NOAS 01/2001

19.938 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
19.938
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
324
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

NOAS 01/2001

  1. 1. Jequié – BA 10/2011
  2. 2. Discentes: Cintia Alves; Cristiane Teixeira; Ivana Ferraz; Lorena Freitas;Luciane Barbosa; Manuele Silva; Martha Brito; Murilo Leite; Vanildo Araújo. Docente: Adriana Galdino. Jequié – BA 10/2011
  3. 3. NOAS 01/2001A NOAS-SUS atualiza a regulamentaçãoda assistência, considerando os avanços jáobtidos e enfocando os desafios a seremsuperados no processo permanente deconsolidação e aprimoramento do SistemaÚnico de Saúde.
  4. 4. NOAS 01/2001
  5. 5. OBJETIVOS NOAS 01/2001 Promover maior equidade na alocação de recursos e no acesso da população às ações e serviços de saúde em todos os níveis de atenção. Fortalecer a capacidade de planejamento e organização dos sistemas estaduais, articulando e integrando os sistemas municipais.
  6. 6.  Promover a definição do papel de cada município na rede regionalizada e resolutiva. Concluir a habilitação de 100% dos municípios a gestão descentralizada do SUS e agilizar a habilitação dos estados à Gestão Plena do Sistema Estadual (GPSE). Promover a melhoria da qualidade de atenção e do acesso dos cidadãos às ações de saúde de todos os níveis de complexidade, independente de seu município de residência.
  7. 7. Fortalecimento da capacidade degestão do SUS, garantido através:a) Do processo de programação daassistência;b) Da definição de responsabilidades decada nível de governo na garantia de acessoda população referenciada;c) O processo de controle, avaliação eregulação da assistência;d) Dos hospitais públicos sob gestão deoutro nível de governo.
  8. 8. Gestão Plena do Sistema Municipal Responsabilidades: Elaboração do Plano Municipal de Saúde. Gerência de unidades próprias, ambulatoriais e hospitalares.Gerência de unidades assistenciais transferidas pelo estado e pela União.
  9. 9. Gestão de todo o sistema municipal. Desenvolvimento do cadastramento nacional dos usuários do SUS segundo a estratégia de implantação do Cartão Nacional de Saúde. Garantia do atendimento em seu território para sua população e para a população referenciada por outros municípios. Integração dos serviços existentes no município às centrais de regulação ambulatoriais e hospitalares.
  10. 10. Cadastro, contratação, controle, avaliação, auditoria e pagamento aos prestadores deserviços ambulatoriais e hospitalares localizados em seu território e vinculados ao SUS.Operação do SIH e do SIA/SUS. Manutenção do cadastro atualizado de unidades assistenciais em seu território, segundo normas do MS. Avaliação permanente do impacto das ações do Sistema sobre as condições de saúde dos seus munícipes e sobre o meio ambiente.
  11. 11. Execução das ações básicas.Execução de ações de epidemiologia.
  12. 12. REPASSE DE RECURSOS FINANCEIROS NOAS 01/2001O financiamento da proposta de ampliaçãoda Atenção Básica pressupõe o aumento dorepasse de recursos em uma base percapita, a ser efetivado mediante a ampliaçãodo valor fixo do Piso de Atenção Básica.O processo de qualificação na assistênciase dará por região ou microrregião desaúde, após avaliação de suasituação, conforme critérios descritos naNOAS-SUS 01/01.
  13. 13. A qualificação de uma região/microrregiãoresultará na transferência fundo a fundopara o município-sede de cada módulo deum valor per capita nacionalcorrespondente à oferta do conjuntomínimo de serviços ambulatoriais de médiacomplexidade que compõem o primeironível de referência para o atendimento dapopulação descrita àquele município, e dosrecursos financeiros para as açõeshospitalares, de acordo com a PPI.
  14. 14. IMPORTÂNCIA DA NOAS 01/2001 PARA O SUS• Controle do cadastro nacional de prestadores de serviços;• Vistoria de serviços quando lhe couber;• Diminuição nas diferenças regionais na alocação dos serviços;• Definição de mecanismos de garantia de acesso para as referências interestaduais;• Busca de mecanismos voltados à melhoria da qualidade dos serviços prestados;• Financiamento das ações.
  15. 15. IMPORTÂNCIA DA NOAS 01/2001 NOS PRINCIPIOS DE ATENDIMENTO DO SUS Assistência à saúde, Atenção Básica, Atenção de Média Complexidade Ambulatorial e Hospitalar e Atenção de Alta Complexidade/CustoAssistência pré- Atendimento de infecções Acompanhamento do natal, parto e agudas de maior crescimento e puerpério; incidência; desenvolvimento infantil; Cobertura universal do esquema Ações de promoção da preconizado pelo Programa Nacional de saúde e prevenção deImunizações, para todas as faixas etárias; doenças; Tratamento das Acompanhamento de pessoasintercorrências mais comuns com doenças crônicas de alta na infância; prevalência;
  16. 16. Tratamento clínico e cirúrgico Tratamento dos distúrbios de casos de pequenas mentais e psicossociais mais urgências ambulatoriais; frequentes; Suprimento / dispensação dos medicamentos da Farmácia Básica.
  17. 17.  NORMA OPERACIONAL DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE NOAS-SUS 01/2001. Disponível em: saude.teresina.pi.gov.br/legislacao/NOAS- 01-2001.htm. Acesso em: 25/10/2011 Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Regionalização da assistência à saúde: aprofundando a descentralização com equidade no acesso: Norma Operacional da Assistência à Saúde: NOAS-SUS 01/01 e Portaria MS/GM n. o 95, de 26 de janeiro de 2001 e regulamentação complementar / Ministério da Saúde, Secretaria de Assistência à Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

×