Vinicius de Moraes

343 visualizações

Publicada em

A bipolaridade (solidão e paixão) na vida e obras do "poetinha".

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
343
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Vinicius de Moraes

  1. 1. Vinicius de Moraes: A Solidão e a Paixão do poeta no pacto solidário com o Modernismo, do transcendentalismo ao anarquismo formal.
  2. 2. Introdução Vinicius de Moraes (1913-1980)
  3. 3. Sumário 1.Conhecendo a pessoa de Vinicius 1.1 O homem com a alma de duas faces 1.2 A constante tristeza presente no poeta Vinicius de Moraes 2. Uma vida Intensa 2.1 As carreiras de um apaixonado 2.2 Paixão e Mulheres: Fontes de Vitalidade 2.3 Amores e Paixões: Apenas uma fuga do martírio da solidão 2.4 A dor de um pai eternamente apaixonado 2.5 Uma vida dividida: A salvação está nas mulheres 3. Solidão 4. Paixão 5. A bipolaridade nas obras de Vinicius de Moraes
  4. 4. 1. Conhecendo a pessoa de Vinicius Eu assistia a tudo, e muita (sic) vez (sic) fui obrigada por Vinicius a dizer que ele não estava, pois a vê-las (as namoradas) preferiria eventualmente a compainha dos amigos, o papo literário que já esboçava como os outros poetas e escritores, que principiavam a aceitá-lo como a um dos seus. (MORAES apud COUTINHO, 1985, p. 42)
  5. 5. O fato de ser ele o autor das rupturas afetivas não o poupou, porém, da depressão que a elas se seguia. Entre os casamentos, Vinicius afundava na melancolia e se perdia na busca frenética de um novo grande amor. (<bravonline.abril.com.br>, acessado em 07 de julho de 2009)
  6. 6. [...] eu e meus amigos da época “gozávamos” o modernismo. Só mais tarde, por meio das leituras, fui rever essa posição. Fui muito amigo dos dois Andrades, o Mário e o Oswaldo (sic). Foi a minha verdadeira iniciação literária. (“Conversando ‘na cama’ com Vinicius” apud CAMPOS, COHN, 2007, p. 209)
  7. 7. 1.1 O homem com a alma de duas faces
  8. 8. No poema O Escravo, Vinicius descreve: “Aqui vejo coisas que a mente humana jamais viu/Aqui sofro frio que corpo humano jamais sentiu”. Em O Outro, Vinicius afirma: “Eu sinto sobre o meu ser uma presença estranha que me faz despertar angustiado”.
  9. 9. De tudo, ao meu amor serei atento Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto Que mesmo em face do maior encanto Dele se encante mais meu pensamento. Quero vivê-lo em cada vão momento E em seu louvor hei de espalhar meu canto E rir meu riso e derramar meu pranto Ao seu pesar ou seu contentamento. E assim, quando mais tarde me procure Quem sabe a morte, angústia de quem vive Quem sabe a solidão, fim de quem ama Eu possa me dizer do amor (que tive); Que não seja imortal, posto que é chama Mas que seja infinito enquanto dure. (“Soneto de Fidelidade” apud MOISÉIS, 2005, pp. 473-474)
  10. 10. 1.2 A constante tristeza presente no poeta Vinicius de Moraes Escravo da paixão – que definiu como um amor que é “eterno enquanto dura” – quando sentia que ela esfriava, Vinicius não pensava duas vezes: rompia com a amada. Tomou a iniciativa de se separar de sete de suas nove mulheres, confirmando a idéia de uma delas, segundo a qual o poeta, mais que amar as mulheres, amava a condição de apaixonado. (CASTELLO, 2009, p. 2)
  11. 11. Em Portugal, a notícia da decretação do AI-5[1] pegou Vinicius nos bastidores de um teatro. Atordoado, gritava pelos camarins: “Eu me mato! Eu me mato!”. Baden Powell, que o acompanhava no show, tentava acalma-lo. “Pode me prender, eu quebro as lentes dos óculos e corto os pulsos!”, o poeta insistia. Só um abraço longo do parceiro amansou sua fúria. (Ibidem). [1] Ato Institucional 5.
  12. 12. 2. Uma vida intensa “Viver cada segundo como nunca mais” (“Tomara”, música de Vinicius de Moraes)
  13. 13. 2.1 As carreiras de um apaixonado
