Microeconomia:
temas fundamentais
Me. Izabela Leite Ribeiro Guimarães
Escopo da aula
• Entender a que se presta a Teoria Microeconomia;
• Abordar os pressupostos básicos da análise
microeconôm...
Microeconomia
• A microeconomia se preocupa em estudar a
formação de preços nos mercados e em
analisar certos segmentos da...
A hipótese coeteris paribus
• Expressão latina que significa tudo o mais
permanecendo constante.
• Ao observar os determin...
O papel dos preços relativos
• Trata-se do preço de um bem em relação aos preços de outros
bens.
• O preço relativo do bem...
O papel dos preços relativos
• Exemplo:
• Se o preço da Coca-Cola aumentar em 20%, e o preço
da Pepsi-Cola também aumentar...
Análise Demanda
Conceito de demanda individual
• “A demanda (ou procura) de um indivíduo por
um determinado bem (ou serviço) refere-se à
q...
Três elementos devem ser
destacados nessa definição...
• A demanda é uma aspiração, um desejo, e não a
realização do desej...
Lei geral da demanda
• A quantidade demandada de um bem ou serviço, em
qualquer período de tempo, varia inversamente ao se...
Curva de demanda
11
Imagem internet
Exceções à lei da demanda
• Bens de Giffen. Ex.: batata;
• Bens de Veblen ou bens Supérfluos. Ex.:
Joias, carros importado...
ELEMENTOS QUE INFLUENCIAM
A DEMANDA DO CONSUMIDOR
13
Preço do bem
• Quanto maior for o preço de um bem,
menor deverá ser a quantidade que o
consumidor desejará adquirir desse ...
A renda do consumidor
• Regra geral: uma elevação na renda está associada a
uma elevação nas quantidades compradas – bens
...
A preferência do consumidor
• A demanda de um determinado bem (ou
serviço) depende dos hábitos e
preferências do consumido...
O preço dos bens relacionados
• Bens complementares
• Bens substitutos
17
Demanda de mercado
• A demanda também depende do tamanho da
população;
• A escala de demanda de mercado é dada pela soma
d...
Curva de demanda de mercado
19
Imagem da internet
ANÁLISE DA OFERTA
20
Conceito de oferta individual
• Define-se por oferta individual de um
determinado bem (ou serviço) a quantidade
desse bem ...
Dois elementos devem ser
destacados nessa definição...
• A oferta é uma aspiração, um desejo, e não a
realização do desejo...
Lei geral da oferta
• “ A oferta de uma produto ou serviço qualquer, em
determinado período de tempo, varia na razão diret...
Escala de oferta individual
• A escala de oferta individual de um produtor
individual mostra quantidade máxima de um
deter...
A curva de oferta individual
25Imagem da internet
ELEMENTOS QUE
DETERMINAM A OFERTA
26
A oferta e o preço do bem
• Normalmente, podemos esperar a existência de uma
relação direta entre a quantidade ofertada e ...
A oferta e os preços dos fatores de
produção
• A quantidade de um determinado bem que um produtor
individual deseja oferec...
A oferta e a tecnologia
• O estado atual da tecnologia custos de
produção;
• Avanços tecnológicos volume maior de
produção...
A oferta e o preço de outros bens
• Bens substitutos na produção: bens produzidos com
aproximadamente os mesmos recursos. ...
A oferta e as expectativas
• O produtor, na sua decisão de produção
atual, também leva em consideração as
alterações esper...
A oferta e as condições
climáticas
• Relativamente a alguns produtos, especialmente os
agrícolas, as condições climáticas ...
Oferta de mercado
• A oferta de mercado é determinada pela soma
horizontal das quantidades ofertadas pelos
produtores indi...
Escala de oferta de mercado
Preço
($/camisa)
Quantidade ofertada (camisas/mês)
Produtor A Produtor B Produtor C Mercado
(A...
