. Distalmente, cada um deles se articula com a extremidade proximal de uma falange. O esqueleto dos dedos é semelhante ao dos dedos das mãos. Ele é formado de 14 falanges -três (proximal, média, distal) em cada dedo, exceto no dedo maior (hálux), que não tem a falange média. As falanges dos dedos dos pés são ossos mais curtos que aqueles da mão, Arcos do Pé Os ossos tarsais e metatarsais estão articulados de tal maneira que formam três arcos. Os arcos longitudinais, medial e lateral têm o calcâneo como seu pilar posterior e os demais ossos do tarso e os metatarsais como seu pilar anterior. O arco transverso (arco metatarsal) é formado na sua maior parte pelas bases dos ossos do metatarso. Os arcos são sustentados principalmente por ligamentos, embora alguma sustentação é adicionalmente proporcionada por músculos e seus tendões. Trabalham na distribuição do peso do corpo de modo igualmente regular entre o calcanhar e o metatarso. Pessoas nas quais os arcos longitudinais estão colapsados sofrem do chamado "pé chato" e freqüentemente acham que seus pés cansam-se facilmente. Podem também experimentar um desconforto na parte baixa das costas porque os arcos normalmente absorvem a maior parte dos choques que ocorrem durante o andar. Ossos Sesamóides Em certos tendões que estão sujeitos a compressão ou a forças de pressão não usuais, formam-se pequenos ossos chamados ossos sesamóides. A patela é o maior osso sesamóide do corpo. Embora a localização dos ossos sesamóides seja variada, as mais comuns incluem as áreas ao redor das articulações metacarpofalângicas e metatarsofalângicas. PRÁTICA Reconhecer: - Tarso - Metatarso - Falanges Divisões do pé - Ossos do Tarso - Articulações do pé - Detalhes anatômicos do calcâneo • Tróclea fibular • Sustentáculo do tálus • Tuberosidade do calcâneo • Processo medial e lateral • Arcos plantares RECUPERAÇÃO PARALELA 1. Quais são os ossos que formam o tarso? 115
  36. 36. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS 2. Quais são as articulações encontradas no pé? 3. Quais são os detalhes anatômicos do calca neo? 4. Qual a função do sustentáculo do tatus? 5. Descreva a distribuição das falanges nos artelhos? 6. Como são divididos os metatarsos? 5.6.2. Perna Perna O esqueleto da perna consiste em um forte osso medial, a Tíbia e um fino osso lateral, a Fíbula, protegendo a articulação do joelho, entre a coxa e a perna, encontra-se a Patela. Patela: É um osso senamóide, que significa que ele se forma no interior do interior do tendão dos músculos e não está firmemente ancorado ao esqueleto. Está localizada na frente da articulação do joelho. Adicionalmente, além de proteger a articulação do joelho, a patela melhora a ação de alavanca para o grupo de músculos do quadríceps femural, em cujo tendão ela esta incluída. A superfície posterior da patela tem uma face articular lisa que faz contato com a face patela do fêmur. Tíbia: A tíbia, que é o osso medial da perna, suporta o peso do corpo que é transmitido a ela pelo fêmur. Sua extremidade proximal é expandida em côndilos lateral e medial. As superfícies superiores dos côndilos do fêmur. Entre essas superfícies articulares há uma saliência chamada eminência intercôndilas. A tuberosidade da tíbia é uma elevação proeminente na superfície anterior do osso, logo abaixo dos côndilos. Ela se comporta como um ponto de ancoragem para os tendões dos músculos da região anterior da coxa, isto é, aqueles que envolvem a patela e formam o ligamento da patela. Uma margem anterior aguçado estende-se por quase todo o comprimento do corpo. A extremidade Distal da tíbia tem uma projeção inferior, no seu lado interno chamado maléolo medial. Está é uma proeminente massa óssea que pode ser sentida no lado medial da articulação do tornozelo. A face distal da tíbia é achatada e para se articular com o fálus, que é um dos ossos do tarso. Fíbula A fíbula é um osso afiliado que é lateral a tíbia. Sua extremidade proximal é expandida numa cabeça que se articula com o condito lateral da tíbia. A extremidade distal da fíbula é achatada, formando o maléolo lateral, que pode ser sentido na porção lateral da articulação do tornozelo. O maléolo lateral articula-se com o tálus e, juntamente com o maléolo medial, forma a articulação do tornozelo. Logo abaixo do maléolo lateral, a fíbula articula-se com a extremidade distal da tíbia. Tíbia e fíbula estão firmemente ligadas por uma membrana interóssea. PRÁTICA Reconhecer: - Tíbia - Fíbula 116
