PUBLICAÇÕES INTERAMERICANAS
Pacific Press Publishing Association
Mountain View, Califórnia
EE. UU. do N.A.
---------------...
golfo Termaico, chamado agora golfo da Salónica. Por essa cidade passava a "Via
Ignaciana", que unia o Oriente com Roma. A...
seus companheiros ficaram na Macedônia. O apóstolo desejava intensamente
receber a ajuda deles em Atenas, e ali os esperou...
a redenção, que inclui eleição e santificação (cap. 1: 4; 4: 3-7).
5. Bosquejo.
I.Saludos, 1: 1.
II. Resenha do ministério...
3. A translação dos justos vivos e dos ressuscitados, 4:
17.
4. Os crentes devem consolar-se mutuamente com esta
segurança...
5 pois nosso evangelho não chegou a vós em palavras somente, a não ser
também em poder, no Espírito Santo e em plena certe...
Transliteración do Gr. Timótheos. Ver com. Hech. 16: 1. Era do distrito de
Derbe e Listra, tinha acompanhado ao Pablo na s...
Ver com. ROM. 1: 17
De Deus.
Em alguns MSS antigos se omite o resto deste versículo, começando com as
palavras "de Deus". ...
A obra de sua fé.
Pablo se concentrava em três destacadas virtudes que possuíam os
tesalonicenses: fé, amor e esperança. E...
Amado de Deus.
Compreende o amor do apóstolo e o de Deus pelos crentes da Tesalónica (cf.
ROM. 1: 7; 2 Lhes. 2: 13).
Eleiç...
Espírito Santo.
A frase "no Espírito Santo" implica que o Evangelho chegou aos
tesalonicenses mediante a ação do Espírito,...
Tribulação.
Gr. thlípsis (ver com. ROM. 5: 3). Os membros da igreja da Tesalónica
fizeram-se cristãos em meio de uma grand...
Fé em Deus.
A maioria destes crentes antes tinham sido pagãos (vers. 9). Agora
demonstravam por meio de suas vidas cristãs...
Cf. com. Fil. 3: 20. O propósito da vida dos conversos do Pablo era
dobro: servir a Deus e esperar a volta de Cristo. O ap...
7-8 MeM 125; MM 307
9 Ev 163
CAPÍTULO 2
1 Como foi levado e pregado o Evangelho aos tesalonicenses, e como foi
recebido. 1...
13 Pelo qual também nós sem cessar damos graças a Deus, de que quando
receberam a palavra de Deus que ouviram de nós, rece...
Havendo antes padecido.
Provavelmente só uns poucos dias depois de que Pablo e Silas fossem açoitados
no Filipos, começara...
Seu predicación não provinha de enganos ou de doutrinas errôneas. Pelo
contrário, apoiava-se na infalível Palavra de Deus....
Para provar que seu propósito não tinha sido agradar aos homens, Pablo
recorda a seus conversos quão bem sabiam eles que q...
Gr. 'pios, "bondoso", "considerado". Entretanto, a evidência textual se
inclina (cf. P. 10) por n'pios, "menino", "menor"....
entre eles (cf. vers. 1-2).
Trabalho.
Gr. kópos (ver com. cap. 1: 3).
Fadiga.
Gr. mójthos, "trabalho duro e difícil", pena...
filhos de Deus.
Justa.
Gr. dikaíÇs, "com estrita justiça". Este advérbio é afim do adjetivo
díkaios (ver com. Mat. 1: 19)....
Melhor "que lhes chama", ou "que continua lhes chamando". Quanto ao significado
da chamada de Deus, ver com. ROM. 8: 28, 3...
ouvem-na (Heb. 4: 2). O Evangelho é "poder de Deus para salvação a tudo
aquele que crie" (ROM. 1: 16). Pablo diz em uma de...
"Perseguiram-nos" (BJ); "perseguem-nos" (NC). Estas palavras poderiam ter
uma aplicação local ou geral. Os judeus tinham a...
Sempre.
Os pecados dos judeus aumentaram mais e mais até que a medida de seu
iniqüidade esteve mais que completa, porque m...
Pablo assegura aos tesalonicenses que tinha feito todo o possível para voltar
a eles. Esta afirmação rebateria qualquer pe...
Glorifique-me.
No dia do triunfo Pablo poderia apresentar a seus conversos com são orgulho,
regozijando-se porque o Senhor...
1 PELO QUAL, não podendo suportá-lo mais, acordamos ficar solos em Atenas,
2 e enviamos ao Timoteo nosso irmão, servidor d...
Gr. stégÇ, "cobrir", "ocultar", "suportar" (cf. 1 Cor. 9: 12; 13: 7). O
sujeito em plural, "nós" neste versículo, parece i...
Gr. parakaléÇ (ver com. Mat. 5: 4). O segundo propósito da missão de
Timoteo era exortar aos crentes. Isso incluiria um re...
Ibamos a passar tribulações.
Ou "estamos por sofrer tribulações".
5.
Pelo qual.
Embora Pablo sabia que os tesalonicenses s...
Amor.
Gr. agáp' (ver com. Mat. 5: 43; Juan 11: 3; 1 Cor. 13: 1). Foi um bálsamo
para o coração do Pablo o saber que a fé d...
Quanto ao significado de "estar firmes", ver com. Fil. 1: 27. Pablo
declara que enquanto os tesalonicenses permanecessem f...
(ver com. cap. 4: 11; 5: 14), e precisavam abundar "mais e mais" (cap. 4: 10) em
os atributos cristãos.
11.
Mas o mesmo De...
Gr. ámemptos, "impecável", "sem mancha", "irreprochável" (cf. com. F. 1: 4;
Fil. 2: 15; 3: 6). O desejo do apóstolo para s...
11-12 MeM 228
12-13 HAp 213; 5T 693
13 DMJ 125
CAPÍTULO 4
1 Os precatória a seguir adiante em toda santidade, 6 a viver Sa...
Jesus aos que dormiram nele.
15 Pelo qual lhes dizemos isto em palavra do Senhor: que nós que vivemos,
que teremos ficado ...
instrução prática (cf. 1 Lhes. 2: 2, 7-8, 13).
lhes conduzir e agradar a Deus.
Quer dizer, "conducíos para agradar a Deus"...
Santificação.
Gr. hagiasmós (ver com. ROM. 6: 19). Hagiasmós é lhe abranja; não se limita a
a castidade, embora esta se de...
traduzido "copo", e 10 vezes "objeto", "utensílio", "vasilha", "bens" ou
"instrumento". Há diferença de opinião quanto ao ...
gentis.
Que não conhecem deus.
Ver com. ROM. 1: 21, 28.
6.
Ofenda.
Gr. huperbáinÇ, "passar por cima de", "exceder-se", met...
Atestado.
Ou "protestado solenemente", "testemunhado publicamente". Pablo havia
admoestado fielmente a seus conversos cont...
proporcionado o poder pelo qual podem alcançar a elevada norma divina. O
cristão, assim fortalecido, pode superar todos os...
Procurem.
Gr. filotiméomai, "desejar ou pretender honras", "trabalhar em excesso-se"; aqui "ambicionar",
"aspirar"; "ambic...
Quer dizer, fora da igreja, os que não eram cristãos (ver com. 1 Cor. 5:
12). Uma vida cristã conseqüente é em si mesmo um...
1tessalonicenses traduzido
1tessalonicenses traduzido
1tessalonicenses traduzido
1tessalonicenses traduzido
1tessalonicenses traduzido
1tessalonicenses traduzido
1tessalonicenses traduzido
1tessalonicenses traduzido
1tessalonicenses traduzido
1tessalonicenses traduzido
1tessalonicenses traduzido
1tessalonicenses traduzido
1tessalonicenses traduzido
1tessalonicenses traduzido
1tessalonicenses traduzido
1tessalonicenses traduzido
1tessalonicenses traduzido
1tessalonicenses traduzido
1tessalonicenses traduzido
1tessalonicenses traduzido
1tessalonicenses traduzido
1tessalonicenses traduzido
1tessalonicenses traduzido
1tessalonicenses traduzido
1tessalonicenses traduzido
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

1tessalonicenses traduzido

433 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
433
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

1tessalonicenses traduzido

  1. 1. PUBLICAÇÕES INTERAMERICANAS Pacific Press Publishing Association Mountain View, Califórnia EE. UU. do N.A. -------------------------------------------------------------------- VERSÃO ESPANHOLA Tradutor Chefe: Victor E. AMPUERO MATTA Tradutora Associada: NANCY W. DO VYHMEISTER Redatores: Sergio V. COLLINS Fernando CHAIJ TULIO N. PEVERINI LEÃO GAMBETTA Juan J. SUÁREZ Reeditado por: Ministério JesusVoltara http://www.jesusvoltara.com.br Igreja Adventista dou Sétimo Dia --------------------------------------------------------------------- --------------------------------------------------------------------- Primeira Epístola do Apóstolo São Pablo aos TESALONICENSES INTRODUÇÃO 1. Título. Nos manuscritos gregos mais antigos o título desta epístola é simplesmente, Prós Thessalonikéis A ("A [os] Tesalonicenses I"). O título mais largo, "Primeira Epístola do apóstolo São Pablo aos Tesalonicenses" (RVR), é um desenvolvimento posterior. 2. Autor. A epístola dá a entender que provém do Pablo, Silvano (Silas) e Timoteo (cap. 1: 1); entretanto, basicamente é obra do Pablo (cap. 3: 1-2, 6-7; 5: 27). Está incluída entre as cartas do Pablo na lista mais antiga de livros do NT: o Canon do Muratori (170 d. C.). Os antigos escritores eclesiásticos -Ireneo (C. 130-c. 202), Clemente da Alejandría (M. C. 220) e Tertuliano (C. 160-c. 240)- consideravam que Pablo era seu autor. A personalidade e o estilo do apóstolo Pablo saturam toda a epístola, pois através dela se manifestam o amor por seus conversos e a preocupação do apóstolo por seu bem-estar espiritual. A ênfase que fica nas grandes virtudes espirituais da fé, o amor e a esperança, é claramente paulino (cf. 1 Cor. 13: 13). Os eruditos pelo general concordam em que Pablo foi o autor da epístola. A respeito da data quando se escreveu, ver T. VI, pp. 105-106. 3. Marco histórico. Tesalónica era uma cidade importante, capital da segunda divisão de Macedônia (ver com. Hech. 17: 1). Estava situada no extremo norte do
  2. 2. golfo Termaico, chamado agora golfo da Salónica. Por essa cidade passava a "Via Ignaciana", que unia o Oriente com Roma. A situação geográfica favorável e o excelente porto da Tesalónica se combinavam para fazer dela um centro comercial de grande importância. Possivelmente por esta razão ali vivia uma grande coletividade judia e havia uma sinagoga (Hech. 17: 1). A cidade, que agora se denomina Salónica, é um dos centros comerciais mais importantes do norte da Grécia. Além disso, é de interesse arqueológico, pois o arco triunfal sob o qual passava a antiga Via Egnatia ainda se encontra em pé como um recordativo da glória e do poder da antiga Roma. Pablo esteve na Tesalónica pela primeira vez durante sua segunda viagem, imediatamente depois de ter saído do Filipos (Hech. 16: 40; 17: 1). Como o método de evangelismo do apóstolo era pregar primeiro nas cidades importantes, e as converter 232 depois em centros para a propagação do Evangelho nos povos e aldeias circundantes, ele e seus colaboradores foram diretamente desde o Filipos a Tesalónica, sem deter-se para pregar em Anfípolis nem na Apolonia (ver com. Hech. 17: 1). Pablo sabia que primeiro devia ganhá-la simpatia dos judeus da Tesalónica, e por isso foi à sinagoga três sábados sucessivos e apresentou as grandes verdades do Evangelho a seus compatriotas. Os maus tratos que acabava de sofrer no Filipos não o haviam amedrontado, e com o poder do Espírito Santo apresentava as profecias messiânicas do AT e mostrava seu cumprimento no Jesus. Alguns dos judeus acreditaram (Hech. 17: 4), de "os gregos piedosos grande número" (ver com. Hech. 17: 4) aceitaram sua mensagem, e entre os crentes da Tesalónica também havia "mulheres nobres não poucas" (Hech. 17: 4). É provável que os missionários tenham contínuo sua obra durante mais tempo que as três semanas que aqui se mencionam, pois Pablo conta que trabalhava "de noite e de dia" para sustentar-se enquanto pregava o Evangelho (1 Lhes. 2: 9), e em sua carta aos filipenses se refere às dádivas que lhe enviaram enquanto estava na Tesalónica (ver com. Fil. 4: 16). O êxito do ministério do apóstolo não demorou para converter a inveja dos judeus em um intenso ódio que produziu lutas e fez que Pablo tivesse que deixar a cidade (Hech. 17: 5-10). depois dos primeiros três sábados que pregou na sinagoga, parece que Pablo continuou sua obra na casa do Jasón (Hech. 17: 7). Teve êxito, conforme pode deduzir-se, especialmente entre os gregos, pois a igreja de Tesalónica parece ter estado principalmente composta por gentis (ver com. 1 Lhes. 1: 9; 4: 5). A violência da turfa instigada pelos judeus obrigou às autoridades romanas a ocupar-se da predicación do Pablo; mas os magistrados não aceitaram a acusação de que o apóstolo era culpado de traição por apresentar a doutrina do futuro reino de Cristo. É evidente que Pablo e seus companheiros não foram oficialmente expulsos da Tesalónica, nem que lhes impediu de voltar para a cidade, pois o apóstolo acreditou necessário explicar à igreja por que não tinha retornado (cap. 2: 17-18), e também porque Timoteo retornou a essa cidade (cap. 3: 2). Mas parece que os cristãos pensaram que era melhor que Pablo e seus companheiros saíssem da cidade nesse momento. dali foram a Berea, cidade que estava a 70 km ao sudoeste. Na Berea, Pablo pregou outra vez na sinagoga, e teve um êxito muito major entre esses judeus que amavam as Escrituras. As notícias dessa nova atividade do apóstolo logo chegaram a os judeus da Tesalónica, quem se dispôs a uma ação imediata. Se apressaram a ir a Berea, e de novo instigaram à turfa contra os missionários (Hech. 17: 10-13). Os amigos do Pablo o enviaram a Atenas, mas