Equilíbrio de mercado
• Um preço que faz que a quantidade demandada
seja igual a quantidade ofertada é chamado de
Preço de...
Equilíbrio de mercado
36Imagem da internet
Elasticidade
• É a alteração percentual em uma variável, dada
uma variação percentual em outra, coeteris
paribus;
• É sinô...
4 tipos de elasticidade
• I - elasticidade-preço da demanda;
• II – elasticidade-renda;
• III – elasticidade-preço cruzada...
Elasticidade-preço da demanda
• Uma alta elasticidade-preço implica numa grande
resposta da quantidade demandada às variaç...
Elasticidade-renda da demanda
• Mede como a quantidade demandada varia quando a renda dos
consumidores varia;
• Os bens no...
Elasticidade-preço cruzada da
demanda
• É a variação percentual da quantidade demanda do bem A,
dada uma variação percentu...
Elasticidade-preço da oferta
• É sempre positiva;
• A oferta é elástica quando a quantidade ofertada do bem reage
substanc...
ESTRUTURAS DE MERCADO
43
Mercado
• “É o conjunto de pontos de contato (ou o evento de
reunir ou colocar juntos) entre vendedores de um bem
(produto...
Principais estruturas de
mercado
• Concorrência perfeita;
• Monopólio;
• Oligopólio;
• Concorrência monopolística;
45
Concorrência perfeita
• Grande número de empresas produtoras;
• Semelhanças nos produtos vendidos (padronização/mercado
ho...
Monopólio
• Existe apenas uma empresa no mercado, dominando
completamente a oferta do setor;
• Não existem produtos substi...
Oligopólio
• Existem poucos grandes vendedores;
• A empresa oligopolista pode tanto produzir produtos
padronizados como pr...
Concorrência monopolística
• Muitas empresas concorrendo pelos mesmos
consumidores;
• Há diferenciação de produtos, com ca...
Referências
• FONTES, R.; RIBEIRO, H.; AMORIM, A.; SANTOS, G. Economia.
Um enfoque básico e simplificado. São Paulo: Atlas...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aula concurso 2 micro

780 visualizações

Publicada em

Microeconomia

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
780
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
21
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula concurso 2 micro

  1. 1. Microeconomia: temas fundamentais Me. Izabela Leite Ribeiro Guimarães
  2. 2. Escopo da aula • Entender a que se presta a Teoria Microeconomia; • Abordar os pressupostos básicos da análise microeconômica; • Abordar os temas fundamentais da análise microeconômica: - Análise da demanda; - Análise da oferta; - Análise do equilíbrio de mercado; - Análise das estruturas de mercado. 2
  3. 3. Microeconomia • A microeconomia se preocupa em estudar a formação de preços nos mercados e em analisar certos segmentos da economia, como os consumidores e produtores de bens específicos. Explica o comportamento de unidades econômicas individuais, de forma desagregada. 3
  4. 4. A hipótese coeteris paribus • Expressão latina que significa tudo o mais permanecendo constante. • Ao observar os determinantes da oferta e da demanda, verifica-se que todos podem variar simultaneamente, ficando difícil avaliar o efeito que cada um deles, isoladamente, exerce sobre a oferta e a demanda. 4
  5. 5. O papel dos preços relativos • Trata-se do preço de um bem em relação aos preços de outros bens. • O preço relativo do bem A diz de quantas unidades do bem B devemos desistir para obter mais uma unidade do bem A. • Para se obter o preço de A em relação ao preço de B basta dividir o preço de A pelo preço de B. • 5
  6. 6. O papel dos preços relativos • Exemplo: • Se o preço da Coca-Cola aumentar em 20%, e o preço da Pepsi-Cola também aumentar em 20%, não deverá acontecer nada com a demanda desses dois bens. Entretanto, se o preço da Pepsi-Cola aumentar em 20%, e o preço da Coca-Cola permanecer o mesmo, devemos esperar queda na procura por Pepsi-Cola e aumento na procura por Coca-Cola. 6