  37. 37. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS Detalhes Anatômicos: - Tíbia Maléolo Medial Face Articular Tuberosidade da Tíbia Eminência Intercondilar Côndilo Medial Côndilo Lateral - Fíbula: Maléolo Lateral Corpo ou Diáfise Cabeça da Fíbula - Articulações da Perna. RECUPERAÇÃO PARALELA 1. Quais são os ossos que compõe a perna e quais as articulações encontradas nesta região? 2. O que encontramos nas epífises proximais da tíbia e da fíbula? 3. Descreva os detalhes anatômicos encontrados nas epífises distais da tíbia e da fíbula? 4. O que existe entre os dois ossos da perna para melhor fixação? 5. Quais os ossos que formam a articulação do tornozelo? 5.6.3. Fêmur - (Coxa) O fêmur que forma o esqueleto da coxa, é o mais longo osso do corpo. A cabeça do fêmur, é a sua epífise proximal esférica, que é direcionada medialmente e se encaixa no acetabilo do osso do quadril. A superfície da cabeça é lisa, exceto pela presença de uma pequena depressão chamada de fóvea da cabeça do fêmur. Um forte ligamento (ligamento da cabeça do fêmur, o antigo ligamento redondo) está fixado na fóvea e no acetábulo, ajudando a manter a integridade da articulação do quadril. Uma região estreitada o colo do fêmur, articula a cabeça com o corpo do osso. O colo faz um ângulo reto como corpo. No ponto onde o colo encontra o corpo há dois grandes processos que servem de locais de fixação de músculos, o processo maior, que é lateral, é chamado trocânter maior, o menor, que é projetado medialmente e posteriormente é chamado trocânter menor. Na superfície posterior do corpo encontra-se uma crista longitudinal distinta chamada linha áspera. Na sua extremidade Distal, a linha áspera se divide em linhas supracondílares lateral e medial, que englobam uma área triangular achatada entre elas, chamada face popútea. A extremidade distal do fêmur é alargada em conditos lateral e medial. As superfícies lisas dos conditos articulam-se com a tíbia. Entre os condutos, na face posterior, encontra-se uma profunda fossa intercondular, anteriormente, há uma lisa face patelar entre os condutos. Esta se articulando com a patela quando a perna é estendida. PRÁTICA 117
  38. 38. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS Reconhecer: Fêmur - Cabeça - Colo - Trocânter Maior - Trocânter Menor - Linha Intertrocantérica - Crista Intertrocantérica - Côndilo Medial - Côndilo Lateral - Epicôndilo Lateral - Epicôndilo Medial - Face Patelar - Face Poplítea RECUPERAÇÃO PARALELA 1. Quais são as características do osso da coxa? 2. O que encontramos nas epífises proximal e distal do fêmur? 3. O que é a fóvea e onde ela está localizada? 4. Quais são os dois processos que servem de principais locais de fixação para músculos no fêmur? E quais são as suas localizações? 5. Quais as articulações que o fêmur participa ? 118
  39. 39. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS 5.6.4. Cintura Pélvica - (Angulo do MMII) A cintura pélvica é formada por uma par de ossos do quadril ou ossos pélvicos. Os dois ossos do quadril estão firmemente fixados através de articulações posteriores ao osso sacro (articulação sacroilíaca), e um ao outro por uma articulação anterior (sínfise púbica). Cada osso do quadril é um osso único formado pela fusão de três ossos embrionários separados: ílio. ísquio e púbis. No osso do adulto esses nomes são mantidos para as respectivas partes. Na face lateral do osso do quadril (face glútea), onde o ílio, o ísquio e o púbis se encontram, há uma reentrância em forma de taça chamada acetábulo. A cabeça do fêmur articula-se com o acetábulo. Abaixo do acetábulo está situado o largo forame obturado. Ílio O ílio é uma porção alargada e expandida do osso do quadril que se estende para cima do acetábulo. Sua borda superior é chamada crista ilíaca. Esta crista termina anterior na espinha ilíaca ântero-superior. A curta distância abaixo desta espinha localiza-se a espinha ilíaca ântero-inferior. A crista ilíaca termina posteriormente na espinha ilíaca posterior inferior abaixo desta encontra-se a profunda incisura esquiática maior. A fossa ilíaca é a face interna lisa e livremente côncava, atrás da fossa encontra-se uma área enxugada, chamada face auricular, que se articula com o sacro. Correndo diagonalmente de cima para baixo e para frente a partir dessa face auricular, e demarcando o limite inferior da fossa ilíaca, esta a linha arqueada (linha terminal). Ísquio O ísquio forma a porção póstero-inferior do osso quadril e parte do acetábulo, na margem do ísquio, abaixo da grande incisura isquiática maior está a espinha esquiática. A incisura isquiática menor esta abaixo da espinha. A incisura é limitada inferiormente por um proeminente túber isquiático. que suporta o peso do corpo na posição sentado. O ramo do ísquio se projeta anteriormente ao túber, articula-se com o ramo inferior do púbis para formar a borda inferior do forame obturado. Púbis O púbis é a parte anterior do osso do quadril, forma a porção ântero-inferior do acetábulo. Seu ramo superior contrapõem-se ao ramo superior do lado oposto, unindo-se pela síntese púbica. Uma projeção chamada tubérculo público está localizada na parte superior ao ramo, encostado na síntese púbica encontra-se o ramo inferior do púbis que se estende para baixo e posteriormente, articulando-se com o ramo do ísquio. A união dos dois ramos inferiores, ao nível da sínfise púbica, forma o arco púbico (ângulo subpúbico). Cavidades Pélvicas A cavidade pélvica está dividida em duas partes por um plano horizontal que se estende do promontório do osso