Ética e a guerra

418 visualizações

Publicada em

Ética, guerra, filosofia

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
418
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ética e a guerra

  1. 1. Introdução Devido ao seu carácter violento e aos enormes efeitos na vida das pessoas e da sociedade, a guerra é uma fonte óbvia de questões de natureza moral. É exatamente acerca disto que iremos falar e, ao mesmo tempo, encontrar uma resposta em relação à moralidade da guerra, recorrendo à ajuda de diversas correntes filosóficas.
  2. 2. A guerra Apenas são verdadeiramente considerados guerras os conflitos de grande escala, que envolvam a mobilização de recursos por parte dos intervenientes. •“A guerra nada mais é que a continuação da política por outros meios.”- Karl von Clausewitz •A guerra é mãe e rainha de todas as coisas; alguns transforma em deuses, outros, em homens; de alguns faz escravos, de outros, homens livres.”- Heráclito.
  3. 3. • A 1ª e a 2ª Guerra Mundial; • A Guerra dos Cem Anos; • A Guerra do Paraguai; • A Guerra civil de Espanha e a Guerra dos Farrapos; • A Revolução Russa; • A Guerra Santa.
  4. 4. Principais causas da guerra •Ideologias politicas distintas; • Problemas sociais; • Interesses económicos.
  5. 5. da Guerra •Perda de vidas humanas; • Problemas físicos e psicológicos; . • Destruição de cidades e bens materiais; • Estagnação da economia
  6. 6. A ética analisa o comportamento do Homem na sociedade e reflete sobre a moralidade das suas ações. Aplica-se à guerra na medida em que fundamenta a sua moralidade, dizendo-nos se esta pode ou não ser considerada moral ou se a sua moralidade depende das circunstâncias. Dar-nos-á, igualmente, esclarecimentos acerca de como deve ser travada a guerra e o que fazer depois dela.
  7. 7. O é uma corrente filosófica que pressupõe que a moralidade é um fator irrelevante para julgar uma guerra, isto é, as guerras não têm valor moral. Os principais filósofos:
  8. 8. “Olho por olho, e o mundo acabará cego.” Gandhi “A violência é o primeiro refúgio dos incompetentes”. Isac Asimov
  9. 9. A teoria da guerra justa estabelece alguns princípios que definem as condições que constituem uma guerra justa: As regras do são dirigidas principalmente aos governantes, uma vez que são eles que dentro dos estados têm o poder de declarar a Guerra.
  10. 10. Este princípio estabelece o que é justo fazer na guerra. Para melhor orientar uma guerra justa é constituído pelas seguintes regras: Obediência a todas as leis internacionais sobre armas proibidas; Discriminação e imunidade dos não combatentes; Proporcionalidade; Prisão benévola para os prisioneiros de guerra; Não se pode recorrer a meios maus em si mesmos; Proibição de represálias.
  11. 11. A última fase desta teoria tem sido, até agora, aquela a que não se tem dado importância, e , talvez por isso, não haja para esta um conjunto de regras, como para as anteriores. No entanto, têm sido propostas algumas ideias importantes, tais como:
  12. 12. Considerámos este trabalho muito interessante devido ao facto de nos ter dado a conhecer diferentes princípios que nos ajudaram a formular uma “base de conhecimento” em relação à guerra.

×