  3. 3. seus companheiros ficaram na Macedônia. O apóstolo desejava intensamente receber a ajuda deles em Atenas, e ali os esperou (Hech. 17: 16). Parece que Timoteo se uniu a ele mais tarde em Atenas, e Pablo então o fez retornar a Tesalónica para que animasse aos novos crentes e lhe trouxesse notícias de a situação deles (1 Lhes. 3: 1-2, 6). É provável que Silas se haja ficado na Macedônia, pois quando Timoteo voltou para a Grécia, Silas o acompanhou e ambos se uniram com o Pablo em Corinto, aonde o apóstolo tinha ido depois de uma curta permanência em Atenas (Hech. 18: 1, 5). Quando Pablo recebeu o relatório do Timoteo, escreveu sua primeira carta aos tesalonicenses. Em alguns manuscritos que se remontam ao século V se diz ao fim da epístola, que foi escrita em Atenas. Esta hipótese possivelmente se apóia no que se registra em 1 Lhes. 3: 1-2; entretanto, parece claro (cap. 3: 6) que 1 Tesalonicenses não foi escrita a não ser até depois de que Timoteo retornou da Macedônia, e segundo Hech. 18: 1, 5 Pablo estava então em Corinto. Pelo tanto, parece que o mais razoável 233 é afirmar que 1 Tesalonicenses se escreveu em Corinto. Geralmente se considerou que esta epístola é a primeira das cartas do Pablo que se conservaram (ver T. VI, P. 105). Tal vez foi, com a possível exceção da Epístola do Santiago, o primeiro livro do NT que se escreveu. Quanto à data de 1 Tesalonicenses, ver T. 1, P. 106. 4. Tema. Esta epístola está iluminada por um radiante resplendor de amor intenso (cf cap. 1: 2-4; 2: 7-8; 3: 6-7). O apóstolo estava muito agradecido pelo relatório do Timoteo quanto à fidelidade dos tesalonicenses e sua tenra consideração por ele; então se apressou a elogiá-los por suas nobres virtudes de fé, amor e esperança. Sentia o veemente desejo de visitá-los, pois, enquanto esteve com eles, não tinha tido suficiente tempo para instrui-los plenamente nas verdades do Evangelho. Timoteo também deve ter informado ao apóstolo a respeito de certos problemas. Alguns tesalonicenses estavam afligidos por seus seres amados que haviam morto desde que tinham recebido a mensagem evangélica, pois temiam que esses defuntos não pudessem ter parte na gloriosa ressurreição quando voltasse o Senhor. Outros se tinham fanatizado com o segundo advento, sustentando que não deviam trabalhar a não ser esperar a vinda do Senhor em ociosa expectativa. Havia quem estava voltando para mundo, e se achavam em perigo de sumir-se na imoralidade. Outros se sentiam inclinados a proceder por sua conta e não desejavam reconhecer aos legítimos dirigentes da igreja. Necessitavam ajuda "os ociosos,... os de pouco ânimo,... os fracos" (cap. 5: 14). Se houvesse sido possível, o apóstolo se apressou para dar instruções pessoais a esses amados crentes. mais de uma vez tratou de voltar, mas Satanás o "estorvou" (cap. 2: 18), e por isso teve que contentar-se escrevendo uma carta a essa igreja. O tema da epístola é a piedade prática em vista da volta de Cristo. O glorioso advento do Senhor é a doutrina que mais se destaca (cap. 1: 10; 2: 19; 3: 13; 4: 13-18; 5: 23). Outras doutrinas mencionadas são a morte e a ressurreição de Cristo (cap. 4: 14), a ressurreição dos justos (vers. 13-16), as recompensas e os castigos futuros (cap. 4: 17; 5: 3), a existência pessoal e a obra ativa de Satanás (cap. 2: 18), e a doutrina de
  4. 4. a redenção, que inclui eleição e santificação (cap. 1: 4; 4: 3-7). 5. Bosquejo. I.Saludos, 1: 1. II. Resenha do ministério aos tesalonicenses e relações com eles, 1: 2 a 3: 13. A. Agradecimento por seu fiel testemunho, 1: 2- 10. 1.Gratitud por sua obra, 1: 2-4. 2.Reseña de sua frutífera aceitação do Evangelho, 1:5-10. B. Pablo recorda seu ministério na Tesalónica, 2: 1-16. C. Esforços do Pablo para voltar a visitar seus conversos, 2:17-20. D. Timoteo enviado em lugar do Pablo, 3: 1-13. 1.Propósito da visita do Timoteo, 3: 1-5. 2.Informe do Timoteo e seu efeito no Pablo, 3: 6-13. A. O relatório, 3: 6. B. Gozo do Pablo pelo relatório, 3: 7-9. C. O contínuo desejo do Pablo de visitar a igreja, 3:10-11. d. Oração do Pablo por seus conversos, 3: 12-13. III. Instruções e exortações, 4: 1 a 5: 28. A. Introdução, 4: 1-2. B. Verdadeira santificação corporal, 4: 3-8. 234 C. Amor fraternal dos tesalonicenses, 4: 9-10 P. P. D. Admoestações à laboriosidade, 4: 10 Ú. P.-12. E. Os mortos cristãos e a ressurreição, 4: 13-18. 1. A gloriosa esperança da ressurreição, 4: 13-14. 2. As circunstâncias da ressurreição, 4: 15-16.
  5. 5. 3. A translação dos justos vivos e dos ressuscitados, 4: 17. 4. Os crentes devem consolar-se mutuamente com esta segurança, 4: 18. F. A incerteza quanto ao tempo da vinda de Cristo, 5: 1-11. 1. A súbita vinda do dia do Senhor, 5: 1-3. 2. Os crentes devem estar preparados, 5: 4-11. G. Admoestações finais, 5: 12-22. 1. Quanto aos servos do Senhor, 5: 12-13. 2. Quanto a conservar a unidade na igreja, 5: 14-15. 3. Quanto ao regozijo, a oração e a gratidão, 5: 16-18. 4. Diversas admoestações, 5: 19-22. H. Bênção final e pedidos, 5: 23-28. 1. Desejo de uma santificação completa, 5: 23-24. 2. Pedidos e saudações, 5: 25-27. 3. Bênção, 5: 28. CAPÍTULO 1 1 Pablo faz saber aos tesalonicenses quanto os recorda em suas orações e dá graças a Deus por eles, 5 e também quão convencido estava ele da sinceridade de sua fé e conversão a Deus. 1 Pablo, Silvano e Timoteo, à igreja dos tesalonicenses em Deus Pai e no Senhor Jesus Cristo: Graça e paz sejam a vós, de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo. 2 Damos sempre graças a Deus por todos vós, fazendo memória de vós em nossas orações, 3 nos lembrando sem cessar diante do Deus e nosso Pai da obra de sua fé, do trabalho de seu amor e de sua perseverança na esperança em nosso Senhor Jesus Cristo. 4 Porque conhecemos, irmãos amado de Deus, sua eleição;
  6. 6. 5 pois nosso evangelho não chegou a vós em palavras somente, a não ser também em poder, no Espírito Santo e em plena certeza, como bem sabem quais fomos entre vós por amor de vós. 6 E vós devestes foram imitadores de nós e do Senhor, recebendo a palavra em meio de grande tribulação, com gozo do Espírito Santo, 7 de tal maneira que fostes exemplo a todos os da Macedônia e da Acaya que acreditaram. 8 Porque partindo de vós foi divulgada a palavra do Senhor, não só na Macedônia e Acaya, mas sim também em todo lugar sua fé em Deus se há estendido, de modo que nós não temos necessidade de falar nada; 9 porque eles mesmos contam de nós a maneira em que nos receberam, e como lhes converteram dos ídolos a Deus, para servir ao Deus vivo e verdadeiro, 10 e esperar dos céus a seu Filho, ao qual ressuscitou dos mortos, ao Jesus, quem nos libera da ira vindoura. 1. Pablo. A epístola começa com as saudações acostumadas (ver com. ROM. 1: 1). O 235 apóstolo não tinha necessidade de apresentar uma extensa introdução pois era bem conhecido para seus leitores, e possivelmente só tinha transcorrido pouco tempo desde que tinha estado com eles (ver P. 232). Embora Pablo associa ao Silas e ao Timoteo com ele, é evidente que o apóstolo é o único autor da epístola (cap. 2: 18; 3: 5; 4: 13; 5: 1, 23, 27). Mas ao escrever continua tendo em conta ao Silas e ao Timoteo, e com freqüência usa verbos em plural nos cinco capítulos da epístola (cap. 1: 2; 2: 2; 3: 1; 4: 1; 5: 12). Seus dois companheiros sem dúvida apoiavam todas as admoestações que o apóstolo escreveu em nome deles. Silvano. Conhecido com o nome abreviado do Silas (ver com. Hech. 15: 22, 34, 40). Tinha estado com o Pablo no Filipos (Hech. 15: 40-41; 16: 12, 19), havia-o acompanhado a Tesalónica (Hech. 17: 1, 4), tinha sido enviado com ele a Berea (Hech. 17: 10) e tinha permanecido nessa cidade depois de que Pablo teve que sair para Atenas (Hech. 17: 14). Posteriormente voltou a reunir-se com o apóstolo em Corinto (ver com. Hech. 18: 5; cf. 2 Cor. 1: 19). O menciona antes que ao Timoteo possivelmente por ser maior e por ter estado associado com o Pablo durante mais tempo. Timoteo.
  7. 7. Transliteración do Gr. Timótheos. Ver com. Hech. 16: 1. Era do distrito de Derbe e Listra, tinha acompanhado ao Pablo na segunda viagem missionária (Hech. 16: 1-3) e tinha participado do ministério do Pablo no Filipos, Tesalónica e Berea (ver com. Hech. 17: 14). O jovem evangelista tinha sido enviado à congregação da Tesalónica, e seu relatório da condição da igreja foi o motivo imediato que influiu no Pablo para escrever a epístola (1 Lhes. 3: 1, 6). Igreja. Gr. ekkl'era (ver com. Mat. 18: 17). Pablo dirige sua carta ao conjunto de crentes da Tesalónica, similares aos que em outras passagens chama "Santos" (ROM. 1: 7; etc.). Não menciona aos principais dirigentes da igreja como faz-o em sua Epístola aos Filipenses (cap. 1: 1). Tesalonicenses. O costume do Pablo (ROM. 1: 7; 1 Cor. 1: 2; 2 Cor. 1: 1; F. 1: 1; Fil. 1: 1; Couve. 1: 2) era nomear a cidade na qual se reunia uma determinada igreja, mas aqui e em 2 Lhes. 1: 1 se dirige a "os tesalonicenses". É difícil apreciar uma diferença significativa neste trato diferente; sem embargo, alguns sugeriram que, desta maneira, Pablo tinha o propósito de incluir não só aos que residiam na cidade mas também também aos que estavam compreendidos em uma zona mais ampla. Não se sabe quão numerosa era a igreja da Tesalónica; segundo Hech. 17: 4 se deduz que sua paróquia inicial era grande. Em Deus. A igreja pode existir unicamente se está fundada "em Deus" e se seus membros estão unidos com ele (cf. com. ROM 1: 7; F. 1: 1; Fil. 1: 1). Pai. Cf. com. ROM. 1: 7. Quanto ao significado da paternidade de Deus neste passagem, compare-se com as saudações do Pablo em outras epístolas. No Senhor Jesus Cristo. Assim se indica que a igreja existe não só em virtude de sua união com Deus mas também devido a sua união com o Filho (ver com. ROM. 8: 1; 1 Cor 1: 2). O duplo título "Senhor Jesus Cristo" reflete a cristología do Pablo, e seu compreensão da natureza de Cristo. Sabia que seu Professor era o Senhor e que El Salvador era divino-humano(ver com. Fil. 2: 5). Graça. Gr. járis (ver com. ROM. 1: 7) Paz.
  8. 8. Ver com. ROM. 1: 17 De Deus. Em alguns MSS antigos se omite o resto deste versículo, começando com as palavras "de Deus". Entretanto, a evidência textual se inclina (cf. P. 10 ) pelo texto como aparece na RVR, reconhecendo que possivelmente pôde as haver acrescentado algum copista posterior que as tirou de 2 Lhes. 1: 2. Esta parte final a omitem a BJ, BC, BA e NC. 2. Damos sempre obrigado. Já seja que Pablo use o verbo em plural refiriéndose unicamente a si mesmo, ou escreve também em nome do Silas e Timoteo, o significado é claro. Quando ele e seus companheiros receberam o relatório do Timoteo quanto às condicione reinantes na Tesalónica, encheram-se de agradecimento e expressaram sua gratidão a Deus que obrava mediante eles. Por todos vós. O tato do Pablo se trasluce nas páginas de sua epístola. Não queria que ninguém se sentisse omitido; procurava que todos estivessem incluídos em seus saudações; fazia cuidadosas contagens quando mencionava pessoas por nomes (ver com. Fil. 1: 4; cf. ROM. 16: 1-15; Couve. 4: 7-17). Em nossas orações Ou "ao orar". Esta 236 frase define a palavra "sempre". Sem dúvida Pablo e seus companheiros tinham certas horas fixas dedicadas à oração, e então intercediam pelos cristãos da Tesalónica mencionando-os em forma individual, e ocupando-se de seu bem-estar. 3. nos lembrando sem cessar. Pablo recordava o que ele tinha visto na Tesalónica e o que depois Timoteo o tinha informado (cap. 3: 6). A lembrança contínua do caráter cristão de os membros de igreja e de seus frutos era a razão para que sua menção de eles em oração sempre tomasse a forma de agradecimento a Deus. Diante do. Os novos crentes da Tesalónica, que sofriam perseguições, viviam na presença de Deus. Sua fé, amor e esperança eram genuínos não só diante de os homens mas também à vista de Deus, o Escudriñador dos corações. Pablo também pode ter acontecido do pensamento da salvação mediante Cristo ao dia do julgamento, quando os tesalonicenses compareceriam diante de seu Fazedor sem nenhum motivo para sentir temor.