sacro até a margem superior da sínfise púbica, segundo a linha arqueada na face interna do ílio. A circunferência deste plano é chamada abertura superior de pelve (margem pélvica). A cavidade expandida que se encontra acima dessa abertura é chamada pelve falsa (pelve maior). A pelve verdadeira (pelve menor) é a cavidade que se encontra abaixo dessa abertura. A pelve falsa é limitada posteriormente pela força ilíaca, anteriormente, ela é limitada pela parede abdominal, sendo por isso capaz de se expandir. Ao contrário, a cavidade da pelve verdadeira é muito mais restrita sendo rodeada por todos os lados por osso (ílio, ísquio, púbis, sacro e cóccix). A circunferência superior da pelve verdadeira marca a entrada da pelve verdadeira e coincide com a margem pélvica. A circunferência inferior da pelve menor é chamada abertura inferior da pelve. Ela é limitada posteriormente pelo cóccix, pelas duas espinhas e pelos túberes isquiati e anteriormente pela margem inferior da sínfise púbica. 119
  40. 40. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS Diferenças sincreais da pelve (feminina e masculina) Há várias diferenças de estruturas entre as pelves masculina e feminina, a maioria das quais está relacionada com as funções de gestação do parto. Pelo fato do feto ter que passar da pelve maior para a pelve menor durante o nascimento as medidas da abertura superior e inferior da pelve são de particular importância na mulher. Diferenças entre pelve feminina e masculina Característica Pelve Feminina Pelve Masculina Estrutura Geral Mais delicada Mais maciça Espinhas ilíacas anterior Mais afastadas Mais próximas Abertura superior Larga, circular Forma de coração Abertura inferior Mais larga; túberos isquiáticos bastante afastados Mais estreita Arco púbico Obtuso (maior que 90°) Agudo (menor que 90°) Forame obturado Triangular Oval Acetábulo Mais anterior Mais lateral PRÁTICA Reconhecer: - Ílio - Ísquio - Púbis - Espinha ilíaca > antero superior antero inferior - Espinha ilíaca > póstero superior póstero inferior - Crista ilíaca - Incisura isquiática maior e menor - Espinha isquiática - Sínfise púbica - Tubérculo púbico - Tubérculo isquiático - Forame obturado - Acetábulo - Pelve maior ou falsa - Pelve menor ou verdadeira - Articulação sacro ilíaca - Face auricular - Diferenças sexuais da pelve feminina e masculina 120
  41. 41. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS 121
  42. 42. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS 5.7. Anatomia do Tórax. 122
  43. 43. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS 123
  44. 44. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS 5.7.1. Tórax O esqueleto do tórax é formado peio esterno, pelas costelas e pelas cartilagens costais. As vértebras torácicas formam a maior parte de sua porção posterior. O esterno é um osso achatado e alongado que forma a porção mediana da parede anterior do tórax. É composto de três partes: o Manúbrio, o corpo e o processo xifóide. A porção superior do Manúbrio articula-se com a extremidade medial de cada clavícula. Suas margens laterais articulam-se com as cartilagens costais das primeiras costelas e com parte das cartilagens costais da Segunda costela. O corpo do esterno articula-se nas suas margens laterais com as cartilagens costais das segundas costelas (que também compartilham com o manúbrio) até as sétimas costelas. O pequeno processo xifóide não se articula com nenhuma costela. Ele serve como ponto de fixação de diversos ligamentos e músculos, incluindo o músculo reto do abdome. A linha branca, que marca a linha mediana do abdome, também está fixada nele. 5.7.2. Costelas São 12 pares: 1. Costelas verdadeiras; 2. Costelas vertebroesternais do 1º ao sétimo pares; articulam-se anteriormente com esterno através das cartilagens costais.Articula-se posteriormente com as vértebras torácicas; 3. Costelas falsas: a) Costelas vertebrocondrais do 8º ao 10º pares; cartilagens costais fixadas na cartilagem da costela imediatamente superior; b) Costelas flutuantes (vertebrais); 11º e 12º pares; cartilagens costais curtas que não se articulam anteriormente. Cartilagens Costais: cartilagem e hialina; reforça o tórax e proporciona flexibilidade. Anormalidades: 1. Lordose: curvatura lombar excessiva anteriormente; 2. Cifose: curvatura torácica excessiva posteriormente; 3. Escoliose: curvatura lateral da coluna. Os primeiros sete pares articulam-se posteriormente com as vértebras torácicas e anteriormente com o osso esterno, através de cartilagens costais. Estas são as costelas verdadeiras ou costelas vertebroesternais. Os restantes cinco pares são chamados de costelas falsas. Os primeiros três pares de costelas falsas (ou seja, oitava, nona e décima costelas) têm suas cartilagens costais fixadas, com maior freqüência, na cartilagem da costela situada acima delas, do que diretamente no esterno. São as chamadas costelas vertebrocondrais. As cartilagens costais da décima-primeira e da décima-segunda costelas são curtas e não articulam-se com semifacetas de duas vértebras torácicas adjacentes. Entretanto, as cabeças da primeira, décima, décima-primeira e décima-Segunda costelas articulam-se inteiramente na faceta de uma só vértebra. À curta distância da cabeça está o tubérculo, que se articula como processo transverso da vértebra torácica. Entre a cabeça e o tubérculo está uma região estreitada chamada colo. Curvando-se anteriormente a partir do colo está o corpo (haste) da costela. 5.7.3. Cartilagens Costais As cartilagens costais são formadas de cartilagem hialina. Dão resistência ao tórax, servindo de fixação anterior para a maioria das costelas ao mesmo tempo, pelo fato de serem cartilagens, conferem flexibilidade à caixa torácica para se expandir durante a respiração. 124