  14. 14. 2.2 Paixão e Mulheres: Fontes de Vitalidade Ah, poeta, quanta genialidade em teu ser mundeiro e errante, que não há porque te saudar: “Poeta, poetinha vagabundo! Poeta da pesada, do pagode e do perdão”.[1] A viver no fio da navalha, se cortando sempre. Sem jamais conhecer a chamada calma transcendental. Ferindo-se nos relacionamentos, pois as pessoas têm módulos muito diversos. E ainda assim, acreditava mais na vida do que na arte: “Viver plenamente, antes de ser artista”. (PECCI, 1994, p. 62) [1] “Samba pra Vinicius”, música de Toquinho e Chico Buarque.
  15. 15. 2.3 Amores e Paixões: Apenas uma fuga do martírio da solidão .......................................................... Seja bela ou tenha pelo menos um rosto que lembre um templo e Seja leve como um resto de nuvem: mas que seja uma nuvem Com olhos e nádegas. Nádegas é importantíssimo. Olhos, então Nem se fala, que olhem com certa maldade inocente. [...] ........................................................... (“Receita de mulher” apud COUTINHO, 1985, p. 284)
  16. 16. Tati
  17. 17. Lila
  18. 18. Maria Lúcia
  19. 19. Nelita
  20. 20. 2.4 A dor de um pai eternamente apaixonado [...] Por isso que eu chorei tantas lágrimas para que não precisasse chorar, sem saber que criava um mar de pranto em cujos vórtices te haverias também de perder. E amordacei minha boca para que não gritasses e ceguei meus olhos para que não visses; e quanto mais cego, mais vias. Porque a poesia foi para mim uma mulher em cujos braços me abandonei sem remissão, sem sequer pedir perdão a todas as mulheres que por ela abandonei. E assim como sei que toda a minha vida foi uma luta para que ninguém tivesse mais que lutar: Assim é o canto que te quero cantar, Pedro, meu filho... (COUTINHO, 1985, p. 453)
  21. 21. 2.5 Uma vida dividida: A salvação está nas mulheres “Eu vivia uma espécie de double-life, uma vida dupla. Eu tinha o lado esotérico, dos mistérios do infinito, a briga com o infinito, sempre. E tinha também as minhas namoradas” (“Depoimento para o MIS” apud CAMPOS, COHN, 2007, p. 19).
  22. 22. [...] E já nessa ocasião eu levava sempre essa vida dupla. Porque quando conheci meus primeiros amigos, moleques de praia depois que eu cresci, comecei com as primeiras namoradas em Copacabana. E freqüentava os prostíbulos da Lapa, da Rua Conde de Lage. E tudo isso era secreto. Eu ocultava algumas coisas do outro grupo (risos). Dos meus amigos moleques de rua também. (“Depoimento para o MIS” apud CAMPOS, COHN, 2007, p. 23-24)
  23. 23. [...] eram as duas casas que eu freqüentava realmente em São Paulo, quando eu ia lá. Eles... eles... bom, naquele tempo não se podia falar mais que fossem inimigos assim, né, mas ainda não se falavam. De maneira que eu ocultava de um e de outro os encontros. Freqüentava hoje a casa de um, amanhã a do outro. Continuação da minha vida dupla, né? (risos) (Ibidem, p. 37)
  24. 24. [...] Sou uma pessoa muito complexa, muito dividida ainda hoje. Por todos os erros de minha formação, pelo tipo de atitude que tenho diante da vida, muito exposto, muito sem defesa, sabe? Sempre me jogando à fogueira. Mas, também isso é um troço de que não me arrependo de ter feito e continuar fazendo. Acho que o grande problema é viver integralmente e, puxa, se o cara não tentar isso, para que então ser poeta, não é mesmo? (“O apaixonado Vinicius de Moraes” apud CAMPOS, COHN, 2007, pp. 161-162)
  25. 25. 3. Solidão Desesperança das desesperanças... Última e triste luz de uma alma em treva... - A vida é um sonho vão que a vida leva Cheio de dores tristemente mansas. - É mais belo o fulgor do céu que neva Que os esplendores fortes das bonanças Mais humano é o desejo que nos ceva Que as gargalhadas claras das crianças. Eu sigo o meu caminho incompreendido Sem crença e sem amor, como um perdido Na certeza cruel que nada importa. Às vezes vem cantando um passarinho Mas passa. E eu vou seguindo o meu caminho Na tristeza sem fim de uma alma morta. (“Solidão” apud COUTINHO, 1985, pp. 84-85)