  9. 9. A obra de sua fé. Pablo se concentrava em três destacadas virtudes que possuíam os tesalonicenses: fé, amor e esperança. Em Couve. 1: 4-5; 1 Lhes. 5: 8 e especialmente em sua célebre exposição sobre o amor (1 Cor. 13), destaca estas três virtudes como os elementos fundamentais do caráter cristão. Aqui se ocupa das evidências externas dessas virtudes, pois fala do que observou quando esteve em meio deles e o que agora recorda. "Obra de sua fé" é uma expressão que se refere às atividades espirituais ou temporárias inspiradas pela fé. Esta frase revela a natureza prática da verdadeira fé que se manifesta mediante obra de caráter cristão. Trabalho. Gr. kópos, "dificuldade", "trabalho", o que denota intenso esforço unido a empenho e dificuldades. "Trabalho de. . . amor" significa aqui o esforço que impulsa o amor e que voluntariamente aceita e suporta dificuldades e penalidades pela salvação de outros. Pablo se regozija, pois como a igreja estava exposta a múltiplos maus tratos seus membros se emprestavam ajuda mútua com esforços diligentes e sacrifício. Essa amante solicitude pelo bem-estar alheio, assim como a ardente fé deles, era uma prova convincente de que seu conversão era genuína (HAp 212). Perseverança. Gr. hupomon', "paciência", "perseverança" (ver com. ROM. 2: 7). Esperança. Pablo se refere a uma paciente perseverança sustentada pela esperança que deriva da fé cristã. Esta esperança não é um otimismo vago a não ser "esperança em nosso Senhor Jesus Cristo"; quer dizer, esperança centralizada em Cristo, a esperança de salvação no Redentor (cap. 5: 8-9), a esperança de sua pronta vinda para a liberação deles (1 Lhes. 4: 13-18; cf. Tito 2: 13). Sua paciência e firmeza derivavam da esperança. Em vista da glória futura, podiam suportar seu sofrimento com mais regozijo. A esperança é o âncora da alma (Heb. 6: 19). 4. Conhecemos. Referência a um fato que se dá geralmente por sentado (cf. com. ROM. 3: 19). Irmãos. Este término se usa 19 vezes nesta epístola, em singular ou plural, para mostrar o grande afeto do Pablo pelos cristãos da Tesalónica.
  10. 10. Amado de Deus. Compreende o amor do apóstolo e o de Deus pelos crentes da Tesalónica (cf. ROM. 1: 7; 2 Lhes. 2: 13). Eleição. Gr. eklog', "o processo de eleição" (ver com. ROM. 9: 11). Deus havia eleito aos crentes da Tesalónica para a salvação mediante "a santificação pelo Espírito e a fé na verdade" (2 Lhes. 2: 13). O apóstolo não está falando da eleição final ou absoluta da igreja inteira, como se deduz de sua expressão posterior de temor de que alguns deles pudessem ter sido vencidos pela tentação e o trabalho do Pablo tivesse sido em vão (1 Lhes. 3: 5). Um estudo mais amplo da eleição e a predestinação aparece em com. Juan 3: 17-19; ROM. 8: 29; 9: 11; 11: 5; F. 1: 4-14; 3: 11. Nas Escrituras não há nenhuma declaração que apóie o ensino de que Deus predestinou a algumas pessoas para a vida eterna, do qual se deduziria facilmente que Deus predestinou ao resto da humanidade para a fatídica destruição eterna. A doutrina bíblica da eleição implica a vontade de Deus e a do homem em ação conjunta. 5. Evangelho. Gr. euaggélion (ver com. Mar. 1: 1). Pablo está falando do Evangelho que o tinha sido crédulo a ele e a seus companheiros (1 Lhes. 2: 4), e que eles proclamassem fielmente. Na sinagoga da Tesalónica Pablo abriu as Escrituras do AT e pregou de um Mesías que sofreria e morreria pelos pecados da humanidade, mas que seria ressuscitado 237 dos mortos; portanto, Jesus era o Cristo (Hech. 17: 2-3; HAp 182-184). O poder desse Evangelho foi demonstrado pelas muitas vidas que foram transformadas ao ser aceito (Hech. 17: 4). Em palavras somente. O apóstolo empregava palavras para transmitir o Evangelho, mas a manifestação desse Evangelho não terminava só com palavras. Estas eram acompanhadas com manifestações de poder espiritual. Mas também. Esta expressão, acrescentada a precedente, destaca o contraste entre "palavras" e "feitos" inspirados pelo Espírito. Poder. Gr. dúnamis (ver com. Luc. 1: 35). Ver com. 1 Cor. 2: 4; 4: 20, onde se contrasta "palavras" podendo". Embora o período do ministério do Pablo em Tesalónica foi breve (Hech. 17: 1-4), deu lugar a muitos milagres e manifestações do poder do Evangelho, mesmo que se dão poucos detalhes no registro sagrado.
  11. 11. Espírito Santo. A frase "no Espírito Santo" implica que o Evangelho chegou aos tesalonicenses mediante a ação do Espírito, em uma atmosfera condicionada pelo Espírito, de maneira que verdadeiramente poderia dizer-se que a influência do Espírito Santo saturou toda essa ação. Desse modo Pablo fugiu aceitar que qualquer mérito pessoal fora responsável pelo triunfo da mensagem evangélico. Certeza. Quer dizer, "persuasão" ou "convicção". O Evangelho foi pregado persuasiva e convincentemente porque Pablo e seus companheiros sabiam que recebiam poder do Espírito Santo. Como bem sabem. Pablo recorre ao conhecimento pessoal dos tesalonicenses quanto ao comportamento dos que tinham sido missionários entre eles. Um homem deve ter a consciência limpa antes de referir-se a sua própria conduta. Pablo nunca sentiu temor de referir-se a sua própria conduta entre seus conversos. As diversas referências que fez à vida que viveu na Tesalónica (cap. 2: 1-2, 5, 9-11) poderiam significar que alguns estavam tergiversando seu comportamento e tratando de debilitar sua influência. O fez frente a essas tergiversações afirmando que não só os sermões mas também também as vistas dos evangelistas pregavam o Evangelho, e que isto tinha sido feito para o bem dos mesmos tesalonicenses. 6. Imitadores. Cf. com. 1 Cor. 4: 16; F. 5: 1. Pablo apresenta o fato de que chegaram a ser imitadores do Senhor como uma razão adicional para saber que Deus os havia eleito para a salvação. Pablo tinha pregado com o poder do Espírito Santo, e os tesalonicenses também tinham recebido a mensagem com gozo do Espírito Santo. portanto, sentiam grandes desejos de cumprir a vontade de Deus. Do Senhor. Pablo não tinha deixado aos tesalonicenses só um exemplo humano. Também os tinha ajudado para que fossem imitadores de seu Senhor. O apóstolo sempre procedia assim (cf. 1 Cor. 11: 1); e por isso, quando seus conversos ficavam privados de sua companhia pessoal, podiam continuar com seus olhos postos em Cristo, o exemplo perfeito. Recebendo. Do verbo grego déjomai, que implica receber com boa vontade, dar a bem-vinda; "abraçando" (BJ); "acolhendo" (BC).
  12. 12. Tribulação. Gr. thlípsis (ver com. ROM. 5: 3). Os membros da igreja da Tesalónica fizeram-se cristãos em meio de uma grande oposição (Hech. 17: 5-9; 1 Lhes. 2: 14). Na igreja primitiva a conversão geralmente demandava valor pessoal e muita abnegação, pois com freqüência os novos conversos eram cruelmente perseguidos (ver com. Mat. 24: 21). Essa perseguição era em realidade uma bênção, pois servia para refinar e desencardir à igreja e fazia que seus membros desfrutassem de uma comunhão mais íntima com Cristo (HAp 211-212). Embora a aflição era dura, não desanimava aos conversos; ao contrário, seu sofrimento estava acompanhado pelo gozo repartido pelo Espírito Santo (cf. Gál. 5: 22). 7. Exemplo. Gr. túpos (ver com. ROM. 5: 14). Esses crentes tinham posto por modelo de seu vida aos apóstolos e ao Senhor. A sua vez se converteram em modelos ou exemplos para que os imitassem outros cristãos. Eram um exemplo quanto a a firmeza com que seguiam o cristianismo e o zelo com que divulgavam seus ensinos. O bom exemplo dos tesalonicenses imediatamente depois de seu conversão, destaca a qualidade de seu testemunho cristão. Macedônia Y. . . Acaya. As duas províncias em que foi dividida a Grécia quando ficou sob o domínio romano no ano 146 A. C. (ver T. VI, o mapa frente a P. 33). O testemunho do Pablo demonstra quão ampliamente se propagou a influência dos fiéis tesalonicenses 238 entre outros cristãos. 8. Divulgada. Do verbo grego ex'jéÇ, "proclamar", "ressonar", "ressonou" (BJ, BA, BC). Palavra do Senhor. Quer dizer, o Evangelho que os tesalonicenses tinham recebido com tão boa vontade e que a sua vez estavam transmitindo a outros (HAp 207-208). Em todo lugar. Tesalónica era uma grande cidade comercial, de onde eram levados os informe destes ferventes cristãos não só a outras partes da Grécia, mas também também a países distantes. Pablo estava então em Corinto, porto marítimo de muita atividade, portanto, facilmente podia receber informe das trabalhos de seus conversos.
  13. 13. Fé em Deus. A maioria destes crentes antes tinham sido pagãos (vers. 9). Agora demonstravam por meio de suas vidas cristãs conseqüentes e também com seu zelo missionário, que tinham uma fé verdadeira em Deus e em sua mensagem evangélica. Seu testemunho era tão inconfundível que não era necessário que Pablo e seus companheiros lhe acrescentassem algo. Os tesalonicenses dificilmente podiam receber um melhor louvor. 9. Eles mesmos. Quer dizer, os que enviaram seu relatório ao apóstolo. Por sua própria iniciativa, essas pessoas referiram ao Pablo a grande mudança que se efetuou em Tesalónica devido a seu ministério. Este testemunho era ainda mais valioso que qualquer outro que dessem os mesmos tesalonicenses. Converteram dos ídolos. Pablo acabava de retornar de Atenas, onde "seu espírito se avivava vendo a cidade entregue à idolatria" (ver com. Hech. 17: 16); portanto, estava muito impressionado pela forma em que os tesalonicenses tinham abandonado seus ídolos para voltar-se para Deus verdadeiro. A Deus. Compare-se com a expressão "fé em Deus" (vers. 8). Os tesalonicenses haviam dado as costas aos ídolos e estavam frente a Deus. Servir. Gr. douléuÇ, "ser escravo", "emprestar obediência" (cf. com. ROM. 1: 1). A flexão do verbo grego dá o sentido de algo contínuo: "seguir sendo escravo". Verdadeiro Gr. ao'thinós, "genuíno", "real". Contrasta-se ao Deus vivente e real com os ídolos falsos e inconscientes. Pablo e seus conversos compreendiam a inapreciável superioridade da religião cristã vivente sobre todas as outras religiões. 10. Esperar. Ou "continuar esperando". Dos céus.
  14. 14. Cf. com. Fil. 3: 20. O propósito da vida dos conversos do Pablo era dobro: servir a Deus e esperar a volta de Cristo. O apóstolo põe um ênfase constante nesta epístola na magna doutrina do segundo advento de nosso Senhor (1 Lhes. 1: 10; 2: 19; 3: 13; 4: 13-18; 5: 23). Que influência tão eficaz tinha tido esta "esperança bem-aventurada" (Tito 2: 13) nas vidas dos crentes da Tesalónica! Viviam esperando o retorno de seu Senhor. Entretanto, não esperavam ociosamente, pois combinavam a atividade com sua espera. Eram tão ardentes em sua esperança de ser prontamente liberados de seus perseguidores mediante a intervenção gloriosa de seu Senhor, que temiam que a morte privasse a algum deles do grande gozo de reunir-se com ele pessoalmente (cf. HAp 209). Seu Filho. Esta é a única vez que nesta epístola se menciona a Cristo como o Filho de Deus, o que contrasta em forma chamativa com as freqüentes referências que há em Romanos e Gálatas (ROM. 1: 3-4; Gál. 1: 16; etc.). Ao qual ressuscitou. Em sua Epístola aos Romanos o apóstolo apresenta a ressurreição do Jesus como uma prova de que Cristo é o Filho de Deus (ver com. ROM. 1: 4); e nesta, que provavelmente é primeira de suas epístolas, não vacila em seguir o mesmo raciocínio, reconhecendo a Cristo como o Filho de Deus ressuscitado. Libera-nos. Melhor "está-nos liberando". É certo que o ato vital da liberação se realizou no Calvário, mas o processo da liberação é contínuo, e só se completará com a segunda vinda de Cristo, quando os que tenham aceito a obra do Salvador serão salvos para sempre das garras do pecado (cf. com. Mat. 1: 21; ROM. 11: 26). A ira vindoura. O uso do artigo "a" indica uma manifestação particular do desagrado divino, de seu "ira" (ver com. Mat. 3: 7; ROM. 1: 18). Quanto ao significado de "ira" (org'), ver com. ROM. 2: 8; cf. com. ROM. 1: 18. O Evangelho libera da ira vindoura (ROM. 5: 9). Aos que acreditam seu mensagem e aceitam suas estipulações, lhes concede vida eterna, e a ira de Deus não permanece mais sobre eles (ver com. Juan 3: 36; 5: 24; 1 Juan 3: 14). 239 COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE 2-3 HAp 207 5 MM 307 6-10 HAp 2O8
  15. 15. 7-8 MeM 125; MM 307 9 Ev 163 CAPÍTULO 2 1 Como foi levado e pregado o Evangelho aos tesalonicenses, e como foi recebido. 18 Razão pela qual Pablo esteve ausente deles e por que sentia tantos desejos de vê-los de novo. 1 PORQUE vós mesmos sabem, irmãos, que nossa visita a vós não resultou vã; 2 pois havendo antes padecido e sido ultrajados no Filipos, como sabem, tivemos denodo em nosso Deus para lhes anunciar o evangelho de Deus no meio de grande oposição. 3 Porque nossa exortação não procedeu de engano nem de impureza, nem foi por engano, 4 mas sim conforme fomos passados em Por Deus para que nos confiasse o evangelho, assim falamos; não para agradar aos homens, a não ser a Deus, que prova nossos corações. 5 Porque nunca usamos de palavras lisonjeiras, como sabem, nem encobrimos avareza; Deus é testemunha; 6 nem procuramos glória dos homens; nem de vós, nem de outros, embora podíamos lhes ser carga como apóstolos de Cristo. 7 Antes fomos tenros entre vós, como a nodriza que cuida com ternura a seus próprios filhos. 8 Tão grande é nosso afeto por vós, que tivéssemos querido lhes entregar não só o evangelho de Deus, mas também também nossas próprias vidas; porque chegastes a nos ser muito queridos. 9 Porque lhes lembram, irmãos, de nosso trabalho e fadiga; como trabalhando de noite e de dia, para não ser onerosos a nenhum de vós, pregamo-lhes o evangelho de Deus. 10 Vós são testemunhas, e Deus também, de quão Santa, justa e irreprensiblemente nos comportamos com vós os crentes; 11 assim como também sabem de que modo, como o pai a seus filhos, exortávamos e consolávamos a cada um de vós, 12 e lhes encarregávamos que andassem como é digno de Deus, que lhes chamou a seu reino e glória.