  45. 45. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS PRÁTICAPRÁTICA Reconhecer: • Esterno; - Manúbrio - Corpo - Processo xifóide Doze pares de costelas - 7 verdadeiras - 3 falsas - 2 flutuantes • Cartilagens costais • Localização dos: - Pulmões - Coração - Diafragma • Coluna torácica RECUPERAÇÃO PARALELA 1. Quais são as divisões de esterno e cite suas localizações? 2. Qual é o número de costelas e como elas estão dispostas? 3. Explique o tipo de articulação que as costelas fazem? 4. Cite os detalhes anatômicos de uma costela? 125
  46. 46. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS 5.8. Anatomia da Coluna 126
  47. 47. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS Características de uma Vértebra Típica: 1. Corpo anterior, espesso, com arco vertebral posteriormente; 2. Processo espinhoso, que se estende do arco vertebral; 3. Forame vertebral, passagem para medula espinal; 4. Processo transverso; 5. Processos articulares superiores e inferiores. 5.8.1. Coluna Vertebral A coluna vertebral embrionária consiste de 33 vértebras, que estão separadas em cinco tipos diferentes, dependendo da região do corpo na qual se encontram. As primeiras sete são vértebras cervicais, seguidas por 12 torácicas, 5 lombares, 5 sacrais e 4 coccígeas. No adulto as vértebras sacrais unem-se num único osso, sacro, e as vértebras coccígenas fundem-se para formar o cóccix. Dessa forma, a coluna vertebral do adulto tem 26 ossos separados. Curvaturas da Coluna Vertebral Quando examinada de perfil, a coluna vertebral do recém-nascido tem uma única curvatura, de convexidade posterior. Quando a criança começa a levantar a cabeça, desenvolve-se uma curvatura cervical de convexidade anterior. De maneira similar, uma curvatura lombar secundária desenvolve-se quando começa a andar. Se a curvatura lombar anterior é excessiva, é chamada lordose. Se a curvatura torácica, posterior que permanece como resquício da primeira curvatura do recém-nascido, é excessiva, é chamada cifose (corcunda). A coluna vertebral é normalmente reta, sem qualquer curvatura lateral. Se existe uma curvatura lateral, fala-se em escoliose. Funções da Coluna Vertebral 127
  48. 48. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS - sustentação e flexibilidade. - proteção da medula espinal: os forames intervertebrais provêm passagens para os nervos espinais. A coluna vertebral é o principal eixo de suporte do corpo, provendo fixação para a cabeça, para o tórax e para a cintura pélvica. Embora seja a principal estrutura de suporte, sua construção é tal que permite que o tronco ter há apreciável flexibilidade. Além disso, a coluna vertebral protege a medula espinal enquanto dispõe de abertura entre vértebras adjacentes para a passagem dos nervos espinais. Características de uma Vértebra Típica Embora haja diferenças entre as vértebras das várias regiões da coluna vertebral, existem determinadas similaridades, de modo que é possível descrever uma vértebra típica. Uma vértebra típica tem um corpo anterior e espesso, com um arco que se origina na superfície posterior do corpo. Os corpos das vértebras adjacentes estão separados por um disco intervertebral cartilaginoso. Cada arco da vértebra se une à superfície posterior do corpo e envolve um forame vertebral. Os forames vertebrais de vértebras adjacentes estão alinhados e formam um canal vertebral, através do qual passa a medula espinal. Processos transversos estendem-se lateralmente de cada arco da vértebra. Projetando-se para a região posterior do arco da vértebra encontra-se um processo espinhoso mediano. Os processos transverso e espinhoso servem para a fixação de músculos e ligamentos. A porção do arco da vértebra entre o corpo e o processo transverso chama-se pedículo. A porção entre o processo transverso e o processo espinhoso chama-se lâmina. Projetando-se para cima de cada lado do arco da vértebra encontra-se um par de processos articulares superiores; suas superfícies articulares orientam-se posteriormente. Projetando-se para baixo encontra-se um par de processos articulares inferiores: suas superfícies articulares orientam-se anteriormente. A superfície articular lisa de cada processo encontra-se com o processo da vértebra situada acima ou abaixo dela, aumentando