  26. 26. É curioso, a alegria não é um sentimento nem uma atmosfera de vida nada criadora. Eu só sei criar na dor e na tristeza, mesmo que as coisas que resultem sejam alegres. Não me considero uma pessoa negativa, quer dizer, eu não deprimo o ser humano. É por isso que acho que estou vivendo num momento de equilíbrio infecundo do qual estou tentando me libertar. O paradigma máximo para mim seria: a calma no seio da paixão. Mas realmente não sei se é um ideal humanamente atingível. (“Detesto tudo que oprime o homem, inclusive a gravata” apud CAMPOS, COHN, 2007, p. 89)
  27. 27. Entendo o relacionamento do homem e da mulher como a união de dois a enfrentar o grande problema que é a vida, a união de duas solidões, porque a solidão é intrínseca ao ser humano, não é isso? A gente nasce, come, morre, faz tudo sozinho. De maneira que a luta do homem deve ser a de tornar sua solidão uma comunhão a dois, a três [...] (Ibidem, p. 160)
  28. 28. 4. Paixão Este infinito amor de um ano faz Que é maior do que o tempo e do que tudo Este amor que é rela, e que, contudo Eu já não cria que existisse mais. Este amor que surgiu insuspeitado E que dentro do drama fez-se em paz Este amor que é o túmulo onde jaz Meu corpo para sempre sepultado. Este amor meu é como um rio; um rio Noturno, interminável e tardio A deslizar macio pelo ermo E que em seu curso sideral me leva Iluminado de paixão na treva Para o espaço sem fim de um mar sem terno. (“Soneto do amor como um rio” apud COUTINHO, 1985, p. 318)
  29. 29. Eu só tive maiores amores, e eles vieram sempre crescendo à medida que meu tronco se foi dilatando, minha copa se tornando mais frondosa e minhas raízes mais fundas. Sou um homem como uma árvore, cheio de parasitas e passarinhos, frutos podres e folhas novas, carunchado de uns lados, dando brotos de outros, escorrendo resina e absorvendo sempre seiva nova. Se um raio não me ferir, creio que viverei um século. E estou vivendo, aos 50 anos, o meu maior amor. (“A volta de Vinicius” apud CAMPOS, COHN, 2007, p. 78)
  30. 30. Que eu amo o amor é verdade. Mas por esse amor eu compreendo a soma de todos os amores, ou seja, o amor de homem para mulher, de mulher para homem, o amor de mulher por mulher, o amor de homem para homem e o amor de ser humano pela comunidade de seus semelhantes. Eu amo esse amor, mas isso não quer dizer que eu não tenha amado as mulheres que tive. Tenho a impressão que, àquelas que amei realmente, me dei todo. (“Detesto tudo que oprime o homem, inclusive a gravata” apud CAMPOS, COHN, 2007, pp. 86-87)
  31. 31. 5. A bipolaridade nas obras de Vinicius de Moraes Ela tem uma graça de pantera no andar bem comportado de menina no molejo em que vem sempre se espera que de repente ela lhe salta em cima. Mas súbito renega a bela e a fera prendeo o cabelo, vai para a cozinha e de um ovo estrelado na panela ela com clara e gema faz o dia. Ela é de Capricórnio, eu sou de Libra eu sou Oxalá velho, ela é Inhansã a mim me enerva o ardor com que ela vibra. E que a motiva desde manhã. - Como é que pode, digo-me com espanto a luz e a treva se quererem tanto... (“Soneto de Luz e Treva” apud COUTINHO, 1985, p. 360)
  32. 32. A vida de Vinicius foi um emaranhado de histórias que se conectam, se desmentem e se estranham. Personagens entram e saem, tornam-se protagonistas e logo depois se transformam em obscuras figurantes, num ritmo frenético. Mulheres se esbarram e disputam um mesmo coração. Parceiros se multiplicam, exercitando a arte do encontro e do desencontro. Amigos lhe emprestam bons pedaços de suas almas. Há cenas impagáveis, em que o humor se transforma na forma mais sofisticada da coragem. Há também muitos fracassos, situações extremas, golpes. Há um poeta dark, seduzido pela morte, desesperançado a lutar dentro de si contra o poeta do amor e da paixão. Há um poeta gótico, transtornado pela degradação e pela morbidez. Amor e morte se tornam, então, as duas faces de um mesmo mistério. Há um homem chamado Vinicius de Moraes, que não consegue viver sem um grande amor. (CASTELLO, 1994, pp. 20-21)
  33. 33. Considerações Finais
  34. 34. OBRIGADO!!! Aluno: Ivan Lucas de Oliveira Prof.ª Orientadora: Maria Aparecida Perina Francescato

×