  16. 16. 13 Pelo qual também nós sem cessar damos graças a Deus, de que quando receberam a palavra de Deus que ouviram de nós, receberam-na não como palavra de homens, a não ser conforme é na verdade, a palavra de Deus, a qual atua em vós os crentes. 14 Porque vós, irmãos, devestes foram imitadores das Iglesias de Deus em Cristo Jesus que estão na Judea; pois padecestes que os de sua própria nação as mesmas coisas que elas padeceram dos judeus, 15 os quais mataram ao Senhor Jesus e a seus próprios profetas, e nos expulsaram; e não agradam a Deus, e se opõem a todos os homens, 16 nos impedindo de falar com os gentis para que estes se salvem; assim enchem eles sempre a medida de seus pecados, pois veio sobre eles a ira até o extremo. 17 Mas nós, irmãos, separados de vós por um pouco de tempo, de vista mas não de coração, quanto mais procuramos com muito desejo ver seu rosto; 18 pelo qual quisemos ir a vós, eu Pablo certamente uma e outra vez; mas Satanás nos estorvou. 19 Porque qual é nossa esperança, ou gozo, ou coroa de que me glorifique? Não o são vós, diante de nosso Senhor Jesus Cristo, em sua vinda? 20 Vós são nossa glória e gozo. 240 1. Vós mesmos. Pablo se estende agora no raciocínio já começado (cap. 1: 5). Outros voluntariamente tinham atestado do formidável êxito da obra do Pablo e seus colaboradores na Tesalónica (ver com. cap. 1: 9); mas o apóstolo agora recorre extensamente ao que recordavam os mesmos tesalonicenses. Cada ministro do Evangelho deve comportar-se de tal maneira que possa apoiar-se no testemunho de seus paroquianos se é atacado calumniosamente. Visita. Quer dizer, a visita evangelizadora do Pablo e seus companheiros (cf. Hech. 17: 1-4; 1 Lhes. 1: 9). Os conversos da Tesalónica conheciam melhor que ninguém o que significou essa visita missionária em suas próprias vidas. Vã. Ou "vazia" (ver com. 1 Cor. 15: 10). Os cristãos tesalonicenses eram uma prova inequívoca da verdade do que dizia Pablo. 2.
  17. 17. Havendo antes padecido. Provavelmente só uns poucos dias depois de que Pablo e Silas fossem açoitados no Filipos, começaram sua obra na Tesalónica (ver com. Hech. 17: 1). Ultrajados. Muitos dos crentes sem dúvida tinham presenciado as chicotadas dos romanos (cf. Gál. 6: 17). O apóstolo sentiu profundamente a injustiça do ultraje que sofressem publicamente ao ser açoitados, sendo cidadãos romanos, sem um julgamento prévio (ver com. Hech. 16: 37). Tivemos denodo. Gr. parr'siázomai, "falar com franqueza", "ter valor", "aventurar-se a". depois de um castigo tão terrível como o que os evangelistas haviam suportado, uns impostores (ver com. vers. 3) não tivessem tido valor para continuar imediatamente sua obra em um lugar próximo. Em nosso Deus. Pablo reconhece que sua ousadia não era o resultado de um valor natural; provinha de Deus. Os apóstolos estavam pregando "o Evangelho de Deus", e o Senhor mesmo lhes tinha proporcionado o valor necessário para sua intrépida proclamação. Evangelho de Deus. Quer dizer, o Evangelho que tem sua origem em Deus. Grande oposição. Melhor "em muito conflito" (ver com. Fil. 1: 30). Possivelmente seja uma referência a uma luta interna, como em Couve. 2: 1. 3. Exortação. Gr. parákl'sis, "consolo", "consolação" (ver com. ROM. 12: 8, 15: 4; Fil. 2: 1). Uma referência a predicación dos evangelistas. O Evangelho apresentado pelos apóstolos na forma mais atraente possível produziu consolo nos gentis, que tinham vivido em um paganismo sem esperança, e teve influencia em seus corações e em suas mentes. Não procedeu de engano. Pablo nega categoricamente as caluniosas acusações de seus inimigos, quem os acusava de ser iludidos, de estar movidos por motivos sinistros e de usar métodos ocultos. O e seus companheiros não eram fanáticos extraviados.
  18. 18. Seu predicación não provinha de enganos ou de doutrinas errôneas. Pelo contrário, apoiava-se na infalível Palavra de Deus. Em sua interpretação de essa Palavra eram guiados pelo Espírito de verdade. Impureza. Gr. akatharsía, "impureza", vocábulo usado usualmente para referir-se a falta de castidade (ver com. ROM. 1: 24). Entretanto, muitos intérpretes pensam que aqui se usa em sentido figurado: impureza mental, baixeza de motivos, quer dizer, cobiça. Pablo e seus companheiros não eram movidos por cobiça ou voracidade. Engano. Gr. dólos (ver com. ROM. 1: 29). Aqui se trata da forma de trabalhar. O mensagem não foi dado em uma forma enganosa a não ser com plena sinceridade. O "verdadeiro israelita" não tem engano em sua boca (Juan 1: 47; Apoc. 14: 5). 4. Passados. Gr. dokimázÇ (ver com. ROM. 2: 18; Fil. 1: 10). Outra flexão deste verbo se traduziu como "prova" ao fim deste versículo. Para que nos confiasse. Os corações dos apóstolos tinham sido julgados ou provados Por Deus, e eles tinham sido passados ou considerados idôneos para que lhes confiasse a responsabilidade de apresentar a mensagem evangélica. Pablo considerava essa mordomia como um depósito sagrado, um "tesouro em copos de barro" (2 Cor. 4: 7). Pregava consciente de que estava ocupado com a mensagem de Deus para os homens, uma mensagem para o qual Deus o tinha escolhido em forma especial (Hech. 9: 15; 2 Cor. 3: 5-6). Não para agradar aos homens. O apóstolo estava tão empenhado em agradar a Deus, que cumpria com sua missão lhe emprestando muito pouca atenção às opiniões dos homens (ver 1 Cor. 4: 3-4, Gál. 1: 10). Isto não quer dizer que não tinha em conta os sentimentos ou prejuízos dos homens, pois era cuidadoso em não ofender a ninguém innecesariamente (ver 1 Cor. 9: 19-23). Seu propósito não era agradar aos homens para ganhar os por engano, mas sim queria ter a 241 aprovação de Deus e atrai-los a seu Fazedor. Prova nossos corações. Ver com. "passados"; cf. com. ROM. 8: 27. 5. Palavras lisonjeiras.
  19. 19. Para provar que seu propósito não tinha sido agradar aos homens, Pablo recorda a seus conversos quão bem sabiam eles que quando lhes tinham pregado nunca tinham recorrido a lisonjas para fazer que o Evangelho fora aceitável. Nas vidas dos tesalonicenses se necessitava uma obra radical de reforma. As lisonjas teriam fomentado sua complacência própria e impedido de ver seus necessidades. Estes apóstolos de Cristo não pregavam coisas aduladoras como o faziam os falsos profetas (ver ISA. 30: 10; Eze. 13: 10). Nem encobrimos. Gr. prófasis, "pretexto". Ver com. Fil. 1: 18. "Nem com pretextos" (BJ). Os apóstolos não aproveitavam sua missão para enriquecer-se; ao contrário, eram extremamente cuidadosos para não dar ocasião de que os acusasse de avareza. Pablo podia dar testemunho de que não tinha cobiçado "nem prata nem ouro nem vestido de ninguém" (Hech. 20: 33; cf. 2 Com 12: 14). Deus é testemunha. Um solene e reverente juramento (cf. com. Fil. 1: 8). Pablo podia recorrer a as lembranças pessoais dos tesalonicenses como testemunho de que nem ele nem seus companheiros os tinham lisonjeado; mas quanto a seus motivos, só podia recorrer a Deus. Desse modo nega com toda ênfase toda acusação de que ele e seus companheiros tinham trabalhado para beneficiar-se com lucros pessoais. 6. Nem procuramos glória. Pablo não afirma que nunca recebeu glória ou honras dos homens, mas sim nunca os tinha procurado a propósito. Sua vida atestava em forma conseqüente a veracidade de sua afirmação (cf. Hech. 20: 19; 2 Cor. 4: 5). Nem os gentis nem os cristãos podiam acusá-lo com razão de ser um homem interessado. lhes ser carga. O grego diz "podendo ser"; quer dizer, tendo a autoridade de impor-se. "Impor nossa autoridade" (BJ, BA); "nos apresentar com autoridade" (BC). Como mensageiros e enviados do Rei celestial, os missionários eram dignos de respeito e sustento, e poderiam ter apresentado exigências muito pesadas. Apóstolos. O uso deste título demonstra que Pablo considerava que Silas e Timoteo também eram membros do apostolado cristão (cf. com. ROM. 16: 7; 1 Cor. 4: 9). 7. Tenros.
  20. 20. Gr. 'pios, "bondoso", "considerado". Entretanto, a evidência textual se inclina (cf. P. 10) por n'pios, "menino", "menor". Embora a evidência externa incline-se por n'pios, o sentido concorda melhor com 'pios. Nodriza. O apóstolo, dominado por seu amante desinteresse, compara-se com uma nodriza que cuida com todo carinho a seus "filhos" mesmo que não seja a verdadeira mãe, pois dedicou-lhes completamente todo seu amor. Os evangelistas não eram exigentes com os tesalonicenses, "como tendo senhorio sobre. . . a grei" (1 Ped. 5: 3), mas sim se preocupavam muito pelo bem-estar de seus conversos. 8. Tão grande é nosso afeto. Gr. homéiromai, "desejar ardentemente", "desejar". Continua a figura da nodriza que amamenta. destacou-se a ternura (vers. 7); aqui fica ênfase no amor. Assim como a nodriza ou mãe está dedicada a repartir afeto até o ponto de dar sua vida por seu "filho", assim também os missionários estavam dispostos a dar-se por inteiro. O apóstolo está descobrindo seu coração e manifestando sua profunda dedicação a seus primeiros conversos da Macedônia. lhes entregar. Gr. metadídÇmi, "participar", no sentido de compartilhar algo com outro. Evangelho de Deus. Ver com. vers. 2. Vistas. Os conversos do Pablo não podiam duvidar de sua palavra, pois tinham sido testemunhas da intrepidez dos missionários, quem não tinha vacilado em pôr em perigo até suas vidas. Muito queridos. Pablo e seus companheiros lhes tinham cobrado um profundo afeto aos novos cristãos à medida que trabalharam em favor deles e observaram seu firme determinação por Cristo frente a uma grande oposição. Este sentimento se acentuou ao orar fervientemente por eles, primeiro para que aceitassem a mensagem e depois para que pudessem permanecer firmes na verdade. 9. Lembram-lhes. Pablo recorre ao que conheciam pessoalmente os tesalonicenses de seus trabalhos
  21. 21. entre eles (cf. vers. 1-2). Trabalho. Gr. kópos (ver com. cap. 1: 3). Fadiga. Gr. mójthos, "trabalho duro e difícil", penalidades", "angústia". Kópos e mójthos também se usam uma atrás de outra em 2 Cor. 11: 27 e 2 Lhes. 3: 8 (ver com. respectivos). Trabalhando. Gr. ergázomai, "trabalhar", geralmente para receber pagamento. Pablo se refere a seu trabalho na fabricação de carpas 242 (ver com. Hech. 18: 3). De noite e de dia. Pablo teve sempre o propósito de sustentar-se a si mesmo, pois tinha decidido proclamar o Evangelho gratuitamente. Não queria que ninguém tivesse motivo de acusar o de que pregava para beneficiar-se materialmente. Trabalhava para não ser uma carga para sua congregação (ver com. 1 Cor. 4: 12; 2 Cor. 11: 9; 1 Lhes. 2: 6). 10. Vós são testemunhas. depois de que o apóstolo refuta eficientemente as três principais acusações de seus inimigos- (1) que ele e seus companheiros eram uns iludidos fanáticos, (2) que seus motivos eram egoístas e impuros, e (3) que sua bondade e aparente solicitude eram só para encobrir seu engano (vers. 1-9)- recorre de novo ao que já sabiam os tesalonicenses, lhes recordando que eram testemunhas de a conduta deles, seus ministros. Conheciam muito mais aos missionários que seus acusadores; portanto não deviam ser impressionados por informe caluniosos. E Deus também. Pablo recorre outra vez a Deus (ver com. vers. 5) para justificar seus motivos, os quais não podiam ser vistos pelos homens. Isto significa que quando a ocasião o demande, podemos pôr a Deus como testemunha da veracidade do que dizemos, e que sempre devemos viver de tal maneira que legitimamente possamos recorrer ao Senhor. Santa. Gr. hosíÇs, "piedosamente", "de uma maneira que agrada a Deus". A vida Santa de um verdadeiro cristão, sua atividade pia e reverente para seu Fazedor, tem uma profunda influência na atitude do crente para com seus próximos, os
  22. 22. filhos de Deus. Justa. Gr. dikaíÇs, "com estrita justiça". Este advérbio é afim do adjetivo díkaios (ver com. Mat. 1: 19). Irreprensiblemente. Gr. am'ptÇs, "irrepreensivelmente". Advérbio afim do adjetivo ámemptos (ver com. cap. 3: 13). Comportamo-nos. "Fomos" ou "chegamos a ser"; usa-se aqui com o sentido de "atuamos" ou "nos comportamos". 11. Sabem. Cf. "lembram-lhes" (ver coro. vers. 9). Como o pai. No vers. 7 Pablo usa a figura de uma mãe nodriza para descrever a atitude tenra e amante dos evangelistas para com seus conversos; agora emprega a parte que desempenha um pai piedoso na criação de um filho, como uma ilustração da obra infatigável deles na edificação da experiência cristã dos novos conversos. Pablo e seus companheiros exortavam a todos a ser fiéis, reanimavam aos desanimados e solenemente exortavam e admoestavam aos que davam sinais de estar-se apartando; mas todo isso se fazia com ternura e amor. Exortávamos e consolávamos. A isto se acrescenta "encarregávamo-lhes" (vers. 12). Estes três verbos descrevem os três principais aspectos da obra de cada ministro cristão. 12. Andassem. Gr. peripatéÇ (ver com. F. 2: 2; cf. Couve. 1: 10; 1 Juan 1: 6). O propósito da contínua obra dos apóstolos era capacitar a esses novos cristãos para que vivessem vistas dignas dos filhos do Pai celestial. Se vive-se de outra maneira se desonra a Deus, e até se dá motivo para que seu nome seja blasfemado pelos incrédulos (cf. com. ROM. 2: 24). Que lhes chamou.