  7. 7. Análise Demanda
  8. 8. Conceito de demanda individual • “A demanda (ou procura) de um indivíduo por um determinado bem (ou serviço) refere-se à quantidade desse bem que ele deseja e está capacitado a comprar, por unidade de tempo.” (Passos e Nogami, 2012) 8
  9. 9. Três elementos devem ser destacados nessa definição... • A demanda é uma aspiração, um desejo, e não a realização do desejo; • Para que haja demanda por um bem (ou serviço) é preciso que o indivíduo esteja capacitado a pagar por esse bem; • A demanda é um fluxo por unidade de tempo. 9
  10. 10. Lei geral da demanda • A quantidade demandada de um bem ou serviço, em qualquer período de tempo, varia inversamente ao seu preço, pressupondo-se que tudo o mais que possa afetar a demanda – especialmente a renda, o gosto e preferência do consumidor, o preço dos bens relacionados e as expectativas quanto à renda, preços e disponibilidades – permaneça o mesmo. (Passos e Nogami, 2012) 10
  11. 11. Curva de demanda 11 Imagem internet
  12. 12. Exceções à lei da demanda • Bens de Giffen. Ex.: batata; • Bens de Veblen ou bens Supérfluos. Ex.: Joias, carros importados. 12
  13. 13. ELEMENTOS QUE INFLUENCIAM A DEMANDA DO CONSUMIDOR 13
  14. 14. Preço do bem • Quanto maior for o preço de um bem, menor deverá ser a quantidade que o consumidor desejará adquirir desse bem; • Inversamente, quanto menor for o preço, maior deverá ser a quantidade que o consumidor desejará adquirir desse bem; 14
  15. 15. A renda do consumidor • Regra geral: uma elevação na renda está associada a uma elevação nas quantidades compradas – bens normais. • Exceções: • Bens inferiores: demanda varia inversamente às variações ocorridas na renda, dentro de uma certa faixa. Ex.: margarina • Bens de consumo saciado: são aqueles em relação aos quais a demanda do consumidor está totalmente satisfeito após um determinado nível de renda. Ex.: arroz, farinha. 15
  16. 16. A preferência do consumidor • A demanda de um determinado bem (ou serviço) depende dos hábitos e preferências do consumidor; • Tais como idade, sexo, tradições culturais, religião e até educação. 16
  17. 17. O preço dos bens relacionados • Bens complementares • Bens substitutos 17
  18. 18. Demanda de mercado • A demanda também depende do tamanho da população; • A escala de demanda de mercado é dada pela soma das quantidades demandadas por todos os consumidores. 18
  19. 19. Curva de demanda de mercado 19 Imagem da internet
  20. 20. ANÁLISE DA OFERTA 20
  21. 21. Conceito de oferta individual • Define-se por oferta individual de um determinado bem (ou serviço) a quantidade desse bem que um único produtor deseja vender no mercado, por unidade de tempo. (Passos e Nogami, 2012) 21
  22. 22. Dois elementos devem ser destacados nessa definição... • A oferta é uma aspiração, um desejo, e não a realização do desejo. • A oferta, da mesma forma que a demanda, é um fluxo por unidade de tempo; 22
  23. 23. Lei geral da oferta • “ A oferta de uma produto ou serviço qualquer, em determinado período de tempo, varia na razão direta da variação de preços desse produto ou serviço, a partir de um nível de preço tal que seja suficiente para fazer face ao custo de produção do mesmo até o limite superior de pleno emprego dos fatores de produção, quando se tornará constante, ainda que os preços em referência possam continuar oscilando, mantidas constantes as demais condições.” (Passos e Nogami, 2012) 23
  24. 24. Escala de oferta individual • A escala de oferta individual de um produtor individual mostra quantidade máxima de um determinado bem ou serviço que esse produtor estará disposto a oferecer a diferentes preços possíveis, coeteris paribus. 24
