Renascimento nos Países Baixos

2.635 visualizações

Publicada em

O trabalho é uma reunião das principais características de uma dos principais períodos da História da Arte.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.635
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
43
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Renascimento nos Países Baixos

  1. 1. Renascimento nos países baixos pintura CONTEXTO HISTORICO RENASCIMENTO SETENTRIONAL INFLUENCIA GOTICA PINTORES PRINCIPAIS OBRAS
  2. 2. Antes do começo da era cristã,no que agora são os países baixos, viviam tribos germânicas e celtas. Até o ano 400 d.C, a região ao sul do rio Reno fazia parte do império romano. Na idade media, os países baixos estavam divididos em principiados feudais autônomos. O imperador Carlos V da casa dos Habsburgos, reuniu todos esses territórios junto com atual Bélgica denominado-os “países baixos” e os agregou ao seu vasto império Borgonhês – Habsburgues
  3. 3. Em 1568, vários principados do norte dos países baixos dirigidos pelo príncipe Guilherme de Orange, se sublevaram contra Felipe II, filho de Carlos V. o motivo foi a limitação religiosa e as aspirações absolutistas de Felipe II . Isto significou o inicio do que nos países baixos se conhece como a guerra dos oitentas anos com a paz de Münster em 1648, a republica das sete província dos países baixos foi reconhecida com estado independente a republica consistia de sete províncias soberanas: Holanda, Zelândia, Utrecht, Frísia, Groninga, Overijssel e Gueldres. A forma estatal da republica seguia mantendo um elemento feudal com o “stadhouder” (governador), um cargo poderoso que depois de um tempo seria ocupado por herdeiros de Guilherme de Orange Guilherme de Oranje
  4. 4. A obra de João Calvino (Calvinismo ) exerceu uma influencia internacional no desenvolvimento da doutrina da reforma protestante , esta obra que foi revista várias vezes ao longo de sua vida em conjunto de sua obra pastoral e uma coleção massiva de comentário sobre a bíblia, torna- se a religião oficial do países baixos .
  5. 5. Ainda é grande o debate sobre se o conceito do Renascimento italiano pode ser considerado válido para ser aplicado corretamente à arte do norte da Europa no período anterior a 1500. Os artistas do século XV, no norte europeu, não cultivaram fontes intensivamente clássicas, nem mostraram a predileção para o abstrato e para sistemas teóricos de representação que caracterizaram a arte italiana. Todavia, a transformação radical das tradições artísticas na Europa setentrional, que aconteceu durante os séculos XV e XVI, embora não seja comparável àquilo que surgiu na Itália, pode ser descrita adequadamente como um Renascimento.
  6. 6. Beleza ideal Formas simplificadas, proporções exatas Cenas religiosas e mitológicas Nus masculinos heróicos Formais, reservados Afresco, têmpera, óleo Estrutura anatômica subjacente Teoria Estática, equilibrada Realismo Intenso Traços realistas, honestidade sem bajulação Cenas religiosas e domésticas Cidadãos prósperos, camponeses Revelam a personalidade Óleo sobre madeira Aparência Visível Observação Complexa, irregular PINTURA RENASCENTISTA: PINTURA RENASCENTISTA NOS PAISES BAIXOS:
  7. 7. Os pintores que sofreram a influencia do período gótico, contribuíram com o desenvolvimento da pintura renascentista dos países Baixos. Desenvolvendo assim uma forma mais peculiar de arte baseada na perspectiva, representando com mais realidade: traços físicos, paisagem e cenas religiosas . Entre eles estão: JAN VAN EYCK HIERONYMUS BOSCH (1450-1516) QUENTIN MOSSYS (1465-1530
  8. 8. 1290 1420 1434 1500 1510 1600 1610 O casamento Arnolfini (Jan Van Eyck)
  9. 9. JAN VAN EYCK HIERONYMUS BOSCH (1450-1516 Jardim das delicias • O casamento Arnolfini
  10. 10. QUENTIN MOSSYS (1465- 1530) A duquesa Feia ALBRECHT DÜRER (1471- 1528) Auto Retrato
  11. 11. CRANACH (1472-1553) JAN GOSSEART,ou Mabuse (1478-1532) Netuno e Anfitriti Crucificação com o centurião convertido
  12. 12. JAN GOSSEART (1478-1532) JOACHIN PATINIR (1480- 1524 Caronte Atravessando o Estigi Dánae
  13. 13. JEAN CLANET (1490-1541) HANS HOBLEIN (1498- 1543) Erasmo de Roderdã Retrato de Francisco
  14. 14. PIETER BRUEGEL (1525- 1569) JOACHIN WTEWAEL (1566- 1638) O martírio de São Sebastião Torre de Babel
  15. 15. O CASAL ARNOLFINI (JAN VAN EYCK - 1434)  JARDIN DAS DELICIAS (HIERONYMUS BOSCH) COMBATE DE SÃO MIGUEL COM O DRAGÃO (GRAVURA DE DÜRER) O CASAMENTO DESIGUAL (QUENTIN MOSSYS) DÁNAE (JEAN GOSSAERT) CORANTE ATRAVESSANDO O ESTIGE (JOACHIN PATINIR) JOGOS INFANTIS (PIETRER BRUEGEL)
  16. 16. O Casamento Desigual (por vezes denominada O Contrato de Casamento) é uma notável pintura a óleo sobre madeira, executada pelo artista do Renascimento flamengo Quentin Matsys, usualmente datada entre 1525 e 1530. A obra, provavelmente inspirada em um original perdido de Leonardo da Vinci , aborda um tema recorrente da crítica social na história da arte: o casamento por motivos econômicos entre pessoas de idades diferentes. Atualmente, o painel encontra-se conservado no Museu de Arte de São Paulo (MASP). Foi doado ao museu em 1965, pelo barão Hans Heinrich von Thyssen-Bornemisza.
  17. 17. Dánae ou Dânae é um óleo sobre madeira de Jan Gossaert Mabuse, talvez a mais célebre pintura do artista. Foi pintado em 1527, numa placa de madeira com as avultadas medidas de 114,2 x 95,4 cm, e hoje é albergado pela Antiga Pinacoteca, em Munique. O quadro representa Dânae no momento da sua fecundação. Segundo a tradição, Dânae, presa pelo seu pai numa torre de bronze para que não gerásse herdeiros, atraiu as atenções de Zeus, que, perdido de amores pela princesa de Argos, tomou a forma de uma chuva de ouro que penetrou no edifício, através dum orifício no teto deste, caíndo sobre o colo de Dânae, engravidando-a.
  18. 18. UNIVERCIDADE FEDERAL DO MARANHÃO- COMPONENTES: Ismael Genilson Hilton Willberth Rafaela Cléa

×