BG 19 - Ciclos de Vida

967 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
967
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
47
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

BG 19 - Ciclos de Vida

  1. 1.  A sequência de etapas de desenvolvimento que ocorrem na vida de um organismo, desde que se forma até que produz a sua própria descendência. Nuno Correia 10/11 2
  2. 2.  Uma das fases do ciclo de vida corresponde ao desenvolvimento desde o ovo até à formação de um ser adulto. Nuno Correia 10/11 3
  3. 3. Nuno Correia 10/11 4
  4. 4.  A outra fase corresponde à reprodução, ou seja, a formação de novos indivíduos, os quais transportam a informação genética dos progenitores, transferida através dos gâmetas. Nuno Correia 10/11 5
  5. 5. Nuno Correia 10/11 6
  6. 6.  a ocorrência de meiose, que permite, em determinado momen-to do ciclo, formar células haplóides (n), contribuindo para a diversidade da espécie; a ocorrência de fecundação, que corresponde à fusão de gâmetas, repondo a diploidia no ciclo celular e contribui também para a variabilidade da espécie; a presença de células sexuais, células especializadas que são sempre haplóides, podendo ser gâmetas (comuns a todos os ciclos) ou esporos (presentes apenas em alguns ciclos); a presença de ovo ou zigoto, célula inicial de todos os seres vivos quando recorrem à reprodução sexuada, que é sempre diplóide; a alternância de fases nucleares (apesar de estas poderem ter durações variadas), existe em todos os ciclos uma fase haplóide (que, no mínimo, se resume aos gâmetas) e uma fase diplóide (que, no mínimo, é representada pelo zigoto); a passagem da fase haplóide. para a fase diplóide é da respon-sabilidade da fecundação, enquanto a passagem da fase diplóide para a fase haplóide se deve à meiose. Nuno Correia 10/11 7
  7. 7.  Em função dos desafios que o meio lhes impõe (ex.:teor de humidade, disponibilidade em alimento, número de exemplares da espécie numa população), os diferentes tipos de ciclos de vida dos organismos traduzem a diversidade de estratégias encontradas para assegurar a reprodução. Nuno Correia 10/11 8
  8. 8.  A principal diferença entre os ciclos de vida está relacionada com o momento em que ocorre a meiose. Nuno Correia 10/11 9
  9. 9.  Meiose pré-gamética — a meiose ocorre para que se dê a formação dos gâmetas. Como antecedem a fecundação, estas células são, nestes casos, as únicas entidades haplóides. O ciclo designa-se por diplonte. Meiose pós-zigótica — a meiose ocorre logo após a formação do zigoto. Assim sendo, o zigoto é a única estrutura diplóide do ciclo, que, por isso, se designa por haplonte. Meiose pré-espórica — a meiose ocorre para que se dê a formação dos esporos . Acontece só em indivíduos que apresentem dois tipos de células sexuais (gâmetas e esporos). Nestes seres existe uma geração produtora de esporos (geração esporófita ou esporófito) e uma geração produtora de gâmetas (geração gametófita ou gametófito). Nuno Correia 10/11 10
  10. 10. Nuno Correia 10/11 11
  11. 11.  Vivem no mar, em água doce e em terra firme, sobre superfícies húmidas. Muitas espécies são unicelulares, enquanto outras são multicelulares. O corpo das multicelulares é chamado talo. A grande diversidade das algas tem gerado divergências sobre a sua classificação. Volvox Nuno Correia 10/11 12
  12. 12. Nuno Correia 10/11 13
  13. 13. Ciclo de vida: Espirogira Degeneração dos cloroplastos Gâmeta dador Plasmogamia Tubo de conjugação Gâmeta Papilas de receptor conjugação Germinação de Cariogamia um novo talo Regeneração Meiose Zigoto dos cloroplastos 3 núcleos 4 núcleos (2n) degeneram haplóides Zigósporo Talo deEspirogira (n) Nuno Correia 10/11 14
  14. 14. Nuno Correia 10/11 15
  15. 15. Nuno Correia 10/11 16
  16. 16. Nuno Correia 10/11 17
  17. 17. P a r t Ovo ou Zigoto e n o Zoósporos g é n e s e Meiose Meiose 18Nuno Correia 10/11
  18. 18. Nuno Correia 10/11 19
  19. 19. Nuno Correia 10/11 20
  20. 20. Ciclo de vida: Briófitas Classe dos Musgos Cápsula (2n) Esporos (n) disseminados Coifa Por Meiose no interior da cápsula, CápsulaGametófito feminino (n) Esporófito (2n) formam-se esporos (n) Seda Anterozóides (n) (gâmetas masculinos) Germinação Arquegónio (n) (gametângio feminino) Oosfera (n) (gâmeta feminino) Anterídio (n) (gametângio Fecundação masculino) Arquegónio (n) e divisão mitótica Gametófito Gametófito com embrião (2n) feminino (n) masculino (n) Nuno Correia 10/11 21
  21. 21. Nuno Correia 10/11 22
  22. 22. Nuno Correia 10/11 23
  23. 23. Ciclo de vida: Filicíneas Germinação Protalo Esporo (n) (gametófito) Meiose (n)Esporângio(2n) Oosfera Anterídio (n) (n) Arquegónio Anterozóides Gametófito (n) (n) (n) Esporófito (2n) Fecundação Esporófito (2n) Zigoto (2n) Nuno Correia 10/11 24
  24. 24. 25Nuno Correia 10/11
  25. 25. MeioseNuno Correia 10/11 26
  26. 26. 27
  27. 27.  O ciclo de vida de um ser decorre desde o momento em que se forma até ao momento em que produz descendentes. Quando se verifica reprodução assexuada, o número de cromossomas não se altera ao longo do processo, não ocorrendo alternância de fases nucleares. Durante a reprodução sexuada, no ciclo de vida ocorre uma alternância de fases nucleares - a haplofase e a diplofase. A haplofase está compreendida entre a meiose e o momento da fecundação e o diplofase entre a fecundação e o momento da meiose. O desenvolvimento da fase haplóide em relação ao desenvolvimento da fase diplóide depende do momento em que ocorre a meiose, que pode ser no núcleo do zigoto, na produção de esporos ou na formação de gâmetas . Nuno Correia 10/11 28
  28. 28.  Atendendo ao desenvolvimento relativo das duas fases nucleares, os seres vivos classificam-se em seres haplontes (A), seres haplodiplontes (B) diplontes (C). As condições do meio influenciam a reprodução. As actividades humanas podem afectar a reprodução dos organismos. Nuno Correia 10/11 29

×