  25. 25. A curva de oferta individual 25Imagem da internet
  26. 26. ELEMENTOS QUE DETERMINAM A OFERTA 26
  27. 27. A oferta e o preço do bem • Normalmente, podemos esperar a existência de uma relação direta entre a quantidade ofertada e o preço • A relação entre quantidade e preço deverá apresentar um limite mínimo dado pelo custo de produção e um limite máximo, dado pelo pleno emprego dos fatores de produção. 27
  28. 28. A oferta e os preços dos fatores de produção • A quantidade de um determinado bem que um produtor individual deseja oferecer no mercado depende dos preços dos fatores de produção. • Os preços pagos pela utilização dos fatores de produção, juntamente com a tecnologia empregada, determinam o custo de produção. 28
  29. 29. A oferta e a tecnologia • O estado atual da tecnologia custos de produção; • Avanços tecnológicos volume maior de produção; • a custos menores aumentarão a lucratividade da empresa produtora do bem cujo processo foi beneficiado pela evolução tecnológica. 29
  30. 30. A oferta e o preço de outros bens • Bens substitutos na produção: bens produzidos com aproximadamente os mesmos recursos. Ex.: o milho e a soja. • Bens complementares na produção: apresentam alteração na produção em virtude da variação de preço de outro bem. Ex.: carne e couro 30
  31. 31. A oferta e as expectativas • O produtor, na sua decisão de produção atual, também leva em consideração as alterações esperadas de preços. • Ex.: se um criador de gado acredita que haverá um aumento no preço da carne no futuro, é provável que retenha o fornecimento atual de gado para o abate, a fim aproveitar preços mais altos posteriormente. 31
  32. 32. A oferta e as condições climáticas • Relativamente a alguns produtos, especialmente os agrícolas, as condições climáticas exercem grande influência. • Ex.: uma fazenda na qual se produza café poderá sofrer uma grande redução na produção desse bem caso ocorra uma geada. Se isso acontecer, a oferta de café por parte desse produtor deverá diminuir. 32
  33. 33. Oferta de mercado • A oferta de mercado é determinada pela soma horizontal das quantidades ofertadas pelos produtores individuais a cada preço. • A oferta total depende do número de produtores existentes no mercado. 33
  34. 34. Escala de oferta de mercado Preço ($/camisa) Quantidade ofertada (camisas/mês) Produtor A Produtor B Produtor C Mercado (A+B+C) 100,00 400 600 400 1.400 80,00 300 500 300 1.100 60,00 200 400 200 800 40,00 100 300 100 500 34
  35. 35. Equilíbrio de mercado • Um preço que faz que a quantidade demandada seja igual a quantidade ofertada é chamado de Preço de Equilíbrio ou Preço de Mercado; a quantidade correspondente é chamada Quantidade de equilíbrio; • Esse preço emerge espontaneamente em um mercado competitivo, em que a oferta e a demanda se confrontam; 35
  36. 36. Equilíbrio de mercado 36Imagem da internet
  37. 37. Elasticidade • É a alteração percentual em uma variável, dada uma variação percentual em outra, coeteris paribus; • É sinônimo de sensibilidade, resposta, reação ou impacto de uma variável, em face de mudanças em outras variáveis. 37
  38. 38. 4 tipos de elasticidade • I - elasticidade-preço da demanda; • II – elasticidade-renda; • III – elasticidade-preço cruzada da demanda; • IV – elasticidade-preço da oferta. 38
  39. 39. Elasticidade-preço da demanda • Uma alta elasticidade-preço implica numa grande resposta da quantidade demandada às variações no preço (bens elásticos). Ex.: Bens supérfluos e se há muitos bens substitutos; • Uma baixa elasticidade-preço significa uma pequena resposta da quantidade demandada às variações de preço (bens inelásticos). Ex.: Se o bem for essencial ou necessário e se existem poucos substitutos; 39