  23. 23. Melhor "que lhes chama", ou "que continua lhes chamando". Quanto ao significado da chamada de Deus, ver com. ROM. 8: 28, 30; 1 Cor. 1: 9; Gál. 1: 6. Seu reino. Quanto à natureza deste reino, ver com. Mat. 4: 17; 5: 3; 6: 10, 13; Mar. 3: 14; cf. com. 1 Cor. 6: 9. Pablo se refere ao reino presente da graça de Deus. Quando os cristãos se convertem, são chamados o reino de a graça de Deus (ver com. Couve. 1: 13). Glória. Ver com. Juan 1: 14; ROM. 3: 23. O reino presente da graça culminará com o reino eterno da glória de Deus, no qual entrarão os crentes com gozo, possuindo realmente essa cidadania quando Jesus volte para congregá-los ali (cf. Mat. 24: 31). Pablo admoesta aos tesalonicenses a viver de acordo com as leis deste glorioso reino (cf. com. Fil. 3: 20). 13. Damos graças a Deus. Cf. com. cap. 1: 2-3. Pablo estava seguro da realidade da fé inicial de seus conversos, e desejava impressioná-los para que sentissem essa realidade e não fossem tentados a duvidar e a deixar sua fé. Receberam. Esta flexão verbal aparece duas vezes neste versículo, mas é a tradução de dois verbos diferentes. O primeiro, paralambánÇ, significa a recepção externa, o escutar a mensagem; o segundo, déjomai, refere-se à recepção interior, à aceitação da mensagem. "Receber. . . acolheram" (BJ); "recebido. . . abraçaram" (BC); "ouvir.. acolheram" (NC). Palavra de Deus. Pablo não tinha dúvidas 243 sobre o origem da mensagem que pregava: sabia que era de Deus. Também tinha ensinado aos tesalonicenses as Sagradas Escrituras (Hech. 17: 2- 3). Regozijava-se porque tinham reconhecido a autoridade divina de sua mensagem, e entrevista o reconhecimento deles como uma causa importante para seu próprio regozijo. Atua. Gr. energéÇ (ver com. Fil. 2: 13). Quando a Palavra é aceita, leva a cabo na vida a obra divinamente disposta. Em vós os crentes. A obra eficaz da Palavra se efectúa no cristão por meio da fé. A Palavra de Deus só é de proveito quando está "acompanhada de fé" nos que
  24. 24. ouvem-na (Heb. 4: 2). O Evangelho é "poder de Deus para salvação a tudo aquele que crie" (ROM. 1: 16). Pablo diz em uma de seus grandes doxologías que Deus pode fazer por nós "muito mais. . . pelo que pedimos ou entendemos, segundo o poder que atua em nós" (F. 3: 20). Também fala de seus próprias experiências, e diz quanto luta ao pregar com toda a "potência" que Deus faz que atue "poderosamente" dentro dele (Couve. 1: 29). O grande poder da Palavra de Deus estava obrando, neste caso, nos crentes de Tesalónica, lhes dando paciência nas provas e perseguições. 14. Iglesias de Deus. Esta frase, em plural, só se encontra aqui e em 1 Cor. 11: 16; mas o singular é comum no NT (Hech. 20: 28; etc.). Em Cristo Jesus. Estas palavras demonstram que Pablo se está refiriendo às Iglesias cristãs de origem judia, e não às sinagogas de quão judeus pensavam que eram a igreja de Deus. As Iglesias cristãs formadas por judeus haviam sofrido terríveis perseguições à mãos dos dirigentes judeus, quem rechaçaram a mensagem evangélica (Hech. 8: 1; 9: 1-2). Os tesalonicenses foram perseguidos pelos gentis instigados pelos judeus (Hech. 17: 5-8). portanto, as duas comunidades cristãs, uma na Palestina e a outra em Macedônia, podiam simpatizar mutuamente em seus mesmos sofrimentos. Judea. Não é claro por que Pablo compara aos tesalonicenses com os cristãos de origem judia. Possivelmente apresenta às Iglesias da Judea como um magnífico exemplo de fortaleza, ou talvez os judeus perseguidores da Tesalónica lhe fizeram recordar as condições similares que havia na Palestina. Qualquer que seja a razão, revela a avaliação que tinha pelos crentes judeus ao catalogá-los como modelos que deviam imitar as outras Iglesias. 15. Mataram ao Senhor Jesus. A igreja da Tesalónica era uma igreja gentil, mas muitos de seus membros tinham sido partidários judeus (ver com. Hech. 17: 4). Esses membros estavam acostumados a procurar os dirigentes judeus de sua cidade para obter instrução religiosa. Poderiam ter pensado que algo andava mal na ensino do Pablo, pois tinha provocado a ira dos dirigentes religiosos sobre ele e seus seguidores. Mas Pablo mostra que seu ódio era de esperar-se, pois "os judeus... mataram ao Senhor Jesus e a seus próprios profetas" (1 Lhes. 2: 14-15, cf. Mat. 23: 31; Hech. 7: 52). O apóstolo faz responsáveis aos judeus da morte de Cristo (cf. com. Hech. 2: 23). Expulsaram-nos.
  25. 25. "Perseguiram-nos" (BJ); "perseguem-nos" (NC). Estas palavras poderiam ter uma aplicação local ou geral. Os judeus tinham açoitado ao Pablo do tempo de sua conversão (ver com. Hech. 9: 23), e continuaram com seus maus propósitos contra ele e seus companheiros (ver com. Hech. 13: 45). Especificamente, os mesmos judeus que ocasionaram perturbações em Tesalónica, perseguiram o Pablo, Silas e Timoteo até a Berea (ver com. Hech. 17: 13). Não agradam a Deus. A flexão do verbo denota que os judeus não acostumavam agradar a Deus. Sentiam zelo Por Deus e pensavam que seu cruel fanatismo agradava ao Senhor (Juan 16: 2); mas sua inimizade contra os cristãos era inspirada pela inveja, e esta foi a que desatou, como em todas partes, a perseguição na Tesalónica (Hech. 17: 5; 13: 45). Esta conduta só podia causar um profundo desagrado divino. opõem-se. Os judeus se opunham a todos outros. Se seu zelo tivesse tido a base do amor de Deus, também teriam amado a seus semelhantes; mas, ao contrário, manifestavam um fanatismo exclusivista. Seu proceder fez que muitos escritores pagãos afirmassem que os judeus sentiam "só odeio e inimizade" para outras nações (Tácito, Historia V. 5). Pablo se dava conta de que esse ódio assumia a terrível forma de tratar de impedir que o Evangelho chegasse aos que o desejavam (cf. vers. 16). 16. nos impedindo. Gr. kÇlúÇ "estorvar", "impedir", "proibir". Os judeus eram capazes de percorrer "mar e terra para fazer um partidário" (Mat. 23: 15), e se alegravam de que 244 os estrangeiros aceitassem o judaísmo; mas faziam todo o possível por impedir que os cristãos divulgassem as boas novas da salvação mediante Cristo. Para que estes se salvem. Pablo estava convencido de que a predicación apostólica resultava na salvação dos que aceitavam sua mensagem. Sabia que não há salvação a não ser em Jesucristo (Hech. 4: 12), e também sabia por experiência pessoal, que qualquer esforço para propagar o Evangelho atrairia a ira dos judeus (cf. Hech. 22: 22). Enchem. Gr. anapl'róÇ, "encher plenamente", "encher até o bordo". Quando os judeus rechaçaram a salvação em Cristo e impediram que outros se beneficiassem com o sacrifício do Salvador, encheram "até o bordo" a medida de seus pecados (cf. com. Mat. 23: 32).
  26. 26. Sempre. Os pecados dos judeus aumentaram mais e mais até que a medida de seu iniqüidade esteve mais que completa, porque mataram aos profetas nos dias do AT, porque rechaçaram e crucificaram ao Senhor dos judeus e, finalmente, porque perseguiram tenazmente aos seguidores do Salvador. Veio. A consumação da ira de Deus sobre o povo escolhido ainda era algo futuro (70 d. C.); mas Pablo previa o caminho que significariam os judeus, e por isso falava com certeza sobre o fim para o qual se apressavam. Segundo a profecia do AT (ver com. Dão. 9: 24) e a de nosso Senhor (Mat. 23: 37-39; 24: 15-20), assim como pela iluminação do Espírito Santo, o apóstolo podia ver a ira de Deus caindo já sobre a nação impenitente. Jerusalém não estava ainda destruída, mas lhe tinha retirado o amparo de Deus. Logo a cidade seria "pisada", os judeus seriam pulverizados, e se cumpriria a profecia do Senhor (ver com. Luc. 19: 43-44; 21: 24). A ira. Quer dizer, a ira de Deus (ver com. cap. 1: 10). Até o extremo. Ou "ao fim". 17. Separados. Gr. aporfanízÇ, "deixar órfão"; "longe como órfãos de vós" (BC). depois de falar dos judeus (vers. 15-16), o apóstolo retoma o pensamento de que seu amor por eles não decresce. A palavra grega sugere a íntima relação familiar que havia entre o Pablo e seus conversos. Quando as circunstâncias os separavam, cada membro se sentia como órfão. Por um pouco de tempo. Literalmente "pelo lapso de uma hora". Não se sabe quanto tempo transcorreu desde que Pablo se separou deles (Hech. 17: 10) e o momento quando escreveu esta epístola; mas devem ter transcorrido vários meses. Procuramos. Gr. spoudázÇ, "apressar-se", "trabalhar em excesso-se", "ser diligente"; "ansiávamos" (BJ); "demo-nos pressa" (BC); "quisemos ardentemente" (NC). Pablo fazia todo o possível para visitar de novo aos tesalonicenses. Com muito desejo.
  27. 27. Pablo assegura aos tesalonicenses que tinha feito todo o possível para voltar a eles. Esta afirmação rebateria qualquer pensamento que sugerissem os adversários judaicos, no sentido de que Pablo deliberadamente se afastava da Tesalónica. Em realidade, a violenta expulsão que afasto aos apóstolos de os novos crentes, aumentou muito seu desejo de retornar a Tesalónica. 18. Eu Pablo certamente. Pablo se distingue agora de seus colaboradores, aos quais sempre associou consigo através da epístola. Isto correspondia com a exatidão dos feitos, pois Silas e Timoteo se ficaram na Berea quando Pablo foi a Atenas (Hech. 17: 14), e Timoteo tinha visitado os tesalonicenses por pedido do Pablo (1 Lhes. 3: 1-2). Os três desejavam retornar, mas o apóstolo podia afirmar, falando por si mesmo, que tinha esboçado planos definidos para fazê-lo "uma e outra vez" (literalmente "e uma vez e duas vezes"), ou seja vez detrás vez. Desejava vê-los. Satanás. O Espírito Santo tinha guiado ao Pablo em suas viagens missionárias. antes de passar a Europa na viagem que o levou a Tesalónica, o apóstolo tinha pensado trabalhar na província da Ásia, ou na Bitinia, mas o Espírito Santo se o tinha impedido (Hech. 16: 6-7); mas não foi o Espírito Santo o que havia expulso ao Pablo e a seus companheiros da Tesalónica e se havia oposto a que retornassem. Essa foi, em realidade, a obra de Satanás, o grande adversário. Estorvou-nos. Gr. egkóptÇ, "interromper", "obstaculizar". Em uma carreira de carros de dois rodas, um auriga podia impedir o avanço de um competidor; em uma estrada moderna, um automobilista egoísta às vezes impede o avanço do veículo ao que adiantou-se. Satanás tinha posto obstáculos no caminho do Pablo e o impedia de retornar a Tesalónica. O apóstolo não dá nenhuma indicação 245 em quanto à maneira como Satanás o estorvava. Mas Satanás só pode estorvar, não impedir o triunfo final do Evangelho. O Senhor impera, e ele e sua igreja finalmente triunfarão. 19. Qual é nossa esperança? O apóstolo chega à razão suprema de seu desejo de estar de novo com os crentes da Tesalónica. Vivia com a esperança de apresentar a seus conversos ante o Senhor Jesus como troféus de seu fiel ministério. Sua esperança não era vã, pois se dava conta da excelente qualidade da vida cristã dos tesalonicenses (cf. com. cap. 1: 3-4). Gozo, ou coroa. Ver com. Fil. 4: 1; cf. com. 2 Cor. 1: 14.
