PORTFÓLIO PALAVRA CANTADA - 2014 (PARTE II)

1.590 visualizações

Publicada em

Este portfólio apresenta o trabalho desenvolvido em 2014 na EMEF “Profº Cleston Mello Paiva” sobre o projeto Palavra Cantada que é formado por uma dupla musical infantil que se iniciou em 1994 por Paulo Tatit e Sandra Peres. Sua característica principal é a musica com canções infantis, com instrumentos e movimentação, que atendem ao gosto e inteligência das crianças.

Publicada em: Educação
1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.590
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
75
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

PORTFÓLIO PALAVRA CANTADA - 2014 (PARTE II)

  1. 1. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" HTPC – 28/07/2014 PAUTA “A música pode ser o exemplo único do que poderia ter sido se não tivesse havido a invenção da linguagem, a formação das palavras, a análise das ideias – a comunicação das almas”. (Marcel Proust) ASSUNTOS:  Como fazer músicas com as crianças?  Artigo: A criança e a música.  Dinâmica: A matéria-prima sonora.  Orientações aos professores. OBJETIVOS:  Conscientizar que o fazer musical, além do cantar, tocar, ouvir, dançar, está ligado, principalmente, em desenvolver a linguagem musical.  Perceber a importância de sistematizar o trabalho musical e afinar o ouvido da criança para garantir a educação musical.  Compreender que a linguagem musical deve ser significativa para o aluno, deve levá-lo a uma reflexão e envolvimento.  Entender que produzir música é improvisar, compor, reproduzir, e provocar o fazer com liberdade e alegria.  Permitir que o aluno crie seu próprio sistema de registro, em que lhe seja significativo.  Saber que o fazer musical deve ser repleto de significados e encantamento. DESENVOLVIMENTO: 1. Apresentação da pauta. 2. Explanação sobre o assunto. (Slide) 3. Dinâmica 4. Encerramento com o feedback do grupo. DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  2. 2. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  3. 3. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  4. 4. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  5. 5. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  6. 6. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  7. 7. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  8. 8. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  9. 9. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  10. 10. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  11. 11. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  12. 12. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" HTPC- 20/10/2014 (temático de 22 de setembro) Pouco importam as notas na música, o que conta são as sensações produzidas por elas. DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio (Leonid Pervomaisky) Pauta ASSUNTOS:  Lembretes/ Avisos (até a data de hoje):  24/10 - Justiça eleitoral  27/10 - Facultativo (Aulas Suspensas)  28/10 - Feriado (Funcionário Público)  29, 30/10 - Encontro Nova Dutra (5º ano)  Provas externas: o ANA 3º ano (17 à 28 de novembro de 2014)  Projeto Palavra Cantada: o Reflexões o Organização do portfólio o Sugestões de bibliografias o Proposta de atividades para serem trabalhadas em sala de aula. o Atividade Objetivos:  Refletir sobre o desenvolvimento do trabalho musical na sala de aula.  Reconhecer os recursos musicais que as brincadeiras proporcionam.  Entender na prática os conceitos de ritmo, melodia, timbre e intensidade.
  13. 13. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" O Referencial Curricular Nacional Afirma que: “a música é a linguagem que se traduz em formas sonoras capazes de expressar e comunicar sensações, sentimentos e pensamentos, por meio da organização e relacionamento expressivo entre som e silêncio” Sendo assim, o objetivo da Educação Musical é levar a criança a construir conhecimento musical, interagir com a linguagem musical, bem como com os elementos que a formam: ritmo, melodia, timbre, intensidade, por meio de atividades musicais que proporcionem manipulação direta com tais elementos como: apreciação musical, a execução e a criação. Aprender música no sentido de musicalizar significa ampliar a capacidade de expressão e reflexão do uso da linguagem musical. 