17.ago topázio 12.05_231_cemig-d

166 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
166
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

17.ago topázio 12.05_231_cemig-d

  1. 1. P&D 172<br />Padrão de Energia para Calibração de Medidores em Laboratório ou em Campo<br />Luiz Renato Fraga Rios<br />Gerência de Gestão e Controle de Perdas da Distribuição – PR/PE<br />1<br />VI Citenel – Agosto de 2011<br />
  2. 2. P&D 172<br />PROJETO DESENVOLVIDO NO ÂMBITO DO PROGRAMA DE P&D ANEEL:<br />PATENTE REQUERIDA<br />Félix Ferreira Ribeiro<br />felix@nansen.com.br<br />www.nansen.com.br<br />Luiz Renato Fraga Rios<br />lrenatof@cemig.com.br<br />João Paulo de Aguiar Batista<br />joao.aguiar@cemig.com.br<br />
  3. 3. Principais objetivos:<br /><ul><li>Desenvolver um instrumento de verificação em campo do desempenho de medidores de energia instalados nas unidades consumidoras.
  4. 4. Atender mais rapidamente o cliente, esclarecendo suas dúvidas quanto ao funcionamento do medidor na própria UC.
  5. 5. Diminuir a necessidade de aquisição de medidores apenas para repor o estoque de medidores em processo de calibração.
  6. 6. Reduzir os custos relativos à logística de retirada, ensaio, armazenamento e reinstalação dos medidores em campo.
  7. 7. Ser uma alternativa prática, simples, de baixo custo e confiável para a verificação de medidores em campo.</li></li></ul><li>Justificativas:<br /><ul><li>Custos da verificação do medidor em laboratório x “in loco”:</li></li></ul><li>Justificativas:<br /><ul><li>Quantidade de medidores avaliados e potencial de economia:
  8. 8. Prazos para verificação e resposta ao cliente:
  9. 9. Em laboratório: 30 dias, em média.
  10. 10. No campo: 7 dias, em média.</li></li></ul><li>Especificações do padrão:<br />
  11. 11. Componentes do padrão:<br />1) Medidor/registrador microprocessado com teclado e display<br />2) Garras de tensão<br />3) Alicates de corrente (quando I > 20 A)<br />4) Sensor de pulso/voltas para a calibração<br />5) Acionador manual para a calibração<br />1<br />1<br />4<br />5<br />2<br />3<br />3<br />2<br />
  12. 12. Características do padrão:<br />Amostragem de tensão e corrente:<br /><ul><li> 3 elementos sensores de tensão, obtida por pinças que alimentam divisores resistivos internos.
  13. 13. 3 elementos sensores para medições de corrente:
  14. 14. diretas: utilizados transformadores de corrente toroidais de alta linearidade.
  15. 15. indiretas: utilizadas pinças amperimétricas de corrente.</li></li></ul><li>Características do padrão:<br />Sensores:<br /><ul><li> Automático: sensor ótico que capta a mancha do disco ou pulsos
  16. 16. Manual: acionador manual</li></li></ul><li>Montagem:<br />Porta ótica<br />Base<br />Tampa<br />Display e teclado<br />Placa principal<br />Fonte auxiliar e conectores<br />
  17. 17. Software:<br />Software Pégasus desenvolvido em linguagem Delphi:<br />- Funcionalidades básicas: gestão de operadores, clientes, ensaios e resultados.<br />Usuário<br />Consumidor<br />
  18. 18. Software:<br />Dados básicos das medições realizadas durante os ensaios: <br />o número do teste, data e hora; <br />tensão e corrente (com ângulos) de cada fase; <br />energia ativa, reativa e aparente de cada fase e polifásica, quando for o caso;<br />potências ativa, reativa e aparente de cada fase e polifásica, quando for o caso;<br />fator de potência de cada fase e polifásico, quando for o caso.<br />
  19. 19. Software:<br />
  20. 20. Resultados em laboratório:<br /><ul><li>Foram construídos 10 protótipos no projeto.
  21. 21. O Laboratório de Eletrônica de Medição – LEM da CEMIG (laboratório de referência do Watt-hora Padrão da CEMIG-D) selecionou aleatoriamente as amostras de números de série 1 e 9 para os ensaios de certificação.
  22. 22. O LEM é um laboratório acreditado pelo INMETRO e certificado pelo BVQI no Sistema de Gestão da Qualidade - ISO 9002.
  23. 23. Os ensaios foram realizados com base no item B.7 do RTM constante na Portaria INMETRO 431:2007.
  24. 24. Validação dos protótipos em laboratório externo: outras 2 amostras aleatórias foram testadas no Laboratório Metrum (BH). Protótipos aprovados, permanecendo dentro da classe de exatidão nas diferentes condições de calibração.</li></li></ul><li>Resultados em laboratório:<br />Curvas de calibração de energias ativas e reativas do protótipo nº 9, realizadas no LEM pelos Padrões de Referência Monofásicos Radian, modelo RM-11, classe 0,025 (250 p.p.m). Em vermelho encontram-se os limites do índice de classe D (classe 0,2):<br />
  25. 25. Resultados em laboratório:<br />Em azul encontram-se os limites do índice de classe C (classe 0,5):<br />
  26. 26. Resultados em campo:<br /><ul><li>O retorno dado pelas Equipes de Campo está sendo bastante satisfatório, principalmente quanto à facilidade de uso e transporte, transparência no processo e redução do tempo na execução dos ensaios (em torno de 50%). </li></li></ul><li>Resultados em campo:<br />
  27. 27. Evolução e melhorias:<br /><ul><li>As 10 peças desenvolvidas neste projeto estão sendo utilizadas para a calibração de medidores em campo pela CEMIG. Todas as eventuais falhas ou oportunidades de melhorias são registradas e repassadas à Nansen, para aprimoramento e considerações para uma eventual linha comercial.
  28. 28. Para isso, devem ser consideradas as oportunidades de:</li></ul>redefinir componentes e embalagem;<br />estabelecer maior robustez de compatibilidade eletromagnética;<br />otimizar as partes mecânicas e de ferramentaria;<br />criar um padrão sem o uso de pinças amperimétricas para uso com correntes limitadas e com acionamento manual da calibração, para reduzir ainda mais o preço do equipamento. <br />
  29. 29. Conclusões:<br /><ul><li>A utilização do padrão promoveu a redução de custos (R$87,00, em média) e de tempo (de 30 para 7 dias) e traz mais transparência ao processo, uma vez que a probabilidade do ensaio ser feito na presença do cliente é maior.
  30. 30. Ressalta-se, ainda, que o medidor aprovado permanece na UC, trazendo maior confiança ao cliente sobre a exatidão no faturamento da energia.</li></li></ul><li>Muito obrigado!<br />Contatos:<br />Félix Ferreira Ribeiro<br />felix@nansen.com.br<br />www.nansen.com.br<br />Luiz Renato Fraga Rios<br />lrenatof@cemig.com.br<br />João Paulo de Aguiar Batista<br />joao.aguiar@cemig.com.br<br />

×