  28. 28. Glorifique-me. No dia do triunfo Pablo poderia apresentar a seus conversos com são orgulho, regozijando-se porque o Senhor o tinha usado para a salvação deles. Estes conceitos do Pablo, expressos nesta ocasião, teriam um dobro efeito sobre seus leitores: (1) convenceria-os da sinceridade de seu amor por eles e de seu desejo de voltá-los para visitar; (2) animaria-os a permanecer fiéis apesar de a perseguição. Vinda. Gr. parousía (ver com. Mat. 24: 3). 20. Vós são nossa glória. No vers. 19 Pablo há descrito a seus conversos como seu "esperança", "gozo" ou "coroa"; aqui os apresenta como seu "glória" (ou "honra"). Esta era uma grande louvor para os tesalonicenses. Estes crentes não só eram o gozo e a coroa do apóstolo, mas também seu orgulho e deleite. Pablo se glorifica pela evidência da obra do Espírito de Deus neles. O apóstolo podia constantemente regozijar-se e agradecer (cap. 1: 2) pela fé, amor e esperança dos tesalonicenses (cap. 1: 3), e além por seu forte espírito missionário (cap. 1: 8). O coração do Pablo estava na Tesalónica, por cima e a pesar de todas as dificuldades. COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE 3-8 HAp 208 6, 9 HAp 280 10 Ev 458-459 10-13 HAp 208 12 1T 137 13 PVGM 39 19 CM 217; HAd 252; MJ 20 19-20 DMJ 77; Ed 66; HAp 209; OE 534; P 61 CAPÍTULO 3 1 Pablo demonstra seu grande amor pelos tesalonicenses lhes enviando ao Timoteo para que os fortalezca e conforte; regozija-se pelo bom proceder deles, 10 e, além disso, ora por eles e deseja chegar felizmente até eles.
  29. 29. 1 PELO QUAL, não podendo suportá-lo mais, acordamos ficar solos em Atenas, 2 e enviamos ao Timoteo nosso irmão, servidor de Deus e nosso colaborador no evangelho de Cristo, para lhes confirmar e lhes exortar respeito a sua fé, 3 a fim de que ninguém se inquiete por estas tribulações; porque vós mesmos sabem que para isto estamos postos. 4 Porque também estando com vós, predizíamo-lhes que íamos passar tribulações, como aconteceu e sabem. 5 Pelo qual também eu, não podendo suportar mais, enviei para me informar de sua fé, não seja que lhes tivesse tentado o tentador, e que nosso trabalho resultasse em vão. 6 Mas quando Timoteo voltou de vós a nós, e nos deu boas notícias de sua fé e amor, e que sempre nos recordam com carinho, desejando nos ver, como também nós a vós, 7 por isso, irmãos, em meio de toda nossa necessidade e aflição fomos consolados de vós por meio de sua fé; 8 porque agora vivemos, se vós estiverem firmes no Senhor. 9 Pelo qual, que ação de obrigado poderemos dar a Deus por vós, por todo o gozo com que nos gozamos por causa de vós diante de nosso Deus, 10 orando de noite e de dia com grande insistência, 246 para que vejamos seu rosto, e completemos o que falte a sua fé? 11 Mas o mesmo Deus e nosso Pai, e nosso Senhor Jesus Cristo, dirija nosso caminho a vós. 12 E o Senhor lhes faça crescer e abundar em amor uns para com outros e para com todos, como também o fazemos nós para com vós, 13 para que sejam afirmados seus corações, irrepreensíveis em santidade diante de Deus nosso Pai, na vinda de nosso Senhor Jesus Cristo com todos seu Santos. 1. Pelo qual. Quer dizer, devido ao grande amor dos apóstolos, a sua preocupação por seus conversos e à prolongada frustração do Pablo em seus intentos de voltar para Tesalónica. Suportá-lo.
  30. 30. Gr. stégÇ, "cobrir", "ocultar", "suportar" (cf. 1 Cor. 9: 12; 13: 7). O sujeito em plural, "nós" neste versículo, parece indicar que o apóstolo desejava esclarecer que seus companheiros compartilhavam seu afã por esses novos crentes e que participavam de todo coração em seus esforços por resolver os problemas criados pela separação (ver com. 1 Lhes. 2: 17-18). Sós em Atenas. Pela narração sabemos que quando Pablo foi obrigado a sair da Macedônia, "Silas e Timoteo ficaram ali" (Hech. 17: 14). Quando o apóstolo chegou a Atenas, apreciou a formidável oportunidade que representava essa culta metrópole pagã, e sentiu a necessidade de ter fiéis ajudantes; por isso lhes enviou a ordem "de que viessem o mais logo que pudessem" (vers. 15). A narração dos Fatos não diz se Silas ou Timoteo puderam ir a Atenas; mas esta passagem sugere que Timoteo foi, e logo o enviaram de retorno a Macedônia quase imediatamente para ajudar aos crentes da Tesalónica. Pablo deveu ficar solo em Atenas. Deve lhe haver sido extremamente difícil tomar esta decisão. O grande sacrifício que o apóstolo estava disposto a fazer privando-se do Timoteo e de sua ajuda, indica que as necessidades dos tesalonicenses eram urgentes. Timoteo depois de sua visita a essa cidade, viajou com o Silas a Corinto, onde estava Pablo (cap. 18: 5). É claro que os três missionários se uniram para desenvolver os planos riscados, e que Pablo tomou a iniciativa, tanto em apresentar planos como em cumpri-los. 2. Enviamos ao Timoteo. Ver com. vers. 1. Servidor. Gr. diákonos (ver com. Mar. 9: 35). nosso colaborador. A evidência textual favorece (cf. P. 10) o texto "Timoteo nosso irmão e colaborador de Deus no evangelho de Cristo". O jovem não só era irmão do Pablo, participava da mesma fé e estava unido com ele, mas sim além disso era colaborador com Deus na proclamação do Evangelho de Cristo. Este nobre conceito de estar vinculado com Deus em sua grande missão de amor em favor da humanidade queda, ocupava um lugar proeminente no pensamento do Pablo e com freqüência o expressava em seus escritos (cf. ROM. 1: 9; 1 Cor. 3: 9; 2 Cor. 6: 1; Fil. 4: 3). Para lhes confirmar. Gr. St'rízÇ (ver com. ROM. 16: 25). O principal propósito da visita de Timoteo era confirmar e fortalecer aos crentes para que nenhum se apartasse da fé. lhes exortar.
  31. 31. Gr. parakaléÇ (ver com. Mat. 5: 4). O segundo propósito da missão de Timoteo era exortar aos crentes. Isso incluiria um repasse do que se os tinha ensinado, uma ampliação de seus horizontes doutrinais e um fortalecimento de sua experiência cristã diária. Todo isso se resume nas palavras "respeito a sua fé". 3. inquiete-se. Gr. sáinomai, "agitar-se", "perturbar-se". Segundo as versões antigas, este é o sentido deste verbo passivo que só aparece aqui no NT. Desde aí as traduções: "Ninguém vacile" (BJ); "nenhum titubeasse" (BC); "nenhum fosse perturbado" (VM). Nos escritos clássicos se emprega em sentido literal, que significa "menear a cauda", para referir-se aos cães; portanto, tem a conotação de "adular", "enganar". Alguns acreditam que este último significado deve aplicar-se neste versículo. Pablo conhecia os perigos que a perseguição local significaria para os tesalonicenses. Por isso esperava fervientemente que o ministério do Timoteo impedisse de algum jeito que fraquejassem na fé. Por estas tribulações. Ou "nestas tribulações", pois Pablo tinha a imagem mental das difíceis circunstâncias em que teriam que viver sua fé seus conversos. 247 Estamos. O verbo em plural se refere aos apóstolos e também a seus conversos. O feito de saber que Deus conhece a perseguição que estão sofrendo e que esta tem uma parte já atribuída no plano divino para as vidas deles, fortalece aos cristãos ao suportar aflições. As provas que permite nosso amante Pai são o meio necessário para a salvação, e são dirigidas e mitigadas de acordo a esse fim (1 Cor. 10: 13). As provas aperfeiçoam os caracteres, e os cristãos não devem rebelar-se ante o processo de refinamento (ver com. Mau. 3: 3; Hech. 14: 22; 2 Tim. 3: 12; 1 Ped. 2: 21; 4: 12-13). 4. Predizíamo-lhes. No curto tempo que Pablo e seus companheiros estiveram com os tesalonicenses, esforçaram-se a fim de prepará-los para as inevitáveis dificuldades que sobreviriam (Hech. 18: 23). Em primeiro lugar esses crentes conheciam o terrível castigo que Pablo e Silas tinham sofrido no Filipos (ver com. 1 Lhes. 2: 2), e em seu predicación os missionários lhes tinham apresentado a perseguição vindoura. Agora Pablo lhes recorda suas predições e seu penoso cumprimento. A veracidade da mensagem apostólica deve ter confirmado a confiança dos tesalonicenses nele (cf. com. Juan 13: 19), e deve haver significado um incentivo eficaz para que permanecessem firmes.
  32. 32. Ibamos a passar tribulações. Ou "estamos por sofrer tribulações". 5. Pelo qual. Embora Pablo sabia que os tesalonicenses seriam perseguidos, não aceitou essa certeza com indiferença. Amava a seus filhos espirituais, e estava meigamente interessado em seu bem-estar. Por isso enviou a um mensageiro pessoal para que lhe trouxesse informações diretas a respeito da condição deles. Não menciona-se à pessoa enviada, pois já tinha entregue essa informação (vers. 2). Simplesmente dá a razão pela que enviou ao Timoteo. Já tinha feito uma afirmação similar nos vers. 1 e 2, mas aqui a faz mais pessoal falando em primeira pessoa singular, "eu", sem usar verbos em plural. Suportar. Ver com. vers. 1. me informar de sua fé. A principal preocupação do Pablo era o estado da saúde espiritual de seus conversos. Tivesse-lhes tentado o tentador. Pablo conhecia as debilidades humanas, e por isso temia que alguns dos crentes pudessem ter abandonado a pureza da fé. Sua preocupação podia desaparecer unicamente quando recebesse notícias diretas da Tesalónica. O apóstolo revela seu conhecimento das sutilezas da tentação. Deus havia permitido que as provas assediassem aos cristãos tesalonicenses; mas a tentação não se originava nele. Pablo reconhece que a incitação ao mal provém do tentador, de Satanás (cf. com. Mat. 4: 1; Sant. 1: 13-l4); dá-se conta de que um demônio pessoal trabalha por meio de homens ímpios, que está atacando aos filhos de Deus com o propósito de desanimá-los para que abandonem sua fé. Se o diabo conseguia ter êxito, então toda a obra feita em favor dos crentes teria sido em vão, pois Pablo considerava que seus esforços não tinham tido fruto a menos que concluíram com a salvação de aqueles para quem trabalhava. 6. Mas quando. Literalmente "mas agora", o qual indica que Timoteo acabava de chegar de Tesalónica. portanto, esta primeira epístola foi escrita pouco depois da chegada do Timoteo, e por isso reflete os carinhosos sentimentos cansados por o reanimador relatório do Timoteo, e também esclarece que a epístola foi escrita em Corinto, não em Atenas (ver pp. 232-233), pois o relato diz que Timoteo e Silas se reuniram com o Pablo em Corinto (Hech. 18: 5).
  33. 33. Amor. Gr. agáp' (ver com. Mat. 5: 43; Juan 11: 3; 1 Cor. 13: 1). Foi um bálsamo para o coração do Pablo o saber que a fé dos crentes não tinha fraquejado e que seu amor não se esfriou. Recordam-nos com carinho. Pablo tinha temido que as tergiversações dos judeus o houvessem indisposto com os tesalonicenses uma vez que se afastou deles. A notícia de que ainda se lembravam dele com carinho e que continuamente desejavam vê-lo, teve que ter sido muito reconfortante para o apóstolo. O declara que o desejo era mútuo: ele também desejava vê-los (cf. cap. 2: 17-18). 7. Necessidade e aflição. Gr. anágk' e thlípsis. Quanto ao significado destas duas palavras gregas, ver com. ROM. 2: 9 e 1 Cor. 7: 26, respectivamente. Alguns intérpretes hão pensado que "necessidade e aflição" referem-se a dificuldades internas e externas. O mais provável é que se refira às duras provas com que os judeus apressavam ao apóstolo em Corinto (Hech. 18: 1-17). Ali os dirigentes judeus se haviam oposto com muita veemência e em forma muito blasfema à predicación do Evangelho feita pelo Pablo, 248 e por esta razão se separou de eles e se dirigiu completamente aos gentis (vers. 6). Os hostis intentos para silenciá-lo não cessaram; antes bem, aumentaram até o ponto de que "levantaram-se de comum acordo contra Pablo" (vers. 12). Nesses momentos de dificuldades o Senhor misericordiosamente animou ao Pablo em visão para que fora valente na apresentação de sua mensagem, e lhe assegurou amparo e êxito em sua obra (vers. 9-10). Possivelmente nesses momentos recebeu o consolador mensagem que lhe trouxe Timoteo. Fomos consolados. Pablo, tão cuidadoso para animar a outros, a sua vez foi consolado pelos que procuravam lhe ajudar. Tomara que os ministros de Deus também sejam reconfortados agora por aqueles por quem trabalha. O melhor modo em que um converso pode animar a quem o trouxe para o Salvador é manter-se firme no caminho cristão. 8. Porque agora vivemos. Um contraste com a perturbada existência, rodeada de aflição e angústia, que tinham suportado os apóstolos. Se. . . estão firmes.