desse modo a rigidez da coluna vertebral. Os forames intervertebrais, através dos quais passam os nervos espinais, estão localizados entre os pedículos de vértebras adjacentes. Diferenças Regionais das Vértebras As vértebras de cada região têm características especificas que diferem das da vértebra "típica" e que permite que elas sejam facilmente identificadas. Curvaturas da Coluna Vertebral Quando examinada de perfil, a coluna vertebral do recém-nascido tem uma única curvatura, de convexidade posterior. Quando a criança começa a levantar a cabeça, desenvolve-se uma curvatura cervical de convexidade anterior. De maneira similar, uma curvatura lombar secundária desenvolve-se quando começa a andar. Se a curvatura lombar anterior é excessiva, é chamada lordose. Se a curvatura torácica, posterior que permanece como resquício da primeira curvatura do recém-nascido é excessiva, é chamada cifose (corcunda). A coluna vertebral é normalmente reta, sem qualquer curvatura lateral. Se existe uma curvatura lateral, fala-se em escoliose. 128
  49. 49. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS PRÁTICAPRÁTICA Reconhecer: - Coluna cervical - Coluna torácica - Coluna lombar - Coluna sacra! Vértebra - Processo espinhoso - Processo transverso - Forame intervertebral - Corpo - Disco intervertebral RECUPERAÇÃO PARALELA 1. Qual é o número de vértebras encontradas na coluna e em quantos segmentos são divididas? 2. Quais são as curvaturas fisiológicas da coluna vertebral e como elas aparecem? 3. O que é escoliose? 4. O que é e como podemos encontrar um ostéofito? 5. O atlas e axis fazem parte de qual segmento da coluna vertebral . Quais são suas características? 5.9. Articulações Tipos de articulações: Uma articulação é formada pela união de um ou mais ossos, ou ossos e cartilagens. Algumas articulações são muito móveis e outras virtualmente fixas. Existem três tipos: 1. Articulações fibrosas (imóvel): Os ossos fixam-se muito intimamente. Ligados por um tecido conjuntivo mais ou menos inextensível, que permite um pequeno ou nenhum movimento. Ex: sutura craniana; 2. Articulação Cartilaginosa: uma articulação com pouco movimento, os ossos são separados por cartilagem, tanto fibrosa quanto hialina.Ex: disco intervertebral; 3. Articulações Sinoviais: Movimento livre. a) Articulação em dobradiça ou gínglima: Os ossos ficam juntos como duas partes de uma dobradiça. São articulações uniaxiais e ligamentos colaterais que suportam cada lado da articulação.Ex: joelho; b) Articulação Condilóide ou Elipsóide: Permite movimentação de trás para frente e de lado a lado, mas não permite qualquer rotação. Ex: articulação radiocárpica do punho; c) Articulação Esferoidal: Uma extremidade do osso em forma de esfera encaixa- se numa extremidade côncava oferecida pelo segundo osso. Articulações deste tipo são as de movimentos mais livre. Ex: quadril e ombro; 129
  50. 50. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS d) Articulação Plana: As superfícies articulares são mais ou menos achatadas e permitem movimentos deslizantes em dois planos, de frente para trás e lado a lado. Ex; ossos do carpo; e) Articulação em Pivô: Um osso fica como pivô de um outro permitindo um movimento rotacional. Ex: articulação radioulnar proximal; f) Articulação em Sela: Articula-se de tal forma que os ossos podem se mover de frente para trás ou de lado a lado, mas não podem fazer o movimento de rotação. Ex: Articulação carpometacarpiana do polegar. Uma articulação sinovial típica: Características: 1. Uma cavidade articular; 2. Uma cápsula que envolve a cavidade articular. A cápsula geralmente é fixa, próxima à extremidade articular de cada osso envolvido; 3. Uma membrana sinovial que reveste a parte interna da cápsula e cobre a parte do osso de dentro da cavidade articular, exceto as superfícies articulares; 4. Fluido sinovial secretado pela membrana sinovial para lubrificar a articulação; 5. Cartilagem hialina cobrindo as superfícies articulares; 6. Ligamentos “amarrando” e apoiando a articulação e sua cápsula. 130
  51. 51. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS 131
  52. 52. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS132
  53. 53. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS 5.10. Condições de importância clínica 1) FATURAS: simples, compostas, cominutivas, afundamento e impactadas.  Consolidação das fraturas: formação do pro-calo, formação do calo fibrocartilaginoso, formação do calo ósseo; 2) CALCIFICAÇÃO METASTÁTICA: depósitos de cálcio nos tecidos que normalmente não são calcificados; rins são sítios comuns; 3) ESPINHA BÍFIDA: ausência da porção posterior das vértebras para formar o arco ósseo ao redor da medula espinal; mais comum na área lombrossacral; 4) OSTEOPOROSE: taxa de formação de osso reduzido; taxa normal de absorção óssea; 5) OSTEOMIELÍTE: infecção do conteúdo da cavidade medular e do tecido ósseo. (estaphylococcus aureus); 6) TUBERCULOSE DO OSSO: infecção do conteúdo da cavidade medular e do tecido ósseo (micobacteriun tuberculosis); 7) RAQUITISMO e OSTEOMALÁCIA: ambos devido a deficiência de cálcio, fósforo e vitamina D e luz solar; 8) TUMORES DO OSSO: benigno ou maligno; 9) PADRÕES ANORMAIS DE CRESCIMENTO: a. Gigantismo; b. Nanismo c. Acromegalia d. acondroplasia 10) EFEITOS DO ENVELHECIMENTO: gradual perda de cálcios pelos ossos(mais acentuado nas mulheres). 133