  40. 40. Elasticidade-renda da demanda • Mede como a quantidade demandada varia quando a renda dos consumidores varia; • Os bens normais tem elasticidade-renda positiva; • Os bens inferiores tem elasticidade-renda negativa; • Bens e serviços necessários tendem a ser inelásticos quanto à renda; • Bens e serviços supérfluos tendem a ser elásticos quanto à renda. 40
  41. 41. Elasticidade-preço cruzada da demanda • É a variação percentual da quantidade demanda do bem A, dada uma variação percentual no preço do bem B, coeteris paribus; • A elasticidade-preço cruzada pode ser negativa ou positiva; • Quando ela é positiva, os bens A e B são substitutos; • Quando ela é negativa, os bens A e B são complementares. Ex. sapatos e meias ou impressa e cartucho. 41
  42. 42. Elasticidade-preço da oferta • É sempre positiva; • A oferta é elástica quando a quantidade ofertada do bem reage substancialmente a uma variação em seu preço; • A oferta é inelástica se a quantidade ofertada do bem reage pouco a uma variação em seus preços; • Na maioria dos mercados, um determinante chave da elasticidade da oferta é período de tempo considerado; • No longo prazo, a quantidade ofertada pode alterar-se substancialmente em resposta às variações no preço. 42
  43. 43. ESTRUTURAS DE MERCADO 43
  44. 44. Mercado • “É o conjunto de pontos de contato (ou o evento de reunir ou colocar juntos) entre vendedores de um bem (produto final ou insumo) ou prestadores de serviço e os potenciais compradores desse bem ou os usuários de tal serviço, de modo a serem estabelecidas as condições contratuais de venda e compra ou da prestação e uso do serviço, bem como concretizados os negócios resultantes do acordo.” • (Vasconcelos, Pinho, Gremaud et al., 2006) 44
  45. 45. Principais estruturas de mercado • Concorrência perfeita; • Monopólio; • Oligopólio; • Concorrência monopolística; 45
  46. 46. Concorrência perfeita • Grande número de empresas produtoras; • Semelhanças nos produtos vendidos (padronização/mercado homogêneo); • Não existem barreiras a entrada ou saída; • As empresas são tomadoras de preço; • Mercado transparente. • Não facilmente encontrado no mundo real • Ex.: mercado de produtos agrícolas 46
  47. 47. Monopólio • Existe apenas uma empresa no mercado, dominando completamente a oferta do setor; • Não existem produtos substitutos; • Existem barreiras à entrada; • Poder de mercado. O monopolista tem capacidade de influir nos preços e no abastecimento do mercado; 47
  48. 48. Oligopólio • Existem poucos grandes vendedores; • A empresa oligopolista pode tanto produzir produtos padronizados como produtos diferenciados; • Há controle sobre o preço. Formação de cartel; • “A essência do comportamento oligopolístico é que cada firma sabe que uma mudança em seu comportamento terá efeitos perceptíveis nas vendas e lucros dos seus concorrentes.” 48
  49. 49. Concorrência monopolística • Muitas empresas concorrendo pelos mesmos consumidores; • Há diferenciação de produtos, com cada empresa oferecendo um produto ligeiramente diferente dos demais; • Há livre entrada e saída do mercado; • Há certo controle de preço, dependendo da diferenciação do produto. 49
  50. 50. Referências • FONTES, R.; RIBEIRO, H.; AMORIM, A.; SANTOS, G. Economia. Um enfoque básico e simplificado. São Paulo: Atlas, 2010. • PASSOS, C. R. M.; NOGAMI, O. Princípios de Economia. 6.ed. Ver. São Paulo: Cengage Learning, 2012; • VASCONCELLOS, M. A. S.; PINHO, D. B.; GREMAUD. A. P. Manual de introdução à economia. São Paulo: Saraiva, 2006. 50

×