  34. 34. Quanto ao significado de "estar firmes", ver com. Fil. 1: 27. Pablo declara que enquanto os tesalonicenses permanecessem firmes, ele e seus companheiros desfrutariam do máximo gozo cristão possível. Uma expressão de amor tão cordial, e o ardente interesse do apóstolo no bem-estar deles, devem ter animado aos tesalonicenses a ser fiéis. 9. Que ação de obrigado poderemos dar? O coração do Pablo transbordava de legítimo júbilo ante o pensamento do magnífico comportamento de seus conversos. Pablo desejava, naturalmente, agradecer pelo testemunho exemplar deles, e desejava agradecer não aos homens a não ser a Deus que tinha feito possível sua vida vitoriosa. Seu gozo era espiritual. Derivava de sua contemplação do crescimento espiritual dos crentes. Neste gozo não há egoísmo; é similar à alegria que sentem os anjos pela conversão de um pecador (Luc. 15: 10). Pablo expressa por terceira vez agradecimento a Deus por seu poder sustentador em favor dos conversos do apóstolo (cf. 1 Lhes. 1: 2; 2: 13). Poderia haver uma causa maior para expressar agradecimento? O gozo que sente um verdadeiro servo de Cristo quando conhece a felicidade dos que levou a Senhor, é a máxima recompensa por seu serviço (cf. 3 Juan 4). 10. Orando de noite e de dia. Ver com. cap. 2: 9. Aqui se apresenta uma vislumbre da vida privada de oração do apóstolo. Pablo trabalhava "de noite e de dia" (cap. 2: 9); sem embargo, como o supremo sacerdote, continuamente levava a seus conversos sobre seu coração (ver com. Exo. 28: 29). Para que vejamos seu rosto. Cf. cap. 2: 17-18; 3: 6. Pablo sabe que há algo que só pode fazer em forma pessoal; mas o fato de que não lhe é possível cumprir seu desejo, induz-o a escrever esta carta que tão bem faz em favor de seus amigos distantes. Mas quanto mais beneficiou à igreja em todos os séculos! Esta epístola, que possivelmente é o mais antigo de todos seus escritos conhecidos (ver pp. 232-233), foi redigida como resultado direto de seus infrutíferos intentos de voltar para Tesalónica (ver com, cap. 2: 18). É possível que tivesse visitado mais tarde essa igreja e dado mais instruções a seus membros (ver Hech. 20: 2). Mas em esse momento tinha obstáculos que lhe impediam de ir. A demora que obrigou ao apóstolo a pospor sua visita, pela graça de Deus se converteu na oportunidade para que escrevesse a epístola. Dessa maneira a ira do homem converteu-se em louvor a Deus. Completemos o que falte. Gr. katartízÇ (ver com. Luc. 6: 40; Gál. 6: 1). Pablo desejava completar o que lhes faltava espiritualmente. Tinha elogiado a fé, o amor e a esperança deles (1 Lhes. 1: 3), mas reconhecia que lhes faltavam virtudes essenciais
  35. 35. (ver com. cap. 4: 11; 5: 14), e precisavam abundar "mais e mais" (cap. 4: 10) em os atributos cristãos. 11. Mas o mesmo Deus. Pablo dá começo a uma nova seção, e registra uma oração específica. O feito de que Deus e Cristo se mencionem juntos destaca a unidade desses dois membros da Divindade. Quanto aos títulos que Pablo dá ao Pai e ao Filho, ver com. ROM. 1: 7; Gál. 1: 4; Fil. 2: 5. Dirija. Com mais precisão "façam direito" (cf. Luc. 1: 79; 2 Lhes. 3:5). Satanás havia posto obstáculos no caminho do Pablo (1 Lhes. 2: 18), e por esta razão o apóstolo recorreu ao Pai e a Cristo lhes pedindo que tirassem todos os obstáculos e fizessem possível que ele e seus companheiros visitassem de novo Tesalónica. 12. E o Senhor. Pablo virtualmente diz: não importa o que me aconteça, desejo que cresçam em estatura espiritual. Faça-lhes. . . abundar. Gr. pleonázo, "exuberar" (BJ). A "abundância" adicional serve 249 para destacar o ardor do desejo do Pablo por seus conversos. Ora para que Deus os de um amor cada vez mais profundo por seus irmãos na fé, e logo pelos que estão fora da igreja. Queria que o ardente amor que sentia por eles se reproduzira em seus corações em favor de outros. O amor fervente mútuo é uma prova para o mundo da autenticidade da religião cristã. Esta é a ensino explícito de Cristo (Juan 13: 34-35). 13. Para que. Assinala o resultado da superabundância de amor nos corações. Afirmados. Gr. St'rízÇ (ver com. ROM. 16: 25). Em 1 Lhes. 3: 2 St'rízÇ se traduz "confirmar". Pablo tinha a confiança de que Cristo confirmaria os corações dos crentes, e reconhecia que os tesalonicenses não podiam fazer essa obra por si mesmos. Irrepreensíveis.
  36. 36. Gr. ámemptos, "impecável", "sem mancha", "irreprochável" (cf. com. F. 1: 4; Fil. 2: 15; 3: 6). O desejo do apóstolo para seus conversos era que em assuntos espirituais estivessem livres de toda imperfeição. Santidade. Isto indica a esfera para a qual Cristo dirige aos crentes. Os capacita de tal modo a viver vistas santas, irrepreensíveis, que poderão apresentar-se sem mancha diante do juiz do universo. "Irrepreensíveis em santidade" representa a norma ética e espiritual máxima. O apóstolo acredita que uma norma tal pode ser alcançada mediante a graça que Cristo proporciona a aqueles de seus seguidores que crescem no amor. Acreditar menos que isso seria negar o Evangelho. diante de Deus. A preocupação do Pablo era que seus conversos fossem considerados irrepreensíveis, não pelos homens, que são falíveis, a não ser Por Deus, que esquadrinha os corações e sabe o que há na mente. Nosso Pai. Cf. vers. 11. Vinda. Gr. parousía (ver com. Mat. 24: 3). A vinda de nosso Senhor é uma das nota chave desta epístola (1 Lhes 1: 10; 2: 19; 4: 16; 5: 23). Pablo destaca nestas últimas palavras que o caráter dos crentes deve estar desenvolvido para o dia da vinda de Cristo, pois então já não haverá possibilidade alguma de mudança. Santos. Gr. hágios (ver com. ROM. 1: 7). Hágios geralmente se refere no NT a os filhos redimidos de Deus (Mat. 7: 52; Hech. 9: 13; 1 Cór. 1: 2; etc.). Alguns acreditam que hágios se refere aqui aos anjos que acompanham a Cristo em seu parousía ou vinda (Mat. 25: 31); mas outros acreditam que Pablo se está refiriendo aos Santos que ressuscitarão e aos que estejam vivos, que se reunirão quando Cristo apareça (1 Lhes. 4: 13-17), e com quem ele então se unirá. COMENTÁRIOS DO ELENA G. DO WHITE 1 HAp 190 6-10 HAp 2O7 8 MC 124; P 28
  37. 37. 11-12 MeM 228 12-13 HAp 213; 5T 693 13 DMJ 125 CAPÍTULO 4 1 Os precatória a seguir adiante em toda santidade, 6 a viver Santa e justamente, a amar-se mutuamente, 11 a ocupar-se cada um quietamente em seus próprios assuntos 13 e a lamentar-se com moderação pelos mortes. 15 A esta última exortação acrescenta-se uma breve descrição da ressurreição e a segunda vinda de Cristo para julgar a todos. 1 PELO resto, irmãos, rogamo-lhes e exortamos no Senhor Jesus, que da maneira que aprenderam de nós como lhes convém lhes conduzir e agradar a Deus, assim abundem mais e mais. 2 Porque já sabem que instruções lhes demos pelo Senhor Jesus; 3 pois a vontade de Deus é sua santificação; que lhes separem de fornicação; 4 que cada um de vós saiba ter sua própria esposa em santidade e honra; 5 não em paixão de concupiscência, como os gentis que não conhecem deus; 250 6 que nenhum ofenda nem engane em nada a seu irmão; porque o Senhor é vingador de tudo isto, como já lhes havemos dito e atestado. 7 Pois não nos chamou Deus a imundície, a não ser a santificação. 8 Assim, que despreza isto, não despreza a homem, a não ser a Deus, que também deu-nos seu Espírito Santo. 9 Mas sobre o amor fraternal não têm necessidade de que vos escriba, porque vós mesmos aprendestes que Deus que lhes amem uns aos outros; 10 e também o fazem assim com todos os irmãos que estão por toda a Macedônia. Mas lhes rogamos, irmãos, que abundem nisso mais e mais; 11 e que procurem ter tranqüilidade, e lhes ocupar em seus negócios, e trabalhar com suas mãos da maneira que, mandamo-lhes, 12 a fim de que lhes conduzam honestamente para com os de fora, e não tenham necessidade de nada. 13 Támpoco queremos, irmãos, que ignorem a respeito dos que dormem, para que não lhes entristeçam como os outros que não têm esperança. 14 Porque se acreditarem que Jesus morreu e ressuscitou, assim também trará Deus com
  38. 38. Jesus aos que dormiram nele. 15 Pelo qual lhes dizemos isto em palavra do Senhor: que nós que vivemos, que teremos ficado até a vinda do Senhor, não precederemos aos que dormiram. 16 Porque o Senhor mesmo com voz de mando, com voz de arcanjo, e com trompetista de Deus, descenderá do céu; e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro. 17 Logo nós os que vivemos, os que tenhamos ficado, seremos arrebatados junto com eles nas nuvens para receber ao Senhor no ar, e assim estaremos sempre com o Senhor. 18 portanto, lhes respire os uns aos outros com estas palavras. 1. Pelo resto. Gr. loipós, "quanto ao resto". Este término grego também está em 2 Cor. 13: 11; F. 6: 10; Fil. 4: 8; 2 Lhes. 3: 1 (ver com. Fil. 3: 1). Pablo conclui sua oração, e começa a exortar aos tesalonicenses quanto à vida cristã. Rogamo-lhes. Gr. erÇtáÇ (ver com. Fil. 4-3). Pablo, em vez de usar sua autoridade apostólica e dar ordens a seus leitores, com tato e humildade lhes roga que escutem, e se dirige a eles como irmãos. Exortamos. Gr. parakaléÇ (ver com. Mat. 5: 4). Pablo não se contente rogando; a seu rogo acrescenta uma fervente exortação. Tinha orado para que os tesalonicenses pudessem estar preparados para a vinda do Senhor (cap. 3: 12-13), mas só orar não era suficiente. Deviam fazer algo mais. Sua parte era emprestar atenção à instrução que tinham recebido, e, pela graça de Deus, proceder conforme a ela. No Senhor Jesus. Ver com. Fil. 2: 19. Pablo não estava dando opiniões ou conselhos pessoais; escrevia por inspiração divina. Estava exortando no nome do Senhor e por autoridade divina. Embora este enfoque está cheio de tato, há nele uma vigorosa nota de autoridade; estava calculado para que tivesse uma grande influencia nos que recebessem esta mensagem. Aprenderam de nós. Pablo recorda a seus leitores o que lhes tinha ensinado enquanto estava com eles (cf. 1 Cor. 15: 1; Gál. 1: 9; Fil. 4: 9). Lhes tinha dado uma
  39. 39. instrução prática (cf. 1 Lhes. 2: 2, 7-8, 13). lhes conduzir e agradar a Deus. Quer dizer, "conducíos para agradar a Deus". A evidência textual estabelece (cf. P. 10) o aplique de uma frase: "como também caminham"; "como andam" (NC); "como de fato já andam" (BA). O propósito desse comportamento ou modo de viver (ver com. cap. 2: 12) devia ser o de obter a aprovação divina de sua conduta (cf. com. vers. 4). O apóstolo tinha ensinado aos tesalonicenses que vivessem não como quão judeus em geral desagradavam a Deus (vers. 15), a não ser de acordo com os princípios evangélicos para que recebessem continuamente a aprovação divina. Abundem mais e mais. O apóstolo desejava que seus conversos alcançassem elevadas metas cristãs. Acreditava que podiam ir muito além do que já tinham alcançado (cf. Ed 15-16). Esta confiança em suas possibilidades abriria o coração dos tesalonicenses para as sérias admoestações seguintes. 2. Sabem. Cf. cap. 2: 1-2, 9, 11, aonde Pablo destaca o conhecimento pessoal de 251 os tesalonicenses de seu ministério prévio em favor deles. Não lhes está pedindo nada novo. Instruções. Gr. paraggelía, "ordem", "instrução". Este término se usa com freqüência em a literatura clássica para especificar ordens militares. Aqui se refere a as instruções previamente repartidas pelo Pablo aos tesalonicenses. Pelo Senhor Jesus. Ou "por causa de". O apóstolo recorda de novo a seus leitores que seus ensinos eram dados por autoridade divina. Agora, quando estava por falar de pecados específicos dos quais eram culpados alguns da igreja, desejava vivamente que cada paroquiano reconhecesse que estava enunciando princípios de Cristo (cf. vers. 8). Esse reconhecimento asseguraria uma resposta positiva a as normas que lhes estava recordando. 3. A vontade de Deus. A vontade de Deus representa seus desejos para seus filhos. Não é sua vontade que nem sequer um dos membros de sua família pereça devido a nenhuma classe de pecado (Mat. 18: 14).