  54. 54. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS 6. SISTEMA MUSCULAR 6.1. Conceito Nenhuma característica externa da vida animal é tão peculiar quanto à do movimento. Este é efetuado por células especializadas denominadas fibras musculares, cuja energia latente é ou pode ser controlada pelo sistema nervoso. As fibras musculares classificam-se em esqueléticas, cardíacas e lisas. Os músculos esqueléticos são voluntários, devido ao fato de poderem, quase sempre, ser controladas voluntariamente pelo consciente do indivíduo. Entretanto, os músculos envolvidos na manutenção da postura são controlados pelo sistema nervoso somático. A fibra muscular esquelética apresenta um aspecto estriado, característico ao microscópio, por isso é referida como estriado esquelético. Os músculos estriados esqueléticos estão fixados aos ossos do esqueleto, sendo responsáveis por atividades como: andar, manipular objetos no meio externo, estática do corpo humano, aposição e a postura do esqueleto. A musculatura lisa e a cardíaca, chamadas musculatura involuntária, não estão geralmente sob o controle consciente do indivíduo governado pelo sistema nervoso autônomo. A musculatura lisa, também conhecida como musculatura visceral, pois é encontrada nas paredes dos órgãos ocos e tubulares como o estômago, os intestinos e os vasos de sangue. Suas células não apresentam estrutura estriada. O músculo cardíaco, denominado miocárdio, é responsável por formar as paredes do coração e apresenta fibras estriadas. Características Gerais dos Músculos Esqueléticos; Cada fibra muscular é envolvida por uma delicada bainha de tecido conectivo, o endomísio. As fibras musculares ficam agrupadas em fascículos, que são envolvidas por uma bainha de tecido conectivo denominado perimísio. O músculo como um todo se compõe de vários fascículos e é envolvido pelo epimísio, que se associa intimamente a fáscia e às vezes funde-se a ela. As fibras musculares especializam-se para a contração e o relaxamento, sendo que estas agrupadas formam massas macroscópicas, denominadas músculos esqueléticos. Os músculos esqueléticos possuem uma porção média e extremidades. A porção média é a parte compreendida entre sua origem e a sua inserção, sendo 'carnosa', contráctil e vermelha no vivente. É a porção mais alongada do músculo (ventre). As extremidades são resistentes, esbranquiçadas e brilhantes; cuja função consiste na fixação do músculo. Podem ser de dois tipos: os tendões e as aponeuroses. Os tendões um tecido conjuntivo, de aspecto cilíndrico ou em forma de fita, e comprimento variável. As aponeuroses são largas e delgadas, apresentando uma grande área de inserção. A maior parte dos músculos está ligada diretamente ou por intermédio de seus tendões ou aponeuroses aos ossos, cartilagens, ligamentos ou fáscias, ou a uma combinação destes. Quando um músculo se contrai e encurta, uma de suas conexões geralmente permanece fixa, enquanto a outra se movimenta. O ponto fixo é denominado origem (usualmente proximal) e o móvel, inserção (usualmente distai). A fáscia muscular é uma lâmina de tecido conjuntivo que envolve cada músculo. Sua função é de bainha elástica de contenção do músculo e permitir o fácil deslizamento dos músculos entre si. Quando a bainha encontra-se espessada são denominadas de septos intermusculares e sua função é de separarem grupos musculares em lojas ou compartimentos. Classificação dos Músculos Esqueléticos: Os músculos podem ser classificados seguindo vários critérios. Quanto à forma dos músculos e arranjo de suas fibras, onde a função do músculo será determinante para seu condicionamento. Como as funções dos músculos são muito variadas, também o é sua morfologia. De um modo geral e amplo, os músculos tem as fibras dispostas paralela ou oblíquas à direção de tração exercida pelo músculo. Assim, na disposição paralelas das fibras, onde estas convergem para as extremidades, podendo ser encontradas nos músculos longos (esternocleidomastóideo, sartório e bíceps braquial) em músculos fusiformes, onde predomina o comprimento; e nos músculos largos (glúteo), onde a largura e o comprimento se 134