1-Algumas definições: Ritmo: O dia é feito de uma sucessão de períodos: manhã, tarde, noite, essa passagem de um período a outro segue um ritmo, que pode ser definido como. Platão definiu o ritmo como “a ordem do movimento”. Essa sequência está presente em praticamente todos os eventos que influenciam a vida humana: noite, dia; estações do ano; fases da lua. O nosso corpo é regido por eventos rítmicos: o pulsar do coração, nossa respiração, nossa memória. A escola é regida por um ritmo. Tudo isso nos faz perceber que o ritmo não está presente apenas na música ele faz parte da nossa vida. O ritmo está diretamente ligado ao conceito do som chamado duração, ou seja, quanto tempo o som irá soar. As diferentes durações do som formam o ritmo de uma melodia. Por exemplo: O ritmo do corpo Melodia: A melodia na música é formada por diferentes alturas do som. A altura é a qualidade que nos permite diferenciar os sons agudos dos sons graves. No dia a dia, percebemos esses sons a nossa volta. O canto de um pássaro, o apito do trem, gritos das crianças na escola são exemplos de sons de altura aguda, o som do trovão, da voz masculina, do motor de um ônibus, são exemplos de sons de altura grave. Para entender um pouco mais: Na escrita musical, convencionou-se que a altura é representada pelas notas musicais DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  14. 14. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" DÓ, RÉ, MI, FÁ, SOL, LÁ, SI. As notas localizam-se na pauta musical, em diferentes lugares: aquelas registradas nas primeiras linhas do pentagrama e abaixo deste representam os sons graves, as situadas nas linhas superiores ou acima delas representam os sons mais agudos. Assim a escala dos sons inicia no grave seguindo em direção ao agudo: Timbre: Característica do som que permite identificar sua fonte produtora. É como se fosse a impressão digital sonora de um instrumento, de um objeto sonoro ou de uma voz. Mesmo que dois instrumentos toquem a mesma nota musical, com a mesma frequência, a mesma duração, e a mesma intensidade, ouvimos sons diferentes, pois distinguimos o timbre de cada um. Segundo o Dicionário Grove de Música, timbre é o termo que descreve qualidade ou o colorido de um som. No desenvolvimento musical das crianças, é possível constatar que logo nos primeiros meses ela já reconhece o timbre da voz materna, passando depois ao reconhecimento de diferentes timbres de vozes, eventos sonoros, de objetos, de instrumentos musicais, etc. O timbre é uma das primeiras aquisições no desenvolvimento infantil. Todas as atividades de identificação dos instrumentos musicais e objetos sonoros, assim como os sons da voz e do corpo, trabalham a percepção do timbre. O Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil estabelece que: “a música é a linguagem que se traduz em formas sonoras capazes de expressar e comunicar sensações, sentimentos, e pensamentos, por meio da organização e relacionamento expressivo entre o som e o silêncio” Já os Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental apresentam a descrição de conteúdos musicais envolvendo a compreensão da linguagem musical. Os dois documentos referem-se ao ensino de música levando em consideração a escuta, o envolvimento, a compreensão, a identificação, a percepção, a cooperação, a execução, a criação, a análise, a audição da linguagem musical. Diante dessas afirmações é preciso lembrar que na música e na linguagem o conhecimento se constrói com base em vivencias e reflexões orientadas. Desse modo, todos têm direito de cantar, ainda que desafinando. Todos podem tocar um instrumento, ainda que não tenham, naturalmente, um senso rítmico fluente e equilibrado, pois as competências musicais desenvolvem-se com a prática regular e orientada, em contextos de respeito, valorização e estímulo a DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  15. 15. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" cada aluno, por meio de propostas que consideram todo o processo de trabalho, e não apenas o produto final. De acordo com Kodály: “É nossa firme convicção que a espécie humana viverá mais feliz quando aprender a viver mais feliz quando aprender a viver mais sua música. Qualquer um que trabalhe com este objetivo não terá vivido em vão.” Sugestões de Referências Bibliográficas: Educação Musical: da teoria à prática na sala de aula, Marta Deckert Música na Educação Infantil, Teca Alencar de Brito Brincadeirinhas Musicais- volume 2 Palavra Cantada, Berenice de Almeida e Gabriel Levy. Proposta de atividades para serem trabalhadas em sala de aula: 1. Fazer um registro através de desenho e/ou texto sobre uma das aulas da Palavra Cantada, acrescentar ao o portfólio. 2. Atividade rítmicas: A. O ritmo do corpo Sentados no chão, em círculo. Propor uma sequência rítmica: Bater palmas 2 vezes na frente do corpo Bater 2 vezes com as mãos na perna Depois de repetir várias vezes “palma, palma, perna,perna” ,deve-se mudar a segunda parte do movimento, mantendo as palmas:  Palma, palma, barriga, barriga  Palma, palma, pé, pé  Palma, palma, cabeça, cabeça Representações gráficas Palma Perna Cabeça Barriga DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  16. 16. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" Depois de repetir várias vezes palma, palma, perna, perna, deve-se mudar a segunda parte do movimento, mantendo as palmas. Mostrar as formas quando for mudar. Pode ser figuras coladas em palitos, em forma de cartaz, fica a critério de cada um. Essa atividade explora o movimento corporal com ritmo de modo ordenado. Ao modificar o movimento é possível identificar quem consegue perceber a alteração e ritmo do outro e imitá-lo. Variação – nomes com ritmo. A mesma atividade anterior, mas com um desafio a mais: Palma, palma, perna, perna – fala o nome Dessa forma coordena movimento-ritmo com a expressão verbal. Outra sugestão é falar: nome de frutas, animais, cores, etc. a. Melodia: Produção de sons graves e agudos à partir de imagens. Levar imagens de pessoas, animais, objetos, que possam produzir ou representar sons graves ou agudos. A partir das imagens, discutir com as crianças a diferença entre sons, por exemplo: o canto de um pássaro e o rugido de um leão. O objetivo desta atividade é chegar ao conceito de grave e agudo. Levar garrafas de vários tamanhos, potes de lata, caixa de papelão todos de tamanhos variados. Seleciona 2 itens: garrafa grande, garrafa pequena, tocá-las uma de cada vez com um objeto que faça a garrafa produzir som, um lápis por exemplo. Comparando o som reproduzido é possível perceber que objetos pequenos produzem sons agudos e objetos grandes produzem sons graves. b. Timbre: Todas as atividades de identificação dos instrumentos musicais e objetos sonoros, assim como os sons da voz e do corpo, trabalham a percepção do timbre.  Imitando vozes: Escolha uma parlenda para fazer a exploração do timbre da voz humana.  Sua voz DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  17. 17. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva"  Voz de bebê  Voz de fantasma  Voz de bruxa  Voz de vovó  Passa bolinha: Ouvir a música Passa bolinha (Volume 2 BRINCADEIRINHAS MUSICAIS). Explorar os sons vocais, tentar identificar os sons produzidos na omissão da sílaba BÃO. Tentar reproduzir outros sons com a boca. DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  18. 18. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" ATIVIDADE 1 - Ao escutar essa música, você: a) ( ) Desliga imediatamente b) ( ) Ouve atentamente c) ( ) Compra o CD d) ( ) Deixa tocando como música de fundo 2 - Imagine alguém que gostaria dessa música e escreva seu nome ___________________________________________________ 3 - Imagine alguém que odiaria essa música e escreva seu nome. ___________________________________________________ 4 - O que você sente ao ouvir essa música? ___________________________________________________ 5 - O que você vê ou imagina se fechar os olhos ouvindo essa música? ___________________________________________________________ 6 - Se essa música fosse fundo musical de um comercial, que produto seria vendido? _______________________________________________________________ 7 - Em que tipo de lugar tocaria essa música? ___________________________________________________ 8 - Você gosta desse tipo de música? Por quê? ___________________________________________________ DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio

×