  40. 40. Santificação. Gr. hagiasmós (ver com. ROM. 6: 19). Hagiasmós é lhe abranja; não se limita a a castidade, embora esta se destaca no pensamento do Pablo neste contexto; entretanto, a vontade de Deus só se pode cumprir com nossa consagração completa. Cristo morreu para fazer possível nossa santidade (F. 5: 25-27), mas este resultado não se obtém em um momento. A justificação se efectúa instantaneamente, quando o pecador arrependido aceita o perdão de Deus; mas a santificação é a obra contínua da graça (ver com. ROM. 12: 1-2). "Não é obra de um momento, uma hora, ou um dia, mas sim de toda a vida" (HAp 447). Aparteis. Do verbo grego apéjomai, "separar-se de", e portanto, "abster-se". Deus espera que o cristão se além do pecado e não se exponha à tentação (ver com. 1 Cor. 6: 18). Fornicação. Gr. pornéia (ver com. Mat. 5: 32; Hech. 15: 20; 1 Cor. 5: 1). Este pecado devia ser condenado enfaticamente entre os conversos gentis, pois se haviam criado em uma atmosfera onde se aceitava o relaxamento moral e o vício era um rito religioso (ver T. VI, pp. 93-94). A deusa principal de Corinto, desde onde estava escrevendo, era Afrodita, deusa do amor e da procriação; seu culto se celebrava com as mais desenfreadas orgias. Em qualquer cidade pagã teria sido difícil que os cristãos não tivessem sido afetados por uma imoralidade tão pública. Mas tudo o que vai contra a castidade de coração, em palavra e comportamento, é contrário ao mandamento do Decálogo divino e também à santidade que exige o Evangelho (cf. Mat. 5: 27-28; Hech. 15: 29; 1 Cor. 6: 18; Gál. 5: 19; F. 5: 3). Esta ordem deve ser minuciosamente atendida por tudo o que segue a Cristo, pois se rebaixaram as normas de conduta sexual, considera-se antiquada a castidade e os divórcios são muito freqüentes. 4. Saiba. Ou "compreenda'. Em 1 Lhes. 5: 12 Pablo usa o verbo "reconhecer" com o sentido de "conhecer o valor de", "apreciar", "respeitar". Usam-se diferentes forma do mesmo verbo em 1 Lhes. 4: 5; 2 Lhes. 1: 8; Gál. 4: 8 para descrever aos que não conhecem deus, quer dizer, que nem o compreendem nem o apreciam. Ter. Gr. ktáomai, "adquirir", "procurar para a gente mesmo", "possuir". Sua própria esposa. Gr. skéuos, "utensílio", "instrumento", "copo", "coisa"; 'seu corpo" (BJ, NC); "seu próprio copo" (BA). Skéuos se usa 23 vezes no NT; 7 vezes se há
  41. 41. traduzido "copo", e 10 vezes "objeto", "utensílio", "vasilha", "bens" ou "instrumento". Há diferença de opinião quanto ao significado deste versículo. Alguns opinam que Pablo se refere ao corpo do cristão, tendo em conta especialmente suas funções sexuais. Esta interpretação concorda com o contexto que tráfico da pureza sexual (vers. 3 e 5), mas não tão bem com o significado de ktáomai, "adquirir" (ver "ter"). Entretanto, é possível lhe dar a ktáomai o significado de "ganhar o domínio sobre". A opinião generalizada dos eruditos prefere interpretar skéuos, "copo", como uma referência à esposa de um homem. Essa opinião tem apoio bíblico em 1 Ped. 3: 7, onde se descreve à esposa como "copo mais frágil", e na literatura rabínica, onde se fala da esposa como de um "copo" para o homem. Há outro ponto de vista que merece consideração. Uns poucos intérpretes hão sugerido que o versículo se divida da seguinte maneira: "Cada um de vós respeite a sua própria esposa, e obtenha lucros em santificação e honra". Sustentam que o segundo pensamento se aplica às relações comerciais, à aquisição de riqueza, e que Pablo insiste para que se faça com um fundamento 252 ético. Mas esta interpretação é estranha à corrente do pensamento do Pablo, o qual se concentra nos vers. 3-7 em temas de pureza sexual. O enfoque que dá Pablo a este tema da impureza e do matrimônio nesta epístola, está em harmonia com a forma em que trata um tema similar em 1 Cor. 7, aonde considera que o matrimônio é uma união divinamente instituída que ajuda aos maridos cristãos a evitar as tentações sexuais (ver com. 1 Cor. 7: 1-5). 5. Paixão. Gr. páthos, "emoção", boa ou má; mas no NT só se aplica a maus desejos (ROM. 1: 26; Couve. 3: 5). Concupiscência. Gr. epithumía, "desejo", "ânsia", "desejo" ; mas no NT geralmente mal desejo, especificamente, "luxúria" (ver com. Mar. 4: 19; ROM. 7: 7). As palavras "paixão de concupiscência", poderiam, pois, traduzir-se "paixão de luxúria". A estreita relação entre os vers. 4 e 5 apóia a idéia de que Pablo se está refiriendo aos aspectos sexuais do matrimônio. No vers. 4 apresenta o enfoque positivo; no 5 destaca o proceder que deve evitar o cristão. Embora os tesalonicenses se criaram em uma atmosfera de imoralidade, não deviam permitir que esta os poluísse. Gentis. Ou "pagãos". Posto que os tesalonicenses mesmos tinham sido gentis, ou pagãos, entendiam a que se referia Pablo. Mas o fato de que agora o apóstolo claramente os distinguisse dos pagãos, animaria-os a manter essa distinção negando-se a sentir prazer na imoralidade como o faziam os
  42. 42. gentis. Que não conhecem deus. Ver com. ROM. 1: 21, 28. 6. Ofenda. Gr. huperbáinÇ, "passar por cima de", "exceder-se", metaforicamente "transgredir"; "extralimitarse" (NC); "ninguém se ultrapasse" (VM). Este verbo só usa-se aqui no NT. Engane. Gr. pleonektéÇ, "aproveitar-se de outro", "defraudar". Em nada. Melhor "nele assunto". O que se entenda pelo que está comprometido em "o assunto" é muito importante para a interpretação deste versículo. Alguns sustentam que se faz referência a transações comerciais, e que Pablo está admoestando a seus conversos a ser honrados em seus negócios. Este ponto de vista está em conflito com o pensamento do Pablo expresso nos vers. 5 e 7, onde claramente se ocupa da pureza sexual. É preferível supor que o apóstolo continua com seu tema dos vers. 3-7, e que com delicadeza afirma que a fornicação é uma forma de roubar, já que se apropria do que em justiça pertence a outro. Vingador. Gr. ékdikos (ver com. ROM. 13: 4). descreve-se ao Senhor como o que executa julgamento. que estabeleceu o vínculo que une a marido e esposa, vela por ele (cf. Mat. 19: 5-6). As relações que se acreditam secretas, que não se apresentam ante nenhum tribunal humano, são vistas pelo Senhor (Heb. 4: 13). O julga. O transgressor não pode evitar o castigo divino. Desta maneira Pablo recorda a seus leitores que o pecado, especialmente a classe de pecado de que está-se ocupando, não ficará impune. apresenta-se isto como a primeira razão para não defraudar a nosso irmão. Tudo isto. Tudo o que corresponde a pecados carnais de fornicação, adultério e qualquer outra forma de impureza sexual. Já lhes havemos dito. Pablo não dá nenhum conselho novo. Repete o ensino dado previamente aos crentes.
  43. 43. Atestado. Ou "protestado solenemente", "testemunhado publicamente". Pablo havia admoestado fielmente a seus conversos contra as corruptoras influências que preponderavam na sociedade. A igreja de Deus necessita hoje ter em conta uma admoestação solene semelhante, pois está rodeada das influências degradantes de uma sociedade corrompida. 7. Pois. Com esta conjunção causal começa a segunda razão que expõe Pablo em seu exortação a viver com pureza (ver com. vers. 6). Chamado. Ver com. cap. 2: 12. A chamada de Deus é uma razão poderosa para evitar toda classe de impureza. Cf. com. 1 Cor. 6: 18-20; 1 Ped. 1: 14-16. A imundície. Ver com. cap. 2: 3. Deus não chamou a ninguém a ser imundo ou impuro. Santifícación. Gr. hagiasmós (ver com. ROM. 6: 19). Deus espera que seus filhos vivam em uma atmosfera de santidade (cf. Heb. 12: 14). A santidade devesse caracterizar todo aspecto da vida cristã. 8. Despreza. Quer dizer, que despreza o conselho do Pablo (vers. 3-7) em realidade está rechaçando a mensagem de Deus. Isto destaca ao máximo as normas morais apresentadas pelo apóstolo. 253 Também nos deu. A evidência textual estabelece (cf. P. 10) o texto tal como está na RVR. Entretanto, alguns MSS dizem "está dando" em vez de "deu". Continuamente Deus está repartindo seu Espírito Santo a seus filhos. Deu-nos. A evidência textual estabelece (cf. P. 10) o texto "deu-lhes" (BJ, BC, NC). Pablo não está falando agora de sua própria inspiração pelo Espírito Santo, mas sim se refere à forma que Deus dispôs para que seu povo seja vitorioso sobre toda classe de pecados. O Senhor não só chamou a seus filhos à santidade e deu claras ordens contra a impureza, mas sim há
  44. 44. proporcionado o poder pelo qual podem alcançar a elevada norma divina. O cristão, assim fortalecido, pode superar todos os obstáculos em seu propósito de obter um caráter semelhante ao de seu Professor (cf. F. 3: 16-19; Fil. 4: 13; Couve. 1: 11). 9. Amor fraternal. Gr. filadelfía (ver com. ROM. 12: 10). Cf. Heb. 13: 1; 1 Juan 3: 14; 4: 20-21. Pablo se ocupou (1 Lhes. 4: 6) de uma forma especial de violar os princípios do amor, mas não considera necessário prosseguir com o tema. Aprendido de Deus. Quando a gente aceitou o novo pacto da graça permitindo assim que o Senhor escriba a lei divina em seu coração, é ensinado Por Deus, e já não necessita depender só da instrução humana (cf. Heb. 8: 10-11). Amem-lhes uns aos outros. O propósito da instrução divina é promover o amor fraternal no coração dos crentes (cf. com. cap. 3: 12). O amor fraternal fervente é uma das mais poderosas evidências de uma verdadeira conversão (HAp 213). 10. Fazem-no assim. Esta era outra razão para que Pablo não precisasse escrever mais sobre o amor fraternal. Os tesalonicenses já tinham demonstrado seu amor aos crentes do norte da Grécia, e Pablo os tinha gabado no começo desta epístola por o "trabalho de" seu "amor" (ver com. cap. 1: 3). Não explica de que maneira expressaram seu amor fraternal, mas sem dúvida foram hospitalares com seus irmãos na fé na Macedônia. Agora aproveita essa qualidade que haviam demonstrado como base para lhes exortar a ser puros em suas vidas. depois de demonstrar tão ampliamente seu amor, com segurança o praticariam em seus relações cotidianas com seus irmãos da igreja. Rogamo-lhes. Melhor "exortamo-lhes", BJ (cf. com. vers. 1). Abundem nisso mais e mais. O amor demonstrado pelos tesalonicenses ainda não se aperfeiçoou. Pablo os precatória a prosseguir no bom caminho. A vida cristã é de progresso contínuo. O amor de Deus se aperfeiçoa em nós só quando nosso amor mútuo é pleno (1 Juan 4: 12, 20-21). 11.
  45. 45. Procurem. Gr. filotiméomai, "desejar ou pretender honras", "trabalhar em excesso-se"; aqui "ambicionar", "aspirar"; "ambicionem" (BJ); "esforcem" (NC). Ter tranqüilidade. Quer dizer, viver uma vida repousada, em calma. Pode ser que tenha havido fanatismo entre os crentes da Tesalónica. Alguns poucos estavam disseminando idéias e doutrinas fanáticas que perturbavam a muitos (ver 2 Lhes. 3: 11-12; HAp 212). Pelo contexto e pelo tenor da epístola, parece que essas idéias perturbadoras se relacionavam com a doutrina do segundo advento (1 Lhes. 4: 13-18; 5: 1-11l; cf. HAp 185-186). lhes ocupar em seus negócios. Conforme parece, alguns dos membros da igreja se estiveram ocupando de assuntos que não lhes incumbiam, possivelmente até de assuntos da mesma igreja (cf. com. 2 Lhes. 3: 11-12). Trabalhar. Uma das melhores proteções para não ser intrometidos é ocupar-se ativamente do próprio trabalho. Mas parece que alguns estavam ensinando que tendo em vista a iminência do segundo advento, não correspondia que ocupassem-se nos trabalhos comuns; e devido a isso alguns tinham deixado de trabalhar para manter-se, e estavam dependendo da generosidade de seus irmãos. Mandamo-lhes. Pablo já se ocupou do problema quando esteve com os tesalonicenses, de modo que agora podia recordar sua anterior instrução verbal, e não só ordenava que vivessem assim, mas sim tinha dado um notável exemplo de laboriosidade, independência e utilidade (cf. com. Hech. 18: 3). 12. Conduzam-lhes. Gr. peripatéÇ (ver com. cap. 2: 12). Honestamente. Gr. eusj'mónÇs, "decorosamente", "decentemente". A admoestação não se refere a relações comerciais, a não ser a viver uma vida cristã conseqüente, ocupando-se do de um e trabalhando com diligência 254 para ganhá-la vida sem depender de outros. Com os de fora.
  46. 46. Quer dizer, fora da igreja, os que não eram cristãos (ver com. 1 Cor. 5: 12). Uma vida cristã conseqüente é em si mesmo um bom testemunho ante o mundo incrédulo. Necessidade de nada. O grego pode traduzir-se "nada" ou "ninguém". O significado é claro com ambas traduções. "Não necessitem de ninguém" (BJ); "de ninguém tenham necessidade" (BC). O cristão deve aspirar a ser independente, a não depender de outros para seu sustento. 13. Tampouco queremos. Pablo pode estar associando ao Silas e ao Timoteo em sua afirmação, do contrário está usando um plural majestático (ver com. cap. 1: 1). O apóstolo introduz um tema novo: o que ocorrerá com os cristãos mortos quando se produzir o retorno de Cristo. Timoteo, que acabava de retornar de Tesalónica (cap. 3: 6), possivelmente tinha sido portador da notícia de que os membros de igreja estavam muito preocupados com a sorte dos seus que tinham morrido depois de sua conversão. Como podiam compartilhar esses defuntos as glórias do reino de Cristo quando voltasse El Salvador? Pablo considera agora o tema detalladamente (vers. 13-18), e logo se ocupa de um tema afim: o momento da aparição de Cristo (cap. 5: 1-11). Trata ambos os pontos, não como doutrinas novas, mas sim como um ensino familiar na qual os crentes necessitavam mais instrução e admoestação. Pablo não tinha tido tempo para responder a todas as perguntas dos tesalonicenses nem para esclarecer cada ponto enquanto tinha estado com eles. Os que dormem. Gr. koimáÇ, "dormir", em sentido figurado "morrer". A forma verbal grega também pode traduzir-se "estão dormindo". Seguiam morrendo cristãos em Tesalónica. Quanto ao sonho como uma figura da morte, ver com. Juan 11: 11. As inscrições gregas mostram que os cemitérios se chamavam koim't'rion, palavra que significa "dormitório". Para os cristãos os mortos estavam como dormidos, esperando a manhã da ressurreição. Não lhes entristeçam. Pareceria que os tesalonicenses se entristeceram indevidamente pelos deles que tinham morrido depois de aceitar o Evangelho. Os que ficavam temiam que os defuntos perdessem a gloriosa experiência que os cristãos esperavam desfrutar quando Cristo voltasse. Pablo dedica os vers. 13-18 a eliminar esse engano e consolar aos crentes. Explica que não há necessidade de que um cristão se entristeça por seu irmão morto, pois a esperança da ressurreição elimina a causa desse pesam Mas Pablo não desaprova a dor natural. Está ensinando aos crentes a não ficar sumidos em uma dor humana sem esperança, a não ser a reanimar-se com a expectativa de reunir-se com seus amado

×