  55. 55. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS equivalem, as fibras podem convergir para uma aponeurose, tomado-o com aspecto de leque. Na disposição oblíqua das fibras, os músculos, cujas fibras são transversais em relação aos tendões denominam-se peniformes. Quando convergem para apenas um lado são chamados unipenados (tibial posterior), e quando convergem para os dois lados são chamados bipenados (reto femural). Os músculos podem ser classificados quanto aos tendões de origem e inserção. Quando existe mais de um tendão de origem diz-se que o músculo possui mais de uma cabeça. São classificados como bíceps (bíceps da coxa), tríceps (tríceps da perna), e quadríceps (quadríceps da coxa). Quando existe^mais de um tendão de inserção, são classificados como bicaudados ou policaudados. Alguns músculos apresentam mais de um ventre muscular com tendões intermediários entre eles. São classificados em digástricos e poligástricos. Finalmente, de acordo com a ação principal da contração muscular são classificados como flexores, extensores, adutores, abdutores, rotadores, pronadores e supinadores. Principais Ações dos Músculos: Em suas ações, os músculos são incluídos nos grupos dos agonistas determinado pelo papel desempenhado pelo músculo principal que realiza o movimento. Os músculos antagonistas que se opõe ao movimento realizado pêlos agonistas. E por fim, os músculos sinergistas que auxilia o outro em sua ação, contraindo ao mesmo tempo em que um agonista. RECUPERAÇÃO PARALELA 1) Defina: a) ventre muscular; b) Tendão; c) Aponeurose; d) fáscia muscular. 2) Conceitue do ponto de vista funcional os músculos e suas variedades. 3) Defina: a) origem; b) inserção. 4) Classifique os músculos esqueléticos quanto à origem, inserção, número de ventres musculares, disposição das fibras musculares e ação. 5) Defina: a) músculos agonistas; b) músculos antagonistas; c) músculos sinergistas. 6) Defina: a) endomísio; b) perimísio. c) epimísio 135
  56. 56. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS136
  57. 57. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS 137
  58. 58. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS 7. SISTEMA NERVOSO 7.1. Introdução O sistema nervoso é constituído principalmente pelo tecido nervoso. Controla e coordena todos os processos vitais que se desenvolvem involuntariamente (atividade visceral) e também as manifestações voluntárias que promovem o relacionamento do organismo com o meio ambiente (atividades somáticas). Podemos dividi-lo, didaticamente em sistema cérebro-espinhal e sistema nervoso autônomo ou vegetativo. SISTEMA CÉREBRO - ESPINHAL Abrange o sistema nervoso central (SNC), composto pelo encéfalo e pela medula espinhal; e o sistema nervoso periférico (SNP), formado pelos nervos cranianos, espinhais (ou raquidianos) e periféricos. Considera-se o SNC os receptores e retransmissores centrais enquanto que o SNP, com suas terminações sensitivas e motoras são as vias de transmissão. SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO OU VEGETATIVO Desmembra-se em sistema nervoso simpático e parassimpático, possuindo centros próprios no encéfalo, medula e em alguns nervos periféricos. Regula a atividade de órgãos internos de forma autônoma, apesar de, algumas vezes, trabalhar em coordenação com as atividades somáticas. Funcionamento O funcionamento é complexo, mas basicamente depende da ação: a) das vias aferentes ou sensitivas: conduzem os impulsos originados nos receptores externos (visuais, auditivos, olfatórios, gustativos e táteis) ou internos existentes em diversos órgãos e sensíveis às modificações químicas, à pressão ou tensão; b) dos centros nervosos: locais de formação da resposta ao estímulo enviado pelas vias sensitivas; c) da via eferente ou motora: são vias nervosas que conduzem a resposta voluntária ou involuntária dos centros nervosos para o tecido muscular e glandular. SISTEMA NERVOSO CENTRAL - encéfalo: a calota craniana protege as seguintes estruturas:  cérebro: sede da inteligência e comando;  cerebelo: coordenação dos movimentos e equilíbrio;  tronco encefálico; local de saída e entrada de nervos cranianos; centro cardiorespiratório;  local de cruzamento das vias motoras;  ventrículos cerebrais: são cavidades que se comunicam entre si e em cujo interior circula o líquor. Compreende: ventrículos laterais direito e esquerdo (interior dos hemisférios cerebrais correspondentes); III ventrículo (entre o tálamo direito e esquerdo); IV ventrículo (entre o tronco encefálico e o cerebelo). - Medula espinhal: é um longo eixo de onde saem nervos à direita e à esquerda, ligando o encéfalo ao resto do corpo, e vice-versa. Sua substância cinzenta apresenta a forma de letra H, cujas extremidades são:  Raiz anterior: local de saída das fibras motoras;  Raiz posterior, local de saída das fibras sensitivas no canal raquidiano da coluna vertebral passa a medula espinhal. MENINGES 138
