MANEIRA DE AMAR
O jardineiro co nversava com
as flo res e elas se
habituaram ao diálogo.
Passava ma nhãs co nta ndo
coisas a uma cravina ou
escuta ndo o que lhe
co n fiava um gerânio.
O girassol não ia muito com
sua cara, ou po rque não
fosse homem bo nito, ou
po rque os
o rgulhosos

girassóis são
de natu...
Em vão o jardineiro te ntava
captar-lhe as graças, pois o
girassol chegava a voltar-se
co nt ra a luz para não ver o
rosto...
Era uma situação basta nte
embaraçosa, que as out ras
flo res não come ntavam.
Nunca, e nt reta nto, o
jardineiro deixou de regar o
pé de girassol e de
re novar-lhe a terra, na
devida ocasião.
O do no do jardim achou que
seu empregado perdia muito
tempo parado dia nte dos
ca nteiros, apare nteme nte

não faze ndo ...
E ma ndou-o embo ra, depois
de assinar a carteira de
t rabalho.
Depois que o jardineiro
saiu, as flo res ficaram

t ristes e ce nsuravam-se
po rque não tinham induzido
o girassol a mudar...
A mais t riste de
o girassol, que

todas era
não se

co n formava com a ausência
do homem.
Perguntaram-lhe as demais
flo res:
"VOCÊ O TRATAVA MAL,
AGORA ESTÁ
ARREPENDIDO?"
"NÃO, RESPODEU, ESTOU
TRISTE PORQUE AGORA NÃO
POSSO TRATÁ-LO MAL. É A
MINHA MANEIRA DE AMAR,
ELE SABIA DISSO, E
GOSTAVA".
ORGANIZAÇÃO:
WATTHIER
IMAGENS:
DESCONHECIDA

IZABEL

C.

FONTE
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Maneira de amar

178 visualizações

Publicada em

Publicada em: Diversão e humor
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
178
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Maneira de amar

  1. 1. MANEIRA DE AMAR
  2. 2. O jardineiro co nversava com as flo res e elas se habituaram ao diálogo.
  3. 3. Passava ma nhãs co nta ndo coisas a uma cravina ou escuta ndo o que lhe co n fiava um gerânio.
  4. 4. O girassol não ia muito com sua cara, ou po rque não fosse homem bo nito, ou po rque os o rgulhosos girassóis são de natureza.
  5. 5. Em vão o jardineiro te ntava captar-lhe as graças, pois o girassol chegava a voltar-se co nt ra a luz para não ver o rosto que lhe so rria.
  6. 6. Era uma situação basta nte embaraçosa, que as out ras flo res não come ntavam.
  7. 7. Nunca, e nt reta nto, o jardineiro deixou de regar o pé de girassol e de re novar-lhe a terra, na devida ocasião.
  8. 8. O do no do jardim achou que seu empregado perdia muito tempo parado dia nte dos ca nteiros, apare nteme nte não faze ndo coisa alguma.
  9. 9. E ma ndou-o embo ra, depois de assinar a carteira de t rabalho.
  10. 10. Depois que o jardineiro saiu, as flo res ficaram t ristes e ce nsuravam-se po rque não tinham induzido o girassol a mudar de atitude.
  11. 11. A mais t riste de o girassol, que todas era não se co n formava com a ausência do homem.
  12. 12. Perguntaram-lhe as demais flo res: "VOCÊ O TRATAVA MAL, AGORA ESTÁ ARREPENDIDO?"
  13. 13. "NÃO, RESPODEU, ESTOU TRISTE PORQUE AGORA NÃO POSSO TRATÁ-LO MAL. É A MINHA MANEIRA DE AMAR, ELE SABIA DISSO, E GOSTAVA".
  14. 14. ORGANIZAÇÃO: WATTHIER IMAGENS: DESCONHECIDA IZABEL C. FONTE

×