  59. 59. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS Tanto o encéfalo como a medula espinhal são envolvidos e protegidos por lâminas (ou membranas) de tecido conjuntivo chamado, em conjunto, meninges. a) Camadas - dura-máter: é a mais espessa, externa; - aracnóide: média; - pia-máter: é a mais fina, interna. b) Espaços - subdural: espaço entre a dura-máter e a aracnóide; - subaracnóide: espaço entre a aracnóide e a pia-máter. c) Função Envolver e proteger o encéfalo e a medula espinhal. LÍQUOR (L.C.R.) - líquido cefalorraquidiano. a) Função Proteger o sistema nervoso central, amortecer choques, equilibrar as pressões internas entre a cavidade craniana e o encéfalo. b) Formação É formado nos ventrículos cerebrais. c) Percurso Ventrículos cerebrais e espaço subaracnóide. SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO Função Transmissão de estímulos do corpo ao cérebro e vice-versa, compreende as fibras motoras e sensitivas dos nervos espinhais e cranianos, e também os gânglios sensitivos (acúmulo de corpos celulares, o que permite a condução do impulso nervoso da periferia ao encéfalo e à medula espinhal). Composição São compostos por doze pares de nervos cranianos e 31 pares de nervos espinhais. Hipotálamo Situa-se abaixo do tálamo; é o local onde se aloja a hipófise. Suas principais funções são: regular a água e a temperatura corporal, estimular a secreção de hormônios pela hipófise, ser o cenho da fome e da sede, ser o centro de enervação do sistema nervoso autônomo (aumenta ou diminui a freqüência cardíaca, a pressão arterial, e peristaltismo intestinal, etc). 7.3. Sistema Nervoso autônomo ou vegetativo Função Regular de forma automática as atividades digestórias, respiratórias, circulatórias, etc. 139
  60. 60. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS Composição Sistema simpático e sistema parassimpático que trabalham de forma antagônica, mas mantendo um equilíbrio interno. Esses dois sistemas são formados por diversos gânglios, nos quais penetram as fibras pré-ganglionares (vindas da medula) que estabelecem sinapses com as células ganglionares; a fibra que sai do gânglio e termina em tecido visceral denomina-se pós- ganglionares. 140
  61. 61. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS 8. SISTEMA VASCULAR 8.1. Considerações Gerais Os vasos sangüíneos são tubos fechados que transportam o sangue para todo o organismo e o trazem de volta ao coração. O sistema vascular compreende as artérias, arteríolas, veias, vênulas e capilares. É a nível dos capilares arteriais que ocorre a nutrição e oxigenação dos tecidos, e cabe ao capilar venoso, receber os catabólicos e o gás carbônico. Para que ocorra esse mecanismo, é necessário um equilíbrio entre a pressão de perfusão do capilar arterial e a de reabsorção do capilar venoso, sendo que, para isso contribuem a pressão arterial, oncótica e osmótica. As artérias e veias são formadas por três camadas: - interna: íntima ou endotelial; - média: média; - externa: adventícia. Os capilares possuem uma estrutura muito simples, composta essencialmente por endotélio. Os vasos sangüíneos são inervados pelo nervo simpático, que possui ação vasoconstritora (diminui o calibre dos vasos) e pelo nervo parassimpático, que é vasodilatador (aumenta o calibre dos vasos). A ação conjunta desses dois feixes nervosos mantém o diâmetro e a tonicidade muscular, que são fatores primordiais na distribuição sangüínea. Em condições normais, existe uma comunicação (anastomose) entre ramos de artérias ou de veias entre si, mas com pouca passagem de sangue. Quando ocorrem deficiência ou obstruções do vaso principal, o sangue passa a circular ativamente por essas anastomoses, a fim de favorecer a distribuição sangüínea e derivar o trânsito sangüíneo por essa circulação colateral. 8.2. Artérias Como as artérias participam ativamente da circulação sangüínea, suas paredes devem possuir certa flexibilidade elástica, pois transportam e propagam o sangue para todo o organismo. Do ventrículo esquerdo sai a artéria aorta, cujas ramificações originarão, direta ou indiretamente, todas as artérias da circulação sistêmica. As principais artérias do corpo são: 8.2.1. Coronária Irriga o músculo cardíaco; origina-se na porção inicial da aorta ascendente, próximo a valva aórtica. Divide-se em: - coronária direita: dá origem à artéria do nó, marginal direita e descendente posterior. Irriga o nó sinusal, o átrio direito, o ventrículo direito e o nódulo atrioventricular; - coronária esquerda: dá origem a circunflexa, a marginal esquerda e a descendente anterior. Irriga o ventrículo esquerdo, parte do ventrículo direito e o septo interventricular. 8.2.2. Aorta Ascendente Originam-se as artérias coronárias direita e esquerda. Composta pelas artérias: - branquiocefálica, que se bifurca em carótida comum (que irriga o pescoço e a cabeça) e subclávia direita (irriga o membro superior direito); - carótida esquerda, que em conjunto com a carótida comum, irriga o pescoço e a cabeça; - subclávia esquerda, que irriga o membro superior esquerdo. 141
  62. 62. IMOBILIZAÇÕES GESSADAS E NÃO GESSADAS ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANAS De cada subclávia origina-se alguns ramos arteriais, destacando-se a artéria mamária (ou torácica interna). A continuação da artéria subclávia é a auxiliar, que no braço passa a chamar-se braquial. Na altura do cotovelo, essa artéria se bifurca em radial e ulnar. 8.2.3. Aorta Torácica Irriga as paredes e o conteúdo da cavidade torácica. 142 Figura 3.1. As artérias coronarianas Figura 3.2. Esquema da distribuição das Artérias